quarta-feira, 14 de setembro de 2016

POLÍCIA GANHA CARIMBO DE "IGNORANTE MACHISTA" NA TESTA

A Polícia Civil do Paraná cometeu uma burrada enorme (com todo o respeito aos burros) esta semana: chamou uma ação policial para prender alguns criminosos de Operação Feminazi. 
É impressionante: o que tem a ver uma quadrilha de treze pessoas (dez homens e três mulheres) a ver com feminismo? Ah, era porque a líder era uma mulher, logo... feminista! Alguém me explica a lógica disso?
Mas o pior é que nem chamaram de feminista, e sim de feminazi. Que é um termo que faz zero sentido, pois feminismo não tem qualquer ligação com nazismo, e vice-versa. Inclusive, feministas foram perseguidas na Alemanha nazista. Inclusive, muitos dos misóginos que nos perseguem ainda hoje são neonazistas. Inclusive, o termo foi inventado por um radialista ultra-conservador dos EUA para fazer o que reaças tanto fazem -- demonizar ativistas sociais.
Então por que catzo a polícia (uma instituição que, pelo menos na teoria, deveria combater o ódio, já que ódio fere e mata) usa um termo como esse? Não soa nem um pouquinho como ataque gratuito ligar feminismo a tráfico de drogas e crime organizado?
Mas calma que ainda não acabou! Pior ainda foi a explicação dada pela polícia para a escolha do nome: "A operação foi chamada de feminazi porque a líder da organização é uma mulher. O termo é popularmente usado por feministas radicais com ideias extremistas que tem como objetivo estar em uma situação de superioridade em relação aos homens".
Ahn, quem foi o gênio que escreveu isso? O termo não é usado por feministas radicais, sua anta! (com todo respeito às antas). O termo é usado por anti-feministas -- e nem precisa ser anti-feminista radical. Praticamente todos os anti-feministas usam o insulto, que vale automaticamente um carimbo de "ignorante machista" na testa.
Depois de receber um monte de críticas (ainda bem!), a polícia se retratou: "O Departamento da Polícia Civil do Paraná informa que não teve nenhuma intenção de desrespeitar o movimento feminista". Ahã, eles até devem ter amigas que são!
Olha, é dureza esperar que uma polícia machista dessas vai se mexer para combater o ódio que misóginos oferecem a nós feministas todos os dias. 

54 comentários:

Leonardo Vieira disse...

kkk meu deus e so um nome se fosse operação misoginia o texto seria outro, exaltando a policia.
se essa palavra não representa o movimento feminista por tanto estardalhaço, se não condiz com o pensamento e a ideologia de vocês por tanta indignação

Anônimo disse...

HaahhahahahahahahaahhaHhaha

Anônimo disse...

Quando que a polícia vai começar a prender os indivíduos que utilizam chans entre outras redes para exaltar estupro e pedofilia? Quando que vão começar a pegar estupradores e acabar com a impunidade? enquanto isso não acontece, vejo a policia apenas como uma outra das muitas instituições falidas, cheias de problemas e corrupções que não é capaz de fazer seu trabalho, impedir a violência.

Anônimo disse...

Obviamente era trollagem da polícia

Anônimo disse...

Homem é muito estúpido.

Anônimo disse...

A policia é a favor de estupradores?

Anônimo disse...

Polícia, judiciário e médicos: setores mega prestigiados e ultra-conservadores da nossa sociedade.

Anônimo disse...

Feminismo não tem nada a ver com nazismo? E o zentuplo de mortos pelo aborto proporcionado pelo feminismo. Feminismo é muito, mas muito pior que o nazismo.

Anônimo disse...

Eu não entendi o motivo de chamar a operação disso. O que tem a ver uma mulher ser líder com feminazi? Pra eles uma mulher não pode ser líder? Lógico que o nome foi idéia de homem machista, que mesmo não tem lógica alguma fez questão de expor sua estupidez.

Anônimo disse...

22:41 a polícia é feita de pessoas e lógico que a maioria lá é machista, isso responde sua pergunta?

Rafael Cherem disse...

Paraná, sempre ele.

Anônimo disse...

Bem coerente julgar toda uma Instituição face a um fato perpetrado por uma só equipe. Parabéns Lola por perpetuar um comportamento que você mesma jura não fazê-lo!

Rodrigo Almeida disse...

Mas sempre tem aquelas feministas mais extremas que pregam o ódio a todos os homens, e são carinhosamente apelidadas de feminazis. Se vc não se identifica como tal então não precisa vestir a carapuça.

Anônimo disse...

Lola, hoje falou-se sobre machismo e cultura do estupro no programa da Fátima Bernardes. A atriz que interpreta uma personagem que sofreu um estupro na série Justiça estava lá e ela nos representou muito bem.

Anônimo disse...

Que gracinha. Ao invés de ficar de "trollagem" a polícia podia parar de acobertar estuprador, pedófilo e agressor de mulher. Que tal?

Anônimo disse...

"Mas sempre tem aquelas feministas mais extremas que pregam o ódio a todos os homens, e são carinhosamente apelidadas de feminazis."

Se fosse uma operação para prender uma gang de mulheres que se juntam pra matar homem misógino seria um bom nome. Inclusive adoraria que existisse uma. Mas o engraçado é que bastou uma mulher na LIDERANÇA de uma quadrilha pra ela ser chamada de feminazi.

Engraçado como homem se sente ameaçado facilmente. A quadrilha nem era só de mulheres, tem 10 homens, a maioria da quadrilha é homem. Mas bastou ser liderada por uma mulher e ela "quer ser superior aos homens" = significado de feminazi segundo eles.

- Olhem uma mulher que não está no seu lugar de coadjuvante, ela não é uma simples leva e traz de droga, ela lidera a quadrilha, logo odeia homens pois não está no seu lugarzinho de mulher. Interessante como funciona a lógica masculina.

Você feminista que diz que é contra o "femismo" - coisa que não existe - que diz que o feminismo ajuda os homens na esperança de ganhar simpatia. Você mulher machista que ataca feminista. Lindas, desistam, basta você ocupar um lugar de liderança, estar no topo, que você é feminazi, odeia homem. Se você não está abaixando a cabeça em sinal de reverência, logo você é uma nazista e está oprimindo homens e o frágil ego deles.

Anônimo disse...

"O que tem a ver uma mulher ser líder com feminazi? Pra eles uma mulher não pode ser líder?"

Exatamente. Expliquei isso acima. Uma mulher líder odeia homens, é uma nazista.
Basta uma mulher em posição de liderança para ela ser odiadora de homens.
Basta uma mulher não aceitar merda de homem para ela ser odiadora de homem.
Basta uma mulher dizer Basta! para as merdas masculinas para ela ser odiadora de homens.

Uma nazista. Seguidora de Hitler.


Depois mulher que é frágil.

Imagina se os homens tivessem que aturar 1% da merda que nós aturamos deles?

Aí você diz que é um problema o fato de mulheres não estarem representadas na política, em posições de liderança que realmente importam e tem que ouvir "Qual o problema? Homens não podem representar os interesses das mulheres? Você vai votar em mulher só porque é mulher? Feminazi! Odiadora de homem".

Tenha santa paciência..

Anônimo disse...

Aí quando você perde a paciência é chamada de que? FEMINAZI.

Anônimo disse...

"Se vc não se identifica como tal então não precisa vestir a carapuça."

Eu visto a carapuça porque acho divertida essa tentativa de insulto.
Quando me xingam disso digo logo que já estou com a câmara de gás preparada pra ele.

titia disse...

Sempre achei que a polícia é geralmente composta de 15% de gente que quer fazer as coisas direito e 85% de machos fracos e covardes que querem esconder a própria covardia e inutilidade por trás de uma sigla que lhes permite ser violentos com os mais vulneráveis e que se borram todos de medo quando veem uma mulher que não está em posição de objeto.

Triste ver que eu estava certa.

09:38 porque digno mesmo é estuprar as crianças, espanca-las, abusar física e emocionalmente delas, deixa-las passar fome pra não pagar pensão e abandonar as coitadas sem amor e cuidado. Isso é simplesmente direito natural, digno e perfeitamente aceitável.

Abortar um punhadinho de células que não pensa, não sente e nem sabe que é gente é um crime hediondo equiparável ao nazismo.

Às vezes eu acho que a civilização não foi a melhor das ideias. Se ainda estivéssemos na era dos neandertais esse tipo de anomalia cerebral já estaria extinta.

Anônimo disse...

Anon das 12:48

Se tiver que ter uma gangue de mulheres que matam machistas, então também quero:

Uma gangue de negros que matam @s racistas.
Uma gangue de homossexuais que matam @s homofóbic@s.
Uma gangue de deficientes que matam @s capacitistas.

(E não é sarcasmo)

Anônimo disse...

Mulher que tem algum tipo de poder = olha a feminazi, fujam pras colinas

Polícia trouxa, homens trouxas

Carol disse...

O que mais vejo hoje é um entendimento bem devassado do que realmente é ser feminista.

Outro dia quando ia para casa, estava no transporte da empresa e ia conversando com um rapaz que trabalha comigo, estávamos vendo videos e imagens no celular, até que chegou em uma imagem que mostrava uma mulher traindo o marido, pois este tinha saído para jogar Pokemon Go...nesse instante ouço a pérola "essas feministas são f***, traindo o marido só porque ele foi se divertir"..... e eu: 0_0 OIiiiiiiiiiiiiiiiiiiii?!!!!!!!!!!!!!!!! Como assim???!!!!!

Até tentei explicar o que realmente é ser feminista, mas a ignorância era tamanha e insistia em não entender.

Falta ao povo, entendimento real sobre feminismo.

Anônimo disse...

OFFTOPIC:

https://www.youtube.com/watch?v=t9lp8UF1Thw

Para quem não quiser assistir tudo, tem uma mensagem relevante a partir dos 8:09 min

Anônimo disse...

Ficou de lição. Acho que eles aprenderam a pesquisar a origem, a conotação e a utlização de um termo antes de apelidar uma operação com ele. Fica a torcida para não se repetir a mancada que só envergonhou a eles mesmos.
Em tempo: é incrível como a polícia (todas elas) parecem ter um departamento para nomear as operações, não é? fico com a sensação de que existem policiais destacados unicamente para esse fim. Revoltante.

Alícia

Anônimo disse...

Polícia sendo machista, como é racista. Nada de novo.

Fernanda Farias disse...

E olha esse absurdo aqui da polícia e do governador de Pernambuco:
http://m.jc.ne10.uol.com.br/canal/politica/pernambuco/noticia/2016/09/15/governador-fala-sobre-aumento-da-violencia-e-pede-cautela-a-mulheres-253015.php

Anônimo disse...

"Uma gangue de deficientes que matam @s capacitistas"

O objetivo não seria exterminar só quem é preconceituoso (machista, homofóbico, racista)?

Na ânsia de fazer graça, tem gente que nem pensa.

Anônimo disse...

Perfeitos os comentários das anons 09:58, 12:48, 12:58, 13:01 e o da titia.

São comentários assim que ainda fazem valer a pena ler as caixas de comentários :)

Anônimo disse...

A polícia aprendeu? A polícia??? Só se for a deixar um modelo de texto de reparação pronto pros próximos desrespeitos.

Anônimo disse...

A polícia ganhou carimbo de ignorante machista na testa? A polícia sempre foi uma instituição machista, criada por machos, dominada por eles, composta em sua maior parte por homens e existe para servir aos interesses da sociedade deles.

Anônimo disse...

Machismo não é só ignorância, tem muitos interesses e desejos masculinos em jogo e o machismo faz parte de todo um sistema de opressão que compõe toda a sociedade em defesa e favorecimento dos machos.

Anônimo disse...

"Às vezes eu acho que a civilização não foi a melhor das ideias. Se ainda estivéssemos na era dos neandertais esse tipo de anomalia cerebral já estaria extinta."

Quando eu vejo a existência de esquerdopatas eu penso a mesma coisa!

Anônimo disse...

Aprenderam a lição ?

Que ingenuidade.

Eles queriam ver feministas pegando ar. Colar nelas o rótulo pejorativo na mídia massiva.

Acertaram em cheio.

O pedido de desculpa é desfaçatez e cinismo.

A Poetica - Denise Araujo disse...

Ele chega antes

O machismo é ancestral. Chega antes do nosso entendimento e do nosso julgamento. Muitos homens, e isso incluem vocês que leem aqui, certamente, são ou reproduzem machismo sem saber ou pretender. Mulheres também podem reproduzir o machismo que as vitima, se não forem cuidadosas. Sabe o que é mais digno? Não é negar, mas assumir que vivemos em uma sociedade preconceituosa e medíocre, que é difícil ser isento de preconceitos (portanto temos todos alguma dose de preconceito), que vivemos diariamente tentando combater essas ideias postas, essa hegemonia sexista perversa e que a nossa desconstrução deve ser permanente. Tentar desconstruir-se enquanto ser cultural cheio de vícios e atrasos é fundamental. Somos arremedos de uma prontidão. Não estamos acabados.

É necessário humildade para reconhecer que ofendeu quando quem foi ofendido gritar, quem quer que seja ele, e não dizer que o outro não foi agredido. Não subestimemos a dor alheia. Enquanto a tecnologia e todos os aparatos modernos estão aí para aparentemente comunicar e aproximar, há na mesma via expressa um estranho distanciamento geral. Antes escondíamos chatices, preconceitos e eventuais deslizes desumanos por pudor ou vergonha. Hoje toda essa lama está exposta e imposta. Somos implacáveis: o sofrimento causado pelo racismo não existe, pelo machismo também não, pela exclusão social e econômica – menos ainda. Cada um por si e ninguém por todos. Às vezes vem a recordação de casos extremos como o de Neide, jovem negra e idealista, que mesmo nascida na extrema pobreza e numa família sem o mínimo de confiança no bairro periférico das Quintas, em Natal/RN, conseguiu formar-se na Universidade Federal do Rio Grande do Norte em Direito, e desejava ser juíza. Ela deu-me aulas particulares de reforço, quando eu era adolescente, e era simplesmente brilhante. Não preciso dizer que ela teria realizado o sonho, caso não tivesse morrido precocemente com um câncer, não é? Mas como a realidade é mais complexa e difícil, e não um mimimi, antes ela passou em primeiro lugar em um antigo concurso de um banco federal e mesmo assim não entrou. Motivo? Não tinha boa aparência. Ela era negra. Entrou o segundo colocado. Conseguiu alcançar? Com o feminismo é do mesmo jeito, e lutar por uma sociedade mais justa e igualitária para todos, homens e mulheres, é para alguns incompreensível e desnecessário.

É preciso girar a roda e a cabeça mais ainda, de toda forma. Alteridade é imaginar-se no lugar do outro. Parece simples e soa romântico demais achar que fazendo isso ajudamos a mudar o lugar em que vivemos, mas é fato que realmente precisamos desta mínima simpatia pelo que está ao lado para termos dias mais palatáveis e , quiçá, agradáveis. Empatia, alguns diriam; respeito, outros. Não precisamos de uma nova existência para isso, largar a gula, deixar o álcool e o cigarro, entrar no monastério ou assumir uma vida enclausurada. Não, não é preciso de nada mais superior. Ainda que mundanos e erráticos, tentemos! Sei que nossa natureza não ajuda muito, mas nunca tentemos sair de uma discussão importante e necessária por preguiça, silenciando o outro com ironia, porque isso não muda nossa realidade difícil. Pelo contrário: aprofunda-a. Calar o outro, além de um ato sem educação, é sinal de insensibilidade. É isso. Não neguemos. Não acreditemos na perfeição do porta-retrato e no perfil antisséptico que criamos para as redes sociais. Desconstruamo-nos: diuturna, intermitente e incansavelmente. Ser humano dói. Ser mulher dói mais (acreditem).

Outros textos da autora Denise Araujo no blog: www.elviseeu@blogspot.com.br

Anônimo disse...

Lola e algumas comentaristas como sempre muito Polianas, o cúmulo da ingenuidade, Meninas do Papai incorrigíveis, cheias de fé nos homens e nas "autoridades" masculinas.

Vocês acham mesmo que a polícia existe para combater ou impedir a violência e o ódio? Só se for o ódio e a violência das mulheres em resposta a milênios de exploração, opressão e inferiorização pelos homens.

Anônimo disse...

Gente deixa eu falar uma coisa pra vcs, é uma bosta isso aí mas Paranavaí é o ovo do ovo do interior mais interior possível do Paraná, tipo Mc Donalds chegou lá nem faz muito tempo, é um lugar muito pequeno meeeeeeeeeeeeesmo, caipiraço, várias colônias japonesas fechadas, 10 mil na conta você já é rico lá. Então sim, a polícia errou e foi bom tomar esse sacode mas quando li "Paranavaí" já entendi 90% da pasmaceira kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk viu, até pra aprenderem que "feminazi" não existe demoraram mais que o resto do país.

Mila disse...

Simples. Isso ocorre porque ainda associam toda mulher em posição de comando (de uma empresa ou de uma gangue) com feminista emasculadora de homens. É o mesmo pensamento de uns troços que comentam aqui de vez em quando, que se uma mulher comete algum crime, é óbvio que ela está fazendo isso em nome do feminismo mesmo que ela nunca tenha nem ouvido falar.
Também ocorre de mulheres chegando em posições de poder enchendo a boca para falar mal de outras mulheres e do feminismo. Se orgulham de ser parecidas com os homens para ter de conquistar posições de poder que, se vivêssemos num regime meritocrático, seriam delas. Quanto a essas, só lamento. O dia que não agradarem os ominhos serão tão feminazis quanto as que odeiam.

Anônimo disse...

Rodrigo, essa não cola. Feminazi para os machos alterados é toda mulher que se posicione a favor da igualdade dos gêneros. Feminazi é qualquer mulher que não tenha mais paciência pra aguentar trollagens de homens ignorantes. O termo é usado para desqualificar feministas aproximando-as de uma ideologia que temos asco e que é muito mais próxima da extrema direita que de feminismo. Fazem isso com os gays também (o horroroso termo gayzista). Generalizam mas dão chilique quando uma ou outra chamam homens de estupradores em potencial. Vai entender.

titia disse...

16:12 penso a mesma coisa quando vejo os direitistas mamãe-quero-ser-corte que colocam no poder um sujeito reconhecidamente corrupto e com uma ficha podre de suja sabendo que vai se ferrar todinho só porque não querem encontrar o cobrador de ônibus no shopping nem ser vizinhos da empregada.

Anônimo disse...

Kkkkkkkkkkkk direitistas mamãe-quero-ser-corte hahahaha valeu titia, vou adotar essa expressão MESMO!

Guardei aqui juntinho com a masculinistas mamãe-quero-ser-nobre/mamãe-quero-ser-rei.

Anônimo disse...

Rótulo de ignorante? Depende. Ignorante por não querer respeitar as mulheres, mas não por não saber o que "feminazi" significa. Eles sabem, sim.

Evandne da Silva disse...

Eu fico imaginando que nos momentos de ócio os agentes da Polícia Federal ficam criando nomes de operação. Operação Feminazi é um nome muito legal.Seria ótimo para uma rede de clínicas de aborto ou um grupo de estelionatárias, mas na pressa desperdiçaram o nome numa operação banal.

titia disse...

19:14 é sempre um prazer contribuir pra mostrar a verdade por trás desse pseudo ufanismo patriótico dos direitistas. "Pra frente, Brasil" coisa nenhuma. O grito de guerra deles é "Eu quero ser corte, eu quero, eu quero, eu quero!" (acompanha batida de pé e chiliquinho) e eu gosto de mostrar o quanto eles são patéticos.

Anônimo disse...

16:24

Denise Araujo, que fala linda, importante e necessária.

Esta postura me agrada muito pq torna o feminismo tb mais acessível pra muita gente com a cabeça fechada.

Há coisas que parecem difíceis e impossíveis. Mas precisamos seguir em frente e ter coragem da alteridade é fundamental

Anônimo disse...

Complementando comentário anterior sobre a Denise Araujo:

Evidente tb que nem sempre há condições de dialogar, ainda mais em situações de ataque.

É preciso tb denunciar/reagir a crueldade e maldade da alteridade. E tb não precisa ser na mesma moeda... Acho que td depende das circunstâncias...

Anônimo disse...

Se o machismo é ignorância, é uma ignorância deliberada, pois na era da informação não é difícil você descobrir a verdade que os homens não são superiores nem mais valiosos que as mulheres. Porém, definitivamente há vantagens no machismo para os homens e algumas migalhas e vantagens aparentes para as mulheres que ficam do lado deles.

Fabianaaaa disse...

Não entendo pq tem mulher agredindo feministas até hoje sendo que elas não ganham nada disso além de cookie de homem.. Como se fosse a coisa mais dificil do mundo arranjar namorado sendo feminista (pelo menos pra mim e pelo que eu tenho visto não é), mas enfim...

Pelo menos alguém explicou melhor a situação. Se essa cidade que aconteceu o caso for tão pequena assim, faz sentido a "ignorância", ainda que continue sendo idiota.

Lembrei da música Polícia dos Titãs.

Anônimo disse...

"Zentuplo" não existe na língua portuguesa - o que existe é "cêntuplo", e comparar perseguição política e definhações até a morte por labuta com a quantidade "enorme" de abortos (enormes que só existem na cabeça de vocês) é de doer as bolas da lógica! Fetos abortados não sofreram horrores ao serem abortados, diferente das vítimas do nazismo. Quem será mesmo o pior? Pensar não dói!

Anônimo disse...

Homem é muito cara-de-pau.

confidencial ;P disse...

Verdade!

donadio disse...

A polícia comete tantas barbaridades, muitas delas de consequências trágicas, que fica até difícil a gente se indignar com uma mera demonstração de ignorância desse tipo.

Sugiro ir no google e pesquisar por "PM confunde", só para ver os motivos pelos quais a polícia assassina trabalhadores: por carregarem uma ferramenta, um celular, uma bíblia, pipoca (pipoca!), sacola de supermercado.

E não, a polícia não existe para conter a violência nem para "combater o crime". A polícia existe para defender uma ordem desigual, injusta e iníqua, e é isso que ela faz. Mesmo que para isso seja necessário mandar bala de borracha em manifestantes pacíficos. Mesmo que para isso seja necessário acusar sem provas. Mesmo que para isso seja necessário aceitar propina. Mesmo que para isso seja necessário culpar as vítimas.

donadio disse...

"é uma bosta isso aí mas Paranavaí é o ovo do ovo do interior mais interior possível do Paraná"

Aham, claro. A culpa é dos capiaus de Paranavaí.

A polícia civil do Paraná é estadual, subordinada ao Secretário Estadual de Segurança Pública e ao Governador do Estado do Paraná. A responsabilidade, portanto, é do Beto Richa e do brucutu de plantão que ele nomeou para a Secretaria de Segurança Pública (também conhecida como Secretaria de Surrar Professores). Nem a população nem o prefeito de Paranavaí têm nada a ver com essa "pasmaceira".

A Poetica - Denise Araujo disse...

Caros, ratificando: meu blog é o www.elviseeu.blogspot.com.br, e não o que digitei mais acima. A pressa é inimiga... kkkk.