sábado, 14 de fevereiro de 2015

"NUNCA BEIJEI NA BOCA"

Hoje é carnaval (e, depois de três anos, desisti de viajar nessa data), e também é uma data sem importância pra gente, Valentine's Day. Mas me lembro do Valentine's que passei nos EUA, sete anos atrás.
Sábado passado eu ainda estava em Buenos Aires, e descobri que lá também se comemora dia dos namorados no dia 14 de fevereiro. No lindo hotel que ficamos, o Castelar, um hotel fundado em 1929, estavam oferecendo uma grande promoção para casais que quisessem passar uns dias lá (e valia pra todo o mês de fevereiro): 
diária completa com um ótimo café da manhã, mais um
jantar especial com champanhe, mais check-out às 15h, mais uso do spa (o hotel tem dois andares de spa, um pra homens, outro pra mulheres, com saunas e pequena banheira de hidromassagem), tudo isso por 900 pesos, o que dá, no câmbio negro, uns 200 reais. Ainda vou falar mais de mi Buenos Aires querida.
O email abaixo eu já recebi faz um tempão, e nunca respondi (desculpa, gente, falta tempo). Então vou responder, mas vocês precisam me ajudar um pouquinho:

Meu nome é A., tenho 21 anos, e acredite: nunca beijei na boca. Às vezes me pego perguntando: por que sou tão paranoica? Tem rapazes a fim de mim, mas surgem mil empecilhos na minha cabeça. Um problema que vejo é a minha casa, que é muito simples. Sei que é um problema bobo demais, até porque não convivo com ricos, mas me aflige muito.
Também sonho demais, acho que é meio um escapismo. Sempre me vejo linda, com um corpão à la Panicat, com um carrão. Detalhe: não tenho nada disso e não consigo imaginar que um dia serei feliz sem essas coisas. Lendo seu blog aprendi a olhar a realidade e esse padrão de beleza fictício, mas não aprendi a não me autossabotar com pensamentos.
E o pior é eu entrar num relacionamento imaginando que o rapaz me achará uma idiota por eu ser tão inexperiente. Sempre esperei por um homem muito compreensivo, mas ele nunca aparece e acho que nunca vai aparecer... Escrevendo isso me sinto uma boba, por isso que não falo com ninguém a respeito, tanto que nem tenho amigos, só amizades superficiais, colegas. Imagino o quanto as pessoas devem me achar fechada, brava e estranha. Escuto isso desde sempre e meus familiares nem devem imaginar que sou assim, devem imaginar que estou sozinha para focar nos estudos, e se eu falar vão achar que estou fazendo drama.
Sei que você não é psicóloga nem nada, mas te acho tão inteligente e habilidosa com as palavras, e só queria isso: escutar umas palavras confortantes pra minha angústia e medo da solidão, que só crescem.

Minha resposta: A., querida, você tem 21 anos e já está com medo da solidão? Tem muito tempo pra isso, sua vida ainda está muito no comecinho. 
Você mesma diz que as coisas que te afligem são bobagens, e são mesmo. Ninguém precisa ter uma casa sofisticada, um carrão ou um corpão pra ser feliz. Aliás, existem pessoas com tudo isso que não são felizes. Por que você vai acreditar num padrão de felicidade vendido pela propaganda? 
Quanto à inexperiência, lamento dizer que há vários homens que ficariam aliviados por você nunca ter beijado ou transado com alguém e, assim, não ter muitos meios de comparação. Mas minha sugestão é pra não dar muita atenção pra esses caras inseguros e machistas. Inexperiente todo mundo já foi um dia, e sabe, não é tão difícil beijar/transar. Não exige grandes técnicas. A gente vai se conhecendo, conhecendo o parceirx, descobrindo o que cada um gosta, experimentando.
Minha opinião é que, quando se tem amigos e amigas, as paqueras surgem mais naturalmente. Não se preocupe tanto com o que as pessoas acham de você. E se preocupe bem menos com o que você acha de si própria, porque sua autoestima não tá legal. Você pode sair por aí beijando sem grandes expectativas (dizem que carnaval é uma excelente época pra isso), ou você pode deixar suas ansiedades de lado, que as pessoas e as horas certas vão aparecer.   

42 comentários:

Yami disse...

Poxa, toda a insegurança masculina parte de machismo?
Eu vejo nela uma versão feminina de mim, eu só fui beijar na boca aos vinte, e ela não tinha nada de inexperiente, era 13 anos mais velha, era casada, mas estávamos apaixonados e o que me aliviava era que eu sabia que ela gostava muito de mim.

Fui pra cama pela primeira vez já perto de completar 24 anos, com uma garota de programa, não me senti à vontade e aquilo não foi legal. Mas foram essas as únicas vezes que beijei e fiz sexo, e tudo por causa de insegurança. Tenho medos bobos, como ela. Tenho pavor de ser julgado. Cresci ouvindo que não sabia fazer nada direito, acho compreensível acabar acreditando nisso.

Enfim, espero que a moça se solte e consiga ser feliz. Muitos de nós temos medo, eu não posso dar conselhos porque, eu não consegui superar até agora.

Anônimo disse...

Moça, sei como é não ter experiência até uma idade em que as pessoas parecem todas já terem superado isso e sei que dá uma insegurança do tipo "o que fulan@ vai dizer se souber?". Minha solução para isso foi não contar para a minha namorada que era virgem até muito depois de ter acontecido, o mesmo para o primeiro beijo, com outra garota. Foi minha solução para os envolvidos ficarem mais tranqüilos, e deu certo (apesar de que cada pessoa fica bem ao seu modo), afinal é feito para dar certo, de verdade, se tiver carinho não tem como errar.

Também, tome seu tempo, a vida está sempre aberta a coisas boas acontecerem, de verdade, a menos que você queira, não precisa sair com qualquer um. Por outro lado, sempre tem alguém para te achar bonita, e em um relacionamento a paixão dá conta de com o tempo cada detalhe seu contribuir para que você e seu parceiro não só se amem mais, mas também apreciem cada vez mais a beleza um do outro. De perto, todos somos lindos. E existem homens compreensivos sim.

Boa sorte e, com tranqüilidade e abertura para a vida, coisas boas vão acontecer. (Agora, concordo, é muito difícil achar alguém que pareça próximo o suficiente para se falar desse tipo de tabu).

Anônimo disse...

Vamos todas sentir pena do ómi?

http://i.imgur.com/eas79I1.png

A Priscila é uma das pessoas que fez aquela intervenção na propaganda horrorosa pró-estupro da Skol

Gildinha disse...

Oi, A.
Eu demorei para dar meu primeiro beijo na boca, foi aos 16 anos. Hoje vejo que não foi demora não, mas eu me achava muito 'lerda' porque todas minhas amigas já tinham ficado. E quando a gente é novo tem esse lance de comparação e de concorrência, o que só piora as coisas. Um dos meus medos era de ficar com algum garoto do colégio que depois ficasse falando mal de mim, isso era apavorante. Comecei a frequentar outros lugares. Um dia vi que o SESC da minha cidade ia promover uma mini-maratona e decidi ir, pra fazer algo diferente. Lá conheci um garoto um ou dois anos mais novo do que eu, ficamos amigos e combinamos de nos encontrar numa festa que teria naquela semana. Nos encontramos na festa, depois saímos para conversar e ficamos, e assim foi meu primeiro beijo, e acho que o dele também. Não me lembro de sentir borbulhas no estômago. Sei la, foi normal. Certamente não foi o melhor beijo da minha vida, até porque isso a agente aprende com a prática. Com o tempo fiquei com outros garotos da minha idade, já dei muito beijo ruim, recebi também muito beijo ruim e teve muito beijo maravilhoso. Depende da química que se forma no momento. No meu primeiro beijo, eu e o garoto estávamos muo nervosos para curtir, mas foi legal.
A dica que eu te dou é relaxar, não ficar esperando o príncipe encantado. E procura garotos da sua idade ou um pouco mais novos, para vocês aprenderem e curtirem juntos a novidade. Nesse momento da sua vida, não se iluda com caras muito mais velhos, geralmente são manipuladores.
Olha, outra sugestão é você ir no carnaval ou numa festa (de preferência onde não tenha muitos conhecidos, mas leve uma amiga junto por segurança) e beijar muuuito. Se joga e curte o momento.
E não precisa contar para o cara que é seu primeiro beijo, deixa esse ser um segredo seu. ;)

Anônimo disse...

Tenho 20 anos e estou no mesmo barco. Mas ao contrário da moça do post, nunca ninguém se interessou pela a minha pessoa.
A parte dos amigxs é verdade, com um ciclo de amizades fica mais fácil de conhecer uma pessoa bacana. Mas como também não tenho amigos próximos só me resta esperar e tentar ser útil a alguém antes da morte.

Anônimo disse...

Menininha insegura = prato cheio para lesbicas feministas.

Anônimo disse...

Sim, siga o conselho da Lola, pegue uma herpes.

Anônimo disse...

Que dó dessa menina! Filha vai transar loucamente que essas paranoias melhoram ta. Ou fazer análise

Anônimo disse...

Quem sabe vcs não formam um casal?

Anônimo disse...

Meu primeiro e único beijo foi com uns 15 anos e sinceramente foi péssimo. Me arrependo de ter contado pro cara que nunca havia beijado porque com o tempo percebi que ele se aproveitou dessa informação, melhor não contar nada e deixar acontecer. Já fui bastante insegura assim como você, com essas mesmas neuras bobas e o tempo é um senhor remédio, depois que venci as neuras e adquiri segurança e autoestima cheguei à conclusão que ficar só é melhor que mal acompanhada e não é o fim do mundo, sou mais velha que você e me sinto muito bem sozinha e pra eu dar chance a algum cara ele vai ter que valer muito a pena (o que é uma raridade) porque os exemplos de relacionamento que vejo são muito limitadores e homens que não queiram controlar o relacionamento e a mulher são raros.

Anônimo disse...

Olá, A.
Vou dividir aqui minha história:
Eu beijei pela primeira vez com 15 anos e foi num esquema assim: saí com minhas amigas pra uma balada fora da cidade e beijei 3 caras, nem olhei quem eram, como eram, só beijei. Precisava "perder o bv", tinha muito medo de beijar algum cara que eu gostasse e ser horrível, então quis tirar esse peso dos ombros...
Depois, só fui beijar outra vez com 18 anos. Eu sou bonita e sempre tinham caras interessados em mim, mas eu era extremamente insegura na escola, muito muito fechada, acho que me viam como "bravinha" também...
Aí com 18 anos eu fui viajar e fiquei com um cara mais velho, que também foi o primeiro cara com quem transei. Eu não falei pra ele que era virgem e não acho que ele percebeu. Muito menos comentei que minha experiência com beijos era quase nula, só fui.
Aí desde então eu beijei mais alguns caras e transei com mais outros - mas as inseguranças sempre aparecem... nunca tive um relacionamento, por exemplo.
Bom, espero que tenha ajudado em algo. Escutar de experiências parecidas, pelo menos pra mim, é bem reconfortante. Boa sorte, se joga, e saiba que nunca é tarde pra nada na vida!

Anônimo disse...

Olá A,
Eu tenho 43 anos e tenho que fazer um grande esforço pra me lembrar da época do meu primeiro beijo. ....
É o que a Lola falou: você tem muuiittaaaa vida pela frente!
Curta essa fase, mesmo que amargando os desafios (como agora!), mas saiba que não é o fim do mundo: é só uma fase!

Anônimo disse...

Poxa, sempre fico tocada com esse tipo de história porque também perdi o BV com mais idade que todas as meninas que eu conhecia (no meu caso, foi 17). Meu namorado foi meu segundo beijo, e até hoje não fico confortável de contar isso pra ele. Confessar que antes parecia que ninguém te queria, saca? Mas fico feliz que não seja esse o seu caso! Olha, quanto à questão da casa, pense que não necessariamente a pessoa que você beijar vai chegar a te conhecer bem o suficiente pra saber onde ou como você mora. Pode ser numa festa, pode ser o o primo do namorado do fulano com chances mínimas de conviver contigo caso vc não queira. E se alguém que você quisesse um relacionamento sério pensar mal de vc por causa da sua casa, bom que você reconhece um babaca e não fica mais perto desse tipo. A questão do carrão suponho que seja a mesma coisa: ninguém precisa saber o quão simples ou extravagante é a sua vida. Sobre o corpão, ou ser gostosa ou bonita de um modo geral, relaxe! Se tem gente interessada em vc é porque já te acham atraente. Eu sei que falar é fácil, mas às vezes uma palavrinha de encorajamento ajuda. Melhores votos pra vc! E pros amigos anons que já passaram pela mesma situação um brinde a nós!

Gildinha disse...

Como já falaram aqui, não conte para a pessoa com quem você vai ficar que esse é seu primeiro beijo, sobretudo se for um homem mais velho. A primeira vez que transei foi com um cara 20 anos mais velho que eu (meu primeiro beijo foi com 17, e minha primeira transa foi com 23. Tá vendo como nem todo mundo começa a vida de beijos, amassos e sexo tão cedo?! Fica tranquila, querida!). Sabe, eu acreditava naquela história de que homem mais velho é tudo de bom, mas não é bem assim. Eles são mega manipuladores, se aproveitam muito da nossa insegurança e inexperiência e nos manipulam a fazer coisas que não queremos, ou ainda não estamos prontas emocionalmente para lidar.
Há muita mistificação em torno do primeiro beijo e da primeira transa. Uma dica, não romantize tanto esse momento. Vai lá, olha um cara que tu curtiu e da um beijo ou dois. E depois se afasta, porque o cara pode querer transar contigo e você pode ainda não se sentir pronta. Mal lembro de como foi meu primeiro beijo, faz mais de dez anos isso. Mas lembro que um dos melhores beijos foi com um garoto que era, para os padrões de beleza, muito feio. E nossa, como beijava gostoso. Uma vez fiquei com um guri gordinho que tinha um beijo delicioso também. Faz mais de oito anos que estou numa relação estável, amo muito meu companheiro e quero ficar com ele ate o fim da vida, mas, sinceramente, ele não foi o meu melhor beijo (e é claro que jamais vou contar isso para ele). Sabe, a vida é muito maior que um beijo, as relações são bem mais complexas que isso. Mas mesmo assim, beijar é bom!!!
Querida, não se aflija. Vai lá, fica com alguem que tu não conhece muito, procura alguém mais ou menos da tua idade. Quem sabe conversa com um guri que tu perceba que TB seja tímido, vocês podem dar o primeiro beijo juntos e essa relação se tornar uma amizade.
Aos guris que pouco beijaram e se sentem inseguros também, não tenham tanto medo de errar não. É difícil errar um beijo, isso é uma coisa que a gente pega o jeito. Guris, ao contrário dos homens mais velhos, geralmente manipuladores, as mulheres mais velhas são compreensivas e afetuosas. #ficaadica

Gildinha disse...

Ah, outra coisa, desencana dessa história de corpo de panicat. Os homens não são todos iguais e por isso, nem todos gostam ou gostariam de corpo de panicat. Eu tenho um amigo que é tarado por mulheres mais gordinhas. A primeira vez que ele disse isso eu ri, achei que ele estava brincando, pois eu acreditava que todos os homens eram iguais e que todos queriam uma mulher de playboy. Esse amigo me disse: 'ora, se tivesse uma mulher de playboy afim de mim, eu não dispensaria,mas gosto mesmo e de mulher gordinha, com formas e muita carne.' Tem homem que adora mulher beeem magrinha, outros ficam com tesão em mulher tatuada, tem homem que odeia tatuadas. Tem homem que adora mulher de cabelo curto e homem que só gosta de cabelo comprido. Sabe, o importante é se amar e se valorizar, existem vários tipos, cores, formas de corpos humanos. A mídia e a publicidade dizem que só um tipo de corpo que importa, mas é mentira.

Juliano B. disse...

Tenho 25 anos, tive meu primeiro beijo aos 15 e a primeira transa aos 16.

O beijo foi "arranjado". Eu também era paranoico, na época, por pensar que eu era "o último da turma" a beijar - e também por me imaginar desajustado para a classe com a qual me relacionava, ou seja, também me envergonhava por ser o mais pobre da turma e achava que isso tinha alguma coisa a ver com o fato de alguém se interessar por mim! (Pode até ser que tenha, mas dessas pessoas quero somente distância...)

Todxs colegas, desde a 8ª série, já me pareciam tão extrovertidos e conhecedores dos prazeres do corpo! Eu me constrangia por ainda não ter beijado ninguém... até que, já no meu 2º ano, minha cunhada da época me "arranjou" uma conhecida dela. Era assim que aconteciam as coisas há 10 anos? Ou ainda hoje os adolescentes funcionam assim? Pela pressão, nesses encontrinhos arranjados..?
Enfim: marquei com a menina, nos encontramos, conversamos... e, lá pelas tantas, rolou o beijo. Mas eu não gostei, ela não me era atraente, não simpatizei com ela, foi mesmo uma barra forçada!
Me vi lembrando disso agora por causa da postagem da nossa amiga A. ... Vejam só, nem gosto de lembrar!

Tudo por culpa de quê? Da ditadura da sexualidade! O poder, hoje, quer que nós sejamos tão afetivamente vulneráveis para que se efetive a exploração que todos têm a "obrigação" de, ao menos parecer, terem traquejo no exercício do prazer. O que é uma monumental mentira. Essa obrigação de parecer algo é o que nos torna vulneráveis.

Tenho certeza que muitos desses bestiais "mascus" são degenerecências afetivas, gente que responde à essas pressões por parecerem o que não são com violência e ódio irracional por pura insegurança, pavor de se mostrarem impotentes. São infelizes, precisam de ajuda muito qualificada se quiserem viver em paz consigo mesmos...

Se valer de conselho, A.: que seja na farra do carnaval - ou em qualquer outra balada que o valha - ou seja com a intenção de estabelecer um relacionamento... faça apenas o que te der vontade. A vontade é o grande lance. Toque um gigantesco FODA-SE às expectativas das pessoas! Beijar, não pra se mover pelo medo do que se possa imaginar de você (como eu fiz), mas pela expressão mais profunda da sua vontade! Aí vai ser um espetáculo! Preencherá de sentido a vida... Pra isso, você só precisa conhecer a si mesma.

Só pra constar: minha 1ª transa foi com uma colega do 3º ano com quem eu havia começado um namorico... durou pouco, mas foi bom demais! Porque foi natural, a expressão mais profunda da nossa vontade naquele momento.

Juliano.

Anônimo disse...

Muito legal :)
http://virgula.uol.com.br/lifestyle/pesquisa-realizada-com-mulheres-de-nove-paises-diferentes-conclui-que-as-brasileiras-sao-as-mais-feministas/#img=22&galleryId=46536

Anônimo disse...

Essa é pra casar.

Anônimo disse...

Não que eu seja assim tão experiente, mas eu sugiro para a moça, puxando um pouco pelo que a Lola disse: Comece pelas amizades! Boas amizades, mas não deixe de lado uma busca pelo autoconhecimento. =)

Conversando com as pessoas, você perceberá que estes são os problemas de muitos: Se sentir sozinho, ter problemas de relacionamentos amorosos e etc. Acho que é até problema de todos, sabe? Pelo menos em algum momento da vida.

A questão é que poucos são corajosos, assim como você, para admitirem os problemas que estão passando. Nós somos bons na arte de fingir, de nos enganar e enganar os outros passando a imagem de "fodão".

Não pense que você está sozinha, as inseguranças que você tem, muitas pessoas também têm, seja aos 20, 30, 40, 50... rsrs

Foi por isso que Cinquenta Tons de Cinza fez tanto sucesso kkkkkk Brincadeira!

Eu estou caminhando para os 24, ainda com o lacre e tendo beijado apenas uma pessoa quando tinha 16 ou 17 anos, não lembro bem.

Mas quer saber? Depois de muita paranoia cheguei a conclusão de que não sou um ET, tenho qualidades, defeitos e inseguranças como todo mundo. E isso não me torna problemática, porque todos temos nossos desafios e isso você pode ver aqui, pelos comentários e pelos milhares de comentários pela internet.

A dica de amiga que dou é que você esqueça um pouco isso, até porque você só tem 21 anos! 21 anos, cara! Vá fazer amizades, estudar, trabalhar, conversar com as pessoas, ir as festas, viajar... Enfim, viva sua vida e tudo acontecerá naturalmente. E ligue o foda-se para os chatos de plantão. Aqueles que te encherem o saco é porque estão numa situação muito pior, porque uma pessoa para se preocupar com a vida alheia só pode ser um frustrado com a própria vida.

Feministas 1 x 0 publiciotários disse...

Nossa, essa Priscilla é fantástica! Ouvi uma entrevista dela numa rádio gaúcha e achei ótimo como ela se posiciona.

Estragadinha disse...

Uma palavra: desencana!
Deixa a vida acontecer. Sério!
Deixa prá lá a neura de que " na idade em que estou não é normal ainda não ter beijado na boca", porque, na boa, não tem idade para isso não!
Beijei pela primeira vez aos 15 e não gostei, se fosse hoje em dia teria esperado mais e conhecido alguém mais interessante. E se quer saber, transei prá valer ( com todos os finalmente) só aos 30. Nunca me preocupei com a idade. Muito menos ainda em ter bens materiais, e com o meu corpo só me preocupo em manter a saúde. Antes de pensar em com quem você vai perder o BV, você precisa dar um jeito na sua autoestima, fazer mais amigos, sair e se divertir sem ficar pensando se na balada vai rolar beijo. Quando for para acontecer, você vai saber. Sério.
Ah, pode parecer caretice minha, mas não concordo com a ideia de ir para o carnaval e beijar muito.. Deixa as coisas correrem naturalmente, não sai beijando só porque quer perder o bv.

Anônimo disse...

Meu conselho pra vc é pra parar de tratar sexo e beijos como uma coisa muito importante ou tabu.

Saia e beije alguém que te atrair sem compromisso. Vc vai ver como é uma coisa mais simples e mais boba do que vc imagina . Colocar muito significado ou emoção numa coisa simples pode dificultar muito as coisas.

Não precisa estar apaixonada pra dar um beijo. Se conheça, se teste, experimente... Sem tanta expectativa. E não precisa falar pra ninguém que é seu primeiro beijo. Isso não é da conta de ninguém e põe um peso desnecessário no ato.

Alice

Anônimo disse...

Ah e mais uma coisa. Não acredito muito no deixe acontecer . Na verdade as coisas acontecem pras pessoas que correm atrás. Se vc não tem amigos, apenas colegas, se abra mais pra eles. Aceite os convites pra sair, se interesse pela vida e problemas deles, conte mais sobre vc, se envolva de verdade com eles. A amizade é uma via de mão dupla. Não ter relações mais profundas com ninguém é uma eacolha sua. Se vc se manter fechada e distante das pessoas não vai ter amigos mesmo.

Então diga mais sim a vida, as pessoas, as oportunidades . Não precisa ter medo de aceitar sair da zona de conforto. É assim que a gente faz amigos novos. Se doando pras pessoas tb.

Vc por medo de se magoar acaba por não viver nada. As pessoas vão te decepcionar isso faz parte de se relacionar. Com amigos ou amorosamente. Mas é melhor que não viver, por causa do medo das pessoas e das coisas.


Alice

Anônimo disse...

Engraçado as pessoas condenar, principalmente mulher, quem se preocupa muito com namoro, sexo, beijo e afins e ao mesmo tempo chama de lerdo e/ou inútil quem não tá nem aí pra essas coisas.

Anônimo disse...

Meu primeiro beijo foi péssimo tb aos dezessete anos, e dps o cara ainda começou a me perseguir. Ia na porta da escola, ligava inúmeras na minha casa... Fiquei tao traumatizada que não queria mais saber de ninguém!!!

Com 21 anos conheci meu namorado e perdi a virgindade com ele, foi a melhor coisa que eu fiz. Eu jah era madura, sabia oq queria e era ter soh uma pessoa na minha vida. Por enquanto tem dado certo.

Denise Marinho disse...

Sempre tive e ainda tenho o pé atrás com essas pessoas que temem muito o julgamento dos outros. Nas pessoas assim que já conheci, percebi muito orgulho. São pessoas que não querem ser percebidas como menos que perfeitas.

Mas eu não conheço você, garotinha, então não posso afirmar. Oq eu te recomendo, fora tudo o que a Alice falou é que você viva menos no campo das idéias, e mais no mundo, sabe?

Boa sorte!

Anônimo disse...

Realmente eu sou temo o julgamento alheio e sou muito orgulhosa mesmo.
Mas não entendi porque tem o pé atrás. Você desconfia de que?

Anônimo disse...

Denise Marinho, temer o julgamento alheio é algo que somos ensinados desde pequenos. Ou você vai dizer que nunca se importou com o que os outros fossem pensar de você se fizesse alguma coisa (ou não a fizesse)?

Não é algo que diz respeito apenas as relações, mas está em tudo. Temer o julgamento do próximo é algo comum em nossa sociedade. Pelo menos somos ensinados a temer, né?

Sempre que me pego pensando neste tipo de coisa me vem a mente os pais que, quando o filho está dando um show num mercado, por exemplo, a reação comum é "Olha, as pessoas ESTÃO OLHANDO PARA VOCÊ! O que elas vão pensar?"

É claro que nisso existe muito orgulho e vaidade. Mas não fique com o pé atrás, porque é algo que todos nós temos, em algum grau, menor ou maior.

Anônimo disse...

Entendo tudo o que essa moça sofre.Tenho 38 anos e também nunca beijei na boca,nunca namorei,sou virgem.Não por que eu não quis,mas por que ninguém nunca se interessou por mim.Sou feia,sem graça,tímida,insegura,não sou descolada como a maioria das pessoas,retraída e minha auto estima não existe.Também evito conversar com alguém sobre isso por medo de ser massacrada e virar alvo de chacota.Nunca pensei em contratar um garoto de programa,seria muita humilhação,ser tocada por alguém só por que paguei.Mas,vc é jovem,te a vida pela frente,eu não,estou velha,e não tenho mais chances com ninguém.

Vinícius Dias dos Santos disse...

Pelo lado da neurociência: é só praticar.

Não digo praticar beijo, digo praticar interação humana. É importante pra introvertidos simplesmente ir para ambientes diferentes e interagir com pessoas. Errar, ser marmota, parecer imbecil, parecer arrogante... não importa: se relacionar e aceitar as consequências da bagunça.

(Não preciso nem falar das questão de segurança e ética envolvida no processo, certo?)

Anônimo disse...

Querida A,
Também tenho 21 anos. Minha história é diferente da sua, mas em ter medo da solidão... Isso é algo que me assombra. Nunca tive amigos próximos, minha família é complicada.
Eu beijei a primeira vez aos 17, e me sentia muito mal por ter essa idade e nunca ter beijado. Ele foi o primeiro cara que demonstrou interesse em mim e fiquei com ele porque estava cansada de nunca ter beijado. Namoramos por um ano e esse namoro me fez muito mal: eu era muito insegura e carente, ele se aproveitava disso fazendo joguinhos. Sofria demais por causa dele e quando terminou isso não melhorou. Terminei e não podia suportar a ideia de ficar sem ele e também a ideia de ficar sozinha.
Seis meses depois, soube por um amigo que tinha um cara interessado em mim. Fiquei com ele e decidi que não me esforçaria para agradá-lo, seria eu mesma e ele podia aceitar isso ou não. Ele aceitou. Perdi a virgindade com ele 3 meses depois. Posso dizer que foi a hora certa com a pessoa certa, que não me arrependo e tudo isso é verdade. Mas também foi porque eu já tinha 18 anos e eu não queria ficar com esse "peso de ser virgem" na minha vida. E sinto alivio por isso, até hoje. Namoramos 3 anos e agora terminou.
Terminou, e estou insegura, com medo da solidão, achando que nunca vou encontrar alguém que goste de mim. Que nunca vou ser boa para ninguém. Ainda não sinto que sou o suficiente para alguém me amar. Continuo insegura e carente. Melhorei, mas os medos continuaram ai.

Denise Marinho disse...

É que eu acho que a pessoa que só se mostra perfeita mostra pouco de como ela realmente é... o relacionamento fica distante, irreal e principalmente: sem graça!

Torço para que a moça do post consiga se divertir assim, sem mais nem menos, sabe? Uma baiana da minha escola disse que "a vergonha é uma coisa que a gente tem que perder".

Denise Marinho disse...

Amay!

Anônimo disse...

Boa noite, Meu nome é Thiago e passo pelo msmo problema dessa menina, gostaria que vc me passasse o email dela ou então q mandasse o meu para ela thiagosantiago92@outlook.com.

espero q vc n publique isso.

obrigado!

Anônimo disse...

Acho que a situação é mais comum do que eu imaginava, tenho 18 anos e beijei uma única vez aos 13, por pura pressão, achava que tava na hora só porque minhas amigas todas já tinham beijado, mas depois dessa vez, que eu odiei por ter sido completamente impessoal e forçada, nunca mais... Eu simplesmente cansei de tentar e travar, não tenho o menor jeito com paquera e nem consigo perceber se tem alguém a fim de mim, então me fechei, ninguém sabe, só minha melhor amiga que também é assim, eu penso todos os dias que é melhor evitar situações como festas em que um carinha que eu não conheço chega em mim e eu só consigo falar não! Mas acho que se eu não começar a enfrentar esse pânico que eu tenho, nunca vou sair do lugar, mas pra falar a verdade eu quase não me importo mais, talvez eu tenha sido feita pra não achar ninguém ué... :/

Julia disse...

A, meu conselho é diferente. Eu beijei pela primeira vez e transei pela primeira vez com 20 anos. Sofri muito antes disso, que nem vc. Quando era mais nova também era muito insegura,só tinha colegas e quase nao saia de casa. Eu sei o quanto as pessoas falarem "desencana" "sai pra uma festa e pega alguém" parece longe da nossa realidade. Eu sei que só consegui beijar na boca porque deixei de ser tao insegura e que isso só aconteceu quando foquei meus objetivos em outras coisas. Eu entrei na faculdade, fui trabalhar, fui ser voluntária. Parece que vc tem muitos problemas de auto-estima e insegurança e acho que o melhor pra resolver tudo isso éfazer algo que te dê prazer e que você se sinta realizada. Vc vai continuar se preocupando sobre ser bv? Vai. Mas posso te garantir que nao vai mais te afetar tanto e que quando vc estiver bem feliz sozinha vai poder beijar quem quiser sem medo do julgamento de ninguém.

Anônimo disse...

Não li os comentários ainda, mas gostaria de dizer que eu deveria ter lido isso antes.

Minha história parece com a dessa moça. Beijei a primeira vez com 24 anos e vi que não é grande coisa.

E hoje descobri que eu tava seguindo um fluxo que não se encaixava com a minha natureza.

Graças a pessoas que pensam como vocês, hoje eu tenho uma visão mais segura das coisas e me sinto mais encaixada no mundo.

O problema é ficar insegura de vez em quando com tanto estímulo ruim. Às vezes fico angustiada com medo de ficar só. Depois paro pra pensar que estou trabalhando internamente e uma oportunidade vai surgir.

Diria a autora que eu me sinto como ela, mas to começando a viver emoções e sentimentos diferentes depois de tanto tempo livre.

Continua acreditando e se questionando. E confia mais no que você vive do que no que dizem pra você viver.

Anônimo disse...

Querida anônima de 38 anos (16 de fevereiro de 2015 10:33),

Eu fiz 30 há pouco tempo e também sou inexperiente como você. Mas graças a Deus estou super de boa. De verdade mesmo. E não tenho o menor problema com a minha inexperiência.

Isso também é um tipo de empoderamento, não? Você se sentir bem na própria pele e com suas experiências - ou falta delas. Se fiz ou deixei de fazer o problema é meu.

Comigo não aconteceu até hoje porque essa década dos 20 foi terrível, mas o negócio é bola pra frente, gata.
Faz novas amizades, saia, se divirta, se permita conhecer pessoas e se deixar ser conhecida. Se não rolar, você pelo menos se divertiu. Para mim está funcionando.

Com carinho

Anônimo disse...

O que mais me chamou atenção é ela admitir que não tem amigos, só relações superficiais. Por que? Até entendo a insegurança física, mas amizade não exige isso em primeiro plano. O que te faz nem ter amigos? Garota, parece que esse é um caminho que você escolheu e está traçando por pura vontade, mesmo sabendo que é errado. Só você pode sair dele.

Anônimo disse...

Penso que os homens nao sabem conviver naturalmente com uma mulher. So ficam manipulando e tentando controla-la.

Anônimo disse...

Tenho 36 anos e beijei uma única vez, quando tinha 15 anos. Foi babado, horrível. O cara era feio e sem graça. Desde então, não apareceu ninguém que me interessasse, dou um azar danado, só recebo cantada de motorista de ônibus, peão de obra e afins. Depois engordei, hoje peso 81kg, e meu corpo já não é legal, o que dificulta um pouco as coisas. Tecnicamente ainda sou virgem, pois minha experiência de rompimento do hímen foi com um brinquedinho. Tenho vontade de contratar um acompanhante, mas morro de medo de pegar DSV/AIDS. É bom saber que esse tipo de coisa não acontece só comigo... Quem sabe um dia a situação muda.

Anônimo disse...

também nunca beijei vou fazer 17 e estava triste pensando que era só eu, e isso é normal