sábado, 17 de setembro de 2016

A LINDA GATINHA ISABEL (2013-2016) SE FOI CEDO

Minha gatinha amada morreu hoje. 
Ela estava internada há nove dias. E a gente achava que ela ficaria melhor, porque os resultados dos exames tinham mudado. Mas, quase dois mil reais de veterinário depois, não deu.
Eu e o maridão não a chamávamos muito pelo nome, porque nunca nos acostumamos direito com o nome que minha mãe deu pra ela, Isabel. Então era mais "gatinha" mesmo.
Filhotinha nos meus braços
Ela chegou aqui filhote, minúscula, através de uma ONG que recolhe animais e cuida deles. Sempre foi bastante frágil, mas demoramos pra descobrir o diagnóstico. Ela tinha Aids felina. Aliás, este talvez seja o principal motivo de escrever este post -- minha contribuição para tentar derrotar um pouquinho a ignorância. A maior parte das pessoas sequer sabe que existe essa doença. Eu também nunca tinha ouvido falar de Aids felina antes do diagnóstico da Isabel. 
A FIV (Feline Immunodeficiency Virus) é causada por um vírus do mesmo tipo que o HIV, e o que ele faz com os gatos é parecido com o que o HIV faz com humanos -- diminui a imunidade. Dessa forma, qualquer doença representa um risco, porque o bichinho fica sem defesas. 
E Isabel, pobrezinha, teve muitas doenças. Seu útero teve que ser tirado às pressas, quase necrosado. Suas orelhas infeccionaram e nunca se curaram de verdade (perderam a vivacidade por fora e ficaram caídas). Quando ela foi levada ao veterinário desta última vez, depois de vomitar um dia inteiro, apresentava várias infecções e problemas renais e hepáticos. Mas os índices haviam melhorado, por isso a gente tinha esperança.
E também por que, durante boa parte de sua curta vida de 3,5 anos, Isabel teve uma existência "normal", dentro do possível. 
Filhote usada para vender livros
Provavelmente ela já chegou pra gente com Aids, que é transmitida de gato pra gato (e não para outros animais), através de mordidas -- durante o sexo ou em brigas. Um gato filhote também pode ser contaminado durante sua gestação ou na amamentação. Acreditamos que foi isso que aconteceu com Isabel, já que ela nunca cruzou ou brigou. Ela não saía de casa.
Isabel, de costas, olhando pra um Calvin quase transparente
Temos um outro gato aqui, o adorado e maravilhoso Calvin, que mês que vem faz 16 anos, firme e forte. Calvin e Isabel se davam bem, não brigavam, mas também não eram melhores amigos. Achamos que Calvin não foi infectado.
A Aids felina, assim como a humana, ainda não tem cura. Mas, assim que a gatinha foi diagnosticada com a FIV, passamos a dar um coquetelzinho de remédios pra ela. Quem convive com gatos sabe a dificuldade que é dar remédio pra gato. Eu tentei dar nas poucas vezes que fui deixada sozinha com a Isabel, mas era tarefa pra duas pessoas (geralmente minha mãe e o maridão, se bem que eu aprimorei a técnica). 
Com os remédios, ela ficava alegrinha, saltitante, comia como uma desesperada. E creio que ela teve um ano e meio, por aí, bastante bom, sem grandes problemas de saúde. Mas agora veio tudo junto e ela se foi, tão cedo, tão pequena (porque a doença afetou seu crescimento). 
Ela vivia mais na cozinha, então estou na fase de olhar pra cozinha e ver a gatinha em todo lugar que ela costumava ficar (no chão, em cima das mesas, do microondas, da geladeira, derrubando os ímãs da geladeira, às vezes quando ficava mais louca em cima do armário). 
Minha mãe, gatinha e Silvinho em outubro de 2014, depois de votar
Quando eu voltava pra casa e ela estava no jardim, ela me recebia como se fosse uma cachorrinha, cheia de festa. 
E ela constantemente dormia comigo à noite, nas minhas pernas. Ela tinha todo um ritual: ficava nos braços do maridão, fazendo um rum rum barulhento, até que eu me deitasse e me ajeitasse. Aí ela vinha pras minhas pernas, e dormia lá. Geralmente acordava antes de mim. Eu dormia melhor com ela zelando pelo meu sono.
Ela viveu tão pouquinho, mas deixou sua marca na gente. Será lembrada sempre, gatinha linda. 

34 comentários:

Anônimo disse...

Nossa que triste Lola. Tenho dois felinos também e sei como a gente se apega. São como filhos. Muita força e fé neste momento .

Anônimo disse...

Meus sentimentos Lola. Que linda gatinha, faz lembrar a minha florzinha, que tb se foi e não me esqueço... é uma dor danada. É uma anjinha que não vai mais sofrer. Um abraço e fique bem

Juliana disse...

Lola, sei que nenhum colo e cafuné é capaz de preencher o vazio que fica. Mas pense que, sem vocês, provavelmente ela teria morrido sem conhecer o amor.

Patrick disse...

Lola, um abraço e nossa solidariedade de gateiros.

Lorena disse...

Lola, meus pêsames, sei como é, esses bichinhos são como filhos para nós. Se possível faça o exame no outro gatinho, existe um produto homeopático chamado 'auto-nosódio' que costuma ser usado em gatos com felv, mas não sei se serve para fiv. Abraços.

Hamanndah disse...

Lolissima, grande beijo no coração pois nestas horas e difícil achar palavras

Lucia Freitas disse...

Não tem jeito. Eu melhoro, mas sempre choro quando um bichinho morre. Ou vira estrelinha como a gente diz no bando.
de novo: abraço enorme procê, querida. isso dói e não é pouco, não.
beijo beijo beijo

Izabela Assis Rocha disse...

Lola, meu cachorrinho que tava comigo há 16 anos morreu recentemente. É uma dor horrível, sinto falta dele todos os dias. Sei o quanto é difícil tentar lidar com a perda de um serzinho tão amado e que alegra a vida da gente. Sinto e compartilho da sua tristeza. Um abraço bem apertado pra esquentar o coração!

Aline D disse...

Ai, Lola, meus sentimentos!
:'(

Eu sei como é difícil perder um bichinho. No começo do ano, um dos meus gatos se foi com 12-13 anos e até hoje dói.

Como a Lorena disse, é importante fazer o teste da FIV no Calvin, principalmente porque ele é um idosinho.

Um abraço e força!
<3

Anônimo disse...

Também perdi minha tricolozinha há pouco tempo. Dormia no meu pézinho, ronronandinho também.
Foi muito doloroso...
Meus pêsames, Lolinha. Fica bem!
Beijinhos

Anônimo disse...

Meus sentimentos Lola! Tb perdi um gatinho com aids felina, eh uma doença muito cruel.

Um grande 😚

confidencial ;P disse...

Nossa, meus sentimentos Lola, isso é bem triste :(
Abraços ♡♡

Anônimo disse...

Quanta tristeza , meus sentimentos. Chorei ao ler esse post, não sabia da existência dessa doença. Muita força pra você nesse momento. Também tenho uma gatinha e a amo.
Abraços.

Cacau disse...

Lola, meus sentimentos. Mais vale o amor e cuidados que vocês proporcionaram e este serzinho em sua curta vida, ainda bem que ela teve vocês!
Beijos e força

Emile Sartori disse...

oi Lola,

meus sentimentos, a perda de um bichinho é sempre triste demais, eles acabam se tornando parte da família, mas ficam as boas lembranças do tempo que passamos com eles.

força aí Lola.

abraços

titia disse...

Meus sentimentos, Lola. A Isabel foi feliz e amada enquanto viveu e isso é o que mais importa. Mais uma aqui pra apoiar que você faça o exame no Calvin, é sempre melhor prevenir.

Abraço pra todo mundo que amava a Isabel.

BRUNO ARAUJO disse...

Meus sentimentos Lola.
A Isabel vai pro paraiso dos gatos
Posso imaginar sua dor
Nosa gatinha tem 16 anos e parece dificil imaginar a vida sem a Vaninha
Fica na Paz!

BRUNO ARAUJO disse...

Meus sentimentos Lola
Acredito que apesar de tudo a Isabel foi uma gatinha muito feliz!
Posso imaginar sua dor
Nossa gatinha a Vaninha tem 16 anos e alegra muito nossa vida
Ao ve-la expressar-se dessa maneira pela Isabel,acredito na nossa humanidade
Se amamos os bichos,fica mais facil amarmos o outro
Fica na Paz!

donadio disse...

Ela era muito fofa, com esses olhos arregalados. Parecia uma gata versão mangá...

Nah disse...

Lota meus pesames pela sua gatinha!:(
Qualquer luto e tão sofrido.
Fico pensando na família do ator Domingos Montagner tendo que lidar com a dor da perda e as piadas maldosas, memes idiotas, insinuações do ator que estava junto com a atriz Camila Pitanga quando se afogou.

Muito chateada de como existem pessoas sem coração

Luma disse...

Ai, Lola... Isabel era linda, com essas orelhinhas caídas, coisa mais fofa. Sinto muito por sua perda. Bom que ela teve uma existência cercada de amor e cuidado. Abraços, fica em paz.

Nani disse...

Nossa, Lola! Eu também tenho duas gatinhas que são minhas filhas e também já perdi um ainda filhote (pra crueldade humana... ele foi morto por um vizinho). Sei muito bem que nada vai diminuir essa dor que vc está sentindo agora, mas eu queria desejar muita força pra vc. Essa doença é muito triste, mas vc cuidou da Isabel quando simplesmente muitos poderiam tê-la abandonado e lutou pela vida dela quando muitos, diante do diagnóstico, simplesmente a sacrificariam. Ela teve muita sorte por encontrar vc, e vc por encontrar ela :) Infelizmente não podemos impedir nosso filhos (pq gatos são filhos) de partir, mas, no final, o que importa é que ela teve uma casa com muito amor, o que importa é que ela teve vc e que a vida dela foi diferente por isso :) Um abraço apertado e muita força, Lola :***

Sofia L.B. disse...

Sinto muito pela sua gatinha! Pelo menos, pelo que vc descreve e pelas fotos, ela com certeza parecia amar muito vcs e sentia que era muito amada tb.

Unknown disse...

Já te admirava tanto e nem sabia desse teu lado gateira. Pensa que ela foi tão feliz nessa vidinha, mesmo curta, que ela vai levar um coraçãozinho cheio de amor e gratidão pra onde quer que ela vá!

Anônimo disse...

Testa o outro gato, um passa por outro não necessariamente só em briga ou sexo. O exame é barato.

Anônimo disse...

Nem consegui ler e mal vi as fotos. Meus sinceros sentimentos, Lola. Sei como é difícil, perdi um animal em julho e quase outro em agosto, a dor da perda é a pior coisa.

natalia disse...

Também tenho uma gatinha, mas ela praticamente me ignora. Só quando o meu marido está em casa ou pouco depois dele ter ido embora, ela me dá bola. Ela gosta dele. Já os meus cachorros são loucos por mim. Gosto dos meus bichos e de bicho em geral. Já tivemos vários cachorros que nos acompanharam. É muito difícil quando o bichinho morre, compreendo a sua dor.

Julia disse...

Sinto muito Lola.. Estou me formando em medicina veterinária e nesses anos de faculdade já conheci muitos gatinhos com FIV e Felv que não conseguem ser adotados por isso fico grata pela Isabel ter encontrado por acaso um lar tão amoroso quanto o seu. Pode ter certeza que esses 3,5 anos foram muito especiais para ela.

Muito obrigada por escrever esse post. Tanto a FIV quanto a leucemia felina - Felv (doença muito parecida, causada por outro vírus) são extremamente comuns em gatos, muito por causa da falta informação dos tutores. Como você disse, são doenças que diminuem a imunidade do gato e por isso facilitam infecções que normalmente seriam combatidas naturalmente. Também podem levar ao aparecimento de câncer em órgãos que fazem parte do sistema de defesa do organismo. Em alguns casos, a doença nunca se manifesta, ou se manifesta depois de anos e com os devidos cuidados eles vivem uma vida longa e normal, assim como acontece com a AIDS humana.

É sempre bom saber da importância de testar todo novo animal adotado, para evitar transmissão para os gatos mais antigos da casa. Não existe vacina contra a FIV no Brasil, porém a de Felv pode ser dada junto com as vacinas regulares e é recomendada principalmente para gatos que tem acesso à rua. Esse é outro ponto importante: muita gente tem dó de manter o animal apenas dentro de casa, porém a expectativa de vida de gatos com acesso à rua é de 3 a 5 anos enquanto a de gatos mantidos em casa é de 15 a 17 anos justamente devido a exposição à doenças, brigas, carros, envenenamentos... sem falar nos prejuízos ambientais devido a ter gatos caçando espécies de pássaros nativas. Ah, quem mora em apartamento tem que telar as janelas, eles não caem sempre de pé e mesmo quando não se machucam na queda, ficam assustados e fogem.

Castrar, além de evitar crias indesejadas e abandonos, ajuda a evitar fugas durante o cio das fêmeas, corrige problemas de comportamento como a marcação com urina em lugares indevidos e a agressividade, previne o câncer de mama nas gatas (quando feito antes do primeiro cio), doenças uterinas e ovarianas nas fêmeas e câncer de testículo e de próstata nos machos.

Por último, aqui tem uma lista de locais que oferecem atendimento veterinário a baixo custo ou de graça em vários estados para aqueles que não podem pagar esses serviços em clínicas particulares: http://site.amigonaosecompra.com.br/hospitais-veterinarios-gratuitos-ou-com-custo-reduzido/

Gabriela disse...

Sinto muito pela sua gatinha Lola. Eu perdi em 2014 a minha cachorrinha amada e sei como a gente fica chateado...eu andei procurando um gatinho para adotar e vi que eles consideram uma adoção especial quando o gato tem FIV e eu não conhecia essa doença também não.

mariana. disse...

Ah, Lola, meus sentimentos!
Perdi uma cachorrinha que me acompanhou dos meus 6 aos 22 anos, ainda hoje (4 anos depois) sinto saudades do barulho dos passinhos dela na calçada, do focinho molhado na minha cara, da festinha ao chegar em casa. A despedida é tão dolorosa :(
Há 1 ano adotei uma gatinha e tenho por ela um amor que não cabe em mim!
Lola, sei que é péssimo ouvir isso, mas a FIV é transmitida pela saliva, então há possibilidade de transmissão a outro gato pelo uso comum do potinho de água/comida e também caso o infectado lamba alguma feridinha do outro... Faça um exame no seu outro gatinho! Quando diagnosticada cedo é uma doença mais facilmente controlada!
Desejo que você, sua mãe e o maridão superem essa despedida logo e consigam carregar pra sempre esses momentos bons que a gatinha lhes deu, e tenham a certeza que, lá no "céu dos gatos", ela também vai lembrar de vocês com todo o amor do mundo :)
Beijos.

Edu disse...

Sinto pela perda Lola. Boa sorte.

Rubia disse...

meus sentimentos pela sua 'gatinha'

Luciana disse...

Sinceros pêsames. Também já passei por isso. Perdi um menininho para a FELV. Tenho dois menininhos em casa.Lendo tantos comentários amorosos, meu coração se consolou. Há muita gente boa no mundo. E como disseram, "Gatinha" teve uma vidinha da hora ao lado de sua família.

Camila Gois disse...

Meus sentimentos, Lola. Chorei lendo o relato e as fofinhos. Ela era tão lindinha!