quinta-feira, 26 de novembro de 2009

MICHAEL JACKSON DEJA VU

Trecho de artigo de Maureen Orth na Vanity Fair (minha tradução):
“Michael Jackson fez tratamento de reabilitação de drogas quando foi acusado de abusar sexualmente de Jordie Chandler [a quem Jackson pagou 25 milhões de dólares para encerrar o caso] em 1993, e eu observei sua performance bizarra no tribunal em Santa Maria em 2002 no julgamento civil que ele perdeu. Um enfermeiro que tratou Jackson naquele ano me disse recentemente que os guarda-costas de Jackson estavam preocupados com ele, e que o próprio Jackson admitiu como era fácil para ele conseguir drogas com amigos médicos. Ele disse que Jackson viajava com uma grande mala preta contendo drogas poderosas com prescrição médica, seringas já cheias, e outros medicamentos, e que ele passava dias inteiros repetidamente assistindo a um vídeo do Fantasia de Disney. [...] O uso de drogas de Jackson fazia com que fosse quase impossível que ele dormisse, e uma hora ele teve que ir a um hospital local e receber um anestésico para poder descansar. Stacy Brown [uma das biógrafas de Jackson] me disse que, em dezembro de 2001, Janet Jackson e alguns amigos de Jackson voaram para Nova York para tentar uma intervenção. Ele mandou para que eles o deixassem em paz. 'Olha, eu estarei morto dentro de um ano do mesmo jeito'.”
O mais chocante é que esse artigo é de julho de 2005, quatro anos antes da morte de Jackson que chocou o mundo. Pelo jeito, não chocou todo o mundo.

11 comentários:

Lord_Anderson disse...

Sinistro mesmo.

Oq será que o autor pensou ou escreveu apos a morte de fato?

Giovanni Gouveia disse...

Acho que Michael tava morto há muito mais tempo...

Bárbara Reis disse...

Eu tenho dó dele... ele era extremamente infeliz.

:(

Alba ALmeida disse...

Lola,
Ele cresceu de verdade?
Dá uma angustia de pensar na solidão daquela pessoa...
Que chego a ficar triste.
É isso...

Rita disse...

Oi, Lola

Desculpa mudar de assunto assim, "sem dar seta", mas seu blog também perdeu comentários? Parece ser um bug no sistema de comentários do blogspot. Você viu o que aconteceu com o meu blog? :-(

Espero que você não passe por isso, sei que os comentários de seus leitores são valiosos para você também.

Bjs.
Rita

Rita disse...

Oi, Lola

para aprender a fazer back up do blog:

http://www.dicasblogger.com.br/2009/08/como-fazer-backup-no-blogger.html

Vou ler sobre Macbeth. Foi com o O'Shea? Provavelmente, sim, né? Ele teve papel fundamental nos rumos da minha pesquisa. Qualquer dia falaremos sobre isso, ok?
Bjs...

Lu-Bau.Blog disse...

Sério, tem horas que penso que ele esteja vivo.
Acho que o sonho dele era ser criança, na realidade, ter tido uma infância normal como uma criança normal e o pai, doido pelo sucesso o impediu, que acabou culminando em tudo isto que nós conhecemos. Vi domingo, um episódio de Criminal Minds, e o Reid disse que toda a referência de amor e creio outras tb se forma até os 6 anos de idade. Fico imaginando o que o pai de MJ fez com o garoto.

wagner disse...

Lola,
O seu blog me faz acreditar que há vida inteligente na rede. Não concordo com 100% do que você pensa, mas seu texto é ótimo.
Um pouco atrasado queria comentar a questão que você colocou muito bem sobre ser ateu ou ateia (palavra que consegue ser mais feia ainda que ateu, que já tem uma carga pesada associada). É complicado mesmo ser ateu, começando pela palavra; eu, quando sou perguntado digo simplesmente que não tenho religião, pois não tenho nenhum interesse em discutir ou argumentar sobre a (não) existência de Deus. Li uma vez um texto de alguém sobre porque não se considerava ateu, argumentando que não queria ser caracterizado por uma coisa em que não acreditava (a palavra em inglês faz mais sentido pois atheist significa algo como a negação de deus). E o argumento era que ele não era ateísta da mesma forma que não era a-papainoelista ou a-bichopapaoista e por aí vai. Não sei reproduzir de memória mas o texto é muito bom e concordo com a ideia. Por conta da carga associada ao nome, um grupo de pensadores criou o termo “bright” para identificar aqueles que não acreditam no sobrenatural, de qualquer espécie. A idéia de criar um nome veio dos gays, que passaram a usar o termo gay porque todos os outros tinham uma carga negativa grande.
Por enquanto é só, continuo lendo seus textos. E nem me interessa se você é meio ou inteira lésbica ou devoradora de homens, pra mim você é uma gracinha e se na próxima partida de futebol machucar a perna pode contar comigo também para passar gelol.
Beijo,
Wagner

QUIPROCÓ DO ONÇA disse...

MICHAEL MORREU QDO TERMINOU O CLIPE DE TRILLER.
UMA FIGURA HUMANA MAL COMPREENDIDA. Q TALVEZ TBÉM NÃO SOUBE INTERPRETAR BEM Q PRA VIVER, NAO PRECISAMOS COMPLICAR.
FEZ LETRAS MARAVILHOSAS E MELODIAS DOCES, SIMPLES E DESLUMBRANTES.TUDO QUE NÃO SOUBE COLOCAR NO SEU VIVER TINHA NAS SUAS CANÇÕES NA SUA DANÇA.
E SOBRE DROGAS, SÓ QUEM VIVEU, QUE FOI CO-DEPENDENTE SABE O QUE É A TAL DA DROGA.

Bruno Stern disse...

Ele morreu não.
Voltou para casa.

Mas, falando um pouco sério, foi uma pessoa que sofreu problemas de todo o tipo, apesar da grana que ganhou e do sucesso que fez.

Cor de pele, sexualidade, uso de drogas, processo criminais, abuso familiar. Deve ser um recorde.

Anônimo disse...

Meu Deus! Até quando esses malditos urubus da imprensa marrom vão continuar difamando a imagem do Michael. Deixem ele em paz! A raça humana é podre mesmo!