sábado, 16 de março de 2013

GUEST POST: NAMORO UMA FEMINISTA

O Victor foi ao lançamento do meu livro, ano passado, em SP, com a namorada, e eu pedi pra que ele, muito simpático, escrevesse sobre como é namorar uma feminista. Algo assim. A verdade é que eu gostei muito do casal.

Sempre tive certo receio em relação ao sufixo “ista”. Comunista, socialista, capitalista, fascista, feminista. Por conviver sempre com pessoas de extrema direita e extrema esquerda, acostumei a me ausentar, com algum orgulho, de qualquer terminologia. Talvez até mesmo com um ar superior, de quem não se deixa prender por ideologias. Como se as ideologias fossem uma praga que cega o ser humano por elas tocado. 
No entanto, gostava de aparentar uma visão crítica das coisas. Não apontava o dedo para as ideologias, apontava as teorias que as desfaziam, que as desmontavam. Como se buscar um ideal fosse buscar, de forma ingênua, um sonho. Diminuía o ideal alheio e me firmava, com isso, na pior ideologia, na pior terminologia, com o pior dos sufixos –- egoísta.
Por outro lado, nunca fui dado a machão. Achava que pelo fato de chorar com alguma desinibição e dividir meu apartamento com um casal homossexual (um dos quais sou amicíssimo), estava livre de ser considerado preconceituoso. Como se minha realidade por si só fosse um álibi para que eu pudesse exercer, com creditada liberdade, palavras e ideias rudes que, vez por outra, me ocorriam.
Há algum tempo conheci alguém. Uma mulher (para mim, uma menina) que me faz companhia e está comigo sempre que pode. Eu amo essa mulher, essa menina. Essa mulher-menina, que aos meus olhos é uma menina-mulher, certa vez me falou sobre ideias feministas. De bate pronto dei uma resposta atravessada. Disse que já havia estado em uma reunião de trabalho com algumas representantes do movimento feminista, e que elas eram machistas às avessas. Que o ideal por elas proposto (tomando a liberdade para o absurdo) era uma espécie de ditadura do proletariado (proposto por Marx), só que, no lugar dos proletários, mulheres. 
Hoje me custa assumir que fui capaz de dizer tal besteira. Essa menina-mulher um dia me mostrou uma frase, simples, que dizia o óbvio: “Feminismo nada mais é do que a vontade de se ter direitos iguais”. Simples, quase didático. Mas difícil de compreender quando estamos envoltos em uma realidade machista. Outro dia li outra frase, melhor ainda (bastante difundida), que dizia: “Feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente”. Até o dia em que essa menina-mulher me mostrou o blog da Lola. Comecei a ler os textos e, aos poucos, ter vergonha de certas coisas que eu pensava.
Por conta do meu interesse, curiosidade e vontade de adentrar mais e melhor no tema, fui à Marcha das Vadias em São Paulo. Não é pelo fato de estarem ali crianças e pessoas idosas. Não acredito que esteja no elemento pacífico o caráter legítimo da manifestação (ainda que uma manifestação pacífica, a meu ver, é sempre mais interessante). É pelo espírito crítico que povoava o ambiente, unido a um senso político fantástico. Frases como “Eu não vim da sua costela, você que veio do meu útero” ou “Lugar de mulher é onde ela quiser”, de modo sutil e às vezes até divertido, tocavam a ferida. 
Foi interessante ver pessoas que passavam pelo local (somente do sexo masculino, que eu pude perceber) questionando sobre a manifestação. Sobre o que aquelas mulheres queriam. Um senhor, inclusive, me perguntou algo como “Se já temos uma presidente da república mulher, o que mais uma mulher pode querer?” Ao senhor que me perguntou isso, respondi, de forma indireta, que a mudança de padrões sociais por elas buscada conflita, justamente, com a estrutura de pensamento que o levou a formular tal questão.
É como dizer “As mulheres votam! O que mais elas podem querer?” ou “As mulheres dirigem, o que mais elas podem querer?”. Ou pior, dizer que o machismo acabou porque nossa presidente é mulher é como dizer que acabou o preconceito racial nos EUA porque o Obama é negro. O senhor me disse que era advogado e que entendia dessas coisas e que perante a lei elas eram iguais aos homens e ponto. Me deu preguiça continuar argumentando com ele...
Se a manifestação foi boa ou ruim, se as pessoas entenderam ou não, acredito que não importa. A imprensa cobriu e fez com que pessoas nunca incomodadas antes pelo assunto se pusessem a falar e, até mesmo em alguns casos, pensar. O mesmo ocorre, acredito, para blogs, fan pages, comunidades, grupos de discussão, grupos de estudo e trabalho etc. A temática passa a ser um assunto na medida em que ela passa a existir para pessoas que nunca se questionaram sobre o tema. 
Como no meu caso, com este blog que acompanho e visito sempre que possível. Entender o feminismo e suas questões não me fez um ser humano melhor, mas me fez um ser humano menos intolerante e (por que não?) menos ignorante para com os movimentos sociais como um todo. Isso não me impede de questioná-los, mas me faz dar um passo atrás quando, antes, os invalidava.

95 comentários:

Yohanna Cordeiro disse...

Emocionante! O Victor tá de parabéns! Lindo demais o que ele escreveu..
Essa postagem já entrou pra minha listinha de Top 10 desse Blog.
Obrigada, Lola, por ter possibilitado essa leitura.

Anônimo disse...

Ótima ideia de guest post, sensacional! Eu mesma me pego às vezes tentando disfarçar pensamentos ignorantes de senso crítico.aprender a criticar as próprias ideias é fundamental!

desenhandoumahistoria disse...

Tem muita gente precisando ouvir isso.Muita gente que acredita que se uma mulher ou qualquer outra classe ganha um direito,ele não tem que exigir mais nada.

Thais disse...

Sensacional!

Sara disse...

É isso ai Vitor, vc não precisou contrariar sua REAL natureza e essência, (não aquela q é construida)e aposto q nem doeu.
Não da pra entender pq tantos homens resistem na irracionalidade de querer manter um padrão, q muitas vezes até a eles mesmo prejudica, sem contar na tremenda injustiça contra a mulher.
Eu creio que, o q é justo um dia seja a norma na nossa sociedade, não as discrepâncias gritantes q insistem em conservar.

Anônimo disse...

Muitas vezes, como homem, é difícil compreender o feminismo e as feministas basicamente porque estamos inseridos em um determinado sistema desde o berço.

Como homem, você não é obrigado pelas circunstâncias a parar para refletir sobre determinadas questões. Então não dá bola e quando tais questões são apresentadas, acabam ficando estranhas na cabeça da gente.

Eu prefiro não cair no jogo mental de me ver como um opressor mau simplesmente porque não sou mesmo. Talvez desinformado, mas mau, jamais. É preciso ter equilíbrio aí para não sair correndo e se pregar em uma cruz voluntariamente, mesmo porque anjinho no mundo realmente não conheço nenhum, seja homem, mulher, feminista ou não. E o fato de defender esta ou aquela causa não te faz, instantaneamente, uma boa pessoa.

Mas sim, é importante levar esclarecimento às pessoas e uma vez oferecido esse esclarecimento, o indivíduo tem a possibilidade de formar novos paradigmas e enxergar as coisas de um jeito diferente, a verdadeira beleza da coisa.

Marina P disse...

Parabéns ao autor do guest post!

Uma das coisas que eu tenho muita dificuldade de entender é como homens que percebem como sua visão machista é injusta continuam sendo machistas. Sabe aquele cara que todas nós conhecemos e que sabe que a mulher faz mais coisas, sabe que ela cuida da casa, dos filhos, que enquanto ele tá no sofá vendo televisão ela tá fazendo a mala dele pra viagem, etc.? Esse. Esses, aliás! Que são maridos, namorados, pais, irmãos, amigos e que se dizem muito bem resolvidos, que participam de marchas pelos direitos humanos, que se acham pessoas ótimas e que por algum motivo insólito não conseguem abrir mão desse privilégio maluco de nunca lavar as panelas, nunca trocar as fraldas, nunca se refrear, etc.

A gente fala aqui sobre os mascus mas a verdade é que, embora a maioria dos homens não pregue o ódio às mulheres, há um imenso contingente de machistas "bonzinhos", que acham um absurdo quando alguém diz por aí que lugar de mulher é na cozinha, mas que não levantam a bundinha do sofá pra ir pra cozinha cozinhar o almoço de domingo e diante de exortações para que façam alguma coisa realizam uma tarefa ou outra mais ou menos, pela metade ou resmungando.

Cabe a nós não aceitar certas coisas, eu sei. A luta é toda na base do "se eles não mudam, mudo eu, que não vou aceitar ser uma mulher passiva e oprimida" mas eu acho que eles deviam sim buscar ser pessoas coerentes, né? Pessoas que são a favor da igualdade E se esforçam diariamente para agir de forma igualitária. Quer dizer, eu não consigo achar que é normal tantas pessoas supostamente éticas agirem de uma forma tão contraditória e acharem isso a coisa mais natural do mundo.

Vitor, acho que você deu um passo muito importante ao escrever o post, porque você está realmente buscando agir de acordo com o seu discurso e isso é essencial!

Nane disse...

Lolinha, não deixe meu sábado aziado! Libera os comentários aí que eu quero ler! Bjinhos

M disse...

Obrigada Victor, foi um texto curto, mas muito emocionante!
Tenho muitos amigos machistas (embora eles não reconheçam isto, já que eles exercem o "feminismo" a sua maneira). E quando os vejo compartilhando imagens e textos machistas ou homofobicos nem tenho energia para falar com eles o quanto aquilo magoa, mas lendo suas palavras percebi que vale a pena ao menos mostrar um cartaz ou banner sobre o assunto, nunca se sabe se isto irá levantar alguns questionamentos não é?
Abraços.

Anônimo disse...

Olhem só que absurdo,os psicopatas indianos estão violentando até mulheres estrangeiras.
http://br.noticias.yahoo.com/turista-su%C3%AD%C3%A7a-estuprada-%C3%ADndia-presen%C3%A7a-marido-140555934.html

Anônimo disse...

“Se já temos uma presidente da república mulher..."

Agora vamos responder a uma questão... a presidente chegou ao poder:

( )por ela mesma.

( )com ajuda de um homem.

( )com ajuda de uma mulher.

Para um homem namorar uma feianista... ou ele é homossexual não assumido ou ele é um homem sem opções.

Bruna disse...

Infelizmente meu namorado não pensa assim... Desde que comecei a falar sobre feminismo, mostrar textos, criticar alguns comportamentos que antes eu não percebia como machistas na sociedade, a gente vem brigando muito... Pior é que ele é de esquerda, sociólogo da melhor universidade do país e eu nunca esperaria tanta intolerância e má vontade dele com relação a esse tipo de assunto, principalmente pq o feminismo tem milhares de convergências com temas caros á esquerda e nos quais ele sempre acreditou.
Ele diz que eu fiquei chata, que só falo disso, que ele não pode falar mais nada... Talvez possa ser verdade e eu tento compreender o lado dele, mas sempre lembro de um texto curtinho do Alex Castro sobre feminismo:

"Imagine que você tem um grupo de pessoas e quer descobrir quantos são alérgicos a uma substância. Pois bem, você pinga uma gotinha na mão de cada um. Quem reagir à substância, ficar com coceira ou inchaço, é porque é alérgico. Por definição. Ser alérgico é isso: reagir a essa substância.

Pensem no feminismo como essa substância. Se você é exposto ao feminismo e fica com inchaço ou coceira na mão, se sente incomodado e patrulhado, precisa mudar seu modo de agir e de falar, então é porque seu modo de falar e de agir eram machistas. Machismo é isso. Não tem outra definição.

Se você acha que não, está em denegação. Mas a coceira na sua pele não te deixa mentir."

E começo a achar que talvez esteja dando murro em ponta de faca, que ele não se interessa em querer mudar, ele até mesmo deslegitima o movimento muitas vezes, e fazendo isso, eu também me sinto deslegitimada. Talvez tenhamos mudado muito e em direções diferentes, ainda estou avaliando como lidar com isso, pq estamos juntos há mais de 5 anos e o amor é grande, mas fico extremamente decepcionada com muitos posicionamentos machistas dele, principalmente pq nunca esperei que ele fosse assim...

O que vcs fariam nessa situação?

mariana disse...

que bacana! achei bem bonito mesmo oq o victor escreveu.. sensível e sincero, e de uma humildade enorme..

espero estar fazendo essa diferença na vida do meu namorado como a dele fez - e tenho certeza que pelo menos estou no caminho..

Anônimo disse...

"Para um homem namorar uma feianista... ou ele é homossexual não assumido ou ele é um homem sem opções."

O certo é namorar bonecas infláveis

Anônimo disse...

Bruna, estive com uma pessoa q adorava me diminuir intelectualmente, e tb adorava diminuir minha ideologia que era (e ainda é) o combustivel de minha vida. Eu não aguentei e mandei pastar e foi a melhor coisa que fiz. Pra namorar uma feminista não precisa ser feminista tb, mas tem que respeitar e principalmente: nao ser machista. Nao é saudavel um relacionamento tao conflituoso assim.

Sara disse...

Bruna muitos homens reagem mal ao feminismo, mas com o tempo acabam do nosso lado, ainda mais se ha amor como vc diz.
Não desista de suas posições, vc pensa com clareza e esta enxergando muito bem o que esta se passando entre vcs.
Até homens muito machistas, se vc for forte e defender o q acredita, acabam caindo em si, ainda mais facil se estiverem apaixonados.
Mas querida se ele não mudar e insistir em controlar vc e o q vc pensa, é melhor ficar atenta.
Aqui na Lola tem diversos textos falando de homens controladores e q podem chegar a violência, se seu namorado mostrar sinais claros de q é um deles, caia fora o mais rápido possível.
Espero q o amor de vcs vença os obstáculos da criação machista q muito provavelmente ele teve.
E q assim como o Vitor, ele repense muitos de seus conceitos...

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

Sinceramente,nao perderia tempo com homem machista apenas daria a ele um link pra ele saber o que é na verdade feminismo e o mandaria embora.
Nao fui criada pra aguentar ser insultada mesmo q indiretamente.

Huan Icaro Piran disse...

@Vitor

Cara, seu relato me deixou bem feliz sabe. Também não sei se o feminismo nos torna humanos melhores, mas com certeza nos torna menos cretinos e isso é um passo que precisa ser dado.
É naquela, ninguém encontra a si se estiver preso nos próprios preconceitos.

@Bruna

Conheci um comunista certa vez, fervoroso defensor do proletariado, militante a trinta anos, um senhor de cinquenta e tantos que quando jovem marchou contra a ditadura e tudo mais. Mas que era extremamente machista e fervoroso também nesta postura.
Também conheci feministas que defendem o neoliberalismo, mesmo este sendo totalmente antagônico a uma luta por igualdades sociais de gênero a longo prazo que era firme em ambos os posicionamentos.
Cada luta é uma luta, igualmente importantes, mas nem sempre sabemos ver essa importância na luta X, Y ou Z.

Tenta conversar com ele, vai com calma e tenta mostrar os grupos feministas que lutaram na esquerda no passado e as que ainda lutam, a importância que elas tiveram e ainda tem. Certamente quando ele compreender que o feminismo esta diretamente ligado as lutas sociais ele vai "cair na real" (mal mascus, eu usava a gíria 15 anos atras e não era para mascunazi #troll), certamente vai entender que é uma luta igualmente importante.
Foi conhecendo feministas no meio anarquista que parei aqui (na verdade foi uma amiga steampunk que me mostrou o blog, mas ficou nos favoritos intocado por meses até eu ter novos contatos com o feminismo) e certamente quando ele tiver contatos feministas nas lutas dele vai compreender.

@Sara

Acho que estou conseguindo fazer alguns amigos bem machistas mas defensores de liberdades (alguns de direita por mais paradoxal que seja) a compreender e apoiar o feminismo. O chato é quando tenho de conversar com algumas amigas que são contra o feminismo...digamos que não é muito cabível que eu tenha de explicar para mulheres o que é o feminismo, mas tive duas situações bem delicadas ano passado x_x

Lilly disse...

"Para um homem namorar uma feianista... ou ele é homossexual não assumido ou ele é um homem sem opções."

HAHAHAHA!
"SUAS FEIAAAAS!!! BOBONAS, FEIAS, GORDAS!"
Tô de volta ao jardim de infância??

Anônimo disse...

Pra quem quiser saber o que é feminismo de verdade é só ir no google e pesquisar por "radfem".

Mordred Paganini disse...

Para que o meu marido entendesse o feminismo, precisar usar a bell hooks como recurso. Daí ele não teve mais como contrapor!

Por definição,se você não é machista, você é feminista. Por definição, não existe um meio termo, até mesmo porque não há simetria entre machismo e feminismo, visto que significam coisas completamente diferentes.

A partir do momento em que consegui fazer meu marido entender esta parte, a coisa mudou.

Mas se ele mesmo sabendo o significado de feminismo continuasse professando este tipo de burrice (ain feminismo é feio bobo cara de melão!), já teria tomado um pé na bunda a muito tempo.

Sinceramente? Se são 5 anos ou 5 dias não importa. Se ele não te respeita como ser humano, se ele não acha que mulheres são seres humanos plenos, o que ele merece NO MÍNIMO é um pé na bunda.

Moça, larga esse mané e arruma um boy anarco-feminista!

André disse...

O advogado está certo, na lei as mulheres tem até mais direitos que os homens. O problema é muito mais cultural que legal.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Legal ler um depoimento como esses. Não sei se é otimismo meu, mas acredito mesmo que a maioria das pessoas é machista simplesmente porque foi ensinado a ser assim e acabam tendo poucas chances de se deparar com opiniões diferentes e refletirem a fundo a respeito de certos conceitos.
Fico chateada com comentários e atitudes machistas de namorados, ficantes, colegas de trabalho, amigos, mas também estou sempre me surpreendendo com algumas mudanças, ainda que pequenas, mas significativas, que noto nas pessoas que conheço quando tem a possibilidade de discutirem sobre coisas que até então pareciam imutáveis.
Parabéns ao Victor e à namorada dele por fazerem parte dessa mudança.

Anônimo disse...

Bruna, talvez você esteja mesmo ficando chata. A chatice dos fanáticos, dos apaixonados, das pessoas que amam tanto uma coisa que querem que o mundo todinho ame também e conheça as novas maravilhas. Isso só vai afastar ainda mais o rapaz dos ideais feministas, porque além da repulsa pela idéia, ele passa a repelir a chatice também e as duas coisas viram sinônimos em sua cabeça.

"Feminismo = anti-ele", que tadinho, nem pode mais falar nada que lá vem você.

Porém, talvez você não esteja chata. Talvez o chato seja ele, ensimesmado no esquerdo e apaixonado também, cego, sem ver o resto do mundo, assoberbado. E além de chato, talvez ele seja machista. E não adianta você achar que vai mudar um machista, ou qualquer pessoa no mundo, porque quem muda é ela própria na hora que bem entender.

Se você "acha" que está dando murro em ponta de faca, é quase certo que está.

Se você "acha" que com textos e doutrina vai mudá-lo, é quase certo que você está muito errada e perdendo seu tempo.

Se você acha que talvez um dia ele comece a enxergar as coisas pela ótica do Feminismo, tem uma chance 50-50 de estar certa ou errada, mas isso é futurologia.

O que é certo é que, não largando dele, a tendência é que ele se acomode mais em não te ouvir e que você, e não ele, que não tem que mudar nada de si, continue perdendo seu tempo e juventude.

Anônimo disse...

"O advogado está certo, na lei as mulheres tem até mais direitos que os homens"

Prove.

Bruna disse...

Muito obrigada a todos que comentaram sobre o que escrevi!
Meu namorado é uma ótima pessoa, ele não é metido a machão e tem muitas ideias libertárias, por isso a minha decepção quando ele fala certos tipos de coisas e leva o assunto de um modo que eu nunca esperei, entendo que todos nós temos um ranço machista porque ele é estrutural, mas acredito que sabendo reconhecer nossos preconceitos temos o dever de tentar melhorar e compreender, e ele ainda está no meio do processo de aceitar os preconceitos dele.
Já terminamos uma vez e ficamos alguns meses separados, foi doloroso, mas também foi uma forma de saber como ele lida com rejeição, e ele reagiu com muita maturidade e respeito em toda a situação, tanto que vimos que nos amávamos muito ainda e voltamos. Ele é professor, e sempre me conta empolgado sobre suas aulas de sociologia em que pode abordar o feminismo, e fica feliz em ver que botou a molecada pra pensar. O problema é que na intimidade, nas nossas discussões, ele ainda não aceita coisas que pra mim são básicas dentro do feminismo e no meu modo de ver a vida, ele às vezes demonstra vontade de aprender e em outras é muito intransigente... A questão é que desde que o feminismo entrou em nossas vidas temos brigado mais, e fico triste que ás vezes ele não parece entender o quanto é importante pra mim e o quanto descobrir esse mundo novo me fez e faz muito bem, e fica nesse discurso de que eu tenho andado chata e monotemática.
Como alguns comentaram, realmente, talvez eu esteja sendo impaciente e tenha realmente ficado mais chata, mas tenho medo de pensar que, se quero dividir a vida com alguém, não podemos ter ideias tão divergentes sobre o modo de encarar o mundo, e meu feminismo definitivamente é irreversível...
Vou continuar falando, vou continuar discutindo e vou tentar compreender e enxergar que ele vai crescer e me respeitar cada vez mais quanto a isso. O depoimento do guest post foi um alento, deu esperança de que as pessoas podem realmente mudar, e que a nossa energia não é gasta em vão.

André disse...

Anônimo 21:00,

Um exemplo: licença paternidade.

Anônimo disse...

Essas discussões sobre quem tem mais direitos, mulheres ou homens, muitas vezes deixam de levar em conta algo importante. Uma mulher, branca, classe média tem uma série de oportunidades e direitos. Um homem, negro, jovem, pobre tem grandes chances de morrer baleado por traficantes, pela polícia, e vive quase sem direitos ou reconhecimento social.

Nesse ponto, acho que os feminismos perdem boas chances de entender o que se passa no Brasil. Nesse sentido, Lola, eu gostaria de ler tuas reflexões a respeito de como o feminismo (ou o teu feminismo) encara as desigualdades de classe no Brasil.

Juba disse...

Existem algumas leis específicas sobre direitos das mulheres pela simples razÃo de que elas NÃO tem os mesmos direitos que os homens (ou os têm só no papel). Engravidou, rua! Apanhou, mereceu! É ridículo PRECISAR criar leis para evitar isso.

A licença paternidade é minúscula e ridícula aqui no Brasil, fruto de um pensamento machista, que quem pariu é que cuida, apenas. O machismo prejudica os próprios homens, é uma pena. Em alguns países, há 2 anos de licença que podem ser divididos como o casal preferir, entre eles. São países muito mais avançados, com um número menos desigual de mulheres e homens em cargos de chefia...

Anônimo disse...

Mordred Paganini disse...
Para que o meu marido entendesse o feminismo, precisar usar a bell hooks como recurso. Daí ele não teve mais como contrapor!

Por definição,se você não é machista, você é feminista. Por definição, não existe um meio termo, até mesmo porque não há simetria entre machismo e feminismo, visto que significam coisas completamente diferentes.

A partir do momento em que consegui fazer meu marido entender esta parte, a coisa mudou.

Mas se ele mesmo sabendo o significado de feminismo continuasse professando este tipo de burrice (ain feminismo é feio bobo cara de melão!), já teria tomado um pé na bunda a muito tempo.
-
Essa dai se acha a ultima bolachinha do pacote hem ?

Quer dizer então que se o maridão dela não se "enquadrar" e for devidamente doutrinado adestrado, e pé na bunda ? ele tem personalidade,questiona ?

Fábio disse...

Existe uma ideologia de pensamento que prega a igualdade entre todos os seres humanos, chama-se igualitarismo.
E existe uma ideologia que uma ideologia que prega o tratamento humanizado a todos os seres humanos, chama-se humanismo.

Agora a pergunta com a qual eu pego todas as feministas na curva( inclusive a Lola e a Mordred), é :
Se feminismo e um movimento igualitário, porque o prefixo femini ?
Porque não evoluir, e abrir mão de um nome tão sexista, e ofensivo aos homens ?

Obs, Machismo não existe como ideologia, e uma palavra usada por feministas para demonizar todo comportamento masculino, e por no mesmo balaio tanto bandidos escrotos que agridem e matam mulheres, como homens de valores mais tradicionais, o que lhes e um direito individual.

Fábio disse...

Deixa ver se eu entendi. Muitas feministas reclamam da expressão "O homem" pra se referir ao Ser Humano. Mas aí diz que machismo que vem de macho é ruim independente de etimologia ou qualquer coisa. E feminismo é bom porque... Porque sim. É isso mesmo produção?
o feminismo ao tomar como padrão humano a mulher, não esta sendo sexista ?

discordar do feminismo não significa achar que um sexo é melhor que o outro e sim que eles são diferentes. Homens e mulheres sempre foram, são e sempre serão diferentes, isso é indiscutivel. Não cabe a coisas diferentes terem encaixes iguais, os direitos devem ser iguais, mas as diferenças respeitadas.

E não loletes, nos não somos tabuas rasas, que vocês podem doutrinar, somo humanos, com personmalidades e características próprias ( ouviu Mordred?)

Se eu acredito em igualdade eu sou uma pessoa justa,O movimento poderia se chamar movimento antisexista ou por direitos iguais e assim a terminologia ficaria mais adequada, mais clara.
Não sou feminista e não acredito que um sexo é melhor do que o outro e deveria ter mais direitos. Essa afirmação de quem não e feminista, automaticamente e machista opressor,alem de maniqueísta é deveras tendenciosa.

Anônimo disse...

Me responsa outra coisa também. Porque existe somente hospital da MULHER? Porque existe somente Delegacia da MULHER? Porque o Governo gasta mais com saúde FEMININA do que a masculina? Porque todas as politicas sociais são feitas somente para as MULHERES? Diga feminista pregadora da igualdade, onde estão suas "irmãs" para combater essa discriminação contra o homem hétero?

Anônimo disse...

Cleinton Justino
Você diz que existem mulheres machistas que dizem que a mulher é mais fraca que o homem, então porque existe uma lei especifica para a mulher? que a lei Maria da Penha? Cadê as feministas para colocar o homem nessa lei também? Uma lei sexista que trata o homem como o agressor e a mulher sempre como a vítima, não venha dizer que mulher sofre mais agressão que o homem, mulher também sabe bater, sabe jogar coisa nos outros, ou seja é capaz de atos de violência como qualquer outro ser humano

Anônimo disse...

"Um exemplo: licença paternidade."

Ainda bem né, senão os homens também teriam menos oportunidades de trabalho porque podem se afastar do cargo, ainda que o governo custeie a coisa.

Jéssica disse...

@Andre

A mulher esta' cansada e estressada porque acabou de sair de uma gravidez e um parto, uma licenc,a paternidade curta e' ruim para A MULHER, que alem de estar horrivel mental e fisicamente ainda tem que ficar cuidando de um recem-nascido chorando que nao a deixa descansar! Isso e' prova o quanto os direitos legais sao desiguais e estao pouco ligando para as mulheres.

Fábio disse...

Agora vou ser justo e olhar o outro lado. Feministas conscientes lutam pelo sufrágio universal, não apenas o direito de voto mas a representação politica proporcional. Lutam contra a corrupção dos governos. Contra a miséria e a fome. Contra a discriminação pela opção sexual. Contra o abandono infantil. Contra a mutilação genital feminina. A favor da profissionalização da prostituição. A favor do ingresso de mulheres nas faculdades. E muitas outras lutas necessárias.

Mas o que fo*% com os argumentos de vocês, e o que chamamos no masculinismo de " falacia do espantalho" o fato de demonizar os homens em seu comportamento natural, colocar este comportamento no mesmo balaio de rimes bárbaros, e este eterno vitimismo útil que vocês insistem em alimentar.
Por exemplo, feministas afirmam que homens ganham mais que mulheres para exercer a mesma função( mas se esquecem que nos homens comedores de mingau, nos dispomos mais a trabalhos degradantes, pesados e perigosos, e somos quase 90% dos acidentes de trabalho)
Mas vamos pensar um pouco, se eu sou um empresario capitalista, e de um lado tenho um funcionário homem com um custo maior, e do outro uma funcionaria mulher com um custo menor, para exercer a Mesmíssima função, porque então eu continuaria contratando homens?
Isto não tem logica não ?
etão o que levaria o Ibge a dizer o contrario ? será que disse o contrario mesmo ? ou somente somou o coeficiente total populacional, e tirou uma base numérica, sem levar em conta a carga horaria e produtividade ?
Mulheres são mais dependentes que homens de programas governamentais não ?
No setor publico, mulheres ganham menos que homens para exercer a mesma função, professoras ganham menos que professores Lola ?

Perguntas,perguntas perguntas, e meu mingau esfriando :)

Lica disse...

Bruna, concordo com o que alguém disse, muito bem colocado, sobre os apaixonados. É natural que você fique empolgada e queira compartilhar. Mas as vezes é importante dar tempo para que ele assimile aos poucos. E respeitar que talvez ele nunca se empolgue tanto quanto você. Mas não significa que ache menos importante.

Passei por uma situação semelhante com meu namorado. Ele tinha uma visão bem -senso comum- do feminismo. O mais importante foi explicar que feminismo e machismo não são simétricos no seu significado. E depois, que não existe um vilão.

Parece que as vezes estamos fazendo uma acusação pessoal do tipo: "você, meu namorado macho, é responsável pelos séculos de opressão contra a mulher", e a tendência natural do ser humano, é se defender (ler: Como fazer amigos e influenciar pessoas).

Minha tática para conquistá-lo foi: parei de usar o "rótulo feminista" e passei a explicar os problemas em si, da violência, da cultura de estupro, dos padrões de beleza e etc. E ele concordava mais facilmente. Posteriormente eu fazia a ligação do tipo "tá vendo, isso é feminismo".

Claro que seu namorado professor já deve estar num estágio mais avançado, rss Mas achei que valia a pena compartilhar minha história, que talvez sirva para outros tb.

Vanessa disse...

André disse...
Anônimo 21:00,

Um exemplo: licença paternidade.

É pra rir ou é pra chorar ?
Aleitamento Materno te lembra algo ?

PATRÍIA disse...

Vou fazer um comentário simples que talvez te caia a ficha como no caso do feminismo:

A ditadura do proletariado sugerido por Marx "nada mais é ada mais é do que a vontade de se ter direitos iguais”. Simples, quase didático. Mas difícil de compreender quando estamos envoltos em uma realidade capitalista. Outro dia li outra frase, melhor ainda (bastante difundida), que dizia: “Ditadura do proletariado é a ideia radical de que os trabalhadores assalariados
são gente”

PATRÍIA disse...

Talvez também lhe caia a ficha "A ditadura do proletariado nada mais é do que a vontade de se ter direitos iguais”. Simples, quase didático. Mas difícil de compreender quando estamos envoltos em uma realidade capitalista. Outro dia li outra frase, melhor ainda (bastante difundida), que dizia: “Socialismo é a ideia radical de que os trabalhadores assalariados são gente”

jacmila disse...

"Há algum tempo conheci alguém. Uma mulher (para mim, uma menina)"

Xii Victor, olha só o q a Lola diz:

- Outra reivindicação política, digamos assim, é que mulheres não sejam chamadas de meninas. Menina é só pra criança; adolescente no máximo, ou uma forma de tratamento entre AMIGAS. Mas é totalmente diferente de um homem chamar (geralmente num ambiente profissional) mulheres adultas de meninas. É subestimá-las.

É um comentário dela q está no meio dos outros comentaristas nesta postagem:

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2011/11/senhora-esta-no-ceu.html

Logo me chamou a atenção o "menina" teu; pensei: será q ele é mais velho q a namorada, q tem uma diferença de idade gde entre os dois? Nem ia comentar neste post - até questionaria o teu "egoísta", pq mesmo com os todos os ismos, acredito q cd pessoa tem q fazer um exercício constante pra pensar/crer por si mesma. Continuando a linha do "menina": estava pesquisando neste blog sobre o termo senhora, já q pertenço e assumo q estou nesta categoria etária (chuinf+rs) e apareceu esta declaração da Lolíssima, mais uma q concordo (não sou de adorar nguem mas a Lola tá perto, rs) Bem, queria mto ler comentários teus, da tua consorte e dxs demais comentaristas sobre este adjetivo...

Anônimo disse...

cara, olha o que fizeram da amanda todd: http://humorplanet.me/viewimg.php?id=4159&order=recent . que nojo dessa gente! e é um site bem poipular nos eua.

Anônimo disse...

Lola, o que mais me espanta é a quantidade de mulheres classe média fazendo a opção de tornarem-se mães em tempo integral... Obviamente, a dependência econômica desiguala os parceiros, por mais que a questão seja combinada e "bem resolvida". Abre brechas para aqueles comentários de antigamente: me sirva que eu estou cansado, você ficou em casa o dia inteiro, sem fazer nada... Mesmo que o "não fazer nada" envolva cuidar de casa e criança... Apreciaria muito um post seu comentando o assunto. Um exemplo da chamada "blogosfera materna":

Anônimo disse...

"Lola, o que mais me espanta é a quantidade de mulheres classe média fazendo a opção de tornarem-se mães em tempo integral."

Qual o problema de querer educar os filhos? Ninguém melhor que pai e mãe pra fazer isso, ora. Melhor do que largar em creche pra apanhar de cuidadoras ou até ser abusada sexualmente por pedófilos ou ver seu filho chamando a babá de mamãe. Se alguém precisa trabalhar pra colocar dinheiro em casa, o outro fica em casa cuidando, não vejo mal nenhum nisso.


"Minha tática para conquistá-lo foi: parei de usar o "rótulo feminista" e passei a explicar os problemas em si, da violência, da cultura de estupro, dos padrões de beleza e etc. E ele concordava mais facilmente. Posteriormente eu fazia a ligação do tipo "tá vendo, isso é feminismo"."

Fiz a mesma coisa com meu namorado, que depois virou marido, e deu super certo.

" Outra reivindicação política, digamos assim, é que mulheres não sejam chamadas de meninas. Menina é só pra criança; adolescente no máximo, ou uma forma de tratamento entre AMIGAS. Mas é totalmente diferente de um homem chamar (geralmente num ambiente profissional) mulheres adultas de meninas. É subestimá-las."

Sou super contra chamar mulheres de meninas, isso é rebaixar, infantilizar.

jacmila disse...

Fábio:

Vc me parece preso a um binarismo atroz. Vc não consegue sentir o seu lado feminino, não? vc se sente 100% homem-macho?

Anônimo disse...

http://portal.process.com.br/index.php/local/5878-hospital-do-homem-pode-ser-fechado-por-falta-de-pacientes.html

Eu já divulguei pros meus amigos

E vcs mascus?

Engenheira

Fábio disse...

jacmila disse...
Fábio:

Vc me parece preso a um binarismo atroz. Vc não consegue sentir o seu lado feminino, não? vc se sente 100% homem-macho?

17 de março de 2013 10:40
----------------------------------
Eu me sinto 100% humano senhorita, e sim sou homem, e não vou pedir desculpas a ninguém por isto não.

Anônimo disse...

"http://portal.process.com.br/index.php/local/5878-hospital-do-homem-pode-ser-fechado-por-falta-de-pacientes.html

Eu já divulguei pros meus amigos

E vcs mascus?"

Pois é né, homem é um bicho difícil mesmo, pra encher a boca e falar mal de feministas vale tudo, mimimi mulher tem mais isso e mais aquilo, agora tem aí esse hospital do homem e eles não usam, tudo preconceito, homem é ensinado a ser durão e que se levar uma dedadinha no fiofó vai virar gay e beijar a boca do médico, preferem morrer de câncer, largar a mulher viúva, os filhos órfãos de pai a cuidar da saúde, mulher não, a gente já nasce com aquela porcaria do bico-de-pato enfiado na pepeca hahahahaha, sempre cuidando, sempre apalpando, vendo se não tem carocinho na mama, vendo se tá tudo direitinho, de mulher isso é bem cobrado mesmo mas homem tá nem aí, só querem saber deles mesmos, tudo errado viu. Míriam.

André disse...

Vanessa,

Acordar de madrugada pra fazer o bebê dormir, trocar fraldas, dar mamadeira, levar no médico te lembra alguma coisa? Dica: não precisa de um órgão reprodutivo específico para fazer nada disso.

Fábio disse...

Anônimo disse...
http://portal.process.com.br/index.php/local/5878-hospital-do-homem-pode-ser-fechado-por-falta-de-pacientes.html

Eu já divulguei pros meus amigos

E vcs mascus?

Engenheira
===================================

Corrigindo , se me permite.
HOSPITAL DO HOMEM PODE SER FECHADO POR FALTA DE DIVULGAÇÃO.
E vocês já viram a forma desumanizada que homem e tratado em medico?
Mulheres, crianças idosos, estes são verdadeiros portadores de patologias humanas para médicos, o que homem tem e frescura para eles.

Eu já fui muito doente em um hospital, me deram um voltarem, e me mandaram trabalhar :/

Fábio disse...

A licença maternidade e mais do que justa, a mulher desprende uma carga de energia e sacrifício muito grande na gestação e parto, deve ter um bom tempo de recuperação assistido, e o bebê deve ter um contato maior com a mãe, nos primeiros meses de vida,isso previne doenças futuras, e forma um cidadão saudável, licença maternidade não e gasto, e investimento.

O problema e se a mãe for muito feminista e achar que o bebê e muito dependente, nâo tem "autonomia" ainda( não come sozinho, não anda, toma banho, se troca nada disso sozinho) ai ja viu ne, vai saber.

Anônimo disse...

Esse negócio de licença maternidade é um inferno na vida das mulheres, é bom ficar em casa e cuidar do bebezinho até porque ele precisa do peito e da mãe, só que a gente precisa de dinheiro e pra arrumar emprego durante uma certa idade é um horror, lembro que quando eu era recém-casada e procurava trabalho não arrumava nada, era um tal de "você tem filhos" ou "quando você vai ter filhos" ou "você tem plano de ter filhos", eu não tava me candidatando pra parideira então porque queriam tanto saber de filho, fora pedir teste de gravidez, que inclusive parece que é proibido mas pedem mesmo e se você não faz fica sem o emprego, se você não precisasse do emprego não estaria lá se humilhando então eles fazem o que querem. Eu trabalhei no RH de uma grande empresa, mas pensa em grande, graaaaaaande, multinacional super famosa, aparece na televisão todo dia e a garota-propaganda tem um programa todas as manhãs, e uma vez circulou um comunicado interno para o pessoal responsável por seleção de candidatos, o teor era mais ou menos assim, que os currículos de mulheres tinham que ser analisados com extremo rigor (essas foram as palavras a serem usadas) e que na dúvida entre um candidato homem e mulher, era pra preferir o homem, que a mulher só valeria a pena se tivesse um currículo muito superior mesmo e ainda assim tudo checado e confirmado porque como mulher fica afastada da empresa quando engravida a empresa se ferra, isso deu o maior bafafá e foi parar no ministério público do trabalho, sabem o que aconteceu? Nada, isso mesmo, nada, ficou o dito pelo não dito, mandaram embora a pessoa que fez a denúncia e pronto, acabou, deve estar na justiça até hoje procurandos seus direitos, agora nessa empresa muitas das operações são terceirizadas, limpeza, frente de caixa, setor de tecnologia, são campeões de queixas na justiça do trabalho mas como é dinheiro que move o mundo tá tudo bem, enquanto isso mulher continua se ferrando e as burras ainda vão lá comprar, eu não compro, compro no concorrente hahahahahaha (não trabalho mais lá faz tempo). Míriam.

Anônimo disse...

É realmente chocante que um homem se deixe influenciar intelectualmente por essa cartilha ideológica de professorzinho subdesenvolvido (Blog da Lola).

jacmila disse...

míriam:

Tentando saber q empresa é essa, não vejo tv aberta faz anos e estou cd x + seletiva no supermercado. E se for um produto estético nem se fala. A vida fora de casa está mais e mais desumana (oi senhorito Fábio, tb somos 100% humanas!) especialmente com as mulheres. O mais perverso de td, ao meu ver, é a assimilação, pelas próprias mulheres, dessas diretrizes capitalistas selvagens de competência-competitividade. Chega a ser deprimente ver, in loco, colegas de trabalho assumindo orgulhosas todas as "obrigações" de casa-família-trabalho-cama-e-mesa mas volta e meia surtam no trabalho na base do à-beira-dum-ataque-de-nervos, picuinhas, maledicências, autoritarismos. Por isso td, dou graças às deusas da beleza verdadeira qdo chegam as férias e os feriados...

Anônimo disse...

É sério isso Anônimo das 12:00?
Alguém tem um print desse comunicado?
Qual é a empresa?

Boicote já!

Já ouvi meio por cima esse papinho de uma pessoa na minha empresa também, que não deveriamos contratar operadora de planta, mas ninguém foi tão burro a ponto de formalizar isso no papel.

O engraçado é que mesmo que mulher pegar os seis meses mesmo (o que tá raro), isso vai acontecer na vida dela uma duas vezes, máximo três vezes (é média da fertilidade da mulher no Brasil).

Enquanto o que eu vejo é um tal dos meus operadores ficarem afastados por meses por causa de lesão jogando futebol ou até outros problemas de sáude.

Ou seja, todo mundo esta sujeito a ter que se afastar por questão de saúde. É uma questão humana! É a maior canalhice fazer diferença por causa disso.

Engenheira





Anônimo disse...

O problema, minha cara, é que ou vc é feminista, ou mãe em tempo integral...

Anônimo disse...

Além disso também sinto que esse negócio de "sindrome de parideira" dos RHs de algumas empresas me afeta.

Confesso que adio o máximo possível uma mudança de estado civil, porque na cabeça dessa galera necessariamente o próximo passo são os bambinos, que parece ser sinonimo de improdutividade para eles, logo você estará vetada de qualquer oportunidade de crescimento bacana.

Sinto a atmosfera tensa de que sou considerada "um investimento de risco", mantida pelo talento, dedicação acima da média, disponibilidade para qualquer missão , mas que a qualquer momento pode "trair" a empresa tendo que tirar licença por alguns meses e ficando mais indisponivel para viajar (se o mundo fosse mais igualitario na verdade isso seria um problema pra os dois lados).

Acaba que odeio quando fazem perguntas da minha vida pessoal no trabalho. Fico na defensiva.

Já pensei até em inventar que sou lésbica pra tirar essa possibilidade do ar (na cabeça desse pessoal também, quem diz que eu não poderia adotar?) , mas aí eu ia me ferrar com diretor de RH que é ultraevangélico rsrs


Huan Icaro Piran disse...

"Moça, larga esse mané e arruma um boy anarco-feminista!"

ehjkwahkjlehawkljehaw

Boa :P

Huan Icaro Piran disse...

"O problema e se a mãe for muito feminista e achar que o bebê e muito dependente, nâo tem "autonomia" ainda( não come sozinho, não anda, toma banho, se troca nada disso sozinho) ai ja viu ne, vai saber."

Não deu de entender essa aqui não Fabio. Ao que eu saiba, o feminismo só se envolve nos preceitos de maternidade quanto aos direitos da gestante. Para alem disso existem preceitos da psicologias que mesmo a feminista mais ortodoxa respeita. Quem não costuma respeitar isso são machistas que defendem que meninas desenvolvem-se X e menino Y e portanto ao 1 ano dá de largar o pia num canto ou coisas assim.

Huan Icaro Piran disse...

@Patriia

“Socialismo é a ideia radical de que os trabalhadores assalariados são gente”

Estou me perguntando "porque não pensei nisso antes" de forma séria neste momento.

@Juba

"A licença paternidade é minúscula e ridícula aqui no Brasil, fruto de um pensamento machista, que quem pariu é que cuida, apenas. O machismo prejudica os próprios homens, é uma pena. Em alguns países, há 2 anos de licença que podem ser divididos como o casal preferir, entre eles. São países muito mais avançados, com um número menos desigual de mulheres e homens em cargos de chefia..."

Ao exemplo do Canada ao que descobri em um vídeo do Yure. Mesmo tendo discordado em alguns pontos com os argumentos do cara, foi antropologicamente produtivo.

Anônimo disse...

Então gente, aconteceu isso sim, tem uns seis anos mais ou menos, era pra ser um comunicado interno e restrito mas até as pessoas pra quem ele era dirigido ficaram indignadas e uma delas denunciou, um homem inclusive, aí isso foi pro ministério público do trabalho, vieram representantes lá na matriz-Brasil, teve até computador apreendido nessa história e no fim das contas ficou tudo por isso mesmo e só quem se ferrou foi quem denunciou, que como falei deve estar até hoje na justiça procurando seus direitos, na imprensa chegou a sair uma notinha sobre a empresa estar sendo investigada mas só isso, não tocaram mais no assunto. Eu não vou falar o nome da empresa senão eles vem atrás igual perdigueiro mas já dei as dicas, e falo mais, é uma empresa campeã de reclamações trabalhistas e eles mandam até mulher grávida embora, isso mesmo, não foi nem uma nem duas, nem dez, nem vinte, mas um advogado lá de dentro me falou o seguinte, que empresa grandona assim, com milhares de funcionários, sabe que a maioria das pessoas acaba não entrando com ações porque eles têm dinheiro e recursos, podem ficar enrolando o processo uma vida todinha, então que pra se livrar de um funcionário por qualquer razão que seja não precisa fazer tudo tão direito assim. É gente, não é fácil não, se vocês soubessem o que é aquilo por dentro desligariam a tevê cada vez que passasse o comercial. Do setor de tecnologia tenho uma história pra contar também, mudou um diretor lá e mandaram meio mundo embora de um determinado setor, só que pra mandar embora fizeram assim, reuniram todo mundo em uma sala grande, como se fosse receber um treinamento e deram a notícia, olha, vocês estão demitidos, mas se quiserem ainda trabalhar pra gente vamos fazer a seguinte proposta, vocês recebem X por cento do salário registrado em carteira e o resto a gente paga por fora, mas sem alcançar o salário todo, ficava uns 80% só, aí foi um rebuliço danado mas um monte de gente aceitou porque gente assim "peão", que não tem cargo de gerente ou de diretor tem muita conta pra pagar, ficar sem emprego com colégio de criança pra pagar, carro, seguro, casa, não dá, ficar sem plano de saúde não dá, então aceitam e as empresas deitam e rolam mesmo, acho que se bobear não existe uma honesta de verdade mas essa aí, quando eu saí dei graças a Deus que me pagaram direito porque é raro viu, é bem raro e lá eu não compro mesmo, nem um palitinho de dente. Ah e se você entra com uma ação contra eles vai pra uma lista negra, se precisar de referência está na lama porque queimam mesmo, isso inclusive já foi motivo pra receberem multa mas continuam fazendo, dinheiro é o que manda no mundo e os pobres que se f..................

jacmila disse...

"O problema, minha cara, é que ou vc é feminista, ou mãe em tempo integral..."

Fiquei os 3 primeiros anos do meu primeiro filho sem trabalhar fora. Valeu a pena pra ele e... pra mim! E devo agradecer ao pai dele e aos avós paternos por esse privilégio. Pode ser q pra quem disse a frase acima eu não tire a carteirinha de feminista. Então só digo o seguinte:
I dont't give a damn

jacmila disse...

Hum...querendo um boy anarco-feminista pra chamar de meu; inda bem q tenho capacidade de sonhar durante o sono; não é fatalismo, é a real.

Sara disse...

Nossa Engenheira vc se parece tanto com alguem q eu conheço rrsss....... suas duvidas são minhas tb...

Hamanndah disse...

Deus abençoe os homens feministas. Amo-os.

yulia2 disse...

Me responsa outra coisa também. Porque existe somente hospital da MULHER? Porque existe somente Delegacia da MULHER? Porque o Governo gasta mais com saúde FEMININA do que a masculina? Porque todas as politicas sociais são feitas somente para as MULHERES?
_______________

Não será porque a mulher procura muito mais os médicos do que o homem?

se o homem procurasse mais médicos mais vezes, o investimento seria maior...

não nos culpe pela negligencia de vcs.

quanto a delegacia da mulher ela é necessária pois numa delegacia comum ela é mal tratada pelo delegado apesar de toda agressão que ela sofreu.

yulia2 disse...

Homens e mulheres sempre foram, são e sempre serão diferentes, isso é indiscutivel. Não cabe a coisas diferentes terem encaixes iguais, os direitos devem ser iguais, mas as diferenças respeitadas.
____________________

È esse discurso que serve para perpetuar a ''inferioridade'' assolada pela suposta superioridade do outro grupo
quando falam diferentes, querem dizer, somo superiores, sempre seremos, não tente mudar, baixe sua cabeça e se submeta!

yulia2 disse...

Machismo não existe como ideologia, e uma palavra usada por feministas para demonizar todo comportamento masculino, e por no mesmo balaio tanto bandidos escrotos que agridem e matam mulheres, como homens de valores mais tradicionais, o que lhes e um direito individual.
___________________

a violencia de um grupo sobre o outro nasce justamente desses tais conceitos que vc chama de valores tradicionais.
Eles VALIDAM a violência e a sujeição da mulher perante o homem. Validam a discriminação.
vc pode não usar de violencia, mas outros o fazem CALCADOS nesses (valores).

jacmila disse...

Caramba, esse blog é doido e doído: começa com o título bunitinho "namoro uma feminista" e vira uma frase q crava fundo no proletariado:
" dinheiro é o que manda no mundo e os pobres que se f.................."

André disse...

Engenheira,

Acho que nem é tanto pelo afastamento durante a licença maternidade. Mas pessoas com filhos tem tendência a priorizar os rebentos e não a empresa, ou pelo menos as pessoas do RH parecem pensar isso.

Julia disse...

Também achei esse "menina" muito esquisito, jacmila. Essa parte do texto me irritou.

Julia disse...

Mas isso não parece afetar as pessoas que tem filhos se elas forem do sexo maculino, né André?


Míriam, que nojo dessa empresa. Queria saber qual é pra boicotar também.

André disse...

Julia,

Talvez porque a maioria dos homens tendam a priorizar a carreira em detrimento dos filhos.

Anônimo disse...

Andaram postando aqui no blog que o "hospital do homem" corre o risco de fechar por falta de pacientes. Bem,ISSO NÃO É VERDADE!!Em 2010 circulou um e-mail falando sobre o mesmo assunto. Eu fui até o referido hospital (que é, na realidade, o Hospital Brigadeiro)e a mocinha da recepção disse que muitas pessoas estavam procurando o hospital por conta do tal e-mail, mas que era tudo mentira.Disse que o hospital não funcionava de maneira ociosa e que os pacientes não poderiam procurar o hospital espontaneamente, somente com encaminhamento do posto de saúde. Aliás, no link que postaram sobre a notícia, podem ser lidos vários relatos de homens que tentaram, sem sucesso, conseguir uma consulta nesse tal "hospital do homem".

Huan Icaro Piran disse...

Imaginei que o "menina" dele iria irritar algumas pessoas aqui. Pessoas, bem n intimo, em nossos momentos de maior intimidade, quando mostramos nossos medos e receios, somos todos meninos e meninas, crianças brincando de ser adultos. Senti o que ele quis dizer, é sobre a intimidade.

Vi alias fazerem o comparativo de "profissional" para o caso. Devo também protocolar em duas vias em cartório as regras de divisão de atividades domésticas com minha noiva quando estivermos morando juntos também?

-_-

Huan Icaro Piran disse...

"Hum...querendo um boy anarco-feminista pra chamar de meu; inda bem q tenho capacidade de sonhar durante o sono; não é fatalismo, é a real."

Jacmila, sua realidade é mais niilista que meu doom metal...tem de ver isso ai '-'

Huan Icaro Piran disse...

"Talvez porque a maioria dos homens tendam a priorizar a carreira em detrimento dos filhos."

André e Julia, neste caso, seria parte da cultura machista de ver o pai como provedor que nós homens somos acostumados a manter. Acabamos sendo ausentes em pról de uma carreira que não nos dá o que procuramos. Mas como já foi citado, isso é cultural.
Por essas e por outras que há homens aqui apoiando o feminismo, porque ainda tem quem nos repreenda por não concordar com este processo.

Anônimo disse...

Se a carapuça serviu... Agora pergunto: seu relacionamento com o pai do seu filho ruiu antes ou depois do afastamento do mercado de trabalho? Se os sinais da crise já se evidenciavam, você era realmente livre para permanecer com ele ou largá-lo mesmo sem trabalhar?

Anônimo disse...

Apanhar de cuidadoras, ser abusado sexualmente, chamar babá de mãe... Exemplos extremos para validar o acerto da sua escolha, enquanto mãe em tempo integral? E as mães que tem uma carreira, que necessitam desenvolver-se intelectualmente, que contribuem para o orçamento domestico ou ganham mais que os maridos? A escolha delas é menos legitima que a sua? Sao todas mães desnaturadas? Talvez sejam mais previdentes... A infância passa, e muitos casamentos também... Tomara que seu marido continue te sustentando e nunca se ache superior a você por isso...

Sara disse...

Eu sou perfeitamente capaz de entender os sentimentos das mulheres q fazem essa opção de escolher cuidar dos filhos em casa, ja falei varias vezes q a maternidade é a fraqueza do feminismo, mas para as mães q fazem essa opção (para boa parte delas) o arrependimento vai bater fundo, alem do q elas estarão se expondo a um risco tremendo.
Esse arrependimento virá mais forte ainda quando no futuro olharem os filhos de amigas e parentes que persistiram contra todos os obstáculos que nos empurram para casa e pra tarefa milenar de dona de casa, e constatarem que esses filhos estão nas mesmas condições que os seus, a educação que essas crianças receberam em creches, com babas ou mesmo com o apoio de avós, não é superior ou inferior a que vc deu junto com o seu sacrificio...

André disse...

Sara,

Eu não entendo todo esse "ódio" contra as mulheres que optaram por serem donas de casa. Até as mulheres que optaram por participar e defender o Miss Bixete do Caaso parecem merecer mais empatia.

Marina P. disse...

Só estou vendo agora o post, Lola, o Victor é o meu namorado, e que emoçãããão ver nossa história (e a mudança de posição dele frente ao feminismo) estampadas aqui. Hoje ele já sai doutrinando sobre feminismo com os amigos, estará de novo na Marcha das Vadias, já foi comigo pra do Parto Humanizado (minha nova paixão) e é absolutamente solidário e ativo no movimento. Obrigada!

Marcelly disse...

ai quanta Coisa..

gente o Fabio do mingau?
é ele?

ou é outro Fabio?

uhaUHauhaHUA


André



dexa eu te conta..

licença maternidade não eh concebido pelo Direito como um direito da Mãe..mas como um direito da Criança

okay??

então..tenta de novoO..

e antes..estude mais sobre direitos..!!

e as feministas são a favor da licença paternidade ser do mesmo tamanho que a da mãe..por motivos obvios ok??

Marcelly disse...

Fabio..
vc ta mudando parece?
suuutilmente mudando?

continue lendo os textos por aqui..e espero que vc mude mesmoO..

o feminismo chama feminismo
pelo mesmo motivo que o movimento Black power se chamava movimento black Power!
nós lutamos por mais direitos...para todo..e lutamos por equivalencia entre os direitos das mulheres e dos homens..por que as mulheres tem MENOS direitos..(naofalosóde direitos civis..falode direitos culturais tbm)por isso se chama feminismo...serio que eh dificil de entender?mesmo?
tenta mais vai..vc consegue..

Victor disse...

Caramba!

É a primeira vez que um texto meu é lido por tanta gente. Legal ver como ele é elogiado e criticado. São massagens no ego e socos no estômago a todo momento, rs.
É interessante ver também como eu sou classificado como homossexual/inseguro/fraco, e etc. por alguns comentaristas, por namorar uma feminista.

Vale uma ou duas explicações:

- Usei o termo "menina" porque eu mesmo não me sinto um homem, me sinto um menino. Ao menos me sentia quando escrevi o texto. Não tinha a intenção de diminuí-la, mas tratá-la de forma carinhosa. "Menina-mulher" me pareceu cair bem por retratar ao mesmo tempo a juventude dos anos e a maturidade da personalidade.
Admiro, pois não me vejo com estas características, e não por eu estar em um estágio avançado que acho que um dia ela vá chegar.

- Não acho que trabalhadores não sejam gente. Muito pelo contrário. Não consigo concordar, pelo menos por enquanto, em qualquer possibilidade de igualdade que advenha de um sistema político que seja uma ditadura. Sei, no entanto, que posso estar errado e que, tendo em vista o modo como o capitalismo se dá, esta seja a única forma de se obter uma sociedade igualitária (em relação às diferenças socioeconômicas - e talvez todas as outras).

Sara disse...

Andre não entendi de ONDE??? vc tirou q tenho ódio de donas de casa, se eu mesma ja fui uma, só falei da minha experiência, e me arrependi bem amargamente de ter feito essa opção, pq não foi NADA facil voltar a trabalhar, e tb pq me vi inteiramente junto com minhas filhas na mão de um homem muito machista, (q alias manobrou muito para q eu tomasse essa decisão).
Sempre q surge esse assunto nos comentários eu faço questão de falar da minha experiência, com a intenção de fazer quem me lê refletir bem antes de dar um passo como o q eu dei no passado.

André disse...

Marcelly,

O Art. 7º trata de direitos dos trabalhadores, não dos bebês. Além disso, a licença maternidade não é repassada automaticamente para o pai viúvo, requer uma decisão judicial para isso.

André disse...

Sara,

Não é ódio (raiva) é "ódio". Sempre que surgem posts com esse assunto, aparecem comentaristas para culpar a mulher pela escolha de ser dona-de-casa. Gostaria de entender porque uma jovem adulta que escolhe participar de um miss bixete ou se relacionar com uma cara abertamente machista é mais vítima que uma mulher que optou (em geral de boa fé e com fins nobres) se tornar dependente financeiramente de um cara supostamente conhecido que dizia amá-la?

Marcelly disse...

André..eu nao me referia ao "aonde" está a lei mas sim o pensamento que está por trás dela..

claro que esta na lei que regulamenta o trabalho..afinal e o trabalho que é afetado por essa ausencia da mulher..

e não o cabelereiro...


e não é por que a mulher sofre fisicamente com a gestação e o parto...por que fisicamente muitas estão aptas a trabalhar bem rapido..mas o bebe precisa de cuidados..e leite materno..obebe precisa da mãe..eh um direito dele...mas ele tbmtem direito a convivencia com o pai oque oestadoque é Machista nega..por que filho é coisa de mãe..

e minha critica é aoato de que defendemos os nossos direitos..e os dos hoemsn por tabela..e leisassim não são NOSSA culpa...
por isso eh inoportuno vc vir usar isso como argumento.

Marcelly disse...

sobre adecisão judicial..

sim da trabalho mas é causa ganha..

e por que os mascus não fazem campanha pra isso virar ler e ser mais pratico?

não neh?

é mais fácil culpar a mulher...

Sara disse...

Andre,
Muitos caras q como diz vc SUPOSTAMENTE DIZEM AMAR, infelizmente NEM SEMPRE AMAM.
É preciso ter uma confiança cega p se colocar em uma situação como essa.
Enquanto a mulher é independente inclusive financeiramente ela tem um poder muito maior de barganha.
Quando ela se coloca na dependência de um homem, ela perde esse poder.
Falo por experiência propria, por melhor que o cara seja, por mais q ele diga q ama e queira q a mulher fique em casa p cuidar dos filhos, a REALIDADE é q , qdo ele percebe a mulher dependente ele muda a postura com ela.
Acho q um homem que seja capaz de continuar respeitando sua esposa q fique em casa cuidando do lar, e nunca venha a se valer disso para torna-la submissa a ele, sublimou sua condição humana (em outras palavras NÃO EXISTE).

B.R. disse...



Uma coisa é verdade absoluta: Não há nada mais sexy que um homem feminista! Hahaha Pena que eu não conheço nenhum :(

Confesso que meu amor pelo meu namorado dobraria se ele se tornasse feminista.
Mas ele é mais um que caiu no senso comum preconceituoso de que feminismo é "mulher acima do homem; privilegios a mulher", feminismo é coisa de mulher e homossexais, etc... Porem, ele tem uma base muito boa de respeito com as mulheres... não as ve como objetos...

O que faço pra transformar essa criatura, Lola ? haha

Anônimo disse...

Lola, querida, sou homem e gay, mas muito me dedico a defender o feminismo no meu círculo social e entre familiares. Eu queria, no entanto, sua ajuda. O que acha das feministas que tiram a roupa em protestos? Por que eu queria defender, mas não tenho argumentos próprios... rsrsrs.. Sério. Não acho certo ou errado, eu simplesmente não entendo.

Marina disse...

Anônimo, acho que isso pode ser entendido e explicado como uma não - aceitação, não - legitimação das imposições, cobranças e controle do patriarcado sobre os corpos das mulheres. Esse controle se dá pelo não direito ao aborto, pelo julgamento de nossas roupas, de quão atraente é nosso corpo, etc. O tirar a roupa no protesto é algo como "o corpo é meu, só meu. posso tirar a blusa aqui e usá-lo como instrumento de protesto sem que ninguém me impeça", além de dar um foda-se pros possíveis julgamentos sobre "moça direita", "que se dá ao respeito" etc