segunda-feira, 18 de julho de 2016

GUEST POST: PELA VOZ FEMININA NA POLÍTICA

Fábia Lima de Brito Damia é assessora jurídica na Procuradoria Regional Eleitoral em São Paulo e especialista em Direitos Humanos pela Faculdade de Direito da USP.
Ela me enviou este texto sobre um importante evento que acontecerá em SP nesta terça.

“Quando uma mulher entra na política, muda a mulher. 
Quando várias mulheres entram, muda a política.” (Michelle Bachelet)


Djamila Ribeiro, secretária-adjunta de
Direitos Humanos e Cidadania do
município de SP também estará lá: 3a,
10h, na Av. Brig Luis Antonio 2020
No Brasil de hoje, temas como aborto, estupro e violência doméstica contra a mulher são polêmicos. Outros temas menos controversos, mas não menos importantes para as mulheres, como o número insatisfatório de creches ou berçários em determinados bairros, eventual flexibilização da jornada de trabalho para cuidar de um filho doente ou comparecer a uma reunião escolar, considerando a representatividade política existente, são temas debatidos, discutidos e decididos por homens, porque mais de 90% dos cargos parlamentares é formado por homens.
Sim, a conta está certa. A participação feminina na política brasileira é de menos de 10% do total dos parlamentares. Ou seja, no país em que 51% da população é de mulheres e 52% do eleitorado é também de mulheres, a fração inexpressiva de menos de 10% é que ocupa cargos parlamentares. 
1os lugares: clique p/ampliar
A situação é tão espantosa quanto urgente. Um país que se pretende democrático, pluralista, solidário e fraterno, segundo enunciam os primeiros artigos de sua Constituição Federal, não pode continuar com uma representatividade feminina tão desproporcional à sua população, a ponto de o Brasil figurar em posição vexatória no ranking internacional da União Inter-Parlamentar. 
Brasil entre os últimos lugares na
lista de representatividade das
mulheres na política
Segundo dados de maio de 2016, o Brasil está atrás de países como Serra Leoa (com 12,40% de mulheres na política), Somália (13,80%), Croácia (15,20%), Paquistão (20,60%), Iraque (26,50%), Afeganistão (27,70%), Angola (36,80%) e de toda a América Latina. O Brasil figura na 153ª posição, com 9,9% de mulheres nas casas legislativas.
Os entraves à representatividade da mulher na política passam por vários eixos, desde a cultura machista que permeia nossa sociedade, até o menosprezo e desinteresse dos partidos políticos em lançar candidatas mulheres e em apoiar suas campanhas eleitorais. 
Mesmo diante da legislação eleitoral que obriga os partidos políticos a lançarem candidatas no percentual mínimo de 30% (Lei 9.504/97, art. 10. § 3º: “cada partido ou coligação deverá reservar o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo”), não são poucos os partidos que lançam candidatas “laranjas”, apenas para cumprir as cotas legais.
A transformação desse cenário requer a adoção de medidas afirmativas que esclareçam as mulheres sobre a importância de serem representadas politicamente, bem como que permitam sua participação política de forma efetiva, autorizando suas candidaturas e visibilidade, por meio das propagandas partidária e eleitoral, para que a igualdade de gêneros na participação política seja efetiva.
Com o intuito de se aproximar da sociedade civil e dar voz às mulheres, a Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo promoverá o evento “Encontro Propositivo pela Igualdade das Mulheres na Política”, nesta terça-feira, dia 19 de julho, às 10 horas. O objetivo é o de ouvir propostas, ideias e sugestões para pautar a atuação do Ministério Público Eleitoral, de modo a identificar as barreiras ilegítimas à participação feminina na política, com o fim de eliminá-las.
Os vídeos convidando para o evento, assim como os de seus apoiadores, podem ser visualizados no Canal do YouTube da Procuradoria.
A participação das mulheres na política não é uma questão só de gênero. É uma questão de cidadania. 
Interessa a todos que a sociedade seja plural e proporcionalmente representada pelos seus membros (51,03% de mulheres, 48,97% de homens, conforme último censo do IBGE). Sem igualdade de gênero não existe democracia.

42 comentários:

Anônimo disse...

Com poucas mulheres na politica nos temos:
Quase 70% das verbas de saúde publica destinadas as mulheres. Mesmo morrendo mais homens por ano e cada vez mais cedo.
Mais da metade dos financiamentos do FIES destinados a alunas mulheres.
mais de 80% de destinatários do programa Minha casa minha via e demais programas habitacionais
destinados s mulheres, assim como demais programas sociais como balsa família e renda minima destinados quase que em sua integridade as mulheres, mesmo homens sendo quase 90% dos moradores em situação de rua e miséria absoluta.
Homens são a quase totalidade de trabalhadores em situação de semi escravidão ou expostos a trabalhos degradantes, são mais de 90% das vitimas dos 60 mil homicídios por ano (Apesar de uma mulher assassinada causar mais comoção social do que 100 homens mortos no mesmo período) são a maioria das pessoas vitimas de distúrbios mentais desenvolvidos e quatro vezes mais incidentes de suicídio do que mulheres. Mesmo assim quase nada destinado de verbas de saúde ou programas sociais destinados aos homens.
Tudo isto sendo as mulheres minorias em politica representativa no país, se fossem maioria então com o desprezo natural que
mulheres sentem por homens será zero mesmo. Ser homem será crime com as mulheres no comando do país, nõ ser machista mas ser homens mesmo, mulheres principalmente feminista não diferenciam ser home de ser machista para elas e tudo a mesma coisa e devem serem combatidos por igual.
para um homem, se mulheres forem maioria do comado politico em seu país, e melhor mudar de país. Seremos cidadãos de terceira classe sob comando de mulheres, mulheres não sentem empatia alguma por homens muito pelo contrario. basta ver os países nórdicos governados por mulheres, onde existem leis absurdas como se um homem fizer sexo sem preservativo mesmo com o consentimento da mulheres, se ela denunciar no dia seguinte que ele não usou o preservativo ele é acusado e preso pro estupro. Olhar para uma mulher e considerado abuso sexual e ele pode ser preso, apenas olhar.

lola disse...

Comentário mascu TÍPICO. Alguns blogs e fóruns mascus passam o dia fazendo essa projeçáo: "eu sou um fracasso com mulheres (com homens também), e como elas nao me dao nenhuma atençao, isso so pode querer dizer que mulheres odeiam todos os homens e nao dao atencao a nenhum deles". Serio, eles passam o dia falando isso. E citando "estatisticas" tiradas diretamente do Instituto Mascu As Vozes Me Disseram", mentiras obvias (tipo: Bolsa Familia é paga às mulheres porque provou-se que o dinheiro chegara mais rapidamente aos filhos do que se fosse pago aos homens. BF é pras criancas, nao para as mulheres. Mas, claro, mascu acha que mulher usa BF pra maquiagem e chapinha). O mais ironico é que mascu fica falando essas bobagens todas, mas pergunta pra ele o que ele acha de fazer exame de prostata, justamente pra detectar um dos tipos de câncer que mais matam os homens? Isso é coisa de viado, dirá ele.
Deixei o comentario pra vcs saberem como é a realidade alternativa em que mascus vivem.

titia disse...

Com poucas mulheres na política nós temos:

Machinhos chorões que reclamam das verbas da saúde mas não fazem exames.

Machinhos chorões que reclamam de não poderem assumir responsabilidades financeiras e domiciliares que eles não pretendem cumprir mesmo.

Machinhos chorando porque não tem vagas nos programas de estudo quando eles não estudam.

Machinhos que reclamam da exploração do trabalho masculino e não fazem porra nenhuma pra ajudar.

Machinhos que reclamam da violência contra os homens mas que chama os homens não dispostos a recorrer à violência pra resolver tudo de viadinhos.

Machinhos que reclamam das mulheres imporem regras no sexo e depois fazem apologia ao estupro.

Machinhos que reclamam do endurecimento das leis de estupro mas culpam a vítima.

Machinhos que reclamam da falta de empatia das feministas com os babacas enquanto pedem legalização do estupro e da pedofilia, dizem "bem feito" toda vez que uma mulher apanha do marido, aplaudem como heróis bostas misóginos que cometeram massacres, espalham racismo e homofobia, fazem apologia a crime de ódio e não fazem porra nenhuma pra mudar o modelo de masculinidade nocivo que causa todas as 'mazelas' masculinas - na verdade, preferem estimulá-lo.

Então, machinhos reclamões que causam os próprios problemas, vão por favor à merda e sejam homens o suficiente pra assumir as consequências das escolhas que VOCÊS mesmos fizeram.

lola disse...

Pois é, Titia. Eles ficam 24 horas por dia dizendo que tudo que falamos é mimimi de feminista. Nao pode criticar propaganda machista, porque é mimimi de feminista, nao pode publicar relato de estupro ou de violencia domestica, porque é tudo mentira e mimimi de feminista. E tambem nao pode lutar para que mulher tenha mais que 10% de espaço na politica porque é o homem que sofre tanto, coitadinho... Mulher tem tanto espaço que mascu precisa vir o tempo todo comentar em blog feminista.

titia disse...

É, aquela velha história Lola, papai e mamãe passam a mão na cabeça do 'hominho da casa' e ao invés de manda-lo crescer fazem de tudo pra limpar a barra dele, pra que Júnior não encare as consequências das besteiras que fez. O maior exemplo são as famílias que acobertam os caras que fogem pra não pagar pensão. No caso dos mascus é só um pouco mais patético.

Anônimo disse...

No dia da eleição basta então que 52 % do eleitorado votem também em mulheres.
Lembrando que 30% é cota d candidatos, esses 30% podem suprir todas as vagas disputadas.
Portanto é simples, basta as mulheres votarem em mulheres,e não fazer mimimi.
P.s.só lembrando que o califado que matou inocentes em Nice é o mesmo que escraviza e estupro mulheres, portanto existe causa mais relevante para se discutir

Cesc Biavati disse...

Mas ele não está tão errado. Esqueceu ainda de informar que as eleitoras com o PODER DE MUDANÇA são 6 milhões a mais do que os homens. Curioso né? Rsss

Mila disse...

Acho que ter maior participação política é fundamental. Não só mulheres. Pouco se vê negros, pessoas mais jovens, indígenas, pessoas com algum tipo de necessidade especial na política. Podem notar que a maioria dos congressistas são de homens de meia-idade, empresários, fazendeiros e políticos profissionais (aqueles que levam política como profissão), herdeiros... Parecem todos os mesmos...
No entanto, embora eu sempre ache válido eleger mulheres e outros grupos à margem da política brasileira, nada me convence a, por exemplo, votar numa pastora com o discurso pronto de "mais participação da mulher".

Anônimo disse...

Nossa, quanto choro e vitimismo mascu.

Só uma coisa: as mulheres conseguiram estas coisas pq não ficaram chorando na Internet de como a vida é injusta. Batalhamos há muito tempo por esses direitos e queremos ainda mais. Isso é o feminismo.

Todos esses problemas masculinos poderiam se resolver se vocês tirassem a bunda da cadeira e começassem a lavar o pinto, por exemplo, já que vocês adoecem pela falta de medidas higiênicas simples. Fazer um exame de próstata é coisa de viado. Direitos humanos de homens de rua ou semi-escravidão é coisa de comuna esquerdista (já que estes são "vagabundos", criaturas que voces odeiam); BF administrado por homem viraria bolsa cachaça já que vocês se orgulham de não assumir as próprias crias; o FIES não possui cota baseado em gênero, se as mulheres estão conseguindo mais, significa que a maior parte de quem está demandando são elas. Não sei que milagre o machinho não choramingou do exército brasileiro (que, para o macho brasileiro, luta uma guerra do Afeganistao por dia).

O movimento das mulheres luta por tudo o que almeja melhorar na vida delas. O movimento dos homens quer o direito de ter a loira virgem e bombada. Vocês não se levam a sério, então, que fiquem na merda.

@vbfri disse...

A Titia e a Anon de 16h53 falaram tudo o que eu queria ter falado e mais <3

Anônimo disse...

Ohhhhh... "tadin" du mascuzinhuuuuuu... alguém traz a mamadeira com Toddynho!!

Todos os problemas citados pelo mascuzinho chorão são causados por.... mascuzinhos chorões, just like him!!!!

E outros problemas como verbas públicas e leis especificas para as mulheres existem para... proteger as mulheres de macuzinhos chorões, just like him...

E se quer ganhar bolsa para estudar, VÁ ESTUDAR ao invés de chorar agarrado na saia das "feminazi"... agora vai lá abrir vidro de pepino e trocar lâmpada...


Jane Doe

Anônimo disse...

Por favor, mais Simone Tebet e menos Maria do Rosário. Grato.

Anônimo disse...

A verdadeira representatividade não é esta.O que adianta que metade dos parlamentares serem mulher, se já podemos imaginar estas mulheres sendo evangélicas e conservadoras?

Fora que mulheres, mesmo que não sejam feministas, amam de mais o próprio gênero e tratam todas de modo coletivo e esquecem suas subjetividade.Entao já podemos prever: censura de músicas consideradas machistas, proibição de filmes de sexo e prostituição, grande parte das verbas destinado ao sexo feminino de alguma forma.

Claro, vou eleger uma pessoa porque ela possui mesmas características físicas da minha...
A democracia é um sistema imperfeitos.Platao disse que apenas os sábios podem governar e concordo com ele.Por um governo dos inteligentes!dos melhores!

Anônimo disse...

"P.s.só lembrando que o califado que matou inocentes em Nice é o mesmo que escraviza e estupro mulheres, portanto existe causa mais relevante para se discutir."

Incrível como esses mascus usam muçulmanos/terroristas para tentar menosprezar qualquer assunto que feministas estejam discutindo sendo que eles MORREM de inveja dos muçulmanos e o sonho deles seria poder escravizar mulheres aqui no Brasil mesmo.
Não tenho paciência pra tanto cinismo.

Anônimo disse...

Quando feministas incentivam mulheres a votarem em mulheres aparece um bando de machinho falando que não é assim. Que tem que votar nO melhor candidatO e blá blá bla. Como se a ideia não fosse votar nA melhor canditadA. Curioso, né? rssss

Anônimo disse...

"O movimento das mulheres luta por tudo o que almeja melhorar na vida delas. O movimento dos homens quer o direito de ter a loira virgem e bombada. Vocês não se levam a sério, então, que fiquem na merda."

Assino embaixo.

Anônimo disse...

Enfim, vou nem desenvolver como o primeiro comentarista faria mt melhor em lutar por um movimento digno de direito dos homens em vez da lenga lenga antifeminista dos mra's da vida de "aain, homem sofre e por isso n devia ter feminismo".
Mas concordo com o q um anom falou, maior representação feminina não necessariamente traduz em progresso pras lutas das mulheres. Imagina as Sara Winters da vida sendo eleitas. E ainda iam dizer q o fato da política ser mulher legitima o discurso machista da mesma.
Acho válida a reflexão se para um mesmo cargo, existe um candidato e uma candidata com propostas semelhantes, dê preferência à candidata.

Anônimo disse...

Primeiro o cara diz isso:
"Fora que mulheres, mesmo que não sejam feministas, amam de mais o próprio gênero e tratam todas de modo coletivo e esquecem suas subjetividade."

Depois isso:

"Entao já podemos prever: censura de músicas consideradas machistas, proibição de filmes de sexo e prostituição."

Tradução: NÃO MEXAM NA MINHA PUNHETAAAAAAAAAA! NINGUÉM SAIIIIIIIIII! MEU PORNÔOOOOOOOOOOOO!

Realmente.. mulheres esqueçam sua subjetividade e homens só pensam nisso.. e no próprio pau :D

Anônimo disse...

"Platão disse blá blá blá.."

CAGUEI pra o que Platão disse. Por um mundo em que homens calem mais a boca e MULHERES sejam MAIS ouvidas, governem MAIS, representem MAIS e sejam MAIS representadas."

Se só os sábios representarem aí que a representativa masculina vai ser só de 1%. Ótimo.
Que venham as sábias!

Anônimo disse...

Mas eu me pergunto: a Dilma já não foi suficiente?

De qualquer forma, eu votaria na Tia Eron: negra, empoderada, contra as cotas e de direita!

Anônimo disse...

Criança sendo doutrinada na cultura de estupro, lamentável.
http://extra.globo.com/noticias/mundo/mulher-aparece-rebolando-se-esfregando-em-crianca-em-video-polemico-19742607.html?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_content=rebolando%20em%20crian%C3%A7a&utm_campaign=Extra

Anônimo disse...

"18 de julho de 2016 13:38"

Amigão, cadê os dados que embasam esses seus chutômetros? Links para sites oficiais do governo e não blogs machistinhas ou GET OUT

Anônimo disse...

Sujeito precisa de campanha do governo pra LAVAR O PRÓPRIO PINTO e fica reclamando de ain não tem vérbasss para nóis ómissss.... seu pai sabe que você é um merdinha na internet?

Anônimo disse...

Agora sobre a falta de mulheres na política, vamos combinar que foi preciso até de cota para que aparecessem mais candidatas. A falta de interesse começa nas próprias pessoas que poderia se candidatar mas não o fazem. Ninguém é obrigado, nem obrigada. E campanha custa muito dinheiro.

E também não adianta encher de mulher conservadora lá. Nesse sentido, acho que homens ou mulheres, a gente tem que juntar duas coisas aí: 1. histórico da pessoa, 2. histórico do partido. Que adianta sair um candidato ou candidata super supimpa mas por um PSOL da vida, que DENTRO DO PARTIDO tem práticas altamente discriminatórias contra afiliadas do sexo feminino?

titia disse...

15:11 vai lá então pegar em armas e derrubar o califado. Não são vocês que dizem que são os heróis, que morrem nas guerras por essas parasitas ingratas que são as mulheres? Vá lá morrer pra libertar as mulheres do califado, mascu ridículo.

18:40 é preciso mais que chegar aqui e dizer "sou mulher" pra que a gente acredite. Sabe, acho que teus colegas do fórum não te orientaram, mas não adianta você chegar aqui dizendo ser mulher e já começar a cagar mascuzisse pelos dedos.

Anônimo disse...

"A verdadeira representatividade não é esta.O que adianta que metade dos parlamentares serem mulher, se já podemos imaginar estas mulheres sendo evangélicas e conservadoras?"

Isso é a verdadeira representatividade!
Se a maioria das mulheres são evangélicas e conservadoras, elas vão eleger representes como elas.
Essa é a nossa democracia representativa.

Colocar mulheres feministas que não representam a maioria das mulheres não é democracia.


Anônimo disse...

"P.s.só lembrando que o califado que matou inocentes em Nice é o mesmo que escraviza e estupro mulheres, portanto existe causa mais relevante para se discutir "

Na verdade, estamos mais preocupadas com essa sharia evangélica que se instala por aqui cassando e caçando os direitos das mulheres, inclusive, com apoio das próprias conservadoras cristãs. É disso que se trata o post. Mas claro que qualquer assunto tratado aqui nunca vai ser relevante pro machinho "pq não falam mal dos islâmicos?" (simples, pq quem tá formando bancada no Congresso e querendo cercear meus direitos são fundamentalistas religiosos, que, pensem bem, não diferem muito dos islâmicos radicais).

"Ain, mas é só as mulheres votarem em mulheres, suas mimizentas"

Não é tão simples. Para uma mulher se candidatar a cargos políticos, é necessário antes um background que ainda não favorece as mulheres, inclusive GRANA.
Ninguém se candidata sem dinheiro, portanto, não é mera coincidência que o Congresso esteja entupido de empresários, fazendeiros, homens brancos e ricos. Nada muito diferente de alguns séculos atrás quando a política era só dominada pelas famílias brancas e ricas e seus herdeiros varões.

Fora que ainda se tem uma noção de que a mulher não é feita para a vida pública, inclusive entre nós mesmas. As exigências em cima da mulher são infinitamente maiores para que elas tenham uma imagem mais vendável: de Thatcher a Dilma, seja de direita ou esquerda, delas é exigido que se comportem como homens mas não deixem de ter uma aparência feminina. Machorras não costumam conquistar o voto das mulheres que "deusmelivre votar em feminazi". No youtube tem um documentário sobre isso, contando que, infelizmente, nós ainda não votamos em nossas congêneres, deixando a vida pública para o homem.



Anna

Maria disse...

Não adianta colocar mulheres no congresso por força de lei. As mulheres precisam estudar e se preparar para entrar na política. Se elas entrarem despreparadas só estarão fomentando os grandes políticos, pois serão facilmente manipuladas por eles.
Para as mulheres entrarem na política, elas precisam ser incentivadas desde a adolescência. Precisam estudar política, participar e eventos políticos, se preparar. Muitas vezes na política joga-se sujo, a pessoa precisa estar muito bem preparada para saber lidar com a situação.

Lembrando que nosso sistema político é uma democracia representativa. Não adianta quererem candidatas feministas se a maioria das mulheres não são assim. Elas vão votar na candidata que as representam melhor.

E, na minha opinião, pouco importa se o político é um homem ou uma mulher. O que importa é ser competente e que esteja me representando adequadamente.

Cesc Biavati disse...

Existem 6 milhões de mulheres a mais do que homens no Brasil. É quase um Portugal de mulheres a mais. Se elas, com direito a voto, não fazem as mudanças que vocês (pseudo-representantes das mulheres}) dizem ser pauta unicamente delas, o problema, portanto, é o que? Vão dizer que é culpa nossa também? Vocês podem perfeitamente se candidatarem, criaram até um partido de mulher, possuem um foro eleitoral superior ao masculino, qual o problema?

Anônimo disse...

titia, sasporra não conseguem nem atirar no CS imagine na vida real. Vão lá lutar as guerras, guerreiros de 1 real! Não guentam um tiro sem se borrar na calças.

Anônimo disse...

09:49

e a maioria dos brasileiros é:
-Rica
-Fazendeira/empresário
- Homem
- Mais de 40 anos
- Herdeiro
Como a maioria dos nossos representantes? Isso não é democracia representativa, mermão.

Anônimo disse...

Tem horas que eu não sei se é muita desonestidade, preguiça de interpretar, má-fé ou ignorância desses trolls.

Vamos lá

Pleitear por mais participação política de mulheres (MULHERES, no plural, de correntes políticas DIVERSAS) não é a mesma coisa de pleitear participação política somente MULHERES FEMINISTAS.

É uma pauta feminista sim, porém, não estamos pleiteando isso apenas para as correntes políticas que apoiamos. O que foi levantado aqui, em questão de representatividade, é que é importante ter um equilíbrio de forças e que todos os grupos estejam representados (ou seja, que tenham representantes de movimentos sociais, negros, índios, lgbts, feministas), não somente a bancada do boi, bíblia e bala, que é a nossa realidade.
Democracia não é a ditadura da maioria. Inclusive, um governo funciona melhor quando a sociedade efetivamente se enxerga nele e ocorre um debate de ideias. É fundamental para um governo democrático a existência de uma oposição forte, combativa e não somente preocupada no quanto pior, melhor. Mas né, pleitear a participação de diferentes grupos da sociedade irrita muito os câncervadores brasileiros: os "peão" trabalha, quem tem grana manda no país. Estes flertam bastante com o autoritarismo e um governo de partido único, onde só passa o que interessa ao boi, à bala e à bíblia.

teofilotostes disse...

Lola,
que alegria me deparar com esse post aqui. O evento foi excelente. E em breve, a íntegra das discussões que rolaram lá na Procuradoria estará publicada na TVMPF, no endereço tvmpf.mpf.mp.br
Bjs

Anônimo disse...

Vemos a injustiça quando os negros possuem 50% de cotas nas universidades enquanto as mulheres possuem apenas 30% para a lista de candidatos nas eleições. Deveria ser pauta urgente aumentar de 30% para 50%!

Noêmia Cristina disse...

Somente quando as mulheres puderem ser líderes religiosas, especialmente na religião cristã, é que essa representatividade poderá melhorar. Com mais pastoras e madres se candidatando, veremos porcentagens mais equilibradas no legislativo.

Ou então, que se proíba que líderes religiosos possam se candidatar! Afinal, o estado é laico.

Anônimo disse...

"Ou então, que se proíba que líderes religiosos possam se candidatar! Afinal, o estado é laico."

Quando vc começa a proibir candidaturas, abre precedentes. Proíbe lideres religiosos, daqui a pouco proíbe líderes empresariais e mais adiante sociais e ... por aí vai.

Anônimo disse...

"lola disse...
...citando "estatisticas" tiradas diretamente do Instituto Mascu As Vozes Me Disseram..."

Eu particularmente acho essa frase em negrito um desrespeito. Usar um sintoma de uma doença séria como a esquizofrenia pra isso é meio insensível.

Anônimo disse...

14:21, já teve uma discussão dessa por aqui e foi bem engraçado. O argumento era que "pessoas ouvidoras de vozes" são sim levadas a sério. Ex: Maomé, Joana Darc, Jesus.. Relaxa aí.

Anônimo disse...

E no que pastoras e madres fariam pra ajudar mulheres? Projeto de lei para que o aborto fosse proibido até em caso de estupro?

. disse...

Você vai se candidatar, Lola?

Anônimo disse...

"Anônimo disse...
14:21, já teve uma discussão dessa por aqui e foi bem engraçado. O argumento era que "pessoas ouvidoras de vozes" são sim levadas a sério. Ex: Maomé, Joana Darc, Jesus.. Relaxa aí."

Ninguém falou em ser levadas a sério ou não. Essa não foi a questão levantada.

Quando não é na sua pele, ninguém tá nem aí. Que se dane a empatia.

Mas, isso é uma doença muito séria pra ser usada como brincadeira ou algo do tipo.

Anônimo disse...

"E no que pastoras e madres fariam pra ajudar mulheres? Projeto de lei para que o aborto fosse proibido até em caso de estupro?"

Representatividade é isso. Pastoras e madres tb tem direito a serem representadas.