quarta-feira, 7 de maio de 2014

O QUE A GENTE FAZ COM O PRECONCEITO ENRUSTIDO?

O G. perguntou:

"Estava discutindo racismo, homofobia e outros preconceitos com um amigo meu e chegamos à conclusão de que somos ambos meio racistas e homofóbicos (e ambos somos gays, o que piora). O problema é: nós sabemos todo o discurso politicamente-correto- anti-preconceito e acreditamos sinceramente nele, até discutimos com outras pessoas quando vemos demonstrações públicas de preconceito, mas não conseguimos nos desprender do preconceito... enrustido.
Eu, por exemplo, fico extremamente incomodado quando algum gay muito efeminado fica perto de mim. Acho feio, ridículo, me dá nojo. E sei que estou completamente errado em pensar isso, nunca trataria a pessoa de maneira diferente, mas continuo pensando...
Outro exemplo, agora de racismo: não consigo achar negros bonitos, nenhum mesmo. Mulheres, até consigo. Achava que era uma questão de gosto pessoal, mas, lendo seu blog, percebi que é racismo.
E, por último, preconceito estético. Percebi que trato pessoas que considero mais bonitas exponencialmente melhor do que pessoas que eu considero feias, mesmo que eu não tenha interesse sexual na pessoa.
Enfim, queria saber o que fazer pra tentar acabar com esse preconceito interno."

Minha resposta: Querido G., só de você questionar todo esse discurso naturalizado já mostra que você quer mudar, que você não quer mais perpetuar preconceitos. Porque, por mais que esses preconceitos todos fiquem na sua cabeça, e que você não destrate pessoas, volta e meia eles aparecem. E não são bonitos. E nos deixam muito mal na fita.
Vivemos numa sociedade racista, homofóbica, machista, gordofóbica, e cheia de tantos outros preconceitos. Isso afeta a vida de todos. Aliás, afeta não: atrasa. É péssimo pra sociedade ser preconceituosa. Mas é, por mais que a gente lute contra isso. E nós não viemos de Vênus ou Marte anteontem. Somos cria dessa sociedade preconceituosa. E ninguém nunca disse que é fácil se livrar dos preconceitos. Pra muita gente, é uma luta diária. Mas é uma luta que vale a pena. 
Antes de continuar, uma boa notícia: pelo menos do mal do racismo você não sofre mais. Você deve ter visto que a Veja decretou que, graças à campanha "Somos Todos Macacos", acabou-se o racismo -- talvez para sempre. Celebrate! Agora sim negros deixarão de ser chamados de macacos (Danilo Gentili já se comprometeu?). E isso de 70% dos miseráveis no Brasil serem negros? Coisa do passado! E isso do porcentual de negros assassinados no país ser 132% maior do que o de brancos? Acabou também! E adeus a essa injustiça de um homem branco ganhar 172% a mais que uma mulher negra!
Antes, quando existia racismo, nós todos estávamos expostos a uma mídia racista, que propagandeava que só um tipo físico poderia ser considerado belo. Nem faz tanto tempo assim! Nas Olimpíadas de Londres, em 2012, vários portais de notícias fizeram listas das mais lindas esportistas. O Terra, por exemplo, escolheu 117 fotos. Só duas delas tinham uma atleta negra. Quando a gente via seleções e mais seleções de mulheres bonitas, e quase todas eram brancas, e aí a gente via seleções de homens mais feios, e quase todos eram negros, bom, suponho que isso influenciava o nosso "gosto pessoal" de alguma forma, né? Se afetava até as crianças negras...
Alguns podem argumentar que, mesmo antes do fim do racismo, a revista People havia eleito Lupita Nyong'o a mulher mais linda do mundo, num sinal inequívoco de que o racismo já estava mesmo com os dias contados. Mas, não sei se você lembra, a repercussão que teve essa eleição foi imensa. Nunca vi um resultado ser tão disputado! Hoje, claro, isso seria diferente. 
Ok, ok, chega de tanto sarcasmo! Agora falando sério. A gente sabe que há um grande preconceito entre os próprios homens gays contra gays mais "afeminados". Por que você acha que isso acontece? Você deve saber melhor do que eu! Mas acho que, de modo geral, há maior aceitação e tolerância no mundo LGBT que no mundo hétero. Tem muito gay que gosta de "afeminados", assim como tem gay que gosta de "urso", e por aí vai.
Acho que existe "gosto pessoal", mas que esse gosto é muito menos pessoal do que gostaríamos de acreditar. Ele é moldado e influenciado pelos gostos da sociedade. Por isso, não são universais. Esses gostos mudam de lugar pra lugar, de época pra época. A galera mais conectada com a eugenia adora trazer cálculos matemáticos pra "provar" que a beleza é uma só. Mas não é. 
Felizmente, existe muita diversidade no mundo. E existe muita gente que gosta dessa diversidade. Você já deve ter passado pelo momento esquisito em que aquele carinha que você acha lindo não é considerado lindo por um amigo. Ou que o carinha que você acha feinho é visto como lindo por outras pessoas. Não somos caixinhas. Não é tão fácil assim nos moldar.
Pense no Dustin Hoffman. Lembra do que ele falou sobre se arrepender por ter tratado mal, ou ignorado, mulheres fora do padrão de beleza? Disse ele: "Há muitas mulheres interessantes que não tive a experiência de conhecer nessa vida porque sofri lavagem cerebral". Acho que não resta muita dúvida que, quando limitamos nossos gostos, saímos perdendo. 
Acho que é possível treinar nosso olhar pra beleza. Fomos condicionadxs a achar isso bonito e aquilo feio, mas podemos desaprender. Podemos aprender de novo. Devemos questionar tudo, inclusive porque só consideramos bonitas pessoas de um determinado tipo físico, de uma determinada idade. Porque quem disse que rugas, sei lá, não têm sua beleza? E precisamos nos lembrar sempre que temos mais de um sentido, não só o visual. Usamos todos?
Eu gosto muito de Beleza Americana, o filme, de como o rapaz esquisitão acha linda a imagem de uma sacola de plástico sendo levada pelo vento. Não é algo que nós normalmente acharíamos bonito, mas... por que não? Por que não pode ser? 
No monólogo final do filme, o protagonista diz: "É difícil ficar zangado quando há tanta beleza no mundo". E eu acredito muito. Primeiro, de que não precisamos ficar zangados sempre. Segundo, que há tanta beleza no mundo. Porque há. A gente só precisa olhar com outros olhos, sentir com outros sentidos.

52 comentários:

Anônimo disse...

sera que o autor precisa realmente perguntar pra terceiros o que ele precisa fazer diante dos proprios erros ? acredito que vc ja tem as respostas, man.

Sara disse...

e por falar em beleza, essa aqui não tem como NÃO tirar o chapéu...em uma mulher apenas vários preconceitos foram derrubados.

https://br.mulher.yahoo.com/fotos/conheça-a-incrível-mulher-que-ainda-pratica-fisiculturismo-aos-77-anos-de-idade-slideshow/conheça-a-incrível-mulher-que-ai

Raven~ disse...

Preconceito estético é muito comum e ninguém percebe q ele existe. Nunca, nunca vou me esquecer o motorista de ônibus que não esperava minha mãe pq ela era "velhinha" e me esperou uns 3 ou 4 minutos pra eu dar uma corrida até alcançar. Eu nem me liguei de nada e quando comentei com minha mãe, ela disse: "Mas é claro! Vc é jovem e bonita". Oi? Nem sabia q isso existia. Mas de lá pra cá eu vejo comoTODO MUNDO é assim.

Raven~ disse...

Muito pertinente o post de hoje. Obrigada.

NAZGUL disse...

lola, voce que comentou tanto sobre a ''tragedia'' de santa maria ano passado, e como os sanctos como eu e outros, comemoramos muito e fizemos uma comu no orkut pra comemorar. vários pega-ninguem estavam la felizes.

fiquei sabendo que santa maria foi um holocausto comandado pela dilma. um sacrificio humano a algum deus ou demonio que essa elite globalista segue, foi um holocausto contra arianos. digo uma coisa, eu acho que baladeiro merece morrer mesmo, por isso eu jogo no lixo esse ideal de raça, e foco na misantropia mesmo, ódio pela humanidade. por isso eu digo, valeu dilma, valeu pelo holocausto de fogo contra os baladeiros descolados. o que acontecer comigo apos a morte não importa, o que importa é que eu vou viver de acordo com meu ódio contra pessoas descoladas, caras alfas comedores, putas baladeiras etc.

valeu mesmo dilma. os pega-ninguem agradecem, voce fez o maior massacre anti-bullying da historia.

Anônimo disse...

Isso me lembra uma situação que aconteceu comigo e que é um bom exemplo, adoro futebol e estava assistindo um jogo do campeonato europeu (não lembro qual) um jogador negro substituiu um jogador lesionado. Eu assistia com a minha mãe e falei pra ela: Que homem lindo (este jogador é da costa do marfim)olha o fisico, a cor... ela concordou comigo e ficamos admirando o tal jogador.
Ao ouvir a história meu namorado "estranhou" o fato de achar um negro bonito (tão bonito). Perguntei com qtas negras ele já tinha ficado ou saído ele me disse que nenhuma e que não achava bonito.
Não era uma questão de beleza, era uma questão de cor, mas que ficou sempre muito bem escondida no machismo dele, afinal ele só sai com bonita.

Anônimo disse...

quem n quer e n ve graça em negros- racista

quem só quer e só gosta de negros,ignorando brancos- nada.

Camila Fernandes disse...

Lola, não é sobre preconceito, e talvez você já tenha visto, maas vou deixar aqui o link para um programa britânico que mostra um pouco da TV brasileira.

"O vídeo é um episódio do programa The Greatest Shows on Earth (“Os maiores programas da Terra”) que mostra a TV brasileira. Daisy Donovan, a apresentadora, visita as principais emissoras do país para ver de perto como são feitos os programas com maiores audiências."

http://awebic.com/brasil/como-estrangeiros-veem-tv-brasileira/

Anônimo disse...

Mesmo que eu ainda tenha muitos preconceitos enrustidos, tem coisas que me ajudam a combatê-los:
-ler sobre pq eles são errados,
-ver imagens positivas do grupo com que tenho preconceitos ainda (bentido tumblr), e a cada vez que bater um preconceito tentar ir repetindo que não tem nada de errado em ser daquele jeito, e
-lembrar que eu já fui bem pior (isso realmente me faz acreditar que eu posso melhorar naquilo).
bjos e boa sorte

Anônimo disse...

A beleza é feita de dois elementos fundamentais: juventude e saúde. Uma mulher de 70 que parece ter 50 é considerada bela. Uma de 20 que parece ter 40 é feia. E saúde é fundamental né gente? Ninguém pode ser acusado de ser preconceituoso por achar feia uma pessoa que não tem o mínimo.

André disse...

Não precisa aprovar o comentário, é só uma correção matemática. Se A ganha 172% mais que B, então B ganha 73% menos que A.

Anônimo disse...

acho que quando perguntamos p/ alguém é porque aquilo nos angustia e precisamos dividir, saber se o que sentimos é assim tão feiooo...(ou é bem humano).





André disse...

Desculpe, 63% menos. Se A ganha x% mais que B, B ganha x/(100+x)% menos que A.

fabi disse...

Eh muito comum negros serem contra as quotas raciais, homosexuais discriminado homosexuais.. eu mesma qdo nova achava que mulher tinha que se preservar, e por ai vai.
O grande merito e a razao da continuidade de um preconceito eh fazer com que os oprimidos tenham a necessidade de se identificar com seus opressores.

Anônimo disse...

Toda essa celebração sobre a imagem dessa Lupita não passa de teatro.Oscar e vários prêmios internacionais,agora a capa da revista People.Apenas estratégia pra amenizar um problema que duvido muito tenha fim,racismo.Não esqueçamos que essa mesma Lupita é modelo,ou seja ela segue padrões de beleza,quantas mulheres negras excepcionais poderiam ser celebradas,mas são velhas demais,ou estão fora do padrão estético estabelecido?

Anônimo disse...

Entendo o que o autor quis dizer. Mas acho que as coisas nao sao tao simples.
Eu sou racista. Gostaria de nao ser, mas sou.
Me policio sempre para não permitir que esse racismo acabe prejudicando alguem, ou mesmo que seja exposto. Mas é algo que foi implantado no meu subconsciente e que dificilmente eu vou conseguir superar. Entao o preço a pagar é mesmo a vigilância constante.

Professora Zulmira disse...

Uma observação sobre os gays "muito afeminados": eles não têm escolha, eles são assim naturalmente. Dou aulas para o público adolescente e vejo como é inevitável para alguns jovens comportarem-se de maneira "exageradamente" feminina. Há alguns, muito novinhos, que nem perceberam ainda que são gays. Resumindo: não nos irritemos com aquilo que é da natureza humana. É tão absurdo como se irritar por uma flor ser amarela em vez de ser vermelha.

Anônimo disse...

Caro NAZGUL, poderia me explicar 2 coisas?
1ª: Sua incompetência é tão grande assim? Odiar uma pessoa porque não tem competência pra ser igual a ela é meio doentio cara.
2ª: Que porra é um cara alfa?

Pra mim, Alfa é isso: http://3.bp.blogspot.com/-MzjmO_w0HFY/UCJK_nwSlwI/AAAAAAAAADU/WJaN8vV_MyQ/s1600/156-03.jpg
Agora uma pessoa ser alfa pra mim é novidade.

lola aronovich disse...

Nazgul, vc é o Maionese? Olha, o pessoal de psicologia não gosta que eu fale assim, mas... vc e seus amiguinhos são completamente loucos. Malucos. Insanos mesmo. Por favor, procure tratamento urgente (imagino que vc já esteja tomando remédios controlados, mas... Não sei se o tratamento está funcionando. Pelo jeito não. Não sei se tem cura. Mas que miséria de vida é essa em que vcs comemoram um incêndio numa boate?! E ainda por cima criam teorias da conspiração mirabolantes).

Fabiana disse...

Lola

Na verdade eu acho q o nazgul te ama... Ele vem aqui te contar as coisas que ele "descobriu", posta links e pede para você comentar o assunto... faz de tudo para chamar sua atenção.

É clichê demais.

Anônimo disse...

Nunca vou esquecer o que a Glória Maria disse uma vez em uma revista,"O olhar do outro é que nutre a gente"infelizmente concordo 70%.Sou bonita mas deficiente físico e percebo claramente o tratamento que as pessoas tem para comigo quando estou com outras pessoas.Eles se dirigem a elas com mais atenção e a mim sobra a indiferença.SER HUMANO É PRECONCEITUOSO PRA CARALHO,HIPOCRISIA DIZER QUE NÃO.Os que dizem o contrário sempre tentam compensar seus preconceitos,tipo:é negra mas é gostosa,é deficiente mas é esforçado,é negão mas é cheiroso é coroa mas dá um caldo e por ai vai!

Anônimo disse...

Nazgul, tu "odeia" os seres humanos, mas simpatiza com os ratinhos, né? Não quer uma vida real em sociedade, mas tem uma vida virtual em sociedade.. Vem aqui todos os dias, interage.. Olha, sei que tu toma teus remédios, sinal de que já tem ajuda especializada, mas tem um monte de coisas que podem ser legais, tu poderia tentar. Criatura, tenta descobrir coisas que te façam bem, e na boa, é óbvio que tu não crê nessa teoria toda, tampouco vai ficar feliz com a morte de gente que nunca te fez nada, né? Teus amigos, Nazgul, estão usando uns trocinhos recreativos pesados, viu? Não vai atrás.

Anônimo disse...

Meu cunhado tinha problemas com mulheres. Ele não gostava de mulheres, não trabalhava com elas, não as contratava, no máximo apreciava seus corpos e mais especificamente suas vaginas, passado o coito ele queria é que a infeliz sumisse da sua frente.

Aí um dia ele precisou dos meus conhecimentos e acabei indo trabalhar na empresa dele.

Muito embora ele nunca tenha me destratado de forma alguma, eu sentia umas coisinhas de machismo enrustido aqui e ali, e conforme a gente foi pegando amizade ele acabou abrindo o coração nessas coisas. Quando ele me disse que me via como um homem, corrigi. Disse que ele só considerava homem como pessoa, porque do contrário me veria como uma igual independente de ser mulher. Foi engraçado ele se chocar com as próprias palavras mas isso serviu pra ele começar a abrir os olhos.

Ao longo de três anos que trabalhamos juntos ele foi abrindo a cabeça, passou a fazer parcerias profissionais com mulheres e hoje em dia a força de trabalho que ele emprega é majoritariamente feminina. Na sua vida pessoal, ele mudou também. Tirou o "vadia" da boca e passou a se relacionar melhor com suas parceiras, mesmo as eventuais. Diz ele que desfazer esse complexo machista o ajudou muito a melhorar sua qualidade de vida e a resolver seus problemas internalizados por conflitos com mãe e outras mulheres do passado, que acabaram contribuindo para essa visão machista do mundo q ele tinha. Reconheceu por si só que é muito mais fácil viver sem a obrigação de cumprir um papel que não é danoso somente para a sociedade mas pra ele próprio e que o machismo roubou dele muito de sua humanidade.

Muitas vezes, para a gente se livrar de um preconceito é preciso que exista esse confronto com a própria ideia. Alguém cuja própria presença esfregue na sua cara o quanto você está errado, que não é "aquela" pessoa que é especial mas sim a sua ideia de pessoa que está deturpada. Da minha parte, eu passei com essa experiência a tratar o machista não como um monstro mas como uma pessoa que provavelmente é mal informada e isso também melhorou a minha relação com o mundo do patriarcado e facilitou para que eu trouxesse mais gente pro lado bom da Força respeitando a individualidade da pessoa e sua liberdade de opinião. Quer ser machista? Tudo bem. Não quer ser? Então me pergunte como kkkkkk

Mas claro, a abertura já tem que existir na pessoa. Não é a gente que muda alguém, é a pessoa que muda a si mesmo. No máximo, podemos dar uma forcinha.

Anônimo disse...

Excelente post! Esse blog é um oásis na internet pra gente que sofre preconceito, principalmente negros, pq nessa sociedade, ser negro pode piorar tudo. Ex: ser gay afeminado E negro, ser mulher E negra, ser gorda E negra, deficiente E negro... e por aí vai.
E por falar em ser negrx, depois de tantos pretos inocentes como Alailton e Marcelo, "até que enfim" lincharam uma branca (uma pobre mãe de família), e que foi o único caso que gerou comoção. Percebem?
Não é vitimismo nem mania de perseguição, são fatos, que o racismo internalizado não permite que muita gente enxergue, afinal, combater o que um negro diz é natural em nossa sociedade, mesmo que não tenhamos capacidade de vivenciar 10% da discriminação a que ele é submetido. Estou mudando isso, aprendendo a ouvir e ver de outra forma. Para o autor do guest post: o trabalho é diário, cara. Pode ajudar se vc começar a conviver com aqueles a quem discrimina, numa relação de igualdade, e ouvi- los de verdade. Vc vai perceber muitas semelhanças, se identificar e aprender muito. Lola, obrigado pelo post.

Anônimo disse...

Lola, só depois de comentar aqui eu vi que vc já tinha falado dessa particularidade dos linchamentos. Como sempre, antenada. Um abraço!

donadio disse...

"E adeus a essa injustiça de uma mulher negra ganhar 172% a menos que um homem branco"

Lola, isso é impossível, a não ser que as mulheres negras tenham salários negativos. O que evidentemente não é o caso.

Se eu ganho metade do que você ganha, você ganha 100% a mais do que eu, mas eu ganho 50% a menos do que você. Os homens brancos ganham 172% a mais do que as mulheres negras. Isto é, se elas ganham 100, eles ganham 272. Mas se é assim, então as mulheres negras ganham 63,24% a menos do que os homens brancos.

Anônimo disse...

Exatamente, beleza não existe, é apenas uma questão de treinar o olhar.
.
Queria inclusive indicar a Lola Aronovich para ser contratada como a nova Panicat pela Band. Por que não ? É apenas uma questão de treinar o olhar.

(Alguma coisa me diz que esse post vai ser censurado, afff)

Anônimo disse...

SER HUMANO É PRECONCEITUOSO PRA CARALHO,HIPOCRISIA DIZER QUE NÃO.

=> Concordo. É meio que inerente a natureza humana. Vejam o meu caso. Sou classe média alta. Tenho uma renda que, chutando, uns 98% dos brasileiros não têm. Para os pobres eu sou rico, sou um playboy, sou da zelite. Mas vejam vcs, os ricos (de verdade) me discriminam e me ignoram sumariamente. É palpável o desdém e o desprezo com que os ricos tratam os 'classe mérdia'.
. Ninguém está livre de ser discriminado...

Lívia disse...

Livrar-se dos preconceitos é um exercício regular: meu pai era bastante racista, mas por algum motivo aquele discurso não me soava "natural", porque nada daquilo que ele falava sobre negros era verdade no meu dia a dia, ao contrário: via os poucos colegas negros que eu tinha na escola serem tratados escrotamente pelos colegas brancos. Com a homossexualidade foi a mesma coisa. De tanto ouvir mal dos gays estereotipados que eu tinha na família (um gay afeminado, uma lésbica masculinizada), eu mesma, quando me descobri lésbica, quis de todo jeito me afastar desses estereótipos. Com a busca de esclarecimento, ao longo dos anos, descobri o quanto eu era idiota e deixei de conhecer pessoas legais. No entanto, tem um bichinho lá dentro que ainda se incomoda com essas diferenças, que tomo o cuidado de não externar tratando diferente essas pessoas. Aliás, é tão incômodo pra mim esse bichinho, que toda vez que ele aparece, passo a questionar ainda mais as convenções estéticas e comportamentais de gênero.

Anônimo disse...

e antes que venham com o manjado "classe média sofre" vou logo perguntando: uai, é olímpiada de opressão ?

Love Gótic- disse...

È o velho discurso: NÃO TENHO PRECONCEITO, MAS NÃO NAMORARIA UM NEGRO. Não tenho nada contra gay MAS NÃO QUERO UM FILHO GAY. Nós somos preconceituosos e não negamos esta condição. O que devemos fazer? É necessária esta pergunta? A resposta é que devemos mudar nossos conceitos para não ter preconceitos. Não querem um filho gay afeminado porque o conceito é de que são vulgares, mas um gay encubado até dar para aceitar quase ninguém vai saber. As aulas sobre a formação do povo brasileiro negro, índio e branco fala só de colonização e escravidão tem que falar de aceitação de vergonha na cara em não discriminar. E essa de que não tem preconceito todo mundo tem se não é racial é com sobrepeso, ou com magro, ou com cego, ou surdo, albino, cadeirante. Nós temos que entender que ninguém é melhor que ninguém e trabalhar isso todo dia e não somente quando tiver um post na Lola ou repercussão na tv. Sabemos que é errado e porque não mudamos? Porque temos preconceito com o preconceito que há em nós.

Anônimo disse...

Vou contar uma anedota que aconteceu comigo para ilustrar o que estou dizendo sobre a discriminação da classe média pelos ricos.

A cerca de um ano atrás, numa festa chic aqui na minha cidade, consegui pegar uma menina rica, da high society, tava dando uns beijos e tal. Numa determinada hora, chegaram na festa umas amiguinhas riquinhas dela que conheciam e conversaram com ela um pouco (longe de mim). Depois disso , a mulher ficou mais fria que nariz de cachorro comigo, começou a me evitar mesmo. .... Certeza que avisaram pra ela que eu era classe média, hahahaha

betterathome disse...

Estou com um PÓS CONCEITO muito intenso em relação a gente metida a boazinha, chorozinha, chantagista sentimental e manipuladora.

A dona deste blog vislumbra recuperação de estupradores-assassinos- psicopatas irrecuperáveis ao convívio social e quem não concorda, ela grita: pega @ reaça!

Anônimo disse...

Lola, acho que seu blog merecia um post sobre os gays afeminados. Eles são extremamente discriminados, especialmente por outros gays. E a razão de serem discriminados é justamente terem comportamentos ditos femininos.

professora em greve disse...

Recadinho pra profª zulmira:

Existem homens "afeminados" hetero

Resumindo, tem de tudo e mais um pouco neste mundo no q diz respeito a sexualidade humana, inclusive a indiferença em relação ao sexo

Junior disse...

Belo post.

Professora Zulmira disse...

Recadinho para a "professora em greve":
você tem toda a razão, existem homens "afeminados" héteros. Devo concluir que alguns dos adolescentes que mencionei tornar-se-ão héteros ao chegar à idade adulta. Isso é importante por que mesmo???

Anônimo disse...

Professora Zulmira (12:18).

É importante por que você assumiu que estes alunos eram gays somente por serem "afeminados".

E isso também é uma forma de preconceito.

Anônimo disse...

recadinho pro anon 11:12

as amigas dela avisaram q tu não passa dum "pegador"

Boa anon 12:34

Anônimo disse...

Vamos lá:

Esse negócio de "Opinião pessoal" não cola quando você tá excluindo TODO MUNDO de uma determinada categoria.

Eu não sou obrigada a achar qualquer negro bonito, mas eu também não acho inteligente dizer "acho negro feio" - porque existem vários estilos, tipos, tamanhos, cores, jeitos, feições, e personalidades nos negros. Negro não é uma coisa só, não são todos iguais, mano. Botar tudo no mesmo balaio é preconceito sim, principalmente pela falta de capacidade de diferenciar eles (é racista também aquele papo de que oriental é tudo igual, sacou?)

Já quanto xs afeminadxs, isso é homofobia internalizada sim. Sentir "nojo" é uma coisa muito forte. Tenho amigos gays que não gostam daquele estereótipo do gay baladeiro e festivo, mas isso é porque eles não se identificam - e eles não sentem nojo. Conheço outros que são afeminados têm certa aversão àqueles que são machões e ostentam que "são ativos" aos quatro ventos (não há problema em preferir ser ativo, mas em ostentar como se isso fosse superior), mas aí já é resistência deles, porque eles já foram agredidos, diminuídos e ofendidos por esses machões.
Reduzir uma pessoa à pecha de "passivona" ou "afeminado" é ignorar toda a identidade deles. Eu tenho uns dez amigos afeminados, e eles são BEM diferentes entre si. Muita pobreza ignorar isso.
Se você não quer fazer sexo com essas pessoas, beleza, mas puta merda amigo, ficar perto não arranca pedaço, e na minha opinião o gay heteronormativo que "não dá pinta" não tá sendo melhor que nenhum deles.

Anônimo disse...

Eu namoro um afeminado hetero :)

Ele nunca ficou com homens, adora mulher, mas é todo metrossexualzinho, sensível, anda igual mulher, fala igual mulher (ele não afina a voz, mas fala super macio) e... nossa, melhor parceiro que eu já tive :)

Anônimo disse...

Eu acho que eu sou meio racista, principalmente na parte de tentar não ser racista.

Meu pai era super racistão, falava várias escabrosidades, e minha mãe ficava do outro lado dizendo "racismo é MUITO FEIO, não seja racista, blablabla"

Aí acabou que eu comecei a tratar os negros diferente, porque eu sabia desde cedo que existia conflito.

Eu passo o tempo todo repetindo na minha cabeça "não seja racista, não seja racista, não trate ele diferente" - e eu nem mesmo sei que tipo de racismo eu poderia cometer, mas eu estou sempre preocupado. Aí eu fico meio travado, meio maquinal, me calculando em tudo, e isso é racista pra cacete.

Professora Zulmira disse...

Professora em greve: eu ter assumido que os alunos eram gays em potencial pode ter sido preconceito no sentido >>vernacular<< mas não no sentido >>preconceituoso<< do termo (perdão pela redundância), porque para mim é tão irrelevante, mas tão tediosamente irrelevante o direcionamento sexual que eles darão às suas vidas, que torna-se
também tediosamente irrelevante a presente troca de ideias. Boa sorte com a greve!

Anônimo disse...

O preconceito só "envergonha" o ser humano quando ele está em sociedade.Engraçado que "comer"uma negra ou aleijada entre quatro paredes come e ainda lambe os beiços,tem ódio de quem é pobre e zona norte mas se tiver um churrascão de primeira,samba e debruça na laje e sonha uma noite com travesti.Isso lembra demais os grandes senhores de engenho que casavam com as pós de arroz e desejavam as escravas,é o que mais tem até hoje.NO SEU QUARTO ESCURO MEU BEM,VOCÊ NÃO TEM PRECONCEITO MAS DÁ PORTA PRA FORA HUMMMM.Desculpem-me o vocabulário mas é assim que a banda toca!

Anônimo disse...

Lola, muitos das pessoas que fazem piadinhas depreciativas com negros, mulheres, gordas, etc não são necessariamente sem conserto. Elas apenas não conseguiram perceber que rir do oprimido não é engraçado: é bullying mesmo. Vi casos de muitos e muitas que amadureceram e mudaram, portanto não acho que devamos rotular as pessoas eternamente.

Mas alguns são um pouco piores, sabe?

Um desses babacas famosos que você sempre cita é um cara bastante sombrio. Sou jornalista e já recebi inúmeras histórias muito muito estranhas sobre ele. Mas as minhas fontes nunca querem denunciar, nunca querem levar nada pra frente, porque nunca há provas. E o motivo de não haver provas é ainda mais estranho. Mas uma hora, acredito, a casa vai cair.

Muitos dos babaquinhas vão amadurecer e vão se libertar dos próprios preconceitos, mas há babacões que vão muito muito além das piadinhas. Medo.

Anônimo disse...

Donadio, se eu ganho um salário de R$ 3.000, e você ganha R$ 30.000,00, quantos % (do meu salário) você ganha a mais que eu?

André disse...

Anônimo 10:24,

Um salário é R$27.000,00 superior ao outro, ie, um ganha 9x ou 900% a mais que outro. Ou, dito de outra forma, um ganha 10x ou 1000% do salário do outro.

donadio disse...

"Donadio, se eu ganho um salário de R$ 3.000, e você ganha R$ 30.000,00, quantos % (do meu salário) você ganha a mais que eu?"

Se esse fosse o caso - o que não é, diga-se de passagem, para o caso de algum sequestrador em potencial estar estalqueando aqui - eu ganharia 900% a mais do que você. E você ganharia 90% a menos do que eu. Se você ganhasse 900% a menos do que eu, estaria pagando para trabalhar. Vinte e quatro mil reais, pra ser exato.

Julia disse...

Anon 22:49,

É o Gentili, né? Esse cara é muito bizarro. Uma ex-namorada dele até o processou porque ele a citou no programa. Ela não queria ser associada a ele. Imagina a merda que ele deve ter feito.

Marina disse...

Esse cara é muito escroto. Olha a forma como ele se referiu à ex que o processou, Lola. E ainda incentivou milhares de fãs! Se isso é piada, quero morrer mal humorada:

https://www.facebook.com/Danilo.Gentili.Oficial/posts/392237870852773

https://www.facebook.com/Danilo.Gentili.Oficial/posts/392232534186640

Anônimo disse...

Babacão sem conserto? Precisa nem dizer que começa com D. A maioria desses humoristas é apenas babaquinha e maria-vai-com-as-outras. Muitos têm conserto. A Lola mesmo já publicou comentários com relatos de leitores que não compreendiam que as piadas que faziam (ou das quais riam)não eram inocentes. Mas esse D., não. Esse cara é muito estranho mesmo. Mesmo. A palavra "sombrio" realmente o define. O que me dói é saber que um cara desses tem cada vez mais sucesso, já tá até ganhando do Jô Soares em audiência, tá cada dia mais rico e poderoso. Não há justiça no mundo.
PS: Lola, você não vai falar sobre a absolvição do indivíduo em questão? Gostaria de ler um texto seu sobre isso aqui, ó:
http://www.diariodocentrodomundo.com.br/nao-preciso-de-bananas-preciso-de-justica/

Nathália disse...

Lembro-me de uma vez no primeiro ano do colégio, o professor de filosofia perguntou quem namoraria um negro, (sem discriminação alguma). Apesar de estar dentro do assunto discutido na aula (questões de ponto de vista), eu, na época criança/adolescente, ingênua (talvez?), fiquei surpresa pela pergunta. Pois, por que haveria de ter algum problema em namorar alguém de cor diferente? O professor teve que ter um pouco de paciência para me explicar que por questões, principalmente, históricas há essa discriminação. Antes, eu nunca havia pensado dessa maneira.
Numa escola que trabalhei havia um aluno (nem 6 anos ainda, acho) que preferia brincar com as "coisas de meninas". E um dia, a auxiliar da classe dele ao vê-lo ir brincar com as meninas perguntou por que ele não ia jogar bola com os meninos, e ele respondeu que "se meninas também podiam jogar bola, por que ele não podia brincar com as bonecas?". Achei o máximo! Queria ter podido conhecer e parabenizar os pais dele pela educação.

Acho que para combatermos nossos preconceitos, principalmente os enrustidos, como você disse "temos que treinar nosso olhar", e acrescentando, abrir nossas mentes alienadas. Toda nossa bagagem cultural está cheia de preconceitos, e "personalidades" e "revistas de opinião" não ajudam em nada para combater isso.
O problema é quando na escola quem deveria educar repreende de forma e pelo motivo errado (já que em casa o portal de informação é a TV).

Obrigada pelo texto.
E, escreva Lola, escreva!