terça-feira, 29 de julho de 2014

GUEST POST: UMBANDA E MEDIUNIDADE

Como quase todo mundo que conhece este blog sabe, não sou uma pessoa religiosa. Não sou sequer espiritualizada. 
Talvez por isso não haja muitos posts sobre religião por aqui (na realidade, tem muito mais post anti-religioso). Mas respeito quem acredita, e acho que a religião (qualquer uma) pode trazer alento para algumas pessoas. 
Isso foi para introduzir o relato que a E. me enviou:

Oi Lola, já acompanho seu blog há um bom tempo, e adoro tanto os temas como as formas com que eles são abordados aqui. Por muitas vezes me identifico com algumas situações, enquanto outras me ensinam a ter tolerância e aprender a lidar com as diferenças, pois fica muito mais fácil quando entendemos como as pessoas que passam por elas se sentem. Contudo, um tema que nunca vi por aqui é ligado à mediunidade e religião, em especial a Umbanda, onde entra o meu caso.
Sempre fui espírita kardecista e desde os meus 5 anos frequentava um centro perto de casa, local inclusive onde meus pais trabalhavam como colaboradores.
Aos 13 anos eu comecei a ver vultos em casa e, um certo dia, acordei no meio da noite e havia um senhora em pé, ao lado da minha cama me olhando, que acabou sumindo logo após meus gritos e o pulo que dei para a cama do meu irmão ao lado. Com este episódio, me foi falado no centro espírita que eu era médium e que essa mediunidade se desenvolveria quando eu fosse mais velha.
Não vi mais nada depois desse dia, porém, com 17 para 18 anos, comecei a ter depressão. Terminei o ensino médio e ao contrário dos meus colegas que entraram na faculdade e arrumaram um emprego, eu passava os dias deitada no meu sofá, chorando e sentindo uma tristeza imensa, a qual eu não sabia, aliás, não existia nem causa nem origem, pois graças a Deus, sempre tive mais motivos para agradecer do que reclamar na minha vida.
Minha tia, irmã da minha mãe, é do Candomblé, e quando eu tinha uns 21 anos, em visitas às festas do terreiro onde ela frequentava, a mãe de santo da casa me disse que eu era médium (novamente esta informação), mas que eu não poderia trabalhar no kardecismo como sempre pensei e quis, pois eu era médium de terreiro, de incorporação. 
Não aceitei. Eu seria macumbeira. Faria parte de uma religião da qual por ignorância e falta de conhecimento, eu tinha preconceitos. Também não me adaptei. Acostumada à calma e serenidade do kardecismo, achei muito pesada a mudança e não concordava com tantas imposições e a rigidez que esta religião impõe (aqui falo da minha percepção com o que vivenciei). 
Mas eu fui ficando cada vez pior. Chorava quase sempre, sentia muita tontura e cansaço, mãos geladas, arrepios e tantos outros sintomas inerentes à mediunidade, e por conta disso tive que fazer uma escolha, eu iria aceitar minha mediunidade. Sou médium de incorporação, sensitiva e de transporte; por conta disso, consigo captar energias e sensações de ambientes e pessoas, o que me faz frequentemente ter dores de cabeças, ânsias de vômitos e simpatias/antipatias sem motivo aparente, além de não poder frequentar lugares como cemitérios e hospitais, pois eu sentiria rapidamente a energia de espíritos desencarnados que podem estar sofrendo ou sentindo alguma dor.
Aos 22 anos, através de uma amiga da minha mãe, conheci a Umbanda e me senti bem mais tranquila. Frequentei um, dois, três... acho que estou no meu quinto terreiro, mas posso dizer que estou bem melhor. Aprendi a controlar minha mediunidade e hoje recebo minhas entidades, as quais estão aos poucos sendo doutrinadas. Ainda passo mal em alguns lugares e tenho sempre que tomar cuidado com meus pensamentos e sentimentos, pois algo negativo pode atrair energia nessa sintonia e as consequências não são nada legais, mas minha vida está bem melhor. 
Tenho 26 anos, estou terminando a faculdade de Direito e já passei na OAB. Faço estágio em um excelente escritório e acredito que terei sucesso profissional, mas ninguém sabe desse meu lado, quem eu sou de verdade, e isso me chateia pois não tenho vergonha, pelo contrário, hoje eu entendo que foi uma missão para a qual eu nasci, e se eu fizer um bom trabalho baseado no amor e na caridade, poderei ajudar muitas pessoas que precisam de um carinho, uma palavra, uma direção. 
Mas as pessoas têm preconceitos, sempre fazem piada quando esse assunto vem à tona, então eu nunca falei nada, não comento e não converso sobre isso com quase ninguém, nem com muitos dos meus amigos. Isso é uma pena pois quanto mais for divulgado, talvez as pessoas, assim como eu que tinha preconceitos no passado, entenderiam o verdadeiro conceito do que é a Umbanda, do que é essa religião que não prega nada além do amor, caridade e tolerância.

Você sabia que, segundo o Censo 2010, o Rio Grande do Sul é o estado com maior porcentagem de pessoas que se autointitulam umbandistas? 34% dos umbandistas brasileiros vivem no RS

135 comentários:

normalidaderealidade disse...

Adorei o post, Lolinha! Eu também sou umbandista, e fico feliz pelo relato - é muito importante pra gente ter visibilidade. O preconceito é horrível. Eu já fiz parte de marchas pela liberdade religiosa, e elas foram meio vazias, embora eu conhecesse terreiros cheios de gente. Obrigada de novo :)

(Eu vou ter que fazer um relatinho ._. Não consigo me segurar >_< Acho que já sou a chata dos relatos, mas...)

Depois de um período católico meio obsessivo, conheci e me apaixonei pela umbanda. Ela é bem menos dogmática, e eu podia transportar minhas filosofias mais heterodoxas para as crenças de lá - Deus como a totalidade ao invés de um homem barbudo, por exemplo. Enfim, me identifiquei, e olha que eu odeio superstição - eu sempre vi tudo de lá como simbologia. Eu nem mesmo sou médium, acho... Quero dizer, talvez, por enquanto, não sei.

Uma coisa que adorei lá é que nem tudo é "demanda", "trabalho", obsessor, possessão. Às vezes os nossos problemas eram nossos mesmo. Essa racionalidade foi ótima pra mim, que passei muito tempo ouvindo da minha mãe que meus problemas eram "falta de Jesus", e que ouvi de colegas religiosos que meus remédios psiquiátricos eram "jogar minha encarnação fora". Não tem milagre, só auto-conhecimento.

Eu também me senti muito empoderada pelos arquétipos. Conhecer as mulheres guerreiras, sábias, livres, me fizeram ver que eu preciso ter em mim um pouco de cada uma delas. E isso foi lindo pra mim. Até hoje eu ouço os pontos cantados dos arquétipos femininos nos meus piores dias. Recomendo isso fortemente, até pra quem não acredita em nada. (Meus favoritos são de Maria Padilha, haha)

Anônimo disse...

O que eu queria poder fazer com os encoxadores

http://www.youtube.com/watch?v=3N1if99Wea4

Fernanda disse...

Salve a Macumba!

Salve a Pemba!

Salve o Povo de Angola!

Adooooooro!

E para a moça do post: muito legal sua caminhada, mas mais legal ainda é que a Umbanda não trabalha com "marketing". Quem procura, acha. Isso que é especial nessa tradição!

Saravá!

Anônimo disse...

Bem, pessoalmente acho tudo isso abobrinha, mas deve-se respeitar as crenças dos outros.

Gle disse...

Uau! DEMAIS! Só consigo dizer isso! Demais por ver você postando isso Lola (obrigada!) e pelo depoimento lindo dessa pessoa.


Eu nasci em berço católico; fui criada em berço católico; crismada no catolicismo, mas isso não era o suficiente pra mim. Pra mim, a vida sempre foi mais que aquilo e aquele deus da igreja católica, não era o que eu "sentia". Aquele senta/levanta/coloca as mãos pro alto, etc éra simplesmente vago. Nada me levava além do sentimento de "ai que saco isso aqui!". Sempre respeitei e respeito até hoje! Sou a ÚNICA espírita da minha família inteira (parentes de 1º grau no geral).

A quatro anos conhecí o espiritismo Kardecista. E durante todo esse período eu aprendí muita coisa, mas principalmente, aprendí a não ter REJEIÇÕES de religiões. Um dia, uma pessoa próxima me convidou a ir até um Centro/casa Umbanda. Eu, sinceramente, não gostei da energia que sentí lá, não sei explicar o porque. Não julgo a religião em sí, só acho que existem casas/centros de não emanam uma energia que "me sirva" e isso me incomoda um pouco (quem sabe um dia eu entenda isso, estou buscando). Talvez essa casa/centro não soube me receber e/ou acolher. A doutrina que a Umbanda prega é linda! De verdade! Eu acho linda. Pena que até hoje ainda não conhecí um bom lugar para aprender sobre ela. Se puderes me indicar algum aqui em SC, próximo a região de Blumenau, agradeço.

Sobre o preconceito, é muito claro mesmo! Quando me perguntam minha religião e eu respondo "Sou Espírita" é como se as pessoas me vissem como um monstro na frente delas, e, assim como a E., muitas vezes eu prefiro omitir essa informação.

E. parabéns por ter seguido, por ter encontrado seu caminho e ter aceitado-o! Muitas vezes a gente "foge" do que nos é imposto por medo/receio e isso só atrapalha a nossa evolução. Muita PAZ e LUZ pra você!

Raven~ disse...

Muito interessante o dado de que um dos estados com maioria branca no Brasil se autointitulam umbandistas. Bacana.


Se fosse pra seguir alguma religião, seria a umbanda. É lindo. Tem uma cultura maravilhosa e as entidades *-*.

Sou muito chegada a desenhos e ilustras e a umbanda é excelente tema.

Muito legal o post.

Anônimo disse...

Esse é justamente o preconceito contra o qual eu tenho que trabalhar, não contra a Umbanda, mas religiões de um modo geral. Eu também acho que deve trazer alento a muita gente, por outro lado não consigo deixar não pensar no estrago que religião (sempre de um modo geral, mas no meu caso específico foi o catolicismo)fez e ainda faz na minha vida e o atraso que isso já trouxe para a humanidade.
Não sei quase nada sobre a Umbanda, minha irmã fez trabalho final no curso de História sobre essa religião e no mestrado também continuou com o mesmo tema, às vezes ela me corrige um pouco, mas continuo bem ignorante.
Leila

Anônimo disse...

Lola eu queria mandar matéria traduzida interessante de homens famosos que apoiam o feminismo, eu não sei por onde mandar.

o nome da matéria é 28 homens famosos que provam que você não precisa ser uma mulher para ser uma feminista

beijos

july

Nerdy Girl disse...

Adorei o post! Eu tb me considero uma pessoa não religiosa e não espiritualizada, apesar de crismada e tudo - por ter nascido em família católica - sou ateísta desde meus 14 anos. Mas me encanto com as diversas manifestação religiosas, acho que a capacidade de adorar algo é uma das características mais humanas que existem. Obviamente não apoio e me sinto desconfortável quando os líderes e seguidores religiosos extrapolam o nível individual e/ou da sua comunidade, mas como peça histórica e cultural, acho tudo muito belo.

Marina disse...

Sou ateia e tenho me esforçado bastante na tolerância com religiosos, de quaisquer religiões (mas tem algumas q vo t contar...). Mas enfim, conheço muito pouco de umbanda..Quando penso nessa religião, logo me vem a cabeça (talvez por preconceito msm)a questão do sacrifício de animais...Já me disseram que algumas vertentes fazem outras não, mas não é claro isso pra mim.Alguém entendido poderia explicar melhor essa questão?

Anônimo disse...

Nossa, muito legal ver um post que assim no blog.
Eu tenho 27 anos,sou umbandista com muito orgulho, minha segunda família é onde eu me sinto acolhida, é onde sempre encontro uma palavra amiga, onde é meu refúgio. Eu sempre quis uma família grande, mas sendo filha única nunca tive, mas lá eu encontrei. É no meu barracão que eu encontro paz e serenidade.
Também sofri desde criança com depressão, me sentia sozinha, era triste, mas com ajuda de pessoas que eu realmente sei que sentem um carinho enorme por mim eu consegui começar a superar.
Para a pessoa que perguntou sobre o sacrifício na Umbanda não existe sacrifício, somente no Candomblé que é feito sacrifícios de animais. A Umbanda prega a paz, o amor e a caridade, nunca tu vai chegar numa casa de Umbanda e pagar algo por exemplo.
Acredito que todas as religiões quando fazem bem e nos tornam alguém melhor são lindas, o errado é o radicalismo e o ódio pregado por algumas pessoas.
No meu barracão temos sessões de Umbanda e de Candomblé Angola, minha família de santo é linda, unida e maravilhosa e todos são recebidos com muito amor indiferente de opções sexuais, raça ou condição social.
Salve a Umbanda.
Salve as religiões de matrizes africanas.
Muito axé para todos nós.

Gle disse...

Anônimo 15:46, você disse tudo!
Só completo dizendo que, toda a religião, ou ritual, de qualquer tipo, que seja paga, NÃO É "COISA BOA". Quem faz trabalhos pagos não está fazendo por amor. Você não vai conseguir nada com isso, a não ser mais energia negativa.
Acredito nas crenças da paz, da caridade e do amor. Quando tem sacrifício, dor, sofrimento, qualquer que seja, não é digno de se rotular espírita, seja ele Kardecista, Umbandista ou qualquer outro.

MAIA disse...

tá amarrado

Anônimo disse...

Onde eu mando minha história no twitter ou no e-mail?

Gle disse...

Acho que isso resume a visão espírita do sacrifício de um animal:

"Toda vez que um médium aplica um rito em nome do Divino e sacrifica um animal, interfere num ciclo cósmico da natureza universal, causando um desequilíbrio, desde que interrompe artificialmente o "quantum" de vida que o espírito ainda teria que ocupar no vaso carnal, direito sagrado concedido pelo Pai. Pela Lei de Causa e Efeito, quanto maior seu entendimento da evolução espiritual - que inexoravelmente é diferente da compreensão do sacerdote tribal de antigamente -, ambição pelo ganho financeiro, vaidade e promoção pessoal, tanto maior será o seu carma a ser saldado, mesmo que isto aparentemente não seja percebido no momento presente. "

Resumidamente: quem trabalha para o mal, o terá de volta, mesmo que não o perceba de imediato. Um dia, volta!
Bjs, Marina. E parabéns pela paciência com as diferentes religiões. Isso já é uma forma de evolução pessoal ;) Que você encontre o caminho que mais lhe conforte!

Marina disse...

Obrigada pelo esclarecimento Anônimo das 15:46!
Gle qdo vc diz "Quando tem sacrifício, dor, sofrimento, qualquer que seja, não é digno de se rotular espírita, seja ele Kardecista, Umbandista ou qualquer outro" vc está deslegitimando o Candomblé?E se for pensar, o Judaísmo tbm(circuncisão)?Trago essa discussão pois é mto difícil pra mim aceitar (tolerar, etc) religiões que impõem algum tipo de sofrimento físico à quem não pode escolher, sabem?

lola aronovich disse...

Gente, quem quiser mandar relatos, é só escrever para meu email:

lolaescreva@gmail.com

Se alguém puder falar disso de sacrifício com animais, eu também gostaria muito de saber! Porque fico com o pé atrás por causa disso. Se bem que, procurando imagens para ilustrar esse post, encontrei uma foto muito fofa de cerimônia de "passe espiritual para gatos e cachorros". E li um depoimento de uma humana dona de uma Collie que melhorou seus problemas depois da cerimônia (a Collie, não a dona).

lola aronovich disse...

July, por favor, mande sim essa matéria traduzida:
lolaescreva@gmail.com

Obrigada!

Gle disse...

Lola, existem até veterinários especializados em Espiritualidade. Semana passada teve um evento aqui em Blumenau com a Dra. Irvenia Prata (Médica veterinária. Professora emérita da USP (SP). Pesquisadora em Neuroanatomia Animal. Coordenadora do NUVET – Núcleo de Medicina Veterinária e Espiritualidade, da AME – Associação Médico-Espírita de São Paulo-SP.)

Os "passes espirituais" para quem não conhece, são as "famosas" "bênçãos" que a igreja católica dá.
Vou tirar um tempinho e escrever um texto bem legal e te encaminhar, a respeito deste assunto.

Anônimo disse...

Que bom que este assunto encontrou um espaço para divulgação aqui, para ajudar a diminiuir um pouco os preconceitos sobre o tema.

Alguns links para quem quiser se informar mais:

http://conversaentreadeptus.com/site/episodio-26-vertentes-de-umbanda-parte-1/

http://conversaentreadeptus.com/site/episodio-26-vertentes-de-umbanda-parte-2/


Sobre sacrificio de animais:
http://www.deldebbio.com.br/2012/06/01/sacrificio-de-animais/

Anônimo disse...

Lolinha, especialmente pra você:

http://www.deldebbio.com.br/2012/06/01/sacrificio-de-animais/ < Guia ótimo sobre religiões e cultos que se utilizam de sacrifício animal, e que explica direitinho como acontece na Umbanda, Quimbanda, Candomblé, cultos aos Kiumbas, e por aí vai. Bem completo, e vai te deixar super tranquila quanto às religiões afro brasileiras.

GOATHAMMER disse...

eu costumo odiar as regras das religiões, as regras de conduta etc odeio mesmo a palavra ''amor'', porem eu não sou ateu, acredito mesmo que o espirito pode continuar apos a morte e passar por reencarnações ou ir pra outra dimensão.

embora eu seja influenciado pelo masculinismo, eu acho interessante o lado negro disso tudo, os que trabalham pela aniquilação de deus e do universo, eu tenho minha crença de que o caos(pré cosmo e pos cosmo) deve ser o verdadeiro paraíso e esse mundo o inferno, mesmo sabendo que as divindades relacionadas ao caos costumam ser femininas, como kali e lilith por exemplo. não sou pró-feminismo nem nada. a unica coisa que estraga esse lado negro, que é chamado de satanismo por alguns, é a ligação dessa religião com ideologias políticas de eugenia, por isso que tenho um pé atras em relação a isso, o objetivo não seria destruir tudo? entaõ porque se importar tanto com a humanidade e fazer coisas pró-humanidade? eu me considero um inimigo da humanidade, satanismo pra mim seria odiar não só a deus, como toda a humanidade, e desejar a aniquilação completa desse mundo, é desse modo que penso.

posso crer na vida apos a morte, mas pra mim não existem regras. todo esse papo de ''amor'', ou coisas como ''honra'' etc nada disso tem valor pra mim. o que vale pra mim é meu extremo egoísmo e ódio pela humanidade e por essa existencia miserável, só isso. eu penso apenas em mim, e os outros que se fodam, sou um misantropo e individualista(não no sentido político, pois sou apolítico).

eu misturo aspectos do caminho da mão direita com da mão esquerda. eu acho interessante o ascetismo do budismo, porem todo o papo de amor do budismo eu acho uma merda. o ascetismo tem raíz no meu egoísmo, egoísmo de que eu prefiro ser um cara isolacionista do que parar na prisão por matar alguem, ja que na prisão deve ser impossível ate pra se masturbar, eu prefiro ser isolacionista, aí que entra em partes o ascetismo, ate porque em partes, pois a tecnologia atual ajuda. pra mim não existem regras, eu só gostaria de ver esse mundo ser sugado por um buraco negro e tudo retornar o chaos.

july disse...

Lola já mandei a matéria para o
e-mail tem uma ou outra frase que está no sentido literal mas dá pra entender praticamente tudo

beijos

Anônimo disse...

*solos de violino triste pra acompanhar os comentários do GOTHAMMER*

Anônimo disse...

Eles fazem sim com animais e com crianças também, sacrificam crianças.

Death disse...

Muito legal esse texto sobre a Ubanda, eu também não tenho religião mas leio sobre varias religiões e aprendo um pouco de coisa boa com cada uma. Tenho apreço especial pelo neo paganismo mas tb curto muito as religiões afro.

Lembro uma vez quando menor uma vizinha foi fofocar pra minha mãe que eu tinha ido ao "terreiro de Ubanda" "fazer amarração ou algo pior".

Minha mãe respondeu:

" - Amarração? não sabia que tinha Orixá bondagista! Que coisa! Vem cá, eles amordaçam vizinha fofoqueira também?"

A vizinha ficou com cara de c00l e foi embora.

Raven~ disse...

Maionese, vc é um saco, mas já tentou ler a Torre Negra?

Tenho certeza que ia curtir! :D

Ta-chan disse...

Ai Lola, muito feliz de encontrar esse relato aqui!

Não sou praticante das religiões de matriz africana, mas é absurdo o nível de preconceito que os adeptos tem que tolerar.
Eu nunca falo da minha religião pq as pessoas pensam que é loucura, rsrs!

Bem, se alguém tiver indicação de terreiro de umbanda e de centro espirita em BH, fico agradecida :)

Anônimo disse...

Conheço a umbanda há algum tempo (a maior parte dos meus 30 anos), e eu e minha familia (parte dela) nos encontramos por lá.
Há figuras femininas e masculinas, mulheres são atuantes e não somente submissas e contempladoras.
Sempre digo que não é uma religião mas sim um relacionamento, não tem como não incorporar a filosofia da umbanda na sua vida, não se tem tempo contado para os rituais, há todo um processo de desenvolvimento mediunico e etc.

O preconceito é um capitulo a parte, religião de pobre e preto (ouvi isso mil vezes) e se você é mulher é pq tá querendo amarrar alguém (como se precisassem disso).

Mas o ponto mais interessante é que é uma religião nascida em solo Brasileiro fruto da cultura e crenças do Brasil. Com todas as nuances da nossa cultura presentes.

Haha sou filha de Oxossi mas adoro as pombas Gira!!!! Adoro Maria Padilha!!! e as Caboclas!!!

Elen disse...

Todos somos médiuns,só que na maioria isso não está desenvolvida,eu sou mais espiritualista do que religiosa,porque as religiões muitas vezes só servem para manipular os outros na base do medo,arrancar dinheiro e cada uma fala uma coisa,como saber qual está certa?
Não conheço a Umbanda,então não posso falar muito mas parece diferente do resto das religiões.

Eu tenho a mediunidade um pouco desenvolvida,já aconteceu de ligarem para mim e eu saber quem era,sonho com algo e depois acontece,intuições que se confirmam,sonhei que um vizinho meu tinha morrido e uma semana depois ele morreu.
E agora tento fazer projeção astral,quando a gente dorme nossa alma sai do corpo e vai até dimensões astrais,a maioria também não lembra de nada,os sonhos são as viagens por lá,uma vez quase consegui mas como aconteceu de repente me assustei e voltei ao corpo,senti um formigamento,estava flutuando e enxergando através da parede do quarto e vendo o quintal.
Muita gente não acredita,alguém aqui já fez isso?

Gosto de ler livros de médiuns e é incrível mesmo,o mundo espiritual é bem diferente do que as religiões pregam,onde todos vão pro inferno.
Eu até queria falar mas é coisa demais,se quiserem tem os livros "Conversando com espíritos","Em busca da espiritualidade","Espíritos entre nós" de James Van Praagh,são muito bons e falam como é a vida do outro lado e porque de estarmos aqui.

Hawaken N disse...

Sou ateia e também estou em uma fase em que tenho me esforçado a ter mais tolerância com os religiosos em geral. Mas vou ler os links que deixaram aqui porque sempre tive uma certa curiosidade em relação a Umbanda.

Cão do Mato disse...

Também fui criado em família católica "não praticante",rsrsrs... Hoje sou Kardecista. Gosto muito do Kardecismo pelo questão do esclarecimento através do estudo da Doutrina Espírita. Mas quando estou com algum problema específico, sempre recorro à Umbanda. Ambas são religiões libertadoras e que ensinam que não existe religião certa ou errada. A pessoa se encontra na religião mais adequada ao seu nível de evolução espiritual. Por isso devemos respeitar a todas as crenças. Se bem que, com a perseguição imposta por algumas denominações cristãs fundamentalistas, isso acaba sendo um exercício de paciência...

Julia disse...

Eu não gosto muito de religiões, mas tenho uma simpatia pela umbanda e candomblé, principalmente o último, pois faz parte da cultura do meu estado, a Bahia. E eu acho os rituais muito bonitos.

Eu tenho um primo espírita que disse que viu espíritos mais de uma vez.

E uma mãe que já viu disco voador e quase foi abduzida, segundo ela.

Então, não duvido de (quase) nada e me considero agnóstica.

Anônimo disse...

Macumbera e feminista. Que legal!!

Sara disse...

E. não me leve a mal, muitos aqui sabem q não tenho nenhuma crença, mas me identifiquei com muito do q vc escreveu.
Mas pensando racionalmente esses sintomas q vc diz q sente não são muito genéricos??, eu sofro de enxaquecas inexplicáveis ha muitos anos, e enjoos, tb não suporto hospitais e cemitérios, mas sempre atribui isso ao fato de eu ter TOC (transtorno obsessivo compulsivo)quando vou a esses lugares procuro não tocar em nada, e quando chego em casa, lavo tudo até os sapatos e fico muito tempo no banho.
Qdo era mocinha ainda, em visita a casa de uma amiga italiana que eu frequentava constantemente e já conhecia a família inteira, eu vi um senhor idoso parado nas escadas da casa, que era um sobrado, o cumprimentei mesmo sem conhecê-lo, e quando ia saindo, perguntei a minha amiga quem era aquele senhor, ela me disse que não havia ninguem ali.
Bom, entrei novamente na casa e realmente ele não estava mais, mas ai ela chamou a mãe e contou o q eu havia visto, pegaram um album antigo de fotos e reconheci o senhor no album, só q elas me disseram q ele já estava morto ha muito tempo lá na Itália, nunca havia conhecido o Brasil.
Como sou muito cética, me recusei a acreditar, e sempre pensei q elas estavam brincando comigo, mas fiquei com essa dúvida, e tem mais se era um fantasma ou espirito, não parecia, muito pelo contrário parecia uma pessoa bem normal, e é possível q já tenha visto outros então e nem me dei conta rrrssss.
Várias pessoas já me falaram q tenho mediunidade tb.
Só q nunca tive depressão.
Tenho uma irmã q frequenta umbanda e brinco muito com ela, ela vive tentando me levar lá, mas não tenho a menor vontade, qdo era criança minha mãe me levou uma vez, e tive acessos de risos, a ponto de nem conseguir parar quando via as pessoas incorporando e fazendo aqueles rituais.
Bom continuo na minha descrença, mas q existem coisas difíceis de se explicar, haaa isso existe.

Anônimo disse...

Oi, alguém poderia explicar quais seriam as diferenças entre kardecismo e umbanda (fora o sacrifício de animais)?

Essa mania de dizer que religiões levam ao atraso é mais pela parte do catolicismo, que eu saiba a doutrina espírita diz para não julgar e não dá papéis para seguir, apenas diz para não machucar ninguém e fazer o bem ao próximo. Não muito diferente do que muitos movimentos de luta contra preconceito fala.

E também ensina para NUNCA DOUTRINAR, quem quer saber sobre uma religião procura, mas nada deve ser forçado (incrível como sempre vejo ateus me falando que religião é abobrinha e coisa de gente burra, e ainda dizem que respeitam...)

Anônimo disse...

E gente, sacrifício de animais nao, né? Vai totalmente contra! Ninguém tem direito de tirar a vida de ser nenhum!

Juba disse...

Para quem perguntou sobre diferenças sobre kardecismo e umbanda, só posso falar do primeiro por desconhecer a umbanda... O espiritismo é mais ocidentalizado, pasteurizado. Não tem cantos e danças e a maioria das casas não segue rituais específicos, creio que por conta da origem (França, meio urbano, século XIX), se baseia em algumas obras específicas, não tem hierarquia, e tem lá seus dois ou três dogmas, embora exista liberdade para questioná-los.
O que não significa que não tenha muitos pontos em comum com a umbanda :)

donadio disse...

"Você sabia que, segundo o Censo 2010, o Rio Grande do Sul é o estado com maior porcentagem de pessoas que se autointitulam umbandistas? (34%)."

Hm, não. Isso é como os 80% de homens que se suicidam.

34% por cento dos umbandistas brasileiros estão no Rio Grande do Sul. Mas muito menos do que 34% dos gaúchos são umbandistas. Segundo o Censo de 2010, 1,31% dos gaúchos são umbandistas (1,47% somando todas as religiões afro-brasileiras).

Anônimo disse...

Centenas de crianças desaparecidas todos os anos no Brasil, são sequestradas para rituais de magia negra.

donadio disse...

"Eles fazem sim com animais e com crianças também, sacrificam crianças."

E você sacrifica sua credibilidade... não sei no altar de quem ou quê, mas sacrifica.

**************************

Sim, a umbanda e principalmente o candomblé praticam sacrifícios de animais.

E embora eu não seja adepto de nenhuma dessas religiões, quero deixar claro que não vejo nenhum problema nisso. A liberdade religiosa dos seres humanos é mais importante que a vida de animais.

Fabiana Matos disse...

Umbanda não tem sacrificio nem de animais nem de crianças.

O kardecismo segue os ensinamentos de Kardec.
Enquanto na umbanda não há uma liturgia e varia de região pra região,
No kardecismo não existe a figura dos orixás, e guias.
A ritualistica não possui pontos cantados nem riscados como na umbanda.
Na umbanda existe a incorporação dos médiuns que incorporam espiritos de pretos velhos, caboclos, marinheiros, exus e etc.
Crê-se na existência de uma fonte criadora universal, um Deus supremo, pode receber os nomes Zambi, Olorum ou Oxalá. Algumas das entidades, quando incorporadas, podem nomeá-lo de outra forma, como por exemplo Tupã, para caboclos, entre outros, mas são todos o mesmo Deus.
O compromisso com "a manifestação do espírito para a caridade".
O que significa que a ajuda ao próximo não ser retribuída em dinheiro ou valor de qualquer espécie.
Ritual variando pela origem.
Vestes, em geral, brancas.
O não sacrifício de animais.
Altar, Congá ou Peji com imagens católicas, pretos-velhos, caboclos, baianos, marinheiros e boiadeiros.
Bases: africanismo, espiritismo, amerindismo, catolicismo.
Serviço social constante nos centros.
Magia branca.
Batiza, consagra e casa.
O culto aos orixás como manifestações divinas.
A manifestação dos guias para exercer o trabalho espiritual incorporado em seus médiuns ou "aparelhos", também chamados de "cavalos".
O mediunismo como forma de contato entre o mundo físico e o espiritual, manifestado de diferentes formas.
Uma doutrina, uma regra, uma conduta moral e espiritual que é seguida em cada casa de forma variada e diferenciada, mas que existe para nortear os trabalhos de cada terreiro.
A crença na imortalidade da alma.
A crença na reencarnação e nas leis cármicas.
Muitos terreiros se baseiam, embora não sigam a risca - pelo fato de existirem outras vertentes de pensamentos e práticas - em uma "Carta Magna de Umbanda" discutida e eleita através do Médium Ortiz

lola aronovich disse...

Então não entendi o mapa, Donadio. Não quer dizer que no estado o número de umbandistas é maior que 25%? Que, de todas as religões, a pessoa se autodeclara umbandista? Também achei um número altíssimo, mas no artigo (com o link lá), não diz 34? Ou 34% foi o crescimento de umbandistas no RS de 2000 para 2010? O total de umbandistas no país é de 2,5% das pessoas?
Help, please, para que eu possa corrigir essa informação.

donadio disse...

"Então não entendi o mapa, Donadio. Não quer dizer que no estado o número de umbandistas é maior que 25%? Que, de todas as religões, a pessoa se autodeclara umbandista? Também achei um número altíssimo, mas no artigo (com o link lá), não diz 34? Ou 34% foi o crescimento de umbandistas no RS de 2000 para 2010? O total de umbandistas no país é de 2,5% das pessoas?
Help, please, para que eu possa corrigir essa informação.
"

Dos umbandistas brasileiros, 34% moram no Rio Grande do Sul. Tipo, se houvesse apenas 100 umbandistas no Brasil, 34 morariam no Rio Grande do Sul.

Se você olhar o artigo, vai ver que, na mesma coluna em que o Rio Grande do Sul aparece com 34%, o Brasil aparece com 100%. E evidentemente, a população brasileira não é 100% umbandista.

Da população brasileira como um todo, 0,31% são (ou, melhor dizendo, se declaram) umbandistas ou adeptos do candomblé. No Rio Grande do Sul, são 1,47% - muito acima da média nacional, mas muitíssimo longe de 34%.

O Rio Grande do Sul tem cerca de 10 milhões de habitantes. Se 34% por cento deles fossem umbandistas, seriam 3,4 milhões de umbandistas só no Rio Grande do Sul - mas o número total de umbandistas e adeptos do candomblé no Brasil mal passa de meio milhão.

O link abaixo (horrivelmente grande, eu sei - desculpa) mostra a participação dos umbandistas na população do Brasil e do Rio Grande do Sul:

http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/protabl.asp?c=2094&i=P&nome=on&qtu8=137&qtu14=3&notarodape=on&tab=2094&opn8=0&opn14=0&unit=0&pov=3&poc133=2&OpcTipoNivt=1&opn1=2&nivt=0&orc86=3&orp=5&qtu3=27&qtu13=47&opv=1&poc86=1&opc133=1&pop=1&opn2=0&opn15=0&orv=2&orc133=4&qtu2=5&qtu15=3&sev=93&sev=1000093&opc86=1&sec133=2827&sec133=2829&sec133=2828&sec133=12883&opp=f1&opn3=u34&qtu6=5565&opn13=0&sec86=0&ascendente=on&sep=38559&orn=1&qtu7=36&pon=2&qtu9=558&opn6=0&digt6=&OpcCara=44&proc=1&qtu1=1&opn9=0&cabec=on&opn7=0&decm=99

O número de umbandistas cresceu 2,5% de 2000 para 2010.

No Rio Grande do Sul, 69% da população é católica, 18% é evangélica, 6% não tem religião, 3% é espírita, e 1,47% é adepta da umbanda ou do candomblé. Portanto, nem juntando todos os não-católicos dá pra chegar em 34%...

Anônimo disse...

Umbanda branca, de raiz, não tem sacrifício de animais. Agora quimbanda e outras religiões afro sim. De animais não de crianças.

donadio disse...

Para ser sucinto...

Há 588.000 adeptos da umbanda e do candomblé no Brasil. Desses, 157.000 (34%) estão no Rio Grande do Sul.

A população do Rio Grande do Sul é de 10.700.000 pessoas. Dessas, 157.000 (1,47%) são adeptas da umbanda ou do candomblé.

Beatriz Correa disse...

Death, tua mãe é maneira pra caralho, hein! huahauhauhauhauhuahuahua


----------------------------------

Gente, Umbanda NÃO sacrifica animais, Candomblé sim, até onde eu sei. E, corrijam-me se eu estiver errada, mas certa vez me falaram que todo animal sacrificado em alguma cerimônia candomblecista, é servido em um "banquete" para todos os presentes. Confirma, ou é tudo abobrinha??? (não que justifique, né...)


---------------------------------

Ah, a Umbanda é tudo de bom! Quem conhece uma casa boa entende...
A simplicidade do terreiro, o acolhimento dos médiuns, a dança dos orixás em dia de festa...

E poucas coisas são tão gostosas do que uma boa conversa com um vovô ou vovó do terreiro. Uma verdadeira aula de sabedoria!

donadio disse...

"todo animal sacrificado em alguma cerimônia candomblecista, é servido em um "banquete" para todos os presentes. Confirma, ou é tudo abobrinha???"

Até onde eu sei, é verdade.

"(não que justifique, né...)"

Não sei se precisa de justificativa. Mas era só o que faltava a gente poder matar animais para comer, mas o pessoal do candomblé não...

lola aronovich disse...

Ok, Donadio, super obrigada pela correção. Veja se a correção que fiz agora passa a informação certa. O RS ainda é o estado com maior porcentagem de umbandistas no Brasil, certo? Incrível que 34% de todos os umbandistas brasileiros vivam no RS. Como vc explica isso?


Gente, uma anônima lá em cima deixou um ótimo link explicando o sacrifício de animais (e crianças -- isso non ecxiste).
Vejam aqui. Diz assim: " Umbanda – Na Umbanda, não há sacrifícios de NENHUM tipo de animal em NENHUMA circunstância. Se a matéria jornalistica menciona qualquer morte, então NÃO É UMBANDA. Entendeu? Foi difícil? Quer que eu desenhe?".

Anônimo disse...

Minha irmã que estudou as religiões de matrizes africanas disse que aqui em Porto Alegre é enorme o número de terreiros, se há terreiros.....

Esses dias ainda conversei sobre isso com ela, estava contando que tinha saído para passear com o cachorro e vi duas galinhas mortas na esquina, uma coisa horrível, e comida por perto. Sou totalmente contra o sacrifício de animais.

Leila

donadio disse...

"Ok, Donadio, super obrigada pela correção."

Disponha, Lola, é um prazer.

"Veja se a correção que fiz agora passa a informação certa. O RS ainda é o estado com maior porcentagem de umbandistas no Brasil, certo?"

É. São 1,31% (1,47% se incluir o candomblé. O Rio de Janeiro vem em segundo, longe (0,56%, 0,89% se incluir o candomblé). A Bahia vem muito atrás, mas lá o candomblé (0,30%) é muito mais difundido que a umbanda (0,04%).

"Incrível que 34% de todos os umbandistas brasileiros vivam no RS. Como vc explica isso?"

Não sei. O estado sempre teve uma tradição muito forte tanto na umbanda quanto no candomblé, e a reputação de ter alguns dos cultos mais puramente africanos do candomblé, com menos sincretismo cristão ou kardecista. Talvez em outros estados (a Bahia vem imediatemente à lembrança) o pessoal pratique a religião mas não se identifique como tal?

Lily disse...

Já frequentei centro espírita e dois terreiros de umbanda. Me sinto mais em casa na umbanda. É uma delícia, tem música, dança, você se envolve com aquela energia... esse negócio de sacrifício de animais não tem na umbanda, gente!
Eles realmente costumam ser bem acolhedores nos terreiros. Em um deles não me senti tão bem, é de energia mesmo. Faz tempo que não vou, infelizmente. Uma vez que participei de uma gira tinha um grupo de canadenses que estava participando. Esse templo que eu ia tem unidades na França, Suíça, Canadá, EUA, e mais alguns países. Achei bem legal essa disseminação da umbanda pelo mundo. Parabéns pelo post, bem legal.. acho que foi um sinal pra eu voltar a frequentar o templo :)

Anônimo disse...

Atenção aos defensores de animais, todos os anos, milhares de bodes, cães, aves e gatos pretos, são sacrificados em rituais de candomblé,Umbanda, Kimbanda, Vodu etc.

Rebecca Souza disse...

Adorei o post!Apesar de nõ entender muito de umbanda,mas,sei que existe guias espirituais que são ciganos,a única coisa que me deixa triste,é que algumas pesssoas acabam esteriotipando estes ciganos,como um povo que be e que as mulheres são escandalosas e que gostam do mal(o que não é verdade,gente)
Muitas vzs ,as pessoas ligam também o preconceito racial ,ao preconceito religiosos,muitio da perseguição aos cultos de Matriz Africana,é pq são de Matriz Africana
També,me sinto compleida sempre a explicar para as pessoas que a minha religião Bruxaria Tradicional,não tem nada a ver com diabo,ou satanismo.Na verdade nem abruxaria tradicional e nem na Wicca(bruxariia moderna)acreditam na figuara do Diabo,pq ele é uma criação totalmente judaico-cristã.
Bem,mas adorei mesmo o post,a úncica critica é essa visão dos guias oriundos do meu povo que é bem dertubada,e que provoca destaciamento das pessoas de etnia cigana desas religiãos(No Brasil 85%dos ciganos são cristãos,catolicos e evangelicos)

Anônimo disse...

"uma anônima lá em cima deixou um ótimo link explicando o sacrifício de animais (e crianças -- isso non ecxiste)."
Existe sim Lola, são inumeros os casos, e não, não e na Umbanda realmente, e na sua versão maligna, a Quimbanda. Aqui alguns casos, elucidados pela policia:
http://www.dm.com.br/texto/185555

https://www.youtube.com/watch?
v=69kIGSDI8wE

http://noticias.r7.com/cidade-alerta/videos/crianca-e-morta-em-ritual-de-magia-negra-avo-e-acusada-de-participacao-30052014

Anônimo disse...

"Não sei se precisa de justificativa. Mas era só o que faltava a gente poder matar animais para comer, mas o pessoal do candomblé não..."
_
E mesmo? e aquilo que eu vejo em bacias, em terrenos baldios e encruzilhadas, e o que?

Denise disse...

Eu sou agnóstica desde que me conheço por gente, apesar de ter sido batizada quando bb e forçada a fazer catecismo quando pré-adolescente (que eu odiava). Mas se tem uma lembrança que sempre me vem viva na lembrança é de quando minha mãe me levava pra tomar passe em um centro espírita quando eu era pré-adolescente (talvez por eu ter sido uma criança muito geniosa e uma adolescente difícil). E eu adorava! Adorava o lugar, a energia, a calma que me proporcionava.

Não conheço muito da umbanda e do candomblé, mas tenho enorme simpatia. Se tivesse alguma religião certamente seria a espírita ou a budista.

Lindo o guest post, e viva a liberdade religiosa!

Anônimo disse...

Acho muito interessante essa parte dos arquétipos femininos de que alguém falou, mas não conheço quase nada. Seria um tema legal para um guest post, não? É estranho fz sugestão de guest post, mas enfim... :)

Cássia disse...

Gostei bastante do post, especialmente por tratar da umbanda, uma das religiões que mais sofrem preconceito. Alguém perguntou sobre espiritismo e como há alguns erros de conceito em algumas respostas, tomei a liberdade de comentar. Kardecismo não existe, é espiritismo. O termo kardecismo é utilizado, muitas vezes, para que não confundam o espiritismo com a umbanda ou o candomblé, o que é um sinal de preconceito, e daí se confundirem? Kardec não deixou nenhuma doutrina, ele apenas transcreveu em cinco livros os ensinamentos dos espíritos, por isso ele é denominado "o codificador". Os cinco livros são: O livro dos espíritos, O livro dos médiuns, O evangelho segundo o espiritismo, O céu e o inferno e A gênese. A base do espiritismo é a lei de causa e efeito ("a cada um de acordo com as suas obras", ou seja, você colhe o que planta), a reencarnação, o contato com o mundo espiritual, a caridade e os ensinamentos de Jesus. Não há rituais, hierarquia ou símbolos. Nos centros, basicamente, há passes, palestras sobre a doutrina e o evangelho, e tratamentos espirituais. Grande beijo.

Anônimo disse...

Noticia de Hoje, que vai dar muita polemica, os sites de noticia não falam em outra coisa, envolve magia negra, e violência domestica cometida contra crianças(A que mais cresce no Brasil)
CHEGA DE VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS.
http://pr.ricmais.com.br/bg-oeste/videos/menina-de-7-anos-e-morta-pela-mae-em-ritual-misterioso/

http://g1.globo.com/pr/oeste-sudoeste/paranatv-1edicao/videos/t/cascavel/v/policia-encontra-ossada-que-pode-ser-de-menina-morta-pela-mae/3528517/

http://www.bemparana.com.br/noticia/339148/mae-e-amiga-sao-suspeitas-de-matar-crianca-em-ritual-religioso

Anônimo disse...

Já perceberam que em todos os comentários esse Gothammer vem falar que é misantropo e que odeia o mundo?

Cara, se vc fosse misantropo de verdade, não teria necessidade de dizer isso em todo fucking post. Aliás, nem sentiria necessidade de fazer contato humano, mesmo que virtual.

Foda-se vc e a sua misantropia fake aí.



Anônimo disse...

donadio disse...
"Eles fazem sim com animais e com crianças também, sacrificam crianças."

E você sacrifica sua credibilidade... não sei no altar de quem ou quê, mas sacrifica.

**************************

Sim, a umbanda e principalmente o candomblé praticam sacrifícios de animais.

E embora eu não seja adepto de nenhuma dessas religiões, quero deixar claro que não vejo nenhum problema nisso. A liberdade religiosa dos seres humanos é mais importante que a vida de animais.

29 DE JULHO DE 2014 22:21




Não, não é. Mas se vc apoia a crueldade contra animais não há muito o q dizer. Ngm tem o direito de usar a religião para fazer mal a outros seres. Não sei q paz espiritual traz ouvir e ver um animal berrando e sofrendo de dor

Marina disse...

"A liberdade religiosa dos seres humanos é mais importante que a vida de animais."
Donadio, sério isso?
Não concordo nem um pouco, vc está sendo intolerante e extremamente especista...Esse tipo de atitude que me faz ter uma dificuldade enorme em tolerar certos tipos de condutas religiosas. E além do mais vc não está sendo coerente com os textos que postaram aqui sobre o sacrifício de animais..Esses textos enfatizam o respeito para com a vida dos animais sacrificados, sendo que o simbolismo não é de morte e sim de libertação dos mesmos..Lamentável esse seu comentário!

Anônimo disse...

Lolinha, tem que completar também que no Candomblé tem sacrifício animal, mas é sem dor (se ele sentir dor o Orixá recusa), todo o corpo do bicho é aproveitado, e ele vira comida. É mais ético e tem um propósito mais nobre que comer carne por comer carne. É mais correto que comer aquela carne de bandejinha comprada no Carrefour.

Paula disse...

"frequentava um centro perto de casa"

começou errado, amiga... todo mundo sabe que centro bom é centro longe!

:p

não resisti

Kyaren Pérsia disse...

Eu já fui católica por imposição minha mãe me empurrava ao catecismo, depois decidi pelo espiritismo kardecista, mas a maioria se antipatizou comigo e saí do centro que frequentava. mas não midiunidade ia mais por curiosidade. Até que me converti numa igreja Batista e me sinto feliz lá. Agora estou estou trabalhando numa escola particular e a dona e diretora é espírita kardecista e se antipatizou comigo. diz que sou negativa, que tenho obsessores. Defuma a escola e eu alérgica a fumaça tenho tosse, mas ela acha que espíritos malignos meus estão afrontando ela. tenho uma síndrome dolorosa e ela me acusa de passar dor a ela, que eu transfiro tudo de ruim meu para ela. Preciso do emprego, mas vejo que se eu não tomar uma atitude isso vai terminar na justiça, nada dar a ela de tratar dessa forma. Um irmão meu suicidou-se ela diz que ele está comigo atormentando ela. ta literalmente um assédio moral. Me constrange diante dos outros funcionários fala que não é para sentar em minha cadeira por quê tem vibração ruim e adoeço as pessoas. pouco me interessa a religião alheia cada um segue o que quiser, mas vejo que há alguns fanatismos. impossível alguém sentir minhas dores. Minha síndrome dolorosa é rara e não é contagiosa. nem minha irmã gêmea idêntica tem meu problema. Agora a tal mulher me convidou para ir a uma reunião no centro espírita que ela vai. Ta insustentável.

Gle disse...

Vocês sabiam que no Catolicismo essa prática de sacrifício de animais também era praticada? No antigo testamento!!! (Levítico 4:35; 5:10)

Resumidamente: Primeiro, o animal tinha que ser perfeito (saudável, sem problema algum). Segundo, a pessoa que estava oferecendo o animal tinha que se identificar com ele. Então, a pessoa oferecendo o animal tinha que infligir morte ao animal. Quando feito em fé, esse sacrifício providenciava perdão dos pecados.
O sacrifício de animais terminou porque Jesus Cristo foi o sacrifício supremo. João Batista confirmou isso quando O viu pela primeira vez: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1:29). Ou seja, os animais não fizeram nada de errado, eles morreram no lugar daquele que estava executando o sacrifício. Jesus Cristo também não tinha feito nada de errado, mas voluntariamente entregou-se a morrer pelos pecados da humanidade.

Eu sinceramente não conhecia essa passagem do Antigo Testamento.

Para deixar claro, EU NÃO ESTOU DEFENDENDO, sou totalmente contra essa prática.
Tá aí pros que criticam tanto as outras religiões que não conhecem, perceberem que isso ocorria no CATOLICISMO!

Gle disse...

Sara,

Se eu puder lhe aconselhar, antes de ter um contato novo com a Umbanda, assista uma palestra numa casa Espírita Kardecista. Geralmente em casas espíritas não tem esses rituais, é mais centrado. Passe por uma conversa fraterna (você irá sentar numa sala energizada com um médium e irá conversar com ele a esse respeito. Não se preocupe que ninguém vai "baixar santo" na sua frente, nem nada do gênero. Conte essa história que você expôs aqui nessa conversa). Com isso você já irá tirar todas as suas dúvidas. Procure a casa qualquer dia, menos sexta-feira após às 18h.
Acredito que isso lhe auxiliará muito. Você não precisa se tornar espírita se não quiser, mas pelo menos conseguirá seguir sua vida sem esses tormentos que citou.

Espero ter ajudado!

lola aronovich disse...

Eu vi os links pra notícia que vc deixou, anon das 2:04. Seria bom vc dizer que o crime não tem nada a ver com umbanda, candomblé, whatever. A mãe e a amiga que cometeram o crime eram evangélicas, se conheceram numa igreja evangélica. Uma das notícias diz isso e fala em ritual satânico. Outra fala só em igreja. E a terceira fala em "ritual de purificação", que era colocar a menina pra dormir no porta-malas do carro. Só é chato vc deixar uma notícia dessas num post que fala de umbanda, já que tem um montão de gente com preconceito contra essa religião, e a notícia não tem nada a ver com umbanda. De todo modo, é horrível. Nessas horas, quando eu vejo notícias assim, meu desgosto pelas religiões cresce muito, porque aí vejo que religião é como superstição. Também senti isso ao ler o relato da Kyaren, que é perseguida na escola onde dá aula pela dona e diretora, que é espírita kardecista. Quer dizer, uma coisa é ter religião e fazer o bem; outra é pra ter mais um pretexto pra ser preconceituoso.

Já contei essa história antes: eu fui professora e coordenadora acadêmica durante vários anos numa escola de inglês em Joinville. E havia alguns professores de uma seita cristã na escola. Eu me dava bem com eles, sem problemas, apesar da esquisitice que era eles escreverem "Glory in Christ" ou algo assim em comentários para alunos. Mas teve uma época em que a dona da escola estava passando por uma fase depressiva muito ruim, e a escola não andava bem das pernas. E ela por um tempo começou a rezar com eles. E aí eles disseram que o problema da escola era ter uma coordenadora (eu) que era ateia, que eu era muito boa no que eu fazia e tal, mas como que deus iria abençoar a escola tendo uma coordenadora ateia? Quer dizer, eu quase perdi meu emprego por causa de discriminação religiosa! Felizmente a dona da escola, que era minha amiga, não ficou tão fanática a ponto de tomar essa decisão.

Juba disse...

Gle, que história é essa de não frequentar casa espírita após as 18h da sexta-feira? Dogma? Ritual?

Na casa que frequento, o trabalho de sexta-feira à noite é o mais bem organizado, a ponto de servir de modelo para os outros dias e contar com o maior número de atendimentos fraternos.

Achei o conselho sem pé e nem cabeça, esclareça, por favor!

Raven~ disse...

Ahn pera. Podemos matar frangos pra comer mas os religiosos de matriz africana não podem matar frangos pra ahn...

Comer?

Sara disse...

Gle , eu cresci em uma familia Kardecista, quase todos os meus irmãos praticam ainda essa religião inclusive minha mãe, só minha irmã que eu citei no outro comentário é praticante da umbanda.
Minha mãe fez de tudo para q todos seus filhos seguissem essa religião e me fazia frequentar a federação espirita de São Paulo, quando eu era jovem.
Mas a verdade q nunca achei lógica nos ensinamentos ali.
Mas gosto muito de aprender sobre religiões, mas como curiosidade acadêmica.
Ja tive uma fase religiosa depois do casamento, que foi muito mais uma fuga pela situação de violência machista que sofri na época, mas que passou, e hje sou totalmente descrente e ateia.
Obrigada por tentar ajudar, mas tenho muita convicção de que a religião seja ela qual for, não beneficia ninguem, muito ao contrario, ela divide e muitas vezes revela o que o ser humano tem de pior.
Apenas citei minha identificação com todos os sintomas da autora do post, menos a depressão, porque realmente os tenho.
E embora seja descrente, não sou fechada a procurar explicações para coisas q eu não posso entender.

Gle disse...

Juba,

Não. Nada de dogma nem de ritual. É algo pessoal mesmo.

Eu conheci diversas culturas e crenças e sexta-feira a noite é um dia de trabalhos mais pesados como de magia negra, marrom, etc. Por isso eu não aconselho este dia, pelas energias serem mais "pesadas". Talvez até seja este o motivo que a casa que frequentas tenha um trabalho diferenciado neste dia. Tudo PRECISA SER AINDA MAIS concentrado.

Enfim, deixando claro então que isso não tem nada a ver com o Espiritismo! Foi simplesmente um conselho meu.

Anônimo disse...

Raven, como sempre, fazendo comentários ótimos <3 (Sua linda! Disse tudo!)

Gente, é mais ético o povo de Candomblé, que preferencialmente CRIA os bichos que mata, e faz questão de matar sem dor, e ainda consome a carne... Que os animais criados em regime industrial e que são mortos de qualquer jeito pra você ter o seu franguinho grelhado sobre o qual você nem refletiu sobre. A menos que a pessoa que argumente contra seja ativista vegano e tenha os mesmos argumentos contra consumo de carne não ritualístico, vou considerar como hipocrisia. Beijo.

Ah sim, o povo aí que falou dos corpos de animais nas encruzilhadas: leiam o texto que a Lola linkou aqui nos comments. Lá fala sobre magia e cultos que de fato sacrificam animais, além daqueles que não sacrificam.

donadio disse...

"Vocês sabiam que no Catolicismo essa prática de sacrifício de animais também era praticada? No antigo testamento!!! (Levítico 4:35; 5:10)"

Catolicismo no Antigo Testamento?

Anônimo disse...

02:28

É mesmo. Já tinha notado.
Tem dois aqui que noto: É o da avó que no tempo de 1900 e bolinha é que era bom, e tralalá...
E o que odeia o mundo.

O primeiro dá sono de ler, muito clichê. Já o segundo que odeia a humanidade tbm, mas pelo menos eu descobri que existem pessoas assim. Não fazia ideia. Sou mais ele do que o que glorifica o tempo que a avó mt provavelmente era destratada pelo marido.

Graciema disse...

Pois é...eu tenho tentando ser menos preconceituosa com religiões no geral, embora confesse que tenha mais preconceitos com catolicismo, evangélicas e espíritas. O básico do respeito mesmo. Como nenhuma religião de matriz africana até hoje tentou me impor nada ou me incomodou de alguma forma, são as que tenho maior simpatia (ou menos antipatia).

Agora, a menos que você seja vegano e defensor dos direitos dos animais, achar horrendo o sacrificio de um bode num ritual de candomble e comer frango e porco de criação industrial, e morto da mesma forma é só...preconceito.

Juba disse...

Gle, é que você escreveu para procurar uma casa espírita fora desse dia e horário. Se for uma casa espírita, não existe essa restrição.

Se não for, aí desconheço mesmo.

Anônimo disse...

Vocês sabiam que no Catolicismo essa prática de sacrifício de animais também era praticada? No antigo testamento!!! (Levítico 4:35; 5:10)"
-
Desonestidade religiosa e histórica, o catolicismo, e baseado no cristianismo, Jesus Cristo veio para romper com os dogmas do antigo testamento.

Tiago disse...

"Desonestidade religiosa e histórica, o catolicismo, e baseado no cristianismo, Jesus Cristo veio para romper com os dogmas do antigo testamento."

Ah, então aquela parte do velho testamento que diz que homossexuais são abominação é pra ignorar também?

Raven~ disse...

Ah sendo mulher, meu preconceito maior é com religiões de base cristã, pq como diria o Stephen King, esse Homem Jesus é meio filho da puta no que diz respeito as mulheres, neh?

Mas como a Sara disse, curiosidade acadêmica é sempre legal. Sou muito fã de mitologia nórdica, oras.

Aquela moça Wicca que comenta aqui as vezes podia escrever um post pra Lola. Seria legal. :)

Anônimo disse...

"este homem Jesus e meio filho da puta em relação as mulheres, neh?"

Jesus Cristo interveio a favor de. Uma mulher contra um apedrejamento, com as palavras; " quem não tiver pecado, atire a primeira pedra" fez com que todas as pedras fossem ao chão, no que talvez tenha sido o primeiro ato feminista que se tem história, em uma época que mulheres valiam menos que cabras.
2000 anos depois, sua memoria e tratada assim por uma feminista... triste

Maria disse...

Interessante o relato, interessantes as muitas informações nos comentários,dá para ver que tem gente legal praticando religiões, é importante combater o preconceito contra as religiões menos poderosas (socialmente) e dar o mesmo valor e importância... Mas nada disso me tira a ideia que as religiões (sem discriminação!) tem sim grandes e graves problemas, e que os casos de perseguição ou desrespeito ao diferente não sou só casos isolados, mas consequências de aprofundar e dar toda a importância à sua religião... O alarme de hipocrisia liga quando vejo ateistas falando que Umbanda é lindo (e consequentemente diferente) sem conhecer nada no fundo. Eu sei que tenho muito para aprender a respeito, mas só quero chamar a atenção que quando falamos que todas as religiões merecem o mesmo respeito e a mesma consideração, elas ficam merecendo também o mesmo olhar critico.

Anônimo disse...

Interessante a quantidade de gente que é anti-catolica porque mamãe obrigou alguma coisa.

O pior é que eles nem percebem que seus próprios preconceitos com o catolicismo é uma experiência pessoal. Ou seja, é um preconceito com aquilo que foi forçado na infância, não com o catolicismo.

Eu reconheço o monte de merda que a Igreja Católica faz e prega, mas as pessoas que se assumem catolicas também merecem o mesmo respeito das outras religioes. Interessante que por ser a mais "mainstream" é a mais apedrejada também.

Eu, particularmente, acredito que eu não posso me livrar da minha educação católica, pelo menos não sem muita grana em psicólogo. Mas também não vejo necessidade nisso, porque eu não fico reproduzindo aquilo que eu não acredito.

E eu, particularmente e pessoalemnte, adoro que todas as missas sejam iguais, que elas são iguais em todos os lugares, e que tudo esteja no compasso. Eu sou uma pessoa de rotina, e eu fico ansiosa com desconhecidos, por isso, é sempre muito bom saber de ante-mão tudo o que vai acontecer e a sequencia e o protocolo de tudo.

Mas, eu sou uma pessoa de rotina, e adoro pegar sempre o mesmo busão, todos os dias, no mesmo ponto.

E, a pessoa vem aqui e fala mal do "senta e levanta" famoso, mas diz que gosta dos cantos e danças da outra religião. Tipoz, meu, sério? Vamos agora comparar qual cor é a mais bonitinha numa rodinha sentadinhos que nem indiozinho? afê

Eduardo Nobre disse...

Só para constar, há uma grande diferença entre Jesus e o Cristianismo, tal como entre Sidharta e o Budismo.

Jesus é um Caminho, e para segui-lo basta amar ao seu próximo como a si mesmo. Em Jesus não há homem nem mulher, nem escravo e nem liberto, nem judeu e nem gentio.

Cristianismo é uma religião cheia de roupagens, rituais, dogmas e doutrinas criadas por homens.

Anônimo disse...

Eu gosto demais demais do povo da Umbanda, meu único senão é que eles desconhecem a Lei. Isso de "pega" influência do ambiente, "pega" influência de espíritos, "pega" inveja, pega isso e aquilo, não é verdade, ninguém pega nada. O que existe é afinidade, sintonia e falta de defesa própria, de estar em si mesmo e saber separar o Eu do Buzz do mundo. Essa é minha única ressalva. De resto, é um ótima religião até por não ser elitista como o kardecismo.

Luiza Psicologa disse...

"sendo mulher, meu preconceito maior é com religiões de base cristã"

Tem uma coisa do cristianismo que seria muito útil pra você: "tira primeiro a trave do seu olho, para então enxergar melhor e tirar o cisco do seu irmão".

Outra coisa é nunca apontar um dedo sujo para alguém, limpe seu dedo primeiro.

Outra é: "com a medida que julgar será julgado."

Traduzindo, antes de apontar os preconceitos alheios (por exemplo contra as mulheres), cuida dos teus próprios preconceitos.

É o típico personagem que reclama do governo, tem pena das vítimas do tráfico de drogas, e vive comprando CD pirata e sonegando impostos.

A diferença entre esse e um político é a mesma entre um gato e um leão, a capacidade de fazer estrago.

Raven~ disse...

Ah vai cagar anon doído. Pra quem curte mitologia nórdica como eu, sabe quem esse tal chessus é só isso: Mito. Baseado em outro mito chamado Mitra. Não enche o meu saco.

Anônimo disse...

Cara Reven, questionar os acontecimentos religiosos sob a passagem de Cristo, tudo bem, mas não se pode negar ofato hhistórico de sua existência, fato este comprovado por dezenas de arqueólogos e historiadores mundo afora. Assim como a interação de Cristo com figuras históricas, como Pilatos,Herodes etc. A menos que vc is considere também "figuras mitológicas"

Anônimo disse...

Mitologia nórdica kkkkkkkk, como feminista e rasa kkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Ser anti - religioso deveria ser considerado crime de ódio. Paulo.

Luiza Psicologa disse...

PELAMOR...

kkkkk..

Há 25.000 manuscritos antigos descobertos e arquivados, dos quais 5.600 são cópias e fragmentos dos originais, alguns com intervalos de 40 a 60 anos entre os autógrafos e os manuscritos originais, além de historiadores como José Josefo, temos citações até nos livros de religiões "rivais": Corão e no Talmude (tenho certeza que se ele fosse mito, os primeiros a afirmarem isso seriam os judeus que não acreditam nele como Messias).

Agora, "Guerras Gálicas", de Júlio César, 10 manuscritos, sendo 1000 anos o intervalo do manuscrito mais antigo e do autógrafo. "História" de Heródoto, 8 manuscritos, sendo 1350 anos a diferença entre o autógrafo e o manuscrito mais antigo, Platão, 7 manuscritos, mais de 1300 anos de diferença entre o autógrafo e o manuscrito mais antigo etc..

Esses clássicos históricos e tão pobremente documentados em comparação ao "mito", são todos "mitos" para a Raven.

Vai estudar menininha.

Raven~ disse...

Sim Luiza "Psicóloga". Não só pra mim. Pra um monte de experts ao redor do mundo tb. :) Vai estudar vc, pois todos os milhares de anh... "documentos" que vc citou, foram escritos por nós e não por deus. Nesse caso posso eleger a Torre Negra minha bíblia? Tá escrita! Documentada! E é uma historia beeeeem mais legal. E nem tem tanta putaria e criança morta. E saiba que nesse momento estou apontando meu dedo sujo pra vc. O do meio.

Anon, de forma nenhuma eu nego a influência da religião ou mitologia cristã! Saporra interfere na minha vida até hoje, religiosos de merda, querendo obter aprovação desse não meio, mas um belo filho da puta de deus, quer mandar no meu corpo e vida e não se acanham nem em gerar projetos de lei pra isso.

E fato? Pare, a existência de Jesus é mais questionada que a existência de alienígenas.

E eu parei. Atenham-se ao post bando de chato do caralho.


Raven~ disse...

Que medo dessa pessoa exercendo psicologia meldels...o.o

Anônimo disse...

"É o típico personagem que reclama do governo, tem pena das vítimas do tráfico de drogas, e vive comprando CD pirata e sonegando impostos.

A diferença entre esse e um político é a mesma entre um gato e um leão, a capacidade de fazer estrago."

Adorei.

Pra quem acha que Ipad não é tablet, até que ela é bem articulada, vai! rsssssssss

No mais, SERMÃO DA MONTANHA RULES! O novo testamento poderia ser só ele, já tava ótimo.

Raven~ disse...

Ai meu saco.

Leia aqui:

http://www.tecmundo.com.br/tira-duvidas/125747

Agora: Vcs são muito burros. O tipo de gente que ei desprezaria se conhecesse pessoalmente. Eu NUNCA disse que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Hoje em dia é tudo a mesma merda. Mas lá atrás quando essas bostas foram lançadas, a porra do ipad tinha um proposito diferente do tablet. Era um tipo de tablet. Com funções diferenciadas.

Agora vcs podem parar de ser invejosos da minha beleza e ir rezar? Ou formular uma lei contra o aborto? Ou cuidar da vida da vizinha mãe solteira, aquela vagabunda? Por favor? Obrigada.

Desculpa, Lola. Agora parei de verdade.

Anônimo disse...

Acho essa discussão do Tablet muito idiota, coisa de orkut mesmo.

Mas eu lembro que antigamente "Tablet" eram aquelas mesas digitalizadoras pra desenhar, o iPad meio que tirou o sentido original da coisa.

Mas eu acho divertido os seus comentários Raven, rs

Rebecca Souza disse...

Sinceramente que necessidade tem da pesoa ficar insistindo que fazem sacrificio de criança em rituais.Não sei se o anonimo notou(mas,acho que não)que em quase todos os casos que acusam de ser sacrificio de magia negra,no final se descobre,que não tinha nada a ver.Aui no pará,houveram dois caosos conhecidos,de assasinos que armaram suas cenas com alguidares,velas e o jornal taca um ``Corpo achado em ritual de magia negra´´e adivinha um era um marido abusador que montou a cena para desviar a atençaõa da policia,e outro era um grupo de adolescentes góticos que por causa de uma ter roubado o a namorado da outra ,ela resolveu se vingar matando no cemiterio.Sobre o sacrificio de animais,sim,acontece,mas,os animais são sacrificados de uma manira que não existe sofrimento e são utilizados em banquetes,no qual na mairia dos terreiros ,pelo que sei,são abertos ao publico e distribuido comida para população carente.sei que para os defensores de animais ,isso parece uma aberração,mas,entendam,isso são religiões de povos tradicionais,não comer carne é algo totalmente da construção de vcs,vc não pode falar para um indigena não afzer seu ritual do jabuti na festa da menina moça,vc não pode falar que eu não posso fazer banquetes para meus Deuses.Inclusive na minha religião(bruxaria tradicional)antes de fazermos um Sabá,ficamos um periodo sem comer carne,e só podemos comer a carne desse animal que for morto.
Raven,espero que não seja eu a moça wicca :)
Para quem é de Bruxaria tradicional,nós gostamos de marcar bem a ideia de que não somos wiccanos,já que na wicca,vc se converte a bruxaria,ós da bruxaria tradicional,já nascemos em familais de bruxos,a semelhança é que todas as duas religiões acreditam na Deusa,e a mulher é mais valorizada por ter os ciclos da Deusa(menarca,mestruação,fertilidade emenopausa )dentro de sim :)

Raven~ disse...

Oi Rebecca. Acho que não. Lembro que era uma anônima que comentava. Mas é por isso que seria bom. Haha

Não entendo nada de bruxaria, menos ainda de Wicca. No máximo uns dois livrinhos da Eddie Van Feu quando era adolescente. XD

Anônimo disse...

" Eu NUNCA disse que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. "

Disse sim, amiga... aliás você falou exatamente nessas palavras.

Raven~ disse...
Ipad é Ipad. Tablet é tablet. São diferentes. (...)

16 DE JULHO DE 2014 18:23

Luiza Psicologa disse...

E nós nunca nos conheceríamos pessoalmente Raven, com esse "palavreado" e essa sua "carinha", dificilmente eu me aproximaria, morro de medo de ser assaltada.

Anônimo disse...

Racismo e estereótipos piscando em alerta. O nível dos comentários está de dar nojo.

Juba disse...

Luiza, por favor, explique a questão da cara da Raven te dar medo de ser assaltada, porque eu não captei.

Luiza Psicologa disse...

Um monte de "experts" questiona toda a "mitologia" em torno do "personagem histórico".

Assim como diziam que onde pisava Átila o Huno, não crescia mais grama, ou que Alexandre o Grande era descendente de Hércules, ou que Rasputin tinha poderes milagrosos de cura, ou que Maomé recebeu o Alcorão do Anjo Gabriel. Os "experts" questionam isso, e não que existiu um tal Átila ou Alexandre o Grande ou Maomé. Agora se eles eram e fizeram tudo que está relatado, aí sim é outra história, muito questionável.

Vou dar um exemplo, eu jamais vou poder negar no futuro que uma tal Raven existiu, embora talvez ela não tenha esse nome ou tenha a aparência da foto. Mas há coisas questionáveis que posso duvidar por falta de provas.

Por exemplo, posso questionar que ela seja alfabetizada, analisando o nível do "palavreado" dela. Quem me garante que ela não dita e uma outra pessoa escreve para ela?

Mais ou menos assim queridinha.

Luiza Psicologa disse...

Perdão se me expressei mal, eu só fui irônica para devolver a ofensa, mas não tem nada a ver com racismo, e sim com comportamento.

A "carinha" é a expressão dela na foto, e não a aparência física. E o "palavreado" se refere ao comportamento agressivo, os xingamentos, o "dedo do meio" apontado pra mim.



Anônimo disse...

Eu teria mais medo de um psicotroll que leva a sério a Revista Veja do que da Raven que, por sinal, tem um belo rosto. Entendeu, Luiza???

Anônimo disse...

A Raven é gata mesmo.

donadio disse...

"Um monte de "experts" questiona toda a "mitologia" em torno do "personagem histórico".

Assim como diziam que onde pisava Átila o Huno, não crescia mais grama, ou que Alexandre o Grande era descendente de Hércules, ou que Rasputin tinha poderes milagrosos de cura, ou que Maomé recebeu o Alcorão do Anjo Gabriel. Os "experts" questionam isso, e não que existiu um tal Átila ou Alexandre o Grande ou Maomé.
"

Luiza, acho que ninguém "questiona" se Maomé recebeu o Alcorão do anjo Gabriel, ou se Alexandre era descendente de Hércules. Essas são coisas em que ninguém, ao menos fora do círculo da fé, seriamente acredita. Todo mundo sabe que não é verdade, ao menos não no sentido cotidiano da palavra "verdade".

É difícil questionar a existência de Maomé, por que ele liderou exércitos que foram enfrentados por inimigos que não questionaram a existência dele, e governou pessoas, que não questionaram a existência dele. O mesmo, ou similar, vale para Alexandre, Átila, César, ou Rasputin.

Jesus é bem diferente. Se ele existiu, certamente não foi uma pessoa importante no seu tempo. Não governou estados, não dirigiu exércitos, não liderou uma seita religiosa significativa.

Por isso mesmo, o registro histórico de Jesus é mínimo. Por que alguém escreveria sobre um filho de carpinteiro vivendo nas margens do Império Romano, e liderando uma seita de uma dúzia de seguidores?

Por isso mesmo, relatos sobre a existência histórica de Jesus são muito posteriores a essa existência. Marcos não pode ter escrito o seu evangelho antes de 70 AD, e os outros evangelhos são posteriores. Portanto, tudo mais de uma geração depois da suposta morte de Jesus.

A única referência importante a um Jesus soterológico antes dos evangelhos está nas cartas de Paulo. Mas estas não contém indicações convincentes da existência histórica desse Jesus: Paulo poderia perfeitamente estar escrevendo sobre um personagem mitológico, pertencente àquela categoria de coisas que "sempre existiram mas nunca aconteceram", na definição maravilhosa de um filósofo pagão.

A primeira referência a um Jesus histórico fora do movimento cristão é a do historiador judeu Flávio (e não José) Josefo, que escreveu em algum momento entre 90 e 95 AD. E ela é absolutamente inconvincente. Trata-se de um único parágrafo, e o consenso geral dos especialistas é que esse parágrafo é inautêntico; a discussão que existe é se ele foi enxertado, em sua totalidade, por copistas cristãos, para forjar uma "prova" da existência histórica de Jesus, ou se o parágrafo existia, mas diversas frases foram enxertadas nele por copistas cristãos, para dar a impressão de que Josefo estava falando do mesmo Jesus dos evangelhos.

Portanto, a existência histórica de Jesus está muito longe do grau de certeza que cerca as existências de César, Rasputin, Maomé, Átila, Alexandre (ou Sócrates, Arquimedes, São Paulo, Hipácia, ou Maria a Judia).

Creio que a maioria dos estudiosos diria que existiu um Jesus histórico, mais ou menos correspondente ao Jesus dos evangelhos (é complicado, por que os evangelhos se contradizem; Mateus, por exemplo, nos diz que Jesus nasceu no final do reinado de Herodes o Grande - portanto, antes de 2 AC, quando Herodes morreu, e depois de 4 AC, quando Herodes enlouqueceu; Lucas, entretanto, nos diz que Jesus nasceu durante o recenseamento de Quirino, portanto em torno de 6 ou 7 AD). Mas não há consenso; aqui, por exemplo,

http://jesuspuzzle.humanists.net/home.htm

você pode ler o trabalho de um pesquisador importante - Earl Doherty - que contesta a existência histórica de Jesus. Não, ele não tem o consenso dos seus colegas, e nem mesmo o apoio da maioria. Mas não, ele não é considerado, até onde eu saiba, um maluco excêntrico que se dedica a inventar teorias conspiratórias como os negadores do Holocausto ou os céticos do 11 de setembro.

Juba disse...

Racismo ou não, se você avalia as pessoas baseada na aparência física, está no blog errado. Cara de assaltante? Onde?

Sério, até eu que não tenho nada contra a Raven posso pensar em 10 maneiras de atacá-la sem isso.

Seria preferível, porém, que o debate não comportasse ofensas pessoais :(

Sara disse...

Luiza psicologa, não lembro de ter visto seus comentários aqui nesse blog anteriormente, não sei se me engano, mas parece q faz bem pouco tempo q vc começou a comentar.
A RAVEN ja comenta ha muito tempo aqui, e tem um estilo irônico bem inteligente.
Pelo jeito vc não entendeu e esta levando tudo muito a sério.
Não tem como agradar todo mundo, vc q pelo jeito (não sei se estou errada) é cristã, sabe q nem o cristo conseguiu agradar a todos.
Não tem pq estressar, se vc continuar lendo os comentários dela, vai ver q são divertidos e espirituosos.
Agora se vc não gostar do estilo dela, pode até refuta-los, mas o q ganha ofendendo.
Lembre-se q foi vc primeiro quem não foi muito gentil ao responder um comentário dela.
Sei q não é da minha conta, mas a Raven é bem querida entre nós.

Kittsu disse...

A Luísa é aquele maluco que fica se passando por mulher. Da outra vez estava vindo com um papo de misandria, ficou um tempo fora e agora tá vindo de novo aloprar.

Luiza Psicologa disse...

Bandidos temem policiais, mascus não temem mascus, mulheres tendem a temer mais a um homem de comportamento agressivo, como um outro homem talvez temeria menos. Ninguém teme o que lhe é semelhante, entendeu anônimo?

Mas concordo que a Raven é bonita sim. Como afirmei, não fui racista, comentei a "expressão" e o "comportamento agressivo e ..., deixa pra lá" dela.

Mas pelo que você "não teme", por favor evite apontar o dedo do meio para mim também, e saudações.

Anônimo disse...

ai donadio....

Anônimo disse...

Kittsu, me admira que poucos tenham percebido que essa Luiza Psicótica, ops psicóloga, se trata de um troll e muito do fuleiro.

Luiza Psicologa disse...

Donadio,

"você pode ler o trabalho de um pesquisador importante - Earl Doherty - que contesta a existência histórica de Jesus. Não, ele não tem o consenso dos seus colegas, e nem mesmo o apoio da maioria. Mas não, ele não é considerado, até onde eu saiba, um maluco excêntrico que se dedica a inventar teorias conspiratórias como os negadores do Holocausto ou os céticos do 11 de setembro".

Você disse bem, não há consenso publicados.

E também disse bem, seria um pouco contraditório com os próprios evangelhos se houvessem grandes historiadores falando de um "carpinteiro" que nem nos próprios Evangelhos foi levado à sério pelas autoridades né? Isso na verdade está bem de acordo com os Evangelhos.

Quando você diz que faltam relatos históricos, está obviamente excluindo os mais de 25.000 pergaminhos cristãos obviamente, o próprio Alcorão, e o Talmude Babilônico (os judeus creio eu, seriam os primeiros a refutar a existência histórica desse Jesus que lhes deu tanto trabalho e gerou a Igreja Católica que tanto os perseguiu). Inclusive, se ler o Talmude Babilônico ficará assustado de tanto que fala mal do tal Jesus.

Sócrates por exemplo, não deixou nada escrito, e não há provas da sua existência, no entanto ele deixou muitos muitos discípulos, que existiram, escreveram, e são de fato personagens históricos.

Jesus também deixou discípulos e mais discípulos, e que inclusive foram perseguidos primeiro por judeus e depois pelo Império Romano.

Por isso, fica difícil acreditar que realmente nunca andou um tal "Jesus", mesmo que numa época diferente, ou de um jeito totalmente diferente do que é relatado hoje em dia.

Anônimo disse...

Don't Feed the Troll.

Luiza Psicologa disse...

Sara, obrigada pelas explicações. Eu não fico "possessa" com a menina Raven, é que eu também sou um pouco "ácida".

Só achei engraçado que justamente em um Post para nos conscientizar sobre o preconceito contra uma religião, aparece alguém comentando justamente sobre preconceito contra outra religião.

Claro que o cristianismo é muito chato e vive se metendo na nossa vida, fica difícil não comentar negativamente sobre algo que está presente de forma negativa no seu dia a dia, mas podemos comentar sem ofender, consciente de que aqui também comentam pessoas cristãs.

Só achei irônico que veio justamente em um post sobre preconceito contra uma religião, que eu inclusive respeito muito, e adorei o post.

Sei que é o jeitinho dela, e por ser uma menina que fala o que dá na telha, fala o que quer, ela já deve também estar acostumada a ouvir o que não quer. Tenho certeza que ela não ficará triste e só irá me "desprezar".

Luiza Psicologa disse...

Donadio, para você entender um pouco de arqueologia (e não acreditar cegamente no primeiro escritor que escreve algo que está de acordo com a sua crença), e sem me demorar no assunto, principalmente pela chatice, saiba o seguinte:

Se formos usar a escassez de indícios arqueológicos diretos e a falta de fontes propriamente contemporâneas, escritas por “testemunhas oculares da história”, para rejeitar a historicidade de Jesus, teríamos de rejeitar a historicidade de… bem, de uns 70% dos personagens da Antiguidade clássica, ou talvez mais. Ficaríamos só com os monarcas e os membros da alta nobreza. E olhe lá: pra quem assistiu os dois filmes “300″, é bom lembrar que não daria pra aceitar a historicidade de ninguém menos que Leônidas, um dos reis de Esparta, o sujeito que morreu defendendo a Grécia da invasão persa em 480 a.C.

Sob esse ponto de vista, Jesus é um personagem histórico muito mais bem documentado do que Leônidas, Sócrates ou Platão, já que há fontes independentes cristãs, judaicas e pagãs, todas compostas de algumas décadas a um século depois da morte dele, a respeito do Nazareno.

Luiza Psicologa disse...

E Sara você é um amor. Pode deixar que não vou mais provocar a Raven. Só quando os comentários estiverem muito "frios", aí talvez eu faça para dar uma "esquentada" rs.. brincadeira, não vou fazer isso, senão os mascus vão falar que a Lola está me pagando pra agitar os comentários.

Luiza Psicologa disse...

"A única referência importante a um Jesus soterológico antes dos evangelhos está nas cartas de Paulo. Mas estas não contém indicações convincentes da existência histórica desse Jesus: Paulo poderia perfeitamente estar escrevendo sobre um personagem mitológico, pertencente àquela categoria de coisas que "sempre existiram mas nunca aconteceram", na definição maravilhosa de um filósofo pagão".

Essa foi demais Donadio. É meio complicado comentar sobre algo que não conhece (história dos judeus). Paulo foi discípulo de Gamaliel, contemporâneo de Jesus. Gamaliel era neto de Hilel, da Beit Hilel, autoridade do Sanhedrin (que julgou Jesus), e morreu vinte anos depois da destruição do segundo Templo (aproximadamente 40 anos depois da morte de Jesus).

Certamente Paulo não falava acerca de alguém que seu rabi não conhecia, o que é atestado no próprio Talmude babilônico.

Renata disse...

Sem querer alimentar o troll, mas acho que um tempo atrás tinha uma outra "psicóloga" que comentava aqui falando coisas absurdas, não tinha?
Não lembro sobre o que era o post.. aborto? Aff, não lembro. Mas era algo de cunho religioso.



Jackeline disse...

Totalmente alheia à discussão que tá rolando aqui, mas só queria agradecer e comentar que gostei muito do post! :) Eu convivo com um preconceito muito forte contra religiões afro-brasileiras e pra mim, até agora, não sabia direito como umbanda ou candomblé funcionavam e achava que envolviam, até certo ponto, magia negra.
Eu sou agnóstica e não quero entrar no mérito de certo/errado em outras religiões, mas sempre ouvi parentes e amigos evangélicos falando com muito deprezo a respeito de religiões afro-brasileiras. Por exemplo, tenho uma amiga evangélica que se afastou de parte da família dela porque descobriram que eles frequentavam terreiro de candomblé. E o jeito quem falam sobre quem frequenta terreiro... praticamente como se fossem adoradores do demo.
Por essas e por outras, acho que seria ótimo se divulgassem mais sobre religiões de matriz africana pra ajudar a dispersar um pouco desse preconceito. Se alguém pudesse fazer outro guest post seria mara.

Alice in Wonderland disse...

Só que o seu comentário não foi respeitoso.

Luiza Psicologa disse...

Não precisa se preocupar em me alimentar renata querida, eu não me alimento de "comida de buteco".

Luiza Psicologa disse...

Enquanto o estado incentivou muito as igrejas cristãs, as religiões afro foram marginalizadas e tratadas de forma pejorativa.

São resquícios do pensamento racista que desejava "embranquecer" o Brasil.

O irônico é que na "calada da noite" muitos dos que tem preconceito e criticam essas religiões visitam terreiros às escondidas quando precisam, como se estivessem cometendo um crime. Muita hipocrisia.

Anônimo disse...

Olha...entendo a sensação que a Raven tem com a crença cristã...eu tbm tenho.
Deus é sempre ELe(masculino).
O representante maior do que é divino na Terra, Jesus(masculino).
Anjos? Masculino, alguém já viu alguma imagem de anjo com peitos de mulher?
Os homens retratados na bíblia nunca são estéreis, ou tem baixa mobilidade dos espermatozoides, ou pouca qualidade de esperma.
Agora vamos às mulheres:
Responsável pelo mal entrar no mundo.
Com problemas de fertilidade.
Bruxas? mulher, claro!
Ah, elas tem imundícia(menstruação).
Poxa...sabe o que me intriga? Pq Jesus não desceu de uma nuvem colorida? Pq precisou de um útero para se desenvolver, nascer, precisou do leite do peito de uma mulher pra sobreviver? Se não fosse dela, seria leite de qualquer fêmea!

Agora em relação ao post: eu já fui em terreiro de candomblé, fui muito bem recebida, no local que eu fui, eles criam os animais que vao abater sim, abatem e é feita a comida de acordo com o orixá, entidade homenageada. no fim da festa o banquete é servido para todos. Na entrada do terreiro tinha muita gente esperando que não era de santo, tinha católico, crente...esperando com pote de sorvete de 2 litros pra pegar a comida da festa dos "macumbeiros".Sabe pq? Pq o bairro lá é tão carente, que talvez aquela fosse a única refeição que ia ter naquele dia. E os "macumbeiros" deram a comida para todos, respeitaram todos.
Eu não sigo nenhuma crença, mas já fui em várias conhecer, todas tem seu lado positivo, mas ninguém quer respeitar ninguém...
Ser bom, ter caráter não depende de crença, religião nenhuma!
Eu gosto da umbanda, do candomblé, mas parece que para as pessoas a idéia de um Deus tem que ser um Deus branco, não pode ser um Deus negro.
Pra mim ele não tem cor, nem sexo e ponto.
Gosto muito do blog!

Freda

Anônimo disse...

meu Deus, um post sobre precocneito religioso, e nunca vi tanta gente vomitando preconceito! um aí chamou o kardecismo de elitista... oi????

outros generalizam todos os cristãos do mundo, são todos burros, malvados, preconceituosos. mas to vendo aqui mesmo um monte de gente preconceituosa.

mal disso tudo vem da generalização.

aí que se pega a hipocrisia... falta de vontade de realmente conhecer pessoas, indivíduos, pura preguiça. melhor pegar o pouco que a gente conhece, e fazer disso uma grande generalização né?

da onde vem o preconceito mesmo?

Anônimo disse...

Senhora Freda, na biblia satanas e retratado como homem,e anjos não tem sexo, nem feminino, nem masculino.

A Igreja Católica mantém na Ásia: 1.076 hospitais; 3.400 dispensários; 330 leprosários; 1.685 asilos; 3.900 orfanatos; 2.960 jardins de infância. Na África: 964 hospitais; 5.000 dispensários; 260 leprosários; 650 asilos; 800 orfanatos; 2.000 jardins de infância. Na América: 1.900 hospitais; 5.400 dispensários; 50 leprosários; 3.700 asilos; 2.500 orfanatos; 4.200 jardins de infância. Na Oceania: 170 hospitais; 180 dispensários; 1 leprosário; 360 asilos;60 orfanatos; 90 jardins de infância. Na Europa: 1.230 hospitais; 2.450 dispensários; 4 Leprosários; 7.970 asilos;2.370 jardins de infância.
No Brasil, podemos seguramente dizer que a contribuição da Igreja Católica para a Saúde pública foi mais valiosa do que a de qualquer outro governo já existente no país. Na década de 50, quando a rede pública de saúde ainda não contava com uma capacidade operacional expressiva, eram as casas de caridade da Igreja Católica que cuidavam das pessoas que não tinham condições de se tratarem em um hospital. As Santas Casas de Misericórdia e Sanatórios eram e continuam a ser dirigidos e subsidiados pela Igreja Católica, e têm as freiras e religiosos católicos como sua principal fonte de recursos humanos.
Seria quase impossível listar e numerar as atividade e contribuições da Igreja Católica no campo da caridade.

Anônimo disse...

Pois é anônimo das 1:12, você vê que bom?
A instituição que você participa serve pra ajudar as pessoas, viva!!
E ajudam mesmo! Assim como o espírita, o evangélico, o budista, o messiânico, o umbandista, candomblecista, wicca...ah não esquecendo dos agnósticos e ateus tbm!
Até hoje as pessoas que conheci que mais efetivamente praticam o amor ao próximo, tolerância, e respeito são ateus.
Eu não deixo de participar de festa junina patrocinada por católicos, pq a renda vai para projetos que ajudam quem precisa. Do mesmo jeito que compro rifa, marmitex de igreja evangélica(detalhe meu marido é evangélico e nos entendemos muito bem obrigada!), compro o yakissoba que os membros da igreja budista da minha cidade vendem para as mesmas causas tbm...
A questão que aparece no post aconteceu na sala de aula de um curso que eu faço. Na saída da aula, a professora e alunos conversando sobre como ela, católica, tinha um casamento harmonioso sendo o esposo evangélico. Todos falando como é importante respeitar a crença um do outro, que o esposo vai à missa e a esposa vai ao culto de forma natural...o que todos concordaram como sendo uma atitude positiva de tolerância, amor...
Até vir a seguinte fala: acho ótimo um respeitar o outro, frequentar o culto um do outro, conhecer a crença um do outro, mas claro né, só não vale ir em centro de umbanda, aí não...
Aí eu perguntei: ué, pq não? A resposta da turma: nossa, mas vc já foi nesses lugares? Eu disse claro, e vcs? nunca? Então não falem assim não...vão conhecer primeiro, viu?
Amor ao próximo, caridade não é uma qualidade, característica cristã. É uma característica/qualidade HUMANA.
Não faço o bem pensando em recompensa, céu, se deus ficou felizinho comigo...fazer o bem traz muita felicidade interior, poder fazer algo por alguém é muuuuito bom! Assim como senti muita gratidão pelas pessoas que já me ajudaram na vida, muitas delas desconhecidas, que vi uma vez e que nunca me perguntaram de antemão qual minha crença para
praticarem o bem.

Guardo pra mim a resposta que o Dalai Lama deu a um senhor que assistia uma palestra dele. Ele perguntou ao Dalai Lama qual era a melhor religião e a resposta foi: a religião que fizer de você um homem melhor, amoroso, tolerante, essa é a melhor religião.
Ah e finalizando com o provérbio judaico que também guardo comigo: A caridade deve ser anônima, do contrário é vaidade.

Luiza Psicologa disse...

Anon das 11:34:

Parabéns, excelente comentário.

Renata disse...

Anon das 11:34, adorei seu comentário!
Me fez sorrir do começo ao fim =]

Anônimo disse...

"meu Deus, um post sobre precocneito religioso, e nunca vi tanta gente vomitando preconceito! um aí chamou o kardecismo de elitista... oi????"

Elitista sim. Tanto que nasceu a umbanda, pra atender o "povão" e as "entidades-povão" rejeitadas dos centros clássicos. Preconceito contra entidade é dose, mas é isso aí.

Arthur Aleks disse...

Sinto dizer-lhe isso, senhorita, mas a liberdade de ninguém vale mais que a vida de um animal de outra espécie. Talvez mais que a de outro humano, se este tiver cometido um crime hediondo a alguém, então, caso esta pessoa n esteja disposta a se redimir, pode ser julgada e sentenciada à morte, mas não há motivo para o mesmo ser feito a um animal.

Anônimo disse...

pessoa das 11:39, a umbanda e o kardecismo sao religioes muito diferentes, a umbanda nao nasceu de algum tipo de rejeiçao do espiritismo, até pq as crenças sao diferentes, as origens tb... se vc teve alguma experiencia insatisfatoria dentro de uma crença, por favor, nao generalize a todos... pare de afirmar com tanta veemencia algo que parece desconhecer, a teoria, as origens... detesto papos onde as pessoas condenam o precocneito com X, ao mesmo tempo que destilam o preconceito com Y... generalizações são estúpidas.

João Inácio disse...

Apenas um esclarecimento: NÃO HÁ - e nunca houve - SACRIFíCIOS DE ANIMAIS nem na Umbanda nem no Kardecismo.

Religiões que se utilizam sangue animal são a Nação (chamada genericamente de batuque no Rio Grande do Sul) e no candomblé.

No batuque, os animais são mortos SEM TORTURA, com cortes certeiros (sofrem menos que em frigoríficos). O sangue é usado nos rituais e a carne é cozida, assada ou frita e TODOS os filhos de santos, além dos convidados de festa, COMEM as comidas. NADA vai fora. Na Nação são utilizados os seguintes animais: frangos, em sua imensa maioria, cabritos, raramente, pombos, mais raramente, peixes, normalmente uma vez ao ano e muito eventualmente, caramujos. Para se ter ideia, dos cabritos, TUDO é aproveitado. O couro deve ser curtido e é utilizado na feitura de tambores. Nada é desperdiçado. Para maior aproveitamento das aves, elas são cozidas em panela de pressão. Os rituais com animais ocorrem apenas em ocasiões especiais. E o preparo deles é feito sob rigorosas normas de higiene. O que se vê numa cozinha de uma casa de religião não é nada diferente do que se vê num...... restaurante.

Então, para aqueles que ignoram como se dá o uso de animais em determinados cultos afros - portanto são ignorantes no assunto - se informem antes de escreverem tolices, cometerem erros grosseiros e emitirem opiniões preconceituosas.

O preconceito religioso é crime, plenamente tipificado no Brasil. Emitir opiniões de caráter ofensivo a práticas religiosas e seus rituais, pode ser criminalizado.

Lei 7.716, de 05 de Janeiro de
1989- Lei CAÓ, no Artigo 140, §3º,
do Código Penal - CP, e no Artigo
208 do Código Penal.
(a) Ofender a alguém com
xingamentos relativos à sua raça,
cor, etnia, Religião, ou origem.
(Art. 140 Código Penal (injúria),
com qualificadora do §3º. Pena: 1
(um) a 3 (três) anos de reclusão).
Inclui-se aqui o ato de ofender
alguém com xingamentos à sua
religião.
(b) Impedir a entrada ou negar
atendimento a alguém em
estabelecimento comercial, hotel,
pensão, restaurante, casa de
diversão, estabelecimento
esportivo ou clube social aberto
ao público, por motivo de raça,
cor, etnia, Religião, ou
procedência nacional. (Cf. Lei nº
7.716/89, Art. 1º a 18º. Penas de
reclusão variáveis);
(c) Impedir ou dificultar o acesso
de alguém a cargo público,
emprego ou estabelecimento de
ensino.(Cf. lei 7.716/89, Arts. 1º a
18º. Penas que variam de 2 (dois)
e 5 (cinco) anos de reclusão. Idem
se for o caso de se negar ou
dificultar emprego a alguém em
empresa privada por motivação
racial (Art. 4º).
(d) Praticar, induzir ou incitar, por
qualquer meio, a discriminação
ou preconceito, piorando a
situação de quem o fizer pelos
meios de comunicação ( racismo
"difuso", genérico). ( Lei nº 7.716,
Arts. 20º);
(e) Praticar ato ofensivo à religião
alheia com o propósito de diminuí-la ou ridicularizá-la,
principalmente pelos meios de
comunicação ( Lei 7.716, Arts. 1º
ao 20º, §§ 2º a 4º);
f) Humilhar alguém
publicamente, por motivo de
crença religiosa, ou impedir ou
perturbar cerimônia ou culto religioso; ou menosprezar
publicamente ato ou objeto de culto religioso. (Art. 208 do Código Penal).

João Inácio Silva - umbandista e kardecista
Porto Alegre - RS