quinta-feira, 5 de junho de 2014

GUEST POST: MÉDICO OU DONO DE FARMÁCIA?

A D. me enviou este relato de uma consulta ginecológica de rotina. Tem bastante coisa chocante aí.

Gente, até agora estou passada com o que me aconteceu no final de maio. Procurei um ginecologista obstetra aqui de Fortaleza, por ter ouvido falar que ele era muito bom. Como penso em engravidar daqui a alguns anos (agora tenho 27), pensei: é bom que eu tenha um médico de confiança, pois quando quiser engravidar não precisarei me preocupar.
Pois bem, marquei a consulta e fui meio constrangida, pois seria a primeira vez que iria a um ginecologista homem. Meu esposo me acompanhou, como sempre faz nas minhas consultas de rotina. Chegamos à clínica e tinha apenas uma pessoa antes de mim. Pensei: não vai demorar muito. Aí depois chegou um representante comercial pra fazer propaganda de remédios e entrou na minha frente. Achei aquilo um desrespeito, mas tudo bem. 
Depois que ele saiu, entrei no consultório com meu esposo (preferi assim). Assim que entramos, mais um representante. Que saco! Aí fez propaganda de mais remédios e deu umas amostras ao médico. O representante saiu, e o médico começou a me fazer as perguntas básicas que os ginecologistas fazem. 
Mostrei a ele uma ultrassom mamária, pois estou com um nódulo no seio, nada de mais, mas que precisa ser acompanhado. Ele não deu muita atenção, nem me explicou o que era, se tinha risco ou não. Só sei que não é nada de mais porque faço acompanhamento com um mastologista. 
Aí lá vai esse médico falar sobre política. Ele disse que tinha como meta falar mal do governo federal para pelo menos cinco pessoas por dia em seu consultório. Eu e meu esposo fizemos ouvido de mercador... 
Perguntou se eu sentia alguma coisa antes ou durante a menstruação e eu disse que não. 
E ele me falou que eu era a primeira pessoa do mundo que não sentia nada. Mas como assim? Todas as mulheres têm que sofrer horrores com a menstruação? Então falou dos benefícios em tomar anticoncepcional sem interrupções. Mas, e se eu QUISER menstruar? Depois entendi o porquê disso de tomar anticoncepcional contínuo... 
Fui me preparar para o exame. Deitei naquela cadeira reclinável, ele olhou pra minha gordurinha localizada na barriga e perguntou: “Essa barriguinha te incomoda?” Respondi que sim, e ele: “Vou te passar um remédio.” Gente, um emagrecedor, que segundo o médico está fazendo o maior sucesso com a Ivete Sangalo (deu vontade de rir). 
Estou um pouco acima do peso, mas não sou adepta de emagrecedor, e sim de uma reeducação alimentar. O ginecologista olhou para as minhas marquinhas de adolescência (marquinhas de espinhas) e perguntou se aquilo me incomodava. Também falei que sim. Ele foi logo dizendo que iria passar um tratamento, sem nem ao menos me perguntar se eu queria fazê-lo nesse momento. 
Aí ele fez o papanicolau e falou de uma “feridinha” que eu tinha no útero, e na mesma hora fez uma cauterização... beleza. Fez uma ultrassom vaginal e viu que estava cheio de furinhos, mas que não tinha os micropolicistos, já que tomo anticoncepcional. Falou mais uma vez da “importância” de tomar anticoncepcional sem interrupções. Fez a ultrassom mamária, e não disse nada sobre o nódulo. Terminou o exame! Ufa. Me vesti e voltei pra saber o que ele tinha a dizer pra mim e pro meu marido.
Quando voltei, ele falou mais uma vez sobre a importância do anticoncepcional contínuo e me prescreveu: 1) o emagrecedor da Ivete Sangalo; 2) Ocitocina Spray Nasal, o “hormônio do amor”, que passou no Fantástico, segundo ele. Mas quem disse pra ele que eu e meu marido estamos com algum problema? 
3), 4) e 5) um tratamento para o casal (três remédios); 6) creme ginecológico (para cicatrizar a cauterização). Detalhe, que só depois vi na internet: quem faz essa cauterização tem que ter abstinência sexual de 4 a 6 semanas, mas isso o médico não disse; 7) sabonete de maleleuca, pois de acordo com ele, “só esse protege, os outros apenas limpam.”; 8) hidratante corporal de óleo de abacate (eu não posso escolher o meu hidratante, é isso?); 9) umas cápsulas que eu não sei pra que servem; 10) um creme pra aplicar no rosto pra tirar as marquinhas. 
11) creme hidratante preventivo de sinais; 12) protetor solar gel ultra-seco c/FPS 45; 13) sabonete redutor de oleosidade; 14) hidratante corporal proteico e nutritivo (mas ele já não tinha receitado o de óleo de abacate?); 15) meloxican. Pra que diabos serve isso?
Quando cheguei em casa dei uma olhada no “Google nosso pastor e nada nos faltará” e vi que é um remédio para artrite reumatoide! Ah, na receita ele anexou um cartão com o nome da farmácia de manipulação que, por sinal, ficava ali do lado do prédio. Suponho que o médico tenha sua porcentagem garantida. 
Eu tenho que tomar o anticoncepcional contínuo porque assim a indústria farmacêutica vende mais. Minhas ultrassons? Estão lá no computador dele, para q eu fique “presa a ele”. O nódulo na minha mama pouco importa. Reeducação alimentar pra quê, se eu posso comprar o “emagrecedor da Ivete Sangalo”? Pra que dizer que depois de uma cauterização no colo do útero, é preciso mais ou menos um mês de abstinência? Cremes e mais cremes, porque o que vale é a imagem. O que importa é vender. 
A indústria farmacêutica não cria
curas, cria clientes
E assim os médicos brasileiros (não todos) promovem a doença ao invés de promoverem a saúde! Ah, e preciso dizer que ele é super adepto das cesarianas? 
Se eu voltarei lá novamente? Acho que você já sabe minha resposta.

83 comentários:

Anônimo disse...

Obviamente não é o caso da leitora, mas a maioria das pessoas que tenho convívio ADORAM um remédio. Não sei se são hipocondríacos, se tomar remédios dá status... não sei mesmo. Mas parece que cada "defeito" que algum médico arranja e dá um remédio, vejo as pessoas contando com satisfação. Inclusive sobre os gastos. Claro, tem efeitos colaterais. Aí tomam mais remédio. Uma loucura. Eu só tomo anticoncepcional (de maneira contínua, pq odeio menstruar). Nem analgésico para dor de cabeça tomo como bala, comum por aí. O dia que precisar, ok. A indústria farmacêutica é uma loucura. Criam demandas que não temos. E acaba que muita gente adota. Realmente, não entendi como uma simples consulta ginecológica de rotina saiu com tanta, tanta prescrição. E o que a leitora deseja? Bem, isso parece que pouco importa :/

Zrs disse...

Pois é, no meu caso, procurei duas ginecologistas, uma inclusive foi pelo Lattes (vi que era uma ótima pesquisadora e prof tb), pois gostaria de tomar anticoncepcional para resolver meu problema de acne adulta (acne de fundo hormonal).Qual não foi a minha surpresa quando NENHUMA das duas quiseram me passar a medicação pois disseram que eu deveria era mesmo engravidar (estava com 36 na época)! Sai do consultório com uma série de exames pré-gravíticos e com a certeza de ser o maio ET da cidade.

Anônimo disse...

Pois é..

Já passei por uma situação parecida, devido ao trabalho, morei em outras cidades por longos períodos, numa dessas consultei um médico (para um exame de rotina) que ficou horrorizado por eu não tomar pílula (sou adepta do DIU + camisinha) comentei que não gostava da pílula devido a TPM e inchaços mas o médico disse que eu tinha que testar várias e usar uma continuamente para não ter desconfortos, oras, como a D. eu também não tenho nenhum problema em menstruar, raramente tenho cólicas ou TPM e não vejo nenhum incômodo maior nisso, só me preocupo mesmo com doenças e com gravidez; mas saí da consulta com uma receita para 2 tipos de pílula, para eu "testar" e mais um comprimido para combater a retenção de líquidos (efeito colateral da pílula :-).

Fiquei meio perplexa, na minha visão um médico deveria orientar o paciente a procurar a melhor alternativa para ele, e não a melhor receita, nem todos os problemas precisam ser tratados com remédios, e se eu tivesse algum problema com a pílula? se eu fosse fumante? (não é caso, mas ele não perguntou).

acho que fica a dica para prestarmos atenção aos profissionais que escolhemos para cuidar da nossa saúde e desconfiar das pílulas mágicas que nos oferecem por aí.

Anônimo disse...

Que horror! Meu médico é um senhor super fofo - e já bem idoso - com certeza faria meu parto com ele mas não sei se ele estará vivo até lá (a consulta com ele costuma atrasar porque parece que ele faz algum tratamento que uma enfermeira tem que ir lá aplicar injeções, não quis perguntar porque achei chato) . Fui em uma ginecologista mulher uma vez só para nunca mais. Achei que ela não deu a menor importancia para mim, não me fez perguntas, pegou no meu corpo com um certo nojo... Admito que peguei uma certa "birra" e nunca mais quis voltar! (Mas com certeza existem ótimas mulheres ginecologistas, eu que levei azar!)
Depois que achei esse senhorzinho não troco por nada! Se fosse comigo, teria levantado no meio da consulta e tchau. Odeio que me entupam de remédios desnecessários!

Fernanda disse...

E vou dizer para a autora que ela corre o risco de ter feito uma cauterização desnecessária, coisa bem comum. Eu já fui em um ginecologista qiuetb fazia acumpultura e que receitava medicamentos em uma farmácia de manipulação próxima. E também já fui em uma ginecologista ortomolecular que enquanto me receitava tentava vender fórmulas rejuvenescedoras para minha mãe. Acho que as empresas farmacêuticas se tocaram que ginecologista são ótimos para vender medicamentos inúteis para mulheres.

Anônimo disse...

Eu não tomo contraceptivo hormonal, me sinto mal (já tentei de todos os tipos). E quase todos os médicos continuam querendo me empurrar algo que eu digo com todas letras que não admito. Eu AMO menstruar (eu sei, sou exceção nesse quesito), por que nenhum médico respeita isso?
Sou super responsável nos meus métodos contraceptivos (Método de Percepção da Fertilidade - que NÃO é a tabelinha, + camisinha), nunca passei nem por um susto, e ainda assim esses babacas de jaleco querem me dizer o que é melhor pro meu corpo.
Lola, eu não sei se você já escreveu sobre isso, mas existe toda uma cultura sobre o quanto os hormônios femininos são "equivocados" e que precisamos de uma ajudinha da indústria farmacêutica para nos sentirmos bem.

Scantorrent disse...

ahahahahahahaha

bizarro!

Fernanda disse...

E essa situação não é restrita a ginecologistas. Obviamente temos médicos dedicados e conscientes, mas a medicina está cada vez mais vendida. Quase não se discute sobre o impacto negativo dos medicamentos na saúde das pessoas. Esse relato é um bom alerta. Para tudo há um comprimido que "resolve seu problema imediatamente". Mas aí, esse comprimido causa alguns efeitos colaterais (uma dorzinha de cabeça, outra de estômago, etc) e daqui a um tempo eu preciso comprar outros para tratar desses efeitos colaterais. No meu bairro é incrível a quantidade de farmácias que brotaram de um ano para cá. Eu posso contar oito onde antes havia apenas duas. A indústria farmacêutica tem um lobby fortíssimo e uma ganância de dar nojo, afinal de contas a questão deveria ser de saúde e bem estar, e não de dinheiro. Médicos recebendo presentes, viagens e agradinhos de todos os tipos. Intoxicando os pacientes para encher o próprio bolso e o da indústria farmacêutica.

Eli disse...

Interessante ler isso na semana que eu fui na ginecologista. Provavelmente ela vai me receitar anticoncepcional também e foi exatamente por esse motivo que eu enrolei tanto pra ir. Eu sempre tive amenorréia e sempre tive certeza que é problema em algum hormônio, mas ela de cara falou que devia ser ovário policístico, fiz o ultrassom e não deu nada. O exame de sangue vai dar problema em algum hormônio como eu imaginava e ela vai tacar anticoncepcional do mesmo jeito. E daí a minha pergunta é: anticoncepcional é tão bom assim quanto falam? Porque que eu saiba ele aumenta o risco de câncer e de doenças cardio-vasculares.

Anônimo disse...

Minha vó uma vez foi a uma dermatologista pq queria tirar uma verruga que tinha no rosto, a mulher fez um terror em cima da tal verruga, disse que poderia ser câncer e marcou uma cirurgia com equipe médica completa mais anestesista num hospital.
Minha vó ficou aterrorizada até pq a médica não dava informações diretas sobre a tal verruga além de dizer o quanto aquilo era perigoso.

Por termos estranhado tanto essa urgência e a falta de dialogo da médica aconselhamos a minha vó a procurar um outro profissional, e adivinhem só, não era nada demais, era só uma verruguinha msm que o Dr tirou no próprio consultório dele.


Imagina se minha vó cai na lorota da primeira médica e faz a tal cirurgia?! Um profissional que faz o paciente passar por um procedimento desnecessário não se importa com ele, vai que eles fizessem alguma coisa errada com minha velha?

É um absurdo.

E isso deveria calar a boca alguns pró vidas. Se esse médico "famoso" não se da ao trabalho de explicar as coisas mais simples para essa mulher, imagina quantos outros não tem posturas até piores?!

Anônimo disse...

Meu médico é ótimo adoro ele, mas moro suuuper perto de um posto de saúde e resolvi ir lá msm fazer os exames, bom a situação inicial era a seguinte: não estava mantendo relações com ngm, não me sentia mal nem nd, não tinha nenhuma DST e nem estava grávida.
Ao entrar no consultório a médica nem me olhou e perguntou de qtos meses eu estava :O... Respondi que não estava grávida, ela perguntou que doença eu tinha então ou onde coçava...:O :O
Não coçava nada nem ardia nem nada...
Ela ergueu a kbeça e ficou me olhando e perguntou até que série eu tinha estudado e onde trabalhava :O :O :O respondi a essa questão suuper pertinente tb (na época era engenheira em uma empresa e fui até o posto por comodidade é na frente de casa)...
Ela me pediu pra ir na cadeira do Ginecologista abrir as pernas e td mais de rotina...resumindo ela ENFIOU o especulo em mim, cavocou com aquele instrumento usado para o papanicolau, e ao fazer o toque ela simplesmente meteu os dedos lá dentro e eu reclamei q sentia dor e desconforto...ela disse que era normal...No final disse que eu não tinha nd (nem falou pra buscar o exame) disse que qquer coisa eu tomava banho de assento com vinagre (se quisesse esse tipo de conselho falava com a minha vó) e que eu tinha que arrumar o que fazer pq ir ao médico sem sentir nada e falta do que fazer, tomei lugar de alguém que realmente precisava...

Lígia disse...

Que horror!!!! E imagino que deva ter cobrado um absurdo pela consulta e pelos procedimentos...

Óbvio que não sei do seu caso, mas a cauterização só é feita em alguns casos. Eu já tive ferida mas de uma vez, e só cauterizei uma vez. É um processo bem invasivo e chatinho, e não deve ser feito muitas vezes. E sim, tem que ficar pelo um mês se transar, u absurdo ele não ter falado isso, porque é super importante.

Uma coisa que me impressiona é como a maioria dos médicos são máquinas de emitir pedidos de exame. Eu tenho histórico de câncer de mama na família (minha avó morreu e minha mãe teve, mas se curou), e ainda assim só um médico fez exame de toque nos meus seios. A maioria pede ultrassom e papanicolau e está terminada a consulta.

Além disso, existem exames importantes que eles não pedem. Exames de sangue pra ver os níveis de hormônios, ou para detectar doenças sexualmente transmissíveis, se você não pedir, eles também nunca pedem...

Enfim, um horror! A gente tem que ficar ligada e perguntar tudo!

E outra: se o médico passar algum remédio, pergunte TUDO!!! Para que é, os efeitos colaterais, etc, etc... Não só para você se informar sobre algo que possivelmente vai tomar, mas também pra mostrar pro médico que eles não são deuses e que, não, não vamos seguir a risca o que ele falou só porque ele é médico.

Por fim, eu sempre chamo os médicos pelo primeiro nome. Me recuso a falar doutor!!!!

Lígia disse...

ah, sim, e uma coisa muito importante, que a anônimo das 12:40 falou...

o mais importante, que era perguntar o que você queria, ele não perguntou.

Não sou médica mas acredito que ouvir o paciente deveria ser uma das partes mais essenciais de uma consulta!!!!

Anônimo disse...

Nossa, bem tenso.
mas já passei por momentos meio ERM, não em ginecologista mas no pronto-socorro.
Fui pro medico com uma puta dor de garganta, ele me examinou, passou a prescrição de remedio e depois disse o seguinte:
olha, vou te falar uma coisa: você vai ser mãe um dia (oi?) e precisa começar a cuidar da sua saúde. Assim que você melhorar, procure um nutricionista para te orientar.

detalhe: estou com o peso normal, e, fora o problema na garganta naquele dia, não tenho nenhum NENHUM problema clinico, já fiz todos os exames e tou com a saude perfeita. Também não me alimento mal, mau como fast-food. Mas acho que ate os medicos tão achando que magreza quase anorexica e sinal de saude.

Anônimo disse...

Pela madrugada...

Estou atônito . Quem será esse fulano? Eu sou médico e , sinceramente, fiquei chocado com esse relato. Para começar, no meu consultório - e no ambulatório do SUS que eu atendo - os representantes de laboratório sempre são atendidos APÓS terminar a última consulta. Os pacientes são examinados com o maior respeito, jamais comento sobre política com os pacientes , e na maioria das vezes, prescrevo medicamentos gratuitos do programa da farmácia popular . Não há necessidade de medicamentos caros em um grande número de situações. O Conselho Federal de Medicina proíbe o vínculo entre médicos e farmácias ou laboratórios , então esses esquemas de porcentagens ou comissões sobre receitas são anti-éticos.

Paulo

Renata disse...

Ele já ouviu falar em consentimento livre e esclarecido?
Imagino como ele "faz" os partos: mutila a mulher com episio sem informar, senta em cima da barriga e bate na bunda do bebê quando nasce.
E claro, não esquece de dizer: para de gritar que pra fazer foi bom....

Antes de aceitar indicação de médico, eu pergunto logo quais são os critérios de quem indica: normalmente não bate com os meus.

Ginecologista que faz ultrassom no consultório é charlatão!
Em grávidas, vai achar mil e um deffeitos para agendar a cesárea de urgência. Claro que vai agendar a urgência para dois dias antes daquele feriado ou congresso.

Maria Fernanda Lamim disse...

ah, os médicos brasileiros...o que já quiseram me entupir de coisa desnecessária....não sei pq, mas todos querem me dar calmante. Já quiseram me dar calmante pra curar prisão de ventre (juro que não to brincando). Depois falam mal dos cubanos...
Agora, de vez em quando encontramos uma exceção. Meu obstetra (estou grávida de 35 semanas) e super pro parto normal e contra exames e medicação desnecessária. tenho amigas tb gestantes que tiveram que fazer muito mais exames que eu e tb uma que, assim como eu, teve insônia e síndrome das pernas inquietas (meio comum na gravidez). o médico dela receitou remédio pra dormir (eu jamais tomaria, mesmo não estando grávida, tenho horror disso). o meu receitou chá de folha de alface, rs. e funcionou lindamente! :)

Anônimo disse...

Uma vez levei minha filha num pediatra (maravilhoso) que quando viu os papeis do hospital onde minha filha nasceu (fora do Brasil) ficou bem chocado ao ver que o médico tinha receitado uma certa fórmula de uma marca específica (recomendação que eu ignorei pq somente amamentei). Ele me disse que no Brasil, o CFM considera anti- ético recomendar marcas específicas. Não sei se é caso de denunciar e tal, mas pelo menos é bom ficar esperto pq esse tipo de coisa, pelo menos formalmente, não deveria acontecer.

Anônimo disse...

O lance do anticoncepcional acaba comigo. Eu tomo pílula desde os 12 anos de idade (!!!) porque eu tinha um cisto bizarro que podia romper meu ovário e eu acabaria tendo que remover ele.

Eu praticamente NUNCA menstruei sem auxílio de hormônios sintéticos, e os ginecologistas não estão nem aí com meu incômodo por não saber como meu corpo funciona. Da última vez que falei com um médico ele só trocou minha pílula (por uma que me engordou, aliás) e fim de papo. Eu adoraria saber como é meu ciclo natural, mas sem hormônios simplesmente eu não menstruo. Eu nem mesmo sei se eu sou fértil, por exemplo.

Falando em representantes comerciais, eu faço um tratamento contínuo pelo resto da vida, pelo que não interessa, mas minha médica recebe visitas de representantes farmacêuticos sim. No fim ela testa as medicações, exclui as que não funcionam, e se puder ela dá várias caixas de amostra grátis pro paciente não precisar comprar nada. Ela sabe usar essas coisas "para o bem". Eu dificilmente saio de lá sem pelo menos metade do tratamento dado de graça.

Mas enfim, voltando: ginecologista é uma loucura porque eles realmente não querem saber se você quer entender como seu corpo funciona. O protagonismo fica com eles e acabou. E é tradição, né, a menina menstrua e a mãe já leva no médico. E nem sempre ele dá informação, às vezes ele só tira a autonomia da menina e pronto. É necessário medicalizar a mulher, parece. Homem não precisa ir ao urologista assim que o pintinho começa a criar vida.

Graciema disse...

Tem uma frase da Sonia Hirsch que acho fantástica: "A saúde é subversiva, porque não dá dinheiro pra ninguém"

Anônimo disse...

Ah sim! E eu também adoro menstruar! É a única coisa que parece que é normal em mim, que é a única coisa saudável! Eu adoro!

E TODOS os ginecos querem ou me dar pílula sem interrupção, ou métodos alternativos que inibem a menstruação forever and ever.

Eu não sou contra tomar remédio (eu faço um tratamento que me faz mandar pra dentro sete comprimidos ao dia), mas controlar o próprio ciclo é algo que me faz sentir melhor comigo mesma.

Raven~ disse...

Engraçado. Os médicos que eu frequento (tenho sorte pelo visto) praticamente não me receitam nada. E eu bem que queria que um anticoncepcional de uso contínuo funcionasse comigo. Tomo o lindao por um mês corrido e dá meio mês lá estou eu sangrando. Aff.. Huashua

Aninha disse...

Eu também gosto de menstruar e olha que de vez em quando até vem desconforto. Mas a sensação de que não estou grávida (apesar de tomar pílula e usar camisinha, o medo persiste) que vem junto com a menstruação é tudo de bom para mim.

A minha ginecologista é muito boa e atenciosa, mas passei por vários até encontrá-la.

Léty Hyuuga disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, gente, seria cômico se não fosse trágico. O cara "receitou" 15 coisas pra ela! 15 COISAS!
Gente, eu não teria a paciência que essa moça teve. Pra começar, detesto tomar remédios. Tomo a pílula anticoncepcional e faço a pausa, porque não menstruo por mais de dois dias e não é algo que me incomode, e também porque prefiro deixar a natureza seguir seu curso (sei que não faz mal tomar a pílula continuamente, mas prefiro fazer a pausa). Evito ao máximo tomar remédio, até aspirina só é usada em caso de extrema necessidade. Aí imagina um médico me receitar 15 coisas, a maioria delas não tendo nada a ver com o meu problema... ¬¬

Outra coisa que me chocou bastante foram as coisas que outras comentaristas contaram que aconteceu com elas. Como assim, se recusar a passar a medicação porque ela DEVE ENGRAVIDAR? Oi? Livre arbítrio, cadê? Ah, esqueci. Somos mulheres. Não temos direito ao livre arbítrio, ainda mais quando isso envolve nosso útero.

Uma banana pra esses médicos!

Fabiana disse...

Lola,

Dá uma olhada melhor no site desse link que vc compartilhou sobre a industria farmacêutica. O site é cheio de teorias da conspiração, tipo "ondas eletromagnéticas estão controlando o nosso cérebro"...

Caroles disse...

Credo, se eu fosse numx gineco que ficasse falando das minhas gordurinhas, estrias, enfim, ~defeitos~, eu não voltava nunca mais! Que é isso, o que eu mais amo na minha é que ela nunca comenta nada que não tenha a ver com "a área dela"... a não ser que eu pergunte, claro. Mas quem é que vai nx gineco pra emagrecer? Tratar espinha? Aff. Eles ganham um dinheirão indicando remédio, com certeza. E olha, do nada VÁRIAS amigas minhas começaram a tomar anti sem pausa. Não entendi pq, mas aparentemente é uma nova moda.

Anônimo disse...

Vou falar como uma pessoa que cresceu numa família e num ambiente cheio de médicos: eles se elitizam muito. Eles são os bons, os fodas, o mundo depende deles. Meu irmão é médico e saiu da faculdade com um voyage antigo. Em UM ANO atuando, já estava com um vectra (na época o vectra era ô carro).
A chegada dos médicos cubanos veio pra dar um tapa na cara desses médicos elitizados. Não concordo com a POLÍTICA que usaram para trazê-los, isso jamais. Mas o Brasil PRECISA SIM de médicos HUMANOS. Na minha cidade se você chega com forte dor de cabeça no hospital, eles mal olham na sua cara, e o médico receita dorflex, e caso piore, pede para procurar um neuro. O neuro só tem vaga para: se for pelo plano, pra setembro, se for particular, pra final de julho. Enquanto isso, foda-se os seus neurônios e suas meninges. Sua cabeça que se exploda.

E se eu ao menos menciono que o Brasil precisa sim de médicos, minha família quase me coloca num comboio direto pra Cuba. kkkkkkk

Uma prima médica alegou que já ofereceram oportunidade pra ela no Nordeste, 30mil. Ela não foi alegando que "lá não tem recurso, não tem aparelho de ultra-som, não tem isso, não tem aquilo".
Num lugar onde muitas pessoas morrem por uma mera falta de informação (exemplo ridículo: noções de higiene), acho que aparelho de ultra-som é o de menos.

Quanto aos medicamentos, havia um médico aqui muito bom, cardiologista, mas que foi perdendo aos poucos os pacientes por isto. Tinha que disputar vaga com: outros pacientes, representantes de laboratórios, e com políticos (pois o médico era candidato à prefeito). Veja bem a situação que chegamos.

Anônimo disse...

Eu sempre evito tomar remédio. Só tomo anticoncepcional pq eu gosto de saber exatamente o dia que vou menstruar (detesto surpresas vermelhas kkk) - Mas gente, esse médico é meio maluquete né?
A única coisa fora do padrão que minha médica já me falou, na minha primeira consulta, aos 16, é pq ela ficou impressionada de como meu cabelo era pretinho, eu falei q pintava, ela só SUGERIU q eu usasse apenas tonalizante, por ser nova e talz. Nada demais.
Mas se fosse o médico da leitora, eu iria sair de lá com cabelo tingido, luzes, mechas, baby liss, progressiva, etc.... kkk

Anônimo disse...

Esse tema é de extrema relevância, parabéns Lola pela coragem de tocar nesse assunto tão polêmico. A indústria médica/química/farmacêutica é uma das mais ricas e poderosas que existem. No Brasil existem mais farmácias que padarias. No mundo existem mais viciados em medicamentos do que em drogas. No brasil medicamentos são a principal causa de intoxicação em humanos. No mundo estima-se que o antiinflamatório Vioxx da Merck tenha matado mais de 60 mil pessoas. Acredito que a maioria dos médicos tenha laços financeiros com empresas farmacêticas. Muitos participam de jantares em restaurantes chiques pagos pela indústria, ganham ingressos para shows, viagens para o Havaí e outros lugares, hotéis de luxo, congressos organizados pelas empresas. Muitos políticos também são acionistas ou já trabalharam para os laboratórios. Muitos grupos que supostamente defendem os pacientes, na verdade são grupos de fachada que servem para fazer o marketing de doenças e promover o uso generalizado de drogas. Muitos sites que falam sobre saúde e medicamentos também são sites de fachada, para convencer as pessoas de que elas estão doentes e precisam de "tratamento". Eles usam critérios vagos, genéricos, subjetivos, comportamentos fora de contexto, para convencer as pessoas que elas estão doentes, se o paciente questiona eles dizem que é um processo de negação e que isso também é um sintoma da doença, os efeitos das drogas levam a novos diagnósticos e novos "tratamentos" , um problema acaba virando uma bola de neve. Se o paciente não quer tomar a droga eles dizem que isso também é um sintoma da doença e preconceito contra o "Remédio". Faz pouco tempo que o laboratório Eli Lilly se declarou culpado e pagou uma multa de mais de 1 bilhão e 400 milhões de dólares por fraude com um medicamento chamado Zyprexa. Não vejo esses problemas como casos isolados e sim como corrupção institucionalizada, fraude institucionalizada, formação de quadrilha, enfim uma verdadeira máfia. Se levarmos em conta que a maioria dos brasileiros são analfabetos funcionais e acreditam em qualquer coisa que passa na tv, ou em qualquer história contada pelo vizinho, ou em qualquer coisa falada pelo padre, pastor ou pelo sujeito de jaleco. Para quem tiver interesse indico um video chamado "Medicamentos letais e crime organizado" disponível no youtube. Esse video é uma palestra feita pelo Dr. Peter C. Gotzsche que é professor de medicina. Ass: Sandro

Anônimo disse...

Claro que não há como generalizar, mas, são poucas as pessoas que não possuem um fato de um péssimo atendimento médico para contar. Minha irmã precisou tomar um medicamento prescrito pelo médico e não foi informada que o mesmo interrompia os efeitos do anticoncepcional que ela usava, e o resultado foi uma gravidez indesejada.
Quando fui a um ginecologista (primeira consulta), ao final recebi um papel com o numero de telefone do médico, fiquei chocada, como foi minha primeira visita então imagine, sem conhecimento de nada, e muito nervosa. Nunca mais apareci lá, e joguei aquela merda de papel na primeira lixeira que encontrei.
C

André disse...

Eu tenho filho pequeno e já fui a dezenas de médicos, só uma foi nesse estilo. Acho que foi falta de sorte da autora.

Anônimo disse...

Deixa ver se entendi: ela foi no médico porque as miguxas disseram que era ótimo.
Ele a examinou, fez axames, prescreveu os tratamentos que achou necessários e ela ficou cheia de dúvidas.
Não esclareceu suas dúvidas com o médico.
Preferiu sair dali com elas e "esclarecer com o Google".
Encontrou as "respostas corretas" no Google (claro, o Google está sempre certo...) e ficou indignada com o médico.
E o médico é ruim???
Ah, faça-me o favor.
Sugestão: na próxima vez não vá ao médico. Vá ao Google.

Nadia disse...

Uma vez, conversando com um médico recém formado, eu contei que era difícil achar médico "bom" (ou seja, aquele que vai falar da sua saúde, seus hábitos, suas tendências etc.) e citei um caso de um gastro que me passou remédio na primeira consulta, nem falou para q servia, e ainda deu um cartão do laboratório. Aí eu saí e joguei no lixo a receita. Nem lembro o que era. Claro q não me fez falta nenhuma. Alias, eu dificilmente tomo os remédios direitinhos.. eu faço uma pesquisa pesada antes de decidir. O rapaz me respondeu que ele era clínico geral e que a maioria das pessoas vai numa consulta e acha que o médico é ruim se não sair com remédio. E eu até acredito nele. Mas acontece que seria justamente o papel deles 'desmistificar' o uso dos remédios. E a pessoa já se forma com essa mentalidade, o que é triste.

O que aprendi é que devemos ser conscientes do nosso corpo e nossa saúde. Se o médico quiser dar um remédio pesado, muitos remédios ou então não deixar claro o que aquele remédio vai fazer no seu organismo, acho que temos que desconfiar sim, pesquisar bastante (pq mesmo tendo mitos na pesquisa via google, a mesma informação em vários lugares é mais confiável do que um médico destes).

Nadia disse...

A! Eu parei de tomar anticoncepcional por conta própria. Depois perguntei à médica. Ela não se opôs. Só perguntou por quê e blz.

Nunca tive muita TPM, mas sinto que meu corpo está mais "limpo" e por isso não tenho sintomas desagradáveis da menstruação.

Quanto à questão do uso contínuo, eu acho que seria muito pesado nunca parar, mas sei que muitas mulheres sofrem com menstruação, então poderia ser uma boa alternativa.

Anônimo disse...

Caramba gente, já fui em duas ginecologistas, não gostei do atendimento nem do jeito de nenhuma delas (provavelmente o problema sou eu mesma, não elas, já que eu odeio ir a médicos) e ambas me receitaram pílula pra cuidar de ovários micropolicisticos. Eu não tomo porque não gosto da obrigação de tomar todo dia e também pq nunca lembro... MAS nenhuma delas me avisou que se eu tomasse continuamente eu não menstruaria. Sério, eu nunca imaginei que eu pudesse escolher se isso aconteceria ou nao!!! To me sentindo uma deusa no controle do meu corpo agora hahaha
Mas não sei se vou tomar continuamente ou não, o único problema do meu ciclo é a completa imprevisibilidade: as vezes dura 20 dias, as vezes 30, as vezes 40, 50 e vai e volta várias vezes....
Obrigada pelo alerta, meninas!

Anônimo disse...

Seguinte
1) Teu ginecologista é um vendido da indústria farmacêutica
2) Deve ganhar muita grana com isso, basicamente, enganando pessoas sem muito discernimento. Comum, mas não são todos nem a maioria
3) A maioria dos médicos colegas DETESTAM essa estirpe de vendido, tu não é a única ;)
4) Gente, pelamor, maioria da classe médica tem essa de convencer as pessoas a ser contra o PT. Isso é óbvio! Dona Dilma judiou da classe!!!
5) Ninguém tem que ficar brabo com médico querendo convencer a votar contra o PT. Se o atendimento for bom, é claro!
6) Ninguém tem que achar esse cara antiético bom. Pessoas antiéticas e sem crítica acham esse tipo de médico bom. Bom que tu não seja assim.
7) Procura outro/a gineco, tem muita gente boa por aí!
bjs

Anônimo disse...

Eu tenho duas medicações que tomo sem perspectiva de parar e anticoncepcional. Quando a cabeça dói, um analgésico; quando tenho uma gripe uso descongestionante SÓ À NOITE pra poder dormir em paz. Mais nada. E uma porrada dessas coisas que o médico do post recomendou eu acho pura e simples frescura. Então, se esse médico dependesse de eu comprar medicamentos pra pagar a viagem de férias e o carro novo a cada ano, ia ter é um baita dum preju. Também não fico com médico que não me trata direito ou não me explico as coisas. Fez besteira, dançou. Vou pra outro que tenha um mínimo de respeito por mim.

Ah, e só pra terminar, acho absurdo essa gente recusar dar o tratamento pra uma mulher e mandar engravidar em vez disso. Oi? Criança por algum acaso é remédio? Você tem e toma umas doses por dia, depois guarda na caixa até precisar de novo? E eu que pensei que fosse um outro ser humano que depende totalmente de um adulto e exige muito cuidado e responsabilidade. Alguma dúvida de que pra essa sociedade estúpida que temos criança é objeto, utilidade, e não filho? Por isso esses imbecis que se dizem tão esclarecidos tem filho sem pensar e depois jogam pra escola, babá ou avó cuidar quando descobrem que a coisa não era bem assim....

Anônimo disse...

Agora, antes de chamar atenção da classe médica (esse tipo de médico não tem muita moral entre os colegas mesmo, só com paciente iludido), temos que fazer mais alvoroço com a industria farmacêutica. Esse pessoal é muito sacana! Faz pesquisa a torto e direito e nem se importa com as consequencias.
Me lembro que muitas das pesquisas farmacêuticas são feitas na Africa e Asia (parte pobre), com pessoas sem muita noção dos seus direitos.
O segredo é denunciar esse tipo de coisa!

Anônimo disse...

Eu já trabalhei em clínica e vi muito disso, os representantes comerciais são mais bem tratados que os pacientes e o remédios passados sempre são caros e a receita vem com um cartãozinho da farmácia grampeado.

Não sei se foi por essa experiência ou se é porque sou homem, o fato é que enquanto um pedaço do meu corpo não cair eu prefiro não ir ao hospital

Anônimo disse...

Gente, que absurdo! E como muitas já comentaram tb acho que a moça do post possa ter feito uma cauterização desnecessária... há um tempo atrás em um exame de rotina tb fui diagnosticada com uma lesão(ferida) no colo do útero, a médica que eu fui na época fez um terrorismo enoorme sobre aquilo, me disse que teria que cauterizar o quanto antes, mas isso sem nem ao menos me explicar ao certo o que estava acontecendo, eu ali fazendo mil perguntas e ela só me dava respostas vagas, e ficava me falando sobre quanto custaria, já que o meu plano não cobria esse tipo de procedimento... saí do consultório assustada, e pensando em como arrumaria o dinheiro, querendo acabar logo com a situação. Ao retornar ao consultório para fazer um outro exame que ela disse que deveria ser feito antes da cauterização, ela ficou comentando sobre um pequeno sinal que eu tenho na virilha e que se eu quisesse poderia retirá-lo no mesmo dia em que fosse fazer a cauterização, já foi me dizendo o preço, sendo que este sinal é quase imperceptível e nunca me incomodou em nada. Enfim, diante de tudo isso, me senti incomodada com o procedimento adotado por ela e resolvi procurar outro médico... este outro médico me disse que considerava a cauterização desnecessária a principio, que o procedimento padrão nestes casos é esperar de um a dois anos, fazendo o exame preventivo com mais frequencia e ir controlando, pois as chances de que a lesão regredisse por conta própria eram muito grandes. Pois bem, alguns meses dps refiz o papanicolau e deu tudo bem, a lesão havia regredido. Nem preciso dizer que nunca mais voltei na outra médica!

Anônimo disse...

Ô consulta maravilhosa! Plano ou particular? Saiu com duas ultrassonografias (transvaginal e de mama!), uma cauterização sem nem resultado de preventivo ou menção à colposcopia, tratamentos para acne, perda de peso...

Ou ele é MUITO picareta, e a INTERRUPÇÃO da consulta por um representante de laboratório deveria ter sido pelo menos um alerta, ou essa consulta é fictícia.

pp disse...

Achar um bom ginecologista exige persistência! A minha eu achei depois de várias tentativas, e agora não largo mais!

Já caí nessa de indicação desnecessária de tratamento. Eu fazia pilates com uma fisioterapeuta que um dia falou que meu joelho estalou e aquilo podia ser seríssimo, que eu tinha de ir urgente a um médico, e me falou qual. Acabei indo em outro, que disse não ter como uma fisioterapeuta achar que tinha algo errado com meu joelho, muito menos uma coisa grave. Depois disso fui saber que ela e o médico que ela tinha me indicado tinham um acordo de um encaminhar pacientes para o outro.

Claro que tem muitos profissionais bons por aí, mas temos de ficar espertos.

Jhohann Benzi disse...

Sou farmacêutico e está em nosso código de ética não associar medicina com a prática farmacêutica, ou seja, do ponto de vista ético, a prática de direcionar o paciente à alguma farmácia (verbalmente, ou pior ainda, com cartão) é proibido!

Mude seu ginecologista. Meloxicam é um antiinflamatório potente receitado em casos especiais.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

No capitalismo até a tal ética profissional foi pelo ralo.
Mas o relato foi engraçado. Pena que tem gente que vai na onda desse péssimo tipo de profissional.

Marussia de Andrade Guedes disse...

Realmente toda a consulta foi um absurdo mas o que mas me chamou a atenção foi a atitude de criticar o governo. Há muito tempo venho percebendo o ódio que a classe médica tem do PT o qual aumentou depois do mais médicos . Agora, em véspera de eleição virou uma histeria coletiva. Os médicos passam o dia trocando calúnias e comentários preconceituosos sobre o Lula e a DIlma. E eu que sou médica afirmo que a classe nunca esteve tão bem . Viraram sacoleiros de Miami, viajam duas ou três vezes pro exterior , compram apartamentos na Beira mar... Mesmo assim odeiam o governo. Eles odeiam pagar impostos pra o governo dar esmola "pros vagabundos deste país ". Eles odeiam as cotas pois seus filhos tem que dividir as vagas das universidades federais com os " que querem passar sem esforço ". Em fim, Usam os argumentos de mais baixo nível pra criticar o governo. A Marilena Chauí os definiria como classe média (eles são classe alta!) e eles são exatamente como ela define essa classe: "uma abominação ética pois é violenta, uma abominação política pois ignorante e uma abominação cognitiva pois é burra". Por isso acho que nós da esquerda devemos começar a nos preocupar com essa eleição pois , a julgar pelo ódio que a classe médica destina ao PT , e a classe médica representa a " elite" desse país, vem chumbo grosso por aí . Como disse o Lula: " essa eleição vai ser da elite contra o povo".

Sara disse...

Ninguem consegue agradar todo o mundo, se o médico era bom p as amigas, não foi p vc.
Eu demorei muito até achar um médico em quem confiasse.
Sempre achei q com uma médica me sentiria melhor (e tb achava q elas seriam mais capazes).
Masss parece q todas as mulheres pensam assim, e os consultórios de médicas ginecologistas estão sempre lotados, eu não posso perder muito tempo por causa de uma consulta, e mesmo qdo eu esperava, qdo chegava a minha vez a pobre da médica já estava tão cansada q pouca atenção dava aos meus problemas, e muitas vezes nem era examinada.
Isso resultou em um polipo no útero, q por ter crescido demais eu precisei de internação e cirurgia (nessa cirurgia uma enfermeira não muito capaz, me deu um medicamento na veia e pegou um dos tendões na minha mão, fiquei com a mão inutilizada por um bom tempo), depois dessas experiências traumáticas resolvi abrir o leque, e procurar médicos, até q achei esse, q é meu ginecologista até hje e das minhas filhas tb, ele é atencioso, informado, muito capaz, e de lambuja faz tratamentos estéticos tb, q eu gosto muito.
Agora concordo com anon 18.03hs procurar no google nem sempre é o melhor a se fazer.

Cética disse...

A minha gineco já trocou meu anti várias vezes,e sempre pra marcas da moda ( nunca solicitou um exame pra saber qual o melhor pra mim,vai na tentativa e erro),fora as indiretas de que já tá na hora de engravidar, que inclusive é bom,diminui as chances de ter câncer de mama (achei um belo argumento pra tentar convencer/aterrorizar? uma mulher decidida a não ter filhos)

Aline disse...

Nossa...
Tô chocada com tamanho absurdo e com tantos relatos ruins aqui. Meu ginecologista (também homem) é ótimo. Foi obstetra da minha mãe quando ela engravidou de mim e fez todo o pré-natal, então já é um senhorzinho. Super tranquilo, super respeitoso (no exame papanicolau ele avisa a cada movimento "vou passar isso aqui", mostrando o instrumento, diz se vai arder, se vai incomodar, tem o maior cuidado). Nunca meteu o bedelho no fato de eu estar em idade fértil mas não ter interesse em engravidar atualmente. Eu já tomava anticoncepcional continuamente, vindo de outra médica, porque tinha problemas sérios com meu fluxo menstrual e a dosagem hormonal da pílula melhorava (parei recentemente). Nunca me passou nenhuma medicação pra nada que eu não dissesse incomodar, e dificilmente saio de lá com receitas com mais de um remédio. Já fiz ultrassons, pago por elas e as recebo direitinho em mãos, podendo mostrar pra outro médico se quiser.

Fico triste de ver que parece que não é a regra ser bem atendida pela classe médica. Trabalho em um hospital público voluntariamente e os pacientes chegam lá nos tratando cheios de dedos, com medo de ser mal tratados e se sentindo muito felizes quando os tratamos bem, da forma que é devida. Lá inclusive se impediu recentemente a propaganda de representantes de remédios.

Marcia Alvim disse...

Olá, Lola !!!
Lamento meu pouco tempo; mãe doente. Obrigada por textos maravilhosos. Um documentário IMPERDÍVEL sobre o tema pode ser visto no You Tube: " Big Farma Big Lucros pt 1-6 " / 6 partes
Abraços,
Marcia Alvim.

Rahyssa Marques disse...

Eu sou academica do 5º ano de medicina, ou seja, me formo ano que vem e, por coincidencia, pretendo fazer especializaçào em ginecologia e obstetrícia justamente porque é uma das especialidades que mais lida com SAÚDE, seja acompanhando as mulheres, seja nos partos...
Dá até vergonha de comentar em um post assim, mas senti necessidade de falar pra vocês que nem tudo está perdido. Na verdade, acho que as pessoas devem estar se perdendo no caminho, porque pelo menos na minha universidade (UEPA - estadual do Pará), nós temos inclusive disciplinas pra ajudar a entender melhor a humanização, tipo Psicologia Médica, Sociologia Médica...
Mas é claro que temos exemplos de acadêmicos que entraram em medicina pra ganhar dinheiro, abrir uma franquia do mc donalds no interior e ser rico (juro, não to inventando)...
Mas nao tem jeito, se entrou na medicina com o objetivo de ganhar dinheiro, vai dar merda que nem nesse exemplo do post.

Maria Valéria disse...

Passando rapidinho e resumindo a minha opinião sobre o post e os comentários que li :

1- Esse GO cometeu varias infrações éticas e pode ser denunciando ao CRM. ponto final.

2 - Nao concordo com quem comentou sobre a prima medica nao aceitar trabalhar no nordeste por salário de 30 mil. Ninguém e obrigado a ir morar e trabalhar onde nao quer.salário, dinheiro, nao e tudo na vida.

3 - discordo em parte sobre quem comentou do médico que receitou algo que cortava o efeito do anticoncepcional.
Me desculpem, mas a responsabilidade maior nesse caso é de quem prescreve o anticoncepcional. Eu , quando atendia GO, e prescrevia,avisava : os medicamentos que mais interferem são : antibióticos, anticonvulsivos, barbitúricos. E orientava as pacientes a relatarem pra qualquer medico TODAS as medicações que tomavam, e perguntar duvidas sobre interações medicamentosas.
Claro que quem prescreve um antibiótico, anticonvulsivo , tambem tem obrigação de perguntar, mas acho absurdo o GO nao informar destes riscos e interações....

Abraços,:)

Maria Valéria disse...

Respondendo ao colega medico, Paulo : atendo numa UBS , em Campinas, e ao contrario da onde você trabalha,somos proibidos de receber representantes de laboratório.
Pelos motivos :
1- se a " amostra grátis " que eu der pra algum paciente der reação adversa , e o paciente quiser me processar, a prefeitura nao me da respaldo legal nenhum. Eu que usasse os medicamentos disponíveis do laboratório da prefeitura de Campinas, que se responsabiliza comigo se der algum problema.Ja, se eu quiser assumir o risco sozinha, de dar remédio grátis que nao e padronizado aqui , problema meu( . Diferente se o paciente comprar por conta própria algo que nao tenha aqui e eu ache mais indicado pra tratar )
2- normalmente, as " amostras grátis " acabam, e o paciente nao tem dinheiro pra continuar comprando o remédio , estraga todo o tratamento.aqui em Campinas, pelo menos no posto onde trabalho , considera - se um equívoco inadmissível começar tratamento dando " amostras grátis " ...os meus pacientes dependem quase completamente do SUS e nao tem condições de comprar remédios de uso continuo,

Essa a orientação do posto onde atendo,nao posso dizer se em todos os postos de Campinas funciona assim,



Jéssica disse...

Eu peguei trauma de ginecologista...

Tenho vaginismo, a gineco perguntou se eu tinha vida sexual ativa e eu respondi que sim, mesmo que sem penetração. Ok, ela foi fazer o Papanicolau e começou a puxar minha vagina para os lados falando "Olha como ela estica! Você não tem vaginismo não, se não não entraria nem um dedo!", enquanto isso eu CHORAVA de dor (detalhe: pratico artes marciais violentas e já tomei muito golpe forte sem lacrimejar, então sim, foi uma dor do inferno). Afinal, parece que um homem poder me penetrar importa muito mais do que eu sentir dor! E pqp, uma gineco que não sabe que existem graus de vaginismo?

Em breve terei uma consulta ginecológica anual novamente e sinceramente não sei se eu minto que não tenho vida sexual ativa, ou se falo a verdade de novo. Definitivamente não quero mais nenhuma louca tentando me provar que não tenho vaginismo.

Anônimo disse...

Credo, Jéssica!!

Eu dava um tapa na mão dessa médica!!

Jéssica disse...

Olá anon das 23:59, espero que você saiba que seu comentário é idêntico a culpar a vítima. E não, duvido muito que você deicidiria fazer um escândalo após ser pega de surpresa em uma situação de violência e desrespeito em um ambiente pouco humano.

Anônimo disse...

Que n00b esse cara, se ele fosse bom mesmo, prescrevia um calmante e um antidepressivo junto.

Mente sã, corpo são.

Marcos Godoi disse...

Maria Valéria, falando assim até parece que algum CRM vai condenar um médico por esse tipo de conduta...

Anônimo disse...

Eu queria entender por que GOs são a classe médica com mais idiotas por número de profissionais.

Ah..é... claro, "tinha esquecido" - nós mulheres precisamos que terceiros nos instruam sobre nossos órgãos reprodutivos - somos muito burras e volúveis, se eles não tiverem "pulso firme" com a gente, vamos fazer merda...

Eu nunca fui tratada como imbecil por ortopedistas, fisioterapeutas, dentistas, clínicos gerais, dermatologistas ou psiquiatras (são as classes médicas que eu frequentei/frequento) mas por ginecologistas...
Há alguns anos atrás eu pedi para o sr. Dr. informação sobre o SIU Mirena - veja eu pedi INFORMAÇÕES - o cara me respondeu que não aplica anticoncepcionais de longa duração em mulheres jovens pois em 1 ano elas voltam chorando pra tirar por que querem engravidar.
Saí de lá sem saber mais sobre o método, mas sabendo que em 1 ano querer engravidar (isso foi em meados de 2005, em 2014 eu continuo sem querer engravidar).

Eu ia perguntar sobre a possibilidade de denunciar esse tipo de comportamento relatado nos post para o CRM, mas a Maria Valéria já respondeu.

Acho que vale a dica!!!


Jane Doe

Raven~ disse...

André, vc tb é um sortudo. Tb tenho filho pequeno e tb já fui a dezenas de médicos. E em cada um era um diagnóstico diferente.

Anônimo disse...

Na prática essa coisa de escolher médico é mesmo complicada. O negócio é ir em vários, e quando encontrar aquele que o santo bate, não largar mais.

André disse...

Raven~,

Mais ou menos, eu já passei por muito médico que eu considerei incompetente, mas só um praticante da empurroterapia de remédios.

Silvio Cunha Pereira disse...

Feliz Aniversário Lolinha. Te amo muito.

Maria Valéria disse...

"Maria Valéria, falando assim até parece que algum CRM vai condenar um médico por esse tipo de conduta..."

Se você nao acredita, sugiro que acesse o jornal do CRM deste mês e veja quantas condenações foram publicadas. Alias, as condenações públicas que aparecem no jornal do CRM tambem são publicadas no diário oficial e jornais de grande circulação.

Um abraço :)

Anônimo disse...

Pode isso, Arnaldo?!

https://br.financas.yahoo.com/noticias/pol%C3%ADcia-militar-abre-inscri%C3%A7%C3%B5es-concurso-121500750.html

Concurso público da PM. Do total das vagas, 5.400 serão para homens e 600 destinadas às mulheres.

Joyce Oliveira disse...

Eu já tive problemas parecidos com o do post, com uma ginecologista super famosa e badalada aqui na minha cidade.
Sou depressiva, e quando comecei a terapia, a psicóloga solicitou que eu fizesse alguns exames hormonais para saber exatamente em que ela poderia me ajudar. Aproveitei a consulta para ver com a ginecologista sobre um excesso de pêlos que tenho no corpo e me incomoda um pouco, além de dores fortes na menstruação.
A médica já foi me dizendo que o problema dos pêlos resolveria fazendo depilação a laser, e que ela tinha esse serviço na clínica, se eu quisesse. Receitou um sabonete pra "lavar a sua vagininha", com o cartão da farmácia de manipulação que fazia grampeado. Pras dores, ela me receitou anticoncepcional de uso contínuo, mesmo eu dizendo que não me dou bem com anti, sempre me dá muitas dores e faz um mal danado. Ainda fez pouco da solicitação da psicóloga: disse que se eu tinha qualquer problema com depressão que me indicava um psiquiatra que passaria um remédinho e tudo ficaria bom de novo. Não voltei mais lá.

Maria Valéria disse...

Nossa, eu nunca tive problema serio com GO, mas confesso que com a primeira que passei sai um pouco decepcionada, esperava mais.
A primeira vez que pedi anticoncepcional oral, ok, a GO( super famosa e badalada tambem ) me passou um que foi ótimo - .porem, ela nao me orientou sobre interação medicamentosa com antibiótico, sobre o perigo de falhar se eu tivesse diarreia ou vomito ou se tomasse no horário errado. Tudo isso eu descobri lendo a bula sozinha.
Tudo bem que eu havia acabado de me formar em medicina, mas acho que isso nao era desculpa pra ela nao ter explicado melhor.
Hoje, tenho uma GO ótima aqui em Campinas, formada na mesma faculdade que eu uns seis anos antes, amiga de uma amiga minha,
Ela explica tudo , faz tudo. Deixa você super a vontade e tira todas as suas duvidas,
E nao e porque sou medica ou amiga de amiga dela , ela ja atendeu outras pessoas que conheço e todas amaram!!!
Se um dia alguém quiser indicação de campinas, me avisa,:)

Anônimo disse...

quanto exagero ! se não gostou do médico era só se levantar e ir embora.
não é necessário um drama a isso.

Anônimo disse...

Uma vez minha irmã foi em um neurologista e ele falou pra ela "Vc tem um pézinho na senzala" "Vc é descendente de africanos" "Posso ver isso nos seus olhos" . Nessa época eu estava lendo um livro chamado "Os Homens por Detrás de Hitler" de Bernhard Schreiber, ai pensei caramba esse cara é um eugenista. Ai eu falei pra ela não voltar mais nele, sei lá vai que ele acha que ela não é de uma "raça pura" e que ela não é digna de viver, e que ele resolve dar uma overdose nela. Falando em casos bizarros, uma amiga da minha irmã tava com dor de cabeça e foi em outro neuro, ai ele falou que a dor de cabeça era causada por um excesso de sangue na cabeça, e que o "tratamento" era doar sangue rsrsrsrsrs. Nossa, toda vez que lembro disso começo rir sozinho rsrs ASS: Sandro

Anônimo disse...

Nossa, eu também já passei por isso! No meu caso a ginecologista viu minhas gorduras e fez a mesma pergunta. Aí eu contei que fazia um tratamento com um endocrinologista, que não queria um medicamento que entrasse em conflito com a "filosofia" dele. Então a Dra me falou assim: Há sei não, fazendo tratamento com esse médico você vai emagrecer nunca! Achei muito antiético. Bem no final não tomei nenhum remédio que ele me passou e procurei outra ginecologista que me passou 1/10 de remédio que a outra tinha passado.

Kittsu disse...

Uma vez numa consulta um médico disse que quem tem febre tem que beber muita água porque a febre sai pelo xixi. E ele não estava de brincadeira.

Raven~ disse...

O duro gente, é quando o "tratamento" ultrapassa a esfera do engraçado. Morreu a concunhada de uma amiga. De gripe. Acharam que era pneumonia. Trataram. Errado. Ai viram que era h1n1. Trataram. Ai disseram que era pneumonia de novo. Cortaram o tamiflu. Quando voltaram pro tamiflu ela já tinha sofrido um aborto e tava em coma. Não deu pra fazer mais nada.

Ana Carolina disse...

Mas essa da febre sair no xixi eu faço e adoto: quando estou resfriada me encho de água e acaba ajudando a passar.

E o caso que tenho pra contar é o extremo oposto do blog.
Minha mãe (professora doutora de universidade federal, ou seja, uma pessoa esclarecida) teve um caroço nascido perto da região anal e como não passava nunca, foi ao médico proctologista ver o que era. O médico disse que era um negocinho que ele tiraria se ela aparecesse no hospital no dia tal em jejum.

Ela achou que fosse uma coisa simples já que o médico não disse nada (e apesar do nosso dever do paciente de perguntar, o médico deveria explicar as coisas tintim por tintim). Chegando lá, ela descobriu que teria de ficar internada dois dias pois sofreria uma cirurgia para remoção de um cisto (apesar de que o médico nunca usou a palavra "cisto", descobrimos o que era por meio do dr. Google e porque um conhecido tinha tido algo semelhante algum tempo antes e associei os sintomas e tratamento).

Ok, foi a cirurgia, tirou o cisto e assim que a anestesia passou, o médico foi ver minha mãe no quarto (isso já eram umas 18h) e deu para ela alta para o dia seguinte para não precisar passar lá de novo. Ou seja, se minha mãe passasse mal de noite azar o dela, né? Se acontecesse alguma coisa o problema era todo dela, né?

Aí beleza, teve alta, voltou pra casa, mas começou a passar muito mal. Problema: ela tomou ráqui... e ela não pode tomar ráqui. E ela passou duas semanas de cama, completamente imóvel, até melhorar. E o anestesista só fez uma visita domiciliar depois que minha tia, que na época trabalhava no plano de saúde, ligou para ele o ameaçando se não desse assistência à minha mãe.

Insisti para que ela denunciasse o médico ao CRM porque isso não se faz, não explicou NADA para ela e as coisas poderiam ter acabado muito mal por causa da anestesia. Ela não quis denunciar, porque "cidade pequena, prefiro evitar o escândalo". No máximo, quando foi fazer a perícia por causa da licença médica, xingou muito o médico para os peritos. E aí as cosias seguem, o médico fazendo barbaridades e ninguém denunciando "porque não"...

José Eduardo disse...

Realmente a gente precisa ficar atento. Tive muitos problemas com urologistas. Só pra ter uma ideia um o penúltimo que me atendeu não queria me passar um teste de HIV. Mesmo eu dizendo que tinha transado sem camisinha durante o namoro (o que era uma mentira) aí quando eu disse que o namoro acabou por traição foi que ele se convenceu.

Eu precisei ter uma crise renal no meio da madrugada pra encontrar um urologista que me trata bem. O único problema é que consulta com ele só marcando com uns 3 meses de antecedência.

Tenho uma saúde meio fuleca e posso dizer: quem não tem conhecimento sofre! Como todo remédio que eu tomo eu decoro a composição e a bula eu discuto de frente com o médico. Se eu sentir que ele tá fazendo besteira eu procuro outro. E SIM VAI NO GOOGLE!!!

Não pode é deixar de ir noutro médico depois!

OBS:

Um anônimo reclamou sobre a garganta e o médico mandar cuidar da alimentação. É um sintoma comum de anemia e de outros problemas ter crises de garganta. Até refluxo dá infecção na garganta!

A bronca é que o médico junta judo num angu e não explica nada direito!

Anônimo disse...

Jessica, como assim meu comentário é identico a culpar a vítima?

Simplesmente fiquei horrorizada com o seu relato da médica "esticando" a sua vagina enquanto vc chorava de dor!!

Veja bem, horrorizada com a médica , não com vc...

Chega a ser bizarro! E sim , eu faria um escandalo e levantaria, está doendo !!

Lia disse...

Oi eu agora tenho a sorte de estar indo numa ginecologista seria e que me respeita. Ela me deu um tratamento alternativo homeopático para poliquistos (curei) porque eu disse que nao queria usar pílulas. Só isso.
Mas demorou para acha-lá todos os outros ginecologistas anteriores que foram (deixem-me fazer as contas) uns 5 ou 6 TODOS ELES ABSOLUTAMENTE TODOS queriam porque queriam que eu usasse anticoncepcional, na epoca eu estava perfeita nao tinha poliquistos menstruação normal e regular, nao tinha namorado sempre uso camisinha nas poucas vezes que rola alguma coisa, e nem posso usar pílula por causa do colesterol, e eu dizia "mas é o colesterol?" Bobagem... Respondiam, "bobagem?" Gritava o meu cardiologista, esses ginecologistas estao é querendo empurrar pílulas, sempre! Podem ver? Eles nem nos escutam.

Lia disse...

Ah ZRS, comigo aconteceu uma coisa parecida. Quando tinha 33 anos numa consulta cardiológica a medica ficou perguntando quando eu ia ter filhos. Para ser educada falei que nao tinha namorado, entao me disse "agarre o primeiro!!! " entao falei "mas nao quero filhos, além do mais como a senhora sabe tenho uma insuficiência cardíaca.... Ou seja que a senhora deveria ate ficar aliviada de eu nao engravidar" ela me olhou e disse "eu tenho que aprender a aceitar o diferente, mas nao entendo como uma mulher nao quer...... Assumir o seu papel"
,!!!!

Anônimo disse...

Caramba, Zrs. Assustador!

Anônimo disse...

Tenho uma coleção de eventos bizarros com GOs mulheres (dei azar, mas jamais passarei com outra novamente). O meu atual é bem bacana, não me enche pra ter filhos (tenho 37 e não quero) e sempre ajusta a pílula conforme minha necessidade no momento. Antes dele tinha passado por um velho doido que achava um absurdo eu não usar saia e trabalhar 12 horas, porque mulher não foi feita pra isso (!) mas a pior de todas foi em uma consulta no SUS quando tinha uns 18 anos e descobri lendo a bula do antibiótico que ele cortava o efeito da pílula e fiquei apavorada. Procurei o médico procurando uma orientação, o q devia fazer e ele, junto com a leão-de-chacará da enfermeira, aos berros, me disse que ali eles não faziam aborto, pra eu sair imediatamente. Ele não ouviu uma palavra do que eu disse e eu não estava grávida, estava querendo evitar justamente isso. Lembro até hoje da cara odiosa daquele verme. Espero que tenha morrido agonizando.

Anônimo disse...

Anticoncepcionais são receitados para preservar a capacidade reprodutiva feminina. Como TODOS os medicamentos eles tem algum efeito..

Anônimo disse...

Nunca passei por uma situação com o grau de bizarrice da autora do guest post, mas ela reúne elementos que já aconteceram em consultas médicas que já fui. Muitos médicos tem vínculos com farmácias (ou com óticas, no caso dos oftalmologistas) e encaminham os pacientes para comprar nestes lugares, já aconteceu comigo algumas vezes quando mais nova, depois reparei que estava sendo lesada de alguma maneira, e não aceito mais indicações. Outro hábito irritante de muitos/as médicos/as é receitar remédios super caros, mesmo tendo opções mais baratas (mesmo quando elxs não indicam a farmácia). Acho que na cabeça desse povo, todo mundo tem dinheiro. E já ficaram putos comigo várias vezes quando eu perguntava se não havia versões mais baratas, genéricas ou não, ou se as medicações estavam na lista da farmácia popular. Comportamento ridículo esse.
Quanto ao lobby dos laboratórios, a coisa é de vulto, e séria. Já estive em palestras, que, teoricamente eram pra discutir uma doença (uma delas sobre transtorno afetivo bipolar) e, ao longo da explanação, percebi que era uma propaganda do remédio que o laboratório queria que os médicos passassem a receitar para os pacientes (Seroquel em vez do Lítio, que é mais utilizado)! Afora os agradinhos que a galera das maletinhas faz aos médicos para que eles passem a receitar os remédios de algum laboratório.

Ma.

Anônimo disse...

Quanto ao Meloxican: sim, é um remédio pra artitre reumatóide... Ms é porque é um antinflamatório muito forte. Antes de começar a tomar anticoncepcional eu tinha que tomar meloxican 2 dias antes da menstruação pra não morrer de dor. Enfim, é pra quem sente cólicas terríveis mesmo.

Anônimo disse...

uma das questões que me chamou a atenção (também), foi o fato desses representantes de laboratórios invadirem os consultórios, na sua vez da consulta, não pedem licença e tomam um bom tempo da sua consulta. É irritante! Tem alguma lei que proteja o paciente sobre esses abusos?

Anônimo disse...

É um abuso