quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

GUEST POST: MICROCEFALIA, ABORTO E A IDEIA DA "MÃE GUERREIRA"

O debate sobre se aborto deve ser permitido em caso de fetos com microcefalia promete esquentar. 
O mesmo grupo que convenceu o STF em 2012 a permitir aborto em caso de fetos anencéfalos irá entrar com uma nova ação, agora para casos de fetos com microcefalia.  A ONU também fez essa recomendação a todos os países latino-americanos. Ao mesmo tempo, um deputado evangélico pede para que prisão para aborto nesses casos tenha punição de quinze anos. 
Isabela Kanupp, autora do excelente blog Para Beatriz, mãe feminista na luta, escreveu um belo texto com sua opinião (que é a minha também). Reproduzo o post da Isabela aqui:

Quando descobri que estava grávida da Beatriz, eu já estava prestes a completar 24 semanas -– um misto de lerdeza, com ciclo irregular e a impossibilidade de estar grávida por fazer uso de anticoncepcional corretamente --, e para quem já passou por isso, sabemos que as primeiras semanas são muito importantes para o desenvolvimento da gravidez, é quando tomamos suplementos vitamínicos e fazemos diversos exames.
É comum entre a 18º e a 20º semana a realização do ultrassom morfológico, um dos mais importantes principalmente por detectar possíveis problemas com o feto.
Então tudo isso gerou uma ansiedade muito grande em mim e tive de fazer tudo às pressas. O medo era constante e não, eu não queria que desse alteração alguma -– e ninguém quer!
A questão é que eu já não tinha condições de ter um filho naquele momento, ainda mais um filho com alguma necessidade especial.
Beatriz nasceu em Outubro de 2009, um bebê saudável pesando 4 kg. 
Em 2012 foi decidido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que não seria mais crime o aborto de fetos anencéfalos.
Hoje apenas em três situações o aborto é permitido no Brasil (sem punição para a mulher e sem punição para o profissional que realizar): em caso de estupro, claro risco à vida da mulher, e de fetos anencéfalos.
Toda mulher grávida em algum desses casos é obrigada a abortar? Óbvio que não. Mas existe essa opção caso ela deseje e isso tem de ser respeitado.
A questão do aborto no Brasil já vem sendo discutida há muitos anos. Mais do que a discussão, desde sempre as pessoas abortam e isso é um fato. A criminalização do aborto não diminui a quantidade de abortos realizados, apenas criminaliza a mulher -– e o profissional –- que o executa, dificultando assim o acesso principalmente de mulheres pobres.
Um dos maiores empecilhos para a legalização do aborto em qualquer situação é o fato de vivermos em um país que apesar de dizer que é um Estado Laico, ainda sofre grande influência religiosa (vide o fato de termos bancada religiosa).
Também sofremos grandes influências na maternidade por essa questão do cristianismo. A visão da mulher mãe dentro da nossa sociedade é estereotipada, baseando-se em questões do machismo e da religiosidade. A mãe de Jesus, a virgem Maria. Mãe é aquele ser imaculado, a santa, a que sofre, a que se doa, a que abre mão de si para o filho. Todas essas questões são baseadas no cristianismo.
É comum também o fato de ligarmos a maternidade ao sofrimento: sofrer ao parir (não, não precisa ser assim), o eterno padecer no paraíso. Mas será que seria vantajoso socialmente falando -– para o machismo e o capitalismo -– se vendessem a nós essa imagem de apenas sofrimento? Claro que não! Então acrescente a romantização desse sofrimento. “Mãe é mãe”, “A gente sofre, mas aquele sorrisinho compensa”, “Somos guerreiras”.
Mas o que tudo isso tem em relação com o aborto e a microcefalia?
Estamos passando por um surto de microcefalia causado pelo vírus Zika. A microcefalia é uma condição neurológica rara, a cabeça e o cérebro da criança não crescem como o esperado, causando assim problemas de desenvolvimento. Não há cura, apenas tratamento para melhorar o desenvolvimento e a qualidade de vida. A questão é que a microcefalia decorrente do vírus Zika é muito mais agressiva do que a causada por problemas genéticos.
Com esse surto surgiu o debate em relação ao aborto nesses casos. E a mídia -– manipuladora como sempre –- começou a divulgar diversos casos de “sucesso” e “superação” de pessoas que nasceram com microcefalia e conseguiram se desenvolver, tendo assim uma vida praticamente normal como qualquer outra pessoa. Ignorando, claro, o fator principal: o fato de que apesar de ser o mesmo problema, um é causado por um vírus e outro por fatores genéticos, sendo assim diferentes.
Quem quer um filho deficiente?
Não estamos falando de amor, porque o amor como uma construção social, pode ser construído ou não, independente da criança ter necessidades especiais. Estamos falando de querer, de escolha, a escolha de passar por um sofrimento. Quem escolhe sofrer?
Podemos romantizar a situação -– e é o que geralmente fazemos --, dizendo que mães de crianças com necessidades especiais são abençoadas, são escolhidas. Mas não é cruel romantizar o sofrimento do outro?
O que é preciso para uma criança com microcefalia se desenvolva e tenha uma qualidade de vida melhor? Fisioterapeuta, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional são apenas alguns dos profissionais que precisarão cuidar do seu filho. Mas, quem pode pagar por todos esses profissionais?
Para além da questão financeira, e voltando no fator de que a mãe tem que aguentar tudo, quem tem emocional para aguentar?
Eu sou a favor do aborto de forma livre para todas as mulheres, independente dos motivos que levaram a isso. Quem acredita que a legalização do aborto possa a vir aumentar os casos está completamente enganado. Estudos mostram que o número de abortos diminuiu em países onde o aborto já é legalizado. Também existe uma melhor forma de controle dos porquês das mulheres que abortam, e assim sabe-se onde está a falha, quando há uma.
O aborto é uma questão de saúde pública -– mulheres já abortam, mulheres morrem abortando –-, é uma questão social, mas também é uma questão individual baseada no querer da mulher. É no corpo da mulher que será gerada essa vida, e sabemos que dentro da nossa sociedade a responsabilidade e o fardo (sim, para muitas é um fardo) da maternidade caem sobre o colo da mulher. Então, só cabe a ela a decisão.
A mulher que dá continuidade à gravidez -– por opção ou não –- e por ventura vem a abandonar esse filho será julgada pela sociedade, julgada como péssima mãe, como monstro. A mesma sociedade que não permite e não tolera quem aborta. Porém tolera o homem que abandona a esposa grávida, tolera e justifica o abandono paterno. A mãe, a mãe não pode! A mãe é guerreira! Mãe tem que aguentar tudo!
Somente a mulher gestante sabe se terá estrutura financeira, emocional e psicológica para ter aquele filho, sendo ele um bebê com necessidades especiais ou não.
Mas não podemos ignorar -– ou romantizar -– o fato de que uma criança com necessidades especiais pode ser sim um fardo para essa mulher, principalmente se ela vive em situação de vulnerabilidade social.
Não quero dizer que todas as mulheres que estejam grávidas de um bebê com necessidades especiais têm que abortar -– não, a ideia não é eugenia -– mas sim que ela precisa ter essa opção não criminalizada, porque é um fato a se colocar na balança.
Precisamos rever nossos conceitos em relação à maternidade, em relação à imagem que criamos do que é ser mãe. Ser mãe não deveria ser sofrimento ou punição. Assim como nenhuma mãe deveria ser considerada guerreira por estar em uma situação de sofrimento ou de exploração.
Claro que eu admiro a batalha de quem tem um filho com necessidades especiais, mas aí é que está o ponto: não deveria ser uma batalha.
Quando ouço ou leio alguém dizendo que “fulana foi escolhida por deus para ser mãe dessa criança” (se referindo a uma mãe que tem um filho com necessidades especiais), a primeira coisa que penso como ateia é: que deus é esse que escolhe uma mulher pobre, da periferia, que não consegue nem colocar o arroz e o feijão na mesa, para sofrer com uma criança (e a criança também sofre) com necessidades especiais? Como é feita essa escolha?
A outra coisa que penso é que é muito cruel romantizarmos essas situações, e que se romantizamos, é porque muitas vezes não passamos na pele por situações como essas.
É de completo egoísmo e individualismo ser contra o aborto, seja na situação que for, seja porque você usa da sua vida como régua para sociedade (“porque eu tive um filho morando embaixo da ponte, mas escolhi ter”), seja porque você acha errado ou pecado. Não sabemos como é a vida do outro, o contexto que o outro está inserido. É egoísmo quando somos contra o aborto e decidimos que podemos ser contra todas as mulheres.
Você pode ser contra o aborto e não abortar. É simples. Não existirá uma lei obrigando as mulheres a abortarem -– seja no contexto que for --, existirão opções seguras para quem deseja seguir por esse caminho. Mas é egoísmo da sua parte ser contra a legalização do aborto, preferir ver mulheres morrendo –- e consequentemente o feto também -– em situações de abortos clandestinos do que dar dignidade para essas mulheres.
Quando publiquei sobre isso no facebook, uma moça me perguntou:
“Mas, Isabela, e se sua mãe tivesse te abortado?”
Eu não tive oportunidade de conversar com a minha mãe na vida adulta sobre isso, mas pelo que me lembro e me contam, minha família tinha uma situação confortável na época e, apesar de eu ter sido um “acidente de percurso”, minha mãe já desejava ter outros filhos. Mas não é somente de questão financeira -– apesar de fazer uma enorme diferença e influenciar nos outros fatores –- que consiste a decisão de “um bom momento para ter um filho”, mas sim de situações emocionais e psicológicas, e dessas eu não posso dizer.
Mas acredito que se coubesse a mim essa decisão –- o que não cabe, nem em um universo paralelo, principalmente porque, né, como opinar sobre se eu não tivesse nascido? –- entre ver minha mãe sofrer por levar uma gestação adiante para eu ter o “privilégio da vida” –- o que é muito relativo -– ou não ter nascido, eu preferia não ter nascido. E como respondi para quem me questionou, é realmente doente a gente pensar que preferia nascer e ver nossa mãe sofrer, do que cogitar a possibilidade dela ter pensado em nos abortar. Novamente, romantizam o sofrimento para acharmos que nessa situação hipotética, estaria okay ver nossa mãe sofrer, afinal, mãe é pra isso mesmo, não é? Não, não é.
A romantização da maternidade nos leva a não questionar nossa vivência na maternidade, vivência que pode ser sim um fardo -– e novamente, isso não tem relação com amor --, vivência que pode –- e na grande maioria das vezes é –- ser constituída de exploração. Talvez romantizamos para podermos suportar o que muitas vezes não seria suportável.
A privação de sono, o abandono da nossa identidade como individuo, a nossa exclusão dos espaços sociais e políticos.
E quando falamos que precisamos parar de romantizar a maternidade, não queremos dizer que a maternidade é de um todo horrível -– e sim, sua vivência pode ser ótima --, mas que precisamos ser realistas e ver que a maternidade não é isso que pintam, esse mar de rosas, esse mundo colorido e feliz.
E, principalmente, é preciso parar de romantizar a maternidade para que tenhamos consciência de que essa pode ser vivida de diversas maneiras, e, sobretudo, que a mulher tem o DIREITO de escolher se quer passar por isso ou não. Porque em alguns momentos padecemos e em outros estamos no paraíso.

249 comentários:

1 – 200 de 249   Recentes›   Mais recentes»
Anônimo disse...

ótimo post, já passou da hora de abordar essa situação, não só o aborto em caso de microcefalia, mas aborto em geral, não entendo como as pessoas podem confundir feto com bebê, as mulheres não devem ser obrigadas a levar adiante uma gestação indesejada, independente do motivo, está passando da hora de pararmos de santificar as mães e pensarmos nos sacrifícios que estamos impondo às mulheres das nossas vidas.

Anônimo disse...

Nunca vi mulher e o médico que praticaram aborto irem presos. Aqui no Brasil, não liberam o aborto, pois é mais um trouxa (maioria) que vai ter que trabalhar por 1 salário mínimo e esse mesmo trouxa pode defender a pátria, enquanto os políticos e descendentes ficam no meio do país bem protegidos.

Anônimo disse...

NÃO RESPONDAM A TROLL DESOCUPADO. DAQUI A POUCO A LOLA DELETA A EXISTÊNCIA DELE.

Anônimo disse...

Eu JAMAIS faria um aborto, mas entendo o lado de cada um.
Pessoas sem condição financeira, psicologicas, adolescentes desesperadas, etc...

Mas me entristece muito quando a ideia é "eu quis engravidar e quero um filho, mas só se ele for saudavel"

Claro que ninguem quer sofrimento do outro, claro que tem obstáculos...
mas o que tem por tras de um filho saudavel ? Exibir como trofeu ?

Anônimo disse...

O que esses sujeitos querem é que as mulheres se lasquem mesmo. Na nossa sociedade machista e misógina, nada como a maternidade pra colocar uma mulher no seu "devido lugar"; que outro estado permite aos cretinos e intrometidos de plantão dizerem até como a mulher deve se sentir e o que deve pensar? A maternidade que envolve um filho perfeitamente saudável já dá pra botar tantas correntes numa mulher, a maternidade de um filho com alguma deficiência que exija cuidado constante é praticamente como uma prisão de segurança máxima onde a sociedade machista pode manter a mulher. Mulheres que além de trabalhar pra botar comida na mesa porque o merda do pai não dá um centavo de pensão tem que chegar do trabalho pra cuidar da casa e do filho com necessidades especiais não consegue tempo ou energia pra pensar e lutar por seus direitos. Esses pastores e padres de merda assim como essas bancadas religiosas que são a mesma merda estão cagando pras crianças, o que eles querem é manter as mães no cabresto, escravizadas, sem contrariarem e sem mudar as coisas.

Anônimo disse...

E complicado realmente debater o assunto aborto, pois o nível de irracionalidade com que algumas pessoa lidam com isso e inacreditável.

O que quero principalmente com este comentário e deixar recado para a turma que adora esbravejar conta aborto, se vocês querem evitar abortos Ok, vamos falar de sexo seguro, e não de leis (que se revogue as leis sobre aborto), pois a esmagadora maioria dos abortos acontecem por falta de cuidados nas relações sexuais...


Anon 12:32

Eu ja ia dizer isso mesmo, deixem os troll esbravejarem sozinhos, que logo a Lola vem deleta os comentário deles todos.

Anônimo disse...

12:05 e 12:42 eu também sou mulher, tenho dinheiro e conheço muitos médicos, portanto se eu engravidar vou abortar. Vocês nunca saberão, ninguém nunca saberá, e vocês nunca poderão me julgar nem apontar o dedo. Também nunca poderão me impedir de abortar. Abortarei com plena segurança e comodidade, sairei leve e solta, não serei mãe e não haverá NADA que vocês possam fazer pra me impedir. Fodam-se vocês e os outros assassinos hipócritas que se dizem a favor da vida mas apoiam morte de mulheres, crianças órfãs, mães que perdem suas filhas pra aborto ilegal e crianças indesejadas que sofrem maus tratos e abusos. Seus psicopatas.

Eu não serei mãe. Se eu engravidar vou abortar com segurança e vocês não poderão fazer NADA pra impedir, suas merdinhas. Chupem bem gostoso e chorem.

Jonas Klein disse...

Pessoal o comentário das 12:44 fui eu que fiz, e que eu marquei opção errada aqui o comentário sail anonimo.

Anônimo disse...

Quanto mais se sofre, mais se é mãe, é assim o pensamento. Por isso essa romantizacao até do parto normal sem anestesia, as mulheres fazem questão de falar que foi sem anestesia, porque assim, afinal, são mães incríveis, quanto mais sofrido o parto, melhor. Ai como sou guerreira.

Anônimo disse...

Sério que vc perguntou isso Anônimo 12:34? Saude não é cor de olhos não. AFFF.

Anônimo disse...

Jesus vai saber e VC vai pagar por isso, matar alguém é pecado, imagine matar um ser humano completamente indefeso!!!

Rafael Cherem disse...

Há um aspecto quase nunca levantado nas discussões sobre aborto, especialmente aqui, é a questão da eugenia, no caso especifico da microcefalia, a maior parte das afetadas são pessoas pobres e negras, permitido o aborto, não é uma forma de matar pobre e negro de uma forma legítima?

Anônimo disse...

Rafael Cherem, não.

Anônimo disse...

Aborto não e assassinato então ninguém está matando pobres e negros.
Segundo que a microcefalia não ocorre mais entre pobres e negros.
Mas valeu pela tentativa.

Jonas Klein disse...

O Rafael Cherem

"a maior parte das afetadas são pessoas pobres e negras,"

Cara no minimo 95% das pessoas no Brasil SÃO pobre e/ou negras, você queria o que fosse ao contraio?

Se formos pensar assim então leis e cadeia, são para tirar das duas pobres e negros, não da para simplesmente misturar as coisas assim.

Anônimo disse...

Eu acho que a maternidade é sim compulsória e romantizada. Sim nos perdemos muito da vida por ter que assumir sozinhas toda a responsabilidade. Os pais vao embora ate mesmo quando ficam. Mas nada dias vai me fazer ser a favor do aborto. Por mais que eu ache o mundo machista e todo errado pra mim o aborto nao e solução pra nada. Me julguem

Anônimo disse...

A microcefalia so pode ser diagnosticada com precisão depois do 4° mês de gestação.
Lola você esta defendendo aborto depois do 4° mês de gestação?

Anônimo disse...

Vão começar a abortar fetos com Síndrome de dawn também? O nome disto e eugenia disfarçada de modernismo tosco feminista.Aborto e assassinato, não se esta tirando um cravo ou uma espinha mas sim uma nova vida em desenvolvimento com DNA próprio e que não faz parte do corpo da mulher apesar de depender dele para sobreviver.

Anônimo disse...

Anônima 13:16

Aborto pode não ser solução ideal e desejável, mas por uma criança no mundo sem ter condições de criar, e menos solução ainda.

Ana disse...

Conheço gente que comemora quando vê notícias de moças que morreram em abortos, porque acha "justiça divina" (essa que aparece só quando é conveniente), já que elas iam "assassinar" um bebê. Discordo quando se diz apenas que é egoísmo das pessoas não querer permitir o aborto. Não é só egoísmo, ingenuidade, irresponsabilidade. É sadismo. É proposital.

Anônimo disse...

Esse povo todo que chama aborto de eugenia, já pegou quantos bebês com algum tipo de deficiência pra criar?

Anônimo disse...

"mas o que tem por tras de um filho saudavel ? Exibir como trofeu ?"

Fala com alguma mãe que tem filho deficiente pra ver como a vida é super fácil (pra ambos)... só pensa que filho saudável é troféu quem não tem um filho com problemas.

Anônimo disse...

13:29 então para você a solução e mata-las? Ja olhou dentro dos olhos de um órfão e lhe disse que era melhor ele não ter nascido e que a vida dele vale menos?
Ser para mim ser feminista tenho que defender isto desculpem mas esta parte eu pulo, luto por melhor direitos e condições de vida para nós mas isto não tenho como concordar sendo mãe.

Anônimo disse...

Anonimo das 13:25

Aborto não e assassinato e menos que o feto já tenha o cérebro ativo, o que acontece antes de completar o segundo mês de gravidez.

E eu pergunto onde esta sua preocupação com a mãe?

De qq modo eu entre nascer com uma deficiência física ou mental preferiria ser abortado



Anônimo disse...

E deixar a grande maioria das mulheres que aborta (pobres e negras) morrer não seria eugenista também?

A proibição do aborto atinge principalmente as classes sociais baixas.

É um extermínio também, mas de mulheres. É por isso que a sociedade não se importa.

Anônimo disse...

Existem vários níveis de microcefalia, alguma pessoas com microcefalia estão se formando e superando as dificuldades, então eu acho que propor aborto como solução nesta questão e eugenia sim, propor eliminar deficiente como forma de solução para mães e pais e terrível do ponto de vista humanitário
http://oglobo.globo.com/brasil/acho-errado-propor-aborto-diz-jovem-com-microcefalia-18588768

Anônimo disse...

13:32,

Não há "solução", infelizmente nada resolve isso, mas deve haver opções, porque a sociedade se importa só com o nascimento das crianças, mas depois abandona mãe e filho.

E seu argumento de olhar nos olhos de alguém e dizer uma bobagem dessas faz tanto sentido quanto dizer "você não diria isso se tivesse sido abortado".

Anônimo disse...


NÃO RESPONDAM A TROLL DESOCUPADO. DAQUI A POUCO A LOLA DELETA A EXISTÊNCIA DELE. 2

Anônimo disse...

Porque não cobram a bosta do governo que não tem competência de de gerir recursos públicos de saúde educação e saneamento para combater doenças do Sec. retrasado transmitidas por uma merda de uma mosquito? Apesar de nos roubarem 40% do que produzimos em impostos?

Anônimo disse...

"O feto não pode ser chamado de criança pois ainda não tem sistema nervoso"
A argumentação desta gente e tão pífia que chega a dar pena, não sabem diferenciar o desenvolvimento de uma vida inicial onde tudo esta em desenvolvimento, e desumanizam o feto como apenas"um amontoado de células"
Células de que? De uma cadeira ou células humanas em desenvolvimento?
A questão não e puramente religiosa, mas sim ética e moral e para onde estamos indo como seres humanos onde tudo e descartável.
Hitler também se baseava muito em "logica" para desenvolver sua ideologia.

Anônimo disse...

Querida vc escolheu ser mãe correto? Nem toda mulher compartilha da mesma ideia.

Anônimo disse...

Quando as pessoas vão aprender que "sou mãe" não é porra de argumento?

Anônimo disse...

CÉLULAS DE UMA CADEIRA

HAHAHAHAHAHA

Anônimo disse...

Eugenia, assassinato, nazismo..

As pessoas arranjam cada argumento pra pressionar mulheres.

Quando o aborto for legalizado cada mulher vai estabelecer seus critérios.
Se uma mulher estiver grávida de uma criança sem cérebro, sem braço nem pernas, cega e surda e mesmo assim quiser continuar a gravidez, NINGUÉM TEM NADA COM ISSO.

Se ela estiver grávida e quiser interromper a gravidez apenas porque ser mãe nunca esteve nos planos dela, NINGUÉM TEM NADA A VER COM ISSO.

É muito simples.

Anônimo disse...

Vcs sabem como esse feto será abortado? Injetando potássio no coração do feto para que ele morra. Sinceramente, não consigo ver isso com serenidade.

Anônimo disse...

Eu não sou a favor do aborto, e não me apedrejem por isso, por favor. Mesmo assim, permitam-me levantar uma questão, vocês, que condenam o aborto, condenam ambos os pais ou só a mulher? sempre se diz que a mulher faz o aborto. Mas onde está o pai? Ou ele abandonou a mulher grávida, e não estava lá para opinar, ou ambos os pais concordaram que o aborto é a melhor opção. Em ambos os casos, ele é tão responsável quanto a mãe. Por que vocês só condenam a mãe? A responsabilidade de um filho não deveria ser igualmente de ambos os pais?

Anônimo disse...

Energúmeno das 13:32 o aborto ilegal deixa crianças órfãs, porque as mães delas morrem fazendo aborto ilegal. Entendeu ou quer que a titia desenhe?

13:16 sua opinião você pode ter à vontade. o que você não pode é querer impor sua opinião pessoal sobre outras pessoas, ou seja, você não pode querer que o aborto seja ilegal apenas porque você não acha certo e nunca faria. Entendeu? Sua opinião você pode ter, mas não pode usar pra mandar no útero das outras.

13:42 porque células embrionárias que não pensam nem sentem são preciosas, mas os bebês e crianças que nascem são só trombadinhas, mini marginais que merecem a pena de morte e castigo pra "vadia", né? Escuta, quem vocês pró - morte - de - mulher - que - se - atreve - a - transar estão enganando? Todo mundo aqui sabe que vocês cagam e andam pras crianças, só querem punir a mulher por fazer sexo.

13:38 então já que um homem estuprou uma mulher devemos castrar todos vocês? Afinal, se ocorreu um caso, é óbvio que isso é molde pra todos os outros; tipo assim, uma mulher quis ter o filho mesmo com microcefalia, então todas as mulheres devem ter. Então, se um homem estuprou uma mulher todos vocês devem ser presos e castrados porque vão fazer o mesmo, né?

12:57 mal aí, mas Jesus não é membro de gangue nem assassino de aluguel, viu? E o fato de você pensar isso mostra que você não sabe absolutamente nada sobre Jesus.

Anônimo disse...

O analfabetismo funcional dos doutrinados pelas baboseiras secularistas do MEC e quase tão infinito quanto o universo, ABANDONO NÃO E ABORTO, aborto e interromper a vida em gestação, no crime de abandono de incapaz a CRIANÇA ESTA VIVA pois teve o direito de se desenvolver e nascer em paz, como todos aqui tivemos e agora alguns querem negar a outros, a sociedade deve cuidar de seus pares e não descarta-los porque são diferentes.

Logo vão estar propondo o que? Que eliminemos idosos em asilos porque elas estão dando trabalho?

Vicky_ disse...

A sociedade é incrível.
Num debate, um cara diz de boa "Eu sou a favor da pena de morte" e já vai explicando seus motivos.
E todos compreendem, pois "livre expressão" está aí.

Mas se uma mulher diz "Eu sou a favor da descriminalização do aborto" todo mundo olha como se ela fosse algum tipo de infanticída.

O cara do primeiro exemplo nunca é chamado de assassino, pois mantém os status quo.

Vários comentários daqui estão certos, é um extermínio de mulheres.

@vbfri disse...

Marco para o fim da vida: morte cerebral (necessário para doação de órgãos).

Logo, início da vida: atividade cerebral.

Atividade cerebral = 12 semanas de gestação.

É a posição do CRM.

Qualquer país sério permite aborto até a 12a semana de gestação.

Diferente de matar uma CRIANÇA QUE JÁ NASCEU E SENTE DOR.

Anônimo disse...

13:55 uma injeção de cloreto num embrião que não sente te incomoda, mas você vê com serenidade criança passando fome, apanhando, sofrendo negligência, abusos, violências, físicas, psicológicas e sexuais, abandonadas nas ruas, levando tiro e surra da polícia? Me explique, por favor, quais são as prioridades dos pró - punição - pra - vadia - que - transa? Por que vocês se doem todos por meras células e odeiam crianças nascidas? Por que pra vocês abortar não pode, mas maltratar, agredir, estuprar, abandonar, maltratar, deixar uma criança passando fome sem educação nem amor pode - e isso só pra punir mulheres por terem feito sexo? Qual é o problema com vocês, porra?

Anônimo disse...

"Marco para o fim da vida: morte cerebral (necessário para doação de órgãos).

Logo, início da vida: atividade cerebral.

Atividade cerebral = 12 semanas de gestação"
_

Simplório e maniqueista, o fim da vida cerebral se deve ao fato de ser irreversível.
O inicio da vida biológica se determina nos estagio de desenvolvimento, o embrião esta se desenvolvendo e vai naturalmente adquirir consciência se não for destruído.


Inicio de uma vida no segundo caso, fim de uma vida no primeiro caso citado por você,situações completamente diferentes.

Anônimo disse...

"no crime de abandono de incapaz a CRIANÇA ESTA VIVA pois teve o direito de se desenvolver e nascer em paz"

Que bonito, mas e viver em paz?

Sair da vagina dura muito menos do que todo o resto de vida em que essa criança será negligenciada, agredida, não terá oportunidades...

Em vez de falar merda na internet, vá num orfanato e adote ao menos uma criança, já que você se preocupa tanto!

Anônimo disse...

"13:55 uma injeção de cloreto num embrião que não sente te incomoda, mas você vê com serenidade criança passando fome, apanhando, sofrendo negligência, abusos, violências, físicas, psicológicas e sexuais, abandonadas nas ruas, levando tiro e surra da polícia?"

então a solução e mata-la ou considerar a vida dela inferior, já diste isto a um órfão cara a cara, olhando nos olhos? Que a vida dele vale menos.

Anônimo disse...


NÃO RESPONDAM A TROLL DESOCUPADO. DAQUI A POUCO A LOLA DELETA A EXISTÊNCIA DELE. 3

Agora e surpreendente o maniqueísmo de certos comentantes aqui, só porque agente aqui propõem, estas ANTAS, ja dizem que a gente vai se propor outras coisas em função disto.

Anônimo disse...

"Qualquer país sério permite aborto até a 12a semana de gestação"

Então no caso da microcefalia e caso encerrado, não pode haver aborto, pois ela so pode ser diagnosticada com certeza no 4° mês de gestação.

Anônimo disse...

14:10, já adotou uma criança órfã hoje?

Anônimo disse...

14:10 já perguntou a essas crianças o que elas preferiam? Eu já vi um americano, cirurgião plástico, rico, com um programa de sucesso na TV questionar a mãe que o botou pra adoção. Ele disse com todas as letras na cara da mãe biológica que preferia ter sido abortado a ter nascido e sofrido todas as agressões, abusos sexuais, físicos e psicológicos que ele sofreu. E isso depois de rico, independente e bem sucedido, mas ainda assim ele preferia ter sido abortado.

E você, já olhou nos olhos de uma criança abandonada, com fome, frio, sem amor e sem cuidados, sofrendo abusos físicos, psicológicos e sexuais e disse que ela deve calar a boca e ficar feliz por ter nascido? Que ela é um trombadinha que merece levar um tiro da polícia e morrer, mas mesmo assim deve ficar feliz por ter nascido? Admita, você não liga pras crianças. Quer apenas punir a mulher por ter transado. Você é só mais um hipócrita misógino.

Camila disse...

Falar que a maternidade é linda, que o aborto é assassinato e que vocês se importam com crianças abandonadas é muito fácil. Falar é fácil, especialmente na internet.

Anônimo disse...

E você, já olhou nos olhos de uma criança abandonada, com fome, frio, sem amor e sem cuidados, sofrendo abusos físicos, psicológicos e sexuais e disse que ela deve calar a boca e ficar feliz por ter nascido? [2]

Anônimo disse...

Então deixe Jesus julgar a porta do pecado dela e vá cuidar da sua vida!! Vcs não são Deus!!!

Anônimo disse...

Nunca vi tanta gente defender criança abandonada/órfã como aqui, a gente até pensa que essas pessoas devem fazer o mesmo na realidade... só que é só sair na rua e ver que não!
A defesa da "vida da criança" só vale pra atacar os outros!

Anônimo disse...

Então a criança abandonada deveria pagar pelo erro dos pais? A culpa e dela ou ela e vitima


Alem de sofrer abusos físicos, psicológicos e sexuais vocês realmente acham que seria melhor que ela não tivesse uma vida? Ja olharam nos olhos deu ma mulher abusada e a disseram que era melhor que ela não tivesse nascido?
Ops... acho que deixei a coisa um pouco mais pessoal aqui não ?!

Anônimo disse...

So mais um detalhe aqui, crianças que nasceram com deficiências mentais, tem mais tendencia sofrer violência sexual do que criança salvável, pois abusadores se aproveitam da impossibilidade da vitima denunciar eles e abusam mesmo.

Na discussão do aborto por microcefalia isso deve ser levado em conta.

Anônimo disse...

Eu acredito que estas pessoas que defendem o aborto de deficientes, se fosse possível diagnosticar no útero que o feto será uma criança esteticamente feia iriam começar a considerar o mesmo para ela. Afinal "iram poupa-la de "sofrimentos e pré conceitos" e melhor não ter ela nascido não ?!

Anônimo disse...

14:23, não deixou porque seu argumento não faz sentido. Quando falamos dos abusos que essas crianças sofrem, nos referimos aos abusos que são consequência justamente do abandono. Não dá pra comparar com qualquer experiência ruim que uma mulher adulta possa ter na vida.

Anônimo disse...

14:23 se vamos fazer essa jogada imagino que a melhor solução seria castrar e/ou esterilizar os homens. As crianças só podem ser feitas se um homem transar com uma mulher, a maior parte dos abusadores, espancadores e estupradores de crianças são homens, quem não se previne são os homens, quem estupra as mulheres e as engravida são homens, quem engana, agride e chantageia pra transar sem camisinha são os homens, quem abandona a mulher grávida e o filho são os homens. Então esterilizando e castrando os homens nós resolveríamos muitos problemas. Se vocês não pudessem procriar aleatoriamente e de forma estúpida como vocês fazem, ou se não pudessem abusar das mulheres, a maior parte dos problemas das mulheres e das crianças não existiriam e diminuiria muito o número de abortos. Vamos fazer então um mutirão de castração masculina? Ou essa solução é pessoal demais pra você?

Anônimo disse...

14:26 claaaro troll, porque 'feiúra' e mal formações ou deficiências que causam sofrimentos e dificuldades de sobrevivência pra mãe e pra criança são a mesma coisa, né? Vai adotar uma criança com deficiência e cuidar dela, então aí você não pode dar palpite na vida das outras.

Anônimo disse...

Eu jamais faria uma tatuagem, acho um horror marcar o corpo assim, então todos os estúdios de tatuagem deveriam ser proibidos.

Anônimo disse...

"Já olharam nos olhos" não é argumento, seus trouxas

Debater com seriedade ninguém quer, né

Anônimo disse...

Tem que ser muito estúpido pra comparar aparência física a uma deficência séria como microcefalia. É um desrespeito até com quem sofre com o problema. Vão se informar ou se tratar, você não tem noção do que falam.

Anônimo disse...

Não precisa, Adolfo. É só legalizar o aborto pra que as mulheres que não querem ter filhos não tenham, facilitar a esterilização voluntária pra quem quer, ensinar sobre sexo seguro, distribuir contraceptivos, dar condições de transporte, educação e saúde pública pra mães que quiseram ter filhos com deficiência, fornecer educação de qualidade e dignidade de vida pros pobres - e assim criaremos uma sociedade melhor. A eliminação física dos mascus é opcional.

Rafael Cherem disse...

Uai, meu comentário não foi publicado.

Mas resumidademente eu questionava se o aborto amplo e irrestrito não serviria apenas para politicas eugenistas.

Anônimo disse...

Como já disseram muitas vezes, é incrível a preocupação com a vida das crianças que não nasceram. Mas com as mulheres? Jamais, elas que paguem por existir, já que na cabeça dessas pessoas, mulher é incubadora e se não gerar uma criança, está errada. Não deve existir, não deve ser perdoada.

Camila disse...

Rafael,

Não. Serve pras mulheres, acima de tudo. Talvez seja estranho lembrar que nós existimos e precisamos ser tratadas feito gente, mas talvez você se acostume um dia.

Anônimo disse...

Não tenho absolutamente NADA contra quem nao quer ter filhos (pelo contrário, acho que NAO estao prejudicando ninguem)
E tb entendo quem é a favor do aborto por diversos motivos (apesar que NAO faria)

Mas eu acho (e só acho) que uma pessoa que consideraria abortar (caso fosse permitido) em caso de microcefalia ou outro agravo de saúde deveria pensar MIL VEZES se está apta para receber um filho.
Nao estou falando sobre quem consideraria aborto (caso fosse permitido) porque nao quer filhos, ou nao tem condições de criar, ou nao está apta naquele momento, ou motivos assim...

Estou falando de quem quer um filho, mas só se vier saudável.
E se essa criança nascer saudável e as 3, 10 ou 18 anos sofrer um acidente e viver acamada o resto de seus dias ?
ou se tiver alguma doença que venha a exigir muita dedicação dos pais ?
será que eu sou capaz de ser feliz e fazer essa criança feliz ?

Outro questionamento que todo homem e toda mulher que planejam um filho deveria fazer é:
- Na falta do meu parceirx, eu tenho condições de criar essa criança ?

Porque o que eu vejo muito é gente reclamando de abandono de uma das partes, mas e se a pessoa morresse ? ou se estivesse gravemente doente ? São coisas que podem acontecer, e o trabalho seria até maior.
O abandono é horrível sim, e quem abandona é culpado sim. Mas devemos pensar, antes de planejar um filho, se temos estrutura para arcar com isso. Pois nao é algo tao raro assim.

Alias, de um modo geral,
nao da pra falar pelos gravidezes nao planejadas,
mas para quem planeja, é bom pensar ...pq quero ter um filho ?
Pq criança nao é brinquedo, nao é premio, nao é capricho... criança exige bastante amor, dedicação e tempo!




Camila disse...

O debate aqui mostra muito bem a realidade: não é centrado nas mulheres, mas nas políticas, na eugenia, no caralho a quatro. Em TUDO, menos nas mulheres. Essas são só "putas assassinas".

Anônimo disse...

Claro estão dizendo pra mulher ter filho, mas os pais desses bebes estão abandonando eles, não querem cuidar de um bebe deficiente, aí se a mulher aborta já é uma desumana né.

As mulheres quando estão grávidas de zika estão abortando antes de saber se o filho tem ou não.

Anônimo disse...

14:56,

Muito lúcido o seu comentário.

Um único detalhe: você fala no caso do filho sofrer acidente ou de um pai morrer, por exemplo, mas não acho válida a comparação. Estamos falando de situações bem diferentes. Não dá pra prever a vida e coisas ruins acontecem. Quando falamos de aborto nesse caso, falamos de um acidente (a microcefalia causada pelo vírus zica) antes mesmo da criança nascer e de algo que certamente afetará a mãe gravemente também.

Anônimo disse...

Mulheres Não abortem os bebes deem para os pais cuidarem , aí eu quero ver...
vai lá cuidar de filho doente vai andar como filho na rua e receber olhares tortos.

Ou melhor vão usar camisinha pq vcs pedem pra não usar nas relações, vao aprender a usar camisinha direito.

Vi e Wal disse...

Na verdade esse assunto do aborto sempre me incomodou...Me considero feminista, quero que as mulheres tenham todos os direitos que merecem mas não posso ser a favor do aborto, pois sou bem religiosa, sou espírita, e existem explicações dentro do espiritismo para o porque de ter um filho com deficiência e também de porque abortar causará problemas, tanto para a mãe quanto para o pai, cada um com a sua parcela de culpa, em próximas encarnações. Se você tiver interesse posso explicar, mas não posso garantir que você ficará satisfeita com as explicações porque não tenho como te oferecer provas científicas... bem, em todo caso, é nisto que eu acredito.

Do meu ponto de vista, abortar irá causar mais problemas do que soluções, mas mesmo assim não posso tirar das minhas irmãs o direito de escolha, nem julgá-las. Gostaria que as mulheres que quizessem realizar um aborto fossem atendidas com segurança em um hospital, mas acho que se o aborto fosse legalizado no Brasil o número de mulheres que abortam aumentaria sim, devido á facilidade com a qual ele poderia ser realizado.

Assim, esse é realmenete um dos únicos assuntos sobre feminismo sobre o qual não tenho uma posição definida. Quer dizer, pra mim eu tenho definida: Eu não abortaria. Mas mesmo assim, não posso dizer nada sobre o que outras mulheres querem.

E quanto a romantização do sofrimento maternal, isto eu tenho certeza absoluta que prejudica muito! Faz parte daquela ideia de que a mulher é um ser mistíco e muitas vezes a isenta de ser vista como um ser humano, como um homem, que aprende a ser pai aos poucos...

Anônimo disse...

O pior é que mesmo que a mulher tivesse a opção de dar o filho pro pai cuidar, ela passaria por 9 meses de dor, tristeza, angústia e estresse, carregando um filho que provavelmente amaria ele sendo doente ou não, o que só aumenta o seu sofrimento...

@vbfri disse...

A gente vai falar de DESCRIMINALIZAÇÃO do aborto, fala da posição do CFM, coloca dados que países que legalizaram o aborto REDUZIRAM o número de abortos (pq trouxeram conscientização e tals)

Não importa. A galera continua falando mimimi aborto eugenista.

CARALHO DE MERDA DE ASA.

Vocês não são pró-vida. Vocês são pró-nascimento. Foda-se a vida.

Passem bem.

Anônimo disse...

14:56 as necessidades de uma criança com microcefalia e de uma criança sem ela são MUITO diferentes. Nem todo mundo é um cuidador, e nem todo mundo consegue que pode cuidar de uma criança saudável consegue cuidar de uma com necessidades especiais. Colega, ninguém se torna um cuidador de primeira só porque virou mãe; isso de que mãe consegue cuidar de tudo é a maior e mais absoluta mentira. A mãe continua sendo um ser humano e seres humanos tem suas limitações. Ser cuidador é uma vocação, assim como ser piloto, médico, legista ou bombeiro. Você já tentou cuidar de uma criança deficiente? Se tiver essa oportunidade aceite e você verá o quanto é diferente cuidar de uma criança normal e de uma deficiente.

Cuidar de crianças portadoras de necessidades especiais é dureza. É difícil, emocional, financeiro e socialmente. Em geral a mãe cuida sozinha, passa semanas no hospital, mal tem tempo de tomar um banho, não sai de casa a menos que possa contratar alguém que saiba cuidar ou tenha um parente com a capacidade e a boa vontade de cuidar da criança. O pai se lixa, paga as contas de casa e passa dois minutos olhando o filho pra mulher comer depois vai embora. As escolas não tem estrutura, as creches também não, os hospitais com estrutura são de acesso mais difícil. Sem contar o preconceito e a exclusão que a criança vai sofrer da sociedade, inclusive da própria família. E o linchamento moral será quatro ou cinco vezes maior se ela disser que não aguenta mais ou se o filho ficar doente do que o linchamento de uma mãe com um filho sem necessidades especiais.

Anônimo disse...

14:31
Esse comentário é uma face palm na cara dos homens.

Vão lá cuidar do bebes com microcefalia que vcs fizeram. Vcs não cuidam nem dos normais, querem defender um mundo cheio de mães com bebes deficientes, que pensamento medíocre.

Anônimo disse...

Vi e Wal, seria muito legal que você explicasse, caso queira

Gustavo disse...

Sou homem, na minha cabeça eu nunca abortaria (questões religiosas) mas nunca vou engravidar, então creio que minha opinião não serve de nada pois é totalmente hipotética. Caso ocorresse com uma mulher de ter um filho meu eu poderia sugerir que ela não abortasse mas a decisão seria dela.
Resumindo eu sou contra o aborto mas a favor das mulheres escolherem se querem abortar ou não.
Contra o uso de drogas mas a favor da legalização, é tão difícil entender que você tem uma opinião mas pode deixar as pessoas escolherem o que elas querem???

E sobre a mídia, é claro que estão fazendo uma campanha sobre a superação das mães etc etc, mas não fazem isso para manipular, fazem por que vende, fazem por que as pessoas querem ver isso, a mídia quer dinheiro, não quer manipular ninguem, os investidores e presidentes estão "cagando" se vai ter aborto ou não, o que querem é $$$$$

Anônimo disse...

"coloca dados que países que legalizaram o aborto REDUZIRAM o número de abortos"
-
"No Brasil tem um milhão de abortos, a gente ia citando números, mas se pedissem as fontes a gente não tinha ate porque era tudo clandestino"

Luiz Inácio Lula da Silva, em discurso no instituto que leva seu nome.
Video do discurso
https://www.youtube.com/watch?v=M5bOtqmvJHE

Anônimo disse...

Não, Rafael Cherem, pois descriminalizar o aborto não é torná-lo obrigatório. Cada mulher vai poder decidir.

Anônimo disse...

Espiritismo é uma farsa de egoístas , espiritismo é machista.

o líder espirita vivia querendo tentar provar que os negros eram inferiores.

cuidado com o que vc segue e lida como verdade absoluta, sempre procure informações.

Anônimo disse...

Homens que abandonam filhos, que não colocam o nome na certidão.

Isso sim deveria ser e deveria ter CRIME DE ABANDONO paternal inclusive. Que é muito comum

Anônimo disse...

Sabemos que pelo menos 1 em cada 5 mulheres em idade reprodutiva abortaram (pesquisa com fonte certa, que já foi até matéria de Fantástico), façam as contas do que isso representa e por baixo se tem o número de abortos realizados.

Unknown disse...

cuidado com o que vc segue e lida como verdade absoluta, sempre procure informações.

Em seguida: Espiritismo é uma farsa de egoístas , espiritismo é machista.

Logo você lida com uma verdade absoluta baseada nas suas informações e critica quem faz o mesmo...

Anônimo disse...

Eu posso garantir que espiritismo é machista assim como a bíblia, mas quem não quiser não veja, eu só alerto.

Anônimo disse...

Cade os homens que usam os métodos contraceptivos corretamente? e os pais que cuidam dos filhos, ou filho foi feito pra ser abandonado? não só abandono como na omissão da responsabilidade da criação.

Gustavo disse...

Qual o parâmetro de machismo utilizado? quais as variáveis? quais as analises de machismo feitas? Eu sou a favor da opção da mulher escolher se aborta ou não, totalmente, mas francamente, como alguem pode afirmar e garantir algo? tem estudos? tem fontes? tem analises claras e profundas feitas? não, tem a sua idéia e percepção.
Você pode garantir que dada a sua vivência, experiência e dada sua percepção o espiritismo é machista assim como a bíblia, isso pode garantir, mas para afirmar algo com tanta profundidade e ainda por cima comparando uma religião com um livro, é bem amador quanto a argumentação...

Anônimo disse...

Não tem como o aborto ser realizado pois é detectado bem tardio, o melhor é a mulher já abortar se tiver zika, ou seja o aborto teria que ser liberado para mulheres com zika.

Anônimo disse...

Anonimo das 15:01

sim. Logico que eu sei que nao da pra prever quem vai se acidentar e quem vai morrer.
Eu só quis estabelecer a lógica que uma coisa é uma pessoa falar "eu nao tenho condição de ter filho agora...sou sozinha, estudo, trabalho, ninguem me ajuda, etc" outra coisa é falar "eu quero muito ter um filho, desde que venha saudavel". Existem muitas maes que sao abandonadas com crianças com deficiencia... pq esses homens nao refletiram antes de fazer filho ... eu quero mesmo um filho ? eu sou capaz de amar e abrir mao da coisas da minha vida pela vida do meu filho ?
Nao da pra prever se meu filho vai nascer com alguma doença nao diagnosticada no pre-natal, se vai saudavel, se eu terei amparo do marido, dos meus pais e sogros por toda a vida.... por isso mesmo que eu devo perguntar...eu daria conta de cuidar caso fosse apenas eu ? eu daria conta de ser feliz e faze-lo feliz caso ele nao fosse saudavel ? Achei que eu tinha deixado claro.

Anonimo das 15:07
Eu confesso que nao cuidei de criança com deficiencia, mas já convivi com uma em função do meu trabalho. E nao foi por nascimento, era uma criança perfeita até , por uma reviravolta da vida, ter limitações.
Eu entendo completamente o que vc falou. E eu acredito que seja dificil sim.
Mas quem garante , o que eu estou tentando falar o tempo todo...quem garante que nascer saudavel é certeza de ser saudavel a vida inteiro ? Isso que eu estou pedindo para as pessoas se questionarem.
E eu sei que existem muitas doenças que praticamente deixam a criança acamada, mas já vi pessoas falando que "tem medo" de sindrome ou doença x ou y (nao vou nem citar o nome, pq sao extremamente compativeis com a vida, e com certeza ofenderia quem tem filhos ou parentes com essas doenças ou sindromes). Pra mim, quem diz isso, nao deveria ter filho em hipotese alguma. Mas quem sou eu pra achar alguma coisa...

Anônimo disse...

Como assim homem que nao coloca o nome do filho na certidao ?
Se faz exame de DNA e é pai, ele é obrigado a coloccar... nao é nao ?
O o teste de DNA é obrigatorio, nao é nao ?

Anônimo disse...

15:30 é aquele caso que eu te falei: nem todo mundo consegue cuidar de uma criança com deficiência, mesmo que essa deficiência seja compatível com a vida, e isso não é demérito. Quem pode, pode e quem não consegue, não consegue, só isso. Seu marido ou esposa pode sofrer um acidente e ficar incapacitado em algum momento, mas continuar vivo. Você vai deixar de se apaixonar ou casar por isso? Sua mãe pode sofrer algum derrame compatível com a vida mas ficar debilitada, você vai abandonar sua mãe desde já pra não sofrer depois? Ou o fato de que talvez não consiga cuidar do seu cônjuge/mãe e precise contratar ajuda te faz alguém que não devia se casar ou ter mãe? Essa é a lógica do que você está falando.

15:35 a mora é essa aqui, ó:

- Homens, usem camisinha ou cuidem dos filhos que fizeram por causa da irresponsabilidade. e parem de reclamar.

- O bebê fica na barriga da mulher, portanto vocês calem a porra da boca e não deem palpite no aborto. Pronto.

Homens TEM a obrigação de se prevenir/ assumir a responsabilidade do filho caso não se previna; e como vocês não engravidam, não podem dar palpite no aborto.E essa é a verdade. Você pode chorar e fazer birra ou aceitar.


sandramorena disse...

Outra medida que poderia ser feito, dessa vez para quem já teve crianças com o problema de microcefalia, é exigir do governo que existam creches em tempo integral com todo tratamento exigido por essas crianças. Assim sendo as mães que já foram abandonadas pelos pais dessas crianças, possam trabalhar, pra viver e não viver de caridade de vizinhos.
Lembrando que pessoas ricas podem fazer aborto, não precisam de autorização da justiça para faze-lo, só ir numa clinica particular e pronto. Isso sim é eugenia. ricos não tem crianças com problemas.

Anônimo disse...

No caso da microcefalia, ainda tem que levar em conta que os pais estão abandonando os filhos incapazes e as mães a própria sorte. Ou seja, mais uma vez a sociedade joga toda a responsabilidade pra cima da mulher e liga o fode-se. Parabéns brasil sil sil
http://m.saude.estadao.com.br/noticias/geral,homens-abandonam-maes-de-bebes-com-microcefalia-em-pe,10000014877

Anônimo disse...

15:46

Não essa não é a moral pq na realidade o pai pode cair fora e não assumir a criança e ninguém vai obriga-lo a cuidar.

Sim, ele esta sendo um FDP mas as mulheres não podem fazer nada e se fodem, portanto não da pra contar com o cara se previnir pq se der ruim quem se fode é a mulher.

Anônimo disse...

15:57 então joga a lei atrás do salafrário, não quer cuidar mas tem que pagar a pensão, e se ele não quiser pagar vai em cana.

Anônimo disse...

@vbfri 14:04

Parcialmente correto.

"Qualquer país sério permite aborto até a 12a semana de gestação."- Correto

"Marco para o fim da vida: morte cerebral (necessário para doação de órgãos).

Logo, início da vida: atividade cerebral."

Incorreto. A pessoa com morte cerebral sobrevivendo com ajuda de aparelhos ainda esta viva, assim como um feto de 12 semanas tb está vivo apesar de não sentir dor.

pp disse...

Que texto perfeito!

Esses dias estava conversando com uma mãe que tem um filho com necessidades especiais, e ela, que ama muito o filho e cuida o melhor possível, falou: "é mentira isso de que ter um filho com problema sério seria uma benção. Não me imagino sem meu filho, mas é muito ruim ter alguém dependente".

No caso dela, lógico que ela que arca com toda a carga emocional que o filho requer, e o pai nem admite o problema de desenvolvimento do menino.

Quanto à ação que será proposta no STF, acredito que será julgada improcedente, já que o caso da microcefalia em nada ter a ver com o feto anencéfalo. Neste último, o STF entende que não há vida alguma, então não seria caso de aborto, mas mero procedimento clínico. No caso da microcefalia, não há esse diagnóstico preciso de morte após o parto. Acredito, entretanto, que esse tipo de ação é importante para incentivar o debate.

Anônimo disse...

16:03
Primeiramemte pagar pensão não é o mesmo que cuidar, segundo, o cara pode sumir e ninguém mais acha ele, terceiro, a mulher muitas vezes nem sabe quem é o pai, quarto mesmo que ela sabe e o cara nao tenha sumido ele não é obrigado a fazer dna e vira tudo uma guerra entre quem paga mais advogado.

Resumindo se o cara não quer assumir quem se fode é a mulher, essa é a moral

Anônimo disse...

Meu filho tem uma síndrome rara com grave comprometimento cognitivo. Ele tem 18 anos. Quem não vive isso NÃO SABE o que é isso. Ponto.

Jovem feminista disse...

Anonimo 16:06

"A pessoa com morte cerebral sobrevivendo com ajuda de aparelhos ainda esta viva"

Quem errou por total e você, sem atividade cerebral não tem vida, você pode manter um organismo ativo sem atividade cerebral, mas isso não e uma vida, se só ter atividade física e o suficiente para ter vida, então o meu carro também e uma coisa viva, pois não tem cérebro mais esta ativo.

Anônimo disse...

Ah! Eu, anon das 16hs15 sou mulher. Divorciada. A pensão que eu e ele recebemos é de quase 5 salários mínimos. Ele tem conduta auto e hetero agressiva. Mesmo pagando bem não para ninguém aqui em casa. Ele fica nú o tempo todo e já quebrou quase que a casa inteira. Não me chamem de guerreira. Eu não gosto. Prefiro que ofereçam ajuda.

pp disse...

Vejam que interessante essa matéria sobre uma moça que falou nas redes sociais sobre as mentiras da maternidade

http://maternar.blogfolha.uol.com.br/2016/02/18/a-polemica-do-desafio-da-maternidade-e-a-mulher-bloqueada-por-admitir-que-detesta-ser-mae/

Anônimo disse...

Por exemplo, alguém ficar com ele um dia inteiro prá eu poder dormir. Alguém que mesmo sendo agredido por ele não revide a agressão.

Jovem feminista disse...

anônimo das 16:34

Partindo daquela sua linha de raciocínio estupida, o fato do carro não ser orgânico nem faz diferença.

E as plantas eu não reconheço como coisas vivas, planta eu vejo apenas como uma estrutura biológica, mas não como uma coisa viva.

@vbfri disse...

Uma pessoa com morte cerebral está MORTA. Clinicamente MORTA. É com o atestado da morte cerebral que se RETIRAM OS ÓRGÃOS.

Se os órgãos param de funcionar, não tem doação de órgãos. Exceto córnea e, salvo engano, pele.

E ninguém aborta de bonito. Ninguém acorda e fala "ain, vou abortar hoje".

Ô saquinho.

Beijo.

Anônimo disse...

Falam falam, mas são os primeiros a se picar na hora da dificuldade essa não cola mais, podem falar, xingar coisas de 5a série, eles só querem infernizar as nossas vidas.

Anônimo disse...

quem são eles pra falar de filhos?

se são pais ausentes, deviam tomar um murro nos dentes e ainda tá pouco.

Anônimo disse...

pais ausentes,promiscuos, não se cuidam, mas na hora de apontar pegam até a bíblia kkkkk

Anônimo disse...

O pai não pode obrigar a grávida a abortar (apesar de muitos tentarem com todo tipo de ameaça). E também não pode obrigar a manter uma gravidez. A dona do útero tem a palavra sobre seu próprio corpo. A não ser que se seja a favor de transformar a mulher em fábrica de criança e a acorrentarem ao pé da cama.
Ela é a geratriz, ela decide sozinha. O pai só participa da concepção, tem voz secundária e sem poder de decisão.

Anônimo disse...

Aleluia!!!! Um texto sobre maternidade que não fala de ursinhos carinhosos e unicórnios saltitantes!!! Parece que finalmente alguém reconheceu que a sacralização e idolatria à dor e do sofrimento materno é um imenso entrave na busca pela libertação da mulher - mãe ou não! Obrigada, Isabela.

Do mais, gostaria de levantar alguns pontos:

- Os abortos diminuíram em países que o descriminalizaram por que as políticas de educação e prevenção de gravidezes indesejadas são muito mais efetivas do que simplesmente "fecha as pernas, sua puta". Mas nem isso essa corja de vagabundos quer.

-Quando de fato essa o mito da figura da "mãe mítica" não existir mais, poderemos conscientizar as pessoas da importância de raciocinar antes de ter filhos. De que gerar e ter crianças deveria ser um ato de responsabilidade em primeiro lugar. Afinal citar isso, até mesmo dentro do feminismo, é visto como um ataque ao direito de procriar (né, por que é bem esse direito que está ameaçado).

- Do mais, quem se dói tanto assim com o aborto são os mesmos que bradam: "quem pariu Mateus que embale", "abriu as perna, agora aguenta" e outras variações do mesmo tema. Se já usam filhos saudáveis para manipular, prender e punir mulheres, imaginem que oportunidade de ouro pros misóginos toda uma geração de crianças 100% dependentes das mães 100% do tempo, por 100% da vida.

O dia que homens - todos eles - assumirem sua parte na contracepção, nos cuidados e criação dos filhos e dos serviços domésticos, talvez - mas só TALVEZ - vocês vão ganhar o direito de PENSAR sobre o tema aborto.

Enquanto isso, recolham-se a sua ignorância e calem a boca.

Jane Doe

elaine telles disse...

Resumo do argumento dos pró-vida: "você é obrigada a ter filho mesmo sabendo todo o sofrimento que ele vai ter e temos todos que defender isso, porque senão estaremos defendendo a eugenia. Mas, quando nascer, só compete a você a batalha de cuidar. Nós, que decidimos por você, não temos nada a ver com sua luta. Deus te escolheu para ser herónia/na vida passada você fez algo para merecer isso e agora tem que cumprir para não reencarnar mais", e você não terá ajuda de todos nós que decidimos por você. Se vira. Se sofrer preconceito, se faltar recurso, é a vida, deveria ter se esforcado mais para ter mais recursos, deveria não ter pecado nas vidas passadas."

Anônimo disse...

Na realidade é por volta da 28°semana (há uma margem), ou seja, 7°!!

E como é o aborto?? Aplica-se uma injeção de cloreto de potássio no coração do bebê e espera ele morrer no útero, aí retira. Como isso não é uma aberração? Uma crueldade? Um atentado contra toda a raça humana? Nós considerarmos legal e legítimo matar alguém assim?!

Porque não permitir matar todas as crianças que nascem deficientes? Quase todos os argumentos da autora se manteriam nesse caso (estresse emocional, dificuldade financeira e de tempo pra cuidar, etc, etc).

Qual a diferença entre um aborto no 7° mês (quando a criança já está totalmente desenvolvida) e o assassinato no primeiro dia de vida?

Como isso não é eugenia??? Como alguém que defende direitos humanos pode defender tb essa ideia do aborto?? Eu tento, mas não consigo entender.

Anônimo disse...

@ Jovem feminista

"as plantas eu não reconheço como coisas vivas"

O que você reconhece é uma coisa, a realidade é outra.

Anônimo disse...

Não, porque a única sentença de morte aqui é a do bebê.

Certamente há uma escolha mediante riscos.... A mulher acha tão horrível assim terminar a gravidez que vale se submeter ao risco de morte? Vá em frente (tem gente que se arrisca por muito menos). Agora querer que legalizados o assassinato do feto pra reduzir o índice de morte das mães que escolhem voluntariamente se arriscar??? Não obrigada, não quero viver nessa sociedade.

No aborto, o único jurado de morte, e que não tem qualquer opção, é o neném.

Anônimo disse...

Anonimo das 17:18

Isso ate e fácil de entender, e só compreender que as mulheres são plenamente donas delas mesmas e do que estiver dentro delas, logo se algo e meu com aquilo eu faço o que eu quero e pronto, pois e meu direito.

Anônimo disse...

Tem sim... Quando a gente vive em uma sociedade, a gente tem que estabelece critério do que a gente acho que é certo e errado.

Muita gente acha errado matar outro ser humano, esteja ele na barrigada da mãe, no colo da mãe, ou onde quer que seja, seja ele de que sexo for, de que cor for, com a saúde que for. Nós não queremos viver numa sociedade que acha legítimo o assassinato de crianças em nome do bem estar social/psicológico da mulher que o está gerando.

Anônimo disse...

@ vbfri e jovem feminista

- Estado vegetativo não é morte

- Plantas são seres vivos

- O que vocês pensam não altera a realidade

Anônimo disse...

Não é um embrião.

Microcefalia é detectada por volta do 6° ou 7° mês. Vice já viu um neném nascido no 7° mes? Por acaso eles se parecem bastante com os seres humanos...

Anônimo disse...

Errado o filho não é só delas, se o pai não concorda com o aborto a mulher deve ter o bebê e deixar o pai cudar.

Anônimo disse...

17:36, suponho que o pai que vai ficar com o feto na barriga para que a mãe não tenha problemas no trabalho né?

DIogo disse...

Boa tarde, acompanhem meu raciocínio e vejam se estou errado. Sou completamente favorável ao direito da mulher escolher levar uma gestação pra frente. O aborto é permitido em caso de estupro. Por quê mulheres continuam morrendo em clínicas clandestinas, se podem simplesmente mentir? Isso mesmo, não é a situação ideal, mas, é o que tem pra hoje. Será que mulheres sabem que pela lei ela só precisa falar que foi estuprada? Penso que na situação atual, zika virus ferrando a vida das pessoas por longos anos, essa seria a atitude mais segura pra uma mulher. Alguém sabe se a lei tá sendo realmente aplicada? Se na realidade basta a palavra da mulher que foi violentada e poderá abortar pelo sus? Valeu

Luiz disse...

Quem defende aborto obrigatoriamente tem que ser favorável a aplicação da pena de morte. Isso é um corolário.

Anônimo disse...

17:47, se os homens fossem castrados, não existiria aborto e nem estupro. O problema não é as mulheres.

Anônimo disse...

Luiz, eu sou sim a favor do aborto e de Pena de morte para estupradores, terroristas e seriais killers. Algo mais?

Anônimo disse...

Vi e wal,

Eu tb tinha esse incômodo com o feminismo. Tb sou espírita. Aí eu me perguntava se haveria alguma coerência no argumento de que isso seria uma escolha pessoal.

Depois de muito estudar, a conclusão que cheguei é de que isso não pode ser uma decisão pessoal. E que isso a legalização ou nao tb não é uma questão religiosa.

As perguntas que me fiz foi:
1) é uma vida humana? -sim
2) em qualquer estágio da gravidez? -sim. (Tenho argumentos científicos e filosóficos pra isso).
2) há casos em que tirar uma vida humana seria moralmente aceitável? -sim, como na legítima defesa.
3) as várias justificativas pelas quais as mulheres dizem que não podem ia até o fim da uma gravidez indesejada seriam justificativas graves o suficiente para nós, enquanto sociedade, considerarmos legítimo tirar a vida? -não (isso é a minha opinião e da maioria da sociedade. Ao meu ver, o debate deveria ser centralizado aqui).
- mas e a questão de salvar a vida das mães nos abortos clandestinos? -a sociedade deveria ter como meta salvar as duas vidas. Mãe e bebê. A mãe poderia ter prioridade se apenas um dos dois pudesse ser salvo. Não é o caso. Permitir matar o bebê para salvar a vida da mãe , que não estará em risco, a menos que ela opte por matar o bebê, é uma falácia. Repito: só haveria hierarquia (vida da mãe vale mais que a do bebê) se não houvesse opção de salvar ambas.
- por fim, filosoficamente falando, é muito perigoso para a sociedade quando começamos a questionar e decidir quais vidas valem a pena e quais não valem. Ser órfão é uma vida que vale a pena? Ser deficiente é uma vida que vale a pena? Ser pobre é uma vida que vale a pena? E ser negro, vale a pena?? Percebe quão perigoso é abrir essa porta?? Por isso o direito a vida deve ser algo fundamental e inquestionável.

Anônimo disse...

Luiz, você quer um bom motivo para ser conta pena de morte? Aqui vai, isso e uma pena branda, você mata um lixo psicopata e o criminoso não vai mais sentir nada nem saber de nada, por isso prisão perpetua e melhor como pena.

Deste modo liga aborto com pena de morte, não faz sentido.



Anônimo disse...

Há dados que dizem que aumentaram os abortos... E aí? Qual tá certo?

Anônimo disse...

17:04, finalmente alguem disse o correto. A mulher é a geradora, possui o gameta e engravida. O homem apenas possui o gameta, é um personagem secundario na gestação e se no patriarcado apenas a mãe que cuida, apenas El a que deve decidir. Toda a escolha a mulher.

Jovem Feminista disse...

Anonima 17:55

"2) em qualquer estágio da gravidez? -sim."

Você pelo jeito não e um troll então ainda merece uma resposta.

Vida sem atividade cerebral não existe, e a atividade cerebral só começa por volta da oitava semana da gravidez, isso tem farta comprovação cientifica.

No mais o resto deixo para quem tem mais tempo responder.

Anônimo disse...

Se os homens fossem castrados não existiria nem aborto, nem estupro, nem mulheres

Anônimo disse...

18:08, ja esta sendo criado esperma artificial em Israel, também podem fazer clonagem, as mulheres podem fazer inseminação nos bancos de esperma, etc..

Anônimo disse...

"Anônimo Anônimo disse...
13:55 uma injeção de cloreto num embrião que não sente te incomoda, mas você vê com serenidade criança passando fome, apanhando, sofrendo negligência, abusos, violências, físicas, psicológicas e sexuais, abandonadas nas ruas, levando tiro e surra da polícia? Me explique, por favor, quais são as prioridades dos pró - punição - pra - vadia - que - transa? Por que vocês se doem todos por meras células e odeiam crianças nascidas? Por que pra vocês abortar não pode, mas maltratar, agredir, estuprar, abandonar, maltratar, deixar uma criança passando fome sem educação nem amor pode - e isso só pra punir mulheres por terem feito sexo? Qual é o problema com vocês, porra?"
O post é específico para aborto em casos de detecção de microcefalia intra-uterina, certo? Nesses casos, nao são embriões, mas sim fetos, muitas vezes de 28 semanas. Sabe fazer contas? Sétimo mês de gestação. Acho que se vc vai opinar sobre algo, primeiramente tem que se informar para saber se é contra ou a favor desse algo. Sequer perguntei como as pessoas se sentem com essa informação, disse que EU não conseguia ver com serenidade. Posso ter opinião? Obrigada. Vc afirma que vejo com serenidade um monte de coisas horríveis. Como, por uma frase que eu disse, vc consegue deduzir tudo isso? Bela capacidade de adivinhação! Me manda os números da megasena? Não sei quais são as prioridades dos pró-punição-pra-vadia-que transa, porque não sou um deles.

Anônimo disse...

Acontece que no Brasil o aborto não é legalizado e eu espero que nunca seja. Espero que haja outras saídas que minimizem os danos para todos. Desde que existe outro ser se formando no seu corpo seu direito acaba quando o dele começa.

Anônimo disse...

Tá mais vão criar os filhos? ou vão largar como sempre, quem não vai cuidar não tem que opinar em nada.

Anônimo disse...

Deveria ser legalizado no Brasil que é um pais ruim ter tanta gente só piora.

se defende aborto e é homem não tem nenhum respaldo algum, é só mais uma maneira de tentar controlar, mas uma hora as mulheres iam se rebelar.

Anônimo disse...

Então que seja obrigatória a guarda compartilhada em casos de abandono.
O homem tem que arcar com o que fez, chega de passar a mão na cabeça, eu acho melhor que pensão é fazer o cara ter o trabalho de cuidar de um filho. Aí Esse mimimi acaba rapidinho

Anônimo disse...

18:44
Apoiadíssimo
mas detalhe no que ia ter de pai que ia matar o bebe

Anônimo disse...

(Viviane)
Bem, eu não queria opinar especificamente sobre o tema "aborto e microcefalia", mas vou falar ao anon de 18h44:
O problema de tornar obrigatória a guarda e cuidado por parte dos pais é que nem todos vão tratar bem os próprios filhos por imposição legal. Existem muitos caos em que o pai pega a criança e maltrata, estupra, sequestra e até mata, só para se vingar da mãe que "ousou" acionar o Judiciário para obter os direitos da criança. Eu não sei apontar solução para isso, mas é um problema que se torna mais sério ainda quando a criança tem alguma deficiência.

Vi e Wal disse...

Ao anon que me pediu para explicar o ponto de vista do espiritismo sobre as pessoas com deficiência e sobre o aborto, é um pouco complexo demais, mas vou tentar, resumidamente:

Segundo o espiritismo, todos nós reencarnamos. Nossa verdadeira forma é de um espírito, ou seja, um ser feito de energia, que não precisa de corpo. Nós recebemos um corpo para nos ajudar a evoluirmos cada vez mais, e sofremos consequências se não aproveitamos nosso tempo na Terra (através do Carma). A evolução, neste estágio em que estamos, ocorre através do nosso esforço para superarmos desafios, assim o sofrimento é necessário para a nossa evolução. Um espírito pode nascer deficiente para aprender certas coisas que não conseguia aprender quando tinha um corpo em perfeito funcionamento, o que não significa que é inferior á ninguém. Cuidar de uma pessoa extremamente debilitada pode ter sido uma prova para alguém ou até mesmo uma missão ao qual nos comprometemos antes de reencarnar (perdemos a memória antes de reencarnar neste estágio evolutivo). Assim, nenhuma vida é uma vida desperdiçada. Mesmo em pessoas que estão em estado vegetativo, cujo corpo nada sente, ou então em um feto com microcefalia há um espírito que precisa passar por aquilo.
Quanto ao aborto, é considerado um ato infeliz porque o espírito se conecta ao corpo logo após a fecundação do óvulo. É uma conexão muito mais frágil do que a de uma pessoa que já nasceu, mas ainda assim existe, e, portanto é um crime contra as leis de Deus. O único caso no qual o espiritismo defende o aborto seria para salvar a vida da mãe, caso esta esteja em risco. Se a gravidez for indesejada, ou mesmo se o bebê estiver doente ou incapaz de viver após o nascimento, o espiritismo acredita que ela deve continuar, pois o espírito que vai nascer e a mãe estão ligados por compromissos que assumiram. Quanto ao pai, ele também deve participar e também sofre o peso desta responsabilidade, ou na vida presente ou na próxima.
Eu sei que deve parecer muita crueldade em vista de que há pessoas que sofrem estupro e engravidam, mas do ponto de vista do espiritismo todo o sofrimento é muito pequeno comparado á felicidade que nos espera. O estuprador, coitado, sofrerá muito com o Carma do mal que causou, lembrando que homens podem reencarnar como mulheres e vice versa (o que não significa necessariamente que ele será estuprado, mas todo o mal que você faz aos outros deixa o SEU espírito muito doente). Claro, quando dizemos que o aborto é um crime, consideramos cada caso um caso. Uma pessoa que não tem informação, que está desesperada não é tão culpável quanto alguém que o pratica deliberadamente e sem a menor reflexão, mas ainda assim é um ato grave. O espiritismo não obriga as pessoas (mesmo as espíritas) a seguirem isto se elas não quiserem, então deixo claro que eu não estou dizendo que uma mulher deve ser obrigada a assumir um filho que só lhe causa sofrimento, e que se houver alguém que se encaixa neste perfil (filho deficiente ou estupro) lendo isto eu só posso dizer que eu nem imagino como deve ter sido difícil passar por isso, e que eu lhe desejo muita força para superar o que quer que seja. Me desculpe se fui indelicada de qualquer maneira.
Esta é a explicação que obtemos através das psicografias. Espero que ela tenha sido útil = )

Anônimo disse...

Complicada essa história, sou a favor da legalização do aborto em qualquer caso até a oitava semana de gestação e durante qualquer período nos casos já previstos por lei (e aqui entra diferença de aborto/parto antecipado, mas não vou entrar no mérito). Aborto em caso de má formação comprovada, mas compatível à vida, em qualquer estágio da gestação, é um tema que não consigo ter opinião formada.
Agora decisão do aborto é da mulher, ponto. Ela que vai ficar com o ônus da gestação, então ela que tem o poder de decisão.
Feto é ser vivo, um estágio do desenvolvimento humano, mas não é neném (estou falando dos fetos de 8- semanas de gestação, não dos bebês na vigésima tanta). Aqui volto a destacar que a questão do aborto NÃO É se o feto é ser vivo ou não, mas se ele é cidadão de direito. A questão é se é razoável colocar o interesse da feto acima dos interesses de um ser humano já formado (a mãe). Não, não estou querendo colocar "capricho" acima de "direito à vida". Mas só aceito o argumento de que o feto deseja nascer quando há formação do tecido nervoso, e portanto, há consequências para ele no procedimento (e não, não é a mesma coisa de "ah, então posso matar uma pessoa se ela estiver dormindo"). Antes disso, o feto não sofrerá NADA por conta do aborto - não existe uma entidade psicológica, consciente, senciente ali; o feto não vai sentir dor, não sentirá consequências de não ter nascido (a não ser que você seja de alguma religião que acredite em alma ou coisas do gênero, mas daí espero a maturidade de deixar suas crenças e assuntos de governo separados).

Vi e Wal disse...

Respondendo ao outro anon, que comentou sobre o Allan Kardec (escritor que "publicou", ou na nossa compreensão, codificou o espiritismo)

Ele jamais tentou provar que os negros são inferiores aos brancos. O que existe neste caso são alguns comentários que ele escreveu em seu diário pessoal e que foram publicados depois de sua morte, e extensivamente distorcidos na internet.

Em todo o caso, Allan Kardec não representa os ideais do espiritismo. Ele foi apenas um homem e as ideias pessoais dele, afetadas pelo pensamento do movimento da eugenia da frança do século 19, não fazem parte dos livros sobre espiritismo, que foram psicografados e portanto, na nossa compreensão, não foram realmente escritos por ele. Inclusive, em um dos livros há uma pergunta feita aos espíritos sobre se existem ou não raças melhores do que as outras, e a resposta é não.

Não seguir nada como verdade absoluta é na verdade uma das recomendações do espiritismo, que também se aplica a ele. É sempre preciso procurar conhecer bem os ângulos da verdade antes de fazer um julgamento.

Anônimo disse...

Não costumo ser revolts, mas essa resposta tá perfeita pros machinhos mascus que apareceram aqui: "se os homens fossem castrados, não existiria aborto e nem estupro. O problema não é as mulheres."
Vlw, anon de 17:50!!!

Anônimo disse...

Vi e Wal, sobre livre arbítrio nada? Sobre laicidade do estado nada? Sobre o ópio do povo nada?

Menina Ninguem disse...

Eu acho que parar com a romantização da maternidade é essencial, vai fazer com que as mulheres reflitam mais sobre o que é ser mãe e o porquê de tudo sobre o cuidado da criança ser atribuído como função apenas dela. Acho que o feminismo deveria trabalhar mais em orientar às mulheres a começarem a exigir dos homens, para que estes cuidem dos filhos também. Enquanto os homens não souberem o que é cuidar de uma criança e não tiverem obrigação social de executar essas tarefas, nós mulheres vamos continuar sendo massacradas em tudo o que se refere a questões reprodutivas.

No caso de mulher abandonada pelo companheiro na gravidez e/ou que não queira criar uma criança indesejada, na falta de opção do aborto, seria bom se a mesma entregasse a criança pro "pai" ou o Estado criar. Muitas aqui falam de crianças abandonadas, mas a verdade é que a maioria das mulheres acabam criando a criança, arcando sozinhas com todos os problemas de uma gravidez indesejada. A culpa de ser apontada como o monstro que abandonou o filho, mesmo que ela tenha sido obrigada a parir, usada como uma chocadeira pelo Estado.

Anônimo disse...

Anonima das 19:05

Seu comentário ate foi inteligente, mas responda me se poder uma pergunta, e naqueles casos que mulher ate usou um anticoncepcional, mas o este falhou, você apoiaria que aborto fosse liberado nestes casos, isso depois da oitava semana da gestação?

E importante pensar nesta situação, pois tem muita mulher engravida por falha de anticoncepcional. Alem domais mulheres podem enfrentar um longo período de indecisão ate decidirem abortar.

Anônimo disse...

Tb sou espírita e defendo a descriminalização por conta do livre arbítrio. Quem quer reger o mundo de acordo com as suas próprias crenças não é o Espiritismo.

Anônimo disse...

Minha mãe é contra aborto, faz discurso, discute com as pessoas, a criança não tem culpa e blábláblá, maaaaaaaas, ja abortou.
É fácil julgar, difícil é estar com uma gravidez indesejada, passando por problemas, sem ter como criar um novo bebê rs

Anônimo disse...

Pros religiosos:
Eu tenho o meu livre arbítrio, que me permite fazer o que eu quiser com meu corpo.
E se eu for condenada por Deus e Jesus ou ir pro infernos por causa disso, não são vcs que têm o direito de falar ou fazer nada pra mim. Pois estão indo contra o livre arbítrio que o seu Deus permitiu. Tão se achando melhor qie o seu senhor supremo? Como assim?
E antes que digam de que vivemos em sociedade, segundo vcs o que está escrito na bíblia é o que vale, não? Então ela vale em qualqer situação. Se eu não sigo o que está escrito nela, cabe a Deus e somente ele, me julgar e me condenar. Apenas Ele, pois se vc o faz esta ousando se igualar a Deus. Vc faz sua parte seguindo vc a bíblia, e não condenando quem não o faz. Papel esse que cabe somente ao Senhor supremos dos cristãos

Jonas Klein disse...

Bom comentário anonima das 21:07, vou aproveitar aqui para deixar algumas controvérsias da bíblia para vocês refletirem um pouco.

http://paradoxosbiblicos.blogspot.com.br/2011/02/capitulo-iii-controversias-biblicas.html

Anônimo disse...

Tá vendo como a religião (qualquer uma) é uma merda? Maluco vem aqui pra contar as pira com o amiguinho imaginário e acha que, por estar do lado de deus, pode decidir qualquer coisa sobre a vida dos outros, afinal, "o sagrado está comigo". Foda-se se tem mulher com quatro filhos morrendo, deixando as crianças órfãs, foda-se qualquer coisa que não seja minha relação com meu "deus pessoal", porque né, se eu sou mãe, quem não quer ter filho é uma puta assassina (sim, 21:05, estou olhando para você). O mandamento de jesus de atire a primeira pedra quem nunca errou e amar seu próximo como a ti mesmo, não levantar falso testemunho, não julgar para não ser julgado é muito bonitinho, mas infelizmente não pode ser convertido em ódio e dízimo. Se eu ganhasse dez pila por cada nóia religiosa que ouço, Bill Gates seria meu caddy... Na boa, enfiem sua crença onde o sol não bate. Bem escondidinha talvez ela não faça mal a alguém...

Anônimo disse...

Olá, Lola.

Perdão se fiz algo de errado. Por que deletou meu comentário? Só compartilhei um vídeo do YT com ideias interessantes que envolvem o feminismo.

Ass: Indivíduo pacífico sem esperanças

Alessandro Bruno disse...

Não quero entrar nessa polêmica do aborto, só queria avisar a quem fala que os orfanatos do Brasil "não são igual a Chiquititas" que conheçam um orfanato de verdade. No Brasil tem muitos orfanatos ótimos, onde as crianças são bem tratadas sim, além disso várias cidades, inclusive Rio Preto em SP já adotaram o modelo de ajudar financeiramente famílias cadastradas para que elas recebam as crianças - esse modelo é previsto ECA e funciona bem em vários lugares dentro e fora do Brasil.

Quem não acredita ou tem qualquer dúvida, não precisa acreditar em mim, basta pesquisar na net. Um blog que ajuda muito é esse sobre adoção:

http://criancas-adotar.blogspot.com.br/2010/10/realidade-dos-orfanatos.html

Anônimo disse...

18:24 é isso mesmo, você não se importa, e quer saber como eu sei disso? Porque você está aqui defendendo manter o aborto ilegal sabendo que isso causa morte de mulheres. Que os filhos dessas mulheres ficam órfãos e sofrem. Que crianças nascidas indesejadas sofrem abusos, maus tratos, humilhações, estupros, agressões. E ao invés de estar lá fora adotando crianças indesejadas, doando fraldas prum orfanato, dando alimento pras crianças de rua (aquelas que você fecha a janela do carro quando passa por elas), está aqui chorando pelo seu direito de punir as mulheres por fazerem sexo. Eu sei que você está de boa com tudo isso sendo feito às crianças porque ainda acha que ser abortado é pior do que nascer pra sofrer todo tipo de atrocidade nas mãos dos seus pais. Ah! E todos nós sabemos que se sua peguete engravidasse numa rapidinha na balada porque você não usou camisinha, você ia mandar ela abortar. E se ela não abortasse não ia sequer pagar pensão. Todo """"pró - vida"""" é hipócrita. Todo.

21:05 eu já disse e vou repetir: Jesus não é assassino de aluguel nem membro de gangue. Se é isso que você pensa Dele, minha filha, te garanto que você não conhece o cara... está seguindo alguém que não é Jesus... eu preciso te dizer quem é ou você consegue deduzir sozinha?

Anônimo disse...

17:25 isso aí, eu ABOMINO de tal forma a gravidez e a maternidade que prefiro arriscar minha vida num aborto inseguro a ter filhos. E embrião não é neném, criatura estúpida. Na quinta série eu aprendi a diferença entre punhado de células em constante divisão e bebê. Viu o que dá fugir da aula de ciências pra ficar medindo o pinto no banheiro com os coleguinhas?

Mas sabe qual é o melhor? Eu tenho dinheiro e relações com médicos. Se um dia eu precisar abortar, vou fazê-lo com segurança e tranquilidade e nenhum de vocês, bostinhas hipócritas, poderão me impedir.

Vi e Wal disse...

Ao anon...livre arbítrio é importante sim, e o espiritismo o defende, assim como defende não julgar os outros e não tentar controlar o que os outros podem ou não fazer. Eu expliquei isso no meu post. Estava apenas explicando o ponto de vista do espiritismo porque uma pessoa aqui dos comentários perguntou.E o Estado laico é uma discussão bem mais ampla...enfim.

Eu pessoalmente não gosto da ideia de abortar, espero nunca ter que decidir sobre isto, mas não acredito que tenho o direito de interferir no que as outras mulheres querem. É um direito delas como cidadãs.

@vbfri disse...

Estado vegetativo é diferente de morte cerebral.
Galera foca assistindo bosta na TV e da nisso.
Amigo, vai ler como se faz transplante de órgãos e o que é feito com embriões em clínicas de fertilização in vitro.
Vai ler resoluções do Conselho Federal de Medicina.
Depois a gente discute com inteligência, ok?
Parem de comparar aborto a assassinato.
Apenas parem.
Assassinato é de uma pessoa que já nasceu,sente dor, frio, fome, tem certidão de nascimento averbada em cartório, tem piolho.
Até 12 semanas de gestação é uma vida em potencial.
POTENCIAL.
Não sente nada.
Então, parem.

Anônimo disse...

Deveriam legalizar o aborto sim, para todos os casos. Não falo pela mulher, mas pela criança. Nunca ninguém parou para pensar a MERDA de vida que a criança vai ter quando nascer? E olha que não estou entrando no mérito da microcefalia.

Anônimo disse...

Nossa apagaram o meu comentário. Por que não posso dizer que nos anos 70,quando legalizaram o aborto nos EUA o a tecnologia do ultrassom quase nao existia e pouco se sabia sobre vida intrauterina?

Anônimo disse...

E quem disse que a microcefalia é causada pelo ZIKA??
Pesquisadores argentinos indicam que a causa da microcefalia é um larvicida que foi usado naquelas regiões.
Quantos casos de microcefalia tem aqui em SP mesmo hein??

Anônimo disse...

Gente, não esqueçam de que o feriado do dia das mães é o mais rentoso após o natal. No fim a mídia tem muito interesse em manter essa romantização da maternidade.

Anônimo disse...

Não sei se vcs vão achar q sou egoísta, ou dramática. Mas uma gravidez surpresa, indesejada e na qual a mãe tem desde o começo total consciência - como eu - de que não sairia ilesa, deveria permitir algum tipo de salvação para mãe. E esta frase já é pesada, porque nela parece que a mãe já diz que o filho é pra ela uma condenação. E se a mãe vê o filho como um fim, uma condenação ela já está crucificada familiar e socialmente.
Eu vivi esta experiência e não há chance. Não há saida. Eu não tinha preparo, conhecimento, nem nunca tive desejo de ser mãe. Ao me ver grávida percebi TAMBÉM que não tinha estrutura emocional nem mental. Ficou claríssimo pra mim que minha vida desandaria é devido a minha falta d estrutura dificilmente retomaria o rumo. E assim foi. me perdoem mas não encontro outros termos pra narrar o fato. A notícia da gravidez foi pra mim a notícia do meu fim como pessoa. Uma pessoa tem sua individualidade, seus gostos, seus sonhos, suas preferências, suas escolhas de estilo de vida e tudo isto MORREU ALI.
Falando de forma psicológica quando a individualidade de uma pessoa morre ela morre junto. E foi isso: eu deprimi por longos anos. Passei alguns com depressão profunda (o q sempre soou egoísmo meu para pessoas q sabiam..ficou assim depois que teve um filho) .
Eu pedi pra abortar, mas não tive autorização. Meu namorado também discordou. Não tive apoio. E pra mim, morri ali. Existiam duas vidas e eu fui a escolhida pra morrer.
Eu tenho esperança que da mesma forma que evoluíram a reconhecer que existealem da agressão física, a violência psicológica, e que está às vezes é muito mais grave, q gera danos muito maiores, tenho esperança que cheguemos ao tempo que se reconheça que um coração de uma mulher continuar a bater e ela continuar a respirar após uma gestação é um nascimento de um filho não desejado, não significa dizer que ela continue viva.

Anônimo disse...

(Continuo) Eu ainda tomo fluoxetina de tempos em tempos..já faz 20 anos quase que isto aconteceu. Tentei suicídio algumas vezes.

Vcs talvez não saibam, mas algumas mulheres abrem quadro de transtorno bipolar após uma gestação. Confirmem. Algumas abrem quadros de outros transtornos após a depressão pós parto. Estas mulheres podem ter chegado a pedir socorro antes, mas elas jamais serão ouvidas. Ao menos nos dias atuais.

Somos tratadas como seres inferiores, sem coração, somos excluídas por nossos próprios familiares que nos acham ingratas com Deus que nos abençoou com a maternidade e com um marido que assumiu a criança.

Perdemos nossas identidades e somos cobradas a viver uma personagem. Nos induzem a usar uma mascar. É violento. Percebam! Isto é violento! Viver uma personagem que não é vc É VIOLENTO! Eu estava exausta de fingir. Eu queria morrer!

Só em crises de choro e desespero eu gritava (sim gritava) pra meu marido q eu também queria seguir estudando e trabalhando e não ficar em casa cuidando de um bebê. (Mas vejam, esta frase é horrível! Como disser isso sem ser má e egoísta?!)

Anônimo disse...

...É uma criança não para aí. Depois vem a fase escolar. Que me matem! Mas eu não tinha vontade de ir as festinhas das mães, nem de ficar num fim da aula conversando com outras mães e as tias sobre como eles se comportam. EU ERA ASSIM!

As professoras sempre me olharam de lado. Por q o pai ia mais ao colégio do que eu. E quando eu aparecia era o,nada de lado e as mães não me cumprimentavam mesmo. Mas eu era boa em casa, eu mantinha as roupinhas em dia, o quartinho sempre cuidado, eu desenhava (porque sempre gostei de desenhar) eu fazia com ela as coisas que eu podia e nunca faltei com alimentação adequada, nem fui negligente. mas não importa! Eu não me reunia com as outras mães então eu era uma bosta!

E depois que o filho cresce, se sua relação já está desgastada com seu marido - porq ele continuou a vida dele sem interrupções e vc parou no tempo e do retomou não recuperou mais nem metade do q um dia vc desejou - ele nas discussões joga na sua cara que vc queria " matar seu filho" . Sim "matar" . E não o feto, alguém q vc sequer sabia de quem se tratava, se era homem mulher, gay, gêmeos, anencéfalo...Ele joga na sua cara toda hora que vc queria matar especificamente o filho q hoje tem nome, identidade e uma relação de afeto dom vc.

Ele faz seu filho se magoar e pensar: minha mãe pensou em me matar e fui salvo por meu pai.

A gente enfrenta tudo, risco de suicídio, para a vida, deprime, passa o inferno e no fim a marca continua: VC TENTOU / PENSOU EM MATAR SEU FILHO.E agora o filho está ali com 17..18 anos e ouvindo tudo.

Vc ainda se sente morta, vc adoeceu, vc perdeu seus sonhos, seus planos, levou uma vida tomando medicamentos pra depressão e no final, vc não passa de uma pessoa que tentou DE TODA FORMA matar seu filho.

Não há saída. Não há saída.
Eu peço a vcs, lutem também pelas mulheres que adoecem e que morrem porque perdem sua identidade. Tenho certeza que não sou a única.É enlouquecedor assumir uma personalidade que não é a sua. É a morte de nosso eu verdadeiro. Eu compreendo que os bebês, os fetos, são menores que nós, que são indefesos, mas que defesa nós temos também diante desta sociedade e da nossa própria família que nos vê como programadas para ser mães? E se não conseguimos somos excluídas, isoladas, discriminadas. Vcs não veem? Isto é uma forma TAMBÉM de nós matar? Não são apenas as que morrem num aborto mal sucedido. Muitas de nós morremos continuando com o coração a bater. Pensem também nest parcela da qual faço parte. Eu tinha 20 anos..eu não vivi após esta idade. Minha vida parou aos 20 anos. Eu já tenho 43.

Anônimo disse...

Mas continuam longe do ideal. E muitos são péssimos, sim. Já convivi com crianças adotadas extremamente traumatizada pelo tratamento que recebiam nas instituição. E não adianta ser hipócrita, cara. A realidade está muito, muito distante do orfanato Raio de Luz de "Chiquititas" (vou falar da novela porque você tocou no assunto). Não sei se você sabe, mas no final desta novela, os pais biológicos reapareciam como mágica e as crianças voltavam felizes ao seio familiar. As que sobraram, foram todas adotadas. É realmente esta realidade que você vê? Que bom que existem orfanatos que funcionam bem e seguem o ECA, mas muitas destas instituições ainda não funcionam assim (infelizmente).

Luciana disse...

Tb sou espírita e minha posição é contra o aborto (no caso de eu ter de decidir sobre uma gravidez minha indesejada) e a favor da sua legalização (porque defendo o livre-arbítrio e não consigo pensar em nenhum motivo contra que não seja religioso).

Anônimo disse...

Corrigindo: "traumatizadas" e "instituições".

Anônimo disse...

Anônimo das 18:00. Onde estão estes dados que nunca vi? E foram divulgados por quem? Por alguma instituição religiosa "desinteressada"? Porque pesquisas SÉRIAS comprovando que o número de abortos diminuiu eu posso colocar aqui.

Anônimo disse...

Cresce no corpo DELA e ELA decide. Conformem-se. Sobre isso (pelo menos), vocês machinhos não tem nenhum controle.

Anônimo disse...

Jesus não existe!

Anônimo disse...

Para a mãe que não queria ser mãe, toda minha solidariedade. Espero que você consiga ter sua vida de volta.

Guidi Vieira disse...

Ótimo texto, gostei principalmente da abordagem relativa à "mãe guerreira". Estamos vivendo um momento muito rico em relação ao assunto maternidade. Várias mães colocando suas sinceras posições a público, expondo a realidade que é criar um filho. Boto fé de que iremos cada vez mais falar sem rodeios sobre esta realidade, o que eventualmente deixará as pessoas muito, mas muito mais cientes do que é ter um filho. Toda a minha força às mães como Juliana Reis, que foi linchada (mas também muito apoiada) virtualmente por ter sido honesta sobre ela. Aliás, Lolinha, que tal um gest post dela?

Anônimo disse...

Se não queria ser mãe, por foi mãe, então?

Anônimo disse...

Se eu tivesse sido abortado não faria diferença nenhuma, eu nem iria saber. Nem iria ter consciência disso... Talvez até teria sido melhor. Ninguém pede pra vir ao mundo e quando vem não tem o direito de sair.

Vamos apoiar a legalização da eutanásia ativa e do suicídio assistido também. Esse tema podia estar incluso em todas manifestações pró aborto. Direito de escolha acima de tudo.

Anônimo disse...

Espero que cada vez mais mulheres se deem conta da roubada que e´a maternidade na vida da mulher. Roubada esta que foi dourada pelo patriarcado como uma coisa meiga e fofinha, ta mais que na hora de desconstruir tudo isto que esta ai.

Foco na luta pelos direitos reprodutivos sob controle da mulher não do patriarcado, do mito do romantismo, do estado, da igreja, pelo direito ao aborto amplo e irrestrito para todas as mulheres já.

Anônimo disse...

"Cresce no corpo DELA e ELA decide. Conformem-se. Sobre isso (pelo menos)"

Mas não e propriedade dela, e um ser humano novo com DNA próprio e deve ter seus direitos respeitados, para de tratar bebês em formação como se fossem parasitas, parem de desumanizar o feto e demonizar a maternidade.

Anônimo disse...

Feministas deviam estudar a natureza humana. Normalmente o que elas chamam de patriarcado trata-se da natureza humana.

Alessandro Bruno disse...

Anônimo das 01:00

Eu não sei como é a Novela Chiquititas porque nunca assisti. Só falei nela porque vejo muita gente citando pra divulgar o mito que os orfanatos são um pesadelo, o que eu sei que não é verdade porque tenho muito contato com internos e com o conselho tutelar na escola onde trabalho. Claro que há exceções, assim como em todas organizações há maus profissionais e maus gestores e outros problemas, mas a regra geral é que são muito bem tratados sim, e outra, não são "jogados fora" quando completam 18 anos, os que não são adotados eles ajudam a arrumar emprego e um lugar pra morar quando ficam adultos, muitos deles sempre voltam pra visitar e ver os amigos e novos internos.

Por isso repito o convite, não acredite em mim ou outra pessoa qualquer. Visite um, converse com os internos e aproveite pra levar alguma doação ou perguntar como pode ajudar, é gratificante e faz bem.

Anônimo disse...

Tem comentarista dizendo que homem tem tanta responsabilidade em caso de aborto quanto a mulher. Então na hora de decidir sobre o aborto, o homem também deveria participar. Sem essa de dois pesos e duas medidas.
Acho patético feminista que fica vitimizando a mulher, falando que são coitadinhas. Pobre mãezinhha, sofreu pq o filho nasceu com defeito. Acordem! Mãezinha sofre, a criança sofre MUITO mais! Nem tudo é sobre o empoderamento da mulher, existem outras pessoas no mundo!
A mulher que escreveu esse post é uma irresponsável. Descobrir gravidez com 24 semanas é 6 meses! Aí ainda quer abortar caso o filho não seja saudável e tem a pachorra de dizer que não tinha condições. Se não tem condições, nem arrisca. A vida é assim! Em pouco tempo as feministas vão querer linchar as mulheres que tem filhos defeituosos.
Tá difícil ser feminista assim!

Anônimo disse...

Ah, 08:36, então você está ok com o sofrimento da mãe E da criança? Pra você é ok que os dois sofram? E se a própria criança disser que preferia ter sido abortada? E se uma criança que sofre por ter sido indesejada disser que o melhor é a mulher que não quer ter o filho abortar, como já fez uma guest post? Não pode, ela tem obrigação de nascer porque você acha que as pessoas tem obrigação de nascer e sofrer pra que você se sinta melhor e pra que as "vadias" sejam punidas por fazer sexo.

Me escute, merdinha hipócrita, isso não é sobre você e sua necessidade doentia de punir mulheres por fazer sexo. Ninguém tem obrigação de nascer e ninguém tem obrigação de maternar. Quer que as crianças nasçam? Cuide delas. Vá, vá atrás de todas as mulheres que não querem ter filhos deficientes e adote todos. Depois cuide direito de todas essas crianças. Você ao menos se voluntaria pra cuidar dos filhos deficientes de mulheres que você conhece? Não, não faz. Então finja que se importa que as crianças, porque já sabemos que você não liga.

Anônimo disse...

08:55 já responderam mas eu vou repetir: comparar deficiências sérias a aparência é rdidículo e totalmente falso, seu lixo. Por que você não toma vergonha e para de fingir que se importa com crianças? Todos aqui já sabem que o que vocês realmente querem é punir a mulher por fazer sexo - e se além da gravidez indesejada o filho da "vadia" ser deficiente, nossa, vocês até gozam de tanta alegria! Punição perfeita pra essas vagabundas que se atrevem a fazer sexo! Assassino hipócrita.

Anônimo disse...

Cansei.
"se os homens fossem castrados, não existiria aborto e nem estupro. O problema não é as mulheres."

Anônimo disse...

08:13 mas o próprio organismo da mulher trata o embrião como parasita, tanto que é preciso um verdadeiro malabarismo celular pra que os anticorpos da mulher não ataquem o embrião e o destruam.

Qualquer coisa biologicamente viva tem DNA próprio, inclusive baratas e sementes de feijão. DNA próprio não é argumento. Se o embrião não pode sobreviver fora do corpo da mulher, mal aí colega mas ele não tem direitos humanos próprios. Só é sujeito de direito quem nasceu e nasceu vivo, se nasceu morto não tem direito nenhum. E de qualquer forma, pare de fingir que se importa com as crianças. Você não dá a mínima pra elas, o que você quer é punir as mulheres por fazer sexo forçando-as à maternidade - o que, de quebra, significa que você não vê crianças como seres humanos, mas como punição pra "vadia". E quer mesmo enganar alguém que você se importa com as crianças?

donadio disse...

"Aborto não e assassinato e menos que o feto já tenha o cérebro ativo"

Aborto não é assassinato, ponto final.

A personalidade começa do nascimento com vida, segundo o Código Civil.

Portanto feto, com cérebro ativo ou não, não é uma pessoa.

E o crime de homicídio, segundo o artigo 121 do Código Penal, é "matar alguém", ou seja, matar uma pessoa. E como o feto não é uma pessoa, matá-lo não é homicídio: para o Código Penal brasileiro, é o crime de aborto, definido em outros artigos (124, 125 e 126) do CP.

titia disse...

04:28 então faça o seguinte, se castre, bote uma camisinha no seu pinto sujo ou vá comer bunda de homem e deixe as mulheres em paz.

09:16 casa com um homem então. Mulher nenhuma vai sentir sua falta, eu garanto, vamos é ficar muito felizes por ter um mascu babaca a menos nesse mundo pra infernizar a vida de uma mulher.

Anônimo disse...

15:30,

Mas quem não quer um filho saudável? Não foi esse o meu ponto: o que eu quis dizer é que entre a criança talvez ter uma deficiência "naturalmente" e quase comprovadamente ter deficiência por causa do zica, tem uma grande diferença.

Anônimo disse...

07:13 ela foi mãe porque foi obrigada. Porque não teve acesso a um aborto seguro, não teve apoio da família nem do canalha pra conseguir o aborto, e porque foi pressionada pelo bando de carniceiros - opa, família e pelo canalha a ter o filho. Se a mulher não consegue abortar, o filho nasce e então os carniceiros e o canalha não permitem que ela dê pra adoção. Ah, o canalha que tanto queria "ser pai" e agora que tem que dividir a atenção da mulher com a filha agora está envenenando a moça contra a mãe porque ficou com raivinha de não ser mais o centro da atenção. Entendeu, filhote?

donadio disse...

"a sociedade se importa só com o nascimento das crianças, mas depois abandona mãe e filho."

Hoje li uma definição perfeita da atitude de algumas pessoas:

"Para os defensores da criminalização do aborto, a vida começa na concepção...
... e termina no parto.
"

Amanda disse...

Anonima 00:25


"A gente enfrenta tudo, risco de suicídio, para a vida, deprime, passa o inferno e no fim a marca continua: VC TENTOU / PENSOU EM MATAR SEU FILHO.E agora o filho está ali com 17..18 anos e ouvindo tudo. "

Pois é, as pessoas que são contra o aborto via de regra, apenas se preocupam com evitar os abortos, mas nem se preocupam com o como vai ser a vida da criança sendo criada por uma mãe que não a quer como filho/a, ignorando o quanto e prejudicial para desenvolvimento ter que se criar com alguém nem queria que você existisse.

Anônimo disse...

"Desde que existe outro ser se formando no seu corpo seu direito acaba quando o dele começa"

Mas nem lombriga posso matar?

titia disse...

"Desde que existe outro ser se formando no seu corpo seu direito acaba quando o dele começa. Desde que, é claro, eu seja o responsável pela gravidez e não queria pagar pensão. Então aí o aborto é certo, essa vadia irresponsável não pode me obrigar a pagar comida pro meu próprio filho, e daí que eu não quis usar camisinha, não quero pagar pensão e pronto! Essa vagabunda golpista tem que abortar porque eu não vou deixar de tomar cerveja e pagar prostituta pra alimentar pirralho, então vou fazer essa piranha abortar. Qualquer coisa eu a chamo de vadia abortista e parto pra pear outra otária."

Tradução literal do mascuzal. Não precisa agradecer.

Anônimo disse...

Melhor definição pra isso tudo:

"o que você quer é punir as mulheres por fazer sexo forçando-as à maternidade - o que, de quebra, significa que você não vê crianças como seres humanos, mas como punição"

E esse é o mundo em que vivemos.

Anônimo disse...

Ih, o mascu chamou todo mundo de "gordinhas"

Vamos cortar os pulsos

Abalou geral

Anônimo disse...

E foda-se o dogma religioso, pleno 2016 e o cara ainda se prende a bobagens

Anônimo disse...

Com todo respeito (limitado) a religiões, mas é sempre o mesmo tipo de pensamento: viver é punição, e você merece toda a merda jogada na sua cara. Só resta se resignar e sofrer. É um modo bem cruel de ver o mundo. Não é pra menos que religiões mais "agressivas" ganham mais e mais adeptos.

titia disse...

Ah, 09:46, esqueci de dizer mas nem lombriga nem embrião são protegidos pela constituição, viu? Só é sujeito de direitos quem nasceu vivo, não nasceu ou nasceu morto não é sujeito de direitos. E quanto a dogmas religiosos, bom, o Estado é (deveria ser) laico, o que basicamente significa: seus dogmas são problema seu e você não pode obrigar ninguém que não compartilha da sua crença a seguir seus dogmas medievais. Enfie sua prepotência e sua hipocrisia assassina no rabo e tenha um bom dia.

Anônimo disse...

Masculinistas= homens revoltados por não conseguirem despertar os instintos sexuais femininos. Se unem p odiar o que não podem ter, admiram os poucos homens que despertam esses desejos e tentam evoluir como homens para consegur o mesmo. Feministas = mesma coisa, porém, ao invés de se esforçarem para evoluir, querem que todas as mulheres sejam feias, abusadas e rabujentas igual a elas!!!

Anônimo disse...

Rapaz de 09:59 (e não adianta dizer que é mulher porque sua postura denuncia que você é mascuzinho),

Qual é o próximo passo? Xingar as feministas de chatas, bobas e remelentas?

titia disse...

Claro, mascu das 09:59, porque defender a legalização do estupro e da pedofilia certamente é tentar evoluir como homem.

P.S. Feia, abusada e rabugenta? Sério? Quer um chocalho e uma mamadeira também?

Amanda disse...

Mais uma vez

NÃO RESPONDAM A TROLL DESOCUPADO. DAQUI A POUCO A LOLA DELETA A EXISTÊNCIA DELE. 3

E TAO DIFICIL ASSIM DEIXA ESTES MASCUSE TROLLS MERDAS FALANDO SOZINHOS E QUE DEPOS DELETAM ELES TODOS?

Anônimo disse...

10:06,

É melhor ainda pras mulheres, cara, você nem imagina! Indique pra todo mundo mesmo, por favor!

Anônimo disse...

Lamentável ainda ter gente que acha que o feminismo existe pra atacar os homens ou qualquer coisa. Pior é ver que alguém acha mesmo que a gente vai desistir do feminismo porque supostamente fez a vida de um homem melhor (vamos esquecer que ele é mascu e tem uma vida horrível).

Feminismo é pra salvar as mulheres, acima de tudo. É pra gente, não pra vocês. Mulheres na porra do centro!

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 249   Recentes› Mais recentes»