quarta-feira, 8 de março de 2017

HOJE NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER, NÓS PARAMOS

Hoje, 8 de março, é Dia Internacional da Mulher. É preciso lembrar sempre que é um dia de luta, de protesto, de sororidade, de reivindicações, e de revolta com um mundo ainda extremamente machista e desigual. 
O capitalismo tenta, há anos, sequestrar este fundamental marco feminista para transformá-lo numa data comercial, uma data para "parabenizar mulheres pelo seu dia" e dar rosas e bombons, esvaindo o dia do seu significado de luta. Não permita. E não caia em provocações ridículas do tipo, "Ah, vocês feministas odeiam flores e chocolate". Ninguém aqui odeia flores (e, falando por mim, muito menos chocolate), não se trata disso. Trata-se de resistir a tentativas de disassociar a luta por direitos do Dia Internacional da Mulher. Obrigada pela rosa, mas eu prefiro igualdade salarial, por exemplo. Obrigada pelos bombons, mas dá pra acabar com os estupros e feminicídios? 
Hoje haverá manifestações em pelo menos vinte cidades no Brasil e em mais de cinquenta países. Participe! Veja aqui o que a sua cidade está planejando. 
E, pra quem não pode ir às ruas, colabore do seu jeito: não compre nada nem faça qualquer trabalho doméstico. Vista roxo. Divulgue posts e convocações feministas. Participe dos tuitaços. Há um apitaço marcado para às 12:30. 
Este ano estamos mais unidas do que nunca. O retrocesso pelo que passa o Brasil, com o golpe que destituiu uma presidenta democraticamente eleita e que vem ditando reformas que são terríveis para os trabalhadores e trabalhadoras (mas que sempre impactam mais as mulheres), não é exclusividade nossa. Há um retrocesso mundial, representado pela vitória de Trump nos EUA, pela saída do Reino Unido da União Europeia, e pelo crescimento do fascismo em vários países. Por isso, é preciso lutar. 
E muitas mulheres em todo o mundo vem lutando. Nos EUA, em janeiro, dois milhões de mulheres marcharam contra Trump. As argentinas não param de realizar protestos do Ni Una a Menos, que reúnem multidões. E nós nos mobilizamos o tempo todo.
Para hoje está programada uma grande greve internacional das mulheres. Pra mostrar como as mulheres são importantes para o mundo. Este é o manifesto do #Nós Paramos:

Paramos para denunciar:
Que o capital explora nossas economias informais, precárias e intermitentes.
Que os Estados nacionais e o mercado nos exploram quando nos endividam.
Que os Estados criminalizam nossos movimentos migratórios.
Que recebemos menos que os homens e que a diferença salarial chega, em média, a 26% na América Latina.
Que não é reconhecido que as tarefas domésticas e de cuidado são trabalhos não remunerados e adicionam três horas a nossas jornadas laborais.
Que estas violências econômicas aumentam nossa vulnerabilidade diante da violência machista, cujo extremo mais brutal são os feminicídios.
Paramos para reivindicar o direito ao aborto livre e para que não se obrigue nenhuma menina a enfrentar a maternidade.
Paramos para visibilizar o fato de que, enquanto tarefas de cuidado não sejam uma responsabilidade de toda a sociedade, nos vemos obrigadas a reproduzir a exploração classista e colonial entre mulheres. Para ir ao trabalho, dependemos de outras mulheres. Para migrar, dependemos de outras mulheres.
Paramos para valorizar o trabalho invisível que fazemos, que constrói redes de apoio e estratégias vitais em contextos difíceis e de crise.
#NãoEstamosTodas
Paramos porque estão ausentes as vítimas de feminicídio, vozes apagadas violentamente ao ritmo assustador de treze (13) por dia só no Brasil.
Estão ausentes lésbicas e travestis assassinadas por crimes de ódio.
Estão ausentes as presas políticas, as perseguidas e as assassinadas em nosso território latino-americano por defender a terra e seus recursos.
Estão ausentes as mulheres presas devido a delitos menores que criminalizam as formas de sobrevivência, enquanto os crimes corporativos e o tráfico de drogas permanecem impunes porque beneficiam o capital.
Estão ausentes as mortas e as presas por abortos inseguros.
Diante de lares que se tornam um verdadeiro inferno, nós nos organizamos para nos defendermos e cuidarmos umas das outras.
Diante do crime machista e da pedagogia da crueldade, diante da tentativa dos meios de comunicação de nos vitimizar e de nos aterrorizar, fazemos do luto individual um consolo coletivo e da raiva, uma luta compartilhada. Contra a crueldade, mais feminismo.
#NósNosOrganizamos
Nós usamos a estratégia da greve porque nossas demandas são urgentes. Fazemos da greve de mulheres uma medida ampla e atualizada, capaz de abrigar a empregadas e desempregados, a assalariadas e as que cobram subsídios, a autônomas e estudantes, porque todas somos trabalhadoras. Nós paramos.
Nós nos organizamos contra o confinamento doméstico, contra a maternidade compulsória e contra a competição entre as mulheres, práticas impulsionadas pelo mercado e pelo modelo de família patriarcal.
Nós nos organizamos em todas as parte: nas casas, nas ruas, no trabalho, nas escolas, nas feiras, nos bairros. A força do nosso movimento está nos laços que criamos entre nós.
Nós nos organizamos para mudar tudo isso.
#InternacionalFeminista
Nós tecemos um novo internacionalismo. A partir das situações concretas em que estamos, nós interpretamos a conjuntura.
Vemos que, diante do avanço neo-conservador na região e no mundo, o movimento das mulheres emerge como potência de alternativa.
Que a nova "caça às bruxas", que agora persegue o que nomeia como "ideologia de gênero", tenta justamente combater e neutralizar nossa força e quebrar nossa vontade.
Diante das múltiplas desapropriações, das expropriações e das guerras contemporâneas que têm a terra e os corpos das mulheres como territórios favoritos de conquista, nós nos incorporamos política e espiritualmente.
#ODesejoNosMove
Porque #VivasELivresNosQueremos, nos arriscamos em alianças incomuns.
Porque nos apropriamos do tempo e construímos juntas a disponibilidade. Fazemos da nossa reunião um alívio e uma conversa entre aliadas; das assembleias, manifestações; das manifestações, uma festa; e da festa, um futuro em comum.
Porque #EstamosJuntas, este 8 de março é o primeiro dia de nossa nova vida.
Porque #ODesejoNosMove, 2017 é o momento da nossa revolução.
#NiUnaMenos
#VivaNosQueremos

27 comentários:

Debora Pavin disse...

FEMINISMO NÃO É LAVAGEM CEREBRAL - É LIBERDADE CEREBRAL

Bom dia mulheres do meu planeta

Nesse 8 de março resolvi escrever algumas palavras e a princípio pensei em enviar por e-mail para reflexão pessoal mas pensando bem não têm sentido se isso não puder ser compartilhado.

Estamos passando por um momento crítico da nossa existência como sociedade, país, planeta e GÊNERO.

Espero que todas possam tirar uns minutinhos para refletir sobre algumas questões que acho de extrema importância, e abordo esse texto do ponto de vista psicossocial, ou seja, que concerne simultâneamente à psicologia individual e a vida social.

Eu digo isso porque, quando se trata de falar sobre feminismo não podemos deixar de considerar a bolha que nos permeia.

Como fomos criadas? que valores foram passados através de nossos familiares, religião, condição socioeconômica,experiências pessoais, enfim... uma série de fatores que com certeza influenciaram e influenciam nosso modo de enxergar nosso lugar na sociedade como seres individuais ou coletivos
O feminismo luta para que você possa enxergar fora da bolha e se você quiser voltar pra dentro dela depois e decidir que aquela é a bolha certa também pode ! Aí é que está ,o que nós queremos é que você não seja obrigada a nada que você não quiser , que possa dizer o que pensa e que possa fazer isso sem ser agredida ou morta.
A partir do momento que você não interfere na liberdade do outro, não atenta contra a integridade e a vida de ninguém, você é livre para fazer o que quiser! Você acha que tal mulher não se dá o respeito mas o respeito muitas vezes é julgamento dos outros formado na bolha dos outros com os valores dos outros . Se você aprender a pensar e agir por si própria você vai ter o discernimento do que é bom ou ruim pra você.
Você pode até chegar à conclusão de que o movimento feminista não é muito a sua praia tudo bem! Pode até se declarar anti-feminista que está ótimo também!
Mas não se esqueça que muitas mulheres morreram para que você pudesse no mínimo ter o direito a se expressar ! Indiretamente o feminismo fez parte dá mudança de vida que você poderia nem ter !
ANTES DE SERMOS FEMINISTAS OU ANTI-FEMINISTAS SOMOS MULHERES E ESSE É O COLETIVO QUE DEVERIA EXISTIR
QUE O DIA DAS MULHERES POSSA UM DIA SER ....FELIZ !

Anônimo disse...

http://www.rascunhocomcafe.com/2017/03/votos-para-o-dia-das-mulheres.html

Rafael Cherem disse...

Olha, até agora não vi nenhuma mulher parada.Uma pena...

Anônimo disse...

Disponibilidade sexual, disponibilidade afetiva, reprodução, educação e cuidado de adultos e doentes são tarefas que as mulheres executam e que não são "vistas" pois estão no fundo do iceberg?
Ou pior, são "trabalhos"?... meldels... eu não sabia que sexo, afetividade e reprodução eram considerados como atos de profissão... ou que eram exclusivos de mulheres...

BLH

Anônimo disse...

BLH voltou e voltou falando merda.
Responsabilidade única em cuidar da educação dos filhos, dos parentes doentes e recebendo um "não fez nada mais que a obrigação" enquanto homens não são cobrados por isso.

Anônimo disse...

Cherem, dá uma busca no G1 que tem uma galeria cheinha de imagens.

Anônimo disse...

o suprassumo do ativismo e dos movimentos sociais hj é o feminismo

Anônimo disse...

Sim... reprodução, criação da prole, cuidado com os idosos e muitas vezes o sexo - feito sem vontade ou sob coação do parceiro são trabalhos... trabalhos extenuantes, desgastantes físico-/psicologicamente, sem remuneração ou reconhecimento, às vezes em condições insalubres quando não em regime de semi escravidão.
Trabalhos sem os quais a sociedade simplesmente deixaria de existir... ou vocês acham que essa sacralização do cuidado é feita por nos faz feliz?

Não meus caros... essa santificação da mulher abnegada, da mãe muda, da "heroína" que largou tudo para cuidar de seus parentes idosos nos foi empurrada goela abaixo - na grande maioria esmagadora não nos foi dado outra opção.

Jane Doe

Anônimo disse...

O dia internacional da mulher é um dia que eu prefiro me desligar do mundo. Sério... se eu tiver que ver mais uma reportagem melosa de como as mulheres são profundamente felizes, realizadas e agradecidas pela sua tripla jornada de trabalho e sendo tratada como boi de canga e pelos seus salários irrisórios (quando o possuem) para viver a "grande missão" da maternidade eu vou me jogar pela janela...

Minha lista pessoal de pontos que deveria ser refletidos e soluções que deveriam ser buscada no Dia Internacional da Mulher:

Fim da maternidade compulsória e o fim do mito do amor materno - não somos matrizes reprodutoras, nem toda mulher quer ser mãe e muito menos toda mãe é ou quer ser uma santa abnegada. Nem mesmo todas as mães amam seus filhos;

Direito universal e inalienável a contracepção, esterilização voluntária e ao aborto, de acordo com as escolhas e crença pessoais - sem coação ou controle por parte de quem quer que seja;

Fim da violência física, psicológica e sexual de toda sorte, praticada por quem quer que seja;

Que quando uma mulher sofrer uma violência, que o PERPETRADOR seja investigado, julgado e condenado - e não a vítima;

Que nenhuma violência de gênero seja mais justificada ou desculpada, não interessando a cor, o status social, religião, nacionalidade do perpetrador ou qualquer outro motivo que seja usado para minimizar o crime;

Pelo livro exercício da sexualidade;

Pela igualdade de salários e condições de trabalho - seja nos deveres ou nos direitos;

Pelo fim do paternalismo exercido por quem quer que seja ou sob qualquer pretexto;

Por fim, desejo mais mulheres na ciência, nos nobeis, na política, no empresariado ou onde mais elas desejarem. Desejo por mais empoderamento feminino e independência econômica, emocional e social.. pois só assim conseguiremos mudar nossa situação...


Jane Doe

Anônimo disse...

Essa greve de mulheres virou piada infelizmente, a que eu mais ouvi: hoje você não precisa fazer nada em casa, deixa pra amanhã.

Anônimo disse...

"Há um retrocesso mundial, representado pela vitória de Trump nos EUA, pela saída do Reino Unido da União Europeia,..."

Qual o problema do Reino Unido sair da União Europeia? Os ingleses não têm o direito de escolher o seu destino?

Anônimo disse...

"Nós nos organizamos contra...a competição entre as mulheres, práticas impulsionadas pelo mercado e pelo modelo de família patriarcal."

As mulheres competem entre si e a culpa é do mercado?

Anônimo disse...

19:45 só vc é foi a azarada, não ouvi nada até agora, e piadinhas a respeito do 8 de março sempre tem, independente da reivindicação do ano

19:45 tanto q já estão arrependidos, e como vc mesmo disse: """""""""os ingleses""""""""", pq escoceses e irlandeses (e os londrinos, pq não) definitivamente rejeitaram essa proposta de saída

20:07 machista burro e mal-informado é pleonasmo

Anônimo disse...

Divórcio já existe para que os vagabundos aprendam a vuver sozinhos.

Anônimo disse...

Ainda bem que o divórcio está aumentando e o casamento é cada vez mais uma instituição falida, nenhuma mulher aguenta mais duas jornadas, se livrem logo do peso.

Anônimo disse...

Não lhe ocorre que cada pessoa é diferente e vive uma realidade distinta? Se para umas a solução é não casar, para outras a solução é "mandar em casa" e não se sujeitar a dupla jornada. Sei que tem muito companheiro tosco por aí. Achar uma companhia que aceita dividir as agruras do dia a dia pode não ser fácil, mas é possível sim.
O dito é que depois disso vem alguém que não sabe nada da nossa vida chamando quem consegue isso de "iludida" e etc. Será inveja?

Anônimo disse...

Desculpem. Acho que o comentário anterior ficou parecendo que estou criticando alguém nesse blog. Por favor não considerem assim. Na verdade foi mais um desabafo, em relação a discussões anteriores em outros fóruns.

Não quis ofender ninguém. Só quis lembrar que cada mulher tem uma realidade própria e sim, sabe o que quer. Não deixar os homens decidirem não adianta não for para cada uma de dona da própria vida. Minha opinião.

Rafael Cherem disse...

Ontem na minha cidade teve manifestação, no horário de pico, as trabalhadoras que voltavam para casa ficaram indignadas com o atraso no trânsito.Há muito a se caminhar ainda.

Anônimo disse...

"20:07 machista burro e mal-informado é pleonasmo"

Tá,já que você é tão inteligente,me esclareça então.

Alan Silva disse...

Acabei de ver um vídeo no Facebook, na página da ATEA onde mostrava que nos subúrbios da França, as mulheres estão sendo proibidas de andar nas e frequentar locais públicos, por causa dos muçulmanos.

Anônimo disse...

10:40

não, seria como jogar pérolas aos porcos

Anônimo disse...

"Há um retrocesso mundial, representado pela vitória de Trump nos EUA, pela saída do Reino Unido da União Europeia,..."

Qual o problema do Reino Unido sair da União Europeia? Os ingleses não têm o direito de escolher o seu destino? "


Pelo que eu saiba, o comentário tece uma opinião sobre o Brexit e não que os ingleses não tenham o direito de escolher o destino. Foda quando vcs confundem uma crítica de cunho pessoal com tentativa de censura ou proibição.

Anônimo disse...

"Pelo que eu saiba, o comentário tece uma opinião sobre o Brexit e não que os ingleses não tenham o direito de escolher o destino. Foda quando vcs confundem uma crítica de cunho pessoal com tentativa de censura ou proibição."

Se você escreve um post dizendo que hoje é "um dia de luta, de protesto, de sororidade, de reivindicações, e de revolta",convida as pessoas a protestar nas ruas contra um mundo com cada vez mais opressões e afirma que uma das motivações do protesto é a saída do Reino Unido da União Europeia,só posso imaginar que você seja contra o direito de sair da União Europeia.

Anônimo disse...

Moço,

Ela tá explanando uma opinião pessoal sobre o Brexit e não sobre o direito ou não dos ingleses escolherem o que querem. Há uma diferença entre protestar contra o Brexit e contra o direito de decisão.

Anônimo disse...

Quanto comentário irrelevante....

Fala sério, não dá a menor vontade de ler essas bostas.

Quanto mais respondê-las.

Anônimo disse...

Essa criatura que até agora não entendeu o comentário sobre o brexit já encheu o saco, parece que está trollando de propósito.

donadio disse...

"Qual o problema do Reino Unido sair da União Europeia? Os ingleses não têm o direito de escolher o seu destino?"

Claro que os britânicos têm o direito de decidir o seu destino. Assim como você tem o direito de dar um tiro no coco. Não quer dizer que se você resolver fazer isso, a gente não vá tentar convencer você de que não é uma boa ideia.

Todo mundo tem o direito de fazer merda. Não quer dizer que a gente tenha que elogiar o cheiro.