quinta-feira, 30 de setembro de 2010

GUEST POST: PERIFERIA TAMBÉM MERECE CINEMA

O Thiago Beleza, que já foi um comentarista bastante frequente no meu blog mas agora se contenta (diz ele) em ser apenas leitor, comemorou quando eu passei a segui-lo no Twitter porque, doce ilusão, ele me considera uma celebridade na internet. O que importa é que fiquei sabendo de um projeto louvável do Thiago, e pedi pra ele escrever um post sobre isso, para que vocês fiquem sabendo. Iniciativas assim me enchem de esperança.

O Projeto Cine Viela nasce da omissão do poder público com a periferia. Acreditamos que temos o mesmo direito de acesso à cultura em todas as suas formas sem precisar atravessar a cidade pra isso... E já que o poder público fecha os olhos pra estes lugares, resolvemos colocar a mão na massa.
A viela fica localizada no Recanto Campo Belo, bairro do extremo sul da Zona Sul da cidade de São Paulo, no distrito de Parelheiros. A região representa 24% do município de SP e tem uma população de mais de 100 mil habitantes (dados de 2005). Sua população tem o poder aquisitivo mais baixo da cidade.
Estamos a 60 km do centro, onde estão concentradas todas as opções culturais da cidade. Se levar em conta o trânsito, são três horas de viagem e, no mínimo, dois ônibus. Nós, moradores destes bairros, precisamos fazer este percurso todos os dias pra trabalhar, e nos dias de descanso poucos têm coragem de enfrentá-lo pra diversão.
O bairro não possui nenhuma opção de lazer, nenhuma praça, campo de futebol ou ginásio de esportes, nenhum parque. Nada.
O cinema mais próximo fica em um shopping, a duas horas de viagem. A programação destes cinemas não difere muito de cinemas de cidades do interior. Filmes com menor apelo comercial, fora do circuitão alienante de Hollywood, simplesmente não entram em cartaz e só são exibidos nos cinemas da Avenida Paulista, para uns poucos.
Para tentar mudar essa realidade e trazer um pouco de lazer e cultura para o nosso bairro, elaboramos o projeto do Cine Viela. Conseguimos o apoio de um coletivo cultural que se prontificou a emprestar os equipamentos, e saímos pra rua pra falar da nossa ideia.
A primeira sessão de cinema rolou no dia 17 de setembro. Tínhamos programado um documentário, Ônibus 174, mas quando começamos a montar tudo, só haviam crianças no local, e achamos que, devido à violência (real) do filme, elas poderiam ficar impressionadas demais. Mudamos a projeção então para Besouro, e foi um sucesso. Do fundo da viela, outras crianças assistiam e alguns pais, que vinham pra ver onde estavam seus filhos, sentaram em um lugar e de lá só saíram quando o filme acabou.
Uma garoa fina começou a cair e o vento ficou mais gelado. Um marido veio avisar a sua esposa que o bebê tinha acordado, e se sentou no lugar da mulher, que em poucos minutos voltou com a criança no colo, enrolada em uma manta. Quando a garoa aumentou, apareceu um guarda-chuva. Chegaram mais algumas pessoas e antes da metade do filme mais de vinte lugares estavam ocupados. Mesmo com a garoa e o vento gelado, ninguém arredou o pé.
Toda a correria (rodei mais de 300 km pra buscar e devolver os equipamentos) valeu a pena. A vizinhança recebeu bem a nossa proposta, e o projeto tem tudo pra dar certo. Nossa intenção é fazer do cinema um ponto de partida. Estamos nos articulando com outros coletivos para trazer teatro, dança, música, grafitti. Em breve, esperamos exibir filmes produzidos pelos próprios moradores do bairro.
Agora, começamos a pensar em novas estratégias de divulgação pra trazer ainda mais pessoas e também para conseguir o apoio dos comerciantes do bairro pra tentar zerar o custo do projeto. E que venham as próximas sessões do Cine Viela!

Eu, Lolinha, voltei. Não é espetacular? Para saber mais sobre o projeto, visite o blog do Cine. Espero que o Cine Viela continue, alcance todos os seus objetivos, ofereça ótimas atrações, e influencie a vida das pessoas. Assim, talvez, mais pra frente, aquele marido que foi avisar à mulher que o bebê tinha acordado aprenda que ele, apesar do pênis, também tem condições de cuidar do filho (desculpe, Thiago, meu lado feminista esperneou nesse trecho). Parabéns, Cine Viela! Adoraria ver outros bairros, outras cidades, outros estados, se inspirarem nesta iniciativa.

21 comentários:

aiaiai disse...

Puxa, Thiago, isso sim é que é ser cidadão e fazer Política! Já to indo lá no tuiter te seguir. Parabéns!

Ana Flavia disse...

Parabens, Thiago, a voce e os que contribuiram para a realizacao do projeto. Da periferia de onde vim, a maioria esmagadora da populacao nunca foi ao cinema, sendo as condicoes de acesso exatamente as mesmas descritas por vc. Muitos da "elite" dizem: "ah pobre nao aprecia cultura, nao." mas a verdade, eh que eles, os pobres, nao tem acesso algum a ela, e muitos eventos culturais so existem financiados e mantido com dinheiro publico mas realizados pra banda dos ricos, em lugares estrategicos onde nem passa onibus.

Lola, o meu lado feminista tb esperneou aqui diante a cena do pai "incapaz" de pegar o filho. Aff, sera que um dia isso muda?

Thiago beleza disse...

Oi Lola, Ana, aiaiai..
Eu e a Fernanda estamos aqui, com os olhos cheios de lágrimas... Eu sabia que aqui, essa questão do pai que veio chamar a mãe ia dar polêmica... Fiz questão de narrar, pra demonstrar a dinâmica de uma pessoa que estava passando e resolveu ficar pra assistir o filme... Foi um diferencial e tanto...
Infelizmente, essa divisão de papéis entre os homens e mulheres ainda é muito forte... É cultural, algumas pessoas ainda vêem a luta feminista como coisa de rico intelectual.. Lamentavelmente, não são poucos os casos de maridos que aplicam "corretivos" em suas mulheres, que reconhecem que erraram e mereceram o castigo... Bizarrices sobre as quais eu venho pensando em escrever, um dia...

Mas o papel do CIne Viela é justamente de transformar pela arte. A idéia do audio-visual é pra mostrar aos moradores que tem algo acontecendo sem qualquer recurso e que da pra fazer muito mais se todos se interessarem...

Acreditamos na cultura como instrumento de transformação... Enfim, chegará o momento certo de debater aquestão do racismo, machismo, homofobia e tentar quebrar tdos estes preconceitos...

Esse é só o primeiro passo..

cronicasurbanas disse...

Thiago, parabéns pela iniciativa e pelo seu empenho. Torço pelo sucesso do projeto de vocês, e que outros mais apareçam. Arte, cultura e esporte são fundamentais na formação dos jovens, e a diminuição dos problemas com violência e drogas certamente passa por aí.

Lola, é verdade, tomara que o pai aprenda a tomar conta da criança e não precise sempre avisar pra mãe que ela acordou. Mas, como o Thiago não mencionou a idade, fiquei pensando que ela ainda estava na fase de amamentação - e aí, geralmente o trabalho fica com a mãe mesmo... :)
abraço,
Mônica

Lord Anderson disse...

Um dos melhores aspectos do blog da Lola, é que mesmo quando ela não escreve os posts são de otima qualidade.

Parabens Thiago. Que o projeto avance e que vc consiga despertar novas consciências.

Niemi Hyyrynen disse...

Parabens Thiago! É uma bela iniciativa, são mais pessoas como vc que fazem falta no mundo.

Se a cultura não ir até as pessoas, elas nunca tomarão gosto por ela, projetos focados nos publicos carentes são sempre bem vindos.

:)

PS: Eu tb fiquei indignada com o lance do marido que não teve coragem de segurar o filho no colo.

Niemi

lola aronovich disse...

Parabéns MESMO pela iniciativa, Thiaguinho! E que bom que vc se deu conta que o trecho do pai que chama a mulher pra cuidar do filho ia ser um tanto polêmico. Acho que vc fez muito bem em não tirar essa parte, já que faz parte da realidade (e não só nas classes baixas). Lógico que o seu projeto tem um caráter transformador e, com o tempo, vai desafiar todos os lugares comuns que passaram pra gente como "naturais e imutáveis".
Mas acho muito importante narrar aqui num blog, que é um espaço ainda da classe média (que a gente espera que, com a democratização da banda larga, vire realmente um espaço de todas as classes), uma iniciativa dessas que acontece na periferia. É impressionante como muita gente desconhece a realidade da periferia. Eu trabalhei vários anos com adolescentes de classe média alta, e eles achavam que TODO jovem tem internet, vai ao cinema, come em shopping... Eles acham que a realidade deles é o padrão. Se você falar pra eles que tem muita gente que nunca foi ao cinema na vida, eles acham que vc tá de gozação. E, nessas horas, a gente esquece que cinema pode ser espaço de transformação. De entretenimento tb, lógico, que lazer tb é importante.
Enfim, fico muito orgulhosa desse projeto de vcs. E de poder colaborar um tiquinho na divulgação.

Guilherme Rambo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Guilherme Rambo disse...

Oi Lola, aqui na minha cidade estou trabalhando junto com o Conselho Antidrogas num festival de cinema com filmes sobre prevenção contra o uso de drogas, a mostra será na semana que vem. É um projeto bem interessante e é muito bacana ver os alunos das escolas pesquisando e se interando sobre o assunto. Tem algum material sobre isso no site www.comadsscai.com.br

Também estamos organizando uma festa para os jovens onde não haverá consumo de bebida alcoólica.

Clara Gurgel disse...

Pôxa,"aiaiai".Acabei de ler o post e pensei:"Esse cara é o verdadeiro político!" Eu pensei e...vc escreveu! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Parabéns Thiago!Pessoas como vc são essenciais na sociedade.Belo trabalho.Força para continuar!!

Aaddrriiaannoo disse...

A experiência mais fantástica que se pode ter é ver que existe interesse sim da periferia na cultura omitida e monodividida do cinema alternativo.

Parabéns, Thiago!

primeirocego disse...

Sensacional o projeto, Thiago, parabéns.
Eu já tinha dado antes uma espiada no blog do Cine Viela, que descobri pelo teu twitter. Muito bom saber que a primeira sessão foi bem sucedida.
Boa sorte com as próximas!

cineviela disse...

Oi Lola...

Sabe que esta tomada de consciência da nossa própria identidade é complicada? Por muitos anos, achei que a vida em cidade grande (cresci numa cidade pequena, de interior) fosse que nem o que era mostrado na malhação... LEvou muito tempo pra eu me perceber como parte de uma realidade e começar a agir pra tranformar essa realidade.

Esse é o intuito do nosso trabalho: Através da cultura, resgatar a identidade territorial das pessoas e trablhar a consciência de que nós precisamos transformar este lugar...Despertar a consciência de classe, de gênero, de raça... Há um grupo grande de coletivos culturais agindo as margens do capitalismo realizando esse trabalho em sampa e o Cine Viela chega pra somar...

Obrigado a todos os comentaristas, nós do Cine Viela agradecemos o reconhecimento e as palavras de apoio...

L. Archilla disse...

Thiago, vc já viu que, caso se candidate a algum cargo político, já tem vários votos aqui, né?

Parabéns pelo projeto!!

Marcos Vinicius Gomes disse...

Lola,

Bela história de um Don Quixote! Me lembrei de Zagati que aqui em Taboão da Serra tem um mini cinema - "Mini Cine Tupi" onde passa filmes para a molecada de graça. Detalhe-ele é sucateiro e quase não recebe auxílio. Assim como Tiago um deste 'doidos' que dá gosto de ver. Aqui alguns links sobre o 'sucateiro cinéfilo'





http://www.otaboanense.com.br/acervo/23/catador-de-sucatas-cin%C3%A9filo-luta-por-sonho/

http://portais.ufg.br/projetos/seminariodeculturavisual/index.php?option=com_content&view=article&id=78:cinema-para-todos-o-sonho-do-catador-de-sucatas&catid=51:agenda-do-evento&Itemid=73

washu disse...

Achei tão bonito o seu projeto, thiago.

Tem dias q a gente se sente desanimado, sem fé na humanidade a nossa volta, mas aparecem momentos belos como esse que parecem redimir, sabe?

É como aquela frase de Dostoievski: "A beleza redimirá o mundo"

Talita Medina disse...

Thiago, parabens pelo trabalho de vcs. Como disse a aiaiai "isso sim é ser cidadao".
Olha, vcs estao plantando uma sementinha porque eu tenho certeza que esse projeto ainda vai crescer muito e ainda vai virar um coletivo que reinvidica, por exemplo, uma praça para o bairro.
Moro fora tem 10 anos e foi aqui que descobri o "vivendo o espaço coletivo". Acho que nas grandes e medias cidades brasileiras, da classe média pra cima, estamos cada vez mais vivendo dentro das nossas casas. As pessoas tem medo da rua, da praça, do parque. O problema disso è que falta sociabilizaçao com quem nao faz parte do teu grupo de amigos/familia e falta o senso de comunidade. Quero dizer que esse projeto funciona porque as comunidades carentes vivem A rua. Enfim, divago como profissional e como cidada.

Parabens!!

Ághata disse...

Que projeto legal!!
E apresentaram filmes brasileiros! Excelente!

Werner Piana disse...

Sensacional o "Cine Viela".
Parabéns ao Tiago e sucesso na empreitada.
Disseminar a cultura é pre-condição para a Cidadania.

Sorte!

Dáfni disse...

Esse tipo de ação me emociona muito, porque mostra que ainda há esperança para um mundo que se demonstra cada vez mais individualista e capitalista.

Thiago, muito sucesso nesta empreitada! Vc é um exemplo a ser seguido!

Abraço

cineviela disse...

Ola pessoas.. Mias uma vez, agradeço a todas as mensagens de apoio.. as dificuldades vção aumentando a medida que tentamos avançar com o projeto.. mas, quem ama a quebrada não aceita a derrota...

Segue postagem sobre a segunda sessão...

http://cineviela.wordpress.com/2010/10/04/1-passo-a-frente-2-atras-a-segunda-sessao/