sexta-feira, 25 de outubro de 2013

"AQUELA MULHER LUTOU MUITO PARA NÃO MORRER"

Estou sem tempo, mas não posso deixar de registrar essa notícia pavorosa. O crime, daqueles bem típicos que a mídia chama de "passional" -- em vez de chamar pelo nome correto, que é feminicídio -- aconteceu no dia 13 de outubro. 
Francisco das Chagas Filho, ou Alan Terceiro, como é conhecido, 47 anos, ex-vereador em Fortaleza pelo PTdoB, atual suplente, matou a facadas a ex-mulher, a pedagoga Andréia Jucá, 39 anos. O assassinato aconteceu dentro da casa, no bairro Rodolfo Teófilo, numa tranquila tarde de domingo.
Nada de novo no front: a estatística que conheço é que 28% das mulheres assassinadas são mortas dentro de casa, o que reforça a violência doméstica (entre os homens, este índice é de menos de 10%). Mas há estatísticas que dizem que 40% das vítimas de feminicídio morrem em casa. 
Faz um mês, o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada) lançou um estudo provando que a Lei Maria da Penha sozinha, sem a infraestrutura necessária, não é suficiente para conter os feminicídios. 15 mulheres continuam sendo mortas por dia no Brasil. São mais de 5 mil mortes por ano, 50 mil vítimas nos últimos dez anos. Essas mulheres são mortas por serem mulheres. Em 40% dos casos, o assassino é o companheiro (só 6% dos assassinatos de homens são cometidos pela companheira). 
Alan Terceiro e Andréia ficaram juntos durante 18 anos e tinham três filhos menores de idade. Haviam se separado um mês antes. Como tantos homens que veem a mulher como posse, Alan não aceitam a separação. Ele premeditou o crime: levou os três filhos ao shopping e depois voltou à casa, alegando ter esquecido a carteira. 
Andrea recebeu vinte golpes de faca. 
"Sou pessoa de bem e fui traído", disse o ex-vereador após ser preso em flagrante.
Como sempre, essa não foi a primeira agressão de Alan à mulher. As brigas eram frequentes. Segundo uma vizinha, “Numa das últimas brigas que eles tiveram, [Andréia] gritou muito por socorro. Os filhos deles estavam lá e houve muita quebradeira". 
Vizinhos chocados
Mas o que mais me chocou foi a notícia que saiu hoje, que mostra bem o desespero dos vizinhos naquela tarde. Andréia não foi morta passivamente. Ela lutou, gritou por socorro. A rua foi tomada por berros, e os vizinhos ligaram para o 190. A primeira ligação foi registrada às 14:14. A operadora escreve que há uma "briga de família" e uma "mulher gritando por socorro". Ela tenta mandar uma viatura pra lá, mas todas estão indisponíveis (embora haja um posto policial próximo daquela rua). 
A mesma vizinha liga de novo, e de novo (no total, foram cinco ligações só dela), dois minutos depois. Desta vez um operador registra: "solicitante pede, muito nervosa, uma viatura. Ela informa que a vizinha está gritando por socorro". Ele registra também que há outras ligações denunciando o mesmo crime em andamento. 
Numa dessas ligações, um outro vizinho alerta para "uma briga de casal próxima ao número 1190” e “pede uma viatura para local, pois o marido está batendo muito na mulher". Depois, para o jornal, o vizinho diz: “a covardia de Alan Terceiro transformou aquele domingo quieto num dia de terror. Aquela mulher lutou muito para não morrer”.
A vizinha que ligou cinco vezes para o 190 sai gritando pela rua. 
Só depois do silêncio na casa de Andréia, os vizinhos decidem arrombar a porta. A polícia chega a tempo de impedir que Alan seja linchado.
A Segurança Pública alega que levou 23 minutos para chegar ao local. Segundo os vizinhos, foi mais de 40. 
Até quando?

E isso que o Ceará é um dos estados que matam menos mulheres... Ele está na 7a posição entre estados com a menor taxa de femicídios. São "apenas" 5,26 mulheres mortas por cada grupo de 100 mil. No Brasil, uma mulher é morta a cada hora e meia. 19% das mortes acontecem no domingo.

63 comentários:

Patty Kirsche disse...

Que horror... O pessoal ainda chamou a polícia... Mas sei lá, eu me lembro de ter visto um experimento na África do Sul em que o cara começou a tocar bateria, e rapidinho apareceu gente na porta reclamando. Aí no dia seguinte ele colocou gritos femininos no som, e não apareceu ninguém. Talvez se os vizinhos tivessem tentado intervir no começo, tivessem conseguido evitar a tragédia.

lola aronovich disse...

Pois é, Patty. Isso daquela experiência num bairro de classe média na África do Sul eu relatei aqui, neste post. Aquela experiência aconteceu de madrugada. Será que se fosse num domingo à tarde seria diferente? Acho que depende do lugar, da cultura do lugar, das pessoas envolvidas, dos vizinhos...
Por um lado, é ótimo que esse feminicídio aqui em Fortaleza tenha mexido tanto com a rua. Muito bom que tantos vizinhos ligaram pra polícia, porque aquele velho ditado de "ninguém mete a colher" contribui muito pra perpetuar a violência doméstica.
Se a polícia tivesse chegado antes, se os vizinhos tivessem arrombado a porta antes... A questão é que não é um caso único. Andréia foi apenas uma das 15 mulheres assassinadas todo dia no Brasil.

Anônimo disse...

Na minha cidade, por iniciativa de um grupo de mulheres, incluindo minha mãe, as mulheres denunciam mais, conseguem se "livrar" logo desses caras-problema. Tanto isso é assim, que o índice de denúncias do Estado do RS, minha cidade é um dos mais altos, e não em proporção, apesar de ser uma cidade de menor porte, supera POA. Recentemente, foi implementada uma polícia específica para crimes de violência doméstica, os policiais investigam e fiscalizam, exclusivamente, os (ex) companheiros, maridos, namorados das mulheres vítimas, de forma a fazer cumprir os termos da Maria da Penha. A ação é imediata mesmo, assim que o dito cujo resolve descumprir a cautelar ele é preso. Faz 2 dias que fiquei sabendo que um desses aí parou na porta da casa da ex namorada e a vizinha já ligou, a mulher sequer sabia que ele estava na porta, foi preso em flagrante pelo descumprimento da medida.

Rose disse...

Eu não sei se há uma estatística, mas acho que a maioria das mulheres que são assassinadas pelo marido (ou algum companheiro)tem pelo menos um B.O. pedindo socorro, não por agressão, mas por ameaça de morte. E o que as pessoas fazem? Procuram o motivo para elas terem sido mortas. Sim, a maioria procura uma desculpa para justificar a morte, ninguém quer salva-las, apenas justificar a morte delas. A mídia, a polícia, a justiça e principalmente os cidadãos estão engajados em justificar os assassinatos (é só ler os comentários em cada manchete sobre esse tipo de crime e não precisa procurar muito). Tem um caso muito "interessante" que pode ilustrar; Um homem tenta por tres vezes matar a ex, em todas ele fracassa e em todas ele a estupra e na ultima vez que tenta, a enterra viva e com um pedaço de madeira na vagina. A notícia é dada de uma forma jocosa explicando que o homem tava bêbado, dá ênfase ao motivo~que alega (traição, obviamente), ele (sorrindo)afirma também que fez porque quis e tava com raiva, mas o jornalista diz que ele tava com ciume e por isso fez essa " bobagem monstruosa"

Mordred Paganini disse...

Queria poder colar aqui a postagem da Regina Navarro que me causou revolta um dia desses...Mas enfim, vou copiar o texto tal como ela escreveu:

"Os criminosos passionais são culpados e vítimas. Vítimas do mito da paixão e culpados do descontrole sobre ele."

Se duvidam, coloquem no google. Chamei a atenção dela pelo descalabro ético que cometera, mas não houve reação ou retratação. Aparentemente, ela se acha importante demais para se retratar do que fala.

Helen Pinho disse...

"Sou pessoa de bem e fui traído", espero que ele seja julgado e condenado. infelizmente não tenho esperanças de um homem casado há 18 anos com uma mulher, mãe dos seus 3 filhos, possa se regenerar e perceber a monstruosidade de suas ideias e ações, mas que eu esteja errada.

Marina disse...

É, não é atoa q nos ensinam a gritar "Fogo" ao invés de "Socorro"...

Lígia disse...

Houve mais um caso desses em SP anteontem... fiquei sabendo porque a mulher é conhecida de uma aluna minha.

Mais uma vez, classificado como "crime passional".

http://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2013/10/24/marido-e-suspeito-de-matar-executiva-da-editora-abril-na-zona-sul-de-sp.htm

Sarah Lana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sara disse...

Sinto tanta revolta por este tipo de noticia, que muitas vezes prefiro nem ver os noticiários, que invariavelmente estão repletos de casos TODOS OS DIAS.
A sensação que fico é de que estou em uma enorme fila de espera, apenas esperando a minha vez pra ser a próxima vitima.
As barbaridades que se escuta nesses noticiários deixam a criatividade de roteiristas de filme de terror no chinelo, são mulheres queimadas vivas (muitas vezes junto com filhos e família), são mulheres que tem seus olhos perfurados, algumas que são queimadas com acido no rosto, outras que recebem "presentes" contendo bombas, enfim uma miríade de atrocidades sem fim.
Pra mim é muito difícil muitas vezes controlar minha revolta e ódio contra os homens.
Sei que vou causar polêmica pelo que vou dizer, mas existe alguma coisa muito errada na natureza masculina, porque esse gênero causa tanta destruição e crueldades, sem nenhuma misericórdia com suas vitimas, muitas vezes crianças???.
Engraçado que na nossa sociedade patriarcal a chegada de um filho homem causa tanta alegria e orgulho, apenas para alguns anos mais tarde se ter a noticia que esse garotinho causou mais uma tragédia com alguma infeliz mulher que tenha cruzado seu caminho.
Infelizmente nada posso fazer pra mudar essa realidade que me assusta e aterroriza meus pesadelos, a não ser juntar minha voz junto a tantas outras mulheres, clamando pelo fim de tantas atrocidades e carnificinas que muitos homens tem espalhado pela Terra.

Luciana disse...

Chocada e triste por mais esta violência.

André disse...

"Em 40% dos casos, o assassino é o companheiro (só 6% dos assassinatos de homens são cometidos pela companheira)."
É preciso verificar sobre que total são calculadas essas porcentagens. Porque se for do total de assassinatos me parece meio exagerado esses 6%. A taxa de assassinatos dos homens é 9 vezes maior que o das mulheres. Isso significaria que 5 homens são mortos pelas companheiras para cada 4 mulheres que são mortas pelos companheiros. Não bate com o senso geral sobre violência doméstica.

Cética disse...

Que tristeza,sinto muito por essa mulher,lutou tanto e foi massacrada desse jeito por esse verme. Revolta ( e enoja muito mais) saber que esse arremedo de gente,PROVAVELMENTE,não vai pagar por isso, que vai recorrer a já manjadíssima( e obsoleta) tese da defesa da honra,aproveitando pra manchar a memória da vítima( que não está aqui pra se defender) como se isso justificasse essa barbaridade e um MONTE de cidadão de bem vai absolvê-lo por isso.

Julyana Silva disse...

Oi Lola, leio o seu blog há bastante tempo, mas ainda não tive a oportunidade de comentar.

Estou comentando esse caso porque ele também mexeu bastante comigo. Sou mulher, negra e nordestina. Ou seja, de acordo com as estatísticas, várias mulheres iguais a mim sofrem o mesmo que essa mulher sofreu.
Quando vejo casos como esses parece que foi comigo, sinto a dor dessa mulher. Já está na hora de mudar essa situação, estou disposta a fazer o que for preciso. As vezes sinto que estamos em guerra, e a nossa batalha é contra o patriarcado. Conte comigo para o que precisar.

Roxy Carmichael disse...

eu que sou uma espectadora assídua de programas de crimes e investigação do canal discovery investigation sempre me choco com a forma como eles narram as histórias. o cara pode ter matado, esquartejado, jogado pros cães, planejado com um ano de antecedência, mas será sempre alguém que estava sofrendo muito "como qualquer homem" pela perda da mulher amada. ainda que a perda tenha ocorrido após inúmeros episódios de violência. a mulher é sempre retratada como instável, frágil, ingenua, não se impõe.

o mais interessante é que observei que além de misóginos, esses relatos são também racistas. quando é um homem negro que assassina uma mulher branca, este é manipulador e a mulher lutou muito, tentou se impor, mas foi vitima de um verdadeiro criminoso e não de um homem que tem a consciência alterada pela dor e sofrimento de ter sido deixado.isso me fez pensar num texto sobre o colonialismo no cinema, e seus filmes de aventura com um herói branco na áfrica ou no oriente, mas que na ausência deste, a mulher branca adquire protagonismo.

DEMOGORGON DEADHAMMER disse...

lola, issso aí se chama sociopatia. ninguém nessa sociedade ensina o lado podre do ser humano, sempre ensinam hipocrisias como ''felicidade'', casamento, socialização etc por isso acontece merdas assim. o sociopata se impõe na vida social com violencia, e muitas vezes consegue manipular muitos pro lado dele, e ainda consegue mulheres fazendo isso. se voces são feministas mesmo, voces deveriam ser contra os relacionamnetos, contra ate mesmo namorar, ate porque a sociopatia é comum entre os homens. se voces querem realmente evitar o assassinato de mulheres, voces tem que parar de se relacionar com homens. eu sou masculinista e sou contra casamento e relacionamentos, sou contra amizade tambem, sou contra vida social. eu sou a favor de uma sociedade mais egoísta, individualista, assim que eu penso, eu sou contra esses papos hipocritas pró-raça humana que a sociedade cria.

Roxy Carmichael disse...

"sou contra vida social"
alguém tá com uma vidinha movimentada né? só que não!

Paula disse...

para Sara

http://www.youtube.com/watch?v=3exzMPT4nGI

(espero que vc entenda ingles, pq as legendas nao funcionam)

eu penso como vc.. a maioria esmagadora dos criminosos sao homens e as instaveis somos nos!!!

Juba disse...

Roxy, não alimente os trolls ;)

Sarah Lana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Roxy Carmichael disse...

desculpa, não vai mais acontecer, juro! mas poxa, esse comentário foi MUITO tragicômico!

Sara disse...

Escutar de um homem que ele te ama, soa mais aterrador do que romântico, porque pelas medonhas estatísticas que chegam ao nosso conhecimento não é nada improvável que esse "amor" acabe em ódio assassino.

Roxy Carmichael disse...

pô sara, também não é assim não.
as estatísticas são aterradoras, com certeza, mas sem essa de que as mulheres são frágeis e incapazes de lutar contra o homem esse sim, com inteligência e astúcia destacáveis. claro que devemos combater um sistema que não proporciona assistencia às mulheres, que prega que é ok se omitir quando presencia briga entre marido e mulher. mas acho que também devemos fortalecer a nossa auto-estima para escolher homens legais e não, ser escolhida por um psicopata que tem a sua conduta possessiva celebrada por uma sociedade misógina.

Sara disse...

Desculpe-me Roxy querida, gostaria que vc estivesse certa, e que houvesse meios de se lutar contra essa realidade assustadora pra mim.
Mas infelizmente sofri e ainda sofro na minha própria pele o problema que esta sendo discutido aqui, me considero razoavelmente esclarecida, e sei que socialmente sou privilegiada, mas sinceramente isso tudo não me trouxe imunidade a essa violência toda, fico pensando no numero absurdo de mulheres com bem menos condições que eu, que tb estão passando por isso, que defesa existe para todas nós???? Fazer quilos de boletins de ocorrência??? denuncias que não levam a nada??? e mesmo nos casos que finalmente (e muito raramente) algum homem é punido, é justa, as punições que são aplicadas???
Depois de tudo o q já passei, com toda sinceridade, escutar declarações de amor, mais me assusta do que desperta meu romantismo.
Foram raríssimos (na realidade só conheci um único) homem que ao se apaixonar não nutre na igual medida o sentimento de posse, parece que isso esta implícito no sentimento masculino.

Anônimo disse...

Me lembro de uma vez, eu tinha uns 10 anos, ter visto uma vizinha apanhar. Ela morava em frente a minha casa, estava sendo espancada pelo marido, conseguiu se esquivar para fora da casa. Uma cena absurda, a mulher gritando socorro, claramente abalada e o marido puxando-a para dentro de casa (obviamente para bater ainda mais nela). Vi a cena por um buraco na janela de minha casa. Assustada, perguntei a minha mãe o que deveríamos fazer. A resposta dela foi seca: -Nada, não é nosso problema. Não fizemos nada para ajudá-la.

Anos depois minha mãe e eu apanhamos do meu pai. Ninguém fez nada para nos ajudar.

Adna Rosa

Anônimo disse...

Posso adicionar alguns dados à discussão?

De acordo com o mapa da violência no Brasil, entre 1998 e 2008, foram assassinadas 42 mil mulheres no Brasil. Só em 2010 foram assassinados mais de 45 mil homens. Ou seja, o número de mulheres mortas em 10 anos é comparável ao número de homens mortos em um. E no mesmo período (1998 a 2008) foram mortos por volta de 480 mil homens. E enquanto uma mulher morre a cada hora e meia, um homem morre a cada 15 minutos.

Agora vamos pegar os dados de violência doméstica. Há pesquisas que mostram que 28% dos assassinatos de mulheres foram feitos em sua residência, sendo que 9,7% dos assassinatos de homens são no lar. Pegando os números de 1998 a 2008, saberemos que 11,7 mil mulheres morreram em casa. Isso enquanto 46,5 mil homens morreram em casa. Mesmo comparando os números de violência doméstica, morreram quase 4 vezes mais homens.

Se forem 40% das mulheres, como diz a outra estatística, o número de mulheres vitimadas pelo marido aumenta para 16,8 mil no período. Mas os homens ainda assim seriam mais de 2,7 vezes mais assassinados.

Mais: Em 40% dos casos [de feminicídios], o assassino é o companheiro (só 6% dos assassinatos de homens são cometidos pela companheira). Ou seja, foram 16,8 mil mulheres mortas pelas mãos do companheiro entre 1998 e 2008. No mesmo período, 28,8 mil homens morreram nas mãos de suas companheiras. 58,3% mais.

lola aronovich disse...

Sim, anon. 92% das vítimas de mortes violentas no Brasil são homens. E? Eles não mortos por serem homens. Assim como muitos mais héteros são assassinados que homossexuais. E daí? Eles não são mortos por serem héteros. Ou vc já ouviu falar em crime de ódio contra hétero?
Os assassinatos de homens estão restritos às cidades grandes, e quase sempre têm ligação com tráfico de droga, criminalidade, e acidentes de carro (que também são computados como mortes violentas). Já os feminicídios acontecem em todas as cidades, grandes, pequenas, ou médias, urbanas ou rurais, e raramente têm ligação com criminalidade. São mulheres que são mortas por serem mulheres. Se uma mulher é assaltada e o sujeito (quase todos os assaltantes são homens) atira e a mata, isso não é um feminicídio, a meu ver. Mas ex-marido que não aceita a separação, é.
A gente pode discutir se homens são mortos violentamente por causa de um modelo de masculinidade que os leva a serem mais agressivos, competitivos, etc. Mas ser morto (e matar -- a grande maioria dos homens e mulheres é morta por homens) por causa de um modelo de masculinidade falido é diferente de ser morto por ser homem.

Patrick disse...

Roxy, eu vi metade de uma temporada do CSI e fiquei tão abismado com o machismo da série que fiz um post no meu blog: O machismo no CSI. Chega ao absurdo de, num dos episódios, retratar como vilã uma garota vítima do pai pedófilo.

Talita Figueiredo disse...

Esse caso me faz pensar sobre o que pessoas "comuns" podem fazer em situações como essa. Eu não teria coragem de arrombar a porta da casa da vizinha, pois teria medo de confrontar o agressor. Ele pode estar armado e me agredir também. Não sei usar armas, não sei lutar e não tenho preparo nenhum para enfrentar situações perigosas, portanto, a única alternativa seria a de ligar pra polícia, certo? Mas vendo o desfecho desse caso, vejo que isso ainda é pouco, pode não resultar em nada! O que podemos fazer, de fato, para ajudar mulheres em situação de perigo? Sentar e chorar? Esperar que a ajuda caia do céu? To frustrada demais com essa notícia. Que sensação de impotência!

Roxy Carmichael disse...

não acho classe social ou esclarecimento deixem as mulheres imunes a essa tipo de violência. não acho também que a justiça esteja preparada para auxiliar mulheres.até a sociedade não está do lado das mulheres nessa. glamouriza a violência em campanhas publicitarias, celebra o acosso nas canções de "amor", promove essa suspeita generalizada, de que a mulher sempre fez algo para provocar tamanha ira. mas eu ainda acredito que existem mulheres que se amam antes de amar qualquer homem e não toleram o mais "inocente" sinal de cerceamento da liberdade delas por parte de namorados. eu acredito que existem mulheres que SABEM que merecem um homem a altura delas e não se contentam com menos que isso. geralmente são mulheres que se sentem muito bem sozinhas, que não acham que precisam de um homem pra provar qualquer coisa pra sociedade ou até pra si mesmas. que não cedem a pressões sociais. essas mulheres se fazem ouvir e não cedem diante de ameaças de que irão terminar sozinhas. acho que é preciso atuar em três frentes: na prevenção, na punição e na educação. de homens, claro. para que eles entendam que esse modelo de masculinidade é falido. mas também de mulheres. para que elas entendam que esse modelo de feminilidade passiva, dependente, que precisa dum homem pra chamar de seu, um modelo que estabelece a vida amorosa e o sucesso no casamento o objetivo de vida, um modelo falido.

Roxy Carmichael disse...

que legal patrick!
vou dar uma lida no texto e também nos outros textos do seu blog!
bom fim de semana!

lola aronovich disse...

Tá incrível seu post sobre a misoginia em CSI, Patrick! Só li agora, e já retuitei. E mandei pro maridão, que é fã da série. Eu não engulo aquela série, mas nem é tanto pela questão da misoginia. É mais porque ela é ruim mesmo. Os personagens não se desenvolvem, são rasinhos, todos os casos são resolvidos, sempre tem uma grande reviravolta no final... Aí fica muito previsível.
Tem outros dois fatores machistas que depõem contra CSI, a meu ver, e que vc não aborda na sua crítica. Quer dizer, eu tô falando de cabeça, porque eu nunca realmente vi CSI, só estava no mesmo quarto em muitas das vezes que o maridão via esses episódios (sempre na TV Record). E já faz tempo, alguns anos. Pelo que me lembro, a personagem da Catherine Willows ainda era ex-stripper ou algo assim. E isso nunca era problematizado.
Outra coisa é que a série parece usar todos esses crimes como pretexto pra mostrar mulheres sendo mortas e estupradas. Só isso já satisfaz o fetiche de muitos caras...
Não sei se tô falando besteira, mas essa série nunca me caiu bem. E olha que a Las Vegas é muuuuuuuito melhor que todas as outras imitações (nem o maridão, que vê qualquer coisa, aguenta ver CSI Miami).

Anônimo disse...

Li o texto sobre japoneses n fazerem muito sexo e nem ter relacionamentos e agora fiquei em duvida se é culpa do machismo mulheres aceitarem qualquer porcaria pra n ficarem sozinhas . Mesmo la sendo um país machista as japonesas estão correndo de relacionamentos.

Sara disse...

"que não cedem a pressões sociais. essas mulheres se fazem ouvir e não cedem diante de ameaças de que irão terminar sozinhas." Roxy

Roxy me desculpe mas não acredito que seja esse tipo de mulher que esta morrendo nas mãos de seus ex-companheiros.
Muito pelo contrário, as ameaças que essas mulheres recebem NÃO É ESSA DE QUE VÃO TERMINAR SOZINHAS.
São imensamente mais graves que uma frivolidade dessa.
Tenho absoluta certeza que existe um numero imenso de mulheres que até rezam para ficarem sozinhas e livres da presença de companheiros indesejáveis e violentos, mas nunca alcançam esses objetivos, pq os números das estatísticas estão ai desvendando uma parte desse enorme iceberg da violência domestica.
Muitas acabam se conformando em viver com homens doentios, pois sabem que se enfrentarem esse tipo de situação a probabilidade de não sair viva é muito grande.
Ficar sozinha para uma mulher dessas, pode crer, é um verdadeiro prêmio.

Patrick disse...

Lola, você deve estar certa na sua observação. Eu é que não consegui ver nenhum outro episódio depois desses 8. Ruim demais! Com todo respeito ao Sílvio, prefiro Jornada nas Estrelas e as séries policiais nórdicas ;)

Feminista capitalista disse...

''A polícia chega a tempo de impedir que Alan seja linchado.''

Francamente não ia lamentar, a mulher é agredida a vida inteira,espancada e o estado intervém pra preservar a integridade física dos homens...

As mulheres que se F**** NÉ?

ISSO ME REVOLTA!


E que homem mais nojento e cretino, um ''homem de bem'' que tem a coragem de esfaquear e espancar a esposa e ainda usa a suposta infidelidade dela como desculpa...
Em 18 anos de união este cretino nunca traiu a esposa né?

Aham,acreditei...



PORCO MISÓGINO,que fique na cadeia até não ter forças pra esfaquear mais ninguém, nem um pedaço de pão.

Feminista capitalista disse...

''se voces querem realmente evitar o assassinato de mulheres, voces tem que parar de se relacionar com homens.''


AHAM GENIAL, porque como sabemos o problema é sempre a liberdade feminina, o que as mulheres fazem e não a educação escrota e toda a cultura de violência que o hoemme recebe né?

Carinho,paixão e comphania são condenáveis; agora AGRESSÃO,VIOLÊNCIA isso sim é muito natural né mascu?

E a culpa de quem é gente?

DA MULHER,pra variar,sempre recai na mulher, incrível isso,impressionante essa mentalidade de que 'Eva mordeu a maçã' e desde então tudo de ruim é culpa da mulher

Feminista capitalista disse...

gente, totalmente off-topic, sei que já teve post sobre machismo da publicidade, mas vcs viram a nova propaganda da hope que vai ao ar na tv todas as tardes?

http://exame.abril.com.br/marketing/noticias/ganhe-todas-as-drs-diz-campanha-da-hope


PURO NOJO!
Pior que não é a primeira vez... qual o problema da publicidade brasileira?

Teresa Silva RJ disse...

A própria Maria da Penha não é cearense e a sua história aconteceu no Ceará?

vanessa disse...

não são só mulheres que são ameaçadas de morte q aguentam os babacas,essas pelo menos dão para entender,quem n vai ficar aterrorizada com um psicopata ameaçando?
mas a realidade é que infelizmente muitas mulheres e homens tb aceitam de tudo só para n ficarem sozinhos,é revoltante ver isso.

só na minha família tem algumas, minha mãe prefere ficar aguentando as traições do meu pai do que se separar,ele usa ela e a amante a anos e fica tudo na mesma.
ela já chegou a dizer q fizeram macumba para explicar a safadeza e falta de respeito do meu pai,pra ela só pode ser isso,pqp...
diz q ficar sozinha é ruim,diz q quando ama é assim mesmo.
então só pq vc "ama" alguém tem q aceitar ser humilhada? o que diabos ela está ganhando aturando isso?
eu sinceramente n acredito q ainda tem amor nisso tudo.

minha prima foi traida logo no começo do namoro,na cara dela e hj ela esta casada com o traste e continua levando chifre.

meu primo foi traido pela mulher com outra mulher,ele ficou revoltado mas agora está com ela de novo.

e eles acham q é normal, q é assim mesmo,q isso q é felicidade,q eles amam de verdade por isso suportam tudo e todos me olham estranho quando digo que n quero casar e ainda n tive namorado sério,a doida sou eu...

Roxy Carmichael disse...

sara, acho que você não entendeu meu comentário. acho, não. tenho CERTEZA
eu NÃO disse que os homens ameaçam essas mulheres dizendo que elas vão ficar sozinhas. eu disse que a PRESSÃO pra não ficar sozinha faz com que mulheres abram uma série de concessões para manter relacionamentos com homens que dão indícios bem claros de psicopatia.
pode até ser que já tenha rolado, eu realmente não tenho como saber todas as circunstancias que levam ao feminicidio, mas eu acho BEM difícil que no primeiro (primeiríssimo) "você não vai a tal lugar" se a mulher senta com o cara e diz: eu ESCOLHI estar com você. ESCOLHI estar só com você, estabeleci contigo aqui esse pacto de monogamia, agora da mesma forma que escolhi estar contigo, posso escolher não estar numa fração de segundo se eu suspeitar que você não tem o mesmo apreço pela liberdade, respeito à individualidade, que eu, e mais se eu SUSPEITAR que você é um machista que quer pautar o comportamento feminino" ao invés do: "mas meu amor, só vamos eu eu e as meninas, eu juro, por favor", eu acho bem, mas bem difícil mesmo um cara que ouve isso (não quando ele já deu mil pitis e a mulher cedeu todas as vezes claro, mas ao PRIMEIRÍSSIMO sinal) cometer algum tipo de violência com uma mulher que fala isso, insisto ao PRIMEIRÍSSIMO sintoma de psicopatia. simplesmente porque não abre espaço para que se estabeleça uma relação baseada na posse. isso é fácil? óbvio que não! leva tempo e só um cara que realmente te ama vai gastar todo esse tempo e abandonar preconceitos e machismos adquiridos ao longo da vida pra ter uma relação de iguais com você. mas eu digo: VALE A PENA!

MonaLisa disse...

Desde a primeira vez que li sobre essas estatísticas sempre acreditei. Sou do interior e minhas vizinhas da frente, de cima apanham ou apanharam, até minha mãe. Acho que é mais difícil achar uma mulher que não apanha hoje em dia.

aquarela surrealista disse...

meoDeus!medo...horror,estou com um nó na garganta...!

Julyana Silva disse...

Ainda estou profundamente indignada com esse caso. Esse tipo de coisa não pode continuar acontecendo.

Lola, o que você acha de criarmos uma polícia paralela feminina? Já que a polícia machista demora para responder quando uma mulher está sendo agredida, nós poderíamos criar uma polícia paralela composta apenas por mulheres para cuidar apenas dos casos de agressão contra as mulheres.
O efeito mais importante seria o de intimidação. Se um agressor souber que terá de encarar várias mulheres armadas, tenho certeza que ele pensará duas vezes antes de agredir.

O que você acha? É só uma ideia, se você achar que a ideia é estúpida eu me calo, você tem muito mais experiência que eu.

camis disse...

Realmente, como foi dito aqui, a sensação de impotência é uma das piores coisas que se pode sentir...
Dia desses, tarde da noite, estava em casa vendo um filme, quando de repente começou uma briga no ap vizinho. Dava nitidamente pra ouvir um homem espancando uma mulher. Ela gritava e chorava muito, é impossível que mais ninguém tenha escutado...Imediatamente liguei pra polícia, inclusive fui atendida por uma policial mulher - mas não deu em nada, Lola. Liguei três vezes pro 190 e nenhuma viatura apareceu. Nenhum vizinho se intrometeu... Só sei que a ouvi ser agredida até o dia clarear. Fiquei muito nervosa; chorei; tive vontade de intervir de uma forma mais direta; mas realmente era perigoso demais.... Me dói o coração só de lembrar.

Anônimo disse...

Tbm não gosto de CSI pelo mesmo motivo que vocês, mas também há séries boas no quesito feminismo. Gosto muito de Cold Case e Law and Order Special Victims Unit. A primeira conta com uma única mulher em um depatarmento investigação de homicídios arquivados e sua saga para esclarece-los, muitos dos casos resolvidos são crimes causados pelo machimo. E a segunda acompanha o trabalho de uma equipe que investiga crimes sexuais. Indico.

Adna Rosa

Line disse...

http://www.calilanoticias.com/2013/10/homem-mata-esposa-a-golpes-de-facao-e-deixa-cunhada-gravemente-ferida-em-santaluz.html

http://www.correio24horas.com.br/noticias/detalhes/detalhes-1/artigo/homem-que-enterrou-ex-mulher-viva-ja-havia-tentado-mata-la-outras-vezes/

Anônimo disse...

Lola, acho impreciso e falso dizer que as vítimas de violência doméstica são assassinadas ou espancadas por serem mulheres. Há uma série de razões. A grande maioria dos moradores de rua são homens. A maior parte dos alcoolistas e adictos ainda é formada por homens. Quase todos os acidentes de trabalho com morte são sofridos por homens. Daí a dizer que são moradores de rua, viciados e sofrem acidentes de trabalho POR serem homens, vai uma distância enorme.

Anônimo disse...

Sawl - The Rebel

Não sei se tenho mais raiva desse LIXO denominado "homem" que assassinou covardemente a esposa alegando cinicamente ser um "homem de bem"(nem que ele chegasse em casa e visse a mulher fazendo filme pornô na cama dele, seria desculpa, NÃO HÁ DEFESA PRA QUE ESSE LIXO FEZ!); se tenho raiva do 190 que demorou tanto pra socorrer esta pobre e indefesa mulher que a única coisa que fez de errado na vida foi ter escolhido um TRASTE do pior tipo para marido e pai de seus filhos, ou se, sinceramente, tenho mais raiva da polícia que chegou a tempo pra salvar esse VERME do linchamento da população justamente revoltada!
Nos EUA NINGUÉM iria querer matar ele porque lá tem pena de morte pra esse tipo de crime hediondo.
O promotor não pediria a condenação porcamente máxima de "30 anos" pediria pena de morte ou no mínimo prisão perpétua pra esse vagabundo apodrecer na cadeia!
Tenho ÓDIO mortal desse tipo de lei fraca que só protege canalha!
Do lado oposto, na Bahia, um homem viu uma mulher(não sei se ela é ou não conhecida dele, mas, acho isso fator irrelevante) sendo agredida com vários socos por um marginal e meteu bala nele! Infelizmente o traste não morreu! Este é o link abaixo:
http://g1.globo.com/bahia/noticia/2013/10/video-do-circuito-de-seguranca-mostra-assaltante-batendo-em-mulher-na-ba.html

Fico na dúvida se neste paizinho de Terceiro Mundo mascarado como em "Desenvolvimento" quem tem mais chance de se ferrar com a justiça, se o COVARDE IMUNDO que assassinou a esposa com um pretexto misógino e asqueroso, ou se o cidadão que defendeu uma moça que estava sendo agredida por um assaltante. Sinceramente não sei!
Apenas torço, que NADA aconteça com o corajoso homem(este sim um HOMEM DE VERDADE) que defendeu a mulher e aconteça na cadeia o PIOR com este traste que matou a esposa(quem sabe ele não seja "bucha de canhão" em alguma rebelião né? Quem reclamar que estou desejando que este lixo se f..a se bote no lugar dos parentes da pobre mulher assassinada ou dos filhos deste vagabundo que teve a vida da mãe ceifada de forma indefensável!).
Mas, não adianta apenas reclamar, sei que meu desabafo pode ser pesado pra algumas pessoas mais "sensíveis", mas é o que eu e muitos(as) cidadãos(ãs) sentimos!
No Brasil deveria se repensar à PÉSSIMA educação machista que se dá aos garotos e tb às garotas, com o discurso RIDÍCULO, ATRASADO e BAIXO que "garotos devem ser rudes e ver mulheres como objeto e garotas devem ser fragéis e submissas". Mas, quando se tornam adultos NINGUÉM quer ter uma filha agredida, estuprada ou assassinada e NINGUÉM quer ter um filho agressor, estuprador e assassino!
Deve ser passado o seguinte: se tua namorada ou mulher não te quer mais, ACEITE; se tua namorada ou mulher te traiu, SEPARE dela(ou perdoe, tanto faz, afinal pras mulheres SEMPRE foi ensinado que se deve perdoar, mas, NÃO perdoar também é opção). Agora MATAR? É injustificável! É raro ver mulheres assassinando ex-namorados e ex-maridos porque a educação apesar de machista impede que a maioria das mulheres se torne assassinas, o que já é muito o contrário dos homens que são ensinados que mulheres são "coisas", "objetos", "posses"! Todo machista deveria ter filhas pra aprender a ser homem e respeitar as mulheres!
A educação deve ser revista e também as leis que parecem ter sido feitas para protegerem os piores tipos de criminosos quando deveriam proteger os(as) cidadãos(ãs) de bem!
Todos(as) nós brasileiros(as) deveríamos fazer como o valente e admirável ministro Joaquim Barbosa, RASGAR esta Constituição atrasada que só pune "ladrão de galinha".
Sem mais.
Abraço a todos.


Sawl - The Rebel

Liana hc disse...

Esse tipo de notícia é sempre chocante. O ponto positivo a se destacar na história é que alguns vizinhos denunciaram. Coisa que muitas vezes não acontece. Ou quando acontece às vezes é porque o barulho dos gritos está incomodando o descanso alheio, como se fosse um som qualquer alto, nem tanto pela violência em si. Eu não tentaria intervir diretamente, por temer pela minha própria segurança, mas com certeza eu buscaria outras maneiras de ajudar.

E eu detesto essa expressão "crime passional", ela é carregada de um conceito tão absurdo que deveria ser banida de vez.

@dddrocha disse...

Muita tristeza, muita mesmo.

Ana Clara disse...

Achei meio engraçada a imagem inicial do post. Parece que em seguida vai vir um texto sobre violência contra mulheres no japão.

Erres Errantes disse...

Uma vez eu estava com meu companheiro passando numa rua próxima à minha casa, e quando passamos em frente a uma casa ouvimos gritos desesperados de uma mulher. E olhe que havia várias pessoas na rua, paradas em frente à casa mas do lado oposto da calçada, e elas pareciam estar cientes do que estava acontecendo e até se divertindo com a situação. Eu e meu companheiro pensamos em ligar para o disque denúncia da Lei Maria da Penha, mas não sabíamos o número (acho que tem um número específico para denunciar violência contra mulheres, não é?). Pensamos em ligar para o 190 tbm, mas tememos pela nossa segurança, já que todos na rua pareciam estar cientes do que estava acontecendo e até coniventes com a situação, e se alguém denunciasse claro que a suspeita recairia sobre nós, que éramos os únicos que não compactuávamos com aquilo.
Não sei quem era a mulher que gritava, logo não pude tomar conhecimento de que fim ela levou.

Sara disse...

As vezes acho q a violência contra a mulher é tão grande e NATURALIZADA, que com certeza um animal que sofra violência desperta muito mais indignação e atitudes de defesa que uma mulher na mesma situação, como já vimos até em posts aqui mesmo.
Quando tomo consciência disso da imensa vergonha e raiva por ter nascido mulher.

Fabiana disse...

O cataclisma estelar originou os planetas e o cataclisma social originou a violência contra mulher. Sô em ler me rendeu làgrimas. O que essa gente tava pensando que não arrombou essa porta? 20 facadas e ela gritando. Absurdo, violencia gratuita, omissão gratuita. Imagino a tristeza da vizinha ao constatar a morte da amiga. Na cidade em que moro as pessoas já intervem numa discussão que dirá um grito de socorro. SOCIEDADE ACORDA NÓS MULHERES PEDIMOS JUSTIÇA, SOCORRO, NÃO NOS DEIXEM MORRER PORQUÊ ALGUÊM COM FARDA DA PM NÃO ESTÀ PRESENTE. A diferença da PM para um vizinho era só a roupa, mas qualquer um poderia ter evitado. E agora? Tem três filhos sem mãe, uma rua em trauma, uma familia destruída e a seguinte pergunta nas mententes: porquê não intervi no primeiro grito de socorro?
Crime banal,passional, animal.
Revoltada...............:{

Fabiana disse...

Parabéns concordo com você. Sociedade machistj e sexista prega a submissão feminina, um tapinha não dói. Não dôi em quem bate. E esses pedaços de carniça das delegacias liberam o ordinàrio que bate,coage, humilha e ameaça. Quando Dado bateu na Luana Piovani a lei determinou metros de distancia dela, deveria determinar uma surra nele. Aqui no Maranhão um monstro estuprou a filha a ponto dela ter 7 filhos dele. Numa rebelião na penitenciária de Pedrinhas em São Luís decapitaram ele e jogaram futebol com a cabeça nogenta dele. Aí direitos humanos entra logo para condenar. Mas a filha e mãe de 7 irmãos não tem direitos? E assim essa constituição que não passa de leis contra mulher ta aí beneficiando feminicida. A gente ver muito o termo HOMICIDA mas FEMINICIDA é raro. A lei é tão machista que uma coitada ta presa porque degolou um animal que estuprou ela. Juiz fdp.

Fabiana disse...

Estamos analisando caso de violencia contra mulher. Acidente,alcoolismo ou mendigancia é outra coisa. Que homem é morto pela esposa porque ele deichou ela? Que mulher espanca ex marido até a morte? Quantas queixas tem contra mulher porque espancou,ameaçou marido? Sô Elise Matsunaga que não esperou ser morta e matou primeiro .

Fabiana disse...

Qual a fonte da sua pesquisa?

Laurinha (Mulher modernex) disse...

A polícia chega a tempo ... de impedir que o assassino seja linchado...
Não é uma triste ironia?
No mínimo é bom saber que as pessoas já se preocupam, tem empatia, ligam pra polícia. Décadas atrás nem isso né?
E a cabeça desse assassino atacando a mulher de uma forma que todos pudessem ouvir, talvez já contando que ninguém faria nada, que ela mereceu, que o homem de bem estava certo.
Deus, se existir, que nos livre desses homens de bem.

Anônimo disse...

"Lola, acho impreciso e falso dizer que as vítimas de violência doméstica são assassinadas ou espancadas por serem mulheres. Há uma série de razões."

Fiquei muito curiosa. Que razões seriam essas?

Lindalva Cordeiro disse...

Considero um massacre de mulheres o que vem ocorrendo no Brasil, todos os dias a mídia expõe casos de mulheres assassinadas por atuais ou ex-companheiros. E vemos que muito pouco ou quase nada é feito, é uma cultura misógina que considera a mulher uma cidadã de segunda classe, e as autoridades só fingem que estão preocupadas e os assassinatos em massa e agressões se perpetuam. Quem não conheceu uma mulher morta por ex-marido que não aceitou a separação. Eu conheci duas e até hoje me corta o coração lembrar delas, mulheres guerreiras, dignas, cujo único "crime" foi não aceitar um relacionamento de opressão e por isso foram covardemente assassinadas. Faz-se urgente pressão de todas as mulheres para que esses crimes sejam punidos com mais rigor. Na cidade vizinha, um desses criminosos asquerosos matou a namorada, ficou só sete anos preso. Foi assassinado ao sair da prisão, mesmo tendo ido morar em uma cidade distante, parece que a família da moça "encomendou" justiça por iniciativa própria. Basta, é vergonhoso, mas muitas famílias pela revolta acabam aderindo também à violência.

angela tavares disse...

como está esse caso Lola, ele esta preso?refiro ao caso alan terceiro que matou a mulher andreia com 20 facadas, no rodolfo teofilo

Anônimo disse...

eu também já fui vitima de violência domestica o pai do meus filho ele vivia bêbado me agredia fisicamente por não aguentei mais quando nos separamos o cretino não aceitou perder o saco de pancadas dai por diante começou a me pertubar ainda mais invadia a minha casa me batia na frente do meus filhos,a mais velha com dois anos e o mais novo com nove meses eu chamava a policia eles levavam ele e no outro dia já estava souto novamente por fim me esfaqueou fugiu e depois deste episodio conhece o meu marido e ele me deixou em paz mas até hoje tenho horror a ele não confio tenho medo de cruzar com ele e ser atacada novamente.