sábado, 28 de março de 2015

GUEST POST: AZMINAS NO FEMINISMO

Atenção: duras críticas para todos os lados

Semana passada, publiquei um texto da Karina e Paola sobre "Uzomi na esquerda". Agora publico este segundo texto, complementar, e um pouquinho encurtado. Para ler o post na íntegra, veja aqui

Constantemente o feminismo torna-se alvo de ataques, à direita e à esquerda. Então é sempre necessário enfatizar a necessidade ainda atual do feminismo para superar as desigualdades de gênero (e o próprio gênero) e contribuir na conquista da emancipação das mulheres.
O feminismo defendido e reivindicado neste texto orienta-se na busca por transformações profundas, tanto nas relações de gênero quando na totalidade da sociedade em oposição ao reformismo dentro do feminismo que não questiona as relações capitalistas e preocupa-se somente com o gênero de quem está nos cargos de poder. Desta forma, as relações de dominação e exploração não são tratadas como problemas e sim a ausência da mulher nestes postos de comando.
Assim, esse feminismo que entendemos enquanto reformista pauta-se na luta por maiores cargos de comando às mulheres, reduzindo a posição subordinada da mulher a não ocupação de cargos de comando por elas e abstraindo os interesses de classe. Este tipo de feminismo defende o voto em mulheres, de preferência feministas, mas não necessariamente, já que se considera que a ocupação destes cargos pela mulher já traz benefícios em si. De forma que não questiona-se a ordem, mas quem ordena.  
“O apoio indiscriminado ao governo Dilma, por ser ela mulher, tal como o apoio indiscriminado ao governo Obama, por ser ele negro, compõe um dos indícios do quão assimiladas foram as bandeiras feminista e negra, ou, o que dá na mesma, indica o quão competentes foram os governos em sua prática de recuperação e assimilação de bandeiras históricas da luta da classe trabalhadora contra a opressão, dominação e exploração, seja em seus componentes de gênero, raça ou classe.
Assim por meio da recuperação e assimilação pelo Estado das bandeiras feministas, esvazia-se de qualquer conteúdo revolucionário parte do movimento feminista, tornando-o inclusive um propulsor do capitalismo, ao renovar suas relações. Dessa forma, ao invés da busca por um movimento de base popular, este tipo de feminismo irá buscar somente eleger representantes femininas (fortalecendo a política de representação), formular políticas públicas e ocupar cargos de secretarias. De maneira que o próprio Estado passa a pautar o movimento, e que ao invés de empoderar mulheres, “empodera-se” o próprio Estado e as relações capitalistas. Na prática, por entender que não há mulheres em abstrato, o que tal feminismo faz é atuar em defesa de uma mulher bem específica, a mulher burguesa (branca, hétero, cis).
Como tal feminismo perde qualquer visão de transformação e, por conseguinte de totalidade, as relações sociais são limitadas a relações de gênero e um problema estrutural é reduzido na prática a uma luta dos sexos. Com isto, acarretam-se análises cegas em qualquer outra relação que não a de gênero e na misandria enquanto tática política.
A partir de tais perspectivas pauta-se uma luta entre homens e mulheres, tratando-os enquanto classes antagônicas, portanto, com interesses opostos e irreconciliáveis. 
Sendo assim não há qualquer lugar para o homem no feminismo, pois este é e sempre será um opressor. O que não raro recai em uma transfobia em que não se reconhece mulheres trans enquanto mulheres, alegando que sua vivência é a de um homem e reduzindo sua expressão de gênero a performances. Tal perspectiva é marcada por uma incoerência profunda, pois se por um lado defende que a mulher ainda que criada para o âmbito privado, ensinada a reprimir a própria sexualidade, entre outras questões, pode por meio de novas relações sociais, superar tais comportamentos, o homem é visto como estagnado.   
Em discussões, os argumentos passam a ser legitimados não a partir de suas consistências, mas unicamente do sujeito. Se é homem, nem se discute. Ele, independente de qualquer vivência ou experiência militante, em absolutamente nada pode contribuir ao movimento. E se a verdade está no próprio sujeito e se dá por meio de vivência, a fala da mulher torna-se absoluta e qualquer questionamento, independente do conteúdo, é acusado de deslegitimar tal fala, o que facilita a apropriação por organizações oportunistas destas acusações a fim de anular inimigos políticos. E ao invés de criar um movimento social, criam-se guetos com uma linguagem e identidade própria que não dialogam com quem não faz parte e nem se identifica com tal gueto, fazendo com que este feminismo se feche em si mesmo e se caracterize pela intolerância e autoritarismo.
Tal irracionalismo é fortalecido com discursos anti-intelectuais, em que tentativas de análises históricas e estruturais são reduzidas a elitismo, academicismo, coisa de macho de classe-média, não se diferenciando conhecimento de academia, e tornando este feminismo incapaz de renovar-se, de fazer análises consistentes sobre a luta, portanto, incapaz de traçar estratégias a longo prazo, morrendo no imediatismo. O que também faz com que a produção científica do feminismo (majoritariamente composta por mulheres) seja desvalorizada.
A questão dos privilégios e do local de fala, se a principio pode ser usada no sentido de evidenciar as relações sociais desiguais na sociedade e também dentro dos movimentos, às vezes são usados por algumas feministas para culpabilização e cerceamento. Culpabiliza o sujeito por pertencer a um grupo detentor de mais direitos e privilégios, como se ele desejasse e fosse de alguma maneira responsável por isto, cabendo a ele o silenciamento total e concordância absoluta com o movimento ainda que este não seja homogêneo. O debate de ideias deixa de existir.
De forma semelhante acontece com o protagonismo das mulheres no feminismo, que consideramos tão necessário para uma real emancipação feminina e é por algumas feministas, deturpado, pois se usa disso para deslegitimar toda fala masculina, independente de seu conteúdo e contexto, acusando-o de estar tentando roubar protagonismo. Assim, o protagonismo tão necessário para o empoderamento da mulher, para a superação da dicotomia privado e publico, passa a ser usado na prática para evitar debates e cercear criticas.
Entendemos que aquelx que vivencia a opressão consegue ter uma apreensão da totalidade de forma mais qualificada do que quem não vivencia, mas uma luta por emancipação não deve ser feita unicamente por quem seria beneficiado prioritariamente por ela. 
A participação dos mais diversos grupos em lutas contra a opressão requer uma certa abertura para isso, o que é impossibilitado em lugares onde o debate é cortado. Denunciar opressões sempre que elas aparecem é necessário, mas a forma de combater argumentos e comportamentos machistas não pode ser entendida como simplesmente apontar que o emissor é um homem. O problema está na manutenção de lugares sociais que fazem com que grupos de pessoas sejam oprimidos enquanto outros possam ter seus direitos e privilégios assegurados.
Uma análise semelhante pode ser feita sobre a sororidade. Aqui vale um parênteses que não temos acordo entre nós sobre o conceito em si. Diante de criticas públicas a determinadas práticas ou grupos, se feitas por homens, eles são de imediato hostilizados por determinadas feministas; se feitas por mulheres, são de imediato acusadas de anti-sororidade, de estar enfraquecendo um movimento já tão criticado; ou se diz que as críticas até poderiam ser feitas, mas internamente. O que na prática reduz um movimento social a grupo de amigas em que não há espaços para críticas, que silencia mulheres, impede debates públicos tão necessários ao avanço de qualquer luta e por fim, hostiliza a autora das criticas. 
Em seu limite, o que se vê na insistência da crítica e do desacordo é uma sororidade seletiva. A autora da crítica torna-se uma inimiga digna de ofensas e afirma-se que ela não é feminista, isso quando não se afirma que determinado comportamento ou defesa é devido ao pouco conhecimento sobre feminismo ou mesmo que ela é “amiga duzomi”. Assim, reproduz-se autoritarismo, cria-se uma hierarquia dentro do movimento (a que sabe e a que não sabe, a feminista e a mais feminista) e dá-se carteirada de feminista (quem é feminista de verdade e quem não é).
Se entender enquanto solidária na luta contra o machismo pressupõe cuidar, ouvir, criticar e problematizar as atitudes de companheiras de luta. Isso não é trair o feminismo, é impedir que se acredite numa igualdade abstrata entre as mulheres que ignora marcadores sociais que definem a materialidade da vida de todas elas, de todas nós.
Há por parte de certas feministas uma lógica completamente punitivista. Se defendemos no outro texto o uso de escracho, afastamento e denuncia pública em determinados casos, também achamos que tais táticas são fetichizadas por algumas feministas, como se fosse a resposta adequada para qualquer caso. Recaem em uma individualização e demonização do agressor. Reduz-se o machismo não a práticas sociais de submissão e controle sobre mulheres, mas a um ser machista, de forma que não se tem práticas machistas, se é machista. 
E se o sujeito é machista, logo, o problema está nele próprio e não em suas práticas, fazendo com que ele seja combatido, chegando por vezes a exposições públicas desnecessárias. Este tipo de feminismo, além de ser incapaz de atuar efetivamente no combate ao machismo por reduzi-lo à questão individual, em seu extremo pode justificar comportamentos bárbaros. Infelizmente, a oprimida pode sim reproduzir a lógica do opressor.
Por vezes recai no pedido de recrudescimento de medidas penais, fortalecendo o Estado Penal, tão caro à classe trabalhadora, sobretudo, os negros e mesmo as mulheres, resultando em uma maior atenção ao agressor do que a(s) vítima(s) e a violência, que se repete para muito além daquele caso.
Para estas, a pedagogia da luta, tão debatida e importante nos movimentos sociais, não existe no feminismo. É somente por meio de medidas punitivas e imposição de suas opiniões que se consegue avanços.
Tais problemas apontados também podem se fazer presentes em espaços exclusivos para mulheres. Em grupos exclusivos pode ocorrer a reprodução dos mesmos comportamentos criticados em grupos mistos -– gritos, autoritarismo, intimidação, protagonismo, hierarquia informal, dentre outros. No entanto, entendemos que tais riscos não deslegitimam a proposta de espaços exclusivos, mas que devem ser amplamente debatido com a totalidade dos envolvidos e não deve ser isento a críticas e questionamentos.
É importante compreender a presença de problemas também em um feminismo que se propõe revolucionário. Dada a constante tensão que se coloca nas organizações entre as questões de classe e as de gênero, não raro, perde-se o feminismo e a luta se resume à questão de classe, ainda que tal posicionamento não seja declarado. Este feminismo está longe de dar conta das questões da emancipação feminina e quando consegue avançar, mostra-se incapaz de sair do âmbito econômico. Sob tensão com a organização, recai quase sempre na decisão de privilegiar a organização e a classe, ignorando, abafando o feminismo e amenizando a gravidade de práticas opressoras. 
Esta totalidade de comportamentos cria certo feminismo estéril, incapaz de ampliar sua base, limitando-se a um âmbito acadêmico, incapaz de se renovar e de estabelecer diálogos com outros movimentos sociais, tornando-se um fim em si.
Por entendermos a força e o potencial de mudança do feminismo é que reconhecemos que ele não deve ocupar um lugar de isolamento ou suspensão, isento de ser tocado ou pensado e analisamos que boa parte do mesmo têm caminhado para isto. Ideias sobre as quais não permite-se a possibilidade de serem debatidas tornam-se fundamentalistas no nível conceitual da palavra.
É fundamental que o feminismo seja tratado enquanto uma questão política que implica organização e diálogo com outros movimentos, caso contrário iremos nos isolar em guetos e nossa emancipação será algo cada vez mais distante. O feminismo representa uma luta que permeia os nossos cotidianos e pode ser utilizado como a nossa ferramenta pra ultrapassar os limites impostos ao nosso ser social, considerado secundário, permitindo a superação de mecanismos de opressão que nos tornam menores e incapazes, por cercear nossas possibilidades de pensamento, criação e ação no mundo. 
O feminismo é vivo, tem movimento. Ele não pode ser estagnado em cima de verdades absolutas. Devendo, acima de tudo, ser construído e utilizado na superação de realidades de opressão e exploração que nos violentam e desumanizam cotidianamente. Para isto, é fundamental que estejamos abertas ao debate e que busquemos meios de combate à opressão. Devemos buscar não novas relações capitalistas e estatais, mas a superação destas e a superação do próprio gênero e então teremos um feminismo de fato emancipatório.
Entendemos que a discordância de pontos de vista e o choque de opiniões diferem ou ao menos deveriam diferir de “choques de ego e vaidades”. A luta contra a opressão de gênero diz sobre uma violência sofrida por nós, nossas mães, avós, vizinhas, a mulher do outro lado da rua e a que está do outro lado do mundo. Ela, necessariamente, deve ser entendida para que nenhuma mulher (cis ou trans), pessoa não binária ou homem tenha sua expressão de gênero cerceada ou ferida por construções históricas que definem papeis específicos e enrijecidos para cada uma/um de nós. 
Mesmo que seja possível alterar a nossa realidade imediata não seremos livres enquanto há outrxs sendo oprimidxs e exploradxs. Caminhar para a revolução não é ignorar as caixinhas que ainda nos tornam prisioneirxs, nem negar nossas limitações e contradições, muito pelo contrário. Somente superando esse cenário atual de reprodução de opressão de um lado e a fragmentação por outro, com comportamentos problemáticos que se retroalimentam, é que conseguiremos verdadeiramente travar um diálogo, ao invés de incansáveis monólogos, e por fim, superarmos essas barreiras que tanto enfraquecem a construção de uma nova sociedade. 

77 comentários:

Anônimo disse...

Considerar tudo que seja inerente a masculinidade do homem como "Machismo" é um dos principais erros que cometem as "mulheres, e como se tudo que fosse natural masculino, fosse considerado desumano, este e o maior plano feminista, desumanizar o homem, tornar padrão humano somente o feminino.

Anônimo disse...

Texto mais prolixo, credo. Foi Marilena Chaui quem escreveu?

Anônimo disse...

"Considerar tudo que seja inerente a masculinidade do homem como "Machismo""

gênero é construção social, bjos

Anônimo disse...

"A partir de tais perspectivas pauta-se uma luta entre homens e mulheres, tratando-os enquanto classes antagônicas, portanto, com interesses opostos e irreconciliáveis.

Sendo assim não há qualquer lugar para o homem no feminismo, pois este é e sempre será um opressor"
_
Tá, mas onde esta o erro ai?
Muito simplismo, querer um feminismo limpinho bonitinho, pro zomi, de uma classe que e oprimida a milênios, nós temos direito a nossa revolta, a nossa revolução, e revolução e um processo de ruptura, não um "pedido de licença"
E como dizer que um negro, que esta em desvantagem histórica na sociedade, e recorre a desobediência, civil, ao anarquismo para expropriar a burguesia, e um "bandido vagabundo"
Simplismo puro.

Anônimo disse...

Anon das 12:48, o que vc chama de "natural" masculino ou "inerente" a masculinidade do homem? O que seria por exemplo, pode dizer?

Anônimo disse...


"gênero é construção social, bjos"

Toda construção social e histórica humana, e protagonizada por uma natureza inerente humana, e ao contrario do que as mulheres pensam, homens tem direito de ter uma natureza especifica, e ela não remete simplismente a violência, nem somos tabuas rasas, a serem doutrinados, muito menos animais, para sermos domesticados.

Anônimo disse...

Anon das 12:57, essa raiva e revolta toda inclui agredir mulheres que não fazem parte do seu conceito determinado de feminista? Quer que as pessoas negras saiam chutando e quebrando tudo que aparece pela frente que elas acham que é "coisa de branco de burguês"? As pessoas negras que não concordem isso, o que será feita delas, serão chutadas também?

Anônimo disse...

"Anon das 12:48, o que vc chama de "natural" masculino ou "inerente" a masculinidade do homem? O que seria por exemplo, pode dizer?"
_
A paternidade, o altruísmo, e o espirito de querer transcender, fazer a diferença em seu tempo, e principalmente, a capacidade de apaixonamento pela sua contraparte feminina, considerada doença por masculinistas, e repudiada por feministas.

Anônimo disse...

"As pessoas negras que não concordem isso, o que será feita delas, serão chutadas também?"
_
"O opressor não seria tão forte, se não tivesse aliados entre os oprimidos"

Anônimo disse...

não fala merda aí em cima, mano.
(12:48)

aí, Lola. quero deixar meu depoimento aqui:

discordo pessoalmente de você em diversas coisas, acho que muitas vezes você se contradiz e se perde, foca no alvo errado. é opinião pessoal, não significa que desvalido seu movimento e sua ideologia, mas detesto tanto PT como PSDB e partido de crente. Nenhum é a solução. Não há solução imediata. Desprezo o masculismo-linismo não sei qual o ''certo''. É um bando de nego chorão, babaca e 100% contraditório. Me considero feminista não por politica e sim pelos fatos biológicos óbvios. Estou bloqueado por você no twitter, e isso não se trata de um pedido de desbloqueio, eu não ligo. e não vou mencionar minha conta aqui pra não ser seguido por bunda moles que aqui habitam. muitas vezes você realmente tenta cagar regra sobre coisas banais e deixa algo realmente valido de lado. é preciso admitir, espero que leia e compreenda o que escrevi, não preciso de show de vitimismo e não ligo pra ataques pessoais, saiba que sou odiado por direitistas desde que chamei Olavo de velho cagado. também estou block pelo Gentili, que não aguentou ser zuado por mim, veja que ironia, o paladino da ''liberdade de expressão pra piada'' não aturou um sarcasmo meu. crentes também me detestam, com seus valores de moral baseado no tio que mora no espaço (eles ficam putos com essa). fui sarcástico contigo, de fato, fui debochado e tomei block de cara, o que me surpreendeu vindo tanto de você e do Gentili, por um momento vocês agiram igual, bloqueando quem discordou, quando falam de censura, opressão e liberdade. fiquei surpreso realmente. é isso, espero que entenda que por amar as mulheres e respeitar o feminismo significa concordar com VOCE sempre.

Anônimo disse...

Até agora ele não explicou direito o que seria "natural" masculino ou "inerente" a masculinidade do homem. Muitos homens (mascus) ainda pensam que mulheres deveriam (continuar) ser "domesticadas" e que ser domesticada por homens é "inerente" a natureza delas. O que pensa sobre isso?

Anônimo disse...

"O opressor não seria tão forte, se não tivesse aliados entre os oprimidos."

Então não sair chutado e quebrando todo mundo que aparece pela frente que tenha cara de "branco, hetero, homem, burguês" é automaticamente ser aliado do opressor. Tão doente, tirana e psicopata quanto os amiguinhos mascus dela.

Anônimo disse...

"O opressor não seria tão forte, se não tivesse aliados entre os oprimidos."

Então não sair chutando, matando, agredindo, xingando e quebrando tudo e todo mundo que aparece pela frente que tenha cara de "branco, hetero, homem, burguês" é automaticamente ser aliado do opressor. Coitadas de grande parte das feministas então que são brancas, heteros, de classe-média-alta. Coitados dos comunistas que tem iphone. Tão doente, tirana e psicopata quanto os namoradinhos mascus dela.

Anônimo disse...

"Muitos homens (mascus) ainda pensam que mulheres deveriam (continuar) ser "domesticadas" e que ser domesticada por homens é "inerente" a natureza delas. O que pensa sobre isso?"
_
O masculinismo e uma resposta falida de masculinidade, um espasmo agonizante melhor dizendo. Homens e mulheres são humanos, portanto naturais a liberdade, não a servidão, o conceito correto, seria o companherismo, o mau do novo seculo e a solidão. As mulheres devido aos séculos inegaveis de submissão,por questões mais politicas, que de ordem gênero, como afirma o senso comum, disfarçada de acadêmico, estão absorvendo melhor isto, pelo menos em primeiro momento.
os homens não, sentem falta de sua contraparte feminina, por isto tantos estão adoecendo mentalmente, os crimes bárbaros passionais, e o alto indice de suicídios entre homens, prova o que digo.
O homem pós moderno, e um falido, a masculinidade e a nova "doença social da moda" e ele não encontra refugio no feminino, e repudiado pelo feminismo, só lhe resta ir embora.O Futuro da massa masculina, e viver como nômades.

Anônimo disse...

(eu das 13:13)

se esses bunda moles tivessem estudado biologia saberiam que o não-natural é o homem, que a fêmea é a matriz e você não passa de versão alternativa da fêmea pra combinar com ela para reprodução. em toda a natureza o macho é descartável, fecundou? prosperou a espécie? então já pode sumir. o macho está sempre no cio a espera da fêmea, ele é quem tem de se adequar aos seus períodos. a fêmea é a mãe, a genitora, ela é importante pra natureza, o macho não.

Não é atoa que 99% dos masculistas são ou viram religiosos pra ''anular''(hahaha) tudo o que escrevi acima com sua frase poderosíssima:

- Não é assim! Foi o tio do espaço (deus) que fez!

- O homem veio primeiro! Do barro! (hahahahaha)

Que piada. Já são motivo de desprezo por serem misóginos e ainda querem ser vitimas de deboche sendo crentes.... eles gostam....

Anônimo disse...

Lola, você fez tanta campanha pro PT nas eleições, será se dá pra fazer um post falando sobre o segundo governo da Dilma para as pessoas que votaram nela seguindo sua orientação? Você acha que está bom? Por quê??

Anônimo disse...

(Eu, o das 13:13)

NÃO CONCORDAR SEMPRE. apaguei algumas virgulas e palavras enquanto digitava, por isso ficou estranho.

Anônimo disse...

"se esses bunda moles tivessem estudado biologia saberiam que o não-natural é o homem, que a fêmea é a matriz e você não passa de versão alternativa da fêmea pra combinar com ela para reprodução. em toda a natureza o macho é descartável, fecundou? prosperou a espécie? então já pode sumir"
_
Radical, mas não deixa de ser verdade, o próprio cromossomos y, e uma anomalia em conceito, uma mutação violenta. o que estes individuos que dizem orgulhos sobre a tal 'natureza masculina" não sabem, e pirariam ao saber, e que a tal "natureza masculina" não passa de uma anomalia genética.

Anônimo disse...

"O Futuro da massa masculina, e viver como nômades"
_

E isto e ruim? o masculinismo só e falido, para os dependentes e fracos, que não encontram realização em si mesmos.A grande metáfora da condição masculina, independentemente de qualquer blá-blá-blá moderno, é: diante de uma mulher carregando algo pesado, se você não carregar para ela, é um mal-educado, um covarde, um fraco. Mesmo que ela seja "culpada" por tentar transportar algo com peso acima de sua capacidade, ao homem ainda é negada a possibilidade de dizer "não". Quando amamos, carregamos tudo com felicidade. Se o peso for exagerado, morreremos, mas não desistiremos de carregá-lo se amarmos a mulher que está do nosso lado. Normalmente, antes de tudo, morrerá o amor por ela.

Talvez o resumo da ópera seja: o homem precisa aprender a dizer "não", assim como a mulher aprendeu. Ela diz "não" para a cozinha, para a maternidade, para a virgindade, para a fidelidade, sob as palmas da cultura pós-moderna. Como uma liberta das amarras do passado, ela caminha solta em meio aos escombros de seus velhos papéis sociais. O homem precisa aprender a dizer "não" para a mulher que se oferece sexualmente, para a suspeita sobre ele lançada de que não seja capaz de sustentá-la (em todos os sentidos da palavra), para a obrigação de estar sempre presente quando ela desperta de seu sonambulismo emancipado e volta à atávica cobrança de sempre.

Anônimo disse...

O mascu da "masculinidade inerente" e a cheia de ódio das 12:57 fariam um belo par, doido atrai doido.

Anônimo disse...

Lola não fez nenhum comentário sobre o 15 de Março, achei que falaria algo sobre isso. Será que não está gostando do segundo mandato da Dilma/pt?

Anônimo disse...

Loucura e considerar reação como simples ódio, mas tudo bem, paro por aqui, só digo que meu feminismo não vai pedir licença para empoderar-se.

Anônimo disse...

Chutar quem aparece pela frente, incluindo gente que nunca te viu na vida, que nem te conhece e que nunca lhe fez nada só porque a aparência física, o sexo ou a orientação sexual dessas pessoas que nem te conhecem representa algo negativo na sua vida? Só para uma mente muito doente que isso é uma "reação". Isso é caso de psiquiatra. Vai casar com o mascu "inerente" no primeiro sanatório que aparecer, doido atrai doido.

Jonas Klein disse...

Apesar de algumas coisas escritas neste poste estarem corretas, tem muita bobagem nele.


Eu disse aqui e não custa repetir o feminismo como movimento, esta muito longe ainda de atingir seus objetivos por causa da suas de estratégias ineficientes.

1 - o quem tenta resolver muitos problemas de uma vez só não resolve nenhum, ou seja, primeiro tratar resolver, questões no que se referem a violência contra as mulheres, questões de "padrões" de beleza se resolve depois.

2 - quem muito se preocupa com problemas dos outros não resolve os seus, e não resolve o dos outros também, ou seja, o feminismo deve se preocupar só com os problemas que atingem a todas as mulheres, logo questões como racismo, homofobia etc. devem ser discutidas e resolvidas, por movimentos específicos.

3 - se misturar com ideologias, seja ela esquerda ou direita e algo que não ajuda em nada o movimento, a coisa mais errada que o feminismo como movimento já fez ate hoje foi se mistura com esquerda, e se fosse com direita também não seria muito diferente, porque afeta negativamente a discussão e a aceitação, das ideias do feminismo, além de que as ideias da esquerda, na pratica não resolvem nem atenuam os problemas das mulheres.

4 - se por sempre como vitima sem nunca aceitar possíveis cotas de responsabilidade, jamais contribui com discussão que leva solução do problema, a questão e que o machismo que é o verdadeiro adversário das mulheres, só que nos precisamos lembrar que existem muitas mulheres que são machistas (embora muitas nem percebam isso).

Além disso e preciso que se diga que uns 95& ou mais dos homens foram criados e educados por mulheres, e muitos foram por uma outra razão, criados e educados só por mulheres sejam elas mães, avos, tias etc. e mesmo assim saíram machistas, logo também há falhas por parte das mulheres no que se refere a educação das crianças que esta sob sua responsabilidade, no que se refere as questões de gênero.

5 - o trato no que se refere a imagem do movimento, pois a maioria das pessoas tem uma visão completamente distorcida ou não sabem de nada sobre feminismo. O que feminismo precisa e de uma coisa chamada gestão de imagem, que para quem não sabe, isso não e só ao mundo corporativo que se aplica.

Se o movimento sempre tivesse se preocupado com isso não receberia hoje nem metade das criticas que recebe, pois nunca o movimento feminista iria se envolver com manifestação intitulada marcha das vadias, nem coisas com um nome assim, pois isso um absurdo quando se pensa na boa imagem de alguma coisa.

E aqui fala alguém que entende do assunto, pois eu já trabalho com marketing e propaganda a anos, por isso eu sei o quanto gestão de imagem importante, quando se quer que algo seja aceito, seja uma oferta ou uma ideia.


Bom parei por aqui, boa tarde.

Fernanda disse...

Não se aconselha mais a usar "x" para denotar linguagem neutra pq não é prático para pessoas com dificuldades de leitura, como dislexia e etc. Você pode utilizar o "e" no lugar de "x".


Só acho que o texto não fica muito claro em exemplificar as ações de feministas que critica. Pq o texto fala em ao mesmo tempo q tem q rachar homem tem vezes q se faz isso de forma desnecessária. Tá, mas q vezes são essas? Eu posso interpretar como sendo uma coisa, a outra mina interpreta como sendo outra e nós duas, mesmo tendo opinões bem divergentes, achamos que o texto nos contempla. Então achei um pouco generalista, por isso exponho o q o texto me fez refletir:

-Claro que temos que estar abertas a críticas. A construção sempre estará em andamento.

-Mas existem feministas q não aceitam a inclusão de homens cis no feminismo com um espaço igual ao de uma pessoa que sofre misoginia. Então a fala do homem cis não vai ter o mesmo peso q de mulheres, homens trans ou pessoas nb. Isso existe pra coibir silenciamente e pra q o empoderamento possua mais espaço q a a desconstrução de um machista. Essa é a nossa visão de como o feminismo funcionaria melhor, se vc discorda, beleza, mas não venha deslegitimar nossa tática de luta (eu não deveria precisar dizer isso, mas isso não quer dizer q homem cis não pode se desconstruir como opressor).

-A misandria é estratégia de luta sim, algumas pessoas só conseguem se empoderar através dela. Eu não tenho o costume de "rachar macho", mas não vou dizer para minas q isso é errado pq homens cis podem ficar resistentes ao feminismo por causa disso (já são por milhões de motivos, não é isso q deveria afastar alguém da luta).

-Sim, precisa haver equilíbrio entre teoria e vivência. Uma não representa mais q a outra, mas a teoria não pode existir sozinha. E, importantíssimo, a teoria precisa chegar na periferia, ela precisa ser acessível (não no sentido de se tornar simplificada, mas de se difundi-la realmente).

-O feminismo precisa fazer recortes, ou seja, levar em consideração que existem outras opressões além de machismo. Temos sempre que pensar o racismo, a transfobia, a lesbofobia, a bifobia, a gordofobia, o capacitismo, a luta de classes, entre outros como um "modificador de variáveis". O feminismo precisa abranger essas diferenças, pois em muitos momentos, as reivindicações de um grupo oprimido vão ir de encontro com a do outro e o feminismo precisa considerar as duas, existirão pautas das mulheres brancas q não contemplarão as mulheres negras e por aí vai. E principalmente, reconhecer q mulheres tbm podem ser opressoras, uma mulher hetero oprime uma mulher lésbica, querendo ou não, precisamos reconhecer q também somos passíves de desconstruçãod e preconceitos e q devemos dar voz a todos os grupos oprimidos.

-Isso também quer dizer, que para incluir todas as mulheres, a desigualdade social também precisa acabar, não adianta a mulher ter um alto cargo profissonal e não respeitar os direitos da empregada doméstica, por exemplo. Ou seja, o feminismo não pode ser individual, para libertar as mulheres, precisa-se libertar todas as mulheres.

-Mulheres trans, homens trans e pessoas nb também sofrem misoginia, socialização é balela, escute o q as pessoas trans reivindicam pq elas são capazes de falar por si próprias.

-Pra mim, sororidade é sempre anti-machismo. Se uma mulher, não importando quem seja, sofrer machismo, eu vou me colocar contra isso. Mas não se deve mais usar sororidade como carta para relevar atitudes.

-De resto, é isso aí. Nossa luta tem q ir além dos mesmo espaços e pessoas de sempre. O feminismo também evolui e muda conforme a sociedade muda. E é dificíl porque é plural, mas tem que ser assim para contemplar todes, senão realmente seria reformista.

Obs: Quando o texto diz q devemos estar abertes a discussão, o texto não se refere a vcs mascus, tá?

Anônimo disse...

O que mais tem são feministas brancas, heteros, sulistas, moradoras das metrópoles e ricas querendo ditar o que mulheres negras, homossexuais, nordestinas, do interior e pobres devem fazer ou deixar de fazer da vida delas para serem aprovadas pelo "selo" do poder e da ordem dessas feministas. Se não fazer o que elas querem, é logo acusada de estar do lado opressor. Nossa! Desse jeito diferença entre os mascus é bem pequena.

Sheila disse...

Esse texto é explica porque existem mulheres antifeministas,um movimento que alega lutar por respeito mas silencia mulheres que discordam de qualquer coisa de sua cartilha,silenciam dizendo que é homem e mascu.
Querem homens no movimento não sei para que se ridicularizam os mesmos.
Sem falar nas hipocrisias,incoerências e dados mentirosos.
Eu estava interessada mesmo no feminismo mas depois de ver como funciona as coisas,só decepção.


Anon de 12:57,você não quer mudança alguma,quer vingança.Muitas agem como você,já que mulher é oprimida,podem fazer o mesmo que está tudo certo,nem é hipocrisia.

Anônimo disse...

''Radical, mas não deixa de ser verdade, o próprio cromossomos y, e uma anomalia em conceito, uma mutação violenta. o que estes individuos que dizem orgulhos sobre a tal 'natureza masculina" não sabem, e pirariam ao saber, e que a tal "natureza masculina" não passa de uma anomalia genética''.

sou eu de novo, pior que isso é associação estupida e confusa e não saber distinguir:

Macho - reprodução
Masculino - gênero
Homem - construção social

pra maioria das pessoas, ser ''macho'' é ser ''homem''. gay não é homem e muito menos macho. (PORRA, parem de ser ignorantes)

a natureza é cruel com o macho, pois além da reprodução (na qual tem mínima participação) ele não vale merda nenhuma pra natureza. por isso, a maioria dos masculistas são crentelhos. na falta de argumento, quando estiver sem saída, apele ao ridículo, pois muitos acreditam nessas groselhas ainda.

ah, se os homens estiverem insatisfeitos com a mãe-natureza, gostaria de saber quantos seriam capazes de carregar e parir um filho?

Anônimo disse...

Gente, chegou o dia em que eu vou concordar com o Jonas!

Anônimo disse...

"ah, se os homens estiverem insatisfeitos com a mãe-natureza, gostaria de saber quantos seriam capazes de carregar e parir um filho?"
_
ô feminazi recalcada, não tenho nada o que reclamar não, faço parte da classe dominante, que construiu a sociedade, não sou uma mera encubadora.

Anônimo disse...

Resumindo: Nunca vire opressor, acolha todas as minorias e não segrega o movimento.

Anônimo disse...

E lá vamos nós espalhar ódio usando conhecimento de ensino médio de biologia de novo!

Anônimo disse...

Lola, nao acredito que uma mulher estudada possa ser tao tola como tu!

Tu nao percebe que o feminismo brasileiro faz com que os homens mais poderosos da sociedade (maioria homens brancos heterossexuais) nao tenham concorrencia? Enfraquecendo os outros homens brancos heterossexuais pelo acesso as mulheres mais interessantes (brancas heterossexuais)? Seu feminismo ajuda tal seleto de grupo de homens possam ter mulher atraente e nova ate o fim da vida ou ate falir?

lola aronovich disse...

Anon das 18:43, vc acredita nessas teorias conspiratórias totalmente furadas e eu que sou tola?! "Mulheres mais interessantes (brancas heterossexuais)". Racismo neonazista detected, cara. Além de homofobia. Vai ciscar em outra freguesia!

Anônimo disse...

E lá vamos nós espalhar ódio usando conhecimento de ensino médio de biologia de novo!

1° - não espalhei ódio porra nenhuma. questionei como um homem pode ter tanta repulsa de mulher, e sim, desprezo esse tipo de homem. são coisas distintas.

2° qual o problema disso ser ensinado no ensino médio? passa a estar errado por isso?

Anônimo disse...

Anon das 18:43, vc acredita nessas teorias conspiratórias totalmente furadas e eu que sou tola?! "Mulheres mais interessantes (brancas heterossexuais)". Racismo neonazista detected, cara. Além de homofobia. Vai ciscar em outra freguesia!

- bizarro. como assim? chinesas, mulatas, índias, ruivas, morenas não são nada pra ele? que merda.

(sou o cara do depoimento)
-----
é errado dizer que eles são gays por isso, gays tem sentimentos, gostam de sexo, amor, de contato. esses loco são fresco, é diferente de gay. eles tem ''nojinho'' de mulher. eles tem repulsa, todos eles.

Anônimo disse...

A-hã capacho de mulher, lambedor de salto, explique como o NACIONAL SOCIALISMO, seria um movimento de extrema direita, já que a extrema direita defende um estado minimo.
Já ouviu o termo, terceira via?

1° oh, que ofensa... ser capacho (nos seus conceitos deturpados) de mulheres é algo extremamente ruim... claro...

2° o conceito alemão de socialismo é totalmente diferente do conceito russo. a Alemanha-Nazista odiava os comunistas. o conceito russo era pró-minoria. o conceito alemão era ariano, "a raça da elite alemã". O nazismo alemão era cristão, o comunismo russo era ateu.

Conter a palavra socialismo não implica ser esquerda, o ''socialismo'' alemão dizia respeito a elite alemã, abaixo disso não era ''sociedade'', prova disso que era apoiado pela elite alemã.

Anônimo disse...

Excelente texto. Mas caramba, "mina" é uma palavra que um monte de macho virgem com mentalidade de adolescente usa. Não vejo problemas em adolescentes usá-la, mas já vi um monte de virgens esquerdistas que não conseguem ver uma mulher usando-a. Aquele típico virgem que vê uma mulher como uma florzinha frágil.

Raven Deschain disse...

'2 - quem muito se preocupa com problemas dos outros não resolve os seus, e não resolve o dos outros também, ou seja, o feminismo deve se preocupar só com os problemas que atingem a todas as mulheres, logo questões como racismo, homofobia etc. devem ser discutidas e resolvidas, por movimentos específicos.'

Ih Jonas. Tá difícil de concordar contigo nisso aí.

E enquanto as feministas brancas e heterossexuais perseguem sua liberdade, nós, não brancas e com um pé na homossexualidade ou mesmo lésbicas, fazemos oq? Crochet? E as trans? Se matam? Feminismo branco e burguês não me respresenta.

Anônimo disse...

'''Em relaçao a homofobia, ha mulheres homossexuais bonitas, sao aquelas que ficam no armario... as que saiam ficam tentando imitar os homens, o resultado nem preciso dizer.'''

besteira. estereotipo. claro que há as que ''imitam'' mas não são todas. e o que você tem com isso?

Obvio que ha mulheres nao-brancas bonitas, o que quis dizer, que os homens mais ricos tem preferencia pelas brancas bonitas, ou tu ja viu um rico / milionario / bilionario se relacionando com mulheres nao-brancas?

claro que já. Pierce Brosnan, Hans Donner, entre outros que não me recordo de cabeça. e não me vejo pesquisando no Google:

''ricos brancos com mulheres negras''

outra coisa, fico imaginando um cara com um fetiche incontrolável por chinesas ou morenas, mas ele é milionário: então lamenta o fato de só poder ficar com brancas, afinal o dinheiro influencia num desejo incontrolável, não é? ele deve explicações ao dinheiro, o dinheiro pergunta com quem ele esteve.

Anônimo disse...

"Conter a palavra socialismo não implica ser esquerda, o ''socialismo'' alemão dizia respeito a elite alemã, abaixo disso não era ''sociedade'', prova disso que era apoiado pela elite alemã"
_
os judeus eram considerados pelos nazis, como a elite exploradora alemã(O que os comunsitas chamam de burguesia), os judeus alemães empreendedores , eram os industriais, e comerciantes que prosperaram na Alemanha, no pós primeira guerra, e foram os bodes expiatórios que os nazistas escolheram para culpar, pela derrota, diziam que os judeus enfraqueceram, traíram e agora exploravam o trabalhador alemão.
A treta com os comunistas, era uma forma de "eliminar a concorrência"
Hitler sabia que os planos de Stalin para Europa, eram os mesmo dele,inclusive as SS copiaram os campos de concentração, do conceito da Gulags sovieticas. Hitler também se lembrava do fim que teve Trotsky, e também pelo fato da maquina de guerra alemão, precisava do petroleo russo, nos seus planos de expansão.

Anônimo disse...

'''Diga a um ucraniano, ou a um polones, que o comunismo sovietico era pró minoria, e ele vai rir de sua cara ate se mijar, alias hoje na Polônia, tanto nazismo quanto comunismo/socialismo, são criminalizados pela constituição daquele país, devido ao gigantesco numero de vitimas que ambas as ideologias siamesas causaram'''

não venha com essa merda de espantalho me taxando de
comunista. em alguns pontos nazismo e comunismo eram semelhantes e em outros opostos, porem se achavam certos e os outros errados.

Sim, o comunismo dentro da Russia sim, você mencionou ucranianos e poloneses, dos quais eram totalmente desprezados por russos. as teorias de Marx embasam sim um ''suposto humanismo'' na sociedade contemporânea.

O comunismo queria privilégios para os seus pois se viam inferiores, e o nazismo queria privilégios para os seus por se acharem superiores. Pensam igual, por razoes diferentes.

o nazismo em parte era apoiado pela sociedade alemã pelo seu antissemitismo, afinal os judeus ''mataram jesus''. há diversas fotos de Hitler sendo muito bem recebido pelos bispos católicos alemães. um caso de padre morto não anula isso, ainda mais quando não sabemos as razoes ''realmente reais'' e não uma versão.

''herege'', usar este termo implica que és cristão, e não queres (obviamente) ser associado ao nazismo. não se preocupe, não vou fazer acusações descabidas e nem te tachar de merda nenhuma. mesmo o nazismo sendo direita não significa que toda direita é nazista e todo cristão é nazista.

Hitler tinha um pensamento não incomum mesmo nos dias atuais, ''se for eu não é errado, eu nunca estou errado''. portanto se apossava de outras culturas e as modelava a seu agrado. como o caso dos símbolos que mencionaste.

toda essa merda se deu simplesmente pelo fato de que eu disse que não faz o menor sentido associar um movimento liberal com uma ditadura conservadora. e aí os gênios começaram essa merda toda. parabéns a todos.

Anônimo disse...

Movimento liberal o feminismo? Atrelado fortemente a esquerda estatizante e difusora da guerra de classes?
Falou "Jênio" toma aqui seu vale pão com mortadela.

Anônimo disse...

Imagina, dizer que "macho" é o "não natural" e menos importante que a fêmea natureza não é nenhuma tentativa de diminuir os homens. Ou que cromossomo y é mera mutação genética (WTF? A humanidade se reproduzia por mitose até surgir o homem e eu não fiquei sabendo?), também, neeem implica colocar mulher em um lugar "naturalmente" superior. Depois quando homem vê mulher como incubadora porque "a natureza é assim", reclama.
Não é problema usar conhecimento de ensino médio; não reconhecer que é um conhecimento raso para a abordagem que você quer fazer o é.

Anônimo disse...

'''Movimento liberal o feminismo? Atrelado fortemente a esquerda estatizante e difusora da guerra de classes?
Falou "Jênio" toma aqui seu vale pão com mortadela.'''

''Movimento liberal o feminismo?''

conservador cristão que não é.

''Atrelado fortemente a esquerda''

não existe esquerda nos EUA e existe feminismo.

''e difusora da guerra de classes?''

a direita também faz isso. religião, politica, até futebol tem dividido classes aqui. se for ver assim tudo divide classe.

''Falou "Jênio" toma aqui seu vale pão com mortadela.''

puta argumento. como se eu não fosse perseguido por petistas por discordar deles, claro. você deve me conhecer a anos.

Anônimo disse...

Vamos lá, guerreiro:


''Imagina, dizer que "macho" é o "não natural" e menos importante que a fêmea natureza não é nenhuma tentativa de diminuir os homens.''

- não-natural:
não é matriz, é derivado de outro, não veio primeiro, foi isso que quis dizer.

- menos importante:
e é. a fêmea é que tem capacidade de carregar e gerar, o macho entra apenas com 1 item (esperma) e o organismo da fêmea faz absolutamente tudo. sim, ele é menos importante, não deixa de ser, mas é muito menos que a fêmea.

''não é nenhuma tentativa de diminuir os homens.''

- sinto muito se a verdade te machuca, não é minha culpa, vá reclamar com seu deus.

''Ou que cromossomo y é mera mutação genética

- sim. o macho é uma mutação da fêmea.

''(WTF? A humanidade se reproduzia por mitose até surgir o homem e eu não fiquei sabendo?)''

- você se enredou aqui. eu nunca disse que o homem não existia até certo ponto ou levou anos pra surgir, e sim que ele não é a matriz, ''não veio primeiro'' que a fêmea.

''também, neeem implica colocar mulher em um lugar "naturalmente" superior.''

- porque as aspas? porra, tu tem problema? o que conheces sobre concepção e geração? quem gera? quem faz 90% do trabalho?
você está usando de um espantalho muito mal feito, enquanto falo de natureza você distorce e o faz de forma politica.

não foi a natureza que mudou, é o homem que não aceita a natureza.


''Não é problema usar conhecimento de ensino médio; não reconhecer que é um conhecimento raso para a abordagem que você quer fazer o é''.

- você continua na mesma do ''ensino medio''. você talvez esperasse que eu me apresentasse como grande PhD e usasse de apelo a autoridade?

por fim:
meu objetivo aqui não é te fazer mudar de opinião, estou pouco me fodendo para o que pensas de mim e do mundo, apenas apresentei fatos dos quais embasam aquilo que escrevi. em nenhum momento quis fazer uso disso para ''estabelecer o feminismo'' na sociedade, apenas gostaria que a mulher fosse valorizada, faz tanto e pede tão pouco. tenho isso como opinião pessoal, num país defasado onde opinião própria virou militância. gosto de mulher porque gosto, não só fisicamente como ela por completo, se há pessoas que as desprezam, lamento, mas está perdendo muito. mas, sou democrático.

Kittsu disse...

Ninguém mais reparou o tanto de esquisito se passando por feminista pra falar bobagem nesse post? Consegui distinguir cada um dos abobados habituais.

Anônimo disse...

'''Ninguém mais reparou o tanto de esquisito se passando por feminista pra falar bobagem nesse post? Consegui distinguir cada um dos abobados habituais. '''

se você se refere a mim, não me passei por nada, sou homem e não mulher como o ''recalcada'' lá pensou, comecei falando de natureza e os louco me vieram com nazismo, é foda discutir algo aqui, você fala ''X'', o cara distorce tudo, usa de diversas falácias, eu desisti, os caras que vem aqui são muito chorão.

Graciema disse...

Bem, se questiona tanto uma essencia feminina quanto uma essencia masculina. Se partirmos do ponto de que existe essa essencia, embasada na biologia, e que é imutavel, como faz o primeiro anônimo, se cai na dualidade e exclusão de possibilidades para ambos os sexos biologicos. Os exemplos que vc usa, paternidade - ok, entendida como fecundação do óvulo, inegavelmente masculina. A função social, construida, também. Mas desejo de transcedencia me parece ser bem comum em seres humanos no geral. Altruismo também me parece ser uma caracteristica humano, inclusive, aparecendo mais na socialização de mulheres que de homens.

No mais, é um texto, com algumas boas chamadas para reflexão, mesmo que se discorde de muita coisa - eu por exemplo sou pé atrás com homens feministas por conta do mansplaning. Mas também não é justo deslegitimar a fala de um homem apenas por homem. Mas jeisuis...como já deu no saco homens querendo me explicar pq eu deveria fazer x, y ou z porque eleas 'sabem' melhor

Anônimo disse...

Ok, entendi seu ponto: mulher é mais importante pra espécie porque o investimento em reprodução é dela (a famosa, a espécie continua com 10% de homens e 90% de mulheres, nunca o contrário), mas usar disso de argumento pra defender que mulher é mais importante pra sociedade é balela - da mesma forma, posso dizer que homem é mais importante socialmente por causa daquele mimimi todo que ele que protege o território. Ah, mas você está só expondo fatos naturais, não está fazendo política. Eu fico impressionada como vocês não notam que o que algumas falam é discurso de mascu versão femista. Se eles são criticados por reduzir mulher meramente ao seu papel biológico, como vocês podem achar certo quando vem uma aqui e defende que mulher é "naturalmente" mais importante? (o porquê das aspas - esclarecer que mesmo que mulher tenha o dito na reprodução, ela não é socialmente mais importante que o homem). E cruzes, cromossomo Y NÃO é mutação genética. SIM, todo mamífero é fêmea até certo ponto da gestação porque o cromossomo Y não se manisfesta até a determinação dos órgãos sexuais, e NÃO porque até aquele ponto só há cromossomos x. Dizer que "cromosso y é mutação genética" implica que o natural da espécie humana é ser fêmea - e a única reprodução possível assim é mitose. ESSE é o problema de usar biologia de ensino médio - errar concepção porque na verdade só viu uma abordagem rasa do assunto e ainda achar que qualquer pessoa que corrija está usando a falácia do argumento de autoridade. Kittsu, o que se vê dos comentários do post é exatamente a confirmação da crítica do texto: quem quer que discorde de vocês é automaticamente mascu, tá fazendo iuzomismo, mansplaining.

Kittsu disse...

Na verdade é porque já conheço essa doçuras de outros carnavais. Já usaram em outros momentos essa tática desonesta de se passar por mulheres Feministas para travestir o movimento com misandria, distorcendo as premissas do feminismo para tal. mais de uma vez, a mesma pessoa usou fotos de terceiros sem autorização e foi descoberto. Essa pessoa a quem você se dirigia (que disse que mulheres são mais importantes) é um desses.

Kittsu disse...

Na verdade é porque já conheço essa doçuras de outros carnavais. Já usaram em outros momentos essa tática desonesta de se passar por mulheres Feministas para travestir o movimento com misandria, distorcendo as premissas do feminismo para tal. mais de uma vez, a mesma pessoa usou fotos de terceiros sem autorização e foi descoberto. Essa pessoa a quem você se dirigia (que disse que mulheres são mais importantes) é um desses.

Anônimo disse...

sou o mesmo cara das 13:13 de ontem e das 13:29 de hoje.

falei que era homem desde o principio. tudo o que fizeram foi pegar tudo que escrevi e distorcerem a seu agrado. fizeram de minhas palavras um dos espantalhos mais mal feitos que já vi.

um me tacha de comunista, outro de mulher, inventaram que usei de fatos biológicos pra fazer ''ditadura feminina''.

ah, vão se foder. em que planeta mulheres oprimem homens seus bostas? e onde fiz o que vocês alegam?

não fui eu que falei do ''Y é mutação'', e sim que o homem é derivado da mulher, que não é ele o corpo-matriz, um analfabeto funcional que misturou coisas que eu escrevi com palavras de outros.

tudo pra vocês é ditadura, vocês não aceitam que eu não concorde com vocês, que eu seja homem e não odeie mulher igual vocês, vão se foder. é minha opinião.

mimimi de marmanjo de ''mulher malvada'' é foda de aturar, cresçam.

mongoloides incapazes de compreender um pequeno texto sem fazer uma confusão desgraçada...

e pela ultima vez, caralho! eu não sou mulher, e nunca disse que era, porra!

Raven Deschain disse...

Anon, começa a assinar seus posta, cara. Tou me rachando com o 'eu não sou mulher, porra'. Kkk

Vc deve ter falado isso umas sete vezes.

Kittsu disse...

Tô morrendo de rir aqui do maluco tomando as mágoas de todas as vezes que falei que *alguém* estava fazendo x. toma uma maracujina.

Julia disse...

13:29 nome, você tem? Se não tiver inventa um. É ir em Responder como: Nome/url.

Anônimo disse...

"Altruismo também me parece ser uma caracteristica humano, inclusive, aparecendo mais na socialização de mulheres que de homens"
-
Me aponte um caso de uma mulher perdendo a vida e ae arriscando, em um salvamento, e eu te aponto dez casos de homens na mesma situação.

Anônimo disse...

Tem um filme sueco chamado "força maior" que critica essa ideia de que os homens "se sacrificam pelos outros". É obvio que existem muitos casos de salvamento e tal, mas sempre que falam que é natural dos homens salvarem os outros, eu me lembro do caso de uma garota indiana que foi estuprada em um onibus em nova delhi e o mostorista nem se deu o trabalho de parar o transporte...ou no caso do cara canadense que atirava nas mulheres e nenhum homem fez nada. Eu acho a maioria dos casos de altruismo é em relação da mãe ao bêbê porque em geral é cada um por si.

Loko disse...

sou eu o ''do não sou mulher, porra''.

não tomei magoas, inclusive perguntei se era de mim, já me fizeram de espantalho demais aqui.

vou assinar agora como Loko, pode ser que algum malandro faça o mesmo pra confundir. mas meu jeito de escrever é único...

Graciema disse...

Acho engraçado que a única forma de altruísmo que os homens lembram nesse tipo de discussão é o de dar a vida por alguém. Não tô desmerecendo isso, mesmo. Mas da mesma forma que homens fazem isso, também são os agressores...e infelizmente isso é raro. Já vi mulher apanhar do marido, mas nunca vi nenhum homem ajudar nessa hora. Claro, minha experiencia nao é determinante. Mas me deixa cetica com esse discurso lindo do macho protetor.

Mas o altruismo o da mulher que abre mão de quase tudo, inclusive necessidades básicas, como sono, pra cuidar de uma criança. Homens tambem podem fazer isso, mas a socialização pra fazer é da mulher. De fazer serviços não remunerados pros outros. De cuidar dos doentes e idosos na família. De chegar do trabalho e preparar a refeição. De sentar e ouvir quem precisa...não grandes atos de heroísmo. Mas ser altruista a vida toda, todo dia. De buscar e levar na escola, no médico, de cuidar...

Anônimo disse...

Nunca vi tanta bobagem junta...Misandria...papinho tipo Spike Lee. Muito conteúdo de in teresse psiquiátrico!

B. disse...

Achei o texto bem chatinho de ler, mas concordei em MUITOS pontos...

Tem grupos e comunidades feministas no Face que tão só misandria, com direito a piadinhas tipo "Qual a diferença entre um homem e uma pilha? Ah, a pilha tem um lado positivo". Vê se pode!

Outra coisa abordada pelo texto e que me incomoda é esse dicotomia "homem machista do mal X mulher sempre certa"

Aos olhos dessas feministas, TODO homem é machista, e NENHUMA mulher é machista, e pra tirar o delas da reta dizem que "mulher reproduz o machismo".

Aham, sei.

Não Loko disse...

Para o Loko, (que não é uma mulher, porra!)

Me espanta você embasar sua argumentação em algo que você não domina (no caso a biologia). Você confunde conceitos, parece ignorar completamente o processo evolutivo dos seres vivos, e pior, parece ignorar o fato de que a relação de gêneros na natureza é distinta entre as espécies.

Você confunde conceitos porque os cromossomos XX e XY não definem com total certeza o sexo biológico de uma pessoa. É só ler um pouco sobre intersexo e você compreenderá isso. E é mentiroso dizer que todo embrião é fêmea no inicio da gestação (no caso dos seres humanos principalmente). No inicio apenas não há diferenciação, o que existe é a formação de um órgão proto-sexual comum. Ou seja, se você se basear apenas nos órgãos reprodutores, o embrião não é nem "macho" nem "fêmea". Em determinado ponto, esse órgão comum começa a se transformar nos órgãos sexuais: se o feto for XY, haverá produção de testosterona que gerará os órgãos masculinos. Se for XX, não haverá essa produção, os hormônios femininos entram em ação que gerará os órgãos femininos. Se houver alguma "falha" nesse processo, haverá o intersexo.

Não Loko disse...

No ponto de vista evolucionário, sua afirmação de que macho teria vindo da fêmea também não é verdade. Se você pegar a árvore das espécies, verá que muitas espécies compartilham ambos os sexos. São macho e fêmea ao mesmo tempo. Você pode observar isso em muitas espécies invertebradas, como insetos, moluscos, etc. Poderá observar isso inclusive em algumas espécies vertebradas. Em determinado momento começamos a ver uma separação sexual gradual. Muitas espécies possuem os 2 sexos, mas consegue "ligar e desligar" um deles de acordo com a necessidade reprodutiva do grupo. Vemos muito isso nos peixes e nos anfíbios. Alguns répteis mais "primitivos" também conseguem trocar de sexo naturalmente. Inclusive, a diferenciação sexual nos répteis, durante a fase embrionária, se dá de acordo com a temperatura em que os ovos se encontram. Então não dá pra dizer que o macho veio da fêmea. Apenas ocorreu uma separação gradual entre os sexos, pois foi, evolutivamente falando, benéfico para as espécies que a fizeram.

E do ponto de vista "natural", você precisa estudar individualmente as relações de gêneros no processo reprodutivo entre as espécies para depois traçar um plano comum. Nos mamíferos, a fêmea é o centro indiscutível da gestação. Mas o papel reprodutivo não se reduz apenas à gestação. Se pegarmos os grandes primatas(grupo no qual fazemos parte), podemos ver uma diferença de comportamento entre os chimpanzés e os bonobos por exemplo. Os chimpanzés são patriarcais, onde o macho alfa tem o poder, conquistado à força bruta, de cruzar com as fêmeas do bando (acho q foi daqui que os mascus tiraram a teoria da hipergamia hehehe). As fêmeas não tem escolhas, são literalmente violentadas e tratadas como lixo. Há uma hierarquia clara e violenta, onde o macho alfa manda em todos, seguido por outros machos mais fortes. Na base da piramide estão os mais velhos, os filhotes e as fêmeas. Já nos bonobos a coisa é muito diferente. A "sociedade" bonobo é matriarcal, onde a fêmea alfa conquista seu espaço de maneira política (sim, a fêmea que se relaciona melhor com o grupo é a líder). As relações reprodutivas são mais livres, embora haja uma procura maior entre as fêmeas mais "altas" na hierarquia. Bonobos são em sua essência bissexuais, pacíficos e altruístas. Então observa-se uma maior participação do macho na "criação" dos filhotes.

Isso porque só analisamos 2 espécies de grandes primatas. Se olharmos para outros mamíferos, vemos uma infinita gama de comportamento e papéis entre os gêneros com a prole. Um exemplo bem marcante é dos búfalos. Os búfalos possuem uma organização social bem intrigante, onde todos os membros da manada, macho ou fêmea, dividem as obrigações de proteção da prole e da busca por alimento. Apesar de haver disputas entre machos para acasalar, no geral, os búfalos são pacíficos entre si e buscam sempre manter a manada coesa e protegida, sendo que os indivíduos mais fortes, seja macho ou fêmea, ficam na linha de frente (por sinal, o búfalo é usado pelos mascus como símbolo de masculinidade e força, sendo que as manadas possuem mais fêmeas que machos. Hue hue novamente mascuzinhos hahahaha).

Loko Original disse...

ao ''Não Loko''. que além de me plagiar é confuso. parte você parece discordar de mim mas em parte concorda. milagre não ter dito, ''não, é do barro''.

falei de conceitos biológicos vulgarmente, bem básico, simples, até simplista.

nunca disse que dominava biologia, você está dizendo isso.

não disse que era um padrão unanime em toda a natureza, falei de seres humanos e ilustrei no mundo animal a superioridade da femea em algumas espécies, principalmente insetos.

tu fez uma confusão do caralho.

esquece os animais, vejamos a nossa espécie.

- os mamilos dos homens são inúteis. os mamilos originais e com colostro são da mulher.

- pênis e testículos são ''originados'' do clitóris e ovários (veja as semelhanças físicas).

-todo embrião começa feminino, um dos fatores determinantes é o gene SRY, localizado no Y, que determina o TDF, se já feto será macho ou femea, mas lá no inicio começa femea que vai se modificando, um efeito cascata.


você falou de macacos violentos com as femeas, o que isso tem a haver? isso torna o macho mais importante?

Anônimo disse...

Não loko, existem espécies de lagartos que existem apenas fêmeas, que se reproduzem por partenogênese. E nas sociedades matriarcais dos insetos, como as abelhas, o zanão morre depois de ter fecundado a rainha, e outros como louva-deus ou viuva negra devoram os machos depois do acasalamento. Apenas mais curiosidades. E mais, outros animais que os mascus adoram idolatrar comos os lobos, esquecem que na alcatéia existe a fêmea alfa e ela também lidera o grupo.

Não Loko disse...

Voltando pra terminar o comentário (trabalho tá tenso hehe)

Loko, eu acho de uma besteira gritante esse assunto de quem veio primeiro, até porque nenhum dos dois veio primeiro, foram mudanças graduais ao longo de milhões de anos de evolução. Não foi algo abrupto ou arbitrário. Não é uma questão de decidir quem é o ovo e quem é a galinha e quem veio primeiro!

Outra besteira gritante é tentar achar quem tem um papel mais importante na natureza. Cada espécie tem uma forma distinta de sobreviver. O gênero é só uma característica dos seres vivos, e não é muito determinante para a sua sobrevivência. Há espécies onde o gênero só serve para a reprodução mesmo, como nas abelhas, onde o macho e a fêmea ativos só servem para reproduzir. As operárias são estéreis e não tem papel nenhum na reprodução.

Não Loko disse...

Loko, o embrião NÃO COMEÇA FEMININO. O embrião é um punhado de células que vão se especializando durante as fases embrionárias. O embrião não possui sexo definido no começo. A diferenciação sexual só ocorre depois. Até lá, o sexo é indefinido. Não é nem feminino nem masculino. O intersexo existe justamente por conta disso.

Loko disse...

''Não Loko'' é também ''não inteligente.

quer falar de inferioridade feminina citando abelhas. kkkkkk

abelhas? onde existe rainha mas não um rei?

onde o macho reprodutor não vale bosta nenhuma e MORRE após fecundar a rainha que só o que ele serve.

Parabéns, escolheu a espécie certa, fera.

Loko disse...

Não Loko, é claro que a fêmea não é mais importante, porque seria?

- porque carrega, gera e cria?

- porque tem capacidade de amamentar, que o filho/filhote com a mãe não morre de fome?

- porque os machos sempre saem na porrada pelas femeas?

- pois quem tem a obrigação de conquistar e agradar sua femea é o macho?

''ah, mas tem uns que não são assim''.

de fato, mas é exatamente o que digo, se a exceção da regra é essa, a regra é a femea superior...

fim.

Não Loko disse...

Quem falou em inferioridade feminina cara?? Realmente você é "loko". Citei as abelhas porque, para a colmeia, tanto a rainha qto os zangões só servem para reprodução. Os zangões morrem no final, e daí? A rainha só come e bota ovo. Não faz mais nada. Quando fica velha, as operárias dão geleia real para outra larva, que vira a rainha e mata a antiga. Quem faz a colmeia funcionar são as operárias, que são estéreis, não tem função reprodutiva nenhuma. Na espécie de sapos Rhinella proboscidea, o macho mata a fêmea durante a cópula, e fica abraçado com o corpo até q ela libere os ovos. Isso faz a fêmea ser menos importante? Sua lógica não faz o menor sentido.

Eu falei que não há papéis mais ou menos importantes na natureza. A luta pela sobrevivência é feita de maneiras distintas entre as espécies. Usar a natureza para apontar um gênero superior é besteira, é estúpido, é desonesto. Seja pelo "macho superior", seja pela "fêmea superior".

E como eu disse antes, nos MAMÍFEROS a fêmea tem uma responsabilidade indiscutível na gestação. Répteis, anfíbios e peixes cagam pra prole. Eles botam os ovos e caem fora. Poucas espécies cuidam dos filhotes. Essa responsabilidade começa a ser comum nas AVES, onde a grande maioria delas tem responsabilidades iguais com a cria. Um exemplo de como a natureza NÃO é uniforme são os Pinguins, onde o macho cuida da prole enqto a fêmea vai arranjar comida.

Loko disse...

''escravoceta'' ó as ideia do cara.

realmente, estou muito ofendido, como posso eu não sentir nojo de buceta igual você sente né?

teu ódio de mulher já te cegou, meu velho...

''quem tem obrigação de agradar a fêmea é o macho''

esperei argumento provando o contrario e tu me vem com ''escravoceta''...

veja todas as espécies do mundo, veja quem corre atrás de quem, veja quem tem que esperar o outro estar com vontade (cio), veja quem luta até a morte pelo outro..

não cara, mulher/fêmea não vale nada pra você! seu otario...

Domingos Tavares disse...

Bom, não sou feminista (apesar de me interessar pelo assunto). Mas já tive algumas vivências entre feministas e me parece que o descrito no texto está totalmente correto, mesmo não sendo gabaritado pra falar qualquer coisa sobre ele.

Quanto ao "azmina" no título, pra mim é a mesma coisa que no texto que falava sobre "uzomi": não acho que combine com a seriedade do texto.

Anônimo disse...

Que "lokura"esses comentários! Kkkkkk

Off-topic

Oi Lola,

Sou feminista e praticamente nova leitora do blog e gosto muito dos teus textos, embora não concorde com tudo. Te vi pela primeira vez no Riso dos Outros, que assisti há tempos, mas não faz muito que descobri o blog (e já te acho foda <3 ).
Mas eu tenho uma dúvida. O que você está achando do governo da Dilma? Há quem diga que ainda é cedo pra falar alguma coisa, mas eu estou confusa sobre o a presidenta ter cortado benefícios e direitos do trabalhador, o que ela disse que não faria.
Só pra constar, não sou esquerda nem direita, não conheço muito bem sobre esses dois movimentos políticos, embora seja a favor dos direitos das minorias (o que pelo pouco que sei, é enquadrado nas ideologias de esquerda).

Desde já te agradeço, flor.
Beijos...

Camila

Anônimo disse...

Texto muito bom, análise corretíssima do início ao fim, lacrou muito!

Daniela

Zueiro disse...

Tá com medinho dos Ozomi ?? "e não vou mencionar minha conta aqui pra não ser seguido por bunda moles " Isso é medo ou respeito ??

Marceleza disse...

Corcordo em número, gênero e caso...