segunda-feira, 21 de outubro de 2013

TROLLS, HATERS, E OUTRAS PRAGAS

Eles não costumam ser tão fofinhos

Outro dia vi uma palestra interessante da consultora Nicole Sullivan sobre trollagem (aqui, em inglês; dura quase treze minutos). 
Começo não concordando com sua definição de troll: pessoas que buscam conflito. Trolls não buscam apenas conflito -- buscam destruir. E tem gente que não é troll e que "busca conflito". Por exemplo, há ativistas que “buscam conflito”. 
Em outras palavras, que questionam o que outras pessoas dizem e fazem. Isso pode ser visto como buscar conflito, não? E eu nunca chamaria essxs ativistas de trolls.
Entre alguns haters, eu tenho uma fama -– totalmente injusta, a meu ver –- de barraqueira. Mas eu nunca iniciei uma treta, a menos que se considere que escrever um post sobre um assunto ou um tweet seja buscar conflito. Criticar ideias não é buscar conflito.
Eu diferencio entre troll e hater. Troll, pra mim, não é a pessoa que vem uma ou duas vezes xingar no blog ou no twitter. É alguém insistente, que faz isso com frequência, que quer perturbar a caixa de comentários, ou que pensa que eu me incomodarei com as idiotices que fala (minha favorita é o troll que diz que, depois de me dizer todas aquelas “verdades”, eu irei me retirar e chorar em posição fetal, ha ha). 
Hater é diferente. O hater em geral fala pelas costas, pra galera, e não está tão interessado em que eu saiba o que ele diz (até porque em 99% das vezes eu não faço a menor ideia por que aquela pessoa me odeia a ponto de falar tanto de mim. Antes de me avisarem, eu nem sabia que ela existia). 
Concordo quando Nicole diz que algumas pessoas sentem-se energizadas pelo conflito. Ela acrescenta: se vc não for uma dessas pessoas, sempre irá perder, se jogar pelas regras do troll. 
Trolls se alimentam de atenção. Quanto a este ponto, nenhuma dúvida. Acho que ninguém discorda. A dúvida é seguir ou não aquela velha sugestão, "não alimente os trolls".
Nicole obviamente é contra alimentá-los: “Se você só responder a cretinos, sua vida em breve estará cheia de cretinos”. Acho que isso é verdade também. “Opiniões mais gentis tendem a se perder na bagunça”. Pois é, e esse é um dilema que, imagino, muitas pessoas que recebem um monte de opiniões passam. É super injusto, e até ridículo, perder tempo respondendo a idiotas, enquanto vc não tem tempo pra dialogar com gente boa (este é um dos motivos que eu adorava quando tinha tempo pra responder todos os comentários). 
Quando comecei a tuitar, mais atrasada que todo mundo, logo passei a incluir alguns comentários de trolls que apareciam nos posts do blog. Imediatamente fui advertida a não fazer isso, porque era dar a atenção que eles queriam. Eu sei, mas tem alguns comentários que são tão absurdos, tão incríveis, que ficam divertidíssimos. Eu gosto de rir. O mascutroll que acusou a mim e a leitoras de sermos “ingratas com o patriarcado” teve seu momento genial, vamos admitir. 
Nicole continua: “Nem todos os trolls são 100% trolls. Alguns podem ser parcialmente trolls”. Ela dá alguns exemplos relevantes. Vamos imaginar que o sujeito escreve “Isso é uma estupides (sic). Vc não sabe do que está falando. Legolas nunca afunda na neve”. Como vc responde? “Estúpido é vc, que nem sabe escrever estupidez”. Segunda opção: “Vc não precisa ser rude. Vou corrigir a informação”. Terceira: “Obrigada pela informação, vou corrigi-la”. 
Nicole é a favor da terceira opção. Tá. O problema é que eu não encaro uma pessoa que faz esse comentário como um troll (porque, pra mim, troll tem que ser insistente). Se ela não estiver falando besteira, vou lá e corrijo. E nem respondo. 
Nicole também cita outros tipos de trolls, como o troll invejoso: “Fiz tudo que vc fez, só que cinco anos atrás e melhor”. O que ele quer é reconhecimento.
Tem o troll “nazista da gramática”, que centra todas as atenções num erro que vc cometeu. Meu preferido nesse caso nem é um troll, se bem que ele é insistente e quer muito que eu saiba que ele exista. É um reaça da internet que escreve vários posts contra mim, ou manda seu pitbull de estimação escrevê-los. Num deles, o sujeito passou o post inteiro falando de como eu era burra por usar a palavra... seios
É, sabe seios, que todo mundo fala? O cidadão inventou que estava errado e que o correto é seio, um só, apesar de todo mundo menos ele falar seios. Pois é, meus grammar nazis preferidos são aqueles que dizem que o que vc escreveu corretamente está errado... porque as vozes disseram isso pra ele.                                                               
Tem também o “troll preconceituoso”, que Nicole mal explica o que é, mas que é o mais comum em qualquer blog de ativismo. São os trolls machistas, homofóbicos, racistas, gordofóbicos, ou mesmo os sujeitos que acham que não são nada disso, mas vem aqui fazer mansplaining ou tentar desviar o assunto. Neste ponto Nicole pisa na bola mesmo, e diz que esses trolls preconceituosos são parecidos com os trolls anti-preconceito que, segundo ela, veem preconceito em tudo. 
E aí eu vejo que Nicole vive numa realidade alternativa quando ela cita o “troll amedrontador”. Ela menciona um exemplo de email que costuma receber: “Por quanto tempo vc vai desvirtuar a internet antes que você desapareça?” Sério que este é o email ou comentário mais amedrontador que ela recebe? Nadica de ameaças de morte e estupro diretas?
Uma dica bacana da Nicole, e que não tem quase nada a ver com trollagem, é o Project Implicit, uma ideia de Harvard em que vc pode fazer vários testes para detectar seus preconceitos internalizados, através de associações. É muito legal, mas vc precisa ter tempo e concentração pra responder a esses testes. 
Devo dizer que no Project Implicit também tem muita coisa besta. Tipo: sobre legumes e vegetais. Eu fiz o teste, e deu que eu tenho uma ligeira preferência por vegetais. Isso pra mim é óbvio, porque a propaganda de que vegetais são maravilhosos pra saúde, e de que comidas com muito açúcar e gordura são péssimas, é muito forte. Então é lógico que eu aceito essa propaganda (e não tenho por que discordar dela). 
Ao mesmo tempo, eu não gosto muito de vegetais (tirando tomates, que muita gente considera fruta. Adoro tomate). Mas alface é um insulto pra mim. Não tem gosto de nada. Se eu tiver que escolher entre uma cenoura e um hambúrguer, eu nem olho pra cenoura, embora eu saiba que ela é boa pra minha saúde. Portanto, não sei o que o teste provou. 
Do sempre ótimo André Dahmer.

39 comentários:

Larissa Petra disse...

Cara o chato do troll é a vontade de responder, mas não interessa q vc dê um fora, com um argumento foda que quebre as pernas do troll, na cabeça dele ao responder ELE venceu.
Tipo quando um babaca entra no blog e chama a lola de feia, chata e gorda, imagino que ela esteja se fudendo para ele, afinal ela sabe que é tudo de bom, mas se ela responder bem respondido ao xingamento infantil dele, na cabeça dele a lola se incomodou tanto, ficou tão arrasada que ela respondeu ele, e ele venceu...

Anônimo disse...

Ai Lola, eu não me aguentei, eu caí pra trás de tanto rir quando vi o argumento sobre o Legolas.

Se te interessa: o Legolas não afunda na neve porque ele é um elfo e essa raça anda de maneira extremamente sutil. E segundo o escritor, elfos são leves e bláblablá whiskas sachê.

É só isso.

Só consigo pensar "Nossa, imagina se cai na Fuvest né?? Ainda bem que eu sei!" no caso do troll revoltado.

Bruna disse...

Vou dar minha opinião.

Lola, eu te adoro, mas uma coisa que me irrita um pouco aqui é justamente a atenção que você dá aos trolls. Por exemplo, há um tempo teve um post muito bom aqui que vc escreveu, e na caixa de comentários muuuitos comentários show de bola. Eu comentei dando uma opinião, outras pessoas fizeram o mesmo, muitas delas perguntando coisas pra vc, e no meio do debate, UM TROLL falou uma coisa besta, bem infantil até.

Você apareceu na caixa de comentários e...respondeu à infantilidade dele( era o que ele queria!) e deixou as outras leitoras sem resposta.

Nunca vou deixar de ler seu blog e admirar sua opinião, mas acho que não se pode deixar que os trolls consigam sempre o que querem!

ma1w disse...

Lola,

Esse antibias troll está mais para aquilo que a gente chama de patrulha ideológica. É a turma que fica procurando qualquer vírgula fora do lugar pra rotular alguém de preconceituoso ou traidor do movimento.

Sabe aquela conversa de "Punk que é punk não toma coca-cola. Punk que é punk não ouve música comercial. Senão, é traidor do movimento." Enfim, papo purista chato pra caramba. Eu acho que a maior vítima do antibias troll não é o bias troll. Os maiores alvos são as pessoas que concordam com algumas ideias dos antibias trolls mas não são tão fundamentalistas. Ainda que você concorde com a ideologia, é impossível seguir tudo o que rege a cartilha. Aí esse povo aparece pra trollar.

Sara disse...

Lola se eu pudesse escolher preferia que não houvessem trolls, muito menos as ideias cheias de misoginia, machismo e homofobia que eles geralmente pregam.
Mas já que eles existem, sou a favor de fazer coisas úteis com eles, como por exemplo se divertir, como muitas vezes, vejo que vc faz tb.
Já disse várias vezes pra vc, que nem sou contra que vc deixe alguns comentários menos agressivos e de preferência os mais patéticos para que possamos rir com o humor involuntário dessa gente.
Admiro sua paciência em em ficar selecionando os que publica entre tantas imbecilidades que vc deve receber.
Acho tb que dar vez a vozes discordantes é saudável e muito democrático, desde que haja respeito, porque não???
Gosto do seu blog justamente pelo fato de vc saber dosar os comentários de seus posts, deixando sempre a caixa de comentários rica em opiniões e pontos de vista diversos, em vez daquela monotonia tediosa das opiniões sempre iguais e concordantes.

elen disse...

o sujo falando do mal lavado,vcs feministas quase sempre se julgam donas da verdade,acham que seus argumentos são maravilhosos e mesmo q a pessoa que n concorde com vcs n seja agressiva,para vcs a pessoa é burra,troll e as vezes duvidam até que seja mulher,já aconteceu isso comigo aqui mesmo e com outras que comentaram tb .

donadio disse...

"Uma dica bacana da Nicole, e que não tem quase nada a ver com trollagem, é o Project Implicit, uma ideia de Harvard em que vc pode fazer vários testes para detectar seus preconceitos internalizados, através de associações."

É um pouco cômico que quando você vai se registrar, pedem sua posição política... e as únicas opções estão num contínuo que vai de "muito liberal" até "muito conservador"...

... bem "implícito", é claro, que todo raciocínio político em todo o mundo segue o modelo norte-americano, e que coisas tais como sociais democratas, comunistas, fascistas, anarquistas, etc., não existem...

Anônimo disse...

Olha, o Futrelle (do Manboobz.com) e algumas colegas dele dizem que eles passaram a usar a estratégia de "alimentar os trolls até eles explodirem" (aqui, descrito: http://airshipdaily.com/blog/92620136-ways-to-fight-trolls-instead-of-starving-them)

Eu acho uma estratégia divertida, principalmente no feminismo e contra inimigos organizados (ao invés de um ou outro isolado).

Maria Valéria disse...

Lola,eu sou do time que acha ( com todo o respeito )que você alimenta demais o trolls!!! Serio, nao sei como você tem paciencia pra responder ou mesmo pro publicar algumas coisas que escrevem,ok, algumas vezes responder com sarcasmo pra gente rir ta valendo,..
Mas, so de vc ter escrito esse post, acho que vc ja alimenta,que eles já sentem o gostinho,entendeu???
Agora outro problema por aqui e gente que nem e troll, que vc não pode discordar de nada , nem de uma vírgula do que falam que ja vem com agressividade,
Tenho mais receio desses ai do que os trolls,porque os trolls so me fazem rir!!! Rsrsrs
Beijo, querida ;)

Barney D. disse...

Acho que vc dá muita atenção pra esse assunto, Lola.
Trolls ou Haters SEMPRE existiram e existirão. E o objetivo deles é exatamente a atenção. Vc alimenta DEMAIS essas crianças. Vc tem um blog famoso sobre um assunto delicado, que ainda a maioria das pessoas são ignorantes a respeito, e fazem questão de continuar assim. É um prato cheio para os desocupados. Já passou da hora de vc aprender como a coisa funciona.

Anônimo disse...

O Brasil tem a mania de usar palavras inglesas para definir ignorancia:
TROLL? BULLYNG? Como diz a minha vó, isso sempre existiu só que tinha outro nome: INGNORANCIA, PRECONCEITO, FALTA DE RESPEITO. Não existe troll, existe gente mal informada, mal educada e mal cárater. Se a gente chegar num lugar público e falar que alguém é arrogante todos entenderam. Agora diz que alguém troll muitos dirão o que é isso? Essas modinhas da linguagem cinceramente me chateiam.

Mordred Paganini disse...

Quando estou com disposição, trollo os trolls até eles sairem chorando...
Mas esta sou eu, né? rs

Anônimo disse...

Lola, espero que vc entenda a crítica, se não concordar tudo bem.
Em minha opinião vc dá muita atenção para os trolls e haters. Especialmente para os trolls.
Já vi varias discussões que poderiam ser boas, com diversos comentaristas dispostos a debater e aprender e basta vir um troll que vc prontamente responde, algumas outras tb, e a discussão toda gira e torno destes homens e do ódio que eles tem. Nada frutífero, parecendo mais debate de escolinha de crianças.
Muitas discussões boas são desperdiçadas com isso.

Anônimo disse...

Comecei a ler o post e cai no choro. Obrigada Lola! Volto depois pra comentar melhor, sempre alimentei trolls. Bj. Te adoro.

Amaranta disse...

Meu comentário é sobre outro assunto que também se destaca na internet: a desigualdade de gênero evidente nos buscador de pesquisa do google. Vejam o link da matéria:

www.cartacapital.com.br/internacional/a-desigualdade-de-genero-esta-no-seu-teclado-3392.html

Anônimo disse...

É muito chato mesmo a falta de respeito com a diversidade de pensamento...

Anônimo disse...

Muito chato a falta de respeito alheia.

Barbara O. disse...

os trolls da internet não me incomodam mais. pura poluição visual. mas aí me pego pensando arrepiada: e esta gente na vida real? isto me preocupa muito mais...

Natália disse...

Poxa, Lola, eu prefiro alface! Tomate, só no molho hahahaha
Ah, sim, post bom como sempre! bj

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Já tive uma fase de achar que trolls eram trolls porque não sabiam bem do que estavam falando e que com um pouquinho de paciência ou você esclarecia uma pessoa e até "trazia pro seu lado" ou no mínimo tinha uma conversa civilizada com alguém que nunca vai concordar com você...
Anos depois, já tenho certeza que trolls já leram milhares de vezes as mesmas respostas para as coisas que escrevem, mas seguem insistindo nas mesmas coias, fingindo que não leram a resposta. Então o objetivo é só torrar a paciência mesmo, chamar a atenção que não consegue de outra forma, desvirtuar discussões que os incomodam com inclusões que não tem nada a ver.
Melhor deixar falando sozinho. Se o parasita tem o que ele quer, ele não vai abandonar aquele habitat...

Bru disse...

"Essas modinhas da linguagem cinceramente me chateiam."
Oi anonimo, eu entendo muito bem o que vc sente, pq eu também me irrito!

Não muito no blog aqui da Lola (que nem tem muito disso), mas em muitos sites feministas que frequento, como esse pessoal usa expressões em inglês!!
Eu, pessoalmente, entendo o idioma e não tenho nenhum problema em ler em inglês, tenho bastante facilidade. Mas e alguém de alguma classe mais baixa?
Uma vez tava num tumblr feminista e tvam falando do padrão duplo de sexualidade, e uma comentarista falou " etc etc os double stantards". PRA QUE??? Custava dizer padrão duplo?
E isso se repete em váários sites feministas e/ou com cunho social. É uma pena, pq muita gente mais humilde não vai entender!

Anônimo disse...

Bom vcs não podem nos culpar por querer rir um pouco... Só fico de cara com os outros trolls que levam a sério e tentam convencer do seu ponto de vista ... Tentar convencer alguém de que está errado leva sempre ao efeito contrário (não importa quão certo vc esteja... Ademais, são apenas esquerdistas e mediocridade intelectual nestes meios é a regra... O objetivo do verdadeiro troll deve ser sempre apenas rir

Anônimo disse...

Eu gosto dos trolls, eles me fazem rir! Sério mesmo. Tipo quando o outro bocó la que acha que preferência sexual é o mesmo que preterir negros e mulheres no mercado de trabalho, pois é tudo uma questão de escolha.. tem como não amar?

Lolita, deixe os trolls virem! E quanto for cretino demaaaaaais (tipo defensa do aborto: você so diz isso porque ja nasceu!) ai a gente so ignora memso.

Como disse a Sara, seria melhor se esse tipo de gente não existisse, mas ja que existe, pelo menos a gente conhece o "pensamento do inimigo!" =)

Lilith

MCarolina disse...

Já pratiquei bullying virtual contra tolls, mas agora não me animo muito.
Nesse blog, especificamente, sempre tem comentarista que não entende que está sendo trollada e fica respondendo seriamente, quilometricamente, expondo seu ponto de vista. Acho que isso que os alimenta por aqui.

donadio disse...

"Eu, pessoalmente, entendo o idioma e não tenho nenhum problema em ler em inglês, tenho bastante facilidade. Mas e alguém de alguma classe mais baixa?"

Futebol, chute, beque, pênalti, gol, roque, roqueiro, funkeiro, rapper, biquine, ... todas palavras emprestadas do inglês, todas palavras extremamente populares... como provavelmente serão (se é que já não são) bulim, trol, trololó, rebute, deletar, daunloude, châner, tuitar, tuitagem, blogar, blogueiro...

Anônimo disse...

Lola, cadê a yulia2? Nunca mais a vi por aqui. Gosto bastante dos comentários dela.

Anônimo disse...

Hahahahaha, é muito engraçado quando os mascus tentam se passar por mulher para aqui no blog da lola. Como "essa" tal de elen aí.

Anônimo disse...

Existe um outro tipo de troll. É o troll aproveitador.

Ele se envolve em qualquer assunto polêmico para desvirtuar a discussão. Estava agora no Facebook, por exemplo, vendo uma comunidade sobre o instituto Royal e está cheio de troll do tipo por lá. Certeza que são pessoas que nunca militaram na vida e estão lá, defendendo que os testes passem a ser feitos em presidiários em vez de em animais.

Panthro disse...

O negócio dos seios tem algum sentido. Explico: Seio é espaço vazio. Tipo seios da face. Originalmente, o termo pras peitcholas era mamas. Seio era o espaço entre as mamas. Tanto que o seio da pátria amada no hino está fazendo referência ao coração, que fica no meio.

A questão é que a língua muda e hoje ninguém mais fala assim. É como dizer que moça significa prostituta. Já significou, hoje não é mais.

Quanto ao conflito, eu adoro conflito. Eu basicamente cresço graças ao conflito. Uma grande preocupação minha com o Facebook é que ele acaba fazendo com que você sempre conviva com as mesmas pessoas, ao contrário do Orkut, que te expunha a pessoas com idéias diferentes.

Mas quando eu falo de conflito, eu falo daquela coisa clássica: Tese, antítese e síntese. Não esses argumentos profundos de "sua mãe é gorda" que a gente vê na internet. Pra essas pessoas eu simplesmente digo "ahã, Cláudia, senta lá" e ignoro como as crianças que são. Não têm o que fazer na mesa dos adultos.

Sofia L.B. disse...

Eu acredito que vc se diverte respondendo eles. Acho mesmo que vc morre de rir vendo fóruns mascus da vida. É como um hobby e tal.

Eu sinceramente preferiria que trolls/haters não existissem, mas... fico feliz que vc tenha encontrado uma solução saudável.

Panthro disse...

E achei bacana o teste. Basicamente eu tenho uma afeição moderada por quem se parece comigo.

Luiza Original disse...

Exato, Panthro.

Em Anatomia ainda se usa o correto: seio = cavidade; mamas = peitos.

Geise disse...

Lola!
Bela postagem como sempre! E muito explicativa. Mas ainda sim, já vejo gente que irá dizer que essas 'denominações' foram inventadas por pessoas que não conseguem aceitar a opinião dos outros e todo aquele blá blá blá sem fundamentos mas carregado de muito preconceito.

João Neto disse...

Lola:

Pra você troll é quem não concorda com seu pesamento tacanho, retardado e analfabeto, sua argentina besta!

Mariana de Lacerda disse...

Lola, no post de 17/outubro, "GUEST POST: FEMINISMO E MATERNIDADE", eu comentei que havia escrito um livro com essa temática. Bom, eu resolvi colocar o livro todo disponível online, neste endereço:

www.sermoesdesermae.wordpress.com

Se você achar que ele tem a ver com o conteúdo de seu blog, e puder e quiser divulgá-lo, agradeço de coração!

Anônimo disse...

Cenouras são cheias de glicose+frutose. fazem no fim das contas mal para a sua saude. Essa babaquice de contar calorias e comer pao integral e maneirar na gordura faz mal para a sua saude. Sei que aprece meio bizarro pensar isso mas comer gordura nao engorda. Nem comer muita caloria, seu corpo não é um recebedor passivo de alimentos, ele se comporta diferente dependendo do macronutriente que vc manda para dentro.


Se qusier entender amis, de uma olhada aqui (blog escrito por um medico com linguagem simples e se apegando a estudos e coisas realmente cientificas)

low-carbpaleo.blogspot.com

Bru disse...

Oi Donadio, bem lembrado! Estas palavras emprestadas do ingles são bem populares mesmo. Mas não era destas palavras que eu falei, era tipo os "double standars", ou expressões como " I don't wanna live in this planet anymore", " Esperança na humanidade restored" etc...cansei de ver tais expressões em sites feministas.
Aqui mesmo no blog da Lola, num post ( acho que era um guest post...) tinha esta expressão " As God is my witness, etc etc" pra que? Entendem?

Mordred Paganini disse...

Bru

Simplesmente porque, goste você ou não, o inglês está MUITO presente em nossas vidas.

Achar isso ruim na norma culta, ok. Mas querer cagar regra na forma cotidiana da língua acho paunocuzisse total.

As línguas evoluem e parte dessa evolução se dá por mistura. Se isso não te agrada, então fale em latim para ser coerente.

Claudia disse...

Lola,

Você é ótima, divertida, toca nos pontos com suas postagens, briga por um país melhor e mais justo, mas você dá papo demais para essa gente mala que vem aqui comentar, tenham eles o nome que for.

Isso de alimentar chatos afasta pessoas legais, como eu, que não tem a menor paciência para esse assunto.

Por que você não fecha a caixa de comentários e abre um email especial só para quem quer comentar assim não haverá "mural" para a divulgação dos comentários e os chatos vão sumir pois serão ignorados por você. Via email você mantém a "conversa" limitada, apenas com quem interessa e deixa de promover os chatos.

Espero que você perceba que você vem alimentando essa gente ruim com filé mignon...