quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

GUEST POST: NOSSA ESCOLHA DE PARIR NÃO É AUTÔNOMA

Este comentário anônimo surgiu na caixa de comentários no guest post da P., que não tinha nada a ver com o assunto (publiquei outros comentários daquele post aqui):

Em grupos de mães tem aquelas que julgam e falam besteira sobre as que escolheram a cesárea, assim como aqui no blog temos muitas feministas julgando, xingando e cagando regras em outras mulheres. Não dá pra julgar todo um movimento por suas maçãs podres. O movimento pelo parto normal é extremamente necessário neste momento, onde as cesáreas ultrapassam 50% da totalidade de partos feitos no brasil (SUS + Planos particulares), quando a recomendação da OMS é de que as cesáreas não ultrapassem 15% dos partos.
É sim escolha da mulher, é ÓBVIO! O que acontece é que esta escolha não é exatamente autônoma, há uma indústria médica que convence as mulheres de que seus corpos são imperfeitos e incapazes de parir, que o parto é sujo, primitivo, animalesco, dolorido e que nenhuma mulher moderna e bem sucedida "deve" se submeter a esta humilhação toda. Isto é mentira. É parecido com a campanha da Gilette nos anos 70 convencendo às mulheres de que pelos (apenas os femininos, diga-se de passagem) são sujos, horríveis e etc para vender mais produtos. Consegui me fazer entender sobre a analogia?
Obviamente, não há problema nenhum em se depilar pra se sentir mais bonita, mas devemos entender o contexto histórico onde este "desejo de depilar" está inserido.
Já a opção pela cesárea é algo mais complexo do que a opção pela depilação, pois envolve a saúde materna e a do feto/bebê. Há diversos estudos que apontam que a cesariana eletiva (aquela que é agendada antes de o bebê demonstrar maturidade pulmonar suficiente para nascer -- o que se dá quando o trabalho de parto ativo é iniciado) eleva em três vezes o risco de mortalidade materna e infantil. MULHERES estão morrendo por uma escolha não informada, pois a cesariana é mais conveniente para os obstetras (dura 30 minutos, enquanto o normal pode durar dias. pense no lucro).
Há um contexto muito maior do que MEU CORPO MINHAS REGRAS. Especialmente porque as regras, neste caso, não são SUAS, ou da MULHER, mas do MÉDICO que quer ter mais lucro e mais comodidade (imagina um parto normal no natal, que horror! melhor agendar uma cesariana no dia 20 e ficar sossegadão em casa com a família, não é mesmo?)
No final das contas, eu acredito que a opção deva ser exclusivamente da mulher. mas da mulher bem informada dos benefícios e riscos de cada procedimento (e isto não vem acontecendo, ok?). 
O movimento do parto natural tem absolutamente TUDO a ver com feminismo, com empoderamento da mulher. Até porque, 50 anos atrás a esmagadora maioria dos médicos era do sexo MASCULINO, então parece lógico terem tirado da mulher o "poder" de parir, para que, até neste momento que a natureza lhe conferiu total autonomia, ela precisasse loucamente de um HOMEM para fazer isso por ela. 
Cinquenta anos atrás foi quando começou a transição do parto em casa com parteira (tradicionalmente MULHER) para o pato hospitalar com médico (tradicionalmente HOMEM). Adivinhem qual ganhou no quesito confiabilidade?

100 comentários:

Anônimo disse...

mas do MÉDICO que quer ter mais lucro e mais comodidade (imagina um parto normal no natal, que horror! melhor agendar uma cesariana no dia 20 e ficar sossegadão em casa com a família, não é mesmo?) Não é demais lembrar que essa conveniência é da mulher também. Em nenhum pais do mundo onde as taxas de cesária são baixas a mulher pode ligar pro médico que ela quer na noite do Natal. Em geral os obstétrica trabalham em equipes e quem te atende é aquele que está em plantão. Essa questão só vai ser modificada quando houver uma ampla reforma do sistema de saúde e da nossa cultura.

@vbfri disse...

Me surpreende que ninguém pensa que, hoje, quem escolhe parto normal acaba tendo que pagar TUDO no particular.
A minha mãe escolheu parto normal para a minha irmã (isso em 1990!), contra a vontade do médico, que dizia que era animalesco, que era um absurdo uma mulher "rica" fazer isso, que parto normal era pra bicho e que ela era MUITO VELHA para ter parto normal (32 anos, uau!). Para isso ela teve que desembolsar uma grana violenta (à época foi 3 mil DÓLARES!) para que o médico ficasse à disposição dela quando o bebê resolvesse nascer.
Tudo ocorreu bem e minha mãe entrou em trabalho de parto às 20h de uma sexta feira. Trabalho de parto iniciado, às 6h da manhã o médico já estava impaciente e disse que se minha mãe não parisse até às 8h (doze horas de trabalho de parto), ele faria a cesárea. Minha irmã nasceu às 7h da manhã.
Ou seja, o médico insistiu MUITO para que minha mãe tirasse da cabeça dela essa ideia louca de ter parto normal. Só que ela foi contra o médico. Como ela já tinha tido uma filha de parto normal (eu) e toda a minha família era de "boas parideiras", ela não se abalou com a insistência do médico.
Agora, quero ver uma mãe de primeira viagem hoje, que nasceu de cesárea, conseguir escolher o parto normal. Primeira consulta do pré-natal e o médico já quer agendar o nascimento. Se quiser escolher o parto normal, hoje, ao menos em Brasília, tem que fazer uma peregrinação pela cidade e pagar muito, muito, muito dinheiro.
Aí quem não tem essa grana toda não tem escolha nenhuma.
Agora a galera tá chiando pq o plano de saúde vai ter que justificar cesáreas... que ISSO interfere no direito de escolha...
Pois sim...

Anônimo disse...

Gente, o corpo da mulher escolhe a hora que o bebê vai sair, ela não controla!!!
Os médicos estão se achando pra caralho!
Há tanta gente que é obrigada a trabalhar no Natal e ano novo pq a empresa não pode parar e tira férias depois. Agora para nascer um ser humano, não pode.São médicos sabe, eles não podem ficar sem um Natal para que nasça uma criança. Agora o cara do supermercado pode trabalhar no dia do Natal para o médico ( ou melhor a empregada) comprar os ingredientes que faltaram pra sua festinha.
Se fosse homem que parisse e exigisse isso, ele teria. E duvido que as parteiras se negavam a fazer isso, duvido.

Anônimo disse...

@vbfri...
tudo isso faz parte do desrespeito dos médicos em relação às pacientes. Até parece que eles não sabiam que as coisas funcionavam assim quando entraram na faculdade. Parece que estudaram para controlar o seu corpo.
Não aguentam esperar, procurem outra coisa para fazer! Nem quando a gente nasce é bem tratada...

Firewest disse...

Lola, tenho uma duvida tbm: vc vai escrever algo sobre esse começo do mandato do PT?

@vbfri disse...

Porque, né, a pessoa que escolhe ser OBSTETRA faz isso com arma na cabeça...
Sério, gente... quer ser médico e não precisar trabalhar no Natal, vai ser patologista e trabalhar em laboratório de análises clínicas (que funcione de segunda a sábado), vai ser pesquisador... Porque todas as outras áreas da medicina que consigo pensar (pediatria, clínica geral, nefrologia, oncologia, etc) é passível de emergências médicas.
Ou vai ser outra coisa. Ninguém tá obrigando ninguém a ser médico.

Anônimo disse...

É difícil, Firewest, ela só escreve sobre o PT pra falar bem. Só tem santo naquele partido.

lola aronovich disse...

Oi, gente. Voltei de viagem hoje, e logo logo tiro outra semana de férias. Não estou com muita vontade de escrever sobre política não. Aliás, não estou nem acompanhando as notícias. Sorry. Mas se alguém quiser escrever um guest post sobre o começo do segundo mandato da Dilma, eu publico.

Anônimo disse...

Segundo minha mãe, nasci de cesária e prematura numa madrugada de carnaval.
Não sei bem ao sei os motivos, talvez fosse pela idade, pois ela me teve aos 47 anos de idade!
Nasci com menos de 2 kilos e tive que ficar uns dias internada até ficar forte.
Pra piorar, uma parte do meu coração nasceu incompleta, ou seja, nasci antes dele ficar totalmente pronto.
Um pediatra nutrólogo recomendou mamão papaya pra ajudar na formação do coração ainda com poucas semanas de vida. E se não resolvesse, poderia morrer logo por insuficiência cardíaca. Estou com 26 anos e sem problema cardíaco nenhum.
Porém tenho asma e dizem que pode ser por causa da casária, não sei.
E não sei por que nasci assim, mas pelo visto o parto não foi programado antes, pois quem quer trabalhar no carnaval ainda mais de madrugada?
Só sei que sempre me falaram que cesária é só pra complicações, quando há ricos pra mãe e pro bebê, e não uma escolha.

Anônimo disse...

Eu tenho asma e problemas cardíacos. Meu irmão tb. E nós dois nascemos de parto normal. Não vamos tb ficar demonizando cesária. Agora acesária é culpada por todos os males? Já ouviram falar em predisposição genética?

Natália Van den Eynde disse...

As pessoas confundem muito as coisas. Lógico que o bebê nascer de parto normal não é garantia que ele será saudável, do mesmo jeito que o bebê de cesárea não vai ser doente. Eu nasci de cesárea, minha mãe tendo eclampsia aos 8 meses de gestação e exceto pelo fato das unhas (que ela conta que eu ainda não tinha quando nasci)tive peso e desenvolvimento de um bebê normal, sou inclusive a maior da minha familia, também a única que não tem alergias, problemas respiratórios e nos dentes. Se a cesárea for necessária, a mãe tb tem que conseguir fazer sem medo, a ideia não é sair de um padrão pra cair em outro, mas pouca gente entende que as escolhas de td na vida são mto menos nossas do que imaginamos. Eu particularmente sou um pouco radical nessa questão. Acho que ninguém deve ser mãe por obrigação, mas se escolher ser, tem que entrar de cabeça. Achei um absurdo alguém falando outro dia que não é uma vaca parideira. Ok, se não é, não tenha filhos então. Aqui tb já ouvi mães falarem que não são vacas leiteiras. Ok, então não tenha filhos tb. Maternidade não deveria ter espaço para vaidades e egoísmo, o maior ato de altruísmo é reconhecer que vc não quer fazer esse esforço e não ter filhos, simples assim.

Let disse...

"Em nenhum pais do mundo onde as taxas de cesária são baixas a mulher pode ligar pro médico que ela quer na noite do Natal. Em geral os obstétrica trabalham em equipes e quem te atende é aquele que está em plantão."

>>> Exatamente! Nos temos que perceber tb que o médico não pode ficar à nossa mercê a qualquer hora do dia. Parto normal significa, muitas vezes, abrir mão do seu médico e acabar tendo o parto com outro médico da equipe dele ou até enfermeiras obstetras. É comum apenas o médico ser chamado se for algo problemático.

Outra questão que tem sim, que ser discutida, é a remuneração do médico para os partos. O que ocorre é que como a cesárea é uma cirurgia, os planos pagam mais. Mas é MUITO mais. Tem que ser discutido e aumentado o que é pago para os médicos em parto normal.

Anônimo disse...

Parem de falar besteira dita neste post.

Aqui vai a lista das complicações do trabalho de parto e do parto.

http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/WebHelp/o60_o75.htm

Meu primeiro parto (pretensão de natural evoluindo para cesária) acabou tendo as seguintes complicações:

O68.2 Trabalho de parto e parto complicados por anormalidade na freqüência cardíaca fetal com mecônio no líquido amniótico

Já viram uma pessoa com paralisia cerebral? eu conheço uma que adquiriu a paralisia durante seu nascimento natural.

Não pensem que o pior resultado de um parto natural azarado é a morte. O pior resultado são as sequelas pra toda vida.


Anônimo disse...

Ah, completando, meu filho ficou 2 dias na UTI porque respirou o dito mecônio.

Anônimo disse...

O grande problema é que hoje as pessoas se formam em medicina visando os lucros e não mais pelo lado humano da profissão.
Gente que nem gosta de gente que entra numa faculdade de medicina porque quer ficar rico. Infelizmente vejo grande parte dos médicos como uma máfia bem elitizada.
E como nós dependemos de médico quando mais precisamos, que é na doença ou na gravidez, não podemos fazer muita coisa.
Eu acho difícil ver uma saída pra isso.
Acho que por causa desse e de alguns fatores negativos muitas mulheres optam por não ter filho, pra não ter que passar por nenhum tipo de situação desconfortável

Pepper.

Alessandro Bruno disse...

O que muita gente aqui não está percebendo que o movimento pela humanização do parto NÃO É CONTRA a cirurgia cesariana, assim como toda cirurgia ela é muito boa QUANDO NECESSÁRIO.

O que acontece hoje no Brasil é que, na extrema maioria das vezes, as mulheres não recebem a devida informação sobre os benefícios e malefícios de cada caso e escolhe por fazer uma operação desnecessária apenas porque o médico não trabalha com parto normal.

Anônimo disse...

"Eu tenho asma e problemas cardíacos. Meu irmão tb. E nós dois nascemos de parto normal. Não vamos tb ficar demonizando cesária. Agora acesária é culpada por todos os males? Já ouviram falar em predisposição genética?"

Como comentei antes, não sei se o fato de ter asma tenha algo a ver, é o que escuto bastante. Mas possivelmente pode ser predisposição genética.
E quanto ao coração, ele nasceu assim porque nasci prematura. O problema se deu por ter nascido antes da hora e não pela cesária.

Muita gente não sabe interpretar, né?

Anônimo disse...

Muitas dessas sequelas em partos normais citados são relacionadas com a cultura de medicalização e cesárea. Pois muitas vezes ocorrem por causa das intervenções desnecessárias no parto normal, por exemplo aplicação de ocitocina sintética e posição litotômica, ou pela inexperiência dos médicos em acompanhar partos normais.
Todo parto tem seus riscos? Sim. Mas não há como dizer que no parto natural e cesárea são os mesmos, pois não são. Cesárea é uma cirurgia grande, que foi pensada para as situações em que não se pode evoluir em parto vaginal, não como forma de substitui-lo. Se uma pessoa quer optar por ela, deve entender essas implicações.

Claudia disse...

Gente, perai! Voces dizerem que medico deveria ter apenas amor a profissao e nao pensar em lucro eh a mesma coisa que Cid Gomes dizer que professor deve trabalhar por amor e nao por dinheiro. A maioria dos medicos que conheco trabalham muito e nem tao bem remunerados sao.

Anônimo disse...

Gente por favor né. Em qualquer país onde a cultura é o parto normal seu médico não fica "á sua disposição", vc vai pro hospital e tem seu bebe com a equipe que está disponível... Se seu médico quiser estar lá, ótimo. Mas terá gente capaz de fazer mesmo assim. O médico não tem que estar 100% disponivel pra vc

Karina disse...

As mulheres se depilam desde o antigo Egito, com cera ou navalha. Até indias de tribos isoladas usam cinza quente para remover pelos. Dizer que as mulheres se depilam por causa da campanha da Gillete nos anos 70 é desinformação.

Aliás, os egipcios não gostavam mesmo de pelos, chegavam a raspar a cabeça e as sobrancelhas. Os romanos não gostavam de pelos, tanto que chamaram os invasores vindos do norte de "barbaros", isto é: "com barba, barbudos".

Inúmeros povos, em diferentes épocas, consideravam os pelos antiestéticos.

Não acho que a pessoa deva se depilar se não quiser, nem considero pelos sujos, mas para mim é muito agradável sentir minha pele lisa.

Luiza Original disse...

Exato, 16:47.

Ninguém disse que quer que o médico do pré-natal seja o que vai fazer o parto.

Anônimo disse...

De fato um dos motivos pelo qual o número de cesáreas é tão alto é justamente por que é um obstetra, normalmente o mesmo que fez p pré-natal é responsável pelo parto.
Eu tenho os dois pés atrás com GOs. Acho sim que é a especialidade com a maior quantidade de mercenário/m2. Mas também não acho que eles não devem ter vida e ficar em função de todas as pacientes 24/7/365. Cara... isso é humanamente impossível.

O que falta no Brasil é gente qualificada para lidar com o parto. Parteiras, doulas, gente treinada especificamente pra lidar com essa situação.

Muito se fala do sistema obstétrico europeu. Eu já li e vi em documentários que ca. de 30% das mulheres terminam com sequelas depois do parto, como fístulas, prolapsos, incontinência urinária e/ou fecal. 30% NÃO É um número pequeno!!! Como no Brasil se empurra a cesárea goela abaixo, aqui se leva o parto normal até as últimas consequências. A gestante tem muito pouco (ou nenhum) poder de decisão.

O grande problema é qua jamais existirá um sistema que funcione enquanto as mulheres não tiverem direitos plenos sobre o próprio corpo.

Jane Doe

Anônimo disse...

Um fator pouco discutido e FUNDAMENTAL para acabar com a epidemia de cesáreas e a cultura brasileira que e o médico deve estar sempre a disposição. Não adianta demonizar o médico. É inviável para um obstetra que atenda por planos de saúde e tenha um consultório lotado estar sempre a disposição. Imagina ter que cancelar toda a agenda sempre que uma grávida entrar em trabalho de parto, ou nunca poder ir a uma festa e beber, ou nunca poder viajar um final de semana com a família. Não é só questão de abrir mão de um natal em família (afinal todos os médicos são privados de muitos momentos como esse em sua formação e durante o trabalho). É questão de ter vida pessoal, de ter filhos, outras atividades. Medicina é profissão como qualquer outra, não é sacerdócio.
Em todos os países com baixas taxas de cesariana a grávida é atendida pela equipe que está de plantão. Não adianta quererem demonizar os médicos pelas enormes falhas no sistema de saúde, quando na verdade os médicos também são vítimas do sistema.
Os médicos que cobram caro para partos naturais e humanizados só o fazem pois conseguem trabalhar com uma clientela reduzida. E isso é inviável para a maioria dos obstetras que atendem por plano e precisam lotar a agenda para ter algum retorno.

Repito, demonizar o médico não vai resolver o problema nunca! Só vai tornar cada vez mais difícil a relação médico-paciente, piora do a qualidade do atendimento.

Luiza Original disse...

"Os romanos não gostavam de pelos, tanto que chamaram os invasores vindos do norte de "barbaros", isto é: "com barba, barbudos"."

*encolhe os olhos* hein?

Fia/fio, não fode, vai.

A palavra "bárbaro" deriva do grego e significava, à época, qualquer um que não fosse grego.

Joane Farias Nogueira disse...

Natalia Van Den Eynde e a velha concepcao de que maes sao heroinas. Tb ja ouvi falar de maes que nao gostam de amamentar, nem por isso elas sao menos maes ou amam menos. Ouvi meu marido dizer q essa mulher nao quis ser mae. Facil julgar, nao é o peito dele q ta sendo sugado.
Ilusao demais pensar q toda mae vai ser perfeitinha e vai ficar de " vaidades e egoismos" , seja la o que for isso p vc.

Joane Farias Nogueira disse...

Peper nao entendo pq as pessoas focam tanto no lado humano da profissao de medico. Ha de se ter lado humano em td o q fazemos. Defendo q os medicos tenham a remuneracao devida e que possam ganhar a vida atraves da profissao. Cado contrario, teremos cada vez menos pessoas se tornando medicas, pq elas vao visar uma profissao q pague mais. E eu nao entendo pq as pessoas se incomodam tanto c quem ganhar dinheiro. Parece q so os medicos nao podem, pq nao é curso de letras, né?

Joane Farias Nogueira disse...

Alessandro Bruno, todo mundo já entendeu. O que ficou faltando foi as pesdoas entederem que uma mulher pode querer uma cesaria ainda que nao seja necessaria.

Joane Farias Nogueira disse...

Luiza Original ninguem disse o contrario tb, que nao quer que o parto seja feito pelo medico do pre-natal. Acredito q a maioria das mulheres queira isso. Pelo q li nos relatos, uma das maes precisou dar 3 mil reais p o medico ficar à disposicao.

Karina disse...

Luiza Original, vc tem razão, "minha professora de História mentiu para mim" pois foi isso que eu ouvi em aula no primeiro grau, mas agora que você falou eu fui conferir e vi que aprendi errado. Obrigada pela oportunidade de corrigir uma falha em meu aprendizado, embora eu ache que vc poderia ter sido um pouco menos agressiva. De todo modo, permanece o fato de que se depilar é um hábito muito antigo e de várias culturas.

Luiza Original disse...

Joane, então esse também é outro problema para ser abordado, é claro.

Karina, a gente está tão acostumada com pedrada de machista, que já viu, né? Peço desculpas. E sim, existiram culturas que gostavam de remover os pelos, assim como o contrário. O problema da NOSSA cultura é que o hábito é imposto só para a mulher.
A história da propaganda eu nem sei se é verdade, mas algumas décadas atrás todo mundo era peludão, mesmo, oras, normal.
Cultura, cabeça... tudo isso muda muito rápido, e dizer que algo é natural e inerente só serve pra manter grupo x em rédeas curtas.

Karina disse...

Luiza, desculpas aceitas! ;-)

Entendo que o ambiente de internet possa gerar confusões e fui bem sincera em dizer que fico feliz desfazer um equívoco meu. Obrigada!

Kittsu disse...

Eu estou vendo muita crítica às mães que querem que o parto seja feito pelo médico que acompanhou o pré-natal...
Vocês já pararam pra pensar, só por um segundo, que essa exigência acontece justamente porquê uma relação deconfiança foi construida ao longo de quase 1 ano e a futura mãe acredita que é com essa pessoa em especial é que ela corre menos chances de sofrer violência obstétrica?
Como você confia em um estranho nesse momento tão frágil, quando você tem certeza de que sofrerá pelo desinteresse e desleixo de um estranho, será maltratada, mutilada, nesse momento em que te deixarão sem voz e sem ação até mesmo para se proteger e a seu filho!?
A violência obstétrica não é só uma realidade... é uma regra. É tão condenável assim usar dos poucos meios disponíveis pra tentar fugir de algo tão certo?

Médico acordado de madrugada te trata como lixo - sei porquê uma vez levei minha mãe ao cardiologista porquê ela estava passando mal e o médico além de não acordar pra atender ela, passou 2 pessoas na frente, que chegaram depois. Ela não era importante, o senhor de idade e drogadinho que misturou redbull e ecstasy que eram.
Pensamento de obstetra de plantão? "Mulher parindo, essa praga que chegou aqui dizendo que tá com dor e me fazendo trabalhar de madrugada? Ah. que desgraça, tem mais é que se foder, quem mandou não ir marcar a cesárea com o médico dela????"
Mas aí novamente a culpa é da mulher por querer fugir disso.

Alessandro Bruno disse...

Joane Farias Nogueira,

Qualquer pessoa pode querer uma cirurgia desnecessária, seja estética ou por prevenção, isso não é e nunca será negado pelo Estado.

Só que a sociedade, ou um Plano de Saúde, não precisa ser obrigado a pagar uma cirurgia cara só porque alguém quer, afinal, se for pagar uma cesariana desnecessária só porque a mulher não quer esperar o dia certo, porque não pagar uma cirurgia para colocar silicone? Afinal o corpo é da mulher e as regras são dela, não é mesmo? Azar de quem vai pagar a conta.

Claudio disse...

O 'estado" brasileiro é assim, a movimentação do dinheiro está acima do bem-estar dos brasileiros!

Alessandro Bruno disse...

Cláudio,

Cirurgia desnecessária não é bem estar.

Anônimo disse...

Infelizmente tem havido excessos de ambos os lados.
Instigada pelos blogs e pessoas erradas, uma amiga está decidida a ter parto domiciliar.
Parto humanizado (e normal) é ótimo e em grandes cidades como o Rio pode ser muito bem feito em um anexo ao hospital, com todo o aparato emergencial para o caso de necessidade.
Por outro lado, insistir no retrocesso do parto doméstico, além de extrema irresponsabilidade para com seu corpo, expõe a criança a risco desnecessário.
Para coroar a ignorância, a criança sequer será vacinada porque "não existem evidências de que vacina realmente funciona. Eu não acredito".

Santa paciência...

Anônimo disse...

Se os homens parissem, essa discussão nem aconteceria.
E ainda há os que comparam o nascimento de um filho com cirurgia de silicone. Deus dê paciência!

Anônimo disse...

Anon das 21:43 parto domiciliar em gestações de baixo risco não é absurdo. Em países desenvolvidos ele é até estimulado, claro que com uma equipe altamente qualificada pra acompanhar e o transporte pra um hospital é planejado e imediato se houver necessidade, mas quando a gestação é de baixo risco e o pré-natal bem feito o índice de sucesso do parto domiciliar é altíssimo e muito saudável pra mãe e pro bebê. Durante séculos as pessoas nasceram em casa e as mães sobreviveram e continuaram muito bem de saúde. A sociedade moderna é que não consegue conceber um parto sem médicos e milhares de equipamentos do lado, mesmo que já tenha sido comprovado que a maior parte dos precedimentos hospitalares realizados em parto (ocitocina sintética, episiotomia, jejum, posição litotômica, etc) não só são completamente dispensáveis quanto atrapalham ao invés de ajudar. Quanto à postura da sua amiga em relação a vacinar as crianças, bom, sinto muito mas a mãe é ela e quem faz as escolhas a respeito da saúde dos filhos é ela.

Anônimo disse...

Anon das 23:41, nenhum estudo estatístico embasa seu argumento. O único estudo de massa (aprox 400.000 nascimentos) efetivamete focado no bebê foi o da sociedade americana de pediatria. Nele, o número de mortes domiciliares foi de 3 a 4 vezes maiores que hospitalares.
Durante séculos as pessoas nasceram em casa e durante séculos morreu-se em casa.

O tão propalado estudo holandês, se lido no original, percebe-se que sequer são considerados os bebês. Todos os dados estatísticos deste estudo são sobre mães e ele é taxativo ao dizer que o ganho em primeira gestação é zero e que a vantagem nas gestações subsequentes é discutível. Depois que o li, fiquei impressionado de como ele está sendo deturpado no Brasil.

Anônimo disse...

"Quanto à postura da sua amiga em relação a vacinar as crianças, bom, sinto muito mas a mãe é ela e quem faz as escolhas a respeito da saúde dos filhos é ela."

Posso deixar dar comida aos meus filhos então? O paralelo é o mesmo, basta eu dizer que não estou convencido da eficiência dos alimentos.

Ana disse...

Essas discussões atraem opiniões muito fundamentalistas, fica difícil expressar a própria opinião ou experiência sem ser agredida.
Mas vamos tentar.
Nasci de uma cesárea, sem nenhuma sequela
Tive dois bebês por cesárea, e correu tudo muito bem. O parto foi ótimo, nenhum trauma, nenhum sofrimento por não ser a grande protagonista. O que interessou, que foi me apaixonar à primeira vista por meus filhos, aconteceu do mesmo jeito. A recuperação foi ótima, tomei analgésicos adequados e nem lembrava que estava operada. Só senti dor nas vezes em que fiz movimentos muitos bruscos, justamente por ter esquecido da cirurgia. Amamentei, dei banho, fiz tudo pessoalmente pelos meus filhos numa boa.
Uma prima acabou de ter bebê na Europa. Parto normal, tudo bem com ela e o bebê. 18 horas de contrações, foi e voltou do hospital 3 vezes. Quando foi admitida, não deu tempo de anestesiar, pariu na raça. Não fizeram episio, o bebê lacerou o perineo em zigue-zague. Muitos pontos. Muita ardência. Recomendação de 10 sessões de fisioterapia, após o parto, para ficar tudo igual ao que era antes. Ela diz que valeu muito à pena. Toma analgésico para dor, como eu tomei. Bom, depois de tanto esforço, tem que achar que valeu à pena mesmo, é a redenção do "eu consegui; sou FODA!". Bom, não sinto nenhuma inveja dela. Só alívio, que não foi comigo. E que já tive os filhos que queria antes do Estado resolver decidir por mim.
Agora, as pedras.

Evy disse...

Oi Karina, sobre a depilação, aqui no Brasil a indias não tem pelos mesmo. Tenho uma prima india e ela nunca teve que se depilar, pois simplesmente não nasce pelo algum. Claro que nem todas as tribos são completamente sem pelos por aqui, mas a maioria é por pura genética.

Anônima disse...

Eu sou essa mãe de primeira viagem, nascida de cesárea, que escolheu ter um parto normal aos 35 anos. Mas vc tem toda razão. Tive que mudar de médico, pesquisar muito até achar um que apoiasse o parto fisiológico e desembolsei 5000,00 na época (3 anos atrás) para ter meu parto normal, sem intervenções desnecessárias e respeitando meu plano de parto.

Anônimo disse...

Acho lamentável quem fala como médico pensa no plantão de madrugada. Quem a pessoa pensa que é para querer fazer qualquer suposição sobre outra pessoa. Lamentável tbm achar que médico passa paciente na frente. Na maior parte dos PS, é feita uma triagem, que não é realizada pelo médico, logo para que casos que não são emergenciais não sejam atendidas antes de alguém com risco de morte. Médico grosso de madrugada? Existem profissionais ríspidos e existem simpáticos, é a vida. Sempre que precisei ir ao PS, não fui tratada com simpatia e sempre recebi atendimento adequado. Quando estou mal e preciso de um hospital, vou atrás de um tratamento e não de um amigo. Já fui maltratada por balconista de panificadora e nem por isso eu generalizo e falo que toda balconista é rude.
Acordem, galera, GO não é uma especialidade que paga bem. Nenhum mercenário faz GO. A não ser que o GO vá para a área de reprodução humana, não vai ganhar melhor do que qualquer outro médico e eles trabalham muito. Antes que alguém com mil pedras na mão apareça, não sou GO, mas admiro muito quem deixa a própria família para cuidar da dos outros. Antes de falar, tentem pensar um pouco. Ficar satanizando uma profissão pq vcs não fazem parte dela e não entendem nada, é ridículo! Ah, só para constar, patologista tbm dá plantão no Natal e no Ano Novo! Para pessoas que lutam tanto pela causa feminina e entendem o mal que faz espalhar mentiras, vcs estão bem rápidxs para julgar o que não sabem.

Anônimo disse...

"Quando estou mal e preciso de um hospital, vou atrás de um tratamento e não de um amigo."

A melhor frase da discussão!!!

Carol NLG disse...

Há dez dias tive meu parto. Foi quase como eu queria.

Em primeiro lugar, moro nos EUA. Tive uma obstetra brasileira aqui. Desde o começo ela deixou algumas coisas claras:
1 - se eu quisesse cesariana sem indicação médica, teria que esperar o trabalho de parto. Ela até podia colocar na minha ficha que assim que chegasse em trabalho de parto seria cesárea, mas ela não arriscaria tirar um neném antes da hora por capricho;

2 - ela trabalha com uma equipe com várias obstetras. Se eu entrasse em trabalho de parto num dia em que ela estivesse de plantão, ela faria o parto. Se fosse num dia com outra pessoa, outra pessoa faria. Claro que se ela estivesse pelo hospital e tivesse tempo, passaria pra ver. Mas não seria a responsável.

Me preparei pra um parto normal. Com35 semanas comecei a dar indícios de pré-eclâmpsia. Pressão nas alturas (e minha pressão sempre foi baixa!), proteína na urina, essas coisas. Fui colocada num regime de descanso pra tentar segurar a pressão o quanto desse. Numa consulta com38 semanas e 2 dias, a pressão estava MUITO alta. Perigosamente alta. Eu já estava dilatada, meu tampão já tinha caído há duas semanas, basicamente eu já estava quase pronta pro parto. A médica decidiu por induzir.

Fui pra casa fechar minha malinha de hospital e voltei no dia seguinte de manhã. Coincidentemente, calhou de ser o dia que minha médica estava de plantão. Fui induzida com oxitocina - não era meu plano, mas daí passou a ser uma necessidade.

Tomei anestesia quando minha bolsa estourou - naturalmente! - e isso estava no meu plano. Sim, eu sei meu limite e aqui existe uma coisa chamada "walking epidural", que é uma forma de peridural que me permitiu até o parto de cócoras, que eu queria.

Depois de quase 3 horas de trabalho de parto ativo na terceira fase (ou seja, 3 horas fazendo força) minha pressão espiralou da pior forma possível. A criança precisava sair, e precisava sair logo. A médica chegou a considerar uma cesárea nesse ponto, mas eu pedi pra continuar tentando - o bebê não estava em sofrimento fetal. Mais uma hora e ela me deu duas opções: episiotomia ou cesárea. E sim, ela disse que a episiotomia era mais segura, porque quem quer fazer uma cirurgia de grande porte com a pressão alta? Eu realmente não queria a episiotomia, e se eu tivesse mais tempo, tenho certeza que teria conseguido sem. Mas naquele momento, tive que pensar na minha saúde e na do bebê. E depois de 22 horas, ele nasceu lindo, enorme (53,5 cm, 3,7 kg!) e saudável. Foi colocado em contato comigo de imediato, ainda sujinho, e lá ficou pelas primeiras duas horas. Só depois disso foi pesado/medido. E o primeiro banho foi só no dia seguinte, pra deixar o vernix agir bem.

Anônimo disse...

Pode! Se vc criar um filho saudável sem isso, fique à vontade.

Anônimo disse...

Anonimo das 00:51 encerrou a discussão.

@vbfri disse...

Isso! Parece que é difícil da galera entender esse ponto óbvio!

lola aronovich disse...

Parabéns pelo parto e pelo bebê, Carol! Fico muito feliz que tudo deu certo, sua linda!

Anônimo disse...

Não, não foi isso que disseram.

Anônimo disse...

Eu sou tenho 25 anos e planejo tentar engravidar no prazo de 2 anos, assim cedo pq eu e o maridão queremos mais de um filho. A verdade é que já não tivemos pq estamos reformando nossa casa de cima a baixo rs, os dois muito ansiosos. Eu tenho sorte em morar relativamente perto da casa de parto de Sapopemba, quero tentar lá, se não der certo o jeito é pagar uma equipe humanizada. Acho muito triste ter que pagar muito caro pra ter o parto que eu quero, não há opções pra quem mora longe das CP. As mulheres da minha família são adeptas da cesárea eletiva, eu não conto meus planos pra elas pq sei que vão me criticar muito, apesar de eu não criticar as escolhas delas :/

Luiza Original disse...

"Quanto à postura da sua amiga em relação a vacinar as crianças, bom, sinto muito mas a mãe é ela e quem faz as escolhas a respeito da saúde dos filhos é ela."

Eu não sou religiosa, mas olha, karma é uma merda. Esse povo metido a teórico da conspiração que não quer vacinar seus rebentos extremamente saudáveis e fortinhos, espero que torçam para não dar a eles um irmão com câncer, ou qualquer doença que ataque a imunidade, porque aí eles vão saber o que é depender da comunidade para que seu filho permaneça vivo.

Kittsu disse...

Sobre a pessoa que falou de triagem e urgência de atendimento, vou te dar mais alguns detalhes:
O bonitão do médico estava dormindo e uma salinha, enquanto nós aguardamos por quase 1:20h... até os outros pacientes chegarem e serem passados na nossa frente. Até o atendimento, foram 2h. Quando eu chamei uma enfermeira pra chamar a porra do médico ou iriamos para outro hospital onde teriamos atendimento, ela disse pra esperar porquê eles não iriam liberar, transferir, e que não iriam nos deixar sair sem a liberação do santo.
Sabe como eu sei que ele estava dormindo? Porquê eu vi. Eu não sabia que ele era o médico, só vi a enfermeira ir chamar o bonitão algumas vezes e ele continuar lá. e aí, surpresa! era ele. Lindo, não?
E engraçado como coisa do tipo não aconteceu só com UM médico, nem só comigo,nem em um só lugar. Sim, existe um pensamento recorrente de desconsiderar o paciente, não vamos fingir que isso não existe.

Anônimo disse...

"Quanto à postura da sua amiga em relação a vacinar as crianças, bom, sinto muito mas a mãe é ela e quem faz as escolhas a respeito da saúde dos filhos é ela."

Eu não sou religiosa, mas olha, karma é uma merda. Esse povo metido a teórico da conspiração que não quer vacinar seus rebentos extremamente saudáveis e fortinhos, espero que torçam para não dar a eles um irmão com câncer, ou qualquer doença que ataque a imunidade, porque aí eles vão saber o que é depender da comunidade para que seu filho permaneça vivo.


Com certeza! Que existe violência obstétrica, ninguém nega! Precisa coibir, precisa combater.
Precisa diminuir o número de cesáreas e estimular o parto normal.
Agora dizer que 100 anos de evolução da medicina e dos medicamentos não fizeram diferença, dizer que isso pode ser "dispensado", é uma irresponsabilidade. Um crime.
Tem um monte de hiipongo bradando que todos nasceram assim há séculos. Que tal comparar as mortes de agora com de 100 anos atrás?
Que tal comparar a expectativa de vida de agora com a de 100 anos atrás?
Uma conhecida foi atrás de um "florescer da vida" que promovia parto humanizado NA FLORESTA. Alguém faz ideia de quantos contaminantes existem no solo?
O bebê pegou uma infecção brabíssima, ficou entre a vida e a morte e agora trata as sequelas.
Florescimento bancana, hein?

Nós não somos índios, não temos o organismo deles e nossos anticorpos são completamente diferentes. Expor-nos ou nossos rebentos desnecessariamente só por causa de uma modinha é uma extrema insensatez.

Anônimo disse...

"Quanto à postura da sua amiga em relação a vacinar as crianças, bom, sinto muito mas a mãe é ela e quem faz as escolhas a respeito da saúde dos filhos é ela."

A cor da camisa do meu filho é questão de escolha.

Alimentação e saúde, não. É obrigação prevista em lei. Sua inobservância caracteriza negligência e pode ser enquadrada criminalmente.

Anônimo disse...

Bela bosta fazer um parto normal se de humanizado ele não tem nada, se te xingam, se te metem um corte na vagina você querendo ou não. Bela bosta fazer uma cesariana com hora marcada se todo mundo vê e pega seu bebê primeiro que você, que fica andando torta pela casa 5 dias sem condição de sequer começar a ser mãe. Bela bosta ser ativista defensora do parto natural e massacrar qualquer outra mãe que não pensa como você, deus me livre ser uma mãe hoje em dia que escolhe não amamentar, deus me livre não ter um marido que te sustente para você ser uma linda MAMÃIN empoderada que posta fotos de cada refeição do seu príncipe no Facebook.

É muita cagação de regra, de todos os lados. E agora mais uma regra cagada, que vai deixar as mulheres sem opção eis que tudo o que um plano de saúde mais quer na vida é não ter que pagar os procedimentos.

Na moral? É mais fácil adotar. Vai ter cagação de regra do mesmo jeito mas pelo menos já nasceu.

Anônimo disse...

Se a pessoa não quer tomar vacina, problema dela. Se a pessoa não quer vacinar os filhos (e 99% das vezes essas pessoas foram vacinadas pelos seus pais), é problema de toda sociedade e inclusive pode ser considerado crime pela lei brasileira.

Gente irresponsável assim deveria ser castrada.

Anônimo disse...

Ai, meu saco... bom, vamos lá: anon das 00:05 e todos que comentaram sobre a vacinação dos filhos da moça que não quer vaciná-los: pro bem ou pro mal, é um direito dela não vacinar os filhos. Não quer dizer que eu aprovo, pelo contrário, acho muito importante vacinar as crianças. Mas vai fazer o quê? Chamar a polícia e o conselho tutelar e mandar que tirem as crianças da mãe? Capaz que vc é quem vá presx por desperdiçar o tempo deles. Processar a mulher pra obrigá-la a vacinar as crianças? Também não se pode fazer isso. Sinto muito, mas a lei não diz que uma pessoa é um pai ou mãe negligente por não querer vacinar os filhos. Na lei, é direito dela. Anon das 00:05 não alimentar seu filho é bem diferente de não querer vacinar, por favor, né? Muita gente não toma vacina e sobrevive, mas sem comida ninguém sobrevive. Não é nem de longe a mesma coisa.

Quanto ao estudo que você citou, nunca vi algo assim mas já vi vários dizendo exatamente o oposto, que o parto domiciliar fez bem pra mãe e pro bebê. Sim, o bebê também tem importância no parto domiciliar por mais que vc não consiga dissociar bem estar, saúde e cuidado adequado de um hospital cheio de aparatos. Mas pelos seus argumentos vc é mais do perfil "Vamos prestar atenção no bebê, a mulher que se dane" e tá tudo bem se quiser um médico e um hospital, você pode ter seu parto como quiser. Nenhuma ativista vai te obrigar a ter parto natural ou domiciliar; o que elas querem é que as mulheres que quiserem parir assim tenham a possibilidade de fazê-lo. Elas conhecem os riscos e vão assumi-los, ponto. No hospital também morre-se, sabia? Ninguém fala sobre isso, mas tem sim mulher morrendo depois de parir no hospital. Tanto em casa como no hospital tem mulher morrendo ao parir, então que tal simplesmente deixar as que querem um parto natural ou domiciliar escolherem em paz?

Anônimo disse...

1 - A lei não garante o direito de uma mãe não vacinar os filhos. A lei garante sim o direito à saúde. Tanto a constituição quanto o ECA. Você não deve ter filhos. Qualquer colégio/creche exige (por força de lei) a carteira de vacinação.
2 - Em nossa sociedade a mãe não é a única responsável pelo filho. Legalmente o MP também deve zelar pelas crianças.
3 - Ninguém disse que hospital é isento de mortes. No hospital morre-se menos que em casa. Existem inúmeros hospitais que possuem salas fora de seus prédios (mas que são próximas) onde a mãe pode ter filho de cócoras, com corte, sem corte, com música, sem música. Como quiser. Em caso de emergência, atravessa-se um corredor e pode-se usufruir do progresso médico.
4 - Você se incomoda de postar aqui a conclusão/link de QUALQUER estudo que diga que é mais SEGURO (leia-se: menos mortes) ter filho em casa? Original, por favor, sem tradução. Pode ser (só achei) em inglês.

Anônimo disse...

Para os que não conhecem, trechinho do ECA sobre vacina:

Art. 14. O Sistema Único de Saúde promoverá programas de assistência médica e odontológica para a prevenção das enfermidades que ordinariamente afetam a população infantil, e campanhas de educação sanitária para pais, educadores e alunos.

Parágrafo único. É obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias.

Anônimo disse...

Trechinho de um julgamento sobre o caso:

1. Conforme ressalta a d. Procuradoria da Justiça, em seu r. parecer de fls. 52, o direito subjetivo à vacinação é exclusivo e pessoal da menor (arts. 11 e 14, parágrafo único do Estatuto da Criança e do Adolescente). Se os pais ou responsáveis no caso os guardiães deixam de exercê-lo em nome e a favor da menor, caberá ao Ministério Público a legitimidade para usar dos remédios legais para assegurar esse direito (art. 201, VIII, do Estatuto da Criança e do Adolescente). Os impetrantes, como simples pretendentes à guarda, não têm legitimidade para ajuizar a ação mandamental em defesa do direito da menor. Os impetrantes deveriam limitar-se a representar ao Promotor da Infância no sentido de tomar as providências cabíveis, competindo a este valorar a ocorrência da lesão do direito e escolher o instrumento adequado à sua defesa. De resto, seria discutível a eventual obrigatoriedade de ser a menor apresentada para vacinação no Posto de Saúde local, quando se tem notícia de que os guardiães, direcionando a forma de tratamento da menor, teriam buscado antes permissão da pediatria que a assiste, para continuar na vacinação adequada.

Anônimo disse...

"bom, vamos lá: anon das 00:05 e todos que comentaram sobre a vacinação dos filhos da moça que não quer vaciná-los: pro bem ou pro mal, é um direito dela não vacinar os filhos."

NÃO É DIREITO DELA e ela pode e deve ser denunciada na polícia e no conselho tutelar, quem não o fizer é omisso e responde junto.

Anônimo disse...

http://idisa.jusbrasil.com.br/noticias/130887498/pais-que-nao-vacinam-estao-na-contramao-da-lei-e-da-ciencia-atender-ao-calendario-basico-de-vacinacao-e-obrigatorio-por-lei?ref=topic_feed

Acho fenomenal essa gente "antenada" e comedora de grama que lê um artigo repassado na internet e toma como verdade, sem pesquisar a veracidade do mesmo (estou olhando para todo mundo que vê correlação entre vacina - mercúrio - autismo).

Se a pessoa quer se tratar com homeopatia, florais de bach, orvalho da manhã, vibração polissônica, pedras quentes, couve com bicarbonato de sódio, cristais, pílula do frei galvão, suco de beringela, incensos, óleo do monte santo, salmos e invocações angelicais, horóscopo, chá de urtiga malasiana ou qualquer dessas MERDAS SUPERSTICIOSAS que se vê por aí, problema dela. Tem gente que prefere a medicina, tem gente que prefere o curandeirismo. Agora, enfiar os filhos nessa é caso pra, no mínimo, perder a guarda das crianças.

E mais: a criança não vacinada vira vetor de doenças. Quer dizer, não basta foder a vida dos próprios filhos, tem que foder a de todo mundo que convive com eles nas escolas, creches etc.

Aí um dia seu bebê pega PÓLIO e você pensa puxa, o filho do meu vizinho devia ter sido vacinado........

Anônimo disse...

Anon das 14:25 postarei os que eu encontrar se você postar os seus também. Quanto à vacinação nunca vi nenhum pai ou mãe perder a guarda dos filhos porque não vacinou. Já disse que eu não aprovo essa história de não vacinar crianças, sempre defendi a vacinação e fui uma das primeiras a contestar o boato estúpido de que vacinações de HPV eram esterilização em massa da população. Se você acha tão absurdo a mãe não querer vacinar os filhos, ligue pro conselho tutelar e denuncie a moça. Ficar aqui discutindo comigo não vai mudar nada. Vá, você pode fazer isso e diz que é lei prover vacina às crianças, então preste queixa se o caso te incomoda e pronto.

Anônimo disse...

comedores de grama united

http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2015/01/surto-de-sarampo-ligado-disney-ja-afetou-70-pessoas-na-california.html

antivaxxer tinha que ser CASTRADO, sem mais

Anônimo disse...

É tanta guerra que todo mundo esquece da criança hehehehehe

http://www.huffingtonpost.com/2015/01/22/mommy-wars-similac-video_n_6517242.html

"A Playful Reminder That Judging Other Parents Is Absurd"

Vídeo fofo, link direto:
http://youtu.be/Me9yrREXOj4

Anônimo disse...

"Anon das 14:25 postarei os que eu encontrar se você postar os seus também."

Sem problemas:
Link para o famoso "estudo holandês":
http://www.bmj.com/content/346/bmj.f3263

Conclusion
Our study showed a lower risk of severe acute maternal morbidity, postpartum haemorrhage, and manual removal of placenta among low risk women in primary care at the onset of labour with planned home versus planned hospital births. These differences were statistically significant for parous women. We found no evidence that planned home birth among low risk women leads to an increased risk of severe adverse maternal outcomes in a maternity care system with well trained midwives and a good referral and transportation system.


Detalhe que todos os benefícios são listados para mulheres que já tiveram filhos.
Importante frisar o trecho: "with well trained midwives and a good referral and transportation system" Isso não é aplicável a 95% das nossas cidades.
Este estudo, que embasa o argumento de 9 entre 10 entusiastas, além de ser muito discreto nos benefícios, sequer considera o bebê. Trata-se portanto de artigo estatístico focado nas mães.

Agora um estudo com as crianças:
http://www.science20.com/news_articles/home_birth_linked_4x_higher_baby_mortality_rates-128907

The home birth fad has grown in the United States over the last decade. Midwives have also become such a trend that there are even efforts to allow midwives to perform abortions. And that naturalistic fallacy has brought additional risks. In the largest analysis of its kind, using Centers for Disease Control data on nearly 14 million linked infant birth and neonatal death data, term singleton U.S. births, researchers at New York-Presbyterian/Weill Cornell Medical Center found the absolute risk of neonatal mortality was 3.2/10,000 births in midwife hospital births, and 12.6/10,000 births in midwife home births, and it further increased in first-time mothers to 21.9/10,000 births in midwife home deliveries. Neonatal mortality was defined as neonatal deaths up to 28 days after delivery.

14 milhões de bebês. Me parece um bom universo estatístico.

Como eu já disse antes aqui, os defensores do parto doméstico no Brasil deturpam e distorcem quase tudo o que vem de fora. Chega a ser risível ver um blog se reportar a um determinado estudo e depois de ler o original perceber que no mínimo foi traduzido pelo Joel Santana.


Agora os seus, por favor.

Anônimo disse...

Zeus, tem gente dizendo que homeopatia é "merda supersticiosa"...
Que tipo de discussão é essa? Tenho a impressão de que caímos em algo do tipo "médico sabe mais que todo mundo, calem a boca, plebe ignara".
Olha, eu acho que toda a população tem uma imagem, uma opinião sobre os médicos baseada na sua própria vivência. Se essa vivência implicou desrespeito e violência, não tem "competência" que salve. Quer dizer, ninguém, quando procura um médico, ninguém está procurando um "amigo", como foi dito em algum comentário. As pessoas estão buscando uma solução para um problema. Saúde não é brincadeira, não é como comprar pão na mercearia. As pessoas buscam apenas um tratamento humano e respeitoso. Não me parece que seja pedir muito de um profissional que trata com pessoas. Sou professora, o mesmo ocorre comigo. Os alunos não esperam que eu seja "amiguinha", eu trabalho com adultos, eles esperam que eu tenha respeito e consideração por eles, e que, dentro desse respeito e consideração, eu faça o meu trabalho. Isso é assim para qualquer profissão que lide com pessoas. Qualquer uma, os médicos não são diferentes. Se não sabem lidar com gente, sobretudo em uma situação de fragilidade, de dor ou medo, não deveriam seguir essa profissão. Há muitas outras. Quem estudou medicina teve muita escolha. Não é o caso muitas vezes de um vendedor de pão. A cara feia da moça da panificadora é imensamente mais justificada do que o desrespeito e a arrogância de um profissional da saúde.

Luiza Original disse...

Aqui no Brasil os pais tem que apresentar a caderneta de vacinação para matricular o filho na escola pública, não tem?

Nos Estados Unidos, onde os paranoicos estão em maior número, eu sei que as escolas podem impedir a matrícula se a criança não estiver vacinada, porque - surpresa - o rebento fofo vai conviver com crianças que dependem da imunização alheia.
Aí os pais tem o direito de educar em casa, se quiserem.

dorinnha radashy disse...

Oi Lola. No começo do meu pre-natal, a go disse que o melhor seria fazer cesária, e eu concordei com ela. por mudansas durante a gravidez, eu agora optei pelo PN. contratei uma doula pra me ajudar, e estou fazendo o que é possível para que meu corpo responda bem no momento tão esperado. eu não critico a cesariana. acho que ela é super válida pois no tempo da minha avó por exemplo, vai saber quantos bebês morriam pelo fato da mãe não conseguir dilatar, pela gestação passar de 42 semanas e etc? + acho que a gestante tem que ter a opção de escolha. receber informações sobre os dois métudos utilisados no nascimento do bebê, e parir da forma que ela achar melhor. sem intervenção do médico que prefere a cesária e etc. essa é uma decisão que a mãe deve tomar.

Raven Deschain disse...

Hum. A Luiza e outros comentaristas tem razão. Boa sorte pra sua amiga matricular o guri na escola ou conseguir qualquer benefício de um emprego (salário família, plano de saúde, anything) sem a carteira de vacinação EM DIA.

Anônimo disse...

Será a criança acolhida institucionalmente, com ação na vara da infância. Gente louca acha que filha e filho é coisa... Mulher é propriedade do homem também?

Anônimo disse...

Luiza, não é só na escola pública que se exige a carteira de vacinação. Minha filha sempre estudou em escola particular, e, desde a creche, a carteirinha de vacinação atualizada era uma exigência.

Luiza Original disse...

Então, 21:33, pra ver como é importante.

Olha, se essas pessoas começassem uma discussão séria, eu até diria que uma ou outra vacina você poderia deixar de lado. Mas cara, deixar de vacinar contra a polio é atestado de imbecilidade, quando tantas crianças sofreram com essa doença no passado.
Muito fácil estar no topo da cadeia social, enfiando o filho nos consultórios mais caros pra não vacinar. Difícil é pensar no filho dos outros que não teve a mesma sorte, com pais que dariam qualquer coisa pra vê-lo saudável e poder ser vacinado normalmente.

Ah, deixa eu parar, porque esse assunto me irrita e uma hora eu vou falar uma besteira.

Anônimo disse...

"Zeus, tem gente dizendo que homeopatia é "merda supersticiosa"... "

Nenhum estudo científico sério conseguiu descobrir qual o poder curativo da água re-diluída centenas de vezes.

O melhor exemplo de merda supersticiosa é a homeopatia. O segundo, horóscopo. Coloco em segundo lugar porque a primeira é usada para "curar doenças", logo, o prejuízo social da crendice é muito maior.

Anônimo disse...

Sou obrigado a fazer coro com o comentarista acima. Nenhum, absolutamente nenhum estudo sério tirou a Homeopatia do campo do placebo.
Eu até entendo seu uso como uma questão de fé.

Mas não aceito que se diga que ela tem qualquer fundamento real, porque não tem.

Anônimo disse...

Não causa estranheza as pessoas desacreditarem as vacinas e crerem em homeopatia quando uma parcela significativa sequer acredita que o homem pisou na lua.

Kittsu disse...

Sobre a homeopatia ser "merda supersticiosa" porquê não foi documentado o seu mecanismo de atuação, eu só queria lembrar a vocês que até a pouquissimo tempo a acupuntura era considerada "merda supersticiosa" também, e agora que foram documentados os mecanismos de ação dessa terapia, a classe médica está querendo exclusividade em sua aplicação.
O que falar então dos remédios tradicionais de povos ameríndios, do interiorzão, etc? Os laboratórios todos correndo atrás e um monte de besta dizendo que é tudo "garrafada desses ignorantes curandeiristas comedores de grama".

(Note que o que eu disse não tem nada a ver com vacinação, apenas estou falando de descartar algo porquê não compreendemos como funciona)

Anônimo disse...

Kittsu, no caso dos remédios naturais, existem inúmeros estudos provando sua eficiência. Existe efeito pois existe substância envolvida.
Quanto à acupuntura, espetam-se pontos em que podem existir terminações nervosas. Veja que é uma atividade física, palpável, e que certamente gerará algum efeito (sem discutir se é bom ou ruim).

E quanto à homeopatia? Tirando a fé, o que mais há?

Anônimo disse...

Homeopatia é água. Não tem mecanismo de ação algum a ser explicado fora o reconhecido efeito placebo, esse sim amplamente documentado.

Querem usar, usem, mas assumam que seus filhos são tratados com crendices.

Anônimo disse...

Mais uma boa matéria sobre os comedores de grama fazendo suas comedoresdegramice:

http://io9.com/how-anti-vaxxers-ruined-disneyland-for-themselves-and-1680970446

"How Anti-Vaxxers Ruined Disneyland For Themselves (And Everyone Else)


"The Happiest Place On Earth" is ground zero for a recent measles outbreak centered in California. Now, unvaccinated people are being warned to avoid visiting Disneyland parks."

Doença que nos EUA não era problema desde 2000

Logo a Polio chega lá. Ou terroristas (vacinados) vão usar da mentalidade de gado dos anti-ciência em favor da causa, o que é perfeitamente plausível, embora nesse caso eles estariam fazendo um favor a toda humanidade.

Anônimo disse...

Parece brincadeira que tem gente que leva homeopatia a sério. Ainda se a pessoa quer usar isso em si, problema dela, mas usar nos filhos é um pouco demais para mim. Façamos o seguinte então: apresentem uma pessoa curada de câncer, AIDS etc. Ok, essa é difícil, então uma mais fácil: apresentem um estudo amplamente reconhecido pela comunidade científica que tenha passado pelo DUPLO-CEGO comprovando a eficácia da água rediluída centenas (ou milhares) de vezes. No aguardo.

"Ainnn mas é usada até em bebês e bichos", pois bem, apresentem o estudo comprovando a eficácia e que tenha passado pelo critério do duplo-cego, analisado por seus pares e publicado com inquestionável aceitação na comunidade científica. Vou deitar aqui porque a espera é grande.

Raven Deschain disse...

Gente, essa epidemia de sarampo na Disney me deixou rindo feito besta. Não gosto de ver gente doente, vejam bem. Mas acabei de terminar de ler A Dança da Morte (recomendo o filme pra quem não quiser ler 3000 páginas) e vendo essa epidemia, pensei: mas meldels, esse povo é tão burro que é bem capaz de uma epidemia de gripe matar todo mundo mesmo. E vai ser merecido.

Anônimo disse...

"mas meldels, esse povo é tão burro que é bem capaz de uma epidemia de gripe matar todo mundo mesmo. E vai ser merecido."

Duro é que as ideias desses "burros" já estão chegando aos burros daqui. Inclusive já foi necessária a intervenção do Ministério Público em um caso específico, de pais que além de não vacinarem, "tratavam os filhos" com homeopatia. Disseram os pais que tinham aval de médicos para tanto, o que foi veementemente negado pelos profissionais mencionados. Em último caso, as crianças são recolhidas a abrigos e vacinadas, para então serem devolvidas às famílias. Tem necessidade de tudo isso?

Esse é o povo que acha que suco de beterraba com couve e bicarbonato cura câncer.

Anônimo disse...

boa discussão sobre homeopatia e curandeirismo, aqui tem uma tirinha que representa bem a coisa de "comigo funcionou"

http://www.lapulgasnob.com/2010/04/evidencia.html

Anônimo disse...

Essa também é linda na minha opinião:
Welcome to sience

Raven Deschain disse...

Então anon. Falei de povo no geral. Numa questão mundial mesmo. Burrice não tem fronteiras.

Anônimo disse...

"Essa também é linda na minha opinião:
Welcome to science"

É linda mesmo *___*

Um dia, quem sabe, viveremos em um mundo em que as superstições próprias não irão interferir no desenvolvimento da sociedade e no progresso da ciência e do conhecimento.

Anônimo disse...

Ok, aqui estão meus artigos anon das 19:58.

Hutton EK, Reitsma AH, Kaufman K. Outcomes associated with planned home and planned hospital births in low-risk women attended by midwives in Ontario, Canada, 2003-2006: a retrospective cohort study. Birth. 2009; 36 (3): 180-9http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19747264

"The rate of perinatal and neonatal mortality was very low (1/1,000) for both groups, and no difference was shown between groups in perinatal and neonatal mortality or serious morbidity (2.4% vs 2.8%; relative risk [RR], 95% confidence intervals [CI]: 0.84 [0.68-1.03]). No maternal deaths were reported. All measures of serious maternal morbidity were lower in the planned home birth group as were rates for all interventions including cesarean section (5.2% vs 8.1%; RR [95% CI]: 0.64 [0.56, 0.73]). Nulliparas were less likely to deliver at home, and had higher rates of ambulance transport from home to hospital than multiparas planning home birth and had rates of intervention and outcomes similar to, or lower than, nulliparas planning hospital births."

Janssen PA, Saxell L, Page LA, Klein MC, Liston RM, Lee SK. Outcomes of planned home birth with registered midwife versus planned hospital birth with midwife or physician. CMAJ : Canadian Medical Association Journal. 2009; 181 (6-7): 377-83. http://www.pubmedcentral.nih.gov/articlerender.fcgi?artid=2742137&tool=pmcentrez&rendertype=abstract

de Jonge A, van der Goes BY, Ravelli ACJ, Amelink-Verburg MP, Mol BW, Nijhuis JG, et al. Perinatal mortality and morbidity in a nationwide cohort of 529,688 low-risk planned home and hospital births. BJOG : an international journal of Obstetrics and gynaecology. 2009; 116 (9): 1177-84. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19624439

"No significant differences were found between planned home and planned hospital birth (adjusted relative risks and 95% confidence intervals: intrapartum death 0.97 (0.69 to 1.37), intrapartum death and neonatal death during the first 24 hours 1.02 (0.77 to 1.36), intrapartum death and neonatal death up to 7 days 1.00 (0.78 to 1.27), admission to neonatal intensive care unit 1.00 (0.86 to 1.16)."

Mas ainda creio que o melhor a fazermos seja concordarmos em discordar. Você acredita que o bem estar do bebê deve estar acima de tudo, até do da mulher, e eu acredito que uma pessoa bem informada, que estudou o assunto, sabe dos riscos e assume a responsabilidade tem o direito de escolher. Concordemos em discordar então.

Anônimo disse...

Engraçado como tem gente com verdadeiras convulsões emocionais (ou seriam cólicas?)ao ler a palavra "homeopatia". :)

Anônimo disse...

anon das 21:07
Aparentemente há pessoas incapazes de aceitar a discordância. Precisam se sentir donas da verdade, e afirmar isso reiteradamente. Imagino que seja mais uma questão de idade, sei lá, deve ser uma pessoa muito jovem.

Joane Farias Nogueira disse...

Vc paga plano de saude e paga impostos por um bom motivo.Azar de quem vai pagar a conta? Vc ja paga um monte de conta desnecessaria e cuja culpa nao foi sua.Nao fique c peninha do plano, pq ele nao desembolsa nada do bolso dele. É muito mais so q so uma questao de meu corpo , minhas regras. Seu corpo, suas regras e todos nos pagamos por cirurgias de coracao e bariatricas de pessoas q nao se cuidam - muitas vezes pq nao querem.
Vc paga impostos por um bom motivo. E por outro bom motivo, vc paga plano de saude. Nao fique c peninha dos donos dos planos ou da "sociedade". Eu insisto.
Vc falou a palavra certa estetica. Ninguem faz cesaria por estetica. Nao queira comparar e nao use o bordao feminista numa situacao q nao se compara. Parece q "problema feminino" p homem nao vale muita coisa. Tenha um utero e depoiz conversamos sobre o q vc acha ser uma questao de estetica - visto q vc mesmo comparou coisas totalmente diferentes.

Joane Farias Nogueira disse...

O bem estar nao pode ser caracterizado por apenas uma frase Bruno. Deixe quem vai parir definir isso.

Joane Farias Nogueira disse...

Anonimo das 21 de janeiro de 2015 22:59 pensei q so eu a achado isso um extremo absurdo.

Anônimo disse...

" Seu corpo, suas regras e todos nos pagamos por cirurgias de coracao e bariatricas de pessoas q nao se cuidam - muitas vezes pq nao querem."

Segura essa gordofobia aí, ferinha.

Joane Farias Nogueira disse...

24 DE JANEIRO DE 2015 12:16

Segura a pressa aí, ferinha!! Eu tenho obesidade mórbida.Não me venha falar de gordofobia. E apenas expliquei a ele que pagamos por decisões que não são nossas.

Anônimo disse...

"Segura a pressa aí, ferinha!! Eu tenho obesidade mórbida.Não me venha falar de gordofobia. E apenas expliquei a ele que pagamos por decisões que não são nossas."

Mesmo que você pese 700kgs, seu comentário continua gordofóbico.

Anônimo disse...

Mais uma pra galerinha da couve com bicarbonato e que acha que vacina é coisa de satanás e deveríamos todos nos informar a respeito:

http://www.brasilpost.com.br/madeleine-lacsko/conhece-algum-antivacina-_b_6607392.html

Alguns trechos:

"O movimento anti-vacina brasileiro teve seu expoente há 111 anos e não mudou em rigorosamente nada suas características sociais. Na Revolta da Vacina, em 1904, membros da elite intelectual brasileira lideraram um movimento que desconfiava dos efeitos colaterais da vacina contra a varíola, que se tornou obrigatória.

Em 1904, os positivistas consideravam uma violação da liberdade individual instituir a obrigatoriedade da vacina, como Oswaldo Cruz convenceu o Congresso Nacional a fazer. Passados 111 anos, as pessoas estão postando esse mesmo argumento no Facebook."

galera moderna né? rsrsrsrsrs

"Fora a garantia do direito de vacinação das crianças, que consta do artigo 14 do Estatuto da Criança e do Adolescente, há um artigo no nosso Código Penal destinado a punir quem se recusa a vacinar, o 268: "Infração de Medida Sanitária Preventiva". Quando alguém contamina outras pessoas, causando ou não a morte delas, pode ser enquadrado no artigo 267, "Epidemia", que tem penas tão pesadas quanto a do homicídio. Atualmente, há uma discussão nos Estados Unidos sobre fazer leis parecidas."

É crime pelo ECA e pelo código penal brasileiro, cabe intervenção do MP e cabe vacinação compulsória.

Denunciem, gente.