sexta-feira, 20 de setembro de 2013

ESTEREÓTIPOS SEXISTAS TAMBÉM PREJUDICAM OS HOMENS

Faça amor, não faça guerra

Gostei muito deste artigo que Flávio Moreira (autor de dois blogs, um de poesia, e outro de traduções que ele faz; vez por outra, Flávio traz alguns excelentes artigos pra cá) escolheu e traduziu. Tirado daqui, o texto conclui algo muito triste: que homens sentem-se ameaçados pelo sucesso de suas parceiras. 
E aí mais uma vez aparece a vantagem da pessoa viver um relacionamento feminista, como o que eu vivo. O maridão gosta muito do meu sucesso, e eu do dele. A gente nunca compete (bom, talvez pelo amor da gatinha). A gente coopera. Aliás, acho que o mundo só teria a ganhar se adotasse um lema como "menos competição, mais cooperação".
Mas aí eu fiquei pensando: assim como existem mulheres que se fazem frágeis pra que o parceiro se sinta mais forte (tipo, pedindo pro cara abrir um frasco de conserva que não está tão apertado), será que há mulheres que se subvalorizam ou até subconscientemente se auto-sabotam no emprego pra sempre poder ficar atrás do parceiro no quesito profissional?
Não sei, mas é só mais um indício de como o machismo é ruim pra todos. Claro que afeta homens e mulheres de maneiras diferentes, e claro que é pior pra mulher. Mas machismo é mesmo péssimo pro planeta como um todo. Eis o artigo (thanks, Flávio!):

Dos anais sobre como estereótipos sexistas também prejudicam os homens: nova pesquisa publicada no Journal of Personality and Social Psychology (Boletim de Personalidade e Psicologia Social) mostra que homens heterossexuais se sentem mais ameaçados pelo sucesso de suas parceiras do que as mulheres. 
Na verdade, dizer “mais ameaçados” seria subvalorizar as descobertas, já que os resultados mostram que a autoestima da mulher não é abalada de forma alguma por saber que seu parceiro é bom em algo em que ela não é. As pesquisadoras conduziram uma série de diferentes estudos para medir a autoestima implícita e explícita dos pesquisados e como ela seria afetada pelos sucessos e fracassos do parceiro. Como explica Julie Beck em seu artigo no Atlantic, os resultados são absolutamente deprimentes:
"Parece que não importa para os homens quais as circunstâncias do sucesso de suas namoradas. Seja ele social ou intelectual, esteja ele ligado ao fracasso do namorado ou se é somente algo que a mulher alcançou independentemente do que o namorado fez, os homens ainda tendem a se sentir mal consigo mesmos quando suas namoradas são bem sucedidas. Mas isso é válido somente para a autoestima implícita (subconsciente) -– não temos como saber se os homens não declaram abertamente que se sentem pior em relação a si mesmos, seja porque não percebem isso conscientemente, seja porque não querem mostrar-se como idiotas inseguros."
Ainda bem que esse estudo está isento de especulações sobre como isso deve ser um traço inerente desenvolvido nos nossos dias de caçadores-coletores e, em vez disso, segue a sugestão mais provável de que os homens absorveram estereótipos de gênero que retratam homens como inerentemente mais espertos e mais capazes do que mulheres:
"Existem pelo menos duas outras razões pelas quais pensar no sucesso da parceira pode levar a uma diminuição da autoestima implícita nos homens. Uma delas é que a auto-avaliação positiva decorre, em parte, de papéis gratificantes, tipicamente associados ao gênero da pessoa (Josephs et al, 1992). 
"Há estereótipos de gênero em que os homens são tipicamente associados à força, à competência e à inteligência; o sucesso de um parceiro, especialmente se interpretado como fracasso próprio, não é compatível com o estereótipo e pode afetar negativamente a autoestima. Os homens se pintam como sendo mais competentes do que de fato são (Paulhus e John, 1998); ser lembrado a todo instante de que sua parceira é bem sucedida pode representar uma ameaça à maneira como veem a si mesmos, diminuindo, dessa forma, sua autoestima implícita."
As pesquisadoras também descobriram que as mulheres se sentiam otimistas sobre o futuro de seus relacionamentos quando um parceiro obtinha sucesso, e os homens, pessimistas. As autoras especulam que isso está relacionado à crença sexista de que o homem tem sempre que ser o parceiro mais forte, levando-os a temer que suas parceiras queiram trocá-los por alguém melhor (seria interessante ver um estudo semelhante com casais gays).
Fica claro porque essas descobertas são perturbadoras para as mulheres, e não é só porque mulheres não querem ter que se preocupar que seus parceiros estejam secretamente ressentidos com seu sucesso profissional, vitórias no pôquer e realizações em jogos de perguntas e respostas. Os resultados também podem expor raízes de abusos domésticos, já que homens que demonstram maior necessidade de “vencer” na relação podem se sentir mais motivados a minar e controlar suas parceiras (não é o estudo que sugere isso, é o autor do artigo em inglês). 
Mas esses resultados também deveriam ser perturbadores para os homens. Sentir-se inseguro e competitivo em relação à sua parceira não é jeito de viver. As pesquisadoras sugerem que esse tipo de sentimentos pode ser remediado através do reaprendizado de como pensar sobre os papéis de gênero, isto é, tornar-se mais feminista. Assim, adiciona-se mais um estudo a uma pilha que só faz crescer e que mostra que o feminismo, apesar das alegações conservadoras em contrário, é na verdade bom para os casais e para a harmonia entre os sexos.

38 comentários:

Unknown disse...

o motivo dos homens se sentiram incomodados pelo sucesso da parceira é óbvio e evidente:a hipergamia feminina.tão logo começa a fazer mais sucesso a imensa maioria das mulheres o verá como homem inferior e passará a despreza-lo e e irá atrás de homens mais qualificados.

Anônimo disse...

Muito interessante! Vi a curiosidade do autor com gays, vou compartilhar a minha exeperiência...

Eu torço muito pelo sucesso do meu parceiro, e não me chateia que ele ganhe mais do que eu. Eu me ponho mais competitivo em questões de vaidade, mesmo: se alguém olha para ele na rua e não para mim, por exemplo. Talvez seja um resquício de comportamento de gênero imposto (amo Judith Butler nessa matéria!), que eu acabe reproduzindo, pode ser. É uma vaidade da qual me envergonho, e me policio.

Agora, em termos profissionais... Eu acho uma delícia o sucesso dele. Seguimos áreas completamente diferentes, fizemos faculdades muito diferentes - ele é mkt, super cabeça business, e eu direito, que adoooora um papo acadêmico - e isso nos dá uma sintonia ótima. Agora, não sei se seria assim se trabalhássemos na mesma área.

Kittsu disse...

Unknow: tipo o papo de que homens trocam mulheres de 30 por "novinhas"? Isso é a tal da hipergamia feminina, também?

WICKED WOMAN disse...

O meu parceiro e eu comemoramos sempre juntos a cada degrau que conseguimos subir, só uma pessoa muito pequena e mesquinha para se incomodar com as vitórias dx parceirx.

WICKED WOMAN disse...

Unknow: Morri de rir aqui, não faz o menor sentido o que você escreveu... Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

WICKED WOMAN disse...

Lolinha, já está chegando o dia 4 de outubro e você não falou mais a respeito da sua palestra aqui em BH como prometeu :) Bjo

Anônimo disse...

Não é apenas nesse fator q os homens tb se prejudicam com os estereótipos sexistas..., não estou dizendo q as mulheres não sejam prejudicadas, e nem q um é mais do q o outro..., mas não é só nessa questão q eu tb concordo......, o q muitos esquecem é q os homens vivem 7 anos a menos do q as mulheres, envelhecem e morrem antes e envelhecem muito pior do q elas, justamente pq os estereótipos sexistas impedem a maioria dos homens de se cuidarem..., a sociedade cobra muito mais dos homens demonstrações de força, homens são obrigados a trabalhar 5 anos a mais para se aposentarem, sendo que a s mulheres vivem mais....
Pessoalmente eu não ligo se uma mulher ganha mais q um homem..., defendo uma sociedade livre..., o problema é a intolerância por exemplo, contra pessoas solteiras...., acho q essa questão do sexismo foi abordada muito do ponto de vista de um casal...., e como ficam as pessoas solteiras por exemplo, em relação por exemplo com a lei de aposentadoria? Os legisladores justificam dizendo q o homem tem q trabalhar 5 anos a mais pq a mulher tem q ter filhos e se dedica mais aos afazeres domésticos..., mas essa lei é muito preconceituosa e excludente...., aonde se encaixam os casais sem filhos? As pessoas solteiras? Os homossexuais? Os homens q criam sozinhos seus filhos? Os homens q ajudam em casa tanto ou mais do q a mulher, pq preconceitos a parte, existe de tudo no mundo, eu sei q casos assim são minoria..., mas então devemos perpetuar a exclusão das minorias? O pior são pessoas que acham q lutam pelo direito das minorias de forma muito estereotipada...., a "minoria" sempre o negro, o homossexual, e necessariamente estão longe..., o meu vizinho, homem branco q lê jornal todas as manhãs não pode ser "minoria" pq não se encaixa no estereótipo...., sendo q ele tb poderia ter algum atributo q o caracterizasse como tal, algum atributo da sua vida..., e q não fosse perceptível a não ser q ele revelasse....

Anônimo disse...

OFF
http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2013-09-20/clandestinas-retratos-do-brasil-de-1-milhao-de-abortos-clandestinos-por-ano.html

Excelente matéria no Ig.

Fernanda disse...

Pois é. O pepino da humanidade é esse: ainda somos muito pequenos e muito mesquinhos.

Esse tipo de estudo revela o que existe em camadas às vezes muito profundas -- como naquele casal modelo, onde o cara é super cool, a menina super bacana, mas que quando a moça pleiteia uma vaga para ganhar mais, o cara sente uma pontada no orgulho. (Isso aconteceu com o casal mais harmônico e evoluido que conheço).

Ou seja: pequenez e mesquinharia, disso também somos feitos. Trazer à tona ja é um primeiro grande passo para o reconhecimento e, em seguida, resolução do problema.

Flavio Moreira disse...

Anônimo das 14:06
Sim, você tem razão, não é apenas esse fator, mas o estudo não tinha por objrtivo abranger todas as possibilidades, o que talvez demandasse muito mais tempo e recursos de pesquisa. O foco foi nos casais heterossexuais, nesse estudo. Tanto que há uma sugestão de um estudo similar entre casais gays, por exemplo.
O que eu achei relevante é que é mais um aspecto para ser analisado, debatido e, na medida do possível, desconstruído para que possamos construir uma sociedade melhor e mais igualitária.
Em um único trabalho de pesquisa não daria para abarcar todo o espectro de relações humanas, mas há o mérito de trazer mais dados para nossa reflexão.
Desculpe-me por colocar esa "explicação", mas é que me pareceu, pelo seu comentário, que ficou uma insatisfação sua por não haver mais abrangência no artigo. Se interpretei errado, por favor, me perdoe.
Abraços!

Flavio Moreira disse...

Ah, e me esqueci d dizer: por nada, Lola. Com o trabalho e a graduação nem sempre é possível fazer as traduções que eu gostaria - há um vasto arcabouço de textos feministas na internet que mereciam uma tradução.
Uma das coisas de que gosto nesse "trabalho" de traduzir esses artigos é que eles dialogam com os temas que são discutidos pelas nossas autoras feministas, como a Lola, como as autoras e autores de outros blogs como o Blogueiras Feministas ou o do Alex Castro.
Infelizmente eu só consigo traduzir textos escritos em inglês, e o que tenho lido sobre temas feministas vem mais de sites americanos - não sei se há uma produção interessante, por exemplo, no Reino Unido ou na Austrália (não tive tempo de pesquisar) - mas seria interessante ter referências de sites que discutem esses temas em outras línguas, como espanhol, francês, alemão etc. pois isso nos mostraria quais são os assunto que estão mais em questão nos países desses idiomas.
Quem sabe não tem mais gente aqui que pode dar essa contribuição. Desculpem-me pelo comentário "off-topic".
Abraços!

Beatriz Santos disse...

Lola, me tornei uma grande fã sua! Seus posts são maravilhosos! Sobre o de hj, já ouvi e ainda ouço vários homens que não aceitam o sucesso de suas parceiras. O machismo é algo tão intrínseco na nossa sociedade que me assusto cada vez mais.

Anônimo disse...

Vivi um relacionamento em que rolava essas coisas, a pessoa em questão parecia sentir inveja de mim e criava motivos para me rebaixar nos quesitos paquera e econômico.
Ele adora falar mal do bairro. Criticava os mendigos, o engarramento, as ruas...falava mal da minha casa, dos móveis e até do meu pc só pq era um pouco mais fraquinho e barato que o dele!
Já nas paqueras, qd uma menina mostrava interesse(ou ele achava que havia interesse),ficava todo animado me contando que fulana deu uma piscada, que ciclana fez isso e assado...parecia querer me mostrar que ele era mais interessante e atraente do que eu!
Aí um dia conheci um homem que se mostrou bastante apaixonado por mim. E sua paixão foi tão forte que as pessoas que viram a forma como agiu comigo, não têm dúvida que essa pessoa gosta de verdade de mim.
Ele qd ficou sabendo, além de ter ficado enciumado, todo grosso e seco comentou que o tal apaixonado só queria me comer apenas.
Senti um ranço forte de inveja.

WICKED WOMAN disse...

Fernanda: https://fbcdn-sphotos-b-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash4/255668_464032157009474_508097061_n.jpg

Laurinha (Mulher modernex) disse...

É muito triste saber que tanta gente tem essa percepção de relacionamento.
Relacionamento é parceria, é algo pra fazer a gente se sentir mais feliz, aí se vira competição ou se um se incomoda com o sucesso ou uma habilidade do outro, e começa a querer sabotá-lo ou diminuí-lo, é óbvio que não vai dar certo.
Nunca senti isso por parte de nenhum companheiro, mas por incrível que pareça já percebi parentes do sexo masculino se ressentindo pelo sucesso de mulheres e até torcendo pra que se dêem mal, como se isso fosse valorizá-los. É muito estranho.
Eu só queria saber o que essas pessoas que acreditam nessa tal hipergamia feminina sugerem. Que mulheres não se desenvolvam ou se desenvolvam só até certo ponto pra não assustarem os seus machinhos? Só falta essa...

Anônimo disse...

UNKNOWN 11.21HS Sua teoria esta um tanto quanto equivocada.
Sou a prova viva disso, casada com um homem muito rico e bem sucedido, e que sempre me proporcionou absolutamente tudo que eu desejei em termos materiais, o troquei por um que no momento esta desempregado, mas que não tem vergonha de expor suas fragilidades diante de mim, que chora, dança, cozinha se emociona fácil, mas que quando é muito importante ser homem e me realizar como mulher ele beira a perfeição.

Anônimo disse...

Lola, você já viu esse link?

http://psicologiaestudantil.blogspot.com.br/2013/09/desenhos-de-criancas-que-foram-vitimas.html

è de partir o coração...

Fernanda disse...

Tive um ex que me confessou que o mesmo motivo que o levava a me amar profundamente, também o fazia me detestar com a mesma intensidade. Literalmente uma admiração invejosa ou inveja admirativa... disse que na terapia so falava disso, que eu tinha virado o personagem central da terapia dele. Esse cara foi profundamente destrutivo na minha vida. E olha: eu nem tinha nada material não... ele sempre foi infinitamente mais bem de vida que eu. É feio, mas muito, muito comum. Infelizmente.

Anônimo disse...

Achei a pesquisa e a reflexão interessantes, mas, sei lá, essa coisa de se sentir ameaçado pela pareceria é pura idiotice ao meu ver... Egoísmo mesmo.

Anônimo disse...

mas... é friboi?

rodrigo b disse...

Lola,

Acho que o homem acredita que ele ainda é um reflexo do anseio e da exigência feminina na maioria das vezes. Inefelizmente escuto muitas mulheres dizerem que no fundo, no fundo preferem que seus namorados e maridos sejam mais do que ela para elas oderem sentir admiração. Uma amiga em especial diz que se ela estiver numa relação onde o homem dela estaja abaixo dela (ganhando menos grana, num cargo inferior) e chegasse um homem mais assertivo, mais capaz, mais bem posicionado, mais rico, ela teria uma chance de se encantar mais por esse novo homem caso acontecesse uma aproximação e um intersse. Ela diz que a comparação acontece! Acho que muitos homens ainda veem que as mulheres se colocam na condição de mercadorias nesse sentido.

Creio que a maioria dos homens desaja relaxar para essas questões e viver a vida sem preocupação, mas no fundo muitos de nós achamos que no final das contas a mulher tende a dar mais valor ao cara que tem um melhor emprego e um salário maior porque isso presume uma capacidade maior, uma força maior, uma segurança maior para as mulheres, uma maculinidade a ser admirada que é fator de escolha por parte das mulheres. Acho que os homens desconfiam que esse lance de igualdade venha acompanhado de um intersse velado de fazer a vida em função do que o homem tem a oferecer em termos financeiros, como se no fundo ele se sentisse obrigado a ser maior e ela de uma maneira conveniente achasse isso muito bom.

Nós homens infelizmente somos desde pequenos treinados para uma guerra onde o que for mais forte ganha, e acho isso muito cruel. Somos preparados para morrer no lugar de uma mulher inclusive. Para as mulheres nunca se diz: "seja mulher". Mas nós homens temos que justificar essa condição e "ser homens", como se existisse a dúvida de que iremos ser homens de verdade algum dia.

Outra coisa bem chata nos dias de hoje é ter que conviver com a negativação da condição de homem. Percebo um certo discurso de ódio onde parece que a condição de homem heterossexual é um completo equívoco. Entendo que o homem vitimiza a mulher em inúmeras situações, isso é muito claro e muito triste, me ponho no lugar das mulheres sempre que escuto falar de qualquer violência. Só que com essa violência covarde contra as mulheres vem a reboque os discursos preconceitusos contra um homem que nada fez. Essa matriz homem-hetero é tida como possuidora de algo ruim contra a mulher. Isso vem de pequenas coisas como esquecer de abaixar a tampa da privada e ganhar uma cara feia, de raiva, como se fosse de um desprezo pela nossa existência. Essa é a minha impressão não que pelo que sou na verdade, mas sim do que a minha condição de homem representa no imaginário de quem se sente oprimida. Gostaria que soubessem que estou do lado de vocês mulheres e não contra. Não tenho culpa se muitos homens batem, matam e estupram.

Anônimo disse...

Nossa, lá vem. Tadinho do homem-branco-cisgênero-heterossexual, não pode nem mais ser homem mimimi.
Cara, se você lê estatísticas de violência contra mulher, praticadas em sua esmagadora maioria pelo tal homem-branco-blablabla, e a coisa que mais te incomoda é que você "não fez nada, buáaa", tu é exatamente o tipo e imbecil que esse artigo tá falando. De ego de cristal, que quer medalha e Toddynho por bater os requisitos mínimos de uma pessoa que preste.

E sério? Masculista é tão absurdamente besta assim a ponto de vir num BLOG FEMINISTA, listar trocentas QUESTÕES FEMINISTAS, que o dito BLOG FEMINISTA vêm discutindo há anos e culpar AS FEMINISTAS por eles?
Ah, paciência das tia têm limite. Se vocês fizessem o esforço de tirar uns 20 minutos diários das suas leituras de blogs de búfalos ou sei lá e ler blogs feministas ao invés vocês iam ficar chó-ca-dos de ver que estamos falando da mesmíssima coisa.

Não, anta, ninguém tá feliz de ter gloriosos 5 anos a menos de sacrifício de força vital ao INSS pelo "privilégio" de ter a jornada dupla ou tripla de manter a casa e filhos.
Ninguém acha essa porra legal por aqui. MAS sabe de onde isso vêm? Das terríveis feministas? Das esposinhas folgadas? ERM, NÃO. Vem daquele. Daquele mesmo que vocês juram de pé junto que non ecziste. Yeah, do patriarcado. É ELE, esse sistema, que diz que homens são os ganha-pão-traz-o-bacon e que não devem ficar em casa com os filhos, que não devem ter um emprego de baixa renda e cuidar da casa, que não devem ser pais solteiros (coisa de marica, né?).
É ELE, o sistema, que ensina às mulheres que devem "farejar" macho ryco e bem sucedido pra mantê-la, afinal, é assim que é a vidinha né? ELA MESMA não pode ser tão ryca, tão bem sucedida, tão "alfa", que daí os homi fica tristinho, e ela nem vai ter tempo pra parir, uai!

A gente tá explicando incessantemente que é ELE, o sistema, que faz essa lavagem cerebral nas mulheres, de que elas PRECISAM de um homem para mantê-las, protege-las. De que toda nossa vida gira em torno de "amarrar um partidão".

A gente tá explicando incessantemente que é ELE, o sistema, que faz essa lavagem cerebral nos homens, de que eles PRECISAM manter as mulheres, protege-las. De que toda vida deles gira em torno de "conquistar uma casável".

Sacou véi?

O fato de que homens-brancos-blablabla têm historicamente se beneficiado MUITO MAIS PRA CARAIO desse sistema não quer dizer que eles sejam a causa exclusiva do problema e que precisem ser... qual a palavra? Negativados? Ninguém quer isso. Ninguém quer acabar com esse bicho aí não.

A gente nem quer que ele abra espaço no topo da pirâmide, a gente quer derrubar a pirâmide de vez. Pra ninguém ficar com o pé na cara de ninguem.
Mas enquanto ela não cai, não dá pra simplesmente ignorar que ela exista, só porque fica chatinho falar.




Anônimo disse...

Rodrigo, eu pessoalmente acho que as pessoas conseguem ser bem idiotas. Nem toda mulher é assim, nem toda mulher procura um homem com "maior poder aquisitivo, mais força, mais inteligência" e bla bla bla. E tem homens que existem muito de suas parceiras tbm, como a tal da beleza eterna - e inexistente.

Acontece que a maioria deixa de pensar e engole o senso comum, generalizando e colocando as pessoas no mesmo barco. Olha, relacionamentos tem de ser bons, se tá essa dificuldade toda de provar que é homem, deixa pra lá. Termina e segue em frente. As pessoas tendem a complicar tudo, infelizmente.

Anônimo disse...

Incrível como tem gente que tenta dar uma amenizada no discurso tentando convencer alguém ou causar empatia, mas meia dúzia de frases preconceituosas acabam escancarando como a pessoa realmente pensa...

Rodrigo, não colou...

Anônimo disse...

"Acho que os homens desconfiam que esse lance de igualdade venha acompanhado de um interesse velado de fazer a vida em função do que o homem tem a oferecer em termos financeiros, como se no fundo ele se sentisse obrigado a ser maior e ela de uma maneira conveniente achasse isso muito bom."

Essa frase não faz o menor sentido. Como uma mulher ter direitos iguais ao homem faz com que ela prefira o que tenha mais dinheiro? Não seria o contrário? Quanto mais desigual a relação, quanto mais uma mulher depender financeiramente de um homem, mais o dinheiro vai ser um fator de peso. Afinal se eu necessito de um homem pra me sustentar, ele vai ter que ter muito dinheiro pra dar conta de nós dois, não?
E quando ele diz acho que os homens, só acho, está se referindo a si mesmo e a quem pensa como ele... Só acho.

O homem de lugar nenhum disse...

Sou obrigado a confessar, me sinto muito inseguro perto de uma mulher mais instruída, mais inteligente, que tenha um emprego melhor. Machismo?
Não quero julgar as mulheres, sei que o problema é comigo mesmo, mas é algo do qual não consigo me livrar. É como a cultura do automóvel, mesmo sabendo que as mulheres não são "maria-gasolina", inevitavelmente me sinto inferior a um sujeito com carro (sou jovem e não tenho carro). É algo que a sociedade enfia em nossas cabeças e depois fica difícil se livrar, essa insegurança surge, é como se pensássemos "ela é tão inteligente, instruída, precisa de mim pra que?!"
Enfim, isso foi apenas uma confissão, talvez até vocês me ajudem a me livrar disso...

Anônimo disse...

Mas por que cargas d'aguas vcs acham que ter mais força física é sinônimo de superioridade?

Eu sou mulher, jovem, feminista e tenho pouca força bruta, bem menos que a maioria das mulheres da minha altura e idade. Quando eu peço ajuda para abrir um pote ou carregar algo - e isso eu peço até para mulheres menores do que eu - não estou me fazendo de frágil e de inferior e não considero, de modo algum, que a força física, nos dias de hoje, seja sinônimo de maior capacidade de vida.

Nadia disse...

Anônimo das 14:06, acho bem legal você se preocupar com os pais solteiros, solteiros, homossexuais etc. Então, sabe o que você pode fazer? Lute pelo direito desta categoria. Lute para o reconhecimento deste grupo para que trabalhe menos 5 anos, por exemplo.
Não é fácil e sabe por que? Porque você vai entrar na luta feminista por consequência. E ver que saindo dos casais, os estereótipos sexistas prejudicam homens em geral.

Anônimo disse...

Kittsu, só a título de informação: mulheres também trocam homens de 30por novinhos.

Anônimo disse...

Anon das 22 e 18, sinceramente, eu acho que tem muito homem que procura por mulher que tenha esse tipo pensamento, tem uma má experiência e depois sai dizendo que todas são assim. Mas aí na hora que quer uma namorada, uma ficante, volta pra mesma estratégia e quebra a cara mais uma vez, ou até não quebra, mas continua com aquele medo de que no momento em que não tiver mais aquele bem material, ou aparecer um homem que tenha algo de mais valor, ele perde.
Se o cara quer que alguém goste dele por ele, não faz sentido chegar em uma boate e ficar o tempo todo balançando chave de carro, oferecendo bebida cara, contando vantagem sobre emprego, apartamento.
Com esse tipo de papo, o cara vai afastar quem não tá a fim desse tipo de relação e vai chamar a atenção exatamente de quem está.
Já aconteceu comigo e com várias amigas de se interessarem por um cara de primeira, aí ele começa com esse tipo de coisa, e acaba é afastando no lugar de atrair. Mas com certeza alguma ele atraiu com esse tipo de papo.
Apesar que tem muito homem que parece não se importar com isso e então não podemos dizer que estão sendo enganados. Aí é com eles né.

Anônimo disse...

"ela é tão inteligente, instruída, precisa de mim pra que?!"

Pra nada, e essa q é a melhor parte.
Se ela não precisa de vc pra nada, ela vai estar com vc pq quer. Simples assim.
(Claro, seria perfeito se vc tb estivesse com ela pq quer.)

Quer prova de amor maior q essa? <3

Vc não ser dependente do outro e decidir por livre e espontânea vontade q quer passar seu tempo com o outro, dividir sua vida e aguentar as chatices um do outro sem ter interesse oculto algum por trás?

É uma lyndeza só.

rodrigo b disse...

Ok, galera! Tô concordando com tudo que é dito. Gostaria de derrubar a pirâmide junto com vocês, que ela caia! Aqui em casa ela já caiu, ela nem chegou a existir, minha mulher que o diga...

Tentei só trazer um ângulo de visão para uma discussão e não me incluo nesse povo, salvo por ter sentido na carne o que uma criação machista podia ter feito comigo. O que fazer se a pessoa não aceita quando eu falo que "muitos homens pensam tal coisa". Converso com muitos caras e digo o que sinto pelas conversas, pelas coisas que eles dizem. De igual maneira disse a respeito do que sai da boca de muitas mulheres machistas (INFELIZMENTE PARA DEIXAR BEEM CLARO!) porque o mundo ainda é muito machista.

E não tô fazendo mimimi nem nada do tipo porque isso não faz diferença na minha vida em específico. Não tô pedindo medalha nem parabéns por agir de maneira igalitária com a minha mulher, mem por não me incomodar pelo fato da minha mulher ganhar beeeem mais do que eu e ter uma formação acadêmica MUITO melhor do que a minha (o que é verdade). Eu e ela sabemos que isso nunca fez diferença e ela se diz muito feliz por eu ser um cara que não se incomoda com isso e a gente se trata muito bem. Tô quase pedindo permissão para que digam que eu não seja rotulado do que eu sei que não sou! Mais uma vez, estou do lado das pessoas (homens e mulheres) que lutam para que a pirâmide caia. Posso ajudar a derrubar com vocês?

Da mesma maneira não tÔ xingando ninguém daqui e nem rotulando de imbecil, porque na verdade não conheço ninguém suficientemente o necessário para julgar.

Não frequento blogs também. Encontrei esse ótimo blog da Lola justamente por me aborrecer com os inúmeros casos de violência contra a mulher e encontrei relatos aqui. Me ponho no lugar e me irrito profundamente a toda vez que leio um relato de preconceito e estupro. Parebéns pelo Blog Lola!!



rodrigo b disse...

Admitir que algo contrário ao que uma pessoa pensa não possa ser criticado e discutido é algo preconceituoso na minha opinião. Nada numa democracia deve ser imune a críticas e 100% blindado. Nem mesmo o feminismo! Não gosto de assuntos que não possam ser discutidos e muitas pessoas associam a discordância a uma inimizade ou a uma guerra. Não sou inimigo caso discorde de alguém. CONSIGO, E GOSTO DE CONVIVER COM A DIFERENÇA.

E caso você creia que os seus argumentos sejam válidos e eu te ofendi estando equivocado e preconceituoso com algo dito, você poderia simplesmente tentar colocar com palavras o que você sustenta como válido sem agredir alguém que você não conhece se colocando com uma juíza suprema. Parece que é mais conveniente rotular e generalizar de masculinista ou algo do tipo, o que na minha opinião é errado. Maldoso talvez. Acho que generalizar pode pôr um cara simplesmente inseguro e mal resolvido com as mulheres no mesmo barco do que um estuprador ou de um cara que odeia as mulheres de fato, e isso é loucura. Não é por aí. Acho que cada um é cada um, com suas peculiaridades. Da a impressão que é dito que TODOS OS HOMENS QUE FALEM ALGO SEQUER CONTRÁRIO AO MODELO FEMINISTA SÃO MASCULINISTAS, UNS MAIS OUTROS MENOS, MAS TODOS SÃO. Isso é uma falácia!

DA MESMA FORMA, SE EU PEGO ALGO ESCRITO POR UMA FEMINISTA QUE É TENDENCIOSO E EXAGERADO EU PODERIA TER O DIREITO DE DIZER QUE ELA É QUALQUER COISA MENOS FEMINISTA, QUE É BURRA, RANCOROSA E ALIENADA.

Disse aqui coisas a respeito de uma “IMPRESSÃO E PERCEPÇÃO” que tive de homens (e mulheres) e posso ter errado ou acertado, ficando ali o que escrevi para um debate, que é a melhor coisa para as pessoas pensarem a respeito de uma questão. Disse que, a partir de muitos homens que converso eles percebem que tem mulheres que se dizem feministas que são alvo do preconceito de homens, que pensam que elas no fundo são convenientemente machsiatas ao gostarem de ter ficado com um cara provedor em relação a um pé rapado trazendo a ideia que o machismo pode ser confortável ou conveniente para muitas mulheres que falam em igualdade. Falei de uma mulher comum que não se sente bem sendo alvo do machismo e se diz feminista. Eu utilizei o conceito de "Feminista" de maneira errada e ignorante e o certo seria dizer a respeito mulheres que dizem “não tolerar o machismo”! De qualquer forma, EU gosraia que isso mudasse na cabeça dos homens!

rodrigo b disse...


Se for possível admitir que eu pense algo, entenda que: "adoro a ideia de igualdade entre homens e mulheres e acho que o machismo É uma merda."

Concordo com a grande maioria (NÃO COM TUDO) do que está publicado aqui no blog, seja pela Lola, seja pelos comentaristas. Mas não existe algo perfeito o suficiente para não poder ser criticado e discutido pelas pessoas a ponto de uma opinião ser rotulada. AS VEZES ISSO “PODE” ACONTECER COM O RÓTULO DO TAL "MASCULINISTA".

Fui atacado com o adjetivo de “masculinista” pelo simples fato de dizer que muitos homens também sofrem pressões para ter de ser algo que lhes é imposto (...ser bonito, ser alto, gostoso, rico, provedor, ter o pau grande, ser forte (não sentido de força física mas sim no sentido de inabaláve), um homem que não pode ser frágil. Nem de cristal).

rodrigo b disse...

O que me parece é que existe gente que não sabe ser contariada e não consegue depreender que o mundo dos outros (dos homens nesse caso) também tem problemas. Não é pelo fato de eu ser homem que eu não possa ter problemas e me sentir mal com alguma coisa. Até porque o mundo que eu vivo eu conheço melhor do que ninguém. Por mais privilégio que eu (homem) tenha na visão do feminismo e que seja feliz e não saiba. Não é por isso que eu não possa dizer que sofro com alguma coisa na minha vida e não sou de cristal. Só porque sou homem não posso sofrer que já sou de cristal? Claro que se sofre menos que a mulher na maioria das vezes, mas não admitir que ser homem pode as vezes ser difícil. Se o Blog fala das coisas que penso, ótimo, vamos dar as mãos. Agora parece que as pessos estão num clube raivoso e bem fechado onde você não é bem vindo.

E não tenho costume de olhar blogs, mas encontrei esse que tem muita coisa legal (com algumas reservas) como ferramenta de combate ao preconceito.

Também não faço a mínima ideia do que seja um "blog de búfalo". Não sou frequentador da internet como a maioria das pessoas são.

Para ser bem franco, só essa semana atentei e tomei intimidade com o conceito de "Patriarcado" que as feminstas tanto usam. Nunca ouvi falar disso relacionado a feminismo, cofesso! Citei as palavras "branco", "hetero" e "homem" motivado pelo livro: "De Tarzan a Holmer Simpson", do Psicólogo e Professor da UFRJ Sócrates Nolasco, que "discute" a crise de representação do homem, a sua banalização e seu desgaste. Ele fala de um homem inseguro, sem instrução, ineficiente e fracassado na sociedade que canaliza as suas frustrações para a violência e sucumbe nela. Um homem sem referências positivas na sociedade (razão da palavra negativado). Foi nas palavras de Nolasco que fui motivado a escrever um comentário dizendo que esse homem de hoje também sofre, porque a sua represntação e feita a partir desse homem decadente, desequilibrado, violento e criminoso, que mata, estupra, lota os presídios e morre violentamente.

Dessa maneiera, disse sobre uma crise de indentidade onde se faz necessária a negativação do homem e nesse contexto emergem as minoriaas e esse homem fica ainda mais isolado e refém do machismo.

Deixo o link do programa Café Filosófico onde Sócrates Nolasco dá uma palestra sobre o livro: https://www.youtube.com/watch?v=p71Iiqtkkxo

Citei algumas palavras que causaram um barulho, mas que foram motivadas em virtude desse livro do citado psicólogo da UFRJ. Essa palavras foram associadas a PATRIARCADO, que é algo que eu não tinha nenhuma noção que vocês discutiam aqui como conceito. Da mesma forma que eu admito minha ignorância em relação a esse caso não seria admitido me classificar como alguém que pertence a algum grupo de ódio, de masculinista etc. Só levantei uma bola! Não faço parte de nada que pense em ódio e em favorecer exclusivamente os homens; nem suspeito que exista um complô feminino querendo esmagar os homens e dominar o mundo (um matriarcado). Seria triste saber que existe gente que te rotula e te carimba com um selo de masculinista só por causa de uma frase que pode ter outra interpretação. Penso que isso é ser tendencioso. Rotular e generalizar arbitrariamente sem conhecer as pessoas é uma estupidez enorme. A pessoa simplesmente diz: você é tal coisa, você é masculinista como se te botasse num saco junto com todo tipo de gente que é odiado.

Com todo respeito do mundo e coração aberto...

Rodrigo (37, carioca)

lola aronovich disse...

Rodrigo, pra ser franca, nem me lembro o comentario que vc deixou e que fez com que alguem te chamasse de mascu. Se os mascus nao vivessem aqui, nao trollassem direto, acredite: vc nao seria chamado de mascu. Como eles nao parecem ter outra coisa pra fazer alem de exibir sua ignorancia em blogs feministas, a gente fica com o pe atras. Alem do mais, TODO mascu, ao ser chamado de mascu, nega ser mascu. Parece não ser um rotulo que atraia muito prestigio, sabe? Mas, se as suas intencoes sao boas, Rodrigo, seja bem vindo.

rodrigo b disse...

Obrigado pelas palavras Lola.

Boa noite.

Julia disse...

Anon das 21 de setembro de 2013 14:26

Só vim aqui dizer que achei seu discurso fantástico, você disse tudo!