segunda-feira, 20 de março de 2017

GORDOFÓBICOS NÃO APROVAM LINHA DE ROUPAS PARA GORDAS SE EXERCITAREM

Faz pouco tempo a Nike lançou sua primeira coleção plus size. Fez o óbvio: lembrou que pessoas gordas também fazem exercícios físicos (nem todas, claro, assim como nem todas as pessoas magras se exercitam). 
De modo geral, a linha foi bem recebida. Várias pessoas gordas relataram como é difícil encontrar roupas de ginástica pra elas. Mas também teve um monte de gente que reclamou que, com essa nova coleção, a marca estaria incentivando um modelo de vida que não é saudável. Alguns até falaram em boicotar a Nike.
Não é ridículo? Fazer ginástica é considerado um hábito saudável. Praticamente todos os estudos mostram que quem leva um estilo de vida menos sedentário vive mais e com mais saúde. Portanto, todo mundo deveria ficar feliz que uma marca finalmente faça roupas para que pessoas fora do padrão possam se exercitar e ficar mais saudáveis, certo? Errado. Porque essa gente que odeia pessoas gordas não está nem aí pra saúde delas. A preocupação com a saúde é apenas uma desculpa para impor um padrão de beleza.
Em primeiro lugar, vamos deixar claro que gente que odeia pessoas gordas odeia muito mais mulheres gordas que homens gordos. Afinal, no nosso mundo homens podem se destacar pelo que fazem, não pela sua aparência. Mas, pras mulheres, a aparência física está acima de tudo, e todas nós, independente do que fazemos, das nossas conquistas, da nossa idade, seremos avaliadas de acordo com um padrão de beleza racista, gordofóbico e excludente. 
Homem gordo pode ser bonachão, simpático. Eu já li várias vezes no Twitter elogios aos gordos -- eles riem das próprias piadas! Você pode praticar bullying contra eles (pode? deve?) que eles levam numa boa! Eles são divertidos! Mas mulher gorda não tem esses privilégios não. Mulher gorda é apenas... gorda. E ela será frequentemente lembrada que é gorda (e, portanto, inadequada, errada, alguém moralmente inferior que nunca vai conseguir um homem -- como se toda mulher, de qualquer formato, quisesse um homem).
A Nike sabe que a gordofobia é muito mais pesada com as gordas, tanto que lançou a coleção pensando nas atletas mulheres plus size. Numa declaração, disse: "Nós celebramos a diversidade das atletas, da etnia ao formato do corpo". E escolheu mulheres "cheinhas" pra lançar a linha. 
Isso não é exatamente novo. Uma campanha da Sport England de 2014 chamada "This girl can" (esta garota pode)
foi feita para motivar mulheres de todos os tipos físicos a fazerem exercíos sem se preocupar em serem julgadas. Para tanto, usou, além de imagens de várias mulheres praticando vários esportes e atividades, expressões como "I jiggle, therefore I am" (eu sacolejo, logo existo), e "Sweating like a pig, feeling like a fox" (suando como um porco, me sentindo uma maravilha). 
Por que será que precisa de campanha para fazer gordas se exercitarem sem se envergonharem? Bom, se você é gorda e já frequentou uma academia, você sabe muito bem que será alvo de piadinhas. Se você é gorda e sair pra correr na rua, muito cara vai se sentir na obrigação de te dizer alguma gracinha (eles já dizem de qualquer jeito). O mundo gostaria que você fosse magra, mas de jeito nenhum que ele vai te ajudar a chegar lá. Se os caras realmente quisessem que gordas se exercitassem para emagrecerem, eles as parabenizariam, não ririam de suas caras.
Por exemplo, assim começava um texto de 2014 na Folha de São Paulo: "Não basta ser gordinha, ainda tem que ficar parecendo um queijo provolone amarrado se desmanchando". Foi isso que escreveu a colunista Mariliz Pereira Jorge se "solidarizando" com as gordas que fazem qualquer tipo de exercício físico. É uma ótima representação de body shaming. Ou seja, gordas já são erradas, mas gordas se mexendo são mais erradas ainda. Elas suam! Elas fedem, eca! (e só gordas suam e fedem).
Veja a foto ao lado. É de uma gorda sozinha numa academia, sentada numa esteira. Faz uns anos, a imagem viralizou nos EUA. Apareceu até na Oprah. O pessoal ria da gorda, que não sabia como se exercitar. Como ela ia querer emagrecer desse jeito? "Você está fazendo errado", disseram pra moça (a história real da foto, contada pela própria gorda, mostra como as imagens podem sim mentir. Ela já tinha se exercitado. Estava no final da noite, era a última na academia e, antes de pegar o ônibus pra ir embora, sentou pra descansar. Aí passou um cara, achou o cenário hilário, tirou a foto sem ela saber, e, pouco depois, o país inteiro estava sacananeando a pobre moça. Teriam tirado a foto se a moça fosse magra?).
A gordofobia faz com que as pessoas partam do princípio que gordas não fazem exercícios físicos (porque toda gorda é preguiçosa e porque, se fizessem exercícios, não seriam gordas), o que obviamente não é verdade. Tampouco é verdade que toda gorda que faz exercícios o faz para emagrecer. Talvez ela só queira ser saudável. E é possível ser gorda e saudável. Tem até pesquisa provando que idosos com excesso de peso vivem mais que idosos magros. 
As reações à nova coleção da Nike vão no mesmo sentido: a marca está promovendo obesidade! A marca está dizendo que tudo bem ser gorda! Nossa, que horror! Onde é que esse mundo vai parar?!
E nós mulheres gordas observamos esses carinhas malhando a marca por incentivar gordas a se exercitarem e pensamos: opa, nós já sabíamos! Nós já sabíamos que vocês estão se lixando pra nossa saúde. Vocês só se preocupam com a nossa aparência. E o "se preocupam" pode ser traduzido por "nós avaliamos o que é ou não bonito". 
Ah, é? E quem morreu e te nomeou deus? 
Existem pessoas de todos os tipos e formatos. E todas podem ser saudáveis. Não é porque os gordofóbicos aprenderam a detestar mulheres gordas que elas vão desaparecer. Lidem com isso. 
E, no próximo insulto, sejam sinceros. Admitam que vocês não nos xingam para nos forçar a emagrecer. Vocês querem mais é que a gente morra.
E talvez, apenas talvez, o sentimento seja recíproco. 

50 comentários:

Anônimo disse...

Achei seu texto um pouco vitimista

Anônimo disse...

Minha apreciação é de que se pessoas gordas não fossem desistimuladas ao virar piada, haveria muito mais gordos.

Portanto, é questão de saúde pública fazer brincadeiras com gordos.

Anônimo disse...

É possível ser gorda e saudável.

É possível mas não é provável, de acordo com as estatísticas de saúde pública disponíveis. É possível também sobreviver a queda de um avião, mas vc ia querer correr o risco?

Anônimo disse...

kkkkk! Se as gordas não comessesm tanto não seriam gordas. Simples assim. Mas falta força de vontade né? E a história contada pela gorda da academia não cola não. Pq ela estaria sentada em uma cadeira EM CIMA da esteira? Ora, as cadeiras não ficam sobre as esteiras. Se ela quisesse somente se sentar, sentaria onde estava a cadeira, e não teria levado a cadeira pra cima da esteira. Deal with it

Anônimo disse...

Ou seja, dizer simplesmente que uma coisa "é possível" para defendê-la, beira a irresponsabilidade.

Mandy disse...

Esses lixos não enganam ninguém, estão pouco se lixando pra saúde de qualquer um.

Anônimo disse...

Tb pensei isso, mas como meu qi é maior que 20, entendi que ela queria sentar mais alto para ter uma melhor visão da parte de fora

Anônimo disse...

Continuando. Até pq minha conclusão é bem mais lógica do que achar que ela estava com preguiça de malhar e resolveu SENTAR NUMA ESTEIRA em vez de ir pra casa ou nem ter ido à academia

Anônimo disse...

Tem toda uma sistemática na questão da obesidade.De uns tempos para cá com o empoderamento plus size a coisa toda cresceu muito.Muitos empresários dizem que os custos com roupas de tamanho especial tem um custo muito alto para quem está no ramo.E definitivamente,obesidade não é saúde,estou 12kg acima do peso e meus joelhos estão estourados e colesterol alto.As pessoas que não tem problemas clínicos ou de ordem emocional,deveriam tentar sim,perder peso.

lola aronovich disse...

Ha ha! Pois é, anon das 14:08, olha só a explicação super lógica do mascu. A gorda que contou a história de que sentou na cadeira DEPOIS de se exercitar, antes de ir pra casa, só pode estar mentindo! ÓBVIO que ela foi pra academia só pra pegar uma cadeira e ficar horas sentada em cima de uma esteira. Como ela é gorda, e gorda é tudo burra, além de preguiçosa, é óbvio também que ela pensou que ficar sentada em cima de uma cadeira em cima de uma esteira equivale a fazer exercício.
Mascu, a sua versão faz muito mais sentido mesmo!

Anônimo disse...

Gostei da iniciativa da Nike. Tomara que venham outras e de outras marcas, e que incentivem os profissionais (inclusive os de academia e de saúde) a tratarem pessoas gordas com respeito.

Mandy disse...

Parem de passar vergonha mascus kkkkk

To gorda e estou saudável, ser magro não é sinônimo de saúde. Pessoas magras também ficam doentes e morrem. Não devem ter percebido isso ainda, mesmo com toda a inteligência de vocês...

Anônimo disse...

(TALITA)

"! Se as gordas não comessesm tanto não seriam gordas. Simples assim. Mas falta força de vontade né?"

Anon, seu comentário é de uma ignorância ímpar e, como médica, me sinto na obrigação de esclarecer o que é óbvio até para pessoas que não atuam na área da saúde:

o metabolismo varia de pessoa para pessoa, de acordo com a sua idade, seu sexo, sua alimentação, sono, hormônios, estilo de vida, etc. São inúmeros os fatores que levam alguém a ter sobrepeso, além de "comer tanto". Há, inlusive, pessoas que nem comem tanto assim, mas são gordas, e, por outro lado, pessoas magras que consomem uma quantidade de calorias absurdas. Além disso, nem tudo se resume a quantidade, quando falamos de alimentação. A qualidade do que ingerimos conta tanto ou mais. Você pode consumir poucas calorias ao longo do dia, mas ao mesmo tempo ter uma dieta rica em gordura trans, sódio e carboidratos pobres em geral. isso vai resultar em uma taxa de gordura corporal alta, embora talvez você nem seja considerado gordo.

O que define a saúde vai muito além do seu tamanho.

Outra questão pertinente é o fato da educação alimentar no brasil ser praticamente nula. Os pobres, em geral, comem muito mal. Muitos embutidos, enaltados, alimentos pré-prontos, tanto que a obesidade vem crescendo nessa classe social.
Comer bem, muitas vezes, é caro, ainda mais quando não se sabe escolher os alimentos, ou não se tem tempo disponível para preparar o que vai comer. Isso é um luxo no brasil!

Por fim, estar dentro dos padrões nem sempre significa saúde. Não estou aqui para incentivar a obesidade, mas de forma alguma saúde tem que estar alinhada com barriga sarada e bumbum na nunca!

Anônimo disse...

Estava com sobrepeso e beirando a obesidade. Colesterol e glucemia fora de controle (pré diabético). Saúde e qualidade de vida estavam um lixo.

Comecei a fazer low carb dia 4 de janeiro. Já perdi 9 kg. Voltei pro IMC normal, glucemia e colesterol desabaram. Disposição e e até desempenho sexual mudaram da água pro vinho. Roupas voltaram a servir e vestir bem.

Não foi fácil, mas agora sei que estava gordo por sem vergonhice minha mesmo. Infelizmente.

Anônimo disse...

Acho que esse assédio com gordos piora muito a situação. Falo por experiência. Eu sempre fui gordinha, mas pelo jeito que me tratavam, achava que fosse obesa mórbida. Então na escola recebia várias ofensas de babacas. Na época eu era ativa, mas comia muito, então meu peso não baixava. Aí fazia uma dieta de fome, emagrecia. O problema de dietas de fome é que elas não são sustentáveis. No momento que voltava a comer, engordava de novo. E vivi nesse io-io. Até que as dietas de fome passaram a ser mais sofridas e eu parei de fazer, mas ainda estava ativa. O problema é que as ofensas começaram a ficar mais frequentes e mais cruéis. Eu passei a evitar sair de casa. E acho que esse foi o grande problema. Pode ser que eu tivesse vivido a vida toda como obesa se eu tivesse me mantido ativa, mas como me enfurnei em casa, engordei. Engordei muito. Estimo que cheguei aos 130kg. O máximo que vi na balança foi 127,8, mas depois disso comecei a ter problemas pra fazer minha higiene e dificuldade de fala (sério, gente, até a língua engorda). Quando cheguei nesse ponto, resolvi emagrecer e consegui perder uns 10kg (estimativa), cheguei aos 120kg, engordava de novo, mas não deixava passar dos 125kg. Alguma coisa mudou e eu decidi que queria sair dos 100kg. E eu comecei a fazer dieta e me exercitar. Não ia a academia, só andava no parque. O assédio que eu sofria de gente buzinando, de gente me dando conselho, de gente me importunando... Meu corpo passou a ser público, todo mundo tinha um comentário, inclusive desconhecidos. Consegui ignorar e continuei.
Agora estou com 70kg, ainda acima do peso, mas bem longe do que eu era. Ainda quero emagrecer um tantinho mais, só pra chegar no IMC normal. Tendo essa experiência quero dizer: -Não é possível ser saudável sendo gordo (gordo mesmo, não gorducho); -taxas normais não são indicativos de saúde- eu pesava 130kg e minhas taxas eram normais; se você é gordo, é porque come mais do que precisa, problemas hormonais existem e dificultam a perda e facilitam o ganho de peso. Ainda assim, só se é gordo comendo mais do que se precisa (tenho ovário policístico); -se exercitar é bom em qualquer situação e eu adoraria ter opções de roupas pra me exercitar quando estava gorda, tinha que me virar com umas 3 blusas, 2 calças e 1 top, ou seja, tinha dias que eu ia com roupa suja caminhar; -ofender gordo na rua piora substancialmente o problema, não é estimulo algum. Muito ex-gordo costuma falar que usou uma ofensa como motivação pra emagrecer, eles são a exceção, eu sou a regra; -Ignorem os babacas, cuide-se e deixe os idiotas seguirem seu destino, como um professor falava "deixa esse solto que a natureza marca" e; -se quiser emagrecer, é possível, mas você tem que ser cruelmente honesto consigo mesmo. Se enganar é a melhor forma de não conseguir alcançar objetivos (tipo eu me enganando que juro que estou estudando pra concurso).

Anônimo disse...

Acho que a ideia da Nike foi muito boa, além de vender mais consegue passar uma imagem de que esta ajudando as gordas a malhar, e de certa forma realmente está, embora sabemos que a Nike só está interessada apenas com o lucro.

Sobre a foto da mulher na esteira, é difícil imaginar um motivo pra pessoa colocar uma cadeira em cima da esteira, então sabe-se lá o que a mulher tava fazendo. Mas uma coisa é inegável: a foto ficou engraçada sim! E é por isso que fez tanto sucesso.

Anônimo disse...

Para a pessoa que comentou:
"Minha apreciação é de que se pessoas gordas não fossem desistimuladas ao virar piada, haveria muito mais gordos.

Portanto, é questão de saúde pública fazer brincadeiras com gordos."

Provavelmente você nunca foi gord@. Se você fosse gord@, saberia que o preconceito, o isolamento, as piadinhas só servem para acabar com autoestima da pessoa. As meninas crescem ouvindo que são feias, preguiçosas e outros tantos xingamentos. Elas aprendem a ter vergonha do seu corpo, a ter vergonha de ir na praia, a ter vergonha de se exercitar. É quase como se o mundo dissesse: " Você não tem vida até que esteja MAGRA". E ai eu te pergunto: no que isso ajuda na saúde das pessoas gordas? Quanto menor a autoestima menor a vontade de se cuidar. Na minha opinião os discursos plus size não servem como incentivo à obesidade; pelo contrário! Dizer a uma gorda que ela pode ser linda significa empoderá-la; significa dizer que ela pode sim viver sem vergonha de seu corpo e que ela deve se amar! E quando alguém se ama e curte sua vida vai procurar viver mais e melhor.

Se essas pessoas que criticam parassem para dar uma olhada rápida nos blogs de apoio às plus size, veriam que há incentivo para que as pessoas façam exercícios e cuidem da alimentação para ter saúde e não o peso X ou Y.

Como alguém que passou por isso na pele, eu posso dizer que se não fosse o incentivo desses blogs talvez hoje eu estivesse me deprimindo, totalmente largada em questão de saúde. Fica aqui então meu agradecimento ao blog da Lola e outros que empoderam as gordinhas! Hoje eu vou a praia sem medo, não tenho medo de tirar a roupa na frente de um cara, me cuido, procuro comer frutas, verduras, produtos integrais, caminho 4x na semana, mas sem a obsessão de perder peso. E sabe porque eu faço isso? Porque agora, apesar de toda gordofobia,eu estou viva de verdade!!! E é por isso que quero viver muito mais e me cuido para isso.

Então só posso dizer para as pessoas que criticam as iniciativas de blogs, roupas e discursos plus size:
1°) tenham um pouco mais de empatia com as pessoas
2°) Ao menos procurem conhecer o que vocês criticam
3°) Se não mudarem de opinião, guardem suas ideias de m... para si mesmos. Vocês até podem ter a tua opinião, mas já ouvi demais opiniões alheias na minha vida; e sim eu tenho o direito de não querer ouvi-las.

Mandy disse...

15:51

A que ponto chega a lavagem cerebral, taxas normais n indicam saúde? Então, o que vai indicar? Basta ser magro que é saudável?
Adoram por a culpa no "comer demais" mas é muito mais complexo do que isso. Ainda n vi uma explicação decente pra ter gente magra que se entope de comida e n engorda uma grama e nem exercício fazem.
E vc tinha problemas pra se mexer por sedentarismo, eu tb tinha, nem conseguia abaixar direito, comecei a fazer exercício e melhorou muito, mas ainda to gorda, 90 kg.
Gente magra q come mal e n se exercita vai se fuder como qualquer um, vai ter problema de saúde, até quem é super saudável vai morrer.
Cada um devia se meter na própria vida ao invés de encher o saco, monitorando o q os outros comem, n to falando de vc anon, mas dessas pessoas escrotas.
Pq além da falsidade de estarem morrendo de preocupação conosco, a maioria n tem moral pra falar nada, pq ter gente super saudável, que nunca pisou no Mcdonalds e é atleta, é bem difícil.

Anônimo disse...

A capacidade do ser humano de ser mesquinho, pedante e miserável não tem fim!!!

Primeiro que qualquer pessoa que não use manequim 34 hoje em dia é morbidamente obesa aos olhos da sociedade. Marilyn Monroe foi provavelmente um das mulheres mais lindas que já viveram e não tenho dúvidas que nos dias atuais ela seria impiedosamente perseguida, xingada e humilhada pelo seu corpo.

E segundo - alguém aqui já usou um sapato apertado demais? Uma calça muito justa? Será que ninguém sabe o quanto é desconfortável e mesmo doloroso usar roupas que não se assentam no corpo? Não é sobre se parecer "um queijo provolone amarrado se desmanchando" (oh... colunista otária) é sobre se sentir bem em algo indispensável como a roupa!! E comprar roupa está cada vez mais difícil (e caro) mesmo pra quem é magro (magro não-famélico, que pra quem são feitas a maioria das roupas). A iniciativa da Nike foi louvável não só por incentivar a prática de esporte, mas por lembrar que a grande maioria das pessoas não usa 34.

Por fim, reitero o que a Talita disse - antes de falar merda, vá conhecer um pouco como o metabolismo humano funciona. Um livro de fisiologia, farmacologia e/ou bioquímica dá uma boa ideia de como o ganho e perda de peso é complexa e envolve mais do que "fecha a boca".

Jane Doe

Anônimo disse...

Ninguém faz fotossíntese, se vc está acima do peso e pq consome mais calorias do que gasta, simples

Anônimo disse...

(Viviane)
Corro risco de me repetir, pois já devo ter contado isso em outro post. Mesmo assim, lá vai: eu já fui gorda e, a partir de 2014, decidi começar atividade física e fazer dieta. Também por saúde (glicose e colesterol altos, lesão no joelho agravada pelo sobrepeso), mas por estética principalmente. Bem, em três anos perdi 24kg e tenho outra qualidade de vida. Por acaso eu fico criticando gordos ou dizendo que "não têm força de vontade como eu" ou "só é gordo quem quer"? Claro que não! Pois só quem já foi gorda (parabéns, Lola, por enfatizar o gênero) sabe como é cruel o sarcasmo das pessoas e as humilhações quase diárias, desde almoçar em restaurantes até escolher uma roupa para comprar. O que eu ganharia "me vingando" de quem não tem culpa do que me fizeram?
Por isso, anon de 15h33, pense dez vezes antes de dizer que alguém não emagrece por "sem-vergonhice". O que você, eu ou qualquer um sabe da vida alheia? Mais: o que você ganha com isso? Dizer "eu consegui e você não" não te faz melhor do que ninguém, lamento informar.
Sobre as roupas de ginástica, oras, até para emagrecer as pessoas precisam começar de alguma forma, não? Como vão começar se não tiverem roupa que sirva?

Anônimo disse...

Continuo pensando que muita gente só se esforça (e muito) para se manter magra por causa do estigma social da obesidade.

Penso que normalizar a coisa vai aumentar demais o problema de saúde pública.

titia disse...

Cada comentário de mascu aqui é uma prova mais que cabal que a última coisa na cabeça deles em relação a uma pessoa gorda é a preocupação com a saúde. Só querem humilhar e ofender mesmo. Dá nojo.

E não, nem todo mundo é gordo porque "come demais". Eu sempre fui magra, desde menina, e engordei MUITO quando desenvolvi hipertireoidismo. Tudo saiu do lugar, todas as glândulas ficaram bagunçadas e não importava a dieta ou exercício, enquanto eu não regulasse meu sistema interno (porque quando a tireoide se descontrola TODOS os hormônios endoidam, tudo no organismo sai do lugar) não havia a menor possibilidade de emagrecer. Agora veja-se a ironia: toda minha família tem colesterol alto, eu inclusive, tanto do lado materno quanto do lado paterno. Sempre tive LDL limítrofe, mesmo sendo magra e com consumo regulado de gordura, nunca gostei de comida gordurosa. Quando a tireoide desregulou, meu metabolismo acelerou e minhas taxas ficaram perfeitas, maravilhosas. Regulei a tireoide e emagreci, e a porra do LDL SUBIU DE NOVO! Sou magra mas não há dieta e exercício que baixem meu colesterol, tenho que tomar remédio pra mantê-lo baixo. Eu era mais saudável quando estava gorda do que quando estava magra. Então, mascus, PAREM com essa merda de quem é gordo está morrendo, ou engordou porque é folgado e come demais. Simplesmente parem!

Anônimo disse...

Legal essa galera toda preocupada com a saúde dos gordim mas fica aí o questionamento, não pode vender roupa de ginástica plus size não? Qual a lógica? Gordo tem que malhar em casa, com camiseta de partido político e vendo vídeo da Solange Frazão? De gente burra a gente não deve aceitar absolutamente nada, nem coice, nem ofensa.

Anônimo disse...

Ķkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
eu me divirto muito aqui

Eu mesma disse...

Pra mim fica cada vez mais claro que essa gente é psicopata. O objetivo deles é humilhar os outros e só.
Xingam gordos para ajudá-los a emagrecer e quando um gordo tenta isso é humilhado de novo. A pessoa tem que continuar gorda, senão, em quem vão descontar suas frustrações?
Só um doente vai enxergar apologia a obesidade nisso. Bando de lixo!
É a pura verdade que nosso corpo é dos outros, para eles avaliarem quando quiserem, quando era magra e gostava de caminhar, ouvia nojeiras dos caras na rua, depois que engordei escuto piadas e nem precisa fazer exercício para isso.

Vocês estão preocupados mesmo com a saúde alheia, tanto que me ajudaram a não ter um pingo de autoestima...

donadio disse...

Pois é, todo gordo tem que tomar vergonha na cara e começar a fazer exercício para emagracer. Mas tem de fazer exercício pelado, pelo visto, por que fazer roupa esportiva que sirva no gordo, ah, isso não pode não, é gordocracia, imagino.

Anônimo disse...

Excelente texto querida Lola. Como sempre ;) Sinta-se abraçada :)

Anônimo disse...

o mundo esta se modernizando,outras marcas vao criar roupas plus size com ctz

lolinha nao pense nem por um segundo que eu nao apoio o feminismo mas vc poderia fazer um post daquela mulher que perdoou o estuprador e escreveu um livro com ele dizendo que ele tbm era vitima?????

eu queria ver sua opinião

Non Exzyklon disse...

Único texto que concordo 100%

Só uma frase não faz sentido: "E quem morreu e te nomeou Deus?"

kkkkk quer dizer que quando alguém morre ganha o direito de nomear alguém Deus?

XD

Anônimo disse...

Tosquice.

Anônimo disse...

Essa tal titia, como grande parte de feministas, é tão paranoica com machismo, que não compreende que o post faz menção a pessoas gordofóbicas, logo, na cabeça dessa pessoa, somente masculinistas são gordofóbicos. Mulher é até mais gordofóbica que homem! Houve um caso recente de uma mulher nos EUA que postou a foto de uma mulher obesa e fez comentários depreciativos para com a pessoa dela em rede social. Não seja leviana, senhora!

Anônimo disse...

Alguém aí em cima falou algo muito pertinente sobre o preço que se paga por uma alimentação de qualidade, e é verdade!

comer bem é caro e demanda tempo que a maioria das pessoas não tem para preparar a própria comida. A grande massa trabalhadora opta por restaurantes a quilo escolhidos pelo preço. Comer errado é tão contributivo para a obesidade quanto comer muito!

Alicia

Anônimo disse...

mulheres magras e homens gays são os mais gordofóbicos, essa é a verdade.
Não adianta vir querendo culpar o homem branco heterosexual por todos os males do mundo.
Se a pessoa é feliz assim, que bom.

Anônimo disse...

Essa de que gordo é gordo por conta de problemas hormonais e afins (como a "médica" acima disse) é uma FALÁCIA, a maioria TEM PROBLEMAS HORMONAIS E OUTROS justante POR CONTA de serem obesos. Se não fosse, PRINCIPALMENTE, EXCESSOS NA ALIMENTAÇÃO (comendo comida lixo, bebendo refrigerante e outras porcarias) como se explica então, o número de obesos nos EUA X o número de obesos em países pobres? Então os norte americanos tem problemas hormonais, mas os africanos não?
Há sim, casos e casos. Mas justificar os excessos da GULA e destruição do próprio corpo e saúde como sendo causados por PROBLEMAS HEREDITÁRIOS (GENÉTICOS) é uma inverdade.
Acho que o importante é ser feliz, mas vejo que homens e mulheres morrem sobretudo por serem ESCRAVOS de suas vontades, no caso, de comer e beber de maneira indevida.
Sou contra as ditaduras da moda e estética, mas cuidar da saúde é importante (pessoas magras demais não são saudáveis, fato).

Anônimo disse...

Eu sou a anônima dos 130kg. Em nenhum momento falei que era gordo quem comia muito. É gordo quem come mais do que precisa. Essas medidas são relativas, já que cada organismo é único. Não dá pra comparar a sua alimentação com a do coleguinha. Pode ser que ele precise de 4mil cal pra manter o peso e você de 1500, é um puta mundo injusto.
Se o seu colega que come pra caramba e é magro se alimentar de comidas pouco saudáveis, ele pode ser magro, mas não será saudável. Não fiz qualquer relação entre magreza e saúde. A relação que eu fiz foi entre obesidade e falta de saúde. Gordura é um tecido vivo que modifica todas as funções endócrinas do corpo, além do excesso de peso forçar as articulações, então (se quiser ignorar a ciência, vai fundo) não tem como ser gordo e saudável (taxas normais são indicativos de saúde, mas não são suficientes pra definir saúde). Dá pra ser gordo e ter hábitos saudáveis, se alimentando de alimentos pouco processados e se exercitando e acho que isso já é um excelente caminho.
Alguns estudos mostram que estar um pouco acima do peso é mais saudável que ficar fazendo dieta restritivas que geram efeito io-io. Ainda assim, o mais saudável é estar dentro do IMC normal, com taxas baixas de gordura corporal.
Sim, o organismo é complexo e perda de peso também é um processo complexo física e mentalmente, mas alguns fatos não devem ser ignorados.
Os idiotas são idiotas e portanto indefensáveis. Tem que ser muito jumento pra achar que essa justificativa de bullying pra ajudar o próximo funciona. A gente sabe que não é verdade, queridos, vocês não estão enganando ninguém. Sou absolutamente favorável a cada um cuidar da sua vida.

Anônimo disse...

Mulher é tão pior que homem, né migo mascu? Elas são tão más, cruéis, preconceituosas e interesseiras, não é verdade amigo? São falsas, manipuladoras, e depois vem falar de machismo pra se vitimizarem, não é? Mas me diz aqui uma coisa, migo, quando você vai sair do armário e se ver livre de uma vez por todas dessas bruxas malvadas interesseiras? Deixar elas pra lá pra sempre, sabe como é?

Anônimo disse...

viu pessoal, tirem os homens héteros e brancos do assunto! os homens héteros estão fora dessa coisa de gordofobia, não tem nada a ver com imposições do padrão de beleza branco e magro para mulheres, inclusive os homens mais velhos e barrigudos que só querem se relacionar sexualmente com mulheres jovens, magras e lindas, totalmente dentro dos padrões de beleza.

Anônimo disse...

Anônimos 12:55 e 12:56: procurem pensar, você​s não estão fazendo isso.

titia disse...

Ficava sussurrando junto ao meu ouvido,
Mentiras misturadas com o seu gemido,
E eu acreditava nas suas palavras
Leviana!

Troll pseudo-Rei das 13:07, quem está enchendo o saco nesse blog são os mascus, não essas mulheres más e perversas que não tem mais nada a fazer da vida senão pentelhar blogs feministas que protestam contra a gordofobia. O dia que uma delas vier aqui eu também mando ela ir se catar, ok? Até lá são os mascus que vão ouvir mesmo.

14:51 eu era magra e engordei por problema hormonal. Meu avô e minha tia-avó são gordos e eles não bebem refrigerante nem comem comida lixo. Minha irmã só come porcaria e é magra feito um palitinho. Eu normalmente sugiro o contrário, mas por que você não enfia a cabeça na bunda pra ver se a merda entende qual é o lugar dela e sai da sua caixa craniana?

Podem continuar com seus ataques de histeria agora. Vou pegar a pipoca.

Anônimo disse...

Bom, o que interessa pro mercado é grana. Existe um mercado muito próspero no segmento plus size e quem quer ganhar dinheiro tá entrando nessa com tudo. Roupa de gordo não promove obesidade e sim a marca, que vai vender pra esse gordo, que não acha roupa pra comprar em lugar algum. Ganha o gordo e ganha a marca. O resto é BS.

Rafael Cherem disse...

O negócio é ganhar dinheiro, tem mercado, porque não? Engraçado que é a esquerda que tem de lembrar isso aos conservadores.

Laissez Faire.

Mila disse...

Mas a galera é chata hein?

Enchem o saco pra gorda emagrecer, daí a gorda quer fazer exercício e o povo avacalha.
Olha, é muito difícil para uma pessoa gorda, especialmente se ela está vindo de um contexto de bullying e depressão, encontrar forças para fazer uma atividade física. São vários os empecilhos: o principal deles é vergonha (de usar roupas de ginástica que deixam seu corpo mais exposto, de ser julgada pelas pessoas), coisa que norteia até o horário que você vai para a academia. Já conheci mulheres gordas que desencadeavam transtornos alimentares pois ainda não se sentiam prontas para encarar uma academia ou outro ambiente de atividade física.
Criou-se uma mentalidade de que só pessoas magras têm o direito a se exercitar, que a academia é lugar de homens e mulheres super definidos (mesmo que detrás dessa super definição haja uma pessoa se envenenando de esteroides, exercício físico exagerado e suplementos desnecessários). O que a Nike fez foi se aproveitar de um nicho do mercado pouco explorado pelas marcas: nem todos que se exercitam são magros e trincados.

Anônimo disse...

Eu já fui na onda do discurso babaca do 14h51. Também achava que era gorda porque comia demais, apenas por isso. E indo na onda do discurso burro (sim, anônimo de 14h51, você é burro), eu até consegui emagrecer, mas ganhando uma dúzia de problemas.
Primeiro, que eu comecei a cortar caloria, "fechar a boca", como os "nutricionistas" de internet postam. Cortei carboidrato, açúcar, gordura... só faltava cortar os pulsos! Perdi uns 10 kg ingerindo módicas 300 kcal por dia. Um índice calórico ridículo, que é próximo aos de prisioneiros de campos de guerra.
Depois de emagrecer esses kg ( tinha vergonha de ir à academia, também porque não tinha roupa, comecei a aumentar as calorias da minha dieta para 500, 600 kcal. Ia à academia todos os dias, fazia os exercícios aeróbicos e musculação. Perdi peso. Um dia, resolvi aumentar a ingestão calórica. Engordei. Desisti e voltei a controlar raivosamente tudo o que eu botava na boca. Se eu comia algo (podia ser um pedaço de chocolate), forçava o vômito. Nessa conta simples e babaca de "coma menos, gaste mais", eu desenvolvi transtornos alimentares. Fora que me afastei dos meus amigos, não achava que eu tinha direito a ter vida social gorda daquele jeito.
Foi uma luta para me libertar desse ciclo, pois embora eu estivesse uma caca por dentro, me sentia melhor de ver pessoas me tratando melhor, me elogiando pelo meu emagrecimento. Mesmo os olhares masculinos eram mais frequentes (olha aí a gente se norteando pela aprovação de macho, olha aí a prova de que homem se importa muito com a aparência das mulheres).
Mas esse estilo de vida ficou insustentável. Comecei a trabalhar e ganhei tudo o que eu havia perdido. Não tinha como mais manter aquela rotina se eu precisava de energia para trabalhar. Aí decidi me consultar com um médico: descobri que eu sofria de distúrbios hormonais. E sim, mesmo fazendo dietas restritivas eu não ia emagrecer com saúde e nem ter condicionamento físico. Agora tomando a medicação, e com as minhas taxas reguladas, eu consigo emagrecer (não tão rápido, mas com mais saúde).
Então, o discurso burro "coma menos, gaste mais" não funcionou pra mim. Como não funciona pra muita gente. Se as pessoas estiverem dispostas a emagrecer o melhor é fazer exames gerais para identificar problemas que você não vai conseguir resolver sozinho.

Anônimo disse...

isso de ain saúde é conversa de hater, senão essa pessoa incrível, mediúnica, unimédica, portosegúrica, ciborgue que bate o olho em alguém e com sua visão de raio-x analisa o funcionamento do organismo alheio, esse ser iluminado e dadivoso que nem cobra pelo serviço faria com todo mundo e não só com gordo, entãooooo poupe-nos das churumelas e antes de sair apontando o dedinho da indignação por aí se coloca na frente de um espelho bem grande e REFLITA

nunca poderia imaginar que uma coisa idiota dessas pudesse dar polêmica mas aí lembrei que foram os idiotas que criaram essa polêmica e subitamente tudo fica esclarecido

Fernanda Lima disse...

Adorei o livro do Gary Taubes (Por que engordamos) e como ele contesta essa falácia de que alguém é gordo porque come muito e se exercita pouco ou nada. A ideia é justamente o contrário. A forma como o seu corpo recebe o que você come e usa esse combustível te leva a engordar, precisar comer mais e sentir pouca energia para atividades físicas. Isso explica a diferença entre pessoas que são magras sem precisarem se esforçar (meu caso) e outras que engordam mesmo comendo menos. Aí que entra a efetividade de controlar a qualidade do que se come (cortar besteiras como farinha de trigo e açúcar) para controlar a insulina e aí sim emagrecer, sem nunca precisar passar fome e independente de atividade física inclusive.

Anônimo disse...

ahhhh curto seus textos, mas esse foi de matar. Do mesmo jeito que a industria alimentícia não está cagando e andando pra saúde das pessoas (vendendo coisa podre, com barata e etc), as marcas de roupas não querem saber de nada, elas só QUEREM LUCRAR!!!!!!!!!!!!!!

Suzana disse...

Ah, a internet... esses anônimos covardes que expulsam do seu cérebro pensamentos hediondos que só tem coragem de cuspir na latrina da internet...

Enfim:

dieta low carb com certeza emagrece, o problema é que se vc, como eu, tem um certo transtorno alimentar, ex comer por compulsão e todos os outros problemas psicológicos relacionados à comida... Nesse caso, a dieta low carb vai te emagrecer sim, mas se vc for xiita demais, vc pode ter uma bela engordada depois que seu psicológico não conseguir mais lidar com a exclusão absurda de vários produtos alimentares ligados à compulsão.

E, se vc é gordinha, (cheguei a 71 kilos com 1,60 metros) e tem histórico familiar fortíssimo relacionado à diabetes, e tem complexo de inferioridade pq seu maravilhoso pai militar bronco de Minas te criou à base da porrada...

Enfim: histórico familiar ruim gera uma irmã bulímica que é magra, mas foi bem gordinha na infância e sofreu fatshaming de todo mundo. E bulimia gera vários problemas no esôfago, gastrite e tais...
Irmã obesa que quebrou fíbula e fez cirurgia...
Então, obesidade não é matemática sofista falaciosa e imbecil que não leva em consideração hormônios, metabolismo, essas coisas nas quais os anônimos babacas são ignorantes.

No final, esses anônimos babacas deveriam tudo ficar impotentes para o resto da vida. Ah, se maldição pegasse, hahahahahahahahahahahhahahahahahaha

Suzana disse...

o massa é que tem essa galera anônima que é TOFI (thin outside fat inside)... Caras que provocam fatshaming, vcs tb vão se dar mal no jogo maquiavélico do metabolismo. Isso é o que eu chamo de vingança divina, hahaha.

Anônimo disse...

Gordo não pode existir, na mente dessas pessoas babacas.

Se faz roupa pra eles, não pode. Se não faz, deus-me-livre ver gordo pelado. Se faz roupa de ginástica pra gorda, que ridículo uma gorda se exercitando. Se não faz, a gordura fica "vazando", a roupa fica apertada, como podem se exercitar assim?

Gordofóbicos se empenham demais em inventar desculpas, é lamentável ver tanto desperdício de esforço.