sábado, 11 de abril de 2015

DE MISÓGINA À MULHER ESCLARECIDA

Recebi este relato da J. faz um bom tempo:

Primeiramente queria te contar que minha filha felina também se chama Lola (espero que você não tome isso como uma ofensa mas, como sei que você ama bichinhos, vai ficar feliz). Ela ganhou esse nome como homenagem ao meu nome artístico (sou modelo pinup) e pela música "Copacabana". 
Enfim, queria te escrever como um agradecimento. Há muito tempo eu havia me transformado em machista, misógina, submissa. ]
E, graças ao seus textos inteligentes, eu saí desse poço no qual fui jogada pela sociedade que impôs que eu era um mero objeto de adorno para meu “macho”.
Não, não me considero feminista. Apenas uma mulher esclarecida. 
Veja bem, eu fui feminista (como você, que luta pela igualdade) desde a tenra adolescência. Muitos me chamavam de lésbica ou diziam que eu assumi esse posto de ser feminista porque eu era gorda e nunca ia arrumar macho. Com o passar dos anos e uma depressão que quase me levou ao suicídio, eu fui largando essa vida e queria ser como as outras.
Eu fiquei loira e virei maquiadora. Posava de princesa, como sempre me ensinaram a ser. Fui submissa, apanhei de namorado e não denunciei. Fui ameaçada por outro de tomar uma surra caso eu quisesse comprar um shorts curto. Virei Amélia.
Eu odiava as feministas com toda minha força. Com a chegada do Femen, eu odiei mais ainda pois as considerava (e ainda considero, desculpe) um bando de meninas que não sabiam sobre o que lutavam e apenas queriam atenção nas redes sociais, como é muito comum hoje, em qualquer gênero. Muitas delas declaravam morte aos machos e bla bla bla e isso me cansava.
Nunca preguei o ódio a elas, nem fiz ofensas. Quem foi bullied a vida toda se recusa a isso. 
Mas confesso que passei a odiar as mulheres por que elas eram invejosas (eu era um mini mascu de saia, rs) e seguia no Facebook paginas misóginas que separam mulheres para transar e mulheres para casar.
Depois de ter sido vítima de assédio sexual no metrô, comecei a pesquisar e estudar sobre violência contra a mulher e assim, conheci seu bloguinho (ironicamente, seu blog me foi indicado por um amigo machista que a considera uma das poucas feministas de respeito e também uma mulher muito inteligente) e puxa, como sou feliz por isso! Você abriu meus olhinhos e viu que mulheres têm mesmo de se unir. Já sofremos demais com essa sociedade sexista que nos transforma em meros nacos de carne, cuja única função é ser bonita.
Ontem passei por uma situação que me fez te escrever. Recentemente, adicionei no Facebook um rapaz que era amigo de duas amigas. No início, ele sempre fora gentil, educado, mas eu sabia das suas intenções porque ele sempre ficava com elogios como linda, perfeita etc. Ontem, pra comemorar o dia das bruxas, coloquei uma foto com um chifrinho de diabo. Sim, a foto era bonita. Não havia decote ou nudez, nem mesmo insinuação sexual (e mesmo que houvesse, ainda merecia respeito). 
Vários amigos e amigas fizeram elogios, todos muito respeitosos. Piadinhas como “por essa diabinha eu iria no inferno sem problemas" eu não tomei como desrespeito. Não essa. Eu até dei risada. Mas, esse jovem em particular, me chamou de gostosa. Não sei você, mas eu tomo gostosa como ofensa. Poxa, gostosa é comida! E o que eu sou, um prato pra você saborear apenas?
Respondi que não sabia responder ao que ele escreveu, pois não tomava essa palavra como elogio. Imediatamente ele me chamou de feia e arrogante, e ainda me disse que eu ia morrer sozinha.
Aquilo me indignou pois eu não sou obrigada a ser seu objeto de desejo. O único homem que eu toleraria se me chamasse assim seria meu companheiro, e não um estranho qualquer. 
Hoje eu não vejo isso mais como “elogio” e sim uma violência contra minha integridade moral. E isso eu agradeço a você, por me abrir os olhos.
Não, eu não sou feminista mas defendo o direito coletivo das mulheres terem respeito e igualdade. Sim, eu amo maquiagem e me arrumar, mas faço isso pra mim. Somente pra mim, pois isso levanta minha autoestima. Se eu faço dieta é por minha saúde, se pratico um esporte é somente porque eu gosto. E não para agradar ninguém.
Muito obrigada a você.

Meu comentário: Agradeço os elogios, J., e peço desculpas por não ter te respondido (não é pessoal, é a total falta de tempo mesmo). Você me enviou seu email em outubro do ano passado. Imagino que a esta altura você já se assumiu feminista. Espero que sim! Mas é um processo, e não é fácil ir de frequentadora de páginas misóginas à feminista em pouco tempo. 
Você pode ser pin-up, pode gostar de maquiagem, pode fazer dieta, e defender o direito coletivo das mulheres terem respeito e igualdade. 
Tudo ao mesmo tempo agora! E, se você defende a igualdade, diga-se feminista sem medo de ser feliz! Não deixe que pessoas ridículas que odeiam o feminismo em particular e as mulheres em geral definam um movimento que luta por um mundo mais justo.

57 comentários:

Anônimo disse...

"mas defendo o direito coletivo das mulheres terem respeito e igualdade"

Se você defende isso então é feminista.

Anônimo disse...

E bem, não é querendo julgar negativamente mas a moça do guest post claramente não sabe (ou não sabia) o que significa feminismo. A começar que o Femen não é feminista, eles mesmo negaram isso no site e em entrevistas, e a Lola tem vários posts aqui no blog criticando o Femen.

Anônimo disse...

Essa estoria de igualdade é falsa, pois quando a mulher se depara com um homem igual a ela, ela o ve como inferior!

lola aronovich disse...

Ha ha, foi isso que aconteceu contigo, mascutroll anônimo das 16:59, pra vc ficar revoltadinho? Deixa eu te contar um segredo: as mulheres que se "depararam" com vc não te viram como igual a elas. Te viram diretamente como inferior. Por vc ser misógino, entendeu? Desculpa estragar seu mundo. Tente de novo "se deparar" com mulheres mais tarde.

Anônimo disse...

Também já fui de espalhar pérolas machistas, atitude de que hoje em envergonho muito. Também devo à Lola o corte dessas ideias estúpidas, obrigada. Lola! E que venham muitas outras.

lola aronovich disse...

Pessoas queridas, aproveitando a calmaria de hoje, alguém sabe como recuperar um documento do Open Office que sumiu do meu computador? O computador apagou de repente, e quando liguei de novo, não apareceu a opção de "recuperar documentos". E, pior ainda, não aparecia nada no "documentos recentes". Portanto, é como se aquela pasta que eu estava escrevendo não existisse. Como recuperar isso? HELP! Por favor, preciso de ajuda, porque tinha bastante coisa naquela pasta, e ela simplesmente sumiu!

Anônimo disse...

Como exageram as coisas,a sociedade ensina que a gente deve aguentar tudo dos homens? Talvez antigamente.
Minha família inteira é machista e eu e minhas primas nunca ouvimos essa pérola,de que temos que ficar quietinhas,apanhando dos homens.
Falam a babaquice de sempre,se dar ao respeito,tem que saber cozinhar...
Não vou dizer que ninguém diga isso mas afirmar que a sociedade ensina é demais.
Inclusive uma das minhas primas apanhou do babaca que namorava,todo mundo deu força para ela mandar ele se fuder e ela ouviu mesmo,tanto que tá casado com ele até hoje.
Vocês sempre ignoram que mulher pode escolher o que vai fazer,pensar por contra própria,parece que é impossível mulher tomar qualquer decisão sem que tenha sido manipulada.

Jéssica disse...

19:10, já ouviu falar de sociedade? Você não vive sozinho, anon, e seu exemplo pessoal não é estatística nem pesquisa científica.

@Lola
Você pode procurar no google por programas que recuperem o arquivo, eu sei que existem programas que fazem isso para quando alguem exclui permanentemente da lixeira.
Mas no futuro, sugiro você usar o Dropbox, é uma pasta privada que faz backup de tudo nas nuvens automaticamente, sempre uso quando estou trabalhando.

Anônimo disse...

Aperte control alt dell, ate aparecer de novo Dolores
Espero ter ajudado

Anônimo disse...

Lola: procure na pasta "Temp". Com sorte, você acha parte do arquivo.

Anônimo disse...

Exatamente Jéssica,a experiência da autora n é o suficiente para alegar que a sociedade,que inclui todos,diz as suas filhas para apanharem de homem numa boa.
Erro dela.

Anônimo disse...

A "moça" trabalha como modelo "pinup", ou seja, trabalha objetificando-se.
Mas acha um absurdo ser chamada de "gostosa"!
Só eu vejo uma contradição aí?
Ou é só mais mimimi?

Ana Nazaré disse...

Lindo ! Adorei esse texto ! Com ctza é difícil de criação uma mulher nascer feminista...

Jonas Klein disse...

Olá Lola e J.

Tem algumas coisa nesse texto que merecem uma observação.

"Recentemente, adicionei no Facebook um rapaz que era amigo de duas amigas"

Quando eu leio algo deste tipo, eu me pergunto será que cara pensa que, usando cantadas baratas e manjadas como esta vai leva alguma mulher pra cama? coitado dele se resposta for sim!!!

"Não sei você, mas eu tomo gostosa como ofensa."

Acho que cara chama uma mulher que nem namorada dele e de gostosa, e uma deselegância, mas dai a toma isso como uma ofensa, vá me desculpa, mas eu já acho um exagero.

"Não, eu não sou feminista mas defendo o direito coletivo das mulheres terem respeito e igualdade"

Deixa eu te fazer uma pergunta você tem certeza que sabe o que feminismo de verdade?

Acho bom você ler este publicação

http://cynthiasemiramis.org/teste-voce-e-feminista/

Pois vejo que você esta tendo dificuldade para se assumir como feminista, porque provavelmente esta misturando as ideias do feminismo, com que certas pessoas que se dizem feministas fazem.

Eu te indico esta publicação, pois ela mostra o que feminismo na sua essência, sem aquele ba, bla, bla ta, ta ti, ti, to, to, e associações invalidas que se vê em outros publicações sobre feminismo.

Aprenda separar as ideias do feminismo de qualquer outra coisa, ai você nunca vai ficar constrangida ao se assumir feminista.

Boa noite.


Jonas Klein disse...

Lola.

Se você quer recuperar este documento, existe um software muito eficiente e gratuito para isto chamado Recuva.

Agora ou vou te sugerir uma coisa, não guarde documentos nem qualquer arquivo importante, no computador sem antes fazer uma copia Online, Provavelmente você vai conseguir recuperar este arquivo, mas já penso se o HD do computador estraga ou te roubam ou você perde PC? como você recupera arquivo sem acesso ao HD? não tem como recuperar o arquivo assim, mas se você faz uma copia online de todos os seus arquivos, se acontecer algum coisa com seu PC, você nem precisa se preocupa com isso.

Por fui eu te recomendo usa o Office Online, ai pelo menos para editar textos, você não precisa instala nada no seu PC nem quadrar arquivos nele.

E olha aqui fala alguém que teve que aprender isso sozinho, e da pior forma possível.


Anônimo disse...

Off topic, sobre o coletor menstrual, vídeo muito bom.

http://www.youtube.com/watch?v=33lspg6LQBY&sns=em

Anônimo disse...

Lola, nada a ver com o assunto, mas please, faça uma fã feliz e elabore um post-crítica sobre "Gone Girl" ? Queria muito saber o que você achou do filme, pq embora tenha tido tudo pra ser um bom filme, a misoginia ali é gritante. Pra mim é o filme mais misógino de todos os tempos, mais até que Dressed to Kill. Fico indignada ao ver amigas que se dizem feministas ficarem babando ovo pra esse filme. Quer dizer, gostar de algo, mesmo sendo machista, pode ser inevitável, mas negar que o filme não é misógino e achar que o personagem do Ben Affleck é coitadinho, é demais pra mim. hahahaha

Anônimo disse...

CORREÇÃO: ****negar que o filme seja misógino****

Anônimo disse...

Anon das 19:49 e daí? Você chama modelo homem de gostoso na rua só porque ele fez anúncio de cueca pra Calvin Klein? A autora agora tem que gostar de ser chamada disso e daquilo por causa do trabalho dela? Que tal os babacas simplesmente calarem a boca e não chamarem pessoas que eles não conhecem na rua de gostosa, já que não sabem se ela gosta ou ou não? Ah, é mesmo, isso é "opressão feminazi" e "acabar com a paquera e o romance"...

Anônimo disse...

Não, eu não sou feminista mas defendo o direito coletivo das mulheres terem respeito e igualdade"

Deixa eu te fazer uma pergunta você tem certeza que sabe o que feminismo de verdade?


"mas defendo o direito coletivo das mulheres terem respeito e igualdade"

Se você defende isso então é feminista.



Incrível como vocês pegaram para si todos os bons sentimentos do mundo,então,se alguém diz que é a favor da igualdade,ela é feminista e acabou,não interessa se a pessoa n se considera uma,como se só feministas se importassem com os problemas do mundo.

Julia disse...

Anon 00:00, você não tem nada para fazer do que ficar em todos os post enchendo o saco não?

Julia disse...

Anon 22:22 que falou sobre o filme Gone Girl. Fiquei muito confusa quando assisti esse filme. Achava que era um filme feminista mas encontrei todos os clichês misóginos nele. Tudo que os misóginos dizem que as mulheres vivem fazendo para desgraçar a vida dos pobre duzomi a mulher nesse filme faz.
(E aqui eu não vou contar o que ela faz porque se não é mais spoiler).

Eu me irritei com aquela merda de filme.

Anônimo disse...

Tudo que os misóginos dizem que as mulheres vivem fazendo para desgraçar a vida dos pobre duzomi a mulher nesse filme faz.
(E aqui eu não vou contar o que ela faz porque se não é mais spoiler).

que absurdo né,nada do que tem no filme acontece na vida real,n existe mulher assim e por isso é misógino...
agora querem mandar até nos filmes,só pode retratar mulher do jeito que vcs acham certo.

Julia disse...

Vai caçar o que fazer porra

Anônimo disse...

Não concordo com o título desse guestpost. Por mais misoginia que ela reproduza, a mulher nunca é machista (nem o trabalhador é capitalista, embora possa ser reaça e votar no psdb). Pra mim, toda opressão é hierarquia, sabe? Sexo não é diferente.

Wasp Salander disse...

Eu li o livro e odiei. Ainda tô para assistir ao filme, mas fico adiando. Alguns dizem que é melhor do que o livro, outros dizem que é horrível e a misoginia permanece gritante. Não dá para acreditar que o Fincher, um cara que dirigiu Os homens que não amavam as mulheres tenha dirigido Garota exemplar.

Raven Deschain disse...

Sobre o Garota Exemplar: eu achei bom. Até o final. Não achei feminista nem a pau. Não é pq a Amy é uma personagem complexa e profunda (como os personagens masculinos costumam ser), que torne o filme feminista. Mas achei legal. Vi poucos filmes que demonstram a mulher daquela maneira. MAS, como disse, o final é uma merda. No fim das contas toda a profundidade da Amy some e ela é só mais uma mulherzinha idiota que faz de tudo por amor e ainda - SPOILER- cumpre seu papel na natureza: ser mãe.

E o Nick Dunne é um merdinha, mentiroso, falso, que justifica suas traições com 'ah, é tudo culpa da Amy, aquela vaca malvada'! Credo, se eu tivesse esse marido de merda, faria igualzinho a Amy.

vibrannium disse...

Sheherazade para presidente do Brasil e fim de papo....

Julia disse...

Preciso dividir com vocês algo que me deixou impressionada.
A notícia era sobre uma menina de 10 anos que é prodígio em matemática e se matriculou na faculdade.

Entre muitos comentários elogiando a menina tinha este de um homem:

"Cresce e casa kkkkk"

No que veio a resposta de uma maravilhosa lacradora:

"Interessante a ''mensagem subliminar'' contida na frase desse pequeno asno. Ela só revela o porquê dos homens terem tanto pavor do fim da ''família tradicional''. A manutenção dessa família em que homens trabalham e mulheres abrem mão da carreira pra ''cuidar da família'' perpetuaria o patriarcado e os privilégios do homem. Enquanto mulheres abdicariam a autonomia da própria vida, homens continuariam a ser o núcleo da família e da sociedade. Sorry, machinho, essa menina pode ATÉ casar futuramente, mas DUVIDO que ela abrirá mão do futuro promissor dela pra ficar em casa esperando o ''mozão''. O casamento nos moldes ''tradicionais'' estão com os dias contados. Chora, machinho!"

O homem idiota respondeu mais alguma bobagem que incluía "fica assim não uma hora um macho te ajeita"

A maravilhosa não contente em lacrar uma vez lacrou de novo:

"Quem tá no recalque é tu, coisinho! Sugerindo que a menina vai abandonar um mundo de POSSIBILIDADES por causa de macho (sim, macho, porque na cabecinha medieval de ome casamento é entre homem e mulher, apenas). E vc deve estar postando diretamente dos anos 60, né, pra dizer que hj em dia ''a maioria'' das mulheres abandonam a carreira por causa de ''casamento''. Quanto a parte ''uma hora um macho te ajeita'', só posso RIR. Vaza de cócoras, machinho!"

Enfim, ela tá certa. Isso me fez lembrar de outro comentário de uma moça da Dinamarca dizendo que lá não existe mais 'dona de casa'. As dinamarquesas não consideram esta opção mais. Isso é um indício de evolução de pensamento, gente. É claro que a Dinamarca oferece maravilhosas opções de creches e escolas mas o pensamento das mulheres também é outro, né?

Um dia chegaremos lá.

D Stoffel disse...

Graças a Deus abriu os olhos, e isso de que vc vai ficar sem ninguém é balela o mundo é muito grande com várias possibilidades, um exemplo é a lola que beijou muito na juventude o que os mascus abominam mulher fazer, é feminista, e ainda fala sobre feminismo na net é quase uma afronta. E É casada e como eles queriam que isso fosse mentira, seria mais um tá vendo essa feminista ficou sozinha mal comida e zzz.
Aposto que a vida sexual e afetiva da lola da de 10 a 0 na deles, aposto que nunca fazem uma mulher ter orgasmo, por isso ficar é tão ruim ficar com mascu , é até melhor arrumar um namorado pela internet de um país que não seja machista, hj tem aplicativos pra isso.

D Stoffel disse...

O rapaz me chamou de linda linda na rua eu fechei a cara e ele falou brava o nervosa aff, aí pode ser legal pra algumas, mas eu não quero ser avaliada, nem pra bem nem pro mal, antes eu achava como outras que podia levantar a auto-estima, mas hoje isso me irrita, não sou modelo pra ficarem me avaliando, na internet pode ser normal ou até cantada mas na rua eu odeio, eu também não gosto dessa palavra gostoso, gostosa, delícia é invasivo.
Eu acho mais elegante sexy,charmoso, bonito.

Anônimo disse...

fico pensando se o termo feminismo confunde as pessoas, tem gente como ela que confunde femen com feminismo, femista com feminista,
machismo=feminismo, é um prato cheio pros machistas fazerem confusões, e as mulheres ficarem confusas com o significado do movimento

Thomas disse...

"Não dá para acreditar que o Fincher, um cara que dirigiu Os homens que não amavam as mulheres tenha dirigido Garota exemplar."

LOL dá pra acreditar sim. Os livros da série Millenium parecem fanfic fetichista, não há absolutamente nada de feminista ali. O autor imaginou uma hacker alternativa tatuadinha cheia dos piercing lésbica gatinha que ele queria comer e escreveu um livro sobre isso. O filme é a mesma coisa.

Nesse sentido (e só nesse sentido), o Garota Exemplar é superior. Pelo menos a personagem principal é muito mais forte do que essa Liz, e é colocada como a heroína do filme, apesar de ser uma maluca assassina. Talvez a diferença de tom seja devido ao fato de Garota Exemplar ter sido escrito por uma mulher, e não um velho punheteiro como o da série Millenium.

Anônimo disse...

"O autor imaginou uma hacker alternativa tatuadinha cheia dos piercing lésbica gatinha que ele queria comer e escreveu um livro sobre isso. O filme é a mesma coisa." Uau. Realmente, toda a política e trama do livro são só pano de fundo mal feito pro cara comer a "gatinha" "lésbica" hacker alternativa.

Anônimo disse...

Falando em Millenium, quem viu a trilogia original sueca? Pra quem não conferiu, só dou uma dica: é mt foda.

Camila

vibrannium disse...

Mas afinal, Che Guevara enfileirava gays e os fuzilava ou nao???

Andrea Vega disse...

Oi, Lola.
Embora nunca tenha me manifestado aqui antes, sou leitora assídua do seu blog do qual gosto muito e que me levou e leva à muitas reflexões sobre o feminismo e sobre como nossa sociedade é doente em relação à mulher.
Embora não esteja diretamente relacionado ao assunto deste post, aquilo sobre o qual gostaria falar tem no entanto muito haver com assunto, já que de qualquer forma se trata de mulheres totalmente enredadas pelo machismo, imersas nele á ponto de o validarem de todas as formas possíveis.
Nos últimos meses, venho pesquisando sobre a romantização do abuso emocional, psicológico e físico contra a mulher em obras de ficção escritas e/ou produzidas por mulheres e consumidas por mulheres.
Me choca a forma como esse tipo de coisa não só é vista por uma parcela enorme da população feminina como algo aceitável e principalmente, como demonstração de paixão por parte do homem. Tudo é aceitável e lindo em nome de um “amor” que elas não enxergam que é doentio ao extremo.
O que mais me preocupa, é que a grande maioria com essa mentalidade distorcida é de mulheres muito jovens, na faixa de 20 nos e com as quais não adianta argumentar, pois há toda uma cultura em torno delas que valida isso e na qual estão imersas até o pescoço, por vontade própria. Ela sonham com esse tipo de homem abusador, presente nessa forma de ficção, é com isso que elas fantasiam!
Para quem ainda possa duvidar que tamanha falta de maturidade, bom senso e acima de tudo, auto estima, seja mesmo possível, na última dessas “pérolas” que encontrei o apaixonado resolve chantagear a garota, ameaçando divulgar um segredo que irá destruir a reputação família dela, para obrigá-la ficar com ele e fazer o que ele quiser, e parte para a violência e o abuso emocional e físico contra ela.
O personagem é um abusador, um homem psicologicamente desequilibrado e perigoso, com rompantes de agressividade quando é contrariado. Um covarde sem moral alguma já que recorre á algo tão baixo e criminoso como a chantagem. Alguém que acha que seu desejo está acima de qualquer coisa e justifica qualquer ato. E elas acham lindo! Justificam dizendo que ele faz isso porque se apaixonou e foi rejeitado pela garota. Nos comentários são muitas as que querem que ela fique com ele no final da estória. (sequestro em Malhação é nada perto dessas merdas!)
E como eu disse antes, infelizmente não adianta nada tentar argumentar com elas, perguntar em que mundo vivem,s e não vêem a realidade à sua volta. São totalmente impermeáveis a qualquer questionamento e se agarram com unhas e dentes a essa fantasia absurda, sendo são agressivas ao defenda-la.
E para mim fica a pergunta, Lola, como mudar isso?
Como abrir os olhos dessas jovens?
Que tipo de campanha de conscientização, que trabalho de construção da auto estima feminina, o movimento feminista poderia fazer (ou talvez até já faça e não saiba) por essa garotas? Se continuarem com essa visão romantizada do homem abusador, vão acabar caindo nas garras desse tipo de monstro e sabemos que o final será bem diferente dessas absurdas estórias “românticas”.

Anônimo disse...

Pessoas, sobre Garota Exemplar, eu escrevi algumas coisinhas ak > https://nyankkosensei.wordpress.com/2015/02/12/garota-exemplar-crueldade-e-misoginia-definem/

E sim, apesar da misoginia, gostei do livro/filme e fui pegar Na Própria Carne, da mesma autora. A misoginia s[o triplica puta merda! Peguei uma raiva da Gillian Flynn por causa do prazer que ela tem em
`desconstruir mitos` ligados a violencia contra a mulher.
Julianatsume

ps foi mal, teclado ta uma merda ak na lan

Thomas disse...

"Uau. Realmente, toda a política e trama do livro são só pano de fundo mal feito pro cara comer a "gatinha" "lésbica" hacker alternativa."

Exatamente. Me surpreende que mais feministas não enxerguem a misoginia óbvia da série Millenium. Aquilo é fetichismo puro. Não que haja um problema no cara se imaginar pegando uma lésbica alternativa, mas quando isso vira um símbolo de feminismo na literatura/cinema, só prova o quão longe o feminismo ainda está de se tornar uma ideologia séria.

Julia disse...

Thomas, o seu mansplaining já encheu o saco há muito tempo também. Vai fazer umas flexões, tomar uns shakes de whey protein. Vaza, miséria!

Julia disse...

Mas voltei aqui para dar uma ótima notícia que só fiquei sabendo hoje

http://g1.globo.com/bahia/noticia/2015/04/livro-tem-que-circular-diz-1-mulher-assumir-academia-de-letras-da-bahia.html


<3

Wasp Salander disse...

REDUF ES IAV ;)

Anônimo disse...

Olá Lola!
A mulher merece de fato respeito e também igualdade, infelizmente, muito dessa falta de respeito e preconceito termina sendo proveniente do mesmo sexo e não do sexo oposto.
Hoje muitas mulheres querem só querem exposição e essa falta de postura termina denegrindo a imagem de muitas, principalmente para aquelas que lutam por uma vida justa e respeitosa.
Obrigada - Vanessa Amanda

Tereza Miranda disse...

O texto trata da questão igualdade de gênero, tema atual, polêmico e que exige reflexão quanto à sua importância e se de fato está resolvido.

Anônimo disse...

Então, gente, fui eu quem toquei no assunto Gone Girl, pedindo pra Lola fazer review. Meu post no facebook desabafando sobre o filme foi o seguinte:

Ontem vi "Gone Girl".. Na boa, será este o filme mais "misoginista" de todos os tempos? Sério, se existe um filme mais misógino na história do cinema, eu ainda não vi. A cena de estupro marital em "Gone Girl" foi real ou mais uma invenção? Aliás, pra quê um filme tão longo com um final tão ruim? Por mim podia ter acabado na cena em que descobrimos o que realmente aconteceu com ela. (Pra mim teria sido muito mais interessante se ela tivesse se matado e o filme terminado com a incriminação dele. Aí sim eu consideraria o filme excelente, embora ache que algumas falas, algumas atitudes realmente foram misóginas e desnecessárias, apesar de que se não acontecessem, não teríamos empatia alguma pela Amy.) Nem estou me preocupando em revelar fatos do filme pq sei que sou das únicas que ainda não tinha visto, mas na minha opinião, Amy realmente é louca de pedra, só que pra mim o marido dela está longe de ser um coitadinho como alguns machistinhas pensam.
O fato é que o filme é misógino do início ao fim, e não é só o personagem do Ben Affleck. No filme há homens se referindo à mulheres como piranha ou vadia o tempo todo. O marido dela num jantar reduz ela à uma "vagina exemplar" d modo bem chulo no jantar, na frente de todo mundo, como se ela não fosse boa pra mais nada. Quando estão investigando o cara e descobrem que tudo que ele tem, até mesmo o bar onde trabalha com a irmã está no nome da mulher dele, o carinha investigador acha isso extremamente humilhante e claramente pelo fato de ela ser mulher independente e ele homem dependente.
Na delegacia dando depoimento, Amy humilha a investigadora injustamente dizendo que ela é uma inconsequente e que se dependesse dela o marido dela teria sido condenado mesmo sendo inocente. A amante do marido da Amy é extremamente humilhada no filme, há cenas em que se referem a ela como se ela fosse uma piranha destruidora de lares, qdo na verdade ELE quem não presta.
Quando Amy está sumida com o olho roxo (provocado por ela mesma) enquanto deitada numa espreguiçadeira, a amiga dela percebe o olho roxo e diz: Já vi que vc gosta de homem do mesmo tipo que gosto. Sugerindo que toda mulher que sofre violência doméstica deve gostar disso. Mais tarde, Amy forja um esupro. Fora que ela parecia mega submissa do tipo que gostava de ser objetificada, submissa e dominada. Há uma cena onde não lembro direito como ocorreu, mas a irmã dele manda ele enfiar o pau nela pra ela ficar feliz. Foi algo mais ou menos assim, não exatamente dessa forma ou nessas palavras, mas foi bem explícito. E aquela cena em que ele antes de dar uma entrevista diz que vai tentar atingi-la pelo lado emocional? Ele era um manipulador que não conhecia a própria mulher, estava cagando e andando com o sumiço dela e qdo ela reapareceu viva a decepção foi tão grande que ele a recebeu com um "vaca"... Eu não sou extremista, mas muitas coisas estão tão internalizadas em nós que podem passar despercebidas.

Anônimo disse...

Acrescentando mais algumas coisas, vocês dizem que o filme não é feminista, mas pra mim, o problema não é nem que não seja um filme feminista, mas o fato de ser um filme EXTREMAMENTE misógino. Sobre a Amy, inegável que é uma doida de pedra, que eles se mereciam e blablabla. Acho que um dos vários fatores que impede mesmo feministas de considerarem este um filme machista ou que tenham alguma empatia pela Amy e bastante raiva do Nick é que ela é uma mulher privilegiada: ela é podre de rica, branca, jovem, bonita, estudada e muito inteligente, então pq diabos estava se sujeitando daquela maneira? Ela é uma psicopata, ela é o pior do que ele, as pessoas pensam. Ele é o babaca, o marido castrado. E se Amy fosse o contrário do que era? E se ela fosse pobre, feia, nem tão jovem, sem estudo nem nada em que se apoiar? Sem poder, ela certamente não teria ido tão longe em sua vingança (apesar que se tivesse feito menos da metade do que fez pra se vingar, ela já seria considerada alguém com sérios problemas e um perigo p/ a sociedade). As pessoas enxergariam melhor como que apesar de desequilibrada, aquela situação em que ela estava com o marido era sim abusiva.

Raven Deschain disse...

Anon, a cena do estupro é invenção da Amy. Havia chegado um momento em que eles nem transavam mais. Não vi o filme, mas seria de se esperar que isso ficasse claro, credo.

Já sobre a Andy, no livro, é a mãe dela que aconselha que ela se faça de vítima seduzida do professor, pq é foda neh? A imprensa caiu matando no Nick e ia cair nela. No contexto do livro, ela poderia ser ser investigada como cúmplice.

O filme, pelas reviews que tenho lido ficou xexelento hein? No livro fica bem claro que a referência a misoginia é reflexiva. O pai do Nick é um estragado, o Nick não quer ser que nem ele, mas acaba sendo bastabte escroto às vezes, a Go é bem machista, mas no decorrer da história ela reflete sobre isso (coisas do tipo: mas e se a Amy estava sendo abusada pelo Nick, eu não deveria ajudar?). Eu, pelo menos, não vi essa misoginia gratuita toda no livro. Li gente que viu. Mas eu pessoalmente não vi (tanta, a hora que a Amy fala sobre a "garota legal", quase me fez largar o livro).

Anônimo disse...

Acho tão zoado mulher ter medo de se declarar feminista.

Gosto de acompanhar alguns sites de cultura geek com enfoque no público feminino e um dia desses fizeram uma matéria super bonitinha em um deles, sobre a questão da constante misoginia nos games, tanto na produção dos jogos como na própria comunidade que joga online. Só que o artigo começava assim: "não que eu seja super feminista (risos) mas...." e abordava n pontos feministas.

Tive que comentar que dizer que um artigo era feminista ou que a pessoa que escreve é feminista não é palavrão e que todo caráter perjorativo é basicamente uma criação patriarcal.

E a autora respondeu ao comentário, novamente justificando seu feminismo.

Parei de responder porque a minha vontade era de falar kirida, tá querendo agradar ÓMI pra quê? Mas cada um no seu tempo.

B. disse...

"Não concordo com o título desse guestpost. Por mais misoginia que ela reproduza, a mulher nunca é machista"


É com esse preceito do feminismo que não concordo. Tem mulher que é machista SIM e NADA coitadinha, manipulada.

Anônimo disse...

me chamou de gostosa. Não sei você, mas eu tomo gostosa como ofensa.

Parei de ler aqui. Frescura não dá pra aguentar diante de tantos problemas sérios das mulheres.

Anônimo disse...

B. das 12:41,
mulher não é machista não. É verdade que muitas reproduzem machismo, pois desde cedo adotaram esses conceitos machistas da sociedade pra elas mesmas. Mas basicamente o machismo é um sistema de poder que coloca o sexo masculino em superioridade ao feminino. É uma hierarquia. A mulher pode sim reproduzir machismo e colaborar com o machismo (Thatcher), afinal ainda acredito na teoria da Simone de que o opressor tem cúmplices entre os oprimidos. MAS na pratica a mulher NÃO É nem nunca vai ser machista, pois não se beneficia do machismo. O negro também não se beneficia do racismo, pelo contrário. Por mais que ele reproduza racismo pra agradar ao opressor, ele não é racista, mas vítima do racismo. Seria culpabilizar a vítima se eu dissesse que mulher é machista. O mesmo vale para os homossexuais, os pobres etc. Os gays não são homofóbicos, nem os pobres são capitalistas.

Anônimo disse...

"mulher não é machista não"

A mulher do Edu Testosterona e a Rachel Sheherazade discordam fortemente de você

Anônimo disse...

Besteira falar isso que negro "não tem como" ser racista, que mulher "não tem como" ser machista. Do primeiro exemplo, de fato não sei apontar ninguém mas do segundo, minhanóssinhora, não falta validadora do patriarcado tocando corneta e batendo palminha pra ganhar sardinha de ÓMI. E super consciente que tá fazendo isso e achando lindo ainda. O que a KIRIDA esquece é que ela nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca nunca NUNCA vai ser "um dos caras" e no instantinho que for conveniente, alguém vai colocá-la no seu suposto devido lugar pelo simples fato de ter nascido mulher. Todo mundo se acha acima do bem e do mal até esse mal montar em você com botas e esporas.

Anônimo disse...

Então, Anônimo das 15:04, concordo com você que o que mais tem por aí é mulher "reproduzindo" machismo. Mas veja bem, "reproduzir" não é se "beneficiar" do machismo. É coisa de oprimido que quer agradar o opressor p/ ganhar um biscoitinho, como vc disse. Citei a Thatcher como exemplo pq é óbvio que era inteligente, estudada. Era fdp pq queria ser, mesmo. Mas muita mulher reproduz machismo por pura ignorância. A diferença da mulher que reproduz machismo com o homem que reproduz machismo é que o homem se beneficia do machismo, a mulher não. O pobre falar que pobre não presta, não faz dele um rico, ele continua sendo explorado pelo capitalismo. Não sei pq vc discorda comigo se pensamos quase que da mesma forma. Só que o fato de ter muita mulher reproduzindo machismo por aí não pode justificar o machismo dos homens: estes sim, consciente ou não, querendo ou não se beneficiam do machismo. Claro que há degraus nessa hierarquia: o homem negro ou o homem gay se beneficiam menos, embora se beneficiem também. Há tantos gays reproduzindo machismo, quanto mulheres sendo homofóbicas. Resumindo: reproduzir machismo é uma coisa, ser "machista" (se beneficiar) é outra.
Até entendo o título da Lola, mesmo pq ficaria estranho "De mulher que reproduz machismo à mulher esclarecida".. enfim, nem sempre dá pra falar assim, então as vezes quando falamos "mulher machista" leia-se "mulher que reproduz machismo", mas sabemos que ela é só "tecnicamente" machista, ela não se beneficia da hierarquia.

Anônimo disse...

Quanto a Lola, bem, ela cagou e andou, não fez o post nem me respondeu o que ela achou de Gone Girl. Deve ter concordado comigo, mas como de ter gostado do filme, ficou sem graça de comentar, suponho. Mesmo pq seria um post polêmico, todo mundo amou esse diabo de filme. hahaha

Anônimo disse...

***deve*** ter gostado

Anônimo disse...

Anon "14 de abril de 2015 21:04" adorei sua explicação e entendi melhor o seu ponto de vista, muito obrigada.