quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

GUEST POST: CRISTÃ E FEMINISTA, GRAÇAS A DEUS

Simony é cristã e, segundo ela, sempre teve uma educação machista. "Há um tempo venho me aproximando dos ideais feministas, por causa de pessoas como você", diz. 
Ela, que tem um blog, escreveu sobre essa relação entre sua religião e o feminismo.

Chamo-me Simony, sou cristã e vou contar um pouco da minha aproximação com o feminismo. Minha igreja é de tradição reformada e, na nossa história, temos um exemplo de que nem sempre nos ensinam tudo o que devemos saber: Lutero. Martinho Lutero foi um dos pais da Igreja Reformada e após ler a Bíblia atentamente se deparou com um texto bíblico de Romanos 17:1: "O justo viverá pela fé".
Durante toda a sua vida, Lutero não sabia qual era o verdadeiro sentido da graça de Deus; ele (e tantos outros católicos) achava que devia fazer coisas para alcançar a salvação. A Igreja Católica se dava bem com isso: as pessoas compravam a saída do purgatório para parentes que já haviam morrido, um terreno no Céu, uma absolvição de um pecado, uma graça desejada. Essa prática configurava as famosas indulgências.
Em que a história de Martinho Lutero tem relação com a minha recente aproximação com o feminismo? Pois bem, durante toda a minha vida eu tive uma educação repressora e castradora, e não falo de vida sexual, apenas, mas de tudo. A mulher tem que se dar o valor; se o lar está destruído foi a tola que destruiu; a mulher tem que ser submissa ao homem; a mulher não pode ter cargos importantes na Igreja, etc (na minha denominação apenas muito recentemente as mulheres puderam ser ordenadas Pastoras). 
Qualquer fé que põe homens acima
de mulheres é uma fé mal orientada
De um tempo para cá comecei a ler a Bíblia com uma atenção para a participação das mulheres e, ainda, sobre os textos que eram utilizados para justificar a opressão da mulher na igreja. A minha nova visão da fé foi libertadora. Passei a ver que, na verdade, a minha fé não fundamentava o que me ensinaram, mas o fundamento de tanta opressão era a interpretação (e descontextualização) que os líderes da igreja davam para a Bíblia.
Há muitos livros que
falam de feminismo e
cristandade. Eu que
não conhecia!
Passei a desconfiar da manipulação que faziam dos textos bíblicos para calar as pessoas, principalmente as mulheres. Comecei a perceber que a “mansidão” (que para mim é, na verdade, uma apatia desejável para a manutenção das relações de poder dentro da Igreja) só servia para um lado da relação: os oprimidos -- para a mulher ou o pobre que não concordava com alguma coisa na Igreja. Ou seja, para atacar o “pecado” utilizavam o texto em que Jesus expulsava os vendedores do templo. Quando uma mulher se levantava para denunciar um machismo sofrido no lar ou um desrespeito de um irmão da igreja, utilizavam o texto que devíamos ser mansos como Cristo.
Comecei a me perguntar: quando eu teria o direito de expulsar os machistas da minha vida, como Cristo expulsou os mercadores da sinagoga? Passei a me perguntar: por que alguns podiam ser agressivos e outros (ou melhor, outras) não? Passei a me perguntar: por que minha igreja nunca tinha tido, e ainda não teve, uma presidente mulher? 
"Eva foi incriminada": capa da
revista Life em 1971
Por que a maioria dos conselhos das igrejas é formada por homens (poucos têm mulheres na sua formação)? Se, quando Jesus apareceu após a ressurreição, se apresentou para uma mulher (Maria Madalena). Se foi uma mulher (Débora) que dirigiu Israel quando Baraque teve medo da guerra. Se duas mulheres (Eunice e Loide) foram consideradas exemplo de fé, segundo Apóstolo Paulo… Sem contar outras histórias de mulheres que devem ter sido silenciadas nesses milhares de anos.
Jesus me fez feminista
Descobri que a minha fé não é machista, foi a religião que a fez assim. Acredito no casamento cristão, no sacrifício de Jesus e em todas as coisas que têm na Bíblia, mas fui liberta de regras que homens colocaram para nós, mulheres, por causa de relação de poder e não por causa de Deus! Ao me aproximar do feminismo, aprendi que a minha fé não deve me aprisionar e nem ao próximo, que não acredita nela. 
Aprendi que Jesus jamais julgaria alguém com credo ou condutas diferentes da Dele (acreditem, li a Bíblia toda e não há um momento sequer que Jesus julga a fé alheia ou o comportamento, todas as exortações de Cristo eram para as pessoas que compartilhavam a fé Dele). O feminismo me possibilitou entender melhor o mundo e a amar, independentemente de quem ou quando, exatamente como o amor de Cristo. 
Camiseta que existe de verdade:
Jesus ama uma feminista
Voltando à história de Lutero, ele descobriu que os líderes da Igreja manipulavam as pessoas com meias verdades e, até, com algumas mentiras. Eu descobri que o machismo incrustado dentro da igreja é o que aprisiona e causa sofrimento às mulheres. A partir de então, digo que a verdade é o caminho para a verdadeira libertação. E como nós nos libertamos? Quando desconfiamos de uma verdade que causa opressão e buscamos a verdade do amor e da igualdade!
E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará (João 8, 32).

82 comentários:

NATTRAMN disse...

vai olhar a biblia e ver as varias frases misoginas de jesus e de paulo. quando eu era ''mascu'' eu vivia citando elas no facebook, mas como contraditorio eu era nessa epoca, uma epoca de redenção, meditaçao, depressão.

Anônimo disse...

Olá, sou presbiteriana e feminista, por causa de vários estereótipos, algumas feministas ficam horrorizadas por eu seguir uma fé cristã e alguns cristão ficam horrorizados por eu ser feminista! (rs). Mas o fato é que eu super me identifiquei com o texto, e faz alguns anos que também me peguei refletindo sobre isso, também cheguei a mesma conclusão que a nossa amiga que escreveu o texto, o machismo é inspirado pelos homens que são líderes e esse machismo é fundado em pequenas passagens e argumentos avulsos, o legal é que quando você estuda a bíblia você nota que Jesus foi um cara feminista e chocou seus discípulos várias vezes com suas interações com mulheres.
Obrigada por esse post, foi muito legal, ainda quero fazer um parênteses de que a igreja Luterana está mais a frente que a Presbiteriana (a qual participo) que não aceita nem diaconisas na sua estrutura, mas como meu pai sempre me ensinou; se vemos um erro onde estamos, devemos lutar para consertar isso e não fugir de onde estamos.

Grande abraço

Anônimo disse...

Muito boa sua reflexão, Simony. Acho importante que o papel e a posição da mulher seja discutido em todas as instituições em que houver opressão.
Tenho uma amiga, super feminista, que assim como você também foi criada em uma família de orientação Luterana. Essa minha amiga tem graduação em teologia e o faz sempre com abordagem feminista, um barato! Aprendo muito com ela.
Dentre as católicas, há o grupo "Católicas pelo direito de decidir", que se posicionam favoráveis a que as mulheres tenham direito de decidir se querem ou não levar a gestação adiante. O legal das católicas pelo direito de decidir é que elas usam também passagens da bíblia e argumentos teológicos postulados por São Tomás de Aquino para fundamentar o posicionamento delas. Parabéns, Simony, por enriquecer sua fé, sua vivência e sua religião com a luta contra a opressão das mulheres.

NATTRAMN disse...

o deus dos judeus é deus de todos os povos do mundo? america do sul tem alguma coisa a ver com israel? nao da pra entender certas coisas.

Anônimo disse...

Católicas pelo direito de decidir não é um grupo católico!!!

Esse nome usado por elas é no mínimo desleal. Utilizado pra causar engano mesmo.

Há um regra na igreja católica: ou vc está em comunhão com o papa, ou vc não é católico.

Principalmente pelo grupo defender o aborto, elas não podem, em hipótese alguma, serem consideradas católicas. Inclusive as autoridades oficiais da igreja já se pronunciaram e definiram que elas não são um grupo católico.

Anônimo disse...

Não é o título que faz de vc católico, são suas práticas em comunhão com a doutrina.

O cpdd é tipo aquele partido das mulheres formado por homens machistas...

Se vc quer referência de mulheres da igreja, pode começar lendo os livros das doutoras da igreja: santa Terezinha do Menino Jesus e santa Tereza de Ávila.

E tantas outras mulheres, que foram celibatárias ou não, e que foram santas (santa Joana d'arc, santa Rita de Cássia, Santa Bakita - primeira santa africana, beata Irmã Dulce, Santa Catarina de Siena, Santa Clara...). A lista é extensa.

A instituição 'igreja católica' é mqchista? sim!! Mas há várias mulheres (e homens) lutando para mudar isso de dentro da igreja. Mas o cpdd não é um deles.

Anônimo disse...

Se isso é uma pergunta sincera, e vc se interessa pela resposta aí ponto de leva-la em consideração, lá vai:
O 'Deus de Israel' fica restrito ao antigo testamento. Israel era um dos únicos povos monoteistas, era como se o único deus que existe só houvesse se revelado para o povo de Israel naquela época.

Quando Jesus veio, ele pregou para vários povos, inclusive os estrangeiros. E qnd ressuscitou, pediu que os discípulos 'pregassem por toda a terra'.

Aquele que era apenas o Deus revelado a Israel, a partir de então, se revelou para toda a terra.

Umas das primeiras 'Tretas da igreja', foi justamente são Paulo debatendo com são Pedro se eles deveriam evangelizar para estrangeiros e se os nao judeus convertidos precisariam ser circuncidado para serem cristãos.

Deu pra entender mais ou menos?

Anônimo disse...

Geral fala que as pessoas religiosas são tudo machista e etc e tal, mas os relacionamentos de gente jovem mais igualitários que eu conheço são das pessoas bem reliosas ( da minha religião, pelo menos)

Os maridos são comprometidos com a esposa e com os filhos. Tratam com igualdade e respeito, não traem, não objetificam, não abandanam a mulher grávida e os filhos. Reconhecem na espossa a unidade (de pessoa e de dignidade) que formam com ela.

Os relacionamentos simplesmente não são descartáveis e esvaziados de sentido como se vê frequentemente por aí.

Juliana Santos disse...

Quero ver quando o debate chegar na linha do aborto e do direito ao corpo e a livre sexualidade onde estará o feminismo cristão : ao lado das feministas ou ao lado da igreja misógina.

Anônimo disse...

Em discussões sobre aborto é frequente a gente ouvir : vocês que são pró-vida porque não adotam crianças? Só querem que essas crianças nasçam e depois viram as costas pra mulher e pro neném.

Aproveito o tema do post pra lembrar que a maioria dos orfanatos são criados, bancados e dirigidos por instituições religiosas ou por pessoas particulares movidas pela caridade pregada na religião (é o caso de vários orfanatos bancados por pessoas espíritas). Diga-se de passagem, o mesmo vale para os asilos.

Não atoa antigamente as mulheres que não podiam assumir que estavam grávidas ou não podiam criar os filhos deixam os bebês nas 'rodas' dos conventos.

Vá em qualquer igreja perto da sua casa e pergunte sobre as pastorais existentes... Sempre há uma pastoral que auxilia a mulher na gestação, oferece cursos sobre maternidade e paternidade, orienta sobre pré-natal, faz doação de enxovais, fraldas, mamadeiras. Oferece vários cursos profissionalizante para as mulheres. Algumas possuem oficinas de artesanato para elas trabalharem.

Na minha igreja há uma creche gratuita, mantida pelas doações da comunidade. Esse mês foram recolhidas doações para as mulheres nos presídios. Produtos de higiene, absorvente, sabonete, pasta. Há doações de roupas, cestas básicas, enfim...


Jonas Klein disse...

Olá Simony


"sou cristã e vou contar um pouco da minha aproximação com o feminismo."

Ai Ai Ai, feminismo e religião crista, desculpe a franqueza, mas isso eu acho que não combina, tanto que acho que ate e mais tranquilo você ser de direita e feminista, do que cristã e feminista, eu não acredito na bíblia pois eu a conheço bem, e digo para você ser feminista você vai precisar ignorar muita coisa que esta escrita na Bíblia.

Agora deixa eu te fazer uma pergunto como voce faz par acreditar na Bíblia com tanta incoerência que tem escrita ali?

Você quer ver exemplos de controvérsias da Bíblia aqui tem varias

http://paradoxosbiblicos.blogspot.com.br/2011/02/capitulo-iii-controversias-biblicas.html

Se quer ver mais e só pesquisar no Google.

Anônimo disse...

Affe Lola, você tá sendo trollada de novo, igual aquele post do Hitler, lembra? Conservadores se mascarando de feminista pra tirar com a nossa cara.

Jonas Klein disse...

Anon 13:11

"mas os relacionamentos de gente jovem mais igualitários que eu conheço são das pessoas bem reliosas ( da minha religião, pelo menos)"

Igualitários ate que ponto?

Os relacionamentos de gente jovem mais igualitários que você conhece ate podem der de pessoas bem religiosas, agora os relacionamentos mais liberais eu duvido que seja, você por acaso conhece, algum na igreja que tenha relação aberta?

lola disse...

Anon, eu desconhecia todo esse universo, mas tá CHEIO de teoria feminista cristã. Tem muita gente que pensa como Simony, muita gente que é cristã e feminista. Só porque não conhecemos não quer dizer que não exista. Então, em vez de achar que é trollagem (que não é), tente abrir um pouco mais seus horizontes.
Mais uma demonstração que é possível ser feminista e .... {insira aqui o que quiser}.

Anônimo disse...

Juliana Santos - vou discorrer sobre meu feminismo cristão x aborto.

Do que eu já li e pesquisei sobre países com liberação do aborto, não quero isso para as mulheres no Brasil.

Se olhar para a questão como saúde pública, ao meu ver a melhor estratégia seria:

- Lutar para que haja políticas mais efetivas de prevenção de gravidez indesejadaL
- lutar por clínicas públicas de apoio a saúde e sexualidade da mulher. Fornecer informações, contraceptivos, pré-natais, apoio ao recém nascido e etc, sem liberar o aborto? Será que com isso não estaríamos sendo mais eficazes em ajudar
- criar instituições para entender as motivações de as mulheres procurarem um aborto e atuarem para solucionar essas causas.

Ex: Quero abortar porque meu marido me abandonou e não tenho condição de criar? Possíveis soluções:
- criar mecanismos públicos de suporte psicológico e material (comida, fralda, etc.) para mulher e os filhos.
- reformar os mecanismos de adoção.
- criar políticas e mecanismos de estímulo à paternidade responsável.
- fomentar a discussão social para redução do preconceito sofrido pelas mulheres solteiras que têm filhos ou que colocam a criança para adoção.

Eu acredito (e tenho algum embasamento para tal) que o trauma físico e psicológico de um aborto é frequentemente maior do que o trauma das consequências advindas de uma gravidez indesejada.

Também tenho dados que apontam que as clínicas de aborto em países onde é legalizado visam principalmente jovens e pobres (e negras, diga-se de passagem) e que esses países banalizaram a prática do aborto, querendo fazer crer que não há consequências físicas e psicológicas para aquelas que o praticam. O que, certamente é um equívoco.

Veja um exemplo do site Planned Parenthood, principal clinica de aborto dos Estados Unidos:
- Eles dizem que você tem 3 opções: abortar, colocar pra adoção ou assumir a maternidade. Mas não há qualquer encorajamento para as opções de adoção e maternidade e ainda quando você procura informações sobre o procedimento do aborto, eles dizem apenas o seguinte:
· Medical procedures that end pregnancy
· Safe and effective
· Available from many Planned Parenthood health centers
· Costs about $300–$950 in the first trimester

Quer dizer... parece muito com um comércio e parece muito uma propaganda enganosa.

Por fim, há um aspecto filosófico sobre uma sociedade que trata a vida humana com tamanha leviandade. que futuro estamos construindo? aonde iremos chegar? Podemos deformar nossa consciência coletiva até o ponto de não nos importarmos se mães estão eliminando seus bebês dentro do útero por qualquer que seja a razão, sem que essa deformação da consciência implique numa sociedade egoísta, egocêntrica, fria, doente ou até mesmo bárbara. Hoje avaliamos a vida de um feto em desenvolvimento como algo sem valor, quem garante que não vamos ampliar esse descaso para qualquer vida humana?

Jonas Klein disse...

Anon 13:51

Quase Tudo o que você disse ate tem sua validade, mas proibir o aborto simplesmente, como se faz no Brasil também não esta correto, alem disso todas as medidas que você cita, podem ser adotadas independente da posição da lei sobre o aborto.

Outra coisa e muto fácil dizer que aborto pode trazer problemas, mas sem falar nas causas que fazem o aborto gerar problemas, que não são o aborto em si.

Anônimo disse...

Apenas uma coisa:

"
- criar mecanismos públicos de suporte psicológico e material (comida, fralda, etc.) para mulher e os filhos."

Fralda, comida, quem tem que pagar não é o estado, a Dilma nem consegue pagar o rombo que o petê causou na petrobras com a corrupção. Quem tem que pagar é o pilantra que transou com a mulher e virou os olhinhos.

Tem que fazer ele puxar uma cadeia se não pagar pensão.

Anônimo disse...

Não acho que exista que exista contradição entre ser cristã e feminista. Não nego que a Igreja, de forma geral, é machista, mas a Igreja e a fé cristã não são a mesma coisa. Se bem que minha definição de 'cristão' não bate com a opinião da maioria. Não vejo 'ser cristão' como seguir toda a Bíblia, e sim como seguir os ensinamentos de Jesus Cristo.
Aliás, ótimo post, Simony. Eu fui ver seu blog também, e gostei bastante.
Laura

Anônimo disse...

Jonas, até o ponto de o homem e a mulher se respeitarem em todas as suas dimensões.

Sei que falo a partir da minha experiência pessoal e de classe média, portanto não se pode generalizar. Mas as famílias desses amigos são estruturadas das mias variadas formas.

Há famílias estruturadas em função da atividade remunerada da mulher. Ambos trabalham mas os maridos adequaram a carreira deles em função do emprego da mulheres. Ambos dividem as responsabilidades pelos filhos. Como o emprego delas são menos flexíveis, eles assumem boa parte das atividades de acompanhamento escolar e médico.

Há aquelas em que o marido tem o trabalho remunerado mas eles compartilham as finanças como um bem comum. A atividade remunerada do marido e a atividade não remunerada da esposa são igualmente valorizados no âmbito familiar. As escolhas profissionais do marido são sempre em função do maior bem estar da família, e não em função de uma progressão da carreira e reconhecimento social. Nesses casos, as demandas dos filhos recaem mais sobre as mulheres mas a responsabilidade é compartilhada igualmente.

Por fim, há as famílias (e eu me enquadro aqui), em que as carreiras são igualmente balanceadas. Num momento o homem 'segura as pontas' para a mulher investir na carreira, num próximo momento a mulher é quem dá o apoio para o homem. Eu tive prioridade em me estabelecer na carreira justamente porque o mercado de trabalho é mais agressivo e exigente para as mulheres, ainda mais para as que querem ter filhos.

Claro que fiz um balanço somente sobre carreiras x casa x filhos. Mas a equidade vale também nos diálogos, em ouvir e respeitar a opinião do outro, em querer crescer e aprender juntos, em darem o mesmo valor e importância para o relacionamento e tal.

De fato não conheço de perto a realidade de casais 'poligâmicos'. Se alguém tiver uma experiência bacana aí pra relatar!!

A impressão que eu tenho é que pouca gente tem maturidade ou mesmo o desejo de viver um relacionamento aberto. Acho que o mais comum é cair em um egocentrismo, um relacionamento de conveniências e uma objetificação (extraio do outro apenas o que me convém).

Anônimo disse...

(Viviane)
Eu não sigo nenhuma religião organizada, embora seja teísta, mas acho que é possível sim haver cristãs feministas, assim como muçulmanas e outras religiões em que as pessoas estejam atentas ao feminismo. Qualquer religião, assim como partidos políticos, sindicatos e outras instituições, é feita por PESSOAS. São essas pessoas que, através de suas ações, determinam o que aquela instituição vai ser. Assim, nenhuma instituição precisa parar no tempo, pois mudanças podem acontecer pela ação de seus próprios membros, vide a ação das feministas muçulmanas, por exemplo (para lembrar o tema do post de ontem).
Parabéns à Simony pelo post e à Lola pela divulgação.

Marcia disse...

Sim as católicas pelo direito de decidir são católicas, mesmo aos olhos do setores conservadores da igreja que querem excomunga - las. Mas para ser da igreja, basta professar a fé. E em mais 40 anos de militância, as católicas pelo direito de decidir ainda não foram expulsas. A visão delas de catolicismo pode ser diferente da sua, mas enquanto elas se dizem praticantes do catolicismo, não adianta quer que elas sumam.

Anônimo disse...

Anônimo das 14:04

Concordo com você. Não é bom que deleguemos todas as nossas responsabilidades como seres humanos ao estado. Uma das razões é que o estado sempre terá uma abrangência limitada, uma abordagem pautada em estatísticas, de forma que suas ações nunca conseguirão atender às pessoas nas suas particularidades (além de não conseguir pagar a conta hehe)

Claro que os homens precisam assumir suas parcelas de responsabilidade. Os mecanismos que eu mencionam podem ser realmente a prisão por falta de pagamento de pensão.

Mas acima de tudo, precisamos nos importar com as pessoas que estão próximas. Olhar para o outro, para o vizinho, para a comunidade pobre da sua região e agir. Doar o tempo, doar o dinheiro, doar atenção e aconselhamento. É cômodo delegar para o estado. Achar que é só responsabilidade do governo diminuir a desigualdade social, arrumar o sistema de saúde e etc.

Quer um exemplo legal? A Nádia Lapa (do blog 100 anos), enxergou um vizinho (porteiro?), conversou com ele, se importou, quis saber da sua vida. Com isso ela descobriu que ele tinha uma filha com deficiência e que se eles tivessem uma cadeira adequada para dar banho nela, seria de grande ajuda. Ela se importou. Promoveu uma vaquinha na internet e em pouquíssimo tempo arrecadou mais do que o necessário.

Outro exemplo: uma amiga conversou com a manicure, descobriu que o salãozinho dela estava com dificuldades financeiras. Essa amiga se importou, passou a dar aulas para a manicure sobre finanças, gerenciamento e etc. Ajudou ela a receber uma dívida que tinha com a operadora do cartão de crédito. Ajudou o filho dela a conseguir uma vaga de menor aprendiz. Conseguiu um computador para o salão e um dinheirinho para pintar as paredes... Em seis meses ela mudou a vida da família. Agregou valor pra sociedade. Diminuiu o custo pro governo. Ela se importou...

Anônimo disse...

Sobre elas o CPDD serem uma organização católica (SQN):

http://www.cnbb.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1446:nota-da-cnbb-sobre-as-catolicas-pelo-direito-de-decidir&catid=86&Itemid=105

Jonas Klein disse...

Anon 14:23

Quanto ao resto Ok, mas isso requer uma observação:

"De fato não conheço de perto a realidade de casais 'poligâmicos'."

Relações onde tem mais de duas pessoas, costumam a ser fechadas, pelo menos ate onde me lembro, ate agora todas relações abertas que eu vi, eram de duas pessoas apenas.

evelin fomin disse...

Gosto muito das cristãs protestantes que conseguem separar dogmas e estigmas das inúmeras doutrinas no vasto mundo das denominações evangélicas - eu mesma já fui essa protestante Batista progressista de esquerda, uma estranha no ninho, portanto, e que resolveu voar para o agnosticismo.

Mas este texto tem uma grande e enorme contradição: "Acredito no casamento cristão, no sacrifício de Jesus e EM TODAS as coisas que têm na Bíblia..." [grifo meu]. Uma das minhas principais falas, quando finalmente conseguir assumir meus pensamentos sem culpa ou medo, e antes de abandonar a religião, era de como MUITAS partes da Bíblia não faziam sentido pra mim.

Como aceitar a doutrina do principal apóstolo do Novo Testamento, Paulo, um dos principais intelectuais bíblicos cultuados por gerações e gerações de protestantes, o mesmo que dizia que "a mulher não deve falar na igreja"? Os ensinamentos dele ajudaram a formar uma das piores denominações castradoras dos dias atuais, a Assembléia de Deus, lar de figuras como Silas Malafaia, entre tantos outros.

O texto é autêntico, fala de uma experiência pessoal possível, fala da união das contradições entre uma fé e uma ideologia, mas seria mais engrandecedor não varrer para dentro do tapete a contradição bíblica. Seria ainda mais engrandecedor não generalizar uma Bíblia que, definitivamente, não é perfeita.

Eli disse...

A gente começa com o problema da bíblia com o fato de que foram escolhidos os versículos que iriam fazer parte dela, muito foi editado e retirado, provavelmente porque não ia de acordo com os ensinos que achavam-se corretos na época.

E então a gente entra na parte da tradução da bíblia. Eu sou da área da tradução e sei que tem muita maracutaia desde a primeira tradução da bíblia. Outra que todo tradutor interpreta o texto a ser traduzido levando em conta as suas vivências, se o cara for machista (e quem não é machista nesse patriarcado?), ele vai traduzir de uma forma machista, não tem como fugir disso. Não sei nem pq tem gente que leva esse livro a sério, pra mim é só mais uma narrativa cheia de historinhas com moral estilo Esopo.

Anônimo disse...

Cristã e feminista, e tão logico como ser judeu e nazista.
Uma religião que sempre perseguiu, castrou e torturou as mulheres.O cristianismo esta claramente ligado a manutenção patriarcal, mulheres leigas você ate compreende mas feministas?
Mas também existem ate as que nutrem paixão pelo opressor então nada mais me espanta.

Anônimo disse...

"A Igreja Católica se dava bem com isso: as pessoas compravam a saída do purgatório para parentes que já haviam morrido, um terreno no Céu, uma absolvição de um pecado, uma graça desejada. Essa prática configurava as famosas indulgências."

Não, isso é um equívoco. O perdão dos pecados é concedido no sacramento da confissão, e não nas indulgencias.

Para que as pessoas entendam o que é indulgência é necessário entender antes o que é pena temporal. Quando vamos nos confessar o sacerdote perdoa a pena eterna. Por causa dos nossos pecados, nós merecemos o inferno, então, o sacerdote perdoa os nossos pecados e com isso nós seremos salvos.

Mas, ao mesmo tempo, o pecado tornou o nosso coração pior, nosso coração não está pronto para entrar no céu. Se eu me confessar e morrer imediatamente após a confissão, eu estou salvo, mas não estou santo. Por que ainda não amo a Deus de todo o coração, de toda alma e todo o entendimento. Então, a pessoa que morre nesta situação vai para o purgatório e, ali, purifica-se.

A indulgência é a remissão deste tempo do purgatório. A absolvição sacramental livra a pessoa do inferno e a indulgência livra a pessoa do purgatório através de algumas práticas penitenciais como esmolas, orações, peregrinações e determinadas devoções .

Em 1392, o Papa Bonifácio IX escreveu ao Bispo de Ferrara proibindo a prática de certos membros de ordens religiosas que falsamente alegavam que indulgências concederiam o perdão de todos os tipos de pecados. Diversos outros papas, tais como Clemente IV, João XXII, Martinho V e Sisto IV lutaram e proibiram abusos indulgenciários praticados em sua época.

Apesar das restrições, o final da Idade Média viu o crescimento considerável de abusos, tais como a livre venda de indulgências por profissionais "perdoadores" que estavam abusando da prática da esmola. A pregação destes, em alguns casos era falsa, atribuindo às indulgências características muito além da doutrina oficial.

Em 1517 o Papa Leão X ofereceu indulgências para aqueles que dessem esmolas para reconstruir a Basílica de São Pedro em Roma. O agressivo marketing de Johann Tetzel em promover esta causa provocou Martinho Lutero a escrever suas 95 Teses (Tetzel seria inclusive punido por Leão X por seus sermões, que ia muito além ensinamentos reais sobre as indulgências).

titia disse...

Juliana Santos, eu entendo seu jeito de pensar porque já pensei assim. Mas nessa filosofia de ensinar a prevenir, distribuir contraceptivos, criar instituições, psicólogos pra demover a mulher de abortar não conta o mais importante: a maternidade.

Sério, Juliana. Maternidade é muito mais do que não abortar e ter leite e fralda. Maternidade é cuidar e formar um outro ser humano. É cuidar de alguém 24 horas por dia, alimentar, carregar, não dormir pra atender as necessidades dele. É ter que ensinar até as coisas mais triviais, é ter que dar um jeito de tornar aquela criança uma pessoa educada, com caráter, não violenta que contribui pra sociedade ao invés de prejudica-la. Maternidade é basicamente voltar toda a sua vida pra tornar um bebê numa pessoa honesta, sem descanso, sem pausa, sem direito a um momento pra só pensar em si e que só termina quando você morre. Você, de fora, olha pra um adulto e acha que é fácil criar um filho sem sequer pensar em ir até a mãe e perguntar o quanto ela sofreu e sofre tentando criar uma pessoa decente numa sociedade horrível. E isso se ela QUER criar.

Pró vidas sempre tem esse problema: eles nunca pensam na maternidade. Só pensam no parto, nas fraldas e no leite e acham que se uma mulher tiver isso ela será uma boa mãe. Nunca é simples assim. Nunca foi e nunca será. É coisa de gente que não pensa na criança, mas no feto e acha que nascer resolve tudo. Mentira. Se você é uma criança indesejada, nascer pode ser só o primeiro passo num caminho para um inferno. E vocês não pensam nisso - eu acho que não querem pensar, na verdade, assim acham que se impediram uma mulher de abortar já fizeram sua boa ação do dia e não é mais da sua conta, não precisam mais ter trabalho. As consequências de um aborto não são mais dolorosas que a de uma gravidez indesejada. Veja por si mesma, se duvida:

noticias.r7.com/brasil/um-em-cada-quatro-casos-de-violencia-sexual-no-país-atingem-crianças-de-até-um-ano

www.redebrasilatual.com.br/saude/2012/05/abuso-sexual-e-o-2o-maior-tipo-de-violência-infantil

www.abril.com.br/noticias/brasil/estudo-mostra-abuso-infantil-ocorrem-mais-dentro-de-casa

noticias.terra.com.br/brasil/rio-grande-do-sul-registra-5-casos-de-abuso-infantil-por-dia

Violência doméstica: 70% das crianças vítimas sofrem as agressões em casa noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2014/03/11/

ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2013-12-17/mais-de-50-dos-casos-de-maus-tratos-contra-crianças-sao-praticados-pelas-maes

www.tribunadabahia.com.br/2014/02/07/bahia-registra-mais-de-10-mil-casos-de-violencia-contra-crianças-em-11-meses

Anônimo disse...

OFF, vcs estão sabendo da nova no facebook? Povo pedindo chapa 2018 para "mudar" o Brasil: Bolsonaro presidente e Sara Winter de vice HAHAHAHA morri

Mousse de Chocolate com um pouco de Milk disse...

Não entendo por que para ser feminista tem que concordar com aborto... Não julgo quem faz, já até pensei em fazer quando suspeitei de estar grávida mas meu psicológico não suportaria a carga que eu teria depois. Aborto não é somente questão religiosa, é questão social e emocional principalmente... Leiam o site www.abortivo.org e veja que lá tem histórias de mulheres que optaram ou não por aborto, mulheres que acreditam em Deus independente de Religião, outras que não citaram fé religiosa, umas dizem que se arrependeram de ter feito pela questão emocional, outras não se arrependeram... Por essa razão é fantasioso culpar toda negatividade do aborto somente na religião, até por que pessoas que não tem fé definida tem sentimentos humanos como qualquer religioso e pode se abalar na prática de um aborto no desespero de não querer a gravidez.

Anônimo disse...

Mousse de Chocolate com um pouco de Milk

Sabe qual o motivo que leva muitas mulheres a se arrependerem de ter feito aborto?

E o fato de acharem que tiraram a vida de uma criança, só que feto pelo menos na faze inicial da gravidez não criança e só um amontoado de células.

Pg dois destas mulheres que se arrependeram do aborto quantas eram feministas?


Suellen

titia disse...

Mousse não é preciso concordar com aborto pra ser feminista. Você pode ser feminista e nunca fazer um aborto. O que você não pode, como feminista, é querer forçar outras mulheres a não abortarem porque você não acha certo. Você pode nunca fazer um aborto mas não lutar contra a legalização e tá tudo ok pra gente. E imagino que a questão com a religião seja porque no Brasil todos os argumentos que mantém o aborto ilegal, causando a morte de milhares de mulheres, sejam de fundo religioso e hipócrita. "É vida desde a concepção", "É pecado", "Quem fizer vai pro inferno", "Deus acha feio" não são nem de longe argumentos racionais ou científicos.

Anônimo disse...

Jesus me pareceu não ser machista mesmo, creio que só andava com homens pela época. Mas ele era o único que não tinha pecado e poderia ter jogado a pedra em maria madalena, mas foi o primeiro que falou para não atirarem.

Existem relatos que ele existiu mesmo, outros negam sua existencia, Mas se de fato ele existiu ele não era preconceituoso.

carol disse...

Acho que n tem problema nenhum ser cristã/católica e feminista. Sei lá, a maioria das pessoas que eu conheço q são cristãs n leem a Bíblia, n a seguem ao pé da letra, "apenas" vão a igreja (quase)toda a semana, acreditam em Jesus, rezam coisas bonitinhas e tal. E são totalmente contra esse fundamentalismo e extremismos (sexo so depois do casamento, proibição de metodos contraceptivos, etc). Então dá sim pra ser católica e feminista, a nao ser que vc consider católico só aquele que segue incondicionalmente o papa, o q eu acho uma bobagem. Sendo ateia, claro, posso estar errada, mas veja q grande parte da populaçao se considera religiosa nao praticante, ou seja, n são lá muito de defender dogmas da igreja

B. disse...

Meus dois centavos: acho que é possível ser católica e feminista, mas evangélica...complicado. Tirando uma ou duas pessoas que conheço, o restante dos evangélicos é extremamente radical e bolsonarete.

Anônimo disse...

Estou tão feliz com este post! Sou cristã e feminista e vejo como ambos se complementam perfeitamente. Há sempre uma surpresa na cara das pessoas quando digo que sou feminista, elas logo indagam "mas você não é cristã"? kkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

A religião não seria um problema se ficasse somente no âmbito pessoal, se as pessoas fossem mais críticas, questionassem mais e não tomassem aquilo que está nas escrituras como a verdade absoluta. A Simony é um exemplo de sensatez. Pena que existam tão poucas Simonys...

É triste ver que tanta gente acredita cegamente em livros religiosos. A Bíblia e tenho certeza que outros livros, foram traduzidos (muitas vezes com erros grotescos - intencionais ou não) reescritos, modificados inúmeras vezes... e não foi para o bem do "rebanho do senhor".
A fé é algo como a energia nuclear - pode-se usa-la para o bem, como p. ex. gerar eletricidade ou para o genocídio com consequências graves para quem sobrevive a ele.

É fato de que, de todas as invenções humanas ao longo da história desde que divergimos dos outros primatas, as religiões foram as que mais trouxeram miséria ao ser humano. Em nome de deus, genocídio, perseguição, tortura, degredo não é só permitido mas aceito, visto com bons olhos, justificável e perdoável. E aí daquelx que discordar...

Jane Doe

Anônimo disse...

Mito é a religião do outro... quem somos nós para se achar que sabemos quem é que nos criou.

Anônimo disse...

Sobre aborto e religião.

Mais uma vez - se ficar no âmbito pessoal, não haveria problema. Fora isso, uma coisa JAMAIS deveria ter a ver com a outra. Crença "x" ou "y" não pode ser base para se fazer leis ou determinar a vida de outrem.

E mesmo que em todos os lugares existem excelentes orfanatos, que a entrega para e a adoção fosse simplificada, se houvesse acesso irrestrito e universal a contracepção, que a educação sexual fosse de qualidade, para todos, sem dogmas ou tabus; que os todos os homens do planeta assumissem sua responsabilidade na contracepção e de pai, que o mito da maternidade sagrada/encantada/fonte única de alegria eterna sumisse; que todas as pessoas vivessem com dignidade e tivesse acesso a saúde, segurança, educação e lazer - AINDA ASSIM - o aborto deveria ser livre, descriminalizados e segura para TODAS as mulheres...

Motivo? Mulheres são seres humanos. Seres humanos são falhos e cometem erros. E ter um filho que não se quer, mesmo quando tudo é favorável é um fardo que ninguém deveria carregar.

Jane Doe

Camila disse...

Não tem como ser feminista e cristã, a religião trata mulher que nem lixo, dai o que vocês fazem é ignorar as piores partes, tirar só o que te convém, n dá para falar que é religiosa desse jeito.
Eu n tenho religião nenhuma mas n sou ateia, só que tem absurdo demais na bíblia, contradições, hipocrisias, e como falaram ai já passou por dezenas de traduções, vai saber o que tava escrito na bíblia original.
E esse argumento a favor do aborto é muito falho - já que há a possibilidade da criança sofrer é melhor matar -, então, é melhor todos se matarem de uma vez, quem é q n sofre nesse mundo?? Isso não de dá direito de acabar com a vida de ninguém.
Não sei o que pensar sobre aborto, por um lado é uma vida sim e n um parasita como muitas feministas pensam, mas por outro, criar um filho sem ter a mínima vontade deve ser horrível.
Tem muita mulher que adora se enganar, romantizando a gravidez, as que odeiam feministas adoram fazer isso, elas acham a maternidade maravilhosa e o resto das mulheres do mundo tem que achar também. Depois dizem que sofrem para cacete mas é muito bom kkkkk Devem ser masoquistas.
E n veem nada de errado de ficar tudo nas costas delas, enquanto os omis n fazem porra nenhuma.

Anônimo disse...

Camila de uma lida nestes artigos ai talvez você forme sua opinião sobre aborto.


http://lugardemulher.com.br/tag/aborto/

Anônimo disse...

Olá! Eu, particularmente e com todo o respeito, acho feminismo e cristianismo incompatíveis. Principalmente o cristianismo protestante, que exige um pouco mais de envolvimento com os dogmas que o catolicismo. Fui cristã desde que nasci e rompi com ele justamente pelas ideias feministas que cresciam dentro de mim naquela época. Trabalhava na igreja, tinha 5 cargos. Era tesoureira, recepcionista, conduzia a escola dominical, cantava no coral e na equipe de louvor. Vivia cansada e nunca era ouvida.
Assumindo como ponto central do cristianismo a bíblia, que foi escrita por homens e para homens já não dá pra ser livre. Muitas passagens são explícitas quanto ao papel da mulher, e isso não dá pra rejeitar ou dizer que há diversas interpretações ou que está no velho testamento e não vale mais, diferentemente da passagem que fala que homem não pode se deitar com homem. Muita coisa está no novo testamento, todo aquele papo de "a mulher sábia edifica sua casa", "o homem é o cabeça, a mulher a cauda"... A questão do controle da natalidade, que é tabu, mas que segundo a bíblia não se pode fazer. A sacralidade do casamento, que mantém muitas mulheres em relacionamentos abusivos. Essas coisas eu nunca pude engolir.

Tenho várias amigas que continuam cristãs e se dizem feministas, mas vamos concordar que há muita contradição nisso aí! Talvez de fato elas sejam feministas, mas não são capazes de abrir mão do cristianismo e assumir que ele falhou com as mulheres...

Daniel_hct disse...

Anon 14:41, de acordo com o que voce propoe, toda a politica social pode ser substituida por esmola. Pra que bolsa familia, previdencia social, SUS, etc., monta uma instituiçao de caridade e sai pedindo doaçao pras pessoas. Isso é ridiculo. O estado tem a funçao de cobrar impostos sim, pra redistribuir a renda, provendo beneficios sociais para os cidadaos. É pra isso que ele serve. Num mundo ideal, caridade nao seria necessaria, pois beneficios sociais seriam DIREITOS do cidadaos, garantidos pelo estado.

Anônimo disse...

ser feminista e crista é fazer aliança com Deus e o diabo ao mesmo tempo. Seria mais coerente ser atéia.

Alex

Anônimo disse...

"Aprendi que Jesus jamais julgaria alguém com credo ou condutas diferentes da Dele (acreditem, li a Bíblia toda e não há um momento sequer que Jesus julga a fé alheia ou o comportamento, todas as exortações de Cristo eram para as pessoas que compartilhavam a fé Dele)."

É mesmo? No tempo de cristo a religião dos judeus estava dividida em vários grupos sectários, cada um com a sua doutrina, cada um com as suas verdades, cada um com as suas prescrições morais. Os principais eram os fariseus e os saduceus, Cristo condenou os dois publicamente várias vezes.

"Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que percorreis o mar e a terra para fazer um prosélito; e, depois de o terdes feito, o fazeis filho do inferno duas vezes mais do que vós." Mateus 23:15

"Serpentes, raça de víboras! como escapareis da condenação do inferno?"
Mateus 23:33

"Vós sois filhos do Diabo, e tendes vontade de cumprir os desejos de vosso pai. Ele era homicida desde o princípio e não permaneceu na verdade, porque não há nele verdade. Quando ele diz uma mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e o pai da mentira.
Mas porque eu digo a verdade, vós não me credes.
Qual de vós me convence de pecado? Se digo a verdade, porque não me credes?
Quem é de Deus, ouve as palavras de Deus; por isso vós não me ouvis, porque não sois de Deus."
João 8:44-47

"Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado."
Marcos 16:16

"Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha."
Mateus 12:30

"Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim."
João 14:6

"E, se ninguém vos receber, nem escutar as vossas palavras, saindo daquela casa ou cidade, sacudi o pó dos vossos pés.
Em verdade vos digo que, no dia do juízo, haverá menos rigor para Sodoma e Gomorra do que para aquela cidade."
Mateus 10:14,15

"Os ninivitas ressurgirão no juízo com esta geração, e a condenarão, porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis que está aqui quem é maior do que Jonas.
A rainha do sul se levantará no dia do juízo com esta geração, e a condenará; porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E eis que está aqui quem é maior do que Salomão."
Mateus 12:41,42

É verdade que Jesus disse: "Não julgueis, para que não sejais julgados."
Mateus 7:1, mas também disse: " Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça."João 7:24. O que dá a entender que existe um julgamento justo.

Há muitos outros textos da bíblia como esses, mas eu teria que escrever um comentário muito grande.

Esse Jesus que não julga, não condena, não manda para o inferno, não exige obediência absoluta, que não obriga a acreditar em um conjunto de verdades, que não excomunga, definitivamente não existe.

Daniel_hct disse...

Anon 14:04, é obvio que o pai tem sim que contribuir (nao só) financeiramente com a criaçao da criança, e os que nao cumprem suas responsabiidades tem que ser responsabilizados judicialmente. Mas e se ele nao tem condiçoes? Assim como a mae pode ser pobre, o pai tbm pode ser. E se os dois forem desempregados? Ah, o homem que se vire e arranje um emprego e de um jeito de sustentar a criança. E pq nao a mae? Ta me parecendo discurso conservador de que o homem tem que ser o provedor e a mulher a cuidadora.

O certo é que os dois arquem com a criaçao da criança, mas como vivemos numa sociedade capitalista em que há ainda muitas pessoas vivendo em condiçao de pobreza, se os pais (ou seja la quem crie a criança) nao puderem arcar com os custos da criaçao do filho, o estado deveria ter obrigação de dar toda a assistencia necessaria.

Anônimo disse...

"E o fato de acharem que tiraram a vida de uma criança, só que feto pelo menos na faze inicial da gravidez não criança e só um amontoado de células."


Amontoado de células humanas em desenvolvimento, ou seja e uma vida sim, com DNA próprio e único.
Mas obvio que as os "pastoras" da seita feminista,marxista os ditos ” sociólogos”, “cientistas” políticos e que tais oriundos das verdadeiras igrejas da religião marxista- as faculdades de ciências humanas, vão desumanizar o feto, afinal na mente deles biologia humana não e nada diante da "socialização"
E tipo assim ate 12° semana, não há vida, na 12° semana e um dia "abrakadabra, vida"
Esta balela de "até a 12°" e a retorica do momento para justificar, o que acham e sempre acharam e que vida e o socialmente construído portanto não condenariam aborto nem com 8 meses e 29 dias, afinal não nasceu não e um ser social não e vida na mente delas.

Anônimo disse...

"Se, quando Jesus apareceu após a ressurreição, se apresentou para uma mulher (Maria Madalena)."

Jesus apareceu primeiro a Maria Madalena porque queria que a notícia da Ressurreição se espalhasse rapidamente por todo Israel.

Entendedores entenderão.

Anônimo disse...

Olá. Acredito que muitas pessoas aqui estejam confundindo fé com religião. E assim como as pessoas da igreja da autora estejam confundindo principalmente que muitas passagens foram tiradas de seu contexto. Acredito que hoje muitas pessoas que criticam são pessoas que não leram a Bíblia e se firmam naquilo que ouvem de outros. Eu sou cristã e feminista. Cristo nunca fez distinção de pessoas. Todos foram tratados de forma igualitária. A igreja católica e posteriormente a luterana se formaram muito depois de Cristo. Alguém comentou sobre a questão de liberdade com o corpo. Jesus nunca falou sobre virgindade, essa questão veio depois com Paulo e principalmente com Santo Agostinho. Não vejo nada de errado quanto a sexo antes do casamento o que considero é que muitas relações são puramente físicas, considerando apenas a satisfação egoísta dos próprios sentidos tratando outras pessoas como objetos. Acho que nossa relação com o nosso corpo e com os dos outros deveria ser mais responsável. Mas essa é minha visão. Não condeno ou julgo os outros bem como não julgo mulheres que fizeram o aborto.

Anônimo disse...

18:43
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk boa, kkkkkkkkkkkkk bem bolado kkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Acho interessante que o anônimo das 18:29 coloque vários trechos da Bíblia fora de contexto assim como as pessoas da igreja da autora fazem.

Anônimo disse...

Anonimo 18:35


"ou seja e uma vida sim, com DNA próprio e único."

A é, se fossemos nos basear no seu ponto de vista, não dava nem para por veneno para os ratos ou induzir gatos a caçar, as pobres vidinhas deles. Pq estes também tem DNA.

Suellen

Anônimo disse...

Sobre Jesus não condenar ninguém:

"Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos"
Mateus 25:41

"E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna."Mateus 25:46

"Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será na consumação deste mundo.
Mandará o Filho do homem os seus anjos, e eles colherão do seu reino tudo o que causa escândalo, e os que cometem iniqüidade.
E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali haverá pranto e ranger de dentes."
Mateus 13:40-42

Cristo falou mais de 70 vezes sobre aqueles que ele mandará para o inferno.

Anônimo disse...

"Acho interessante que o anônimo das 18:29 coloque vários trechos da Bíblia fora de contexto assim como as pessoas da igreja da autora fazem."

Não anônimo das 18:51, o contexto aqui nada muda o sentido dos textos que eu citei. Se quiser pode conferir você mesmo na bíblia. Caso você não tenha bíblia, existe a bíblia online na internet.

Anônimo disse...

Anônimo das 18:51, que tipo de contexto poderia contradizer o sentido desses textos que falam de modo tão claro e objetivo.

Anônimo disse...

Anônima das 19:31

" Se quiser pode conferir você mesmo na bíblia. Caso você não tenha bíblia, existe a bíblia online na internet."

Só para acrescentar ao teu comentário qual Bíblia, pois existem versões diferentes da Bíblia.

Bíblia, dos evangélicos.
Bíblia, dos católicos.
Bíblia, das testemunhas de jeová.
Bíblia, de quem mais for.

Anônimo disse...

A bíblia católica e as bíblias evangélicas têm algumas diferenças, mas os textos que eu citei são iguais nas duas bíblias, e os outros textos não mudam o contexto dos textos que eu citei. Como eu disse, esses textos falam de forma clara e objetiva.

Não sei como é a bíblia das testemunhas de Jeová.

Anônimo disse...

A Suellen comparou uma vida humana a de um rato e chamou isto de argumento, :P

titia disse...

20:33 dizer que as feministas malvadas estão desumanizando um punhado de células que não pensa, não sente, não tem qualquer consciência da própria existência também não é um argumento. É besteira de pró-punição-pras-vadias-que-fazem-sexo pra, adivinha!, punir as mulheres por fazer sexo usando a maternidade. E vocês, pró-castigo-pra-essas-piranhas-que-abriram-as-pernas, que desumanizam as crianças nascidas, reduzindo-as a castigo pra vagabunda, defendendo redução da maioridade penal indiscriminada, que 'trombadinha' tem mais é que levar tiro, que criança tem mais é que apanhar, que criança que sofreu abuso sexual "provocou porque essas vadiazinhas tão querendo dar cada vez mais cedo"?

Anônimo disse...

19:56 e Bíblia dos satanistas também

Anônimo disse...

Titia

Mais uma pra acrescentar.

Estes malas, se preocupam com fetos, mas se preocupam nem um pouco, com fato de crianças serem cridas por mães que não as querem, o que sempre prejudicial ao se desenvolvimento destas crianças.

Suellen

Anônimo disse...

Suellen legal você citar veneno de rato para fazer analogia para o aborto, ate porque o procedimento e meio parecido em termos, o feto abortado e submetido a queima química em primeiro estagio e já no caso mais avançado co oque querem os que defendem o aborto na questão de microcefalia, que só pode ser diagnosticada apos o 4° mês com o beb...ops amontoado de células já formado ocorre com uma injeção de citrato de potássio no coração e posterior desmembramento.
Acho legal explicar como ocorre o procedimento para as meninas, sinto falta disto no feminismo na questão do aborto, fica só na coisa romântica da ideologia tem que mostrar a "beleza' do ato mecânico mesmo.

Anônimo disse...

Suellen eu juro que não sei quem essas bestas acham que estão enganando, porque as comentaristas aqui do blog esses caras não enganam há muito tempo.


Anta patológica das 21:56:

O aborto é feito antes que ocorra o desenvolvimento do sistema nervoso - sabe, aquela coisa que te faz sentir, pensar, ter consciência, enfim, o que te torna humano - ou seja, o EMBRIÃO (use o nome certo) que não tem sistema nervoso, não pensa, não sente nem tem consciência não é desmembrado coisa nenhuma; injeta-se o cloreto de potássio, o EMBRIÃO morre e é simplesmente expelido do útero pelo próprio organismo da mulher. Essa de aborto aos 4 meses, desmembramento, etc. é tudo lorota de pró-punição-pra-vagabunda-que-se-atreveu-a-gozar. Aborto só é liberado até a 12° semana de gestação quando NÃO EXISTE sistema nervoso.

E, e na maioria dos abortos, não é preciso nem injetar cloreto; basta tomar uma medicação que induza contrações uterinas e o embrião é expulso do corpo e pronto.

Como o aborto legal só é permitido até a 12° semana, no caso da microcefalia o aborto seria preventivo pra mulheres que tiveram sintomas de zika e ainda estiverem nos primeiros estágios. E é claro que sua preocupação com os pobres bebês com microcefalia não é nem um pouco hipócrita, você vai sair pelas ruas ajudando as mães com filhos portadores dessa condição, vai exigir do governo melhores creches e hospitais, vai doar seu dinheiro pra mães carentes, vai ser babá dessas crianças, nunca as tratará com preconceito...

De qualquer forma o que você quer é punir mulheres por fazer sexo, você não liga pras crianças. Se fosse pra não pagar pensão você mandaria sua peguete abortar até com seis meses e meio. Então, sua opinião, sabe quanto vale? Zero, zero, zero... vai fazer uma suruba com seus amiguinhos mascus e para de encher o saco, seu mentiroso hipócrita do caralho.

titia disse...

O comentário das 22:18 é meu.

Rafael disse...

Anon 18:29, existe uma diferença muito importante entre os ensinamentos de Cristo e por conseguinte, suas falas reproduzidas nos evangelhos e o resto da bíblia, o Alcorão e a Torá (que é parte da bíblia):

Jesus diz que determinadas pessoas serão condenadas no momento do juízo final, serão condenadas após sua morte e principalmente: De acordo com a crença cristã. Podemos então depreender que aos que nele não crêem, nenhum mal lhes será causado pelos que nele crêem. Cristo JAMAIS orientou ninguém a perpetrar ato violento contra o outro, mesmo que seja em seguimento à orientação da lei Mosaica, como na caso do apedrejamento da mulher adúltera.

Em todos os evangelhos você jamais encontrará Cristo exortando a violência imediata contra outra pessoa. Mesmo quando estava para ser capturado, fez baixarem as espadas quando um centurião que o prenderia teve a orelha ferida.

Por isso podemos sem maiores problemas, considerar cristãos como "moderados" no espectro religioso, pois em seu ensinamento não há fulcro para atos violentos entre seres humanos.

Entendido até aqui?


Por outro lado, no Velho Testamento, na Torá e no Alcorão existem DIVERSAS passagens pregando a violência IMEDIATA, PERPETRADA DIRETAMENTE PELO FIEL. Passagens ORIENTANDO a violência contra outros povos, credos, mulheres e crianças. Passagens RETRATANDO violência contra mulheres e crianças.

Por analogia, podemos ver que os que não crêem na Torá, VT ou Alcorão, correm risco direto e imediato de sofrerem agressões por parte dos fiéis, pois consta em seus livros sagrados ORIENTAÇÃO DIRETA à violência.

Essa diferença me parece fundamental.

Anônimo disse...

Gente quem e mais chato os crentes ou os ateus

Anônimo disse...

"o EMBRIÃO morre e é simplesmente expelido do útero pelo próprio organismo da mulher"

Morre? Como assim morre? Você disse que não e vida.
Sistema nervoso? Há o que esta em desenvolvimento?!DE UM SER HUMANO!

Quanto a consciência, por favor fique longe de pessoas em coma moça.

"Expelido pelo útero" a maioria das mulheres que chamam de filho, as feministas chama de parasita.

Juliana Santos disse...

Quero ver quando o debate chegar na linha do aborto e do direito ao corpo e a livre sexualidade onde estará o feminismo cristão : ao lado das feministas ou ao lado da igreja misógina.

Anônimo disse...

Anônimo das 22:53

A das 22:18, acho que já tinha bebido umas e não estava conseguindo estabelecer um texto com sequencia logica ou ela estava com muita pressa, e ai nem penso direito no que dizia ai sai assim texto, tanto que ela também disse que aborto permitido ate a 12° mas não no Brasil.

Ela tento escrever um comentário brilhante, mas não foi feliz.

Anônimo disse...

Ah, gt, tou com preguiça de ensinar bê-á-bá do aborto pra quem se apega ferrenhamente ao senso comum. Enfim, eu com meus botões acho q religião, quando não é demagogia política pura, é escapismo pra quem tem medo da morte ou ética pra quem só respeita uma noção de "poder superior" ou "propósito na Terra", e pra mim qt menos apego a dogmas e pregações,melhor. Mas como o donadio falou, "guerra santa" só acaba por reforçar o poder da religião; então qt mais cristãs, muçulmanas, xintoístas, budistas, se declararem feministas, quanto mais pessoas disserem que são religiosas mas defendem a laicidade do Estado, melhor.

Jovem feminista disse...

Criatura das 22:53

Ela só não explico os detalhes, mas o fato que se um aborto for feito quando a gravidez já tem mais de 12° semanas, ai sim o embrião morre, pois nesta faze já esta com cérebro em atividade, mas se aborto for feito na 7° semana ai não morre pois nem vivo estava ainda. O problema e que você não soube interpretar a coisa direito.

titia disse...

22:53 um embrião morre do mesmo jeito que um óvulo morre se não for fecundado ou um espermatozoide morre se não fecundar o óvulo. Do mesmo jeito que as células da sua pele morrem - deixam de ser ativos no organismo. "Morrer" é simplesmente um modo de falar. É verdade que me atrapalhei no outro comentário, então deixa eu reescrever meu texto.

No Brasil o aborto não é legalizado. Em países onde é, só se faz aborto até a 12° semana de gestação, antes do desenvolvimento do sistema nervoso - que é o que te faz pensar, sentir, ter consciência, o que te torna humano - a menos que aja risco de vida pra mulher. Nesses casos, o embrião é apenas um amontoado de células e não é preciso nem injetar cloreto de potássio. Uma medicação que cause contrações uterinas já é o suficiente pra que o embrião seja expelido do organismo e pronto. Acabou. Se o aborto fosse legalizado no Brasil, só seria permitido até a 12° semana de gestação, que é quando se desenvolve o sistema nervoso.

Mesmo os abortos ilegais aqui são feitos dentro desse período de ausência de sistema nervoso, até porque abortar depois desse período é muito perigoso pra mulher. Então, esse negócio de feto de 4 meses sendo queimado e desmembrado é mentira. Sei que seu mundo vai cair, mas é mentira viu? Isso praticamente não existe. Nenhuma mulher que quer abortar espera até ter 4 meses só pelo prazer de desmembrar um feto arriscando a própria vida. Mulher que quer abortar aborta nas primeiras semanas, até pelo risco de vida ser mínimo se o aborto for bem feito.

No caso da microcefalia.Se o aborto fosse legalizado aqui, com a regra das 12 semanas, ele seria preventivo pras mulheres que tivessem sintomas de zika; elas abortariam ainda nas primeiras semanas depois que a doença passasse.

Por fim, o mais importante de tudo: a quem você acha que está enganando? Todo mundo nesse blog sabe que a última coisa com que os "pró-vida" se preocupam é a criança. Vocês não veem crianças como seres humanos, mas sim como punição pra "vagabunda" que se atreveu a transar. Você, como todos os pró-castigo-pra-piranha não se importam se a criança nascerá pra ser maltratada, negligenciada, vítima de abusos, violência física psicológica e sexual. Não ligam se a criança for largada na rua e passar fome, se ela for obrigada a se prostituir. Não ligam se a criança vai ser trocada por uma pedra de crack. Se ela nascer pra punir a vadia que se atreveu a fazer sexo vocês já estão satisfeitos. A criança pode se foder que vocês não ligam.

E também é muito hipócrita da sua parte dizer que se importa com as pobres crianças que não tiveram a oportunidade de nascer, porque todos sabem que se uma peguete sua engravidasse e você não quisesse pagar pensão, você a mandaria abortar mesmo se ela estivesse grávida de seis meses e meio - e se não conseguisse faze-la abortar, iria simplesmente abandonar ela e a criança sozinhas sem pagar um centavo ou falsificando documentação pra pagar o mínimo. Também sei que você não ajuda em porra nenhuma as mães de crianças portadoras de microcefalia, não se voluntaria como babá, não dá dinheiro, não leva voluntariamente pro hospital, não doa nem fraldas, tá cagando pra essas crianças já nascidas e pras mães delas; que tipo de idiota acreditaria que você se importa com as crianças? Eu sei que você não liga, os comentaristas também sabem, então eu volto à pergunta anterior: quem você acha que está enganando?

Clara Azevedo disse...

Eu sou católica e feminista. Eu não faria aborto, mas não posso julgar ninguém que queira fazer.

Pra mim se resume a pessoas querendo "doar" o útero das outras. As pessoas não doam nem sangue, mas o útero das mulheres, eles estão prontos para "emprestar" por nove meses! Todo mundo abre o bocão pra falar que a vida do feto é outra e que por isso, meu corpo, minhas regras não se aplica. Mas pra mim, justamente porque o feto é "outro" que mais se aplica Meu corpo, Minhas regras. O útero é meu e eu empresto pra quem eu quiser, oras! Meu útero você já quer "doar", mas seu rim não né!? Um pedacinho do seu fígado? Sua medula óssea? Não doou ainda? Poderia salvar muitas vidas! De gente boa de verdade, que pode achar a cura pro câncer! Mas não, como eu disse, a maioria nem doa sangue. Os bancos de sangue ai tendo que fazer campanha pra conseguir uns ml's que nem vão te fazer falta! Doar sangue não demora nem duas horas! Mas meu útero, esse você tá pronto pra emprestar pros outros por 9 fucking meses!

É egoísta? Foda-se! Mais egoísta é você, que ganha R$5000 e não quer que a galera que ganha salário mínimo tenha um complemento de renda com um bolsa família. Mais egoísta quem joga comida fora e fica puto porque a empregada comeu seu danone! Mais egoísta você, que não doa seu sangue, medula, rim, fígado e tá pronto pra entregar nossos úteros de bandeja. Você que está lendo, se bobear, nem se inscreveu pra ser doador de órgãos depois de morto! Mas, o nosso útero, ele tá pronto pro outro chegar e se instalar 9 meses sem o meu consentimento!

Sabe quando a gente vai ver quem é a favor da vida mesmo? Quando desenvolverem a tecnologia de extrair o embrião do meu útero e implantar no seu! Melhor ainda, implantar nesse bando de homem, que nem tem útero, mas é cheio de opinião sobre o útero alheio.

Anônimo disse...

Rafael, sou o anônimo das 18:29.

Na verdade, eu não quis comparar cristo com religiosos que pregam a guerra e o terrorismo para impor a sua religião, mas apenas demonstrar que esse cristo que não condena o credo alheio não existe.

Anônimo disse...

Pouca coisa é mais antifeminista do que QUALQUER religião. A única que tem uma certa igualdade, ainda que com ressalvas, mas sem a sistemática demonização do feminino é a sikh.

Anônimo disse...

"Eu sou católica e feminista. Eu não faria aborto, mas não posso julgar ninguém que queira fazer."

De acordo com o cânone católico você não é católica mais, por apostasia. Direito canônico básico.

Anônimo disse...

E não vamos nos esquecer que a Igreja Católica é também uma grande apoiadora de pedófilos. Se faltavam motivos, ei-los.

NATTRAMN disse...

''eu não quis comparar cristo com religiosos que pregam a guerra e o terrorismo para impor a sua religião, mas apenas demonstrar que esse cristo que não condena o credo alheio não existe. ''

cristo nem sequer existiu, uma invenção feita por dementes obssecados por poder. tanto qeu charle magne teve que impor o cristianismno a força na europa, matando todos que entrassem no seu caminho.

devemos acreditar em nos mesmos e nao nessas mentiras que vem do coletivo, sociedade, cultura. pessoas sao fracas e nao consrguem acreditar em si mesmas. pra mim o caminho mais facil é acreditra em mim mesmo, e é o caminho certo.

Ana Alice Souza disse...

Amei seu texto. Meu amado Senhor Jesus não era machista e cada vez mais sei disso. Sempre que leio a Bíblia, examino e vejo isso. E cada vez mais O amo. Mas infelizmente existem muitas igrejas machistas. Pela interpretação que fazem da Bíblia e pela falta de estudo Bíblico.

Mytila Cerveira disse...

Querida, antes de escrever sobre tal assunto tão polêmico estude mais, estude hermenêutica ai você vai ver que você está absolutamente enganada. Você não pode defender algo desse tipo sem embasamento Bíblico cuidado! Impossível ser feminista e cristã. LUTERO está se contorcendo no túmulo!

Kássia disse...

Concordo plenamente, Mytila. Dá uma olhada nesse texto depois, tem todas as barbáries biblicas e históricas que ela cometeu nesse texto tão ilógico.

http://crisfrenesi.blogspot.com.br/2016/02/nao-existe-feminista-crista-gracas-deus_75.html