quinta-feira, 10 de agosto de 2017

HOMEM HEROICO AMA SUA ESPOSA CURVILÍNEA

Semana passada, um post no instagram viralizou nos EUA e virou notícia.
Clique para ler o post
de Tripp (em inglês)
Era algo simples: um rapaz que nunca ouvi falar mas que tem certa fama (ele deu uma palestra no Ted Talk), Robbie Tripp, escreveu que ama sua esposa Sarah (que tem um blog sobre moda e aceitação do corpo, em inglês).
Tripp começou dizendo que "ama esta mulher e seu corpo curvilíneo". Em seguida falou que, quando era adolescente, frequentemente era zoado pelos seus amigos por gostar de garotas mais cheinhas, que "alguns chamariam de fofas e até gordas". E falou de como ele, ao aprender sobre feminismo, viu que o padrão de beleza era muito estreito. Falou também do seu gosto pessoal e de que não há nada mais sexy, pra ele, que o padrão da sua esposa: "Seu tipo e tamanho não estarão na capa de revista mas serão destaque no meu coração". 
E pediu aos homens que repensassem o que foram ensinados sobre desejo: "Uma mulher de verdade não é uma estrela pornô ou uma modelo de biquíni ou uma personagem de cinema. Ela é real. Ela tem lindas estrias nos quadris". Pediu também às garotas que não se iludissem pensando que devem fazer parte de um certo padrão para serem amadas e desejadas.
A mensagem foi considerada fabulosa por milhares de pessoas. E é uma mensagem bonita sim. A mesma que a gente vive repetindo sempre. Só que tem alguns problemas.
Estamos chegando perto do Dia dos Pais, e somos bombardeados com reportagens sobre pais incríveis. O problema é que, se você comparar com o que é dito sobre mães, verá que alguns pais (pais solteiros, por exemplo) são celebrados, enquanto mães solteiras enfrentam um monte de preconceitos.
É parecido com o sucesso do post do Tripp -- se uma mulher celebra seu próprio corpo, não só ela vai ouvir que é feia ou que precisa emagrecer, como também não conseguirá grande repercussão. Mas, numa sociedade que valoriza a opinião de homens muito mais que a de mulheres, se um homem validar que sua esposa "curvilínea" é sexy, isso sim merece atenção.
Forte candidato ao pior tipo de
homem feminista: o cara que
acha que gostar de mulher com
curvas é revolucionário
Como diz este artigo, chamado "Queridos caras bonzinhos, namorar uma mulher curvilínea não faz de vocês heróis", Tripp quer ser tratado com um pioneiro, um desbravador, o primeiro cara no mundo a gostar de "mulheres fofas". "Seu ponto de partida é a presunção de que não deveríamos considerar mulheres curvilíneas atraentes". 
Sem falar que Sarah sequer é gorda, né?
Toda vez que coloco alguma foto minha com o maridão, os haters aparecem para ironicamente parabenizá-lo: valeu, guerreiro! Dezenas de alusões sobre como ele é forte e corajoso por "encarar um dragão". 
Lógico que as mensagens não são pra ele, são pra mim. E lógico que a intenção não é congratulá-lo, é me ofender. Por trás está o ódio que eles têm em ver que gordas (e mulheres fora do padrão de forma geral) também são desejadas e amadas. Mas eu não ponho fotos nossas no meu blog pra passar mensagem. Coloco apenas por que meu blog é (também) um blog pessoal, e o maridão é parte integral da minha vida.
Assim como é ridículo atacar uma mulher por ela ser gorda, também é patético zoar um cara por amar uma mulher gorda. Mas não deixa de ser absurdo alçá-lo a herói por ele amar uma gorda.
Houve, portanto, inúmeros elogios ao post de Tripp. Mas também várias críticas. Pedi pra querida Denise traduzir uma das mais virulentas, publicada no Medium. Ellie Guzman escreveu uma paródia do texto de Tripp.

Cara gosta de mulher com curvas: 16,557 likes, notícia nacional.
Mulher com curvas gosta de si mesma: 12 likes, 48 pessoas falando sobre diabete
Richard e Mildred Loving [nota de tradução: trata-se de um famoso casal que quebrou o tabu do casamento interracial nos EUA; o filme Loving conta sua história] ficaram pra trás. Temos um novo par de amantes proibidos para celebrar!
Um cara causou rebuliço no Instagram ao postar a imagem da sua esposa curvilínea mas num bom sentido (não diga gorda! ninguém diga gorda!) com a mais amorosa legenda. Na verdade, ele escreve sobre suas curvas o tempo todo: sua descrição diz "marido de uma deusa curvilínea" e todos os posts em que ela está são mencionadas apenas as suas curvas. Meu, ele tem um alto nível de foco para objetificar sua rainha pesada! Desmaiei!
Leia o post abaixo.
Eu amo essa mulher e seu corpo curvilíneo, fofo, volumoso e grosso. Não vou dizer gorda. Gorda é uma palavra ruim. Gordura é para pessoas feias. Gordura é para pessoas do interior dos EUA.
Sabe, eu sempre gostei das minhas mulheres grandes e no comando. Quando adolescente, muitas vezes meus amigos implicaram comigo por causa da minha atração pelas meninas do lado mais espesso. Eu era oprimido, como se eu fosse Martin Luther King Jr ou alguma criança amputada. Eu poderia comparar a minha luta com a de uma mulher negra, exceto que a minha era pior.
Eu gostava de meninas que eram mais baixas e mais curvilíneas, meninas que o mano médio (básico) poderia se referir como "gordinha" ou mesmo "gorda". Argh, lá está essa palavra novamente! Gorda! Isso me enoja! É o pior insulto na Terra! 
Olha, eu estou muito confortável com o corpo curvilíneo da minha esposa, mas simplesmente não diga gorda. Isso me faz querer vomitar. Além disso, observe o meu uso da palavra "mano". Eu sou muito irônico. Ao usar a palavra "mano" entre aspas, eu provei que não sou um mano. Eu sou um omega [nota de tradução: homem omega é aquele seguro de si e que não precisa da aprovação de seus pares, não sendo popular e egocêntrico como o homem alfa].
Querida esposa, meus amigos acham
vc gorda mas eu ainda gosto de vc.
Eu sei, sou tão feminista!
Por Que Minha Mulher com Curvas
Recentemente Pediu Divórcio
Para reiterar, eu sou muito diferente das pessoas normais por gostar do corpo curvilíneo dela. Alguns até podem me chamar de herói. Eu sei que eu chamaria.
À medida que eu me tornei um homem e comecei a me educar sobre questões como o feminismo (por favor, contenha seus aplausos) e sobre como a mídia marginaliza as mulheres, retratando um padrão de beleza muito estreito e muito específico (magra, alta e esbelta), eu percebi quantos homens compraram essa mentira. Você notou como eu não mencionei nada sobre a sub-representação racial nisso? Um homem não pode estar tão antenado.
Para mim, não há nada mais sexy do que esta mulher aqui: coxas grossas, traseiro grande, pneuzinho fofo, etc. Notem que eu disse que ela tem uma bunda gigantesca, mas quanto a sua parte do meio, ela só tem um pneuzinho fofo. Eu preciso de uma bunda tamanho 44 com uma cintura tamanho 38. Eu não quero namorar com algum tipo de baleia monstro morbidamente obesa. Ela precisa se parecer com uma figura oito ou eu estarei catando meus cacos e me mudando de volta pra casa dos meus pais.
A forma e tamanho dela não serão os apresentados na capa da Cosmopolitan/Npva (por favor, ignore isso), mas são o destaque na minha vida e no meu coração. Obrigado. Vou pegar meu biscoito e troféu. Eu não quero sua admiração. Eu só quero sua atenção.
Não há nada mais sexy para mim do que uma mulher que é tanto curvilínea quanto confiante; essa linda garota com quem eu me casei enche cada centímetro de seus jeans e ainda assim é a mais linda da sala. Sim, eu disse ainda assim para dar ênfase. Eu entendo que sua circunferência é um traço indesejável, mas eu vou lutar pelo meu direito de me dar um tapinha das costas por ousar amá-la todos os dias. Viva!
Caras, repensem o que a sociedade disse sobre quem vocês deveriam desejar. Namorem uma gata curvilínea. Use este mnemônico: propose to the adipose (proponha para a adiposa). Agora você nunca esquecerá.
Uma mulher real não é uma estrela pornô ou um manequim de biquíni ou uma personagem de filme. Ela é real. As outras são invenções da sua imaginação. Não há como aquela garota de biquíni na praia trabalhar de segunda à sexta como bióloga molecular. Simplesmente não é possível. Quando as meninas se candidatam à faculdade, seus IMCs são anotados e depois elas são enviados para dentro de um túnel em diferentes caminhos de vida. É como o filme Poderoso Chefinho.
Minha esposa tem belas estrias em seus quadris e pequenas covinhas fofas em sua bunda. Este é o meu segundo uso da palavra "pequena" nesse post, comemorando minha grande grande GRANDE GIGANTESCA ESPOSA QUE EU AINDA AMO. Meninas, ouçam-me. Estou falando com você; pelo menos escutem o que tenho a dizer. Nunca se engane pensando que você precisa se ajustar a um determinado molde para ser amada e apreciada. Há um cara lá fora que vai celebrá-la exatamente pelo que você é, alguém que vai te amar como eu amo minha, ahh, minha pequena gorducha. Esqueci o nome dela nessa momento. 
De qualquer forma, um homem vai te amar. E o nome dele é eu. Me mande mensagens. Deixe-me te alimentar com pãezinhos enquanto você me masturba.
E senhoras, uma última coisa. De nada.
Que ensaio encantador de um homem tão heroico. Na escala dos meus próprios heróis pessoais, estão os socorristas do 11 de setembro, Malala, pessoas que usam legging como calças, e esse cara. Se eu alguma vez encontrar um homem como esse, eu realmente fingiria ouvi-lo quando ele fala sobre suas esperanças e sonhos. Ahhh. Eu vou lá me sentar na minha máquina de secar roupas por um momento.

28 comentários:

Mandy disse...

Pensei q era um cara legal,mas lendo o texto, tá óbvio q é mais um bosta. Aprendeu muito com o feminismo. .. gordura é pra gente feia, n quer namorar baleias/monstro... Tem q ter o tamanho certo de cintura e quadril...
Toma no cu!!

Mandy disse...

Pra ver como isso é doentio, essa mulher nem é gorda! Se n pesar 20 kg já é considerada obesa.
Mil vezes a Malala, esse aí é mais um bosta metido a fodao.

mariana. disse...

Ai, Lola, achei tão desnecessária essa hiperproblematização em cima de um post de instagram (rede social comumente usada com foco nas FOTOS, usualmente com textos bem curtos, quando não inexistentes)...
O cara fez um textinho curto falando sobre como ele nunca foi grande fã de mulheres tão magras, como ele ama cada centímetro do corpo da mulher curvelínea dele (curvy sim, ela não é gorda, e em nenhum momento o texto dele descreve ela como tal), e fala, de homem pra homem, como esse padrão estético é uma furada.
Se o texto dele tá sendo mais aclamado do que os textos de mulheres plus size celebrando seus corpos, isso não é culpa dele, é um problema de quem recebe esses textos e escolhe qual celebrar, certo? O que o cara deveria ter feito? Nunca ter escrito nada e se mantido silente, corroborando com o senso comum de que "homem só gosta de mulher magra" e que toda mulher fora desse padrão deve se sentir desconfortável?
Ou a gente (feministas latu sensu) quer homens abraçando a luta feminista e nos acompanhando em nossas pautas (como você já se posicionou), ou a gente assume que "homem bom é homem morto" e aí realmente taca pedra em toda e qualquer ação masculina... O que não dá é querer apoio dos homens ao feminismo e atacar dessa forma (como no texto do medium) qualquer um que tenta se colocar ao nosso lado mas não fez textão abordando todas as opressões possíveis e não foi militante o suficiente.
Achei esse texto do medium horrível, sinceramente. Forçadíssimo. O cara jamais se colocou como herói ou vanguarda de alguma coisa, só quis aproveitar a visibilidade que tem pra se posicionar sobre algo que OPA! é do interesse de mulheres heterossexuais e brancas e curvys (que não representam a totalidade das mulheres, mas são mulheres também, né?).
Esse tipo de posicionamento lacração só serve pra criar um repúdio nas pessoas sobre o feminismo. Se nada do que homens fazem sobre o assunto é suficiente (pelo contrário, é sempre a maior das porcarias possíveis, digno de esculacho forte), por que é que eles vão querer se aliar com a gente?
Esse feminismo já deu demais pra mim.
Não tô dizendo que o texto do cara seja NOSSA NOTA MIL, mas nem de longe esse repúdio tem alguma proporcionalidade com os escorregões que o texto deu.
Enfim, desabafo, beijo, adoro você.

Jaded disse...

Lolinha, nessa conversa toda sobre gordofobia e body acceptance e esse moço querendo aplausos, queria te perguntar se vc conhece o Your Fat Friend, que é uma autora no Medium que fala sobre fat acceptance e body shaming quando se é uma mulher gorda. A conheço há pouco, mas já sigo, ela fala muito sobre feminismo também e, inclusive, tem um texto dela sobre a dificuldade de se ter um relacionamento quando se é gorda, acho que seria uma leitura interessante de comparação com a desse senhor. Bjos, flor <3

Anônimo disse...

Se você soubesse o que eu estou preparando para o seu marido, Dolores.
O negócio é chutar onde dói.
Vai fazer o que? Vai procurar a polícia?
Bem, boa sorte, nem a PF, nem a ABIN, nem o GOVERNO AMERICANO conseguiu.
GOEC meteu a real: "Você não é preso pelo seus crimes, e sim pelos seus erros".

Anônimo disse...

Lola, e a musica nova do Chico? Vc gostou? Viu as criticas e as critixas das criticas?

Anônimo disse...

Minha cara de preocupada com o que homem gosta ou deixa de gostar ¬.¬

Pra mim aceitação feminina e se libertar dos padrões socialmente nos impostos e se libertar da bobagem que é tentar ser aceita por homem ou por um homem, libertador e não se relacionar com eles e nem sentir atração ou despertar atração nenhuma no conceito tosco e machista deles.
Ruptura total, ate porque relacionamento e sexo com homem e umas belas de umas porcarias de forma geral.

Anônimo disse...

Relação hétero tem tanta graça e emoção quanto uma reunião de obreiras no sábado a noite.

Anônimo disse...

Parei de ler no "maravilhosas estrias".... kkkkkkkk sério? Vcs querem que alguém no mundo acredite nisso? Me poupe manas... mas beleza é fundamental!

Anônimo disse...

Mulheres, acordem! Os homens não amam vocês, eles não gostam das mulheres como pessoas, como indivíduos. Para os homens as mulheres significam status, poder e posse. Para um homem, ter uma mulher (ou mais de uma) é como ter um carro (ou vários) ou "belos troféus" para exibir para o mundo, prêmios que os homens almejam ter para se engrandecerem, se sentirem e demonstrarem para os outros que eles são "superiores", "poderosos", os "dominadores", os "senhores do mundo", "os donos do universo". Para os homens as mulheres são acessórios que todos os homens devem ter para eles exibirem como são "Homens" com "H" maiúsculo e elevarem seu status, sua posição perante outros homens. Para os homens as mulheres são posses - assim como eram os escravos - trabalhadoras baratas, servas domésticas, sexuais e reprodutoras para auxiliá-los e atender todas as necessidades físicas, emocionais e psicológicas deles e gerarem seus "herdeiros", aqueles que vão dar "continuidade" à existência deles, para eles sentirem que estão deixando uma marca deles próprios na eternidade.

Anônimo disse...

Hahahaha, when being a SJW backfires!

Anônimo disse...

Parabéns mariana, único comentário sensato até agora.

Anônimo disse...

^ Disse um idiota anônimo qualquer...

Anônimo disse...

Não existem homens feministas...

Anônimo disse...

Querida Lola, tudo bem? Pois então, não sabia dessa polêmica, para variar. Realmente me pareceu que o cara tinha uma postura de querer se exibir como "um homem que até ama e deseja uma mulher gorda". Lamento que isso se popularize tanto. A mensagem de aceitação por parte das mulheres do próprio corpo é bom. Abraços e cuide-se!

Anônimo disse...

Esse pensamento acima é a realidade. Por isso qdo alguém tenta sair dessa ideia que predomina na massa imerece ser saudado sim. Simplesmente porque saiu do que é senso comum e isso merece precisa de coragem.

Anônimo disse...

Desculpa Mariana mas não o feminismo não precisa de homens e mulheres devem sim se afastarem deles, a realidade mostra que todo relacionamento com eles e tóxico.

Anônimo disse...

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/se-rafael-braga-se-chamasse-sirotsky-seria-hoje-um-homem-livre-por-kiko-nogueira-2/


fale sobre Sérgio Orlandini Sirotsky.
é demais né! Muita impunidade. Psicopata.

Anônimo disse...

Concordo inteiramente Mariana.

Anônimo disse...

Mandy o texto não é dele, é uma paródia do texto que ele escreveu

Sara Marinho disse...

A Mariana foi a única sensata mesmo...Eu sou feminista faz uns sete anos, desde que sou adulta, e to vendo o feminismo médio da internet virar um negócio que espanta geral. O cara que ama a mulher curvilínea dele é um carinha, não é ninguém previamente famoso ou alguém que posa de super militante, é um cara normal que se relaciona com uma mulher fora do padrão de beleza mais idealizado e falou sobre isso. Não é nada de mais, não é para ser nada de mais.
Quem reage assim a um texto de um cara é o tipo de feminista que acha pelo em ovo em cada palavra de qualquer homem. É depressivo que homens tenham mais destaque por dizer coisas que mulheres dizem todos os dias? Sim, é terrível, mas não é culpa do cara que falou, é culpa da estrutura da sociedade, escrachar pessoas específicas (que nem falaram nada errado) não muda isso. Temos de nos preocupar de no cotidiano dar mais destaque para coisas que mulheres falam, agora ficar escrachando o Zé ninguém que viralizou por algo pontual só piora as coisas.

Lygia disse...

Concordo plenamente com o comentário da Mariana.

Entendo todas as críticas, mas em nenhum momento achei que o cara está querendo ser herói de nada...
E realmente acho triste que um texto de uma mulher falando sobre auto aceitação seja criticado e pouco divulgado, enquanto que um homem falando a mesma coisa causa todo um furor... Mas isso é culpa da sociedade, não do cara que postou...

Sei lá, a Lola sempre se posicionou a favor dos homens apoiarem o movimento feminista, e achei esse texto-resposta aí bem desnecessário...

Anônimo disse...

Enquanto o homem gordo?

Esse sim eh mais oprimido do q as gordas.

Esse eh solitario.

lola aronovich disse...

Gente, entendo as críticas, e nem acho essa notícia muito importante. Mas considero este um caso bastante didático. Creio que, pouco tempo atrás (uns 2 ou 3 anos), o post do Tripp receberia apenas elogios, e ele seria saudado como herói. Hoje, a história é diferente. O negócio não é condená-lo pelo que disse -- acho mesmo que ele só quis demonstrar o amor pela esposa dele e, no caminho, se dar uns tapinhas nas costas --, é chamar a atenção que gostar de uma mulher gorda não faz de ninguém um herói revolucionário ou feminista.

Anônimo disse...

O problema é o feminismo light, n podemos fazer e falar nada q ofenda os pobres omis. Tem q problematizar sim! O cara foi respeitado pela opinião dele, agora vai uma mulher falar q gordas podem ser bonitas e atraentes...
É xingada de baleia, lixo, mal comida, começam o mimimi saúde e a choradeira " Querem me obrigar a gostar de gordas nojentas! Snif! snif!:(, socorro mamãe!!"
Nossa opinião sequer é respeitada, q dirá o resto.

Anônimo disse...

As críticas são muito bem-vindas. Mas acho que um homem falando a outros homens sobre amar sem medo e se orgulhar de sua namorada gorda, gordinha, curvilínea, fora do padrão da mídia e do patriarcado, pode gerar um efeito positivo e contribuir para que os homens tenham orgulho em vez de vergonha. Afinal se pode desejar que todos os homens (e mulheres também) não liguem pra opinião dos outros nem confundam com a sua própria, nem esperar algum tipo de coragem de todo mundo. Nesse caminho, o texto pode ser uma grande inspiração. (Sou homem, talvez essa informação seja pertinente)

Anônimo disse...

Sou gorda e achei ofensivo. Não preciso que me "aceitem" com essa forçação de barra. Só quero que mc deixem em paz.

Anônimo disse...

O problema é que satirizar o texto dele é uma maneira grosseira de julgar a relação desse casal. Uma coisa é o cara falar da relação dele, da esposa, dos sentimentos dele. Outra coisa é terceiros julgarem essa relação e debocharem publicamente dela. Eu me coloco no lugar da esposa. Poderia me sentir incomodada com o texto dele, se fosse meu esposo, mas me sentiria pior com a sátira. Foi humilhante e a expôs. Desnecessário.