domingo, 16 de julho de 2017

UM SEMESTRE FANTÁSTICO

Turma de Literatura em Língua Inglesa III

Semestre quase no fim!
Turma de Literatura IV
Nem posso reclamar muito, que o semestre na faculdade foi excelente. Tudo deu certo. Peguei talvez a turma mais perfeita desde que comecei a lecionar na UFC, em março de 2010. Não quero dizer qual é pra não deixar outras turmas com ciúmes. Todas as turmas são ótimas, pra falar a verdade. Os alunos e alunas têm aquele brilho nos olhos de quem quer aprender. 
Mas acho que nunca recebi tantos elogios. Um aluno escreveu que eu sou "um presente de Deus para o nosso currículo", por exemplo. 
Turma de Inglês V
Outro: "Vc nos motivou de uma forma que eu me sentia mal quando tinha que chegar atrasado ou faltar". E vários ressaltaram a autonomia que dou a eles nas aulas como uma das qualidades. Tento oferecer opções, deixar que eles escolham, porque sabem escolher.
Às vezes preciso citar alguns elogios. Sou tão xingada diariamente por gente que sequer me conhece que é bom destacar o que pessoas que convivem comigo pensam de mim. Ou pelo menos das minhas aulas.
E a turma do curso de extensão, mais uma vez, também foi sensacional. Tivemos apresentações incríveis das alunas. Algumas querem promover uns seminários levando pra fora o que discutimos nas aulas. 
Agora tenho que recadastrar o curso no georreferenciamento, e uma das coisas que eles pedem é uma foto. E eu não tinha tirado foto este semestre! Corri pra checar os emails e vi que uma aluna querida havia enviado imagens de uma ação que fizemos em novembro.
Curso de extensão Discutindo gênero
através de literatura e cinema no
Bosque da UFC em novembro
Nosso próximo curso de extensão já está marcado pra começar bem no início de setembro. É aberto a toda comunidade, é grátis, na UFC, CH1, Benfica. Pra se inscrever, é só me enviar um email: lolaescreva@gmail.com
Esta semana eu vi o memorial que uma professora apresentou para se tornar titular na UFC. Se não estou enganada, ela é a quarta docente do Centro de Humanidades da UFC a conseguir esse título, o ápice de um professor na universidade pública. E o memorial era lindo, cheio de fotos de toda a sua vida, principalmente sua vida acadêmica, claro. Nessa hora eu lembrei como é importante registrar imagens. Preciso fazer mais isso.
Agora que estou quase de férias, eu e o maridão vamos passar uma semaninha em praias do Ceará. É pouca coisa, porque estamos economizando pra nossa viagem internacional, pra Colômbia e Cuba, em dezembro, e também porque em breve o maridão vai pra Cuiabá jogar um torneio de xadrez. Eu queria ir também, queria conhecer Mato Grosso, mas não dá, tenho um monte de coisas pra fazer, e a passagem é cara (quase mil reais, ida e volta). 
Participação especial na foto: Calvin
Pessoas queridas, ainda tenho quatro exemplares do livro Gênero, Cultura e Mídia para vender. Tem um artigo meu no livro (sobre gênero e cinema), pode ver no índice (falta a segunda página do índice).
Custa R$ 40 e você recebe o livro em casa. 
Antes de depositar o valor na minha conta -- Banco do Brasil, agência 3653-6, conta 32853-7, ou Santander, agência 3508, conta 010772760 --, me mande um email (lolaescreva@gmail.com), pra saber se os exemplares ainda estão disponíveis.
Agora preciso escrever uma opinião sobre o livro que acabei de ler, o clássico Os Homens Explicam Tudo para Mim, de Rebecca Solnit. A editora Cultrix vai lançar o livro em português e pediu o parecer de algumas feministas brasileiras. Por isso, mandou o boneco do livro pra mim. Olha, é imperdível. 
E me animou bastante pra escrever meu próprio livro, atrasado uns quatro anos... 

27 comentários:

Anônimo disse...

Lola,

até acho legal q vc quer compartilhar a felicidade de ter tido um bom semestre com xs leitrxs.

Mas esse tipo de post nao tem aquele "cheiro" de programa da Sonia Abrao.

O povo quer saber de furdunço, de treta mesmo.

Anônimo disse...

Lola,
Precisamos espalhar o bem, os elogios, SIM, SEMPRE.
Agora diz aqui, quem é esse louro lindo atrás de você?
Se tiver um exemplar guarde um pra mim.
Beijo,
Iza

Anônimo disse...

Mascu troll (redundante?) da 14h39, para nós leitoras desse blog é muito bom, sim, saber que Lola está bem, apesar da torcida contrária de vcs. Lola, parabéns! Queria muito ser sua aluna, mas moro muito longe de vc. Boas férias! =)

Anônimo disse...



a) Lola sou sua admiradora e adoro os seus textos.

b) Gostaria de sugerir um texto sobre a briga virtual entre Alexandre Frota e a verdadeira Bibi perigosa queria ver a sua opinião

lola aronovich disse...

Obrigada, minha admiradora das 15:13. Mas quem é Bibi perigosa? Alexandre Frota eu tenho uma vaga ideia...



Iza querida, que louro lindo atrás de mim? Em que foto?

Anônimo disse...

O gatinho

lola aronovich disse...

Ah, é o Calvin! Meu gatinho do coração. Ele veio com a gente de Joinville. Estamos com ele desde que ele era só um par de orelhas. E este ano ele faz 17 anos! Tá aqui, dormindo em cima do meu teclado agora.

Anônimo disse...

Lola já que vc se aula de literatura inglesa,vc falou de Shakespeare,Dickens, Melville,Twain, ou eles são homens heteros,brancos, cristãos, opressores e merecem ser desprezados

lola aronovich disse...

Temos quatro disciplinas de Literatura em Língua Inglesa no curso de Letras Inglês (e Inglês - Português tb) da UFC, e elas são divididas por gêneros literários: Lit 1 fala de prosa (contos e romances), Lit 2 de teatro, Lit 3 de poesia e ensaios, e Lit 4 de literatura em conexão com outras mídias (adaptação fílmica, por exemplo). Eu faço questão de incluir nomes importantes de mulheres e de autorxs em líng ing não apenas britânicos e americanos, mas de outros países também. Em Lit 1, no último semestre que dei a disciplina (ano passado), creio que vimos obras (a maior parte short stories) de 30 e poucos autores, e exatamente a metade era mulher, e a outra metade, homem. E temas dos mais diversos, então tá muito bacana. Em Lit 2, da primeira vez que peguei a disciplina, praticamente só trabalhei com homens brancos (porque em drama tem que ver Shakespeare, Tennessee Williams, Arthur Miller, Beckett, Oscar Wilde, O'Neill, Albee etc). Mas já na segunda vez consegui incluir autoras incríveis como Susan Glaspell, Lorraine Hansberry, Paula Vogel, Suzan Lori-Parks e Sarah Ruhl. Ainda tem o problema da maioria ser dos EUA. Tem pouca diversidade nisso. Em Lit III, que lida principalmente com poesia, divido a disciplina em 10 períodos, da Idade Média à contemporaneidade. Há pouquíssimas mulheres ou negros (ou autores que não sejam britânicos ou americanos) em vários desses períodos (e a gente fala sobre o porquê disso; lê e discute o ensaio da Woolf sobre a "irmã do Shakespeare"). Mas chega no Harlem Renaissance e no pós-modernismo e é uma festa, um festival de autorxs de ex-colônias e de temas. Lit IV (adaptação fílmica) ainda é um problema, pois cinema é uma arte dominada por homens. Então a gente vê, por exemplo, A Cor Púrpura, da Alice Walker, mas o filme é do Spielberg, um homem branco (e é um ótimo filme, eu amo). Ainda é minha disciplina menos representativa. Espero que eu consiga incluir mais diretoras nos próximos anos (nas últimas duas edições incluí We Need to Talk about Kevin, raro caso em que livro e filme são feitos por mulheres -- e ambos são excelentes). Mas sabe, outro dia lemos um artigo da bell hooks que dizia justamente isso: que ela nunca viu professoras feministas desprezarem autores (homens brancos). Não tem nada a ver. Amamos literatura, então amamos Shake, Dickens, Melville, Twain, e tantos outros. Mas tentamos ao máximo valorizar e dar voz a autoras. Não sei se o mundo é muito binário pra vc, mas valorizar um gênero não significa desprezar outro. É isso que tento fazer. Pra mim, como feminista, seria uma vergonha oferecer um curso só de homens brancos como autores e protagonistas. Aliás, acho que não precisa ser feminista pra essa exclusão ser vergonhosa hoje em dia.

Aninha disse...

Olá, Lola
Nossa, essas autoras que vc citou em literatura 2 eu nunca tinha ouvido falar! Um dia que vc tiver de bom humor e quiser fazer um post diferente, conte mais como é a dinâmica das suas aulas e a experiência como professora. Tenho certeza que vc tem bastante a dizer sobre isso!

Anônimo disse...

Lola, pretendo um dia seguir para a docência e achei muito interessante essa parte sobre dar autonomia e opções para os estudantes. Se for possível, a senhora poderia falar um pouco mais sobre isso? Ou dar algum exemplo? (se não for pedir muito).
Obrigado!

lola aronovich disse...

Pois é, Aninha, eu teria que escrever um post. As autoras que citei não são de maneira alguma tão conhecidas como os autores, mas isso é resultado de uma estratégia de silenciamento. Todas as citadas são maravilhosas. Lorraine Hansberry, por exemplo, autora da maravilhosa peça A RAISIN IN THE SUN, é mulher negra. Eu já tinha visto uma adaptação pra TV da peça. É incrível. Sempre faz muito sucesso entre os alunxs. As mais recentes que citei foram ganhadoras do Pulitzer.

lola aronovich disse...

Anon, é simplesmente deixar os alunos escolherem. Por exemplo, Inglês V é o último semestre no curso noturno que os alunos têm a disciplina de inglês. São disciplinas maiores, de 96 horas, não as 64 horas habituais. Como nessa etapa os alunos já têm uma boa base de inglês, eu tento ensinar falando de temas mais interessantes que gramática. Quero dizer, a gente tem gramática, mas no contexto. Costumo dividir essa disciplina em três partes sobre identidade e representatividade. Na primeira falamos sobre racismo e movimento negro, na segunda sobre machismo e movimentos feministas, e na terceira sobre homofobia e movimento LGBT, em linhas muito gerais. Vemos filmes e documentários e lemos contos e ensaios. Temos debates e discussões. Uma das formas de avaliação é que cada aluno tem que fazer duas apresentações orais de cerca de 15 minutos cada. Pra uma delas eu dou uma série de temas (por exemplo, Black Lives Matter, Revolução Sexual, Stonewall, padrões de beleza no romance que pedi pra ler, I KNOW WHY THE CAGED BIRD SINGS, da Maya Angelou). Cada aluno escolhe um tema e o apresenta numa data programada. Os outros alunos têm que assistir e prestar atenção porque as apresentações dos alunos também caem nos 3 testes (ou pop quizzes, são testes bem curtinhos, de cerca de 20 minutos; considero as duas melhores notas, e isso vale 30% da nota final). Para a outra apresentação, o tema é livre. Eles podem falar sobre o que quiserem, mas precisa ser em inglês, óbvio, e precisa entregar um handout pra todos os alunos. Eles costumam adorar isso de poderem falar sobre o que quiserem. Fica uma diversidade de temas inacreditável. No final do semestre temos um debate organizado, em duplas, e eles escolhem os temas com antecedência e eles que se dão notas (vale 10% na média final). Essa turma de Inglês V foi tão maravilhosa que TODOS os debates que tivemos foram excelentes. Ninguém faltou, todo mundo se preparou muito bem, procurando bons argumentos, e provamos que dá pra debater temas polêmicos em alto nível.
Isso está tão longo que dá um post...

Anônimo disse...

Muito obrigado pela atenção, Lola. Obrigado mesmo! =D Se rolasse um post a respeito seria muito legal!

Anônimo disse...

Lola, você é maravilhosa, mas imagino que saibas disso. Não me canso de repetir, mesmo que quase todos meus comentários aqui eu fale isso. De qualquer forma, definitivamente deves publicar isso, fico muito feliz em saber que as pessoas que convivem contigo te adoram. Queria um dia fazer esse curso de extensão, mas moro muito longe do Ceará :( Um dos motivos pelo qual te adoro é que você não menospreza quase ninguém- exceto os mascus criminosos, que realmente se vitimizam- e isso é admirável. Gostaria de ter mais professores democráticos como você. Desejo maravilhosas férias aí no Ceará <3 e muito muito amor. Sinta-se abraçada!

Anônimo disse...

Bem branquinho esses seus alunos hein.... parece que o seu curso tem mais brancos do que no povo do seu estado. Que tal adotar uma cota por ai?

lola aronovich disse...

Troll das 11 h, é engraçado vc dizer isso, porque no chan misógino e neonazista de onde vc provavelmente vem, o pessoal tá dizendo que não existe um só branco legítimo nas minhas turmas. Sim, eles estão analisando as fotos. Têm muito tempo de sobra. Uma informação pra vc: no Ceará, 64% da população é negra ou parda. E a maior parte dos meus alunos se identifica como negra, com muito orgulho. E a UFC já adota a política de cotas raciais e sociais (ou seja, hoje mais de 52% dos estudantes da UFC vem de escolas públicas). Mais alguma coisa?

Anônimo disse...

"Valorizar um gênero não significa desprezar outro"

Apesar de você conseguir deixar claro que pensa assim, parece que não consegue alcançar algumas mulheres - bem poucas, acho - que acreditam que TODOS os homens são machos opressores e que devem ser vistos e tratados como inimigos, o que é um absurdo e que, me parece, um atitude preconceituosa claramente contrário ao feminismo, pois só reforça o preconceito de que feministas são militantes radicais obtusas que praticam um machismo reverso. Sugiro um post seu tratando disso, Lola, se achar que vale a pena.
Ch..F

Ferreira Lima disse...

Fico muito feliz por ter a oportunidade de ter uma professora tão maravilhosa, inteligente e fantástica, amo literatura e ter o privilégio de ter aulas ministradas por você é algo que vou levar pelo resto de minha vida, minha esposa assistiu uma aula sua nesse semestre e também te adorou, see you in literatura four

lola aronovich disse...

Obrigada pelo carinho, Ferreira! Foi um prazer ser sua professora de novo. Sua esposa é muito bem-vinda, quando ela quiser. Nos vemos em Lit IV!

Anônimo disse...

E tem gente reclamando do governo "golpista", mas graças à boa Administração dele o Brasil tá saindo da crise, a UFC teve um ótimo semestre e "mais de 52% dos estudantes da UFC vem de escolas públicas".
No tempo da Dilma as federais estavam sucateadas e havia greve dos professores todo ano.

lola aronovich disse...

Pois é, troll das 12:09, o governo Temer tá fazendo uma "boa administração"! Ele é adorado pelo povo, né? Quanto tá a aprovação do governo agora, 3%? Imagino que vc nunca pisou numa universidade federal. Vc acha que isso da maioria dos estudantes virem de escolas públicas se deu em um ano? Ou é resultado de uma política de mais de uma década? Vc acha que a gente não tá fazendo / vai fazer greve? Vc acha que nossas verbas não foram sucateadas? Vai catar coquinho, troll!
E sua interpretação de texto deixa muito a desejar. Onde tá escrito que a UFC teve um ótimo semestre? Eu disse que EU tive um ótimo semestre... apesar do governo golpista, não por causa dele, ô infeliz!

Anônimo disse...

Oi Lola, offtopic, mas o assunto é importante.
Recentemente no fb um cara fez um post racista, xingando portugueses e negros. Disseram que era fake e tal.
Um escritor famoso no fb chamado Anderson França publicou o post e pediu para denunciar. O fato é que o suposto fake começou a divulgar informações sigilosas e ameaçar seguidores (uma delas foi ameaçada de estupro).
A surpresa não foi grande quando descobriram que o autor do post racista era real e membro do.... Dogolachan.

Anônimo disse...

Offtopic. O assunto é importante.
No Facebook um escritor carioca e da periferia chamado Anderson França denunciou um perfil com postagens racistas. Disseram que o dono do perfil foi hackeado e alguns supostos amigos negros apareceram para defender o titular da conta perante o Anderson.
Entretanto o suposto fake espalhou informações pessoais e também ameaçou seguidores. Uma moça foi ameaçada de estupro.
Não foi grande surpresa quando o Anderson atualizou o post dizendo que o perfil era verdadeiro e o racista era mascu saído do esgoto chamado Dogolachan.

Anônimo disse...

O governo Temer controlou a inflação e também a crise econômica, que caso o governo anterior ainda estivesse no poder nosso rombo financeiro seria muito maior.
E só ver o estado em que se encontra a Venezuela, mas que mesmo assim é defendida por esquerdistas

Anônimo disse...

Lola, ser popular não é sinônimo de qualidade - principalmente no Brasil do funk e sertanejo universitário, e a principal qualidade do Temer é a coragem de tomar medidas impopulares mas necessárias

Anônimo disse...

Não seja cínico 14:09. A crise econômica contou com muita influência da crise política que foi instaurada neste país graças às nossas brechas no sistema político.
E ao contrário do que você pensa os índices financeiros e econômicos estão sendo obtidos com amplo sacrifício do pobre. O Brasil voltar a figurar no mapa da fome é um dos indicativos.
No mais é interessante saber que vocês não estão se importando mesmo com a corrupção, o aparelhamento do Estado e a democracia sendo conduzida como uma marionete por pessoas claramente corruptas. É interessante notar que os serviços públicos sendo sucateados e o presidente, como quem não quer nada, magicamente libera milhões em emendas parlamentares para comprar deputados.
Sério, dá pra ver que você tem ódio do PT e dos esquerdista e teme que aqui vire a Venezuela (agora é o país da moda pra vcs né) mas defender o governo Temer é muita, muita estupidez. Ou cinismo.