segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

SOBRE A MORTE DA ATIVISTA SABRINA BITTENCOURT

Fiquei sabendo ontem à noite sobre o suposto suicídio da ativista Sabrina Bittencourt, ocorrido no sábado.
Sabrina, 38 anos, foi uma das principais mulheres a denunciar João de Deus e Prem Baba. Na infância, foi abusada dos 4 aos 8 anos por integrantes da igreja mórmon, a qual sua família pertencia, o que mais tarde a levou a ser uma das criadoras da Coame (Combate ao Abuso no Meio Espiritual). Ela dizia sofrer de câncer linfático e se mudava frequentemente de cidade por receber ameaças de morte
Segundo o grupo Vítimas Unidas, ela deixou esta carta de despedida, publicada na sua página no FB no sábado:
"Marielle me uno a ti. Somos semente. Que muitas flores nasçam dessa merda toda que o patriarcado criou há 5 mil anos! Eu fiz o que pude, até onde pude. Meu amor será eterno por todos vocês. Perdão por não aguentar, meus filhos. VOCÊS TERÃO MILHARES DE MÃES NO MUNDO INTEIRO. Minhas irmãs e irmãos na dor e no amor, cuidem deles por mim… Eu sempre disse que era só uma pequena fagulha. Nada mais. Só pó de estrelas como todos. 
USEM A SUA PRÓPRIA VOZ. A SUA PRÓPRIA VONTADE. TOMEM AS RÉDEAS DE SUAS PRÓPRIAS VIDAS E ABRAM A BOCA, NÃO TENHAM VERGONHA! ELES É QUEM PRECISAM TER VERGONHA. Não aguento mais. Todas as provas, evidências, sistemas de apoio, redes organizadas e sobretudo, meu legado e passagem por aqui está entregue ou chegará às mãos corretas. As REDES DE APOIO AOS BRASILEIR@S FORAM CRIAD@S E SE EXPANDIRÃO NA VELOCIDADE DA LUZ! Não se desesperem. Dessa vida só levamos o mais bonito e o aprendido. Paulo Pavesi, eu sinceramente sinto muito pela morte do seu filho. Tenha certeza, que se eu soubesse da sua história na época, implicaria minha vida e segurança como fiz com centenas de pessoas. 
Damares, eu sei que você não teve tratamento psicológico quando deveria e teve sequelas, servindo de marionete neste sistema de merda que te cooptou, acolheu e com o qual você se sente em dívida o resto da sua vida. Não tenho dúvidas que você amou e cuidou da sua 'Lulu' como gostaria de ter sido cuidada e protegida na sua infância, mas ela nao é uma bonequinha bonita que você poderia roubar e sair correndo… Giulio Sa Ferrari, eu te considerei um irmão e você sabia de todas as minhas rotas de fuga… eu vi em você a pureza de um menino que nunca foi notado por uma sociedade neurotípica que não entendia os neuroatípicos, mas reputação é algo que se constrói e não é de um dia ao outro. 
Gabriela Manssur, muito obrigada por me fazer ter esperança de que elas serão ouvidas e atendidas em suas necessidades. João de Deus, Prem Baba, Gê Marques, Ananda Joy, Edir Macedo, Marcos Feliciano, DeRose Pai, DeRose filho, todos os padres, pastores, bispos, budistas, espíritas, hindús, umbandistas, mórmons, batistas, metodistas, judeus, muçulmanos, sufis, taoístas, meus familiares, Marcelo Gayger, Jorge Berenguer, eu desconheço a sua infância e a sua criação pelo mundo, mas sei no meu íntimo que TODO MENINO NASCEU PURO e foi abusado, corrompido, machucado, moldado, castrado, calado, forçado a fazer coisas que não queria, até se converter talvez, cada um à sua maneira, em tiranos manipuladores (em maior ou menor grau) que ao não controlar os próprios impulsos, tentam controlar a quem consideram mais frágil e assim praticam estupros, pedofilia, adicções diversas… 
Eu sei, eu sinto, eu vi. Mas ainda assim, preferi SEMPRE ficar do lado mais frágil nesta breve existência: mulheres, crianças, idosos, jovens, povos originários, afrodescendentes, refugiados, ciganos, imigrantes, migrantes, pessoas com deficiência, gays, pobres, lascados, fudidos, rebeldes e incompreendidos… Essa vida é uma ilusão e um jogo de arquétipos do bem e do mal, de dualidades… desde que o mundo é mundo. Vivo num outro tempo desde que nasci e sempre senti que vivia num mundo praticamente medieval. Volto pro vazio e deixo minha essência em PAZ. Aos meus amigos, amadas e amantes, nos encontraremos um dia! Sintam meu amor incondicional através do tempo e do espaço. SIM e FIM.”
É algo terrível. No entanto, sua morte ainda está cercada de mistérios
Ao contrário do Vítimas Unidas, o filho mais velho de Sabrina, Gabriel, de 16 anos, até agora o único familiar a se pronunciar, disse que sua mãe morreu no Líbano. A embaixada do Brasil em Beirute diz que não foi notificada.
Gilberto Dimenstein, criador do Catraca Livre, afirmou ter recebido uma mensagem de Sabrina no Whatsapp horas antes do suicídio, em que ela dizia estar sendo perseguida por Pavesi. Já Pavesi disse que iria pedir à Polícia Federal a investigação de seu "suposto suicídio". 
A revista Carta Capital publicou hoje uma matéria sobre o que se sabe da morte de Sabrina. Para Dimenstein, isso foi uma insinuação de que a ativista pode estar viva: "Como ainda ninguém viu registro de morte nem o corpo de Sabrina Bittencourt, há rumores entre os jornalistas de que o suicídio não teria acontecido. O falso suicídio seria um jeito de Sabrina livrar-se das pessoas que supostamente estariam interessadas em matá-la". 
Em meados de dezembro, espalhou-se uma notícia falsa de que Sabrina teria se suicidado. "Estou sendo alvo de gente louca, mas sigo na ativa", afirmou a ativista.
Desta vez, várias vítimas de João de Deus entraram em contato com uma reportagem do Globo. Disse uma delas: "Quero acreditar que ela conseguiu uma medida protetiva. Que ganhou outra identidade e que agora conquistou a paz para cuidar de seus filhos". 

10 comentários:

Alan Alriga disse...

Disse uma delas: "Quero acreditar que ela conseguiu uma medida protetiva. Que ganhou outra identidade e que agora conquistou a paz para cuidar de seus filhos"
Realmente desejo que isso seja verdade, uma mulher guerreira como ela não merece tal destino que é o suicídio.
Mesmo sabendo como é o Líbano e como são tratadas as mulheres lá e como é perigoso para as mulheres estrangeiras, não vamos esperar o pior e rezar para que tudo isso seja somente um plano para ela poder sobreviver as inúmeras ameaças de morte, e perseguições que ela sofre.

Anônimo disse...

a) Lola fiquei arrasada eu admirava muito a Sabrina.

b) Que fase ruim Jean foi embora ate a Marcia Tiburi deixou o Brasil

c) Devemos estar unidos e psicologicamente fortes para enfrentar o fascismo

Anônimo disse...

Se ela forjou a própria morte, não seria uma forma de respeitar a vontade não investigando, já que a família não quer falar a respeito o mínimo que podemos fazer é atender sua vontade.

Anônimo disse...

Espero que ela encontre a paz que não teve em vida.

E que outros se inspirem na sua vida de luta para continuar na luta contra todo tipo de discriminação e preconceito contra as minorias

Anônimo disse...

Lola,
Me desculpe, mas ela tinha mtos motivos pra ter chegado no limite. Infelizmente eles nos matam, seja com tiros, seja com desespero!
E ficar alimentando essa dúvida se ela morreu ou não meio perigosa, vai fazer a família dela continuar sendo perseguida e sofrendo ameaças.
Agora é hora de focar nas denúncias q ela fez e q ainda ia fazer, e continuar mostrando a real face desses homens “espirituais”.

Duda Levy disse...

Querida Lola, tbm fiquei muito triste, meu desejo era ir no enterro, alguém vai? Se ela não morreu, qual a possibilidade de ela ter ido para Taubaté? O que você acha? Que nossa heroína, cheia de luz, essa desbravadora que fundou mais de 200 ONGs tenha paz, pois trabalhou muito

Felipe Roberto Martins disse...

Melhor não pensar muito, infelizmente, pois o ambienta atual brasileiro não está nada bom.

Anônimo disse...

Continuo achando absurdo esse questionamento da morte dela:

https://theintercept.com/2019/02/05/imprensa-suicidio-de-sabrina-bittencourt/

Anônimo disse...

Concordo com o Anon de 05/02/19 às 15:49 e do Anon de 06/02/19, se não forem a mesma pessoa. Pra que mexer com isso? Nas palavras da jornalista e amiga Bruna de Lara:

"Nada poderia ser mais irresponsável. Se a morte for real, a falta de respeito da imprensa pela dor dessa família é, para dizer o mínimo, insensível. Se não for, trabalhar para provar que essa mulher forjou sua morte para poder continuar viva é colocar sua cabeça de volta numa guilhotina com a lâmina pronta para despencar.
(...)
Qual é o propósito? Qual é a finalidade de ligar para consulados, embaixadas e importunar o único familiar de Sabrina a ter se pronunciado sobre o caso – um menino de 16 anos – sabendo que arriscar a vida de Sabrina (se ela ainda tiver uma) é o único resultado possível da busca por seu corpo?

Esse jornalismo que lava as mãos de suas consequências, cegado pela busca utópica de uma (inexistente) objetividade inabalável, não me interessa. É irresponsável e umbiguista. Seus defensores podem dizer: “É nosso trabalho ir atrás dos fatos, sejam eles quais forem, e reportá-los ao público”. Eu rebato: mesmo quando o único impacto possível de seu trabalho for facilitar o assassinato de uma mulher?"

Unknown disse...

Ah Lola, eu acho que, infelizmente, ela está morta. O que incomoda o público é a carta lúcida que ela deixou. É triste e verdadeira. Devemos continuar na luta, até porque só interessa aos seus algozes que ela não vire a próxima 'Marielle', como símbolo de esperança e luta aguerida.

Marcia.