sábado, 6 de dezembro de 2008

CRÍTICA: A LISTA / Só vá ver A Lista se você estiver absolutamente livre hoje

Não atenda, que enfearam legal o Ewan McGregor nessa cena.

Foi em abril, nos EUA, que vi Deception, que estreou ontem no Brasil, após dois adiamentos, com o título A Lista: Você Está Livre Hoje? Sinceramente, podiam ter adiado interminantemente. Ô filminho ruim! (veja o trailer). A parte boa é que estão no elenco o Ewan McGregor e o Hugh Jackman, recém escolhido “o homem mais sexy vivo”, e a trama promete muito sexo (não entre eles). Afinal, o conceito todo dessa tal de lista é que, se você é uma pessoa rica, você pode ligar pra alguém sem trocar nenhuma outra informação além da disponibilidade de horário. Aí você se encontra com essa pessoa, sem falar o nome nem nada, pra uma noitada. O Ewan, que faz um contador tímido que só conhecera biblicamente quatro moças em sua vida antes de descobrir o Hugh, se encanta com a oferta. Tudo que ele precisa é vestir um terno de 4 mil dólares, e pronto: fica mais feliz que pinto no lixo. Todo dia ele sai com uma mulher nova.
Até que ele se apaixona perdidamente pela Michelle Williams (de Brokeback Mountain, a viúva do Heath Ledger). Não dá pra entender direito o motivo de tanta paixão. Ele a vê numa estação de metrô e pá-pum, é amor à primeira vista. Só depois ficamos sabendo que ela é uma prostituta. Também não dá pra entender o grande poder do Hugh demonstrado no filme pra entrar nos lugares sem ser notado. No apê do Ewan. No escri. Nos meus sonhos?
Mas outras coisas a gente saca direitinho. Por exemplo, de cara dá pra ver que um sujeito simpático e boa pinta (apesar daquele cabelo repartido a la Hitler) como o Hugh não vai cair do céu. A gente sabe que ele tá tramando desde o primeiro instante que ele entra pela porta e diz “Hi”. Inclusive porque o filme se chama Decepção no original, né? E porque ele se diz advogado e tem um emprego que envolve fiscalizar grandes empresas. Ah, e a gente também nota que tá vendo um filme americano quando precisam colocar uma legenda “Madri, Espanha” na tela. Porque americano podia achar que Madri é no Iraque!
Aí chega mais pro fim e a situação fica realmente confusa. (Atenção: alguns spoiler genéricos). Quando as maletas cheias de dinheiro permanecem lá, no meio de uma praça, e a câmera mostra pássaros voando, eu tive de começar a rir em voz alta. Não fui a única no cinema. Porque gente, são 20 milhões de dólares! Mas a prostituta não tá nem aí pra grana, já que, como estamos cansados de saber, prostituta não liga pra essas coisas. Ela tá no ramo só pelo sexo e pelo amor. Existe alguma prostituta em Hollywood que não tenha um coração de ouro? Lógico, ela tem que se apaixonar pelo Ewan porque ele lhe deu um patinho de plástico. É compreensível. O Ewan, por sinal, também despreza os 20 milhões. Nessa hora eu pensei: ser americano deve ser tão legal (sei que o Ewan é escocês e o Hugh, australiano, mas aqui eles representam dois cidadãos born in USA). Ser americano é deixar 20 milhões de dólares pra trás porque o que importa mesmo é o amor. Amor por uma pessoa com quem você conviveu durante uns dez minutos, bem entendido.
Eu devia saber que o filme não seria bom. Você põe um contador e um advogado juntos, não vai sair boa coisa. Felizmente tem a prostituta com coração de ouro.

12 comentários:

Mica disse...

É normal você me deixar com vontade de assistir o filme justamente lendo sua crítica negativa!???
(se bem que os atores podem ter influenciado essa minha vontade repentina).

cavaca disse...

O que não é normal é esses roteiristas ganharam milhares de doláres e fazerem algo tão ruim. Direitores inclusive. Mas parece o tipo de filme que se sustenta só pelos nomes que carrega, o que corresponde a boa parte do facturamente de um filme.

Luciano Carneiro disse...

Desse eu passo longe, bem longe...

Obs: Lola, tava sumido do seu blog (não sei se você se lembra, mas eu costumava ser um leitor super assíduo quando o blog estava mais novo. Ah, e também te acompanhava no antigravidade e lost art), mas agora que as férias chegaram, eu voltarei a ler diariamente. Parabéns, o blog ta ótimo! ;D

Lari. disse...

Não sei qual era o seu objetivo com esse post. Quero dizer, eu já sabia que o filme estava em cartaz, não quis ver. Ai você veio me dizer que o filme é ruim, me contou quase toda a história e agora... Agora? Eu quero ver o filme!! Hahuhauaha! Era esse seu objetivo? Não?! Ah, tudo bem! Abraço!

lola aronovich disse...

Mica, segundo vários leitores meus, é normal querer ver o filme depois que eu falo muito mal dele. Acho que é por não confiarem em mim e quererem me desacreditar em público.


Cavaca, acho que dava pra ser um bom filme. Aliás, duvido que algum diretor faça um filme pensando, “Vou fazer um filme péssimo”. E os atores são bons, claro. Mas Deception realmente é muito fraco. O Metacritic dá nota 31 pra ele (em 100).

lola aronovich disse...

Claro que lembro de vc, Luciano. Mas de quando vc assinava sem o sobrenome. A foto continua a mesma, né? Pô, não sei se consigo perdoar um leitor assíduo que some assim de repente com essa desculpinha esfarrapada de que tava estudando. Vc vai ter que se esforçar muito, viu? Abração!


Lari, pois é, eu recebo jabá das distribuidoras pra malhar os filmes. Aí todo mundo vai correndo assisti-los! Vai ver o filme, sim. Depois me diga se eu não tava coberta de razão.

Anônimo disse...

Cara Lola,

Sei que é meio off topic, mas como você vem falando no tema ha algum tempo, achei que poderia "gostar" de ler isto: http://www.takeninhand.com/romance.novels.good.girls.and.mothers

Juliana Bittencourt disse...

Lola, to sem internet e agora to usando rapidinho e nao deu tempo de ler ainda, mas soh pra avisar que estou aqui e atualizei o blog. Nick sends hugs for both you and Silvio.
And me too! =)

lola aronovich disse...

Obrigada, anônimo! Eu vi muito, muito por cima e parece interessante. Vou voltar pra ler com mais calma quando tiver algum tempo.


Ju, manda o maior abraço pro Nick! Que bom que vc chegou e está tudo bem. Ah, vem cá: a Nuara passou em primeirão na prova de seleção do mestrado? Que máximo! Abração!

Luciano Carneiro disse...

Ah, droga, eu sabia que essa minha desculpinha não ia colar. hahahaha... Vou me esforçar para garantir meu posto de leitor fiel de novo.

Chris disse...

Lolla, assisti em DVD e também achei uma porcaria.
Aluguei pelo elenco, apesar de não achar o Hugh Jackman tudo isso, e me decepcionei 'bunito' com tudo.

Beijos

iaeeee disse...

Esse filme parece ser um saco mesmo. Pra começar ele é um enmaranhado de clichês, e eu acho que o elenco não têm química, opinião minha. Veredicto: não verei!
prefiro crepúsculo...Você vai comentar sobre ele? Seria muito engraçado.
See ya.