sábado, 3 de maio de 2014

GUEST POST: HOMENS, APRENDAM A RESPEITAR

Débora tem 22 anos, é secretária em SP, e me enviou seu relato:

Embora eu me considere feminista desde pequena, sou uma feminista em formação, e foi em busca de matérias sobre esse assunto que acabei caindo no seu blog. Portanto, gostaria de parabenizar não só você mas também todas as leitoras e leitores que ajudam a transformar esse blog numa importante ferramenta de aprendizado para aqueles que como eu querem se aprofundar no tema do feminismo.
Ano passado saiu o resultado de uma pesquisa elaborada pelo site Think Olga, como parte da Chega de Fiu-Fiu, uma campanha contra o assédio sexual em espaços públicos (o site acabou de lançar um mapa de locais perigosos). Os resultados infelizmente não foram uma surpresa: das 7762 participantes, 99,6% delas afirmaram que já foram assediadas. E 83% afirmaram que cantada não é algo legal.
O que me deixou revoltada é que SEMPRE tem alguém disposto a defender esses caras. Alguns homens afirmam que mulher gosta sim de receber esse tipo de “atenção”, e algumas (poucas) mulheres até confirmam.
Como números parecem não ser suficientes para conscientizar algumas pessoas desse mal que nós mulheres somos obrigadas a enfrentar dia após dia, vou relatar alguns casos de assédio que já sofri. Para mim, forçar uma mulher a toda uma situação de desconforto com um comentário de baixo calão vindo de um homem que ela nunca viu é abuso.
Já fui assediada diversas vezes, mas quatro delas ficaram pra sempre na minha memória. A primeira foi quando tinha 11 anos: eu estava voltando pra casa após comprar pão de manhã e um homem por volta dos seus 40 anos fez questão de atravessar a rua, chegar bem perto de mim, me olhar de cima a baixo e me chamar de gostosa. Eu entrei em pânico e sai correndo de volta pra padaria.
Numa outra ocasião, eu estava voltando para casa com a minha mãe. Já era noite, eu estava de moletom e gorro, e ainda sim um grupo de homens que passava de carro se achou no direito de gritar delícia. Eu e minha mãe ficamos com muita vergonha por termos sido igualadas a um pedaço de carne. Continuamos nosso trajeto, quietas, caladas.
Certa vez estava andando na rua e um carro passou por mim. Seu motorista fez questão de dar a volta na quadra, reduzir a velocidade e perguntar “Quantos anos você tem?” Continuei andando e ele disse: “Vai gatinha, dá um sorriso pra mim”. Mandei ele ir pro inferno e me deixar em paz, então ele respondeu: “se toca sua mal-comida, baianinha esquisita!”. Quer dizer que só porque eu estava andando num local público meu corpo também se tornou patrimônio público? Eu deveria escutar esse tipo de afronta e ficar calada? Como tive coragem de levantar a cabeça e responder, fui premiada com uma avalanche de ofensas de uma pessoa que nunca me viu.
No assédio mais recente, eu estava voltando do trabalho. Depois de um dia cansativo, ao sair do metrô senti uma mão batendo na minha bunda. Olhei pra trás e o indivíduo ainda fez questão de dar aquela típica piscadinha de cafajeste. Não pensei duas vezes e dei um tapa na cara dele, e qual foi sua reação? Me deu um empurrão que por pouco não me derrubou no chão. Daí começaram as ofensas: ele me chamou de puta, pistoleira etc.
A reação das pessoas a minha volta foi se afastarem e me deixarem ali sendo humilhada em público sozinha, correndo o risco de tomar uma surra de um homem que nunca vi. Comecei a xingar ele também e fui me afastando, e mesmo eu estando longe do seu campo de visão, ele continuou me xingando aos gritos.
Quando cheguei em casa chorei muito e neste momento, enquanto escrevo esse depoimento, minhas mãos estão tremendo ao lembrar esses episódios e outros que sofri mas que prefiro não comentar.
O que peço é para que os homens tentem entender que existe um universo de diferença entre humilhar, objetificar e fragilizar uma mulher e fazer um comentário do tipo “Você está muito bonita” -- mas isso para uma mulher que você conheça e tenha o mínimo de intimidade, ou para uma mulher que já demonstrou se interessar por você.
Não estou pedindo para que os homens andem com uma venda nos olhos, mas será que seria pedir demais um pouco de respeito? Chamar uma criança de gostosa não é elogio; mexer com uma mulher no meio da rua e, depois que ela demonstrar que não está a fim, passar a ofendê-la, não é nada agradável. Passar a mão numa mulher é crime. Eu e a maior parte das mulheres não nos sentimos elogiadas quando fazem isso conosco. Eu me sinto como se deixasse de ser um ser humano e me transformasse num objeto!
Lembrem-se, homens, cada vez que vocês abordam uma mulher desconhecida e tomam esse tipo de atitude, a única coisa que vocês conseguem é assustá-la. De “brinde”, vocês propagam toda uma cultura de violência contra a mulher que não afeta apenas a mulher assediada, mas também sua irmã, sua mãe, sua filha.
Homens não são animais irracionais que não sabem se controlar ao ver uma mulher. Não custa lembrar: são os homens que devem aprender a respeitar, não as mulheres a temer.

64 comentários:

Anônimo disse...

Pois eu estava voltando a pé para casa, de noite, depois de visitar uma amiga (moramos bem perto). Aí só porque estava na esquina esperando o sinal abrir pra eu atravessar na faixa, um cara dentro de um carro passou e gritou:

"E aí perereca?"

Eu fiquei "wtf?", foi comigo isso? Nem consegui reagir. Eu tava de jaqueta, calça jeans, sem maquiagem, tava frio pra caralho e ali nem era ponto de prostituição!

Agora só porque a mulher tá na esquina esperando pra atravessar a rua quer dizer que ela é prostituta? E mesmo que fosse prostituta, pra que gritar aquilo no meio da rua? É cada babaca.

@dddrocha disse...

É uma bosta sair na rua. O tempo todo tem um homem mexendo, olhando esquisito e assediando a gente.
Infelizmente não é exagero... às vezes até desisto de sair. Dá muito nojo e medo.

Cintia Diedrich disse...

Acho que um fiu fiu é até bonitinho rs, mas chamar de gostosa, delicia, ofender e ainda passar a mao... ha dai ja passou faz tempo da conta. Tem homem que é criado pra ser um ótario. Isso é cultural...

Anônimo disse...

frescura demais,mulher adora ser notada na rua,senão n saiam quase peladas por ai.

Ana Nazaré disse...

É, só que os homens falam que adorariam ser assediados por uma mulher, muitos falam "adoraria que uma loira passasse a mão na minha bunda e me estuprasse no meio da rua, porque isso não acontece comigo?"
O problema é que estamos vivenciando uma cultura que desvaloriza o feminino é sexista e castra a mulher. Ou seja, a mulher se torna "vadia", ou se torna fechada sexualmente, mas sempre, de uma forma ou outra, está submissa e inferiorizada ao padrão masculino.
O que precisamos é de consciência e de restauração coletiva do self,de uma imagem forte feminina,de uma busca por uma nova cultura, quanto mais treinarmos isso mas olharemos pra essas situações sem criar mágoas

Anna Milani disse...

Débora, eu me identifiquei muito com seu relato. Já levei inúmeras cantadas grosseiras na rua, e posso dizer que não me agradou não. Aliás, é como você disse, a maioria das mulheres ODEIAM essas grosserias. Mas não interessa se nós odiamos ou não, aqui no blog mesmo eu li que não é com intenção de elogio, é demonstração de quem pode mais.

Acontece que isso é só na cabeça dos mascus. Não devemos nos submeter à esses nojentos e escrotos. A rua não é deles, é de todos e eu sempre respondo À altura. Uma vez, voltando da faculdade, de noite, um cara do outro lado da rua gritou 'Quanto é o programa?' pra mim. Eu respondi "Tua mãe sabe, ela é profissional'. Engraçado que machista não deixa falar da mãe, mas falar de qualquer outra mulher tá ok. Claro que ouvi xingamentos, mas eu ri na cara dele, não me importando. Eu tenho o direito de andar na rua e não são essas bestas que vão me impedir.

E não, nem 'gostosa' é legal de ouvir. Comida é gostosa. Não mulher. Como a autora do post disse, é bem diferente de ouvir um 'bonita' ou 'linda' na rua.

'Gostosa' e 'delícia' não é bonito, tampouco agrada uma mulher. Tudo que ela sente é nojo, repulsa, medo e raiva.

Anna Milani disse...

Anon das 15:17,

Palavra que define você: escroto.

logo se percebe que você não sabe nada mesmo de mulher, huh? Quem é você pra dizer que adoramos 'sermos notadas' na rua? Você é mulher? E mesmo se fosse, vocÊ não é todas as mulheres. Só porque uma gosta, isso não te dá o direito de exigir que todas gostem, então cala esses dedos [O_õ WTF]

Vai assistir o desenho do Ben 10 em vez de encher o saco.

Anônimo disse...

sou homem e mulher sai semi nua na rua pra q? para aparecer mesmo,chamar atenção.
e o mais engraçado é ver aquelas piriguetes com micro vestidos,puxando a barra para baixo para n mostrar demais,como se fossem recatadas kkkkk

Julia disse...

Anon 16:22, sou mulher e te digo Mulheres sentem asco de você.

Eu sim sou mulher, entendo do que to falando.

Lide com isso.

Anônimo disse...

Homem anda sem camisa de shorts, regatas... Isso me dá o direito de chama-lo de delícia, gostoso, ou como chamaram a menina de perereca de ei cobrinha? O problema não são as cantadas, sei que o fiufiu é as vezes uma intenção de elogiar mas o que muitos não percebem é conotação que é como se dissesse: Ei tenho direito sobre você posso falar o que eu quiser!Achou ruim? Vem aqui encarar!! Certa vez eu estava no onibus, vestida para trabalhar uma calça cinza que era colada e um blusinha basica preta e de salto. Em pé do nada escuto: Ô bundão gostoso! Fingi que não era comigo e ele continuou: Pense numa bundona! Olhei pra trás e ele e o restante dos outros estavam achando graça! Tenho naturalmente uma cara de abusada e ele percebeu e falou: não gostou, então não sai na rua com essa calça! Um senhor de idade olhou pra ele e disse: Você é um mané você acha que ganha a moça desse jeito? Se eu fosse seu pai lhe cobria de porrada pela falta de educação. Eu constrangida desci 5 paradas antes e caminhei até o trabalho me sentindo uma idiota, por que eu sai com aquela roupa, mas aí eu pensei ei, a culpa não é minha! É obvio que tem homem e mulher que sai de um jeito ou de outro pois quer chamar atenção, mas vocês já pararam pra pensar que nem sempre a atenção é sexual? Quando um travesti se veste "pra matar" ele quer ser xingado ou vitima de brincadeiras? Não ele está pode apenas tentar expressar: eu sou assim, gosto de ser assim. Mas e essas amulheres que saem de saia curta? Não estão fazendo jogo conosco homens? E aí se estiver? Aproveite homem use seus cérebro e chegue com um papo inteligente! Não sabemos o que se passa na cabeça das pessoas e enquanto julgarmos pela aparência vamos ser um bando de idiotas. Conheço não um, mas vários homens que acham um absurdo esse tipo de abordagem, um amigo já expulsou um outro do carro dele por que colocou a cabeça para fora da janela e gritou para uma mulher que ela era gostosa.

Renata disse...

Fiz alguns relatos lá no mapa do Think Olga.
Fui vasculhando pelas cidades e ficando cada vez mais triste =/
É desesperador ver que somos atacadas e humilhadas a todo instante, em todos os lugares..

Anônimo disse...

Sawl

Para Anônimo das 16:22

Como o sr já se pronunciou "homem" que tal quando sair de bermudinha curtinha e sem camisa uma mulher que vc não conhece apertar tua bunda, ou um homem gay te chamar de "gostoso" e dizer que seu peito é bonito, ou que seu "pacote" ou sua "bundinha" é uma "delícia"?
Ué vc saiu de bermudinha e peito de fora então não pode reclamar né?
Eu te objetifiquei querido? Então não desrespeite e fale MERDA de nós mulheres!
Só queremos sair pra trabalhar, estudar, divertir, enfim, só queremos sair em PAZ sem ter um babaca misógino dando cantadas escrotas pra se achar mais "homem"!

Sawl - Always the rebel

Cris Jolie disse...

Faz três semana que eu só sair da casa de uma paciente minha, fui abordada por um funcionário do condomínio com um boa tarde. Não respondi. Quando ia chegando perto da portaria recebi um outro boa tarde. Então responde boa tarde também.Fui andando até o carro , já fora do condomínio levei um susto quando vi o mesmo rapaz do meu lado.
Ele mal chegou abrir a boca!!!
Perguntei a ele porque veio atrás de mim se não me conhecia, que ele era abusado ,que aquilo era um absurdo dentre outros!! Vi ele mudar de cor!!! O repreendi severamente!!! Voltou com o rabinho entre as pernas!!!!

Cris Jolie disse...

Acho isto o fim!!!

Graciema disse...

É pq o Brasil é um pais frio, né? Se sai na rua com pouca roupa OBVIAMENTE é pra chamar atenção de homem. Calor, nada.

Anônimo disse...

eu ja passei e ainda passo por situaçoes tao absurdas de assedio na rua, que se eu contasse as pessoas nao acreditariam, iriam achar que eu quero bancar a gostosa. tenho amigas que tiveram que ver pra crer.

eu nem saberia classificar as quatro piores situaçoes de assedio que passei, porque foram tantas e uma pior que a outra.

sou feminista, mas nao tenho muita esperança de que o machismo ira acabar, de que a igualdade ira existir. daqui uns 500 anos talvez. mas é engraçado como até os filmes de science fiction que se passam num futuro distante tambem sempre mostram um mundo dominado por homens.

sou misandrica mesmo, detesto homens, acho que eles so causam o mal do mundo: guerras, estupros, crimes de todos os tipos. claro que ha mulheres ruins tambem, mas a proporçao é incomparavel.

aline

Sara disse...

eu ja tô velha mas nem por isso deixo de escutar abobrinha de monte nas ruas, quando era mais nova isso me incomodava mais, me tirava a liberdade, me fazia mudar meus caminhos para evitar certos lugares.
Hje aprendi a ligar a tecla foda-se.
Ignoro solenemente, e faço com q esses babacas se sintam menos do q vermes estrebuchando nas calçadas, é uma delicia olhar de rabo de olho e ver a cara de decepção por não terem sido notados, mesmo bancando os idiotas e fazendo mil micagens nas ruas.

Marc Granadoelo disse...

Olá. Concordo com tudo o que disseram sobre cantadas, fiu fiu, etc... Sou homem, já não tão novo, e já passei por algumas situações esdrúxulas. Digo que é complicado uma porção de coisas. Já me senti objetificado também, não uma, nem duas, nem tão poucas vezes. Tanto por homens, quanto por mulheres... Nós homens é verdade que fazemos uma cara bem esquisita mesmo, já as mulheres olham para um ponto, o de interesse, seja parte da perna, seja o ombro, as costas, o peito, seja o que for. Elas não demonstram tanto um caráter sexual no olhar (já verifiquei raríssimas exceções,um olhar tão pesado e "nojento" quanto o masculino), demonstram que aquilo naquele momento não é uma pessoa, é uma imagem, é algo, mas não transformam tudo em sexo. Já o olhar masculino é mais invasivo e tem clara conotação sexual (talvez também existam exceções - não vi nenhuma até hoje). Agora vejam só que interessante, se o olhar masculino já é assim desafiador, imaginem as palavras e a postura corporal, o avanço na direção, a tomada de posse do espaço pessoal, a invasão.
Por outro lado, não me importo com o que está vestida a mulher que vejo na rua. Só sei que me desperta interesse, só sei que quero ver, quero olhar, e sei que o olhar masculino que eu tenho não é agradável de se ver, como de todos os homens que olham e parecem estar devorando com os olhos. Aí temos um problema. Porque ainda que estivesse diante de uma mulhaer totalmente despida, existe uma barreira para mim. Posso estar até vendo aquele corpo feminino como um objeto, mas se for esta a visão, é um objeto de que ela mesma tem a posse, nunca eu ou outra pessoa que não ela mesma. Eu não ultrapasso nunca esta barreira. A não ser que eu seja chamado a isso pela própria pessoa, e mesmo assim existem alguns impedimentos. Mas olhar eu quero. Olhar eu me permito. A partir do momento que alguém precisa se expressar de alguma maneira vestindo-se de uma forma qualquer, eu quero poder absorver toda esta expressão e não ser coibido. Eu não quero assobiar, eu não quero falar com, eu não quero interagir diretamente. Eu quero simplesmente poder apreciar com o olhar o que esta sendo expresso. Mas como já disse, o olhar masculino é pesado, é invasivo, é duro, mas é um olhar. Aí neste caso não acho que seja legal a cara também pesada de desgosto, às vezes de nojo, às vezes de aversão (estou enumerando os aspectos negativos, nem todas as mulheres respondem a um olhar da mesma forma - estou dizendo o que me enche de tristeza também) e é lamentável por não haver nada que possa mudar minha vontade de olhar o que está sendo mostrado e servindo de meio de expressão para alguém e o sentimento que isto pode provocar nesta apessoa que está sendo observada naquilo que está mostrando. Neste caso sou obrigado a afirmar: Não se deve abordar, não se deve falar, não se deve tocar, não se deve tentar invadir o espaço pessoal de nenhuma forma. Mas quando alguém se veste da forma que for para se expressar, esse alguém será visto. E isto não se pode evitar. Não dá para escolher quem você quer que te veja, e a maneira que este ou aquele alguém vai olhar. Como já disse no começo, é complicado. Quero lembrar que disse tudo quanto disse da melhor forma que encontrei, e nunca foi nem será meu desejo ofender ou magoar quem quer que seja. Estou atento aos problemas que atravessamos e sei que fazemos parte tanto dos problemas quanto das soluções. Saudações.

Adriana T disse...

Pros idiotas que se justificam com as roupas das mulheres, mesmo as que não usam roupas curtas, passam por essas situações ridículas, pra mim isso é atitude de seres irracionais e doentes, homens de verdade não precisam desse tipo de coisa.

L. G. Alves disse...

Lola, já sabe como ser mulher? O pastor ensina no programa, kkkkk https://www.youtube.com/watch?v=2SiEhwm72M8&noredirect=1#t=278

Anônimo disse...

Lola! Qual seu email?? Preciso tanto falar c vc! Tenho tantas duvidas!!

Julia disse...

L.G.Alves,
obrigada por esse vídeo!
Eu tava sendo mulher toda errada aqui. Agora eu me conserto!

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk


Esse pastor anda lendo muito o babaca do Freud..

L. G. Alves disse...

Outro vídeo do absurdo: https://www.youtube.com/watch?v=RT8YXKVbapQ#t=50
Eu fico pasma. Pasma!

Anna Milani disse...

Sawl -> Divando nos comentários

Mari disse...

Eu gostaria de dizer que vi o vídeo do pastor ensinando as mulheres como ser mulher e agora quero saber onde está minha máquina do tempo para voltar ao século XXI '-'

Anônimo disse...

Eu nunca reagi, sempre ouvi e engoli qualquer tipo de cantada, e se pudesse dar um conselho para todas diria para fazerem o mesmo. Por quê? Não conhecemos a índole dos sujeitos que fazem essas coisas, a Débora ainda teve "sorte" de não apanhar no meio da rua... Somos acuadas duas vezes, uma pelos bandidos que atacam qualquer um apenas atrás de dinheiro e pertences, e outra pelos bandidos que visam apenas mulheres... Desse tipinho aí. Então... Pensem antes de reagir, gritar palavrão, bater. Pensem se vale a pena correr o risco.

E Lola, não sei, mas... Me deixa bem desconfortável ver certos comentários de trolls aqui... Será que não seria o caso de você ficar sem aceitar eles por algum tempo? :/ Sei lá, se pelo menos a pessoa mostrasse a cara, nome, mas anônimo escrevendo errado é tão perda de tempo...

Anônimo disse...

É triste, pq sempre que se discute sobre isso várias mulheres contam suas experiências e são na maioria das vezes muito parecidas

Eu queria entender onde que fala que meu corpo é publico para falarem dele tão abertamente. E eu ainda sigo a linha de que por mais fofo que seja o elogio eu não quero ouvir, pode ser do mais inofensivo, eu não quero saber se sou linda por um estranho na rua, não estou em concurso para ser avaliada.
E quem diz que a culpa é da roupa é completamente ignorante, tds sabem que isso não tem nada haver

Erres Errantes disse...

Infelizmente, da parte de algumas as mulheres a ignorância ainda é muito grande. Digo isso por causa de minha mãe e minha irmã que sempre me perguntaram se eu ouvia cantadas na rua, porque acham que minha aparência precisa ser avaliada e aprovada pelos homens para que minha existência na Terra se justifique.

Erres Errantes disse...

Comigo já aconteceu também de meninos bem novinhos, de uns 12, 13 anos, gritarem coisas pra mim na rua. É óbvio que eles só estavam querendo se afirmar como homens, porque lhes ensinaram que homem de verdade tem que agir assim. Triste.

Anônimo disse...

A mulher não foi tirada do pé do homem para ser capacho, Deus a tirou do lado, da costela, para andar do lado como AJUDADORA. Leia a bíblia e entenderá. O homem veio primeiro (GN. 2:7), A MULHER depois (Gn. 2:18) ela veio para AJUDAR. A mulher no estilo JEZABEL Deus deixou esse exemplo na bíblia para mostrar que a mulher NAO deve exercer poder sobre o marido.(Romanos 7:2). Este século, nos mostra mulheres que serem exercer o papel MASCULINO. Se ela PRECISA trabalhar, tudo bem, mas se ela que ser TÃO INDEPEDENTE ao ponto de deixar sua feminilidade e executar o papel do homem .. BEM VINDO AO SÉCULO 21. Serão uma geração de mulheres usadas como ANIMAL. A MULHER MODERNA que trabalha, tem sua "independência" ainda chega em casa faz o marido de capacho. ou quer apenas se distrair com homens deste século. Parabéns LADYS vcs serão usadas com um único OBJETIVO para este homem: SEXO e DESCARTE. Para casar LINDAS ele vai em busca de uma mulher,, carinhosa, que o valorisa e o respeita, uma mulher com princípios e que guarda seu corpo. Enfim queridas MULHERES QUE NÃO ACEITAM SER SUBMISSAS: ENTAO SEJAM DESFRUTÁVEIS. Obrigada pela ATENÇÃO.

lola aronovich disse...

De nada, fanática. Vc certamente convenceu muitas leitoras e leitores aqui do blog que a única escolha pra uma mulher é ser submissa ou ser "desfrutável". Se esta é a única escolha, prefiro mil vezes ser desfrutável. Aliás, vc sabe que não é só o homem que "desfruta", né?

Anônimo disse...

Lola, classificar os outros como "machistas" ou "mascus" é criar um estereótipo para não precisar conviver com o diferente.
Assim você não combate o preconceito, você cria uma guerra.
Alguma vez você já pensou em adotar um estratégia positiva?
Tente eliminar todos os xingamentos, todas as palavras negativas do seu vocabulário. Será que é impossível fazer um mundo melhor assim?

Julia disse...

SEJAMOS TODAS DESFRUTÁVEIS!

Julia disse...

Anon 15:34, que bonito isso de mundo melhor!

Mas que tal dizer pra os machistas e mascus pararem de ser machistas e mascus e assim paramos de chamá-los de machistas e mascus?

E uma boa ideia também.

A "guerra" não fomos nós que começamos...

Anônimo disse...

"A guerra não fomos nós que começamos."
Bilhões de seres humanos já morreram na guerra sob esse pretexto.
Esse não é o caminho da paz.

Feminazi Satânica disse...

Foda-se a paz.

Anônimo disse...

Qui leia a Bíblia e entenderá o quê!!

A Bíblia não é um manual divino de funcionamento da humanidade. É uma cosmologia inventada pelos homens como todas as outras milênios afora.

O papel biológico da fêmea é procriar. As fêmeas do reino animal já estavam todas criadas quando da 'formação' da mulher. E muitas dessas fêmeas têm seu papel distinto na espécie, além de procriar e cuidar da cria. Com a mulher é a mesma coisa; ela já estava lá desde o início. Como a humanidade é cultural, ela tem mecanismos sociais de mudança de papéis, de atribuições dos sexos, de escolhas, que nos distanciam de nossas colegas não humanas.

Anônimo disse...

Parece que para as feministas a mulher tem direito de fazer o que ela quiser.

...

Desde que exatamente seja do jeito que elas querem.

Raven~ disse...

Opa. Sou desfrutável.

Q bonitinho as pessoas dizendo: sai de sainha e não quer levar cantada?

Claro, pq só as moças de sainha, de top, de legging levam cantadas. Nunca tu lá, de moleton, sem maquiagem e all star sujo ia levar uma cantada, sua mocréia. Só que não! Pq então senhoras levam cantadas? Crianças? Mulheres indo pro trabalho na fábrica com o uniforme? Na boa, começo a concordar com a Sara, de que tem alguma coisa assombrosamente errada com o gênero masculino. Olha esses comentários.

O que justifica um cara de 50 anos olhar pra uma menina de 10 (eu, tive peito muito cedo) e dizer 'quero te chupar inteira'? É xexelento isso. E se os caras não conseguem fazer um mínimo de exercício e entender que isso tá errado, são xexelentos tb.

Raven~ disse...

Anon de 14 e 54. Q comentário burro. Q loucura (Caetano Velozo feelings).

Kittsu disse...

Uma vez eu estava com a minha mãe procurando uma certa clínica em uma área da cidade ao qual não vamos com frequência e acabamos dando umas duas voltas em um colégio. Um grupo de garotos de uns 10 a 12 anos estava lá e um deles estava na beira da pista e os demais um pouco mais afastados,pareciam receosos ou envergonhados. Esse que estava junto da pista nos viu ( parecia estar esperando alguém para fazer isso) e começou a simular estar se masturbando!!! Ah, mas me ferveu o sangue na hora. Nem desviei o olhar,só puxei a mão pra cimar Dei-lhe um dedo médio. E foi com satisfação que ainda consegui ver e ouvir os outros moleques rindo da cara dele por ter se dado mal. espero que sirva como lição... e o tenha marcado para que não faça novamente.

Kittsu disse...

E s sua irmã, parou de tentar controlar ela?

Luiza Original disse...

Enfia toda essa citação aí no cu. Sou desfrutável mesmo, se a alternativa é ser submissa. Vai fazer o quê? Chorar? Processar? Birra? Encarar ou fugir da briga?

Anônimo disse...

sério? É a LOLA quem xinga? Caraca, e eu achando que era x outrx que disse que Deus falou que a mulher veio depois do homem pra apenas ajudá-lo e que as que quisessem algum protagonismo seriam ANIMAIS (se bem que animais são legais e bem, somos animais, não?). Ou os caras que escrevem nos seus blogs que mulheres são todas interesseiras e cruéis, etc.

Anônimo disse...

Engraçado, no meu relacionamento ninguém é capacho de ninguém, todo mundo desfruta à beça, todo mundo ajuda todo mundo, todo mundo trabalha igual e ganha igual... E todo mundo é feliz pra caramba. Estranhíssimo!

Anônimo disse...

Sawl

Para Anônima fanática retarda, kkk das 14:54

Querida se vc é "amélia sofredora, escrava do lar, chifruda e saco de pancadas do maridão" que bom pra VOCÊ, mas, não queira impor seu pensamento medíocre, retrógado, machista e medieval pra TODAS as mulheres em geral!
Não vejo homens sendo divididos em "desfrutáveis e submissos", "santos e putos", essa dicotomia escrota que TIRA a humanidade das mulheres e as coloca como "coisas" se deve à homens e mulheres(como vc) preconceituosos.
Se quer deixar de ser uma mulher de verdade, um ser humano com vontade própria pra ser uma "coisa" problema teu, mas, eu DUVIDO que vc gostaria de ter uma filha pra ela ser "virtuosa e perfeitinha" pra em troca se casar com um grosseirão que vai enche-la de chifre e porrada!
Eu já fui a "perfeitinha"! Casei virgem(como vc disse em se "guardar", parece que vc acha que tá na "época medieval", kk) e larguei a faculdade por um dito "homem de bem". O que aconteceu? Ele vivia me humilhando, me chamando de burra, parasita, inútil(mesmo a casa estando um brilho e a jantinha dele sempre pronta!), ele vinha com perfume de prostituta e "montava" em mim quando queria(muitas vezes consegui escapar, e com isso ele alegava que eu era frígida e merecia ser traída), e a gota d'água foi quando numa mera discussão ele me bateu e me ameaçou caso eu contasse pra alguém!
Me separei dele, terminei a faculdade, trabalho, arrumei namorados e hoje estou casada com um homem de verdade que me ama e respeita, e sou uma mulher de verdade. Sabe o que aprendi? Machistas NUNCA serão bons maridos, a mulher tem que ser livre pra tomar as próprias decisões e ser do jeito que quiser. Mas, se vc acha que eu devia continuar "submissa" e agora sou "desfrutável", então minha querida que você e sua dicotomia se FODAM! Garanto que hoje sou muito mais feliz que uma beata de igreja como você!
Beijinho no ombro pra tu!


Sawl - Always the rebel

Anônimo disse...

ja q o supremo objetivo das beatas é arrumar marido (de preferência rico), e por esse motivo se guardam e deixam de viver os prazeres q o sexo pode dar, sinto lhes dar essa noticia, mas sou mais rodada q catraca de metrô em horário de pico, e por incrível q possa parecer tenho dois maridos que me adoram (até demais pro meu gosto), poderia até ter mais, mas ja acho q ta de bom tamanho.

Raven~ disse...

Anon de 20 e 39.

Adorei!

MonaLisa disse...

Sempre que leio esses relatos me enche de ódio.

Lembro de um animal que passou a mão na minha bunda em uma conveniência de um posto (detalhe: eu tinha "dono" e ele tbm tinha esposa) e passado meu choque inicial pela ousadia dele, lhe meti um tapão na cara e ele começou a dar os chilique s básicos.

Queria tanto andar armada pra meter tiro na cara desses lixos.

Anônimo disse...

Tenho nojo de assédio. Já se tornou comum essas piadas de mal gosto. Nem passo perto de grupo de homens. Certa vez um imbecil ficou me gritando: ei magrinha gostosa! Adoro peitinho pequeno. Que horror . A primeira reação que tive contra assédio foi na 8ª série. Eu sempre fui a nerde magrela e tímida e o menino mais bonito da turma junto de outros foram tirar sarro de mim, ele parou a aula se ajoelhou em frente a minha carteira e fez uma declaração estúpida todos riram até a professor,a me indignou, mas eu reagi quando ele olhou para as minhas pernas tentando ver a minha calcinha pela saia. Eu levantei e ele chegou bem perto dei um tapa tão forte que o silêncio se fez e ele ficou tão envergonhado que pediu perdão dizendo que não sabia que eu não gostava de brincadeiras. Como não sabia? Eu nunca fui de estar na molecagem. E a partir desse dia se tornou meu defensor brigava com os meninos que mexiam comigo. Depois não reagi mais fiquei otária. Hoje escuto coisas que até me envergonho de falar. Outra situação me enoja foi de um homem já de certa idade, idade de ser meu avô me parar na rua e dizer: gosto de mulherzinha assim bem vestida que dar vontade de lamber todinha. Na minha cidade não tem ônibus nem metrô é cidade pequena, mas cafajeste tem muito. E eu nem sou bela, se eu fosse tipo malhada, peitão e bundão? nós mulheres somos o inverso. Quando passam pela gente homens bonitos e atraentes a gente olha é claro, mas raramente iremos falar coisas do tipo: gostoso vem pra minha cama, ou bonitão quero te lamber todinho. Que tipo de educação e moral esses homens tem e estão transmitindo aos filhos e netos? E ainda tem o que chamam a gente de sapatão se não retribuir ao assédio. Idiotas.

LOVE GÓTIC disse...

E homem que sai na rua de caçãozinho e sem camisa? Também é para se mostrar? É para levar mão boba ?Vai lá dar a sua bunda para a macharada apertar. Ridículo você.Mesmo vestindo roupas mais longas vocês faltam com o respeito.

Love Gótic- disse...

resposta ao Anônimo(a) de 4 de maio- 14:24

Ninguém quer ser subjugado por ninguém e nem deve. Deus nos deu livre arbítrio para tomar nossas próprias decisões, ou seja, nem Deus quer nos subjugar, porém toda liberdade carrega consigo uma responsabilidade e cada uma de nossas decisões tem suas consequências. Antes de falar da submissão que a mulher deve ao seu marido, a Bíblia fala de outra submissão que ninguém comenta, veja: “Sujeitando-vos uns aos outros no temor de Deus. Vós, mulheres, sujeitai-vos a vossos maridos, como ao Senhor.” (Efésios 5:21-22). Porque o homem não se sujeita a mulher já que a Bíblia fala que devemos se sujeitar uns aos outros? A realidade é que a submissão da mulher pode até soar como humilhação, mas não é e nunca foi este o objetivo do texto bíblico. Acontece que para a mulher é bem difícil se submeter ao marido, porque o marido não a ama o suficiente, pelo menos não como Jesus amou a Sua Igreja, aquele amor de fazer qualquer sacrifício para proteger, para prover, para suprir os desejos, as carências, as necessidades de sobrevivência, um amor capaz de entregar sua própria vida se for preciso. Uma mulher que é amada se submete voluntariamente ao seu amado, sem problemas.Deus trata com a mulher, porque dela é a administração da família e isso não significa que a mulher tem que ficar dentro de casa, não pode trabalhar fora.A regra da submissão da mulher ao seu marido é tão clara quanto a regra do amor que o marido deve à sua esposa. Submissão não é aguentar traições, humilhações, surras e se escravizar a submissão é de participar de tudo com igualdade, trabalhar, ser feliz. Aí os ignorantes citam textos bíblicos mas não entendem o que ele diz. Se o homem trata a mulher ela vai retribuir e satisfazer não como a escrava doméstica e sexual mas como a mulher grata ao amor do marido. Agora se existem as otárias que entendem diferente vá lá seja a mula do homem.

Anônimo disse...

O que é uma mulher desfrutável? A mulher que não tolera abusos do macho dominante? A mãe que larga o vagabundo que a espanca todo dia e vai trabalhar para criar os filhos sozinha? É desfrutável eu enxotar meu marido da cama porque ele não espeita meu espaço, meu cansaço e minha e minha enxaqueca? Desfrutável e se deixar humilhar com a desculpa de que " a mulher tem que ser submissa ao marido" E submisso a esposa? Ele não pode lavar roupas quando estou com cólica? Ele não pode me dar dinheiro para sair com as amigas para fazer compras da roupa que eu gosto e não da burca que ele gosta? Não sou desfrutável, não me submeto a homem ignorante que no culto é o irmão exemplar e em casa é o burro que me estupra porque não to a fim de transar. E sou evangélica.

LOVE GÓTIC disse...

Claro que a mulher gosta de ser notada e não cobiçada como um objeto da sua tara. Saia curta e decote não é quase pelada. Agora um imbecil babando uma mulher que nunca vai ser dele aí é chute no teu saco.

LOVE GÓTIC disse...

Hã hã hã? Xingam a Lola e todas nós de vadias, putas, vagabundas, mal comidas e ameaçam a Lola de estupro o tempo todo e quer que ela reaja como? Dizendo: benzinho, amor, coração não xinga que papai do céu do briga ta? Eles é que tem ver que mulher não é saco de pancada verbal. Reajimos a altura ou mulher não pode falar palavrão? Só homem pode? E numa guerra não se briga sozinho. Se a Lola se defende é porque a atacaram jà foi a era jurássica que a mulher era esculhambada e ela dizia sim senhor, perdão senhor, obrigada pelo murro senhor.

C. disse...

Quando tinha 12 anos estava andando na rua da minha cidade natal, vestia uma blusa de alcinha que deixava um pedaço da minha barriga de fora. Com 12 anos eu tinha cabeça de criança ainda, brincava de boneca, e usava as roupas que ganhava dos outros, sem refletir muito sobre elas. Um homem PASSOU A MÃO NA MINHA BARRIGA. E saiu andando como se nada tivesse acontecido. Fiquei em pânico, tive vontade de chorar. Mas não fiz nada. Nunca contei pra ninguém da minha família. Foi o momento que eu aprendi que mulher não pode andar na rua com qualquer roupa. Que a culpa era minha. Porque eu tinha cabeça de criança mas corpo de mulher. E que ser "bonita" não é seguro.

Doce ilusão. Hoje, muitos anos depois desse abuso, muitos quilos acima do peso, muito longe daquela aparência que era considerada "ideal", ainda sofro assédio na rua. Olhares, palavras de assédio, referências ao meu peso, ameaças...

Ser mulher é sempre correr perigo. Não há fuga. =(

Anônimo disse...

Pois é moças... vou contar que é difícil fazer os colegas entenderem que mulheres não gostam de ser chamadas de "gostosa" ou "delícia".
A desculpa que o pessoal usa por aqui é mais ou menos assim: " E se fosse voce? não ia gostar de ser chamado de gostoso ou delícia na rua?" Digamos que eles se colocam na situação das mulheres com pensamento de homem, logo de nada adianta esse "se colocar no lugar" é um pensamento de cabeça fechada que não ajuda em nada...
A principio teriamos que fazer com que os homens entendessem as mulheres atraves do ponto de vista delas, e nao de seu proprio ponto de vista... aquele velho ditado "não faça com o outro o que você não quer que façam com você" só atrapalha nessa situação. Pra mim, não me utilizo de "cantadas de rua" porque de acordo com os relatos aqui entendo que não tem nada de positivo, mas e ai como será que a gente divulga essa percepção será? por mais que se fale o pessoal não acredita....

Anônimo disse...

O pior é que tipos como esses caras que ficam mexendo com qualquer mulher na rua, as tratando como meros pedaços de carne, me enchem de vergonha. Sério.

Homens são sim capazes de se controlar. Conheço vários caras que conseguem se controlar. Eu mesmo me controlo. Até mesmo um hamster sabe a hora de ir ao encontro da fêmea. Porque alguns energúmenos não conseguiriam!? Isso me deixa com raiva, muita raiva. E vergonha alheia.

Penso que não são todos os homens que façam isso. Na verdade são uma minoria. Mas acho que eles são em número o suficiente para causar MUITO incômodo em pouco mais da metade da população. E quem leva a fama somos todos nós, inclusive os que aprenderam a agir feito gente.

E bem que poderia ser crime e ter uma pena bem severa. Algo como 10 anos de solitária sem direito a progressão de pena.

Anônimo disse...

Os homens que fazem isso não são minoria não, se você andar na rua e prestar atenção vai notar isso. Veja essa matéria por exemplo: http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/esportes/noticia/2014/05/muricy-ramalho-critica-musa-catarinense-da-arbitragem-ela-e-muito-bonita-mas-tem-que-bandeirar-melhor-4495079.html.

O gentil técnico perdoa a bandeirinha pelos seus erros porque ela é bonita, absurdo não? muitos acham que a beleza da moça é algo que conta em seu trabalho, MUITOS!

Anônimo disse...

Lola, vamos lá.

Sou muito notívaga (desde sempre) e, agora que mudei para o centro de SP, num predinho com sacada, isso tem "acalentado" minha verve feminista.

Acalentado porque muitas vezes fico estudando/fumando na sacadinha e de olho na rua, no caso de alguém precisar de ajuda - uma coisa meio vigilante.

Dói demais o peito quando a gente vê a diferença de uma mulher sozinha andando à pé pelo centro e um homem. Na hipótese mais intensa, o homem da uma ou duas olhadinhas para trás. Mulher não, é uma luta com sombras e inimigos invisíveis, que não estão, mas poderiam estar lá (poder coercitivo sobre a mulher no espaço público).

Fico feliz de, pelo menos no meu pedacinho, nunca ter acontecido nada, e continuo acompanhando minhas irmãs até onde os olhos alcançam.

Porém, veja só!, estou eu fumando e tomando café, de pijamas puídos, na minha sacadinha (espaço privado que limita com o público) e vejo alguém movimentando os braços, na rua. Olho de relance e é um cara mandando beijos. Ignoro. Ele começa a pular, e eu tento ignorar. Daí ele pára, eu olho para ver se ele foi embora, e o miserável estava contando as janela do prédio para saber onde era meu apartamento.

Quando ele terminou, começou a fazer sinais de ameaça, deixando claro que sabia onde eu morava etc. Eu gelei, porque muitas vezes chego à noite, por conta de aulas ou saídas com amigos.

Entrei no apartamento e peguei uma espada do namorado (sim, ele coleciona réplicas de espadas, todas sem corte). Saí e tirei da capinha, e deixei o cara ver (no mínimo, poderia ser confundida com um facão, sei lá, mas era perceptível que era algo similar à um objeto de corte).

O cara parou e foi andando, sem olhar para trás. Eu juro que sentei ali no chão e engoli o choro. Me senti forte, mesmo que seja uma reação simbólica. Mas achei um absurdo sem fim uma pessoa que não conheço querer delimitar o espaço do "meu espaço".

E fiquei pensando nas moças que passam por ali. E decidi ainda manter a insônia, já que alguns seres imbecis decidiram manter a falta de empatia com o resto do mundo.

Desculpa o desabafo gigante.

Bia Rosa disse...

Vcs estão achando esses novinhos?
Outro dia 2 meninos que aparentavam ter uns 7 anos estavam em cima de uma laje e começarão a me chamar de "gostosa" insistentemente como se fossem homens.
Essas grosserias não afetam só mulheres mas tb crianças.
Daí eu paro pra pensar , pra onde esta indo a infância dessas crianças? Eles tem apenas 7 anos!

Bia Rosa disse...

Vc não deve ta lendo a bíblia direito, pois nela esta escrito que deve ter igualdade em uma relação, os dois devem ter direitos e obrigações iguais.Ninguém é maior ou menor que o outro.

1Corintios 7:4 - A mulher não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o marido. Da mesma forma, o marido não tem autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a mulher.

Bia Rosa disse...

E quem disse que agimos e vestimos para atrair homem. Vestimos e agimos para o nosso próprio bem estar e não para agradar terceiros (independentemente do gênero deles).
Desculpe mas meu mundo não girar em torno da incansável busca por um homem pra mim se casar.

Anônimo disse...

Essa cultura machista no Brasil é uma droga. Desde criança o homem é educado para chegar numa mulher e a mulher é educada para ser submissa e nunca chegar num homem. Esse é o resultado, os homens crescem achando que uma mulher vai se interessar só pq vc a chamou de "gostosa".
Por outro lado muitas mulheres incentivam esse comportamento. Morei na Nova Zelândia por alguns meses. Lá nenhum homem aborda você na rua, nem te elogia, nem nada. E algumas mulheres brasileiras reclamavam q ninguém notava ou desejava! Olha q contradição, muitas mulheres reclamam mas no fundo querem ser notadas por esse cafajestes.