quarta-feira, 29 de maio de 2013

"EU QUERO UM RELACIONAMENTO ABERTO E MEU MARIDO NÃO QUER"

L. me enviou este email que eu respondo abaixo:

"Querida Lola, chamo-a de querida, pois é assim que sinto você em relação a mim depois do guest post que li e que tanto me identifiquei a respeito do relacionamento aberto (RA), sendo mesmo pra mim uma espécie de tábua de salvação, ao perceber que não estou ficando louca! Espero que vc possa me dar uma luz! 
Sou filha de uma família maravilhosa com valores pautados na união e amor ao próximo, tendo como base a religião espírita. Embora tenha a consciência dos meus compromissos espirituais, estes não foram suficientes para me fazerem “superar” as minhas tendências de querer estar com outras pessoas, mesmo sendo casada. 
Conheci meu marido quando eu era adolescente, e hoje tenho um relacionamento duradouro de quinze anos, e dois filhos lindos. 
Há mais ou menos 10 anos aconteceu o indesejável: me apaixonei por um homem casado. Era uma atração terrível, daquelas que a gente sente à primeira vista! Resisti, embora sofrendo, e quis me separar do meu marido para viver este relacionamento. Mas engravidei do meu segundo filho e tudo se acalmou. Esta situação ocorreu mais duas vezes, criando um caos total dentro do meu casamento. 
Eu sempre me sentia a vilã da história, pois eu queria a separação por não ter vivido minha adolescência, e por ter dúvidas se realmente meu marido era a pessoa que eu sempre quis. Ele é um homem bom, ótimo pai, marido e amigo (amigo limitado, pois quando se trata deste assunto, ele perde totalmente o equilíbrio!) e louco por mim, chegando a ser mesmo quase uma obsessão. 
Volta e meia, esta situação de eu me interessar por outro homem se repetia, e eu sempre fui muito sincera, contava todos os detalhes pois privo muito pela honestidade. A situação explodia, nossas vidas viravam um tsunami, a ponto de afetar toda a estrutura da nossa família. Depois tudo se acalmava, e eu me arrependia e jurava que não iria mais sentir atração por outros, e o círculo vicioso se repetia. 
Detalhe: meu esposo é tranquilo, calmo, muito dependente de mim, tem um grande complexo de inferioridade e isso aumentou depois que entrei na faculdade; chegou mesmo numa dessas situações a pensar em se matar, em me ameaçar, me agredir de todas as formas, principalmente psicologicamente. Há momentos em que eu acabo me sentindo obrigada a estar casada com ele, embora quando estamos bem não sinta isso. 
Em relação a ele, já ocorreram algumas situações em que despertaram muito o meu ciúme, e eu brigava. Porém, de uns tempos pra cá, decidi que não queria mais isso e propus de realizarmos as nossas fantasias sexuais, já que estas envolvem outras pessoas. Pois bem, quando se trata de realizar a dele ok, mas quando falo da minha em transar com outro cara, ele muda totalmente e nem quer mais tocar no assunto. 
Atualmente estou passando pela mesma situação: estou apaixonada por um vizinho, casado, e em crise no casamento, e estamos muito envolvidos. Jamais me imaginei nesta situação, com um cara casado, mas aconteceu! Diferente das outras vezes que eu me envolvia apenas emocionalmente com outras pessoas que eu sequer beijava, e sempre corria e abria o jogo pro meu marido, desta vez tenho me encontrado com frequência com este vizinho. Já decidimos até transar, e eu não contei nada, e mais, até menti, já que meu marido percebe que o cara me olha diferente, morre de ciúmes e já me perguntou se nos encontrávamos.  
Sempre conversamos muito, pois eu sempre prezei pelo diálogo no nosso casamento, e ele chegou até mesmo a falar que eu poderia ir e me encontrar com outras pessoas e que ele não queria saber, mas depois ele volta atrás! Não quero terminar meu casamento, tenho muitas inseguranças em relação a isso e muitas delas estão atreladas também à minha religião e à minha família. 
Propus o relacionamento aberto a ele, mas não entra em sua cabeça! Ele não consegue conceber a ideia de pensar em mim com outro cara. Disse que já colocou a situação pra outras pessoas, sem contar que era ele, e é claro, ninguém concorda com esta forma de se relacionar. Nesse meu processo de autodescoberta, percebi que não me satisfaço com uma pessoa só, ainda que eu o ame muito. Tenho necessidade de estar com outras pessoas, de vivenciar outras paixões, sem que pra isso eu não tenha que estar separada. 
Nosso casamento é lindo, temos uma história de muita luta que acho que pouquíssimas pessoas têm, não quero jogar tudo isso fora, embora existam momentos em que tenho vontade de  me afastar, dar um tempo, e que ele não aceita de forma nenhuma! Meu desejo aumenta cada vez mais em relação ao meu vizinho, tenho tentado me controlar muito, mas há momentos em que me revolto com tanta pressão. Não sou vítima, nem nenhuma pobre coitada, mas estou perdida, não sei o que fazer. Sei que se lutar contra isso conseguirei esquecer o rapaz, mas isso vai se repetir com outra pessoa e a sensação de frustração é horrível. Me ajuda Lola, não sei o que fazer!

Minha resposta: Pelo jeito, L, vc, assim como tantas outras pessoas, não é alguém que se dá bem com a monogamia. Vc precisa de outras pessoas para amar emocional e fisicamente, e não há nada de errado nisso, desde que o seu parceiro concorde. Não sei se você já leu O Livro do Amor, da Regina Navarro Lins. É excelente. Ela é entusiasta de relacionamentos abertos, e diz que é uma imposição desumana exigir que a gente só tenha interesse sexual (e afetivo) e se relacione com uma só pessoa por anos a fio. 
Acredito plenamente que o seu marido tenha perguntado a outras pessoas sobre relacionamento aberto e que a maior parte tenha virado o nariz. É um assunto que provoca muita discussão, repulsa até. Mas isso é a maior hipocrisia, porque, como sabemos, um monte de gente trai. Um montão de homens e mulheres têm ou já tiveram amantes. E acho que o RA pode ser uma possibilidade pra impedir que essa traição aconteça. Afinal, se o parceirx sabe, não é traição, é?
Mas isso não resolve o seu problema. Seu marido não concorda com RA. E, pelo que vc descreve, ele é muito ciumento, o que é um perigo. Cuidado com a obsessão dele por vc! Isso quase sempre é um péssimo indício, ainda mais se vc descreve vagamente algumas "agressões". Esses "crimes passionais" -- que eu prefiro chamar de feminicídios -- são quase sempre causados por parceiros e ex-parceiros que são ciumentos demais. Espero de coração que seu marido não seja assim.
L, não sei o que te sugerir. Vc ama seu marido, mas ele não quer ceder em algo que é importante pra vc. Não sei se resta outra alternativa que não seja terminar a relação. Isso, claro, depois de muita conversa, mas isso vcs já vem fazendo. Saiba apenas que, no seu próximo relacionamento, vc terá que encontrar um homem que aceite RA, senão você terá os mesmos problemas. E saiba que encontrar homens assim não é fácil. Geralmente eles gostam muito da ideia de relacionamentos abertos pra eles, mas pras parceiras é diferente. E claro que isso é machismo, inclusive porque é baseado em crenças idiotas de que só homem gosta de sexo, que homem precisa de variedade, e que mulher precisa ser sempre vigiada (não se sabe porquê, já que não gostamos de sexo mesmo). 
Sobre como o conceito de RA entra em choque com a sua religião, isso é algo que vc precisa trabalhar. Lembre-se que sua vida sexual só diz respeito a vc (e, talvez, a seu parceiro ou parceiros). Vc não tem que prestar contas pra ninguém de algo que vc não considera errado. Vc não está cometendo nenhum crime. Só está querendo ter um relacionamento menos engessado. Num mundo ideal, daria pra vc ter um relacionamento aberto e continuar feliz com sua família. 
Boa sorte!

138 comentários:

MCarolina disse...

Eu fiquei um tempo pensando em um comentário mas acho que no fim o problema se resume a incompatibilidade no modo como vocês querem viver o relacionamento. É um pouco parecido com um casal no qual um quer ter filhos e o outro não. Não sei se tem uma solução. Uma das pessoas tem que ceder, ou a situação vai continuar tensa.
É ruim ele ser tão dependente e ciumento, principalmente, porque você mencionou agressão, mas mesmo que ele fosse confiante e tranquilo provavelmente não quisesse ter um relacionamento aberto. A maioria não quer. Eu não quereria. A única coisa que eu recomendo é pesar a relação, os momentos bons e os momentos que são angustiantes para você, e ver o que pesa mais.

Anônimo disse...

tive um casamento em que tudo era muito bom, mas em relação a sexo era ruim. eu queria me sentir liberada p ficar com outras pessoas, mas ele não concordava, mesmo sabendo que eu não estava satisfeita. Enfim, acho que se a pessoa não se interessa pelo seu d, esejo, o seu desejo passa a não ser da conta dela. Acho deselegante ficar contando detalhes de outras histórias pro parceiro. eu me separei, e acho que foi uma ótima decisão. mas não acho que seja uma solução universal. se a relação é boa e ele não se interessa por todos os caminhos onde seu desejo te leva, sendo que vc já tentou convidá-lo pra ir nessa com vc, ou mesmo esperou a cumplicidade que não houve, não vejo nem pq vc ficar se violentando, nem pq abrir mão do que existe de bom no casamento, nem pq esperar que ele dê conta do seu desejo (o q ele já demonstrou q não dá). Não acho que ficar com outras pessoas sem ele saber,nesse caso, seja hipocrisia,mas simplesmente você viver a realidade como ela se apresenta a você.

Anônimo disse...

Fora do post, mas uma notícia: Franca Rame, faleceu de madrugada,aos 84 anos.
Atriz desde sempre e militante contra a Italia fascista.
Sofreu um estupro coletivo em 1973, quando fora sequestrada por facistas. Em 1983 ela comenta sobre o fato no monólogo (fortíssimo) O Estupro.
Enfim,perdeu-se uma militante que usava o humor e a sátira como arma.

Anônimo disse...

o que ? o cara não quer ser corno manso ? que machista retrogrado, aposto que e mascu .

Anônimo disse...

Se você precisa estar num relacionamento aberto, você precisa de alguém que queira isso também. Não tenho julgamentos morais quanto a essa prática, apesar de não ter interesse, mas não acho que seja justo você torturá-lo por causa do seu desejo. Seu marido tem seus problemas de autoestima e talvez por isso ainda não tenha se separado e nem tenha essa coragem, talvez ache que não vá encontrar mais ninguém. Talvez esses problemas que você relatou sejam por causa disso. Eu me sentiria o pior lixo do universo se minha esposa dissesse que quer estar com outros homens.

Vanessa disse...

O mundo ta perdido mesmo,ela diz amar o marido mas ja se apaixonou por outros várias vezes,com homem casado no meio da história.
E ainda esta planejando trair o cara,se ele n quer, melhor terminar de vez,ninguém é obrigado a aceitar nada.
Vejo pessoas dizendo q aceitam r.a numa boa,pura mentira pq eles dizem ok mas n querem saber de nada,se é tudo maravilhoso qual o problema de contar ao parceiro que vai se econtrar com outra pessoa?

Anônimo disse...

"estou apaixonada por um vizinho, casado"
-
Desculpe-me, mas isto para mim e uma falta de respeito gigante, um vizinho ? alguém proximo, que por esta proximidade vai fazer seu marido virar motivo de chacota entre conhecidos dele, acho que voc~e esta confundindo tesão com emoção, e nos não somos animais para viver unicamente baseados em instintos, certas convenções sociais não existem a toa, mas sim para evitar incovenientes e sofrimento alheio.
imagine a situação de angustia e sofrimento que seu marido não deve passar, ao ver os valores e sentimentos dele, serem atropelados por esta dita modernidade, acho que seria mais honesto e digno pedir a separação.

Mordred Paganini disse...

Vanessa: você leu mesmo o post? Ela nunca traiu o cara, mesmo morrendo de vontade.
E bem, pra mim ela parece presa a esse cara.

Mirella disse...

Olha, L.

Não sei bem o que te dizer.
Não posso dizer o que é melhor ou não, mas acho mais honesto com todos se você se separar.
Você não pode obrigar seu marido a aceitar um relacionamento aberto. E você não deve se obrigar a viver esta rotina de culpa, sofrimento, tristeza e repressão.
Acho que é importante perceber se algum dia você conseguirá conciliar seu atual marido com a sua indisposição monogâmica. Veja bem, quando eu falo parece fácil, mas sei que não é. E também entendo que você conhece a sua vida melhor que ninguém. Mas não consigo ver vocês dois felizes continuando assim. Você consegue?
Infelizmente, acredito que você vai precisar escolher entre o que quer. Seu marido não parece se importar com a repressão que impõe. E também tive a impressão de que seu casamento enfrenta bastante "poréns". Ele é ótimo, mas lhe prende numa maneira de casamento que lhe faz infeliz. Você se sente sufocada, reprimida, culpada e, pelo que entendi, não se separou por conta dos filhos, enquanto ao mesmo tempo diz que a história de vocês é linda. Não duvido. Mas acho que, em nome da história de vocês, seria interessante evitar o rancor de viver uma vida assim. Existe uma hora em que não dá para continuar. Talvez você possa pensar a respeito.
De qualquer forma, somente você pode escolher, e espero que as coisas se resolvam da melhor forma possível.

Anônimo disse...

Acho que ela deveria inverter a situação, se colocar no lugar do marido.
E então ver como gostaria que o marido agisse com ela nesta situação.
Ela gostaria que ele ficasse com a vizinha sem falar nada? Ou falando para ela? Terminar tudo? Optar pela monogamia?
Nada como se colocar no lugar do outro.

Anônimo disse...

Acho que é um tema que gera muita polêmica e mexe com egos, e isso chega a ser incômodo.
Bom, na minha opinião, se quer viver um RA acho que você deva se separar (visto que seu marido não aceita o tal fato), pois assim como vc não quer a imposição da monogamia o outro não quer a poli, é ai o divisor de águas.
Sou completamente contra a traição, pq na minha concepção está claro a falta de respeito com o companheiro, e se eu to pouco me lixando para o outro para que ficar junto né? Vá exercer seu direito de ficar com quem você quiser, se você o ama de verdade acho mais do que justo ele seguir a vida dele da forma que ele acha certo, sem que um aprisione o outro em suas concepções.
AMAR É QUERER QUE O OUTRO SEJA FELIZ, MESMO QUE ISSO SIGNIFIQUE NÃO ESTAR AO NOSSO LADO!!
Quanto ao ego (o meu é bem grande - my fault), eu me sentiria bem mal se meu companheiro dissesse que precisa estar com outras para sentir ou reascender o tesão, não sei se é só meu ego piscando, ou se é criação, ou simplesmente preconceito. Fato é que sou adepta a monogamia (respeito quem é adepto a poligamia), e se meu parceiro não concordasse eu o deixaria seguir a vida dele (separava) para que ele vivesse da forma que lhe fosse mais proveitosa, e também faria o mesmo se eu fosse a polígama.

Anônimo disse...

Por isso que muita gente trai e engana o parceiro/namorado/marido. Porque sabe muito bem que o outro não vai aceitar que o seu amado(ou quem ele pensa que ama)tenha prazer e ame terceiros.
Talvez se todos nós fôssemos criados desde pequenos que monogamia não existe, que fidelidade é uma ilusão, que ninguém controla por quem vai amar, se apaixonar ou sentir tesão e que o corpo do outro não lhe pertence, não é propriedade sua, as pessoas aceitariam com mais naturalidade o desejo do outro.

RavenClaw~ disse...

(Complicaaaado demais. @.@
Assim, é como disseram, você tem o direito de ser feliz no relacionamento que quiser. Mas seu marido também. Se nenhum dos dois ceder, não tem mto motivo pra continuar junto, por mais amor que haja. E me desculpe mesmo, não quero desrespeitar sua religião, mas isso que você disse sobre não querer se separar por causa da crença não faz sentido nenhum se comparar que r.a tudo bem neh? '-'

Conheço pessoas, próximas, que vivem relacionamento aberto e são muito felizes, mas pra mim não daria certo. Obviamente não condeno, se há mesmo um deus ele nos largou aqio para sermos felizes e ponto! Mss no teu caso, tem que ser com alguém compatível contigo. =/ Falei, falei e não disse nada. Bom, boa sorte.

Anônimo disse...

L.
Eu tb sou espírita e confesso que muitas vezes entro em conflito por causa disso. Uma das coisas que eu questiono é o culto ao sofrimento. Esse sentimento é tratado como algo que nos eleva e faz melhores, mas nem sempre é assim. Na maioria das vezes ele paralisa e nos afasta de quem somos de verdade. Você insatisfeita e seu marido eternamente inseguro não pode ser algo positivo... Mas pelo que eu entendi, você gosta dele, tem carinho e não quer apenas se libertar, mas resolver a situação.
Quem sabe uma terapia de casal com um bom profissional não é o caminho para poderem tomar as decisões corretas ? E então seja lá o que resolva, pode fazer de maneira mais consciente.

Anônimo disse...

Acho que o comentário
"Se você precisa estar num relacionamento aberto, você precisa de alguém que queira isso também."
resume a questão.

Se seu marido não quer um RA vc deve escolher se quer continuar com ele em um relacionamento monogâmico ou se vai se separar para seguir esse seu propósito.
Feio vai ficar se vc impuser sua vontade ao outro.
(Ok, ele pode estar te impondo um rel. mono., mas vc tem a opção de se separar.).

Desculpa se o que comento não é bacana, mas a resposta é essa e parece que vc tá querendo só reunir coragem/comentários favoráveis ao seu intuito....

Ali disse...

Talvez alguns livros do Chico Xavier da coletânea do André Luis ajudem a autora do post e reforçar algumas questões sobre sexo e família...
Recomendo Missionários da Luz e Sexo e Destino.

Mesmo sem acreditar em religião alguma, ou em Deus. Se envolver com o vizinho casado não parece muito bacana...

Acho que estamos fixados demais atualmente em nos realizar como pessoas, por meio da realização de uma vida sexual "ativa", digamos assim. Não tenho tanta certeza de que este é mesmo o caminho... Quando a gente tem muita coisa, o que está faltando fica muito mais atraente do que realmente e o preço a se pagar raramente compensa.

Maria Fernanda Lamim disse...

Eu ia comentar, mas a Lola ja disse tudo. Nao vejo nada errafo com o RA, ja tive dois, e hoje estoumonogamica por opçao (a gente muda sobre isso tb, as vezes). Existe sim muito preconceito moralista sobre o assunto, mas independente disso,RA so funciona qd os dois estao de acordo ...esse casal esta diante de um impasse dificil mesmo de resolver. :(

Anônimo disse...

L, não vejo nada de errado com o relacionamento aberto, desde que AMBOS façam esse acordo ANTES de embarcar na relação. Pelo seu relato, parece que esse não é o caso. Se antes de se casar vc concordou em ter um relacionamento monogâmico com seu marido, fica difícil mudar as regras do jogo nessas alturas do campeonato, né? Não da para culpá-lo ou obrigá-lo a aceitar um RA se vc sabia, desde o início da relação, que isso seria inaceitável pra ele. Acho que a pergunta que vc tem de se fazer é: "amo meu marido a ponto de continuar vivendo com ele; e só com ele?". Se a resposta for não, não lhe resta alternativa a não ser a separação. Vc embarcou em um casamento monogâmico ciente das implicações que isso teria pra vc e pra ele. Vc aceitou e concordou com a monogamia. Pode até ter mudado de ideia (e isso é um direito seu) mas, como eu disse no começo do coment, não da pra querer que ele engula suas novas regras nessas alturas do jogo. Separa-se, se o relacionamento monogâmico não te satisfaz mais (sei que vc não deseja isso, mas infelizmente não podemos ter tudo do jeito que a gente quer). E antes de embarcar em outra relação, certifique-se de que seu novo parceiro é adepto de RA. Caso contrário, vc nunca vai conseguir sair desse seu círculo vicioso. Boa sorte na sua decisão. Julia

patricia. disse...

Eu provavelmente não sou a pessoa certa para aconselhar sobre relacionamentos, mas pelo o que compreendi, você casou nova, achou que deveria ter aproveitado mais sua adolescência, que gostaria de ter experiencias diferentes das que você teve a sua vida inteira ao lado da mesma pessoa.

Eu acho que monogamia não é para todo mundo, muitas vezes eu penso que não é pra mim. E talvez muita gente pense assim, mas sabem que um relacionamento poligâmico não é tão socialmente aceito.Há uns anos atrás, em uma roda de amigos, todo mundo me olhou torto porque eu disse que provavelmente perdoaria uma traição, então é fácil supor que falar de relacionamento aberto para a maioria das pessoas provavelmente vai causar espanto, no mínimo.

O que eu acho é que você não pode estar feliz com sua vida agora.Vc se sente presa,pressionada e seu marido é ciumento, e as vezes violento. Eu enxergo perigo aí, pq de uma agressão mínima para uma agressão séria é uma linha tênue, e no final das contas, tudo é agressão de qualquer jeito, e o seu marido é o autor delas.

Eu imagino o quanto a sua situação deve ser delicada. Você tem filhos, você gosta do seu marido, mas você não quer viver da mesma forma que ele, e isso acaba prejudicando a sua de vocês dois e provavelmente dos seus filhos. É complicado, mas é bom ponderar as suas opções,ver o que te deixa mais satisfeita, tentar ceder a um relacionamento monogâmico ou ceder ao seu casamento e viver da maneira que você tem vontade, mas sem o seu marido.

É complicado, mas no fim das contas, eu acho que vc tem que escolher oq vai te fazer mais feliz:)

Mari Lee disse...

(Off topic) 'But I'm A Nice Guy': vídeo curtinho sobre os mascus, bem engraçado

Anônimo disse...

Querer impor uma relação sexual que o outro lado não quer é estupro. O que você faz é estupro. Se fosse um contrário, um homem querendo impor uma relação sexual, vocês achariam um absurdo, mas como se trata de uma mulher, ela está certa e o homem é que é um machista retrógrado.

vanessa disse...

vc leu o que eu disse mordred? eu disse q ela pretende trair o marido e foi isso q a autora relatou,que tem intenções de transar com seu vizinho.parece que quem n leu o post foi vc.

anon 11:28 nossa,ficar com outro sem o companheiro saber n é hipocrisia?é assim q as pessoas veem os relacionamentos "faço o que quiser e o outro que se dane",é sempre EU,EU,EU,se é egoísta a esse ponto,só importa o que vc quer,n sei porque começar um relacionamento,fique solteiro,assim pode sair com quantos quiser,sem se importar com mais ninguém,além de si mesmo.

eu n acredito nesse tipo de relacionamento,mas se alguém quer isso tem que ser na base da honestidade,acho muito hipocrisia as pessoas dizerem que amam,respeitam os parceiros mas n pensam duas vezes antes de enganar.

e concordo com quem comentou sobre sexo,parece que só o que importa num relacionamento é isso.

Bruno S disse...

Eu diria que nossa amiga L está numa bela sinuca de bico.

Abrir mão do marido que ama e da vida família que gosta não é uma opção que pareça vantajosa.

Deixar de viver as paixões que lhe aparecessem de experimentar e viver situações fora do casamento é algo que ela não consegue mais. Não é à toa que até então ela conseguiu evitar colocar seus desejos em prática e agora não pretende mais.

Há também a opção que o próprio marido levantou e depois recolheu "chegou até mesmo a falar que eu poderia ir e me encontrar com outras pessoas e que ele não queria saber, mas depois ele volta atrás!".

Nessa última há questionamentos éticos e morais a respeito, mas a princípio é onde os envolvidos perderiam menos. Não é à toa que tantas pessoas tem relações extraconjugais. Acaba sendo a opção de menor perda e ao mesmo tempo a mais condenável.

E, no caso apontado, pode ter grande potencial de risco devido ao comportamento do marido.

Anônimo disse...

Acho que tudo se resume em ser bom para ambos.
Se vc não esta feliz dessa maneira e seu marido não quer mudar, a melhor opção é a separação.

Não vejo nenhum problema em relações abertas, mas relacionamento/casamento é um acordo, e este deve ser bom para ambos.

Se separe, viva as aventuras que tem vontade, de repente quem sabe, vc e seu ex-marido possam se encontrar de vez em quando...

Brigitte disse...

Fico imaginando uma coisa.A esposa do vizinho que vc tá afim seria enganada ou estaria consciente da relação?
Sinceramente acho que quem quer liberdade pra sair transando com quem quer deveria ficar solteiro.
Existe uma chance muito grande de que pessoas que não tem nada haver com nossos pontos de vista sejam machucados.
Na real,se separe e tenha a liberdade que tanto quer.Sem se machucar e sem machucar ninguém.

Mariana disse...

Vou chover no molhado aqui, mas concordo que vc precisa de alguém que aceite um RA pra viver um RA. Da mesma forma que vc se sente reprimida e sufocada com o casamento monogâmico, seu marido também se sente inseguro e diminuído pelo fato de vc precisar se envolver com outros homens. Longe de mim querer te julgar moralmente, mas perceba que um dos dois vai sempre sofrer por ceder à vontade do outro (vc vai se sentir presa e ele vai se sentir inseguro).

Será que vale a pena vcs dois viverem insatisfeitos? Vc está mais uma vez interessada por outra pessoa e dessa vez está escondendo os detalhes do seu marido. Vale a pena, pra vc mesma, viver essa vida dupla? Ou mesmo renunciar ao vizinho e voltar pra um casamento que não te satisfaz só pra não magoar seu marido? Acho que vc vai sofrer das duas formas, então também não vejo outro jeito a não ser a separação. Quando os dois têm prioridades opostas no relacionamento, é muito difícil que um ceda sem sofrer bastante ou até se anular.

Também me preocupam as tais "agressões" mencionadas no texto. Ele também não pode te obrigar a continuar em uma relação que te faz se sentir presa, da mesma forma que vc não pode obrigá-lo a aceitar o RA. Então, se vc realmente se separar, certifique-se de que tudo aconteça de forma amigável.

Anônimo disse...

Já propôs ao seu marido visitinhas em casas de swing - de casais casados, não as casas liberais que costumam ter este nome tbm- para ver a reação dele? Lá há muito mais exemplos de casais liberais que vc possa pensar. É SÓ uma sugestão.

Luana M C disse...

"Por isso que muita gente trai e engana o parceiro/namorado/marido. Porque sabe muito bem que o outro não vai aceitar que o seu amado(ou quem ele pensa que ama)tenha prazer e ame terceiros".

Achei totalmente errada essa afirmação! Assim como existem pessoas que querem viver um poliamor, outras optam por relacionamentos monogâmicos. Defender a traição porque o parceiro não aceita mudar sua concepção de relacionamento é falta de respeito com a pessoa! Se você não quer mais esse tipo de relação fechada deve procurar alguém com o mesmo pensamento e não julgar como "retrógrada" outra maneira de pensar.

Iara Sindrominha disse...

Ah,gente,vão ter que me desculpar,mas eu li o post de cabeça pra baixo!

Isso quer dizer que entendi que ter ou não amante,sair ou não com o vizinho parece uma fuga...tive impressão que esse casamento é um porre,um marido chiclete,uma bola de ferro nos pés....Não precisa nem se apaixonar por outro pra sonhar em ir embora,dá pra sentir que o problema é o marido mesmo...enfim,não se ofenda moça do post,eu li de cabeça pra baixo.Mas adorei o livro da Regina Navarro e recomendo muito,concordo com ela,e penso que essa conversa sobre monogamia tem que ser colocada na mesa assim que o namoro começa,tem que ser discutida abertamente e não dada como uma questão natural e obvia.

Anônimo disse...

Eu acho que tu pode até conversar com teu marido. Só que ele já manifestou a vontade dele, então se ele aceitar, ele só vai estar fazendo isso pra manter o casamento. Daí ele é que vai ser o insatisfeito da relação...
E traição é desrespeito, né...
A decisão não parece ser dele, mas tua: prefere reprimir teu desejo e seguir casada com ele ou te separar e viver outras coisas?

Anônimo disse...

Tive muitos namorados. Tive muita atracão sexual pela maioria deles, bem como por outros que nunca cheguei a namorar nem transar. Agora me casei! E aí ? Nao sentirei mais atração por ninguém ? Sentirei mas devo fazer de conta que não? Sentirei mas me reprimirei? Satisfarei meus desejos , mas com cuidado para nao magoar meu mardo? Difícil decidir....

Ana Carolina disse...

É bem a hipocrisia social mesmo. Se você trair por debaixo dos panos, tá tudo bem, mas se quiser conversar honestamente sobre suas necessidades afetivas, tá fora de questão. É muito DIFÍCIL ter de desafiar essa hipocrisia, querer fazer as coisas do jeito certo. Bom, desejo sinceramente que encontre uma solução conciliadora e possa viver bem sua vida...

Anônimo disse...

Eu sei exatamente como a leitora se sente.

Eu tenho um namorado, amo ele muito, muito mesmo - mas também amo outro rapaz, na mesma intensidade, mas de modos diferentes.

Eu desejo ambos. Também de modos diferentes. Os dois são tão opostos, o amor que tenho por cada um deles é algo irreconciliável e que não posso compensar ou equilibrar.

Eu já tentei "terminar" com os dois e nunca mais vê-los. Sei que está tudo errado comigo, sei que não é normal - normal é querer transar com várias pessoas e amar apenas uma (afinal, o desejo é algo inconstante mesmo), mas meu caso é o inverso. Se eu pudesse, trocava todo o sexo do mundo só pra poder gostar dos dois em paz, poder ter a companhia deles.

Eu tive muita raiva quando meu namorado disse que estava dando em cima de outra menina, da qual ele não gostava, só para "se vingar" de mim (e ele nem sabe da dimensão do meu amor por outra pessoa) - se ele desejasse outra menina, ficasse com ela, eu perdoaria, contanto que fosse sincero, e não algo motivado pelo orgulho e pela insegurança.

Enfim, aí eu me convenci de que eu não devia mais sofrer (quase tentei suicídio, chorei, sofri, parei de dormir, parei de comer, fiquei doente) pelo que eu sentia. Contanto que eu agisse pelo amor e nunca pelo deboche. Eu nunca mais vou fazer isso que faço agora - porque eu nunca mais vou aceitar um relacionamento monogâmico. Já aprendi minha lição: meu coraçãozinho sujo não pode ser de ninguém. Depois disso, nunca mais.

Anônimo disse...

1-Ao que parece pelo relato a autora casou cedo, e não "viveu" a adolescencia naquilo que ela pensa que teria de ter feito. Querida, você viveu sim sua adolescencia, amou um homem, criou uma familia, ou seja, viveu intensamente sua juventude.

2- Outro ponto, parece que seu casamento chegou a um limite, você sente desejo por outras pessoas o que é natural, mas não quer sacrificar esse desejo por casua de sua familia, do seu marido e dos seus filhos. Sim, viver em familia exige sacrificios pessoais.

3- Se não está disposta a isso, se não está disposta a abrir mão de seus afetos extra conjugais, saia dessa relação, deixe seu marido ser feliz com outra pessoa, a qual talvez o respeite.

4- Por fim, mulheres não suportam homens com problemas de estima, isso é fato.

Rafa.

Anônimo disse...

o coitado não aceita que ela saia dando pra geral e, por isso, é machista. Francamente... Por que não se separa de uma vez e vai viver a vida?

Christian Barreto disse...

É uma situação bem difícil, porque o assunto é claramente importante pros dois. Não é fácil ceder em algo desse tamanho.

E desculpa, mas mesmo você tendo se segurado tantas vezes ainda acho bem errado que você traia seu marido. Principalmente se a esposa do seu vizinho também não souber. Mesmo você talvez não sendo próxima, é sacanagem com ela.

Anônimo disse...

eu acho que vc tem agido como uma vilã nesse caso. não pq vc deseje outros homens, isso é completamente normal, o desejo não morre quando a gente casa, nem se torna exclusivamente orientado pro parceirx. mas a situação fica realmente tensa quando, apesar de descrever seu marido como uma pessoa insegura e ciumenta, vc insiste em confessar pra ele o seu desejo por outros homens. eu normalmente concordaria que honestidade é a melhor política, mas acho que a gente tem que rever isso quando tá provocando inseguranças nx parceirx que não vão afundar só o relacionamento, mas a auto-estima da pessoa também. isso é grave e tem gente que não se recupera disso nunca mais :/

fora isso, o seu relacionamento parece ser abusivo. abusos psicológicos, ameaças de suicídio, tudo isso é abuso em um relacionamento. e se vc se sente casada por obrigação, acho que o melhor a fazer é terminar mesmo, e procurar alguém que possa te oferecer o tipo de relação em que vc se sente satisfeita. não acho que tentar forçar seu marido a uma situação que ele não se sente confortável seja a melhor opção pra vcs dois, só ia colocar ele na situação em que vc se encontra agora, e eu realmente acredito que pra dar certo um relacionamento, todos os envolvidos têm que estar felizes.

Kika disse...

Se pra ti ser feliz, tem que viver no poliamor, tem que te separar, pois é um direito do teu marido querer um relacionamento monogâmico.
E é muita Sacanagem da parte de quem faz um contrato monogâmico, quebrar o acordo e pensar somente em si.
Kika

Anônimo disse...

Concordo com Ali (12h44). O sexo é superestimado. Jamais trocaria uma relação de amor em que tudo é perfeito só porque o sexo não é tão bom e tenho vontade de estar com outros. Não vale a pena. Não vale.
O problema é que o casamento da moça não parece ser tão bom assim, já que o marido a ameaça e agride como ela disse. Nesse caso o melhor seria separar mesmo.

Liana hc disse...

Eu acho que a solução é simples (aceitar o acordo inicial e continuar num casamento monogâmico ou se separar e buscar RAs), o difícil é arcar com as consequências da decisão. É preciso saber abrir mão, o que obviamente não é fácil, ainda mais quando se tem filhos. Ainda assim, viver insatisfeita não me parece uma boa escolha. O casamento de vocês não parece estar indo bem, e tentar adicionar terceiros aí não soa uma atitude muito acertada nem madura, me desculpe. Acho preocupante ter tido agressão e tamanha possessividade.

Acho importante que cada se proponha lidar com os próprios problemas, com os do casal, e só depois pensar em RA.

Não sei se era sobre isto que você se referia quando falou em "compromissos espirituais", nem sei o quanto religião tem influência na sua vida, mas eu que também sou espírita (e tive relacionamentos abertos) já ouvi coisas do tipo "se você está com tal pessoa, se tiveram filhos, é porque você tem um compromisso de vidas passadas, e abandonar isso é arrumar mais problemas no futuro, vão ter que recomeçar tudo de novo etc bla bla bla". Francamente, quem é que sabe do propósito de vida dos outros pra ficar dando pitaco desse jeito? Cuida de não usar religião ou coisa que o valha como desculpa para ficar em cima do muro, só quem perde é você. Antes de se preocupar com "vidas passadas/futuras" ou seja o que for, o melhor é tratar de cuidar do aqui e do agora porque é o que a gente tem realmente, é nisto que deve estar nossa atenção. Não se deve fazer as coisas constrangido. Bem, isso aí é o que eu penso e como procuro viver a minha vida. Você parece estar precisando das suas próprias definições.

E se tiver consequências... bem, tudo na vida tem consequências. Acho que a pior delas é não ser feliz.

Anônimo disse...

Desde quando trair por debaixo dos panos ta ok? Todo mundo adora quando leva chifre né.
O problema é que pessoas q sentem vontade de transar com qualquer um,dizem q se eles se sentem assim,todo mundo deve ser igual e só esta se reprimindo,é machista....
Desculpa esfarrapada pra promiscuidade e traição e acham q os outros são obrigados a aceitar e se n quiser a pessoa trai assim mesmo.
Fica solteiro de uma vez ou procure alguém q pense igual.

Se sentem obrigados a viver na monogamia mas querem obrigar os outros a viver na promiscuidade.

Alba Marcondes disse...

Anonima das 14:15, amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo é normal sim. E tem muita gente que vive assim, se chama poliamor. Eu sou casada e há um ano namoro outro rapaz. Amo muito os dois com a mesma intensidade! Eu comecei a namorar o meu marido há 6 anos e optamos por um relacionamento monogâmico, mas com o tempo fomos conversando e hoje somos muito felizes poliamoristas. Atualmente nenhum dos dois namora ninguém além de mim, mas meu marido está saindo com uma moça há um tempo, muito simpática e que entende e aceita também.

Seria tão bom se as pessoas pensassem no que funciona pra elas e parassem de julgar os outros. Pois o que mais ouço é que sou vagabunda e que não sei o que quero, que meu marido tem baixa auto estima, por isso aceita ser corno...etc...

É difícil pela sociedade, mas traz uma realização imensa saber que a(s) pessoa(s) que você ama estão felizes, mesmo que não seja com você.

Anônimo disse...

É realmente um assunto complicado e realmente um relacionamento aberto.
Tive uma amiga que revelou pra mim que vivia em um relacionamento aberto com o companheiro dela, quando ela falou isso pensou que eu fosse julgá-la e tal.
Eu disse que se ambos concordam em um relacionamento aberto, que sejam felizes, as coisas só se complicam quando um quer e o outro não, isso vale em vários assuntos.
Claro que no meu ponto de vista só não é legal quando um quer e o outro não, pois das duas uma, ou separa e cada um leva a sua vida como quer, ou então deixar de realizar tais desejos, o ruim é enganar a outra pessoa com quem você se relaciona.
Mas algo só achei estranho é essa fixação por homens casados.

Veronica disse...

Por favor!! Existe divórcio no Brasil, se o marido não está pronto para uma relação aberta, ou vc se divorcia, ou vc desiste de fazer sexo com outros homens!!

Não dá pra ter tudo na vida, tá na cara que ele não vai topar nunca e te digo mais, caso ele tope, depois ele mesmo vai querer te largar.

Aconteceu isso com uma amiga minha (vizinha e confidente então acompanhei de perto a história ouvindo confidências de ambos). O marido queria relacionamento aberto e ela não, ele tanto insistiu, insistiu que ela cedeu. Ela concordou em aceitar aventuras dele e caso sentisse vontade, conhecesse alguém, ficar. O que aconteceu?? Na primeira vez dela com outro, ela foi embora e não voltou mais.

Não quis saber de filho, casa, nada, nem do carinha que ela ficou.

Agora tá lá, o traste do EX- marido atrás, jurando que se ela voltar, ele não vai mais querer sexo com outra, agora ele é que quer um casamento tradicional depois de 8 anos atentando a esposa com isso de relação aberta.

Sem contar que durante a separação ele fez toda aquela chantagem emocional, dizendo que ela havia aceitado, que ela não tinha honrado o trato que fez com ele... como todo homem, a culpada pra ele ainda era ela kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Minha ammiga hj é muito feliz num relacionamento monogâmico , e o ex vive para pertubá-la, até chora arrependido, virou crente, diz que destruiu o próprio casamento...

Jackie Santana disse...

Acho q ficou claro pelos comentários q o ideal é a separação por que vc não é obrigada a ter um relacionamento monogâmico e o seu marido não é obrigado a ter uma R.A .
Vc não pode esperar ou tentar evitar o sofrimento, toda separação causa sofrimento em ambas as partes , não é bom levar um fora de quem se ama e mto menos dar o fora em quem também amamos mas por questões pessoais decidimos que a relação não nos satisfaz mais seja lá por qual motivo. Não dá pra evitar as lágrimas mas é melhor do que viver uma mentira, o sofrimento passa c o tempo.
P.S > Tara por homem casado?!
No começo do relato a L. comentou q quase se separou p/ viver uma relação c um homem ¨casado¨e agora quer sair c o vizinho ¨casado¨?
Entenda homem casado já tem uma relaçao a não ser que seja R.A, não deixa de ser mto perigo se envolver. Até por que vc não vai querer esposa traída fazendo barraco em frente a sua casa , trabalho , enfrente dos filhos e família , youtube etc
Desculpas como meu casamento tá acabando, minha esposa( ou esposo ) e eu não dormimos mais juntos, ela(e) sabe são clássicos de quem traí seus cônjuge.

Isadora G. disse...

Olha, concordo com alguns comentários... Pra ter um relacionamento aberto é necessário que as duas pessoas estejam de acordo, o que não acontece neste caso. Confesso que se alguém fizesse comigo o que a moça está fazendo com o marido (entendo que a motivação dela foi prezar pela honestidade mas... sério, ouvir isso deve doer muito, principalmente pra quem já tem auto estima baixa), eu sinceramente me sentiria extremamente desrespeitada, e tenho certeza que não conseguiria permanecer em uma relação assim.
Acho que ele tem todo o direito de não aceitar um relacionamento aberto, mas por outro lado achei meio esquisito ele achar tudo ok quando se trata de realizar as fantasias DELE, ainda que estas também envolvam outras pessoas, enquanto não aceita que a esposa faça o mesmo.
Fiquei um tanto confusa... Ele sentir-se diminuído e sofrer com a situação é muito compreensível, já que o acordo entre os dois é um relacionamento monogâmico, e se ele o cumpre, o esperado é que ela faça o mesmo. No entanto, quando ele parece achar o contrário (ele se envolver com outras) super natural, e também esta tendência à agressividade que foi mencionada, aí já me parece possessividade.

Rooster disse...

Escolheu o casamento, agora quer promiscuidade, e a culpa é do incauto do marido?
Separe de vez e assuma sua inconstância!

Marina P disse...

Olá! Acho que você está em uma situação em que terá de fazer uma escolha e nenhuma das opções disponíveis parece ser capaz de garantir que você tenha todas as coisas que quer ao mesmo tempo. A configuração em que seu marido aceita o relacionamento aberto, se sente feliz, você se sente feliz e o casamento é mantido não é uma opção real, embora seja o que você mais deseja.

Muitas pessoas casadas se sentem atraídas por outras pessoas e abrem mão de ter casos ou outros relacionamentos; outras buscam relacionamentos abertos; outras traem e outras, ainda, se separam. O que você vai fazer, depende de um monte de fatores e cada pessoa prioriza aspectros diferentes na hora de tomar essa decisão.

Eu acredito que você vai ter que abrir mão de alguma coisa. Talvez seja preciso abrir mão agora do seu casamento para poder depois conhecer outra pessoa que pense de forma mais parecida com a sua e tope ter um relacionamento aberto; talvez seja preciso abrir mão de ter outros relacionamentos para continuar ao lado do marido e manter um relacionamento que, segundo você, já superou tantas coisas. O que não vai dar é pra ter tudo... às vezes a vida é foda mesmo e a gente acaba numa posição de ter de escolher o que parece ser melhor ao invés do que seria ideal, o que gostaríamos de poder ter.

Continua...

Marina P disse...

Continuação...

Sobre toda essa situação em que você fala abertamente com seu marido sobre a atração que sente por outras pessoas, me parece que você tenta ser franca e jogar limpo, mas a coisa está estranha... Você falou sobre isso com ele várias vezes, percebeu que repetidamente ele diz que não quer uma relação aberta (embora ele tenha tentado falar que topa em alguns momentos, no fim sempre acaba dizendo que não topa) e mesmo assim resolveu continuar na relação. Isso, pra mim, quer dizer que você aceita as condições de uma relação monogâmica. Algo como "eu disse que quero X, ele disse que só topa Y e eu continuei com ele, logo, eu concordei com Y, ainda que preferisse X". Então, o que acontece é que essa conversa fica ressurgindo na relação e a decisão dele é sempre a mesma... Por tudo que você escreveu, parece que ele não vai mudar de ideia, então o seu jeito de agir me faz pensar que você está magoando o seu marido e se magoando bastante também. Você nem fica, nem vai embora e enquanto isso continua se apaixonando por outras pessoas. Ele continua ouvindo de você que você queriase relacionar com outras pessoas e isso o magoa. Você continua se apaixonando e se sentindo muito infeliz por não poder realizar muitas coisas importantes para você. Não vou desenvolver isso, mas o seu marido faz a mesma coisa quando evita se separar de você e conhecer alguém que queira uma relação monogâmica ou então manter um casamento monogâmico com alguém que claramente deseja se relacionar com outras pessoas.

Alguém tem que ceder e não parece que será ele. Você conseguiria ceder e viver um casamento monogâmico com ele sem traí-lo? Enfim... é doloroso e confuso.

Também sou espírita e acredito em viver e deixar viver; nenhum casamento que faça a gente infeliz deve ser mantido pra gente "aprender" com ele. Já estive em uma relação aberta mas hoje estou em uma monogâmica. Nenhum tipo de relação é perfeita, mas há sim aquelas configurações em que nos sentimos mais à vontade, mais felizes...

Enfim... espero que consiga fazer uma boa escolha, que funcione para você! Abraço!

Bruno S disse...

Leio esse monte de comentários com julgamentos a respeito da conduta da moça e uma coisa fica na minha cabeça.

Essa turma nunca deve ter pulado uma cerca, acobertado a pulada de amigo ou parente, nem saído com alguem comprometido.

Paula disse...

gente, eu leio RA.. eu penso Reeducação Alimentar...


mas enfim, acho que muita gente já falou o que eu penso:

-quem quer relação aberta (RA é Reeducação Alimentar!) tem que estar com alguem que pense igual,

-falar para um cara monogâmico e com baixa auto-estima que vc quer transar com outros homens, que vc está louca por um cara de sei-lá-de-onde é SUJEIRA! Alivia a sua consciência e joga uma bomba no colo do cara...não a toa ele ta meio surtado (antes do mimimi de culpabilização da vítima, até onde eu percebi, as agressões não passaram de birra... a não ser que eu esteja errada)

-traição é errado. PONTO. Quer ter vida sexual variada, mantenha-se solteir@ ou ache alguem adept@ à poligamia

-alguem mais acha que isso é típico de quem casa virgem? Isso é tão normal... acho que ela tem uma fantasia de vida sexual variada e não sei se o preço a pagar é um tanto alto...

Anônimo disse...

Simples, se você quer sair transando com quem quiser, separe-se do cara. Porque ele não quer um relacionamento aberto, você não queria quando começou o relacionamento com ele. E ele não é o vilão da história, porque houve um acordo. Acho que a sua dúvida é mais se você quer viver uma vida séria e chata ou uma vida na putaria e divertida. Bom, aí é uma escolha só sua.

Mas olha... já que você tá tão assanhada pelo vizinho, ao menos tenha a descência de liberar para ele apenas quando a esposa dele tiver consciência ou quando ele tiver se separado dela. O mesmo vale para o seu marido. Não seja egoísta ao ponto de destruir a vida de alguém simplesmente pelos seus desejos sexuais.

Anônimo disse...

Há uns anos tive uma namorada (sou homem) que depois de quase 1 ano e meio juntos num relacionamento sério e monogâmico disse que me amava e queria continuar comigo, mas também queria poder ficar com outras pessoas. Isso doeu profundamente em mim, destruiu minha auto estima de uma forma que me afetou por muito tempo. Nesse tipo de coisa é melhor não ser honesta, por que quem sofre é 100% o outro. Precisa de muita frieza pra ter coragem de dizer isso, ainda pro seu marido que você está há anos. Esse é o post que eu mais odiei entre todos até hoje (li o blog inteiro).

Ana Vitória disse...

Credo cruz, que relacionamento doido. Vc sente atração por outras pessoas (nada errado ok? ninguém é obrigado a ser monogâmico), mas seu marido não quer abrir a relação. Pelo contrário, ficou ainda mais ciumento depois que vc começou a contar essas coisas para ele (para quem é monogâmico faz até sentido, eu ficaria muito mal se meu marido confessasse sentir vontade de ficar com outras pessoas). E pelo que vc falou, ele é obsessivo, já te agrediu... Olha, tá TUDO errado. Ao mesmo tempo que vc não é obrigada a estar em um relacionamento monogâmico, tem que respeitar a vontade dele em ser assim. Tem pessoas que são monogâmicas e outras não, e eu acho que esse é um impasse impossível de ser resolvido.

Ele já foi violento, ao mesmo tempo vc fica se culpando. Vc não pode fingir ser o que não é pq a única pessoa que vai ser infeliz com isso é vc. Ficar com outras pessoas sem o consentimento dele eu tb acho sacanagem... Enfim, concordo com a Lola, eu optaria pela separação e iria atrás de uma pessoa que queira um RA tb.

Só uma coisa, várias mulheres dão inúmeras justificativas para continuar em um relacionamento fracassado, e vc escreveu esse post fazendo isso. Se ele já te agrediu verbalmente e fisicamente, é sinal de que a relação não é tão maravilhosa assim né?

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Fico feliz que hoje em dia mulheres tenham mais liberdade para expressarem dúvidas e crises que várias antes já tiveram sem ter essa mesma liberdade de ao menos questionar a respeito dela.

Por outro lado nossa sociedade ainda é muito hipócrita em relação ao desejo feminino. Se fosse um homem como essa mesma dúvida, questionando com os amigos o que fazer, não é difícil imaginar que a maioria o aconselharia a ir em frente, não acabar nem com o casamento, nem com o caso, ter uma monogamia de fachada... mas só ele óbvio, a mulher que ao menos olha para o lado mesmo traída pelo marido ainda é xingada.

É complicado isso e a discussão é muito válida, mas ninguém pode decidir a não ser você.

Anônimo disse...

L., me sinto um pouco como a você adolescente! Sou jovem e tenho um relacionamento há mais de dois anos (uma eternidade nessa época da vida). Amo minha namorada mais do que qualquer coisa que eu possa imaginar mas tenho medo de me enveredar por esse caminho seu, de me arrepender disso no futuro... ela também é um pouco como seu marido, extremamente dependente de mim. Você se arrepende de ter seguido seus sentimentos de adolescente? Será que não vale a pena?

Anônimo disse...

Sei não, viver com a perspectiva de não ter sexo decente o resto da vida não te parece assustador?

Masoquista disse...

Vim aqui só pelos trolls.

Annie disse...

Eu vivo um relacionamento aberto há alguns anos. Tenho dois namorados de longa data, e espero que minha experiência pessoal possa te dar alguma luz.

Comunicação, honestidade e confiança são os pilares do poliamor, e sem isso, é impossível contruir um relacionamento múltiplo saudavel (ou QUALQUER relacionamento saudável, na minha opinião)
Mas tem outra coisa muito necessária nesse modelo de relacionamento: todo mundo deve estar bem com isso.
Não adianta tentar começar um relacionamento aberto se você é parte de um casal que tem problemas dedependencia, insegurança. Adianta menos ainda começar isso com um outro cara cheio de problemas no relacionamento dele. No poliamor, regra número um, todos os envolvidos sabem o que está acontecendo. Regra número dois, você não começa relacionamentos novos para tentar remendar o que não está certo nos antigos.
Isso sim não dá certo, e só leva à dor.

Agora, a parte difícil de verdade é essa:
Você sabe o que você precisa pra ser feliz: um relacionamento aberto.
Seu marido também sabe o que ele precisa pra ser feliz: um relacionamento monogâmico.

Por mais que doa, é claro que vocês têm necessidades divergentes, que não poderão ser atendidas se vocês ficarem juntos. Um não pode dar o que o outro precisa pra ficar bem, alguém vai ter que ceder e se anular, alguém vai estar triste.

Não é justo que você acredite que seu marido TEM que aceitar o relacionamento aberto. Algumas pessoas são monogâmicas e pronto. Mas também não é justo que você seja obrigada a se submeter à monogamia se isso não te faz feliz. Poliamor não é errado e pode dar certo SIM.

Eu sei que isso tudo é muito mais fácil de dizer do que de ouvir e fazer, e eu sinto muito que você esteja num momento difícil agora. Mas você precisa pensar na sua felicidade e tomar suas decisões.
Trair vai eventualmente machucar a ele e à você. Não faça isso com alguém que você gosta tanto. Converse, e se um ponto de acordo onde os dois sintam-se bem não puder ser alcançado, termine. Pode doer agora, mas é melhor assim.

Desejo o melhor pra você.

Débora disse...

Lola, vc já viu o filme Elena? Fiquei bem impressionada com o documentário e como vc costuma a fazer belas análises sobre filmes, fiquei curiosa pra saber o q vc acha. Segue o link com o trailler:
http://migre.me/eMKwW

vanessa disse...

bruno s
seu comentário n me surpreende,quem n gosta dessa "modernidade" só pode ser hipócrita...

nunca trai,pra mim isso é muita sacanagem e covardia, mostra q a pessoa n tem respeito nenhum por mim.
mas ja aconteceu de eu ser traida e ele usou as desculpas vazias de todos os traidores "n queria te magoar"( dá para acreditar,levar um fora machuca mais do que ser traida), "foi sem querer" ( mostra a covardia e muita cara de pau,quer dizer q aconteceu sem ele querer ou n foi culpa dele,n foi pq ele quis,por acaso foi violentado?

Anônimo disse...

Pra mim isso parece premissa de uma pessoa que tem medo de solidão, mas quer viver como alguém solteiro.
Relacionamentos abertos se mantém firmes por anos porque o casal compartilha a parte emocional apenas entre eles, e apenas no quesito carnal eles buscam experimentar outras pessoas. Uma pessoa que vive se apaixonando por outras deveria assumir uma vida de casos, casamento nenhum jamais vai funcionar numa situação dessas.
Veja bem, um conjugue, um ser humano, ele possui necessidades emocionais; no meu compreensível e minhas experiências, mesmo um relacionamento aberto precisa duma parte ali que é exclusiva ao companheiro, algo que o torna especial em relação aos outros, e me desculpe, filhos ou morar na mesma casa JAMAIS vai preencher isso. Apenas um laço emocional que DEIXA DE EXISTIR se o outro vive de paixões por outras pessoas pode manter um casal em relacionamento aberto saudável e feliz.
Se prender desse jeito a um casamento e achar que o conjugue precisa aceitar uma pessoa assim, destemperada que vive desesperada por paixões é inaceitável.

Anônimo disse...

Off-topic: sopro de racionalidade no Yahoo.

http://br.mulher.yahoo.com/blogs/preliminares/cultura-estupro-medidas-paliativas-governo-e-redes-sociais-104922487.html

Anônimo disse...

Minha opinião: Se é isso que vc quer pra sua vida, ok, vc tem todo direito de viver sua sexualidade da forma que melhor lhe agrade. Mas não é certo vc trair seu marido, se ele já deixou claro que não aceita a situação. Ainda mais com uma pessoa tão próxima, um vizinho... óbvio que isso vai vir a tona em algum momento, e seu marido será humilhado.
Se vc tem alguma consideração por ele, como pessoa, busque seguir seu caminho, será muito mais honesto com todos. Separe-se e vá viver seus relacionamentos abertos.

Sou homem, e jamais conseguiria aceitar minha mulher com outro homem (podem chamar de machista), mas é assim que eu penso. Entendo que algumas pessoas conseguem, mas eu sou incapaz de aceitar essa situação.

Vivi disse...

Acho que há várias coisas confusas nos comentários.
A moça começou a ter este desejo por RA “depois” de casada, neste sentido ela querer ter um RA a partir de agora, não faz com que ela esteja traindo nenhum trato, uma vez que ela já colocou este desejo pro marido. Em nossa sociedade, como a monogamia é a regra, o normal, padrão, é não se discutir “nosso casamento será aberto ou não?” no início da relação. Hoje isto tá mudando, ainda bem, mas na cabeça de muitos, nem passa esta opção, ainda mais 15 anos atrás qndo ela se relacionou com ele. Então, não da para culpá-la de não ter falado antes.
Dois, o cara é agressivo, isto é problema dele, ele tem que mudar “independentemente” dela trair, querer trair, ou qualquer postura ela. Isto sim eu acho grave nele.
Três, também acho que ela tem que se decidir “antes” de trair o marido. Pois ele já colocou que não quer. Enquanto ele não aceitar o RA, acho que ela deve respeitá-lo ou terminar. Ou dar um ultimato, no sentido de “é RA ou separação.”

Bruna disse...

Lola, não sei se você já assistiu esse vídeo, mas SÓ LEMBREI DOS SEUS TROLLS quando vi. E me acabei de rir. http://vimeo.com/64941331

Anônimo disse...

Vou dar meus pitacos sobre monogamia-poliamor.
Eu particularmente acho super bacana quem consegue alguns tipos de RA, acho que é a tendência, mas eu não consigo. E não sofro nem um pouco por isso. Se sinto tesão por outras pessoas? Claro, como sinto quando estou solteiro. Para mim é uma questão de escolhas. Eu amo a pessoa que está comigo, nunca senti nenhum sentimento (de querer namorar) com outras pessoas. Sinto claro carinho e afeto por amigos e amigas, e claro, sinto que outras pessoas são “desejáveis”, atraentes como sempre senti, independente de estar solteiro, compromissado etc. O que quero dizer é que não sinto que isto tolhe meus desejos a ponto de sufocar ou algo do tipo. Sei que a vida é feita de escolhas, e não se pode ter tudo o que quer. Ex. quero bater em um monte de gente, mas não faço, ex. quero beijar o cara bonito da TV mas não posso, quero mandar alguém a merda, mas não faço por “optar” que dentre tudo o que existe, este é o melhor caminho.
Tenho plena noção de que todos sentimos atração por várias pessoas, mas só queria registrar que mesmo quem escolhe a monogamia, e sentindo outras pessoas desejáveis, isto não significa que ele está fadado a infelicidade. Daí, claro que pesa o “grau” deste desejo. Só para dizer que concordo com o tipo de mentalidade que a Regina Navarro quer combater – a mentalidade conservadora--, mas não sei se concordo muito no rumo que ela leva a discussão. Talvez eu tenha que elaborar melhor, mas sinto uma exaltação “acrítica” do RA que ela faz. Talvez não tenha lido o suficiente, mas não vejo ela criticar os relacionamentos abertos que se baseiam na pura satisfação do individualismo, próprio do nosso tempo. Isto é, para mim, existem vários tipos de RA, o que busca o individualismo e satisfação pessoal, ou o que poderia surgir mediante uma sociedade mais solidária, baseada na coletividade , daí sim o poliamor seria possível. Eu não quero viver numa sociedade onde eu satisfaça meus instintos sexuais com vários, tenha amizades com outros, more com outros, como se fossem caixinhas de compartimentos que cada um ME “satisfaça” de acordo com MINHA necessidade de CADA momento, como seu eu não fosse um indivíduo integral. Sei lá, viajei, acho legal a discussão de RA, mas temos que tomar cuidado para buscas funcionalistas de satisfações de egos

Anônimo disse...

Sou a favor do RA, quando as duas pessoas aceitam. Acho que no começo essa ideia é difícil pra qualquer pessoa. Imagina você crescer assistindo novela e comercial de margarina, onde tem a família feliz é a família "completa e adepta da monogamia".

Pra mim cada um é cada um.

Pelo jeito que a L. escreveu, ela percebeu que casou muito cedo e não pôde viver o que queria. Quando um desejo de liberdade é oprimido, ele vira uma bola de neve com o tempo. Por isso que te sufoca.

Não vejo nenhuma razão para continuar esse casamento, sinceramente. Gera um stress e querendo ou não, vai acabar respingando nos filhos. Outra coisa, pelo que você falou do teu marido, ele não aceita e já chegou na agressão. Outra bola de neve.


Anônimo disse...

OFF

http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/facebook-adota-medidas-para-reduzir-violencia-contra-mulher?page=1

Anônimo disse...

Eu "traio" meu marido e vou explicar porque:
Desde o inicio do nosso relacionamento combinamos que se nos envolvêssemos com outra pessoa abriríamos o jogo para o outro. Não foi o que aconteceu. Nos primeiros 11 anos de casada, fui totalmente fiel. Nessa época descobri que ele tinha uma amante há alguns meses.Enquanto eu ingenuamente cumpria a minha parte do acordo, reprimindo meus desejos que ocasionalmente surgia por outrxs.Ele tentou de toda maneira me fazer crer que a história era falsa. Busquei a verdade e era ainda pior. Fiquei muito mal e com depressão mas nao tive coragem de me separar. Me recuperei e na primeira oportunidade " traí". Foi ótimo, me senti muito bem e realizada. Não parei mais. Até porque ele nunca se redimiu.Hoje estamos assim: eu sei que ele tem casos. Ele sabe que eu tenho( ou pelo menos desconfia).Mas nao conversamos sobre isso. Nos amamos e nos damos muito bem sexualmente. E vamos levando nessa hipocrisia, pois um não aceita a verdade do outro...

Anônimo disse...

a mancada é vc se apaixonar. paixao é besteira, muita fraqueza, nao leva ninguem a nada, so desgasta a pessoa que a sente, faz perder tempo e se apegar a alguém. desapegue desses sentimentos menores e curta o sexo.

agora, sem querer ser moralista, mas e quanto aa mulher do cara casado com quem vc se relaciona? ela sabe que ele saiu com outra? ela concorda? nao acho justo envolver e fazer sofrer outras pessoas nas nossas loucuras.

boa sorte.

lucia helena.

Marina P disse...

A Ana Vitória fez uma boa reflexão que me motivou a reler o relato. Parece, no fim das contas, um relacionamento entre duas pessoas co-dependentes; ambos estão infelizes, mas ambos se sentem presos a esse relacionamento.

Nathalia disse...

O única saída pra esse problema é rever suas prioridades e fazer suas escolhas e tenha em mente que qualquer escolha que você fizer vai ser dolorosa. Abrir mão do que você tem ou quer ter é sempre complicado e sempre vai magoar, mas é necessário, as vezes.
Seu marido é monogâmico e vai ser muito difícil pra ele, aceitar que você se envolva emocionalmente e sexualmente com outras pessoas. E ele não está errado. Da mesma forma em que você não está errada em querer tudo isso.E em um relacionamento sempre alguém vai ter que ceder, mas nunca devemos ceder se isso significar que seremos infelizes com as condições do outro.E você está infeliz com a monogamia, assim como ele ficaria infeliz com a poligamia. Nesse caso, se você realmente não aguenta essa situação, se não vale a pena, o melhor a se fazer é se separar, para cada um viver a sua maneira e tentar ser feliz, pq vcs n estão felizes agora. E para isso é preciso muita reflexão da sua parte, para que você decida o que vai ser melhor pra você: continuar casada com um homem que você ama vivendo monogamicamente OU se separar e viver a poligamia com pessoas que são adeptas a ela. O que for te fazer mais feliz, deverá ser a sua escolha.
E um conselho, não se relacione desa forma com o vizinho por enquanto.Tudo bem que você já está envolvida, mas a sua situação já está ruim demais para que você faça algo que prejudique mais ainda o seu casamento, é melhor que diante de uma situação tão delicada, vocês evitem se magoar mais ainda.
E lembre-se que nenhum sofrimento é eterno, ele passa. A gente só tem que aprender a lidar com ele.

Rê_Ayla disse...

Li esse guestpost, em especial li os comentários... e fiquei pensando sobre patologias sociais.

Aqui um pouco das nossas patologias: http://dozeeum.blogspot.com.br/2013/05/algumas-ideias-inacabadas-e-mal.html

Anônimo disse...

Fui casada por um bom tempo nunca trai e acho que não fui traída, pelo menos não fiquei sabendo,mas o sexo era ruim, e ele conseguiu quase acabar com minha auto-estima. Hoje estou numa relação liberal, não moramos juntos mas somos muito cúmplices, gostamos muito um do outro, mas cada um transa com quem quiser, não existem mentiras.
No nosso grupo de amizades temos vários casais casados que levam uma vida liberal e são muito felizes, confiam um no outro.
Tanto o homem quanto a mulher precisam ser muito seguros de si para ter um relacionamento liberal.
E quase na maioria os homens que aceitam um relacionamento aberto não são machistas!

MonaLisa disse...

Pelo que vc descreveu do seu marido acho que ele já te traiu e vc não sabe.

Outra coisa, do jeito que anda a relação, com ele 'dominando' eu aposto que se fosse o contrario, que ele quisesse relação aberta e vc não, ele já teria tido independente de seus sentimentos.

Eu não teria nem me casado com um homem com problemas de auto estima e machista.

Anônimo disse...

E nos filhos? Ninguém pensa no que um divórcio causa nos filhos? Que vão crescer emocionalmente instáveis? Que vão ver a mãe cada dia colocar um cara diferente dentro de casa?

Eu acho que os casais que têm filhos poderiam parar de se comportarem como adolescentes! Paixão é coisa de adolescente, gente. Uma pessoa madura entende que casou e teve filhos e, portanto, tem um compromisso de manter essa família. Você mesma disse que cresceu numa família estável e unida. Não se sente mal em não proporcionar o mesmo a seus filhos?

Acho que temos que parar de sermos adolescentes egoístas e passarmos a ser o que realmente somos: PAIS E MÃES.

Anônimo disse...

Anônimo do dia 29 de maio de 2013 às 19:37,

CLAP, CLAP, CLAP.

Minhas reverências a você. Concordo com tudo o que você disse.

E acho engraçado que a pessoa do guestpost ressaltou por duas vezes que é mãe de dois adolescentes e NINGUÉM, nos comentários, olhou esse lado. Estão todos tratando a história como se fosse um casal adolescente, que pode se dar ao bel prazer de viver suas paixões.

Ela se separa e vai ter que tempo para viver essas paixões? Das 7 às 19 está trabalhando. Dai 19 as 22 DEVERIA estar cuidando dos filhos, convivendo com os filhos. Mas não. Estará na rua, vivendo seus romances.

Esses filhos vão crescer se sentido como lixos. Como seres descartáveis.

Nunca concordei com nada que a Regina Navarro ''prega''. Correndo o risco de ser execrada, sempre achei que ela é uma grande mal amada que, por não conseguir ter um verdadeiro relacionamento, *finge* ser a favor da 'liberação' e etc e tal.

Sugiro a vc, Anônimo, a leitura dos livros de Zygmunt Bauman. Ele fala bastante sobre essa modernidade líquida, sobre a descartabilidade das pessoas e dos relacionamentos.

Feminista capitalista disse...

Nossa, nem li os comentarios, vim direto comentar primeiro, não me agüentei.

------------


Então, me desculpe a extrema indelicadeza, mas achei esse teu casmento péssimo a partir do momento em que Vc disse que ele já te agrediu de varias maneiras e inclusive ameaçou se matar.

Tenho ctza, com base nisso que ele e um homem bem machista e que inclusive já deve ter te traído, pois e o que todo homem machista se sente no direito de fazer.

Essa relação e abusiva e eu
sugiro que vc saia dela o mais rápido possível, pois como vc disse ele não vê nenhum problema em realizar as fantasias dele, mas com as suas ele fica doente, pra mim isso e um enorme indicio de egoismo machista e prova que ele te enxerga como posse e nao como ser humano de carne e osso como ele, só isso pra ele ficar tão revoltadinho de te imaginar trocando caricias com outro homem.



Hoje em dia relacionamento aberto esta bem comum e eu acho uma otima saída , muito melhor que traição esta cheio de homens por aí que querem ver suas mulheres transando com outros e participando de surubas, você tem o direito de viver suas fantasias, de desejar o sexo, enfim de querer trepar, e se seu marido e machista demais peca o divorcio e va curtir o que vc pode enquanto tem tempo.


Sei que algumas pessoas vão me odiar por dizer isso, mas acho q as vezes e mais vantajoso ser a amante de alguém do que a esposa.
Com certeza entre ser a esposa de um marido como o teu ou ter um amante, eu escolheria sem pestanejar a segunda opcao.


No mais, não sei pq os homens querem tanto cobrar a fidelidade feminina, se a maioria deles trai por aí, em muitos casos a trairagem começa antes mesmo do casamento, vale lembrar, que muitos homens dão ima festa chamada despedida de solteiro quando estão noivos e ela e freqüentada não apenas por amigos solteiros, mas tbm casados e e claro... Prostitutas que não estão lá apenas de enfeite.
Se eles podem... Nos tbm podemos, e o meu lema, não quero castrar o Pinto de ninguém, só entendo pq querem cimentar a vagina alheia.


Só agora vou ler os comentários que devem estar cheios de mascutroll se
remoendo...

Feminista capitalista disse...

Anônimo mascutroll das 13:20,

Não seja ridículo, se e que isso e possível, ela não quer obrigar o marido dela a transar com o vizinho, nem com ninguém.

Ela quer liberdade pra que ELA possa transar com outro e experimentar, os homens falam tanto sobre variedade, pq as mulheres tbm não podem variar?


Enfim, se trata do corpo DELA e de mais ninguém, da pra vc entender que a vagina pertence a ela e NAO ao marido?
Logo, não tem estupro nenhum na situação, não seja ridículo e não queira comparar se valendo dessa falsa simetria

Feminista capitalista disse...

Esses tipos de post sempre enchem de comentários de trolls anônimos moralistas e machistas, saco hein, kkkkk pq esse assunto mexe tanto com eles? Pois não vejo tanta movimentação anônima em outros posts.

Anônimo disse...

Feminismo é emsmo uma piada...enquanto gays querem se casar e constituir família,a mulherada quer mais é cair no piriguetismo sob alcunha de "liberdade",para depois reclamarem que os homens não prestam,quando forem descartadas mais tarde.O mesmo vale para os homnens adptos deste comportamento.O que são relacionamnetos humanos para vcs,amiguinhas? Uma piada? se não respeitam quem está com vc,se encaram as pessoas como reles orgãos genitais para diversão,como dizem defender justiça social?

Psudo-feminsimo que só nos tem afundado.

Clarice

Anônimo disse...

Acho esse assunto muito interessante, e vagando pela internet achei esse post. Lendo o post e alguns comentários, percebo que tomei a decisão certa ao permanecer solteiro. Vou ser bastante sincero, opções não me faltaram e nem faltam, sei que em grande parte, até mesmo, devido à minha ótima condição social e financeira. Tenho 40 anos, sou solteiro por opção, como estou explicando. Sou empresário de médio porte, com uma condição financeira muito boa, bem acima da média, me considero um cara inteligente, sempre pratiquei exercícios físicos, enfim, nunca tive dificuldades com mulheres. Me considero um homem 'pra casar'. Mas percebi há muito que as mulheres dessa geração não são 'pra casar'. Assim, prefiro levar minha vida de solteiro, com viagens frequentes, amigos, namoradas, mas sem compromisso, pois para ter uma mulher infiel ao meu lado, ou que vá me trair com outros homens, cada vez mais estou certo de que fiz a opção mais correta.

lola aronovich disse...

Anon das 00:46, sabe, deixa eu te explicar uma ou outra coisinha sobre este blog. Chamar uma mulher de mal amada é meio caminho andado pra não ter seu comentário aprovado. É um insulto machista e idiota. Ontem uma das dezenas de trolls (relacionamento aberto mexe muito com os mascus, que ficaram revoltados com a audácia da "mulher moderna" em querer sair de um modelo monogâmico -- eles nem conseguem entender isso, já que, segundo eles, mulher não gosta de sexo) veio me chamar de gorda mal amada e mais um monte de coisas e chamou todas as mulheres de putas e ficou revoltado porque não publiquei o comentário dele. Isso é entitlement, entende? É vc fazer um comentário cheio de ódio, sem nada que se salve, e ainda assim achar que MERECE ser publicado.
Sobre a Regina, além de vc chamá-la de mal amada, vc também a chamou de mentirosa, porque disse que ela finge ser a favor da libertação. Não te passa pela cabeça que alguém pode realmente defender outras formas de relacionamento, sem precisar fingir? Regina é casada pela quarta ou quinta vez. Nas várias palestras que dá por todo o país, o marido, que é escritor, sempre a acompanha. Tenho certeza que ela faz mais sexo e tem mais prazer que qualquer mascuzinho ou mulheres anti-feministas que aparecem por aqui.
Então é o seguinte, anon das 20:46: reescreva o seu comentário raciocinando um pouco e sem insultos. Vc consegue? Treinamento para ser uma pessoa mais inteligente, valendo!

Anônimo disse...

Anônimo 7:34
Vc esta generalizando com as mulheres, MUITAS somos as que nao somos adeptas de um relacionamento aberto e somos fieis e acreditamos na monogamia.
Mas talvez as e os (mulheres e homens) que acreditamos nisso nao aparecemos tanto quanto os ""modernos"".
Eu tb estou solteira porque NAO consigo encontrar homem fiel, que nao force a barra por ex. pra fazer menages ou provar "novas consinhas" que nao quero, NAO consigo achar homem batalhador a maioria dos que ficaram solteiros da minha idade pra cima ficam na casa da mãe por puro comodismo, e querem uma namorada-mãe tb que façam tudo por eles, nao sabem se virar sozinhos, etc. Ou seja NAO consigo achar relacionamento eqüitativo.
Por certo, tenho 34 anos e falando do post: eu NAO SOU a favor de RA, entao nao procuro isso PRA MIM. O resto do mundo que faca o que bem entender contando que NAO MACHUQUE OS OUTROS. a autora do post puxa vida ta fazendo o maior terrorismo com o cara, forcando a barra, pressionando, deixa o cara, casou sem RA e agora quer mudar as regras do jogo? Se separa e vá procurar a sua turma, mas nao fica PRESSIONANDO, FORCANDO A BARRA, EXIGINDO que o cara goste de RA.
se ela fosse o homem da relacao todo mundo concordaria que é super machista da parte dela.,como é mulher, nao tem termo equivalente egoísta, talvez?

Anônimo disse...

Lola, dá uma olhada nesses links:

Uma carta aberta ao Facebook

http://www.feministacansada.com/post/51074662730

Facebook removerá conteúdo que incitar violência de gênero

http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/facebook-removera-conteudo-que-incitar-violencia-de-genero

Abraços,
Dani.

Anônimo disse...

Fiz umas contas simples pra entender melhor a situação.

Adolescente (vou assumir 18 anos de idade) com relacionamento de 15 anos, e 10 anos atrás ela se apaixonou por outro homem: 18+15-10= 23 anos e um filho na época.

Ah, tem informação importante faltando. Ela engravidou antes ou depois de casar? Quando foi que ela casou?

Nada contra a mulher ter vários parceiros, é claro. A mulher pode fazer o que quiser com o próprio corpo, mas tomadas de decisão que afetam a vida de outras pessoas, como a família, como que fica?

Foi descobrir tarde demais que é poligâmica e agora veio o estresse emocional inevitável.

Anônimo disse...

Lola, qual vai ser o local e o horário da mesa-redonda aqui em Juiz de Fora?

Anônimo disse...

não li todos os comentários, mas pelo que percebi a maioria está esquecendo a parte em que ela disse que quando se trata dele transar com outras tudo bem, mas quando se trata dela o ciúme entra em cena, beleza então relacionamento liberal, aberto só pra ele, quando é pra ela não pode, machismo? será?

Ceres disse...

Trair é mentir, ficar com homens casados é ser conveniente com a mentira. Não gosto de mentira, acho que omundo seria lindo se ninguem mentisse. Seusfilhos vão ser felizes se os dois estiverem felizes! Não adianta nada ter pais casados que brigam sempre. Meus pais eram assim, casados e brigavam sempre, minha mae traiu! Eu a compreendo, a sociedade é machista, ela teve medo de se separar. Mas meu pai sofreu muito!! E eu sofri com isso, porque sao duas coisas de uma vez a separação e a traição! Mas entendo pq hj minha mãe é feliz e eu sou feliz, sei que meus pais não seriam felizes juntos. Poliamor, monogamia, R.A tudo é válido sem mentiras e traições! Os dois lados merecem ser felizes!

Lara disse...

Lendo o post muitas coisas passaram por minha mente, primeiro eu consigo compreender seu marido muito bem, pq a partir do seu relato percebi que sua honestidade beira a crueldade vc não precisava detalhar cada vez que se apaixonava, imagino que ele devia se sentir pisado e humilhado, despertando o que a de pior nele.

Segundo trair seu marido com um vizinho que também é casado não é o melhor, pra mim a traição sempre é a pior escolha porque machuca tanto os envolvidos como terceiros (filhos), seja honesta consigo mesma se o casamento não está dando certo, se vc está infeliz e também faz seu marido infeliz, pq continuar assim o divórcio não é fácil, mas vale vc ser honesta do que enveredar por um caminho que só vai te trazer sofrimento.

Laryssa

Anônimo disse...

É difícil. Já participei de relações abertas e relações fechadas. Ambas apresentam dificuldades distintas. Se você pensa que caso seu esposo aceitar uma RA as coisas serão mais fáceis, pode tirar teu cavalinho da chuva. Isso não vai acontecer. Permanecer no casamento, também vai ser difícil.

Não entendi por que é que você fica enchendo o saco do seu esposo contando a respeito das atrações que sente. Desculpe-me, mas isso não é ser "verdadeira" ou "honesta". Isso é entender o casamento como um confessionário. Você precisa criar um espaço de interioridade, de reflexão de si para consigo. Pare de cobrar tudo do seu marido!

Uma vez que tenha conquistado um espaço de reflexão e silêncio, acho que você poderá tomar decisões mais amadurecidas. Enquanto colocar toda a felicidade numa decisão dele (aceitar ou não RA), você vai continuar alienada do próprio destino.

Anônimo disse...

Tava achando que só eu ia detestar esse guest post, mas pelos comentários, não.

Alguém comentou que ela chega a ser cruel confessando sobre as paixonites e forçando a barra pra ter um relacionamento aberto - e eu CONCORDO.

Sei lá, me pareceu uma pessoa extremamente egoísta.

Anônimo disse...

Você tem que ver o que é mais importante pra você, gata.Esse casamento que não te satisfaz ou trepar louca e deliciosamente.Pelo jeito não vai rolar os dois.

Rê_Ayla disse...

DICA:
Todo casal pode - e deve - se dar ao bel prazer de viver suas paixões.

O problema de nossa sociedade é que ficam aí, vivendo relações e padrões de gênero por obrigação apenas - não porque estão genuinamente felizes.

Então temos traições, famílias despedaçadas, filhos com pais ausentes ou criados mal... coisas que seriam evitadas se as pessoas fizessem mais as coisas por paixão e menos por obrigação social, pois todos estariam mais felizes.

O ser humano esquece que existem diversas formas de viver, que as formas de amar e sentir prazer são diferentes, que nossa sociedade é plural! Que coisa melancólica isso de ficar julgando e sendo julgado o tempo inteiro... que tempo jogado fora, no qual poderíamos estar sendo felizes.

Anônimo disse...

ninguém comenta sobre a falta de interesse DO MARIDO pelo desejo dela,né?
o problema é só a traição? Só ela que é egoísta?






































Maria Valéria disse...

Nao entendi bem o post.Em alguns trechos ela diz que ama o marido, que tem uma historia linda com ele; em outros diz que ele a agride, que tem obsessão por ela, auto estima baixa e que ja tentou se matar... (???!!)

Será que isso é amor mesmo? Ou você esta tentando racionalizar porque nao fundo nao o ama mais?

Eu nao amaria uma pessoa como a que vc descreveu...acho que vc deveria pensar sobre isso

Bjs

Lica disse...

Ao senhor ´pra casar´,

Você não acha que é um pouco narcisista, não?

Pensa comigo, numa boa... você é um "bom" partido que não casou pq NENHUMA das várias mulheres que se interessaram por você eram dignas da sua pessoa?

E você nunca se interessou por uma mulher com qualidades 'pra casar' e tentou conquistá-la? Ou você tentou e nenhuma quis você?

Sem contar que esse papo de "sou rico e bonito" não faz de ninguém um 'bom partido'. Talvez se você explorar um pouquinho mais esse blogue, pode mudar um o seu conceito do que é ser um 'homem pra casar' e uma 'mulher pra casar'.

Comece reparando que sequer existe uma mulher "boa partida" e como é machista todas essas expressões que você usou no seu comentário...

Carol disse...

Poxa , sou só eu que me ative ao fato de o marido ser uma pessoa perigosa? Ela menciona agressão. Isso, para mim, já é motivo de divórcio. Espera, o cara é inseguro, dependente, chantagista (essa história de ameaçar se matar), obcecado e agressivo? Pelo que entendi, ela sente pena dele por tudo isso, e cai direitinho nesse jogo dele. L, me parece que ele não é a vitima, e sim você. Pense sobre isso, se você precisa mesmo de um relacionamento aberto, ou se esse relacionamento já não está desgastado e vocês não querem admitir. Principalmente, pense se quer estar ao lado de alguém que represente uma ameaça física pra você. Esse, ao meu ver, é o ponto principal a ser discutido.

Carol disse...

Outra coisa: eu também sou espírita. Agora me diz, onde é que doutrina espírita diz que você tem que sofrer ao lado de alguém que te ameaça e agride, que não pode se separar? O espiritismo que eu conheço é legal por não cagar regra. Não condena o divórcio em momento algum. E essa interpretação de glamourizacao do sofrimento é falha. Você tem escolhas, sempre. Não dá pra dizer que quando erramos e isso nos causa sofrimento, não aprendemos com isso, porque não gostamos de sofrer. Só que sofrer não é a única forma de aprender. E para mim, é muito claro que o espiritismo respeita escolhas pessoais. O caminho da dor é escolhido pelo indivíduo. Não é a regra. Você pode escolher crescer, com dor ou sem. Nada na doutrina te condena a viver com esse encosto de marido. Na verdade, ensina que apego é diferente de amor (será que ele te ama mesmo? Ou é doente?) e extremamente prejudicial para quem o sente, e que ninguém é de ninguém. Resumindo, sua religião não é desculpa para uma vida infeliz. Pelo contrário.

Anônimo disse...

N é coerente Ser espirita e querer viver na promiscuidade .

Binha disse...

Espero poder ajudar um pouco em relação ao quesito "religião". Tenho certeza de que o ciúme do seu marido é algo tão "reprovável" do ponto de vista espírita quando sua "infidelidade". Portanto, não fique se culpando. Meus pais são espíritas e meu pai, especificamente, é médium em um grupo espírita aqui no Rio. Durante grande parte da juventude me considerei espírita também. Mas hoje em dia não tenho vontade e nem sinto necessidade de seguir nenhuma religião, pois acho que posso por conta própria exercitar o amor ao próximo (que admito ter aprendido através do espiritismo)em trabalhos voluntários e na solidariedade com as pessoas com quem convivo. Dentro da religião sentia que minha sexualidade estava sendo reprimida por regras morais. Era algo que me causava culpa, medo, vergonha... só sentimentos ruins. Então, pra quê, né? Comecei a ler muito sobre RA, poliamor, relações livres e acho que não há nada de errado nestes tipos de relação, muito pelo contrário. Relações com desapego e compersão (oposto do ciúme) não têm como serem "más". Aliás, aprender a respeitar a vontade e o desejo do outro, a ficar feliz com a felicidade e satisfação do outro, a amar e ser amado sem amarras, só pode nos tornar seres humanos melhores.

L. G. Alves disse...

Gostei do "inverter a situação" E aí será que ela gostaria? Acho que não, né? rs Ela é uma medrosa, isso sim. Quer viver o que quer, mas não tem coragem de se separar do marido. Quer forçar o cara a aceitar esta situação que para ele é absurda. Já sabe com quem está lidando e ainda insiste nisso. Ela vai é acabar traindo e escondendo tudo. É o que vários fazem, tanto homens quanto mulheres. Traidores covardes. Eu não gosto disso. Tenha coragem e termine o relacionamento.

Misantropo Seletivo disse...

"Lendo o post muitas coisas passaram por minha mente, primeiro eu consigo compreender seu marido muito bem, pq a partir do seu relato percebi que sua honestidade beira a crueldade vc não precisava detalhar cada vez que se apaixonava, imagino que ele devia se sentir pisado e humilhado, despertando o que a de pior nele.

Segundo trair seu marido com um vizinho que também é casado não é o melhor, pra mim a traição sempre é a pior escolha porque machuca tanto os envolvidos como terceiros (filhos), seja honesta consigo mesma se o casamento não está dando certo, se vc está infeliz e também faz seu marido infeliz, pq continuar assim o divórcio não é fácil, mas vale vc ser honesta do que enveredar por um caminho que só vai te trazer sofrimento.

Laryssa"

Foi o comentário mais lúcido que vi aqui. Talvez o único.

Pelo que percebo por aqui qualquer conduta de mulher sempre é justificável, nada é errado, tudo permitido. Será que ficar esfregando paixões na cara do homem é correto?

Se ela quer mesmo sair transando por aí, que o faça, mas não esfregue isso na fuça do sujeito sabendo que ele não aceita isso. Por mais que mulheres neguem, sim, isto é violência psicológica.

Algumas aqui se acostumaram a chamar de "mascus" qualquer um que não aceite ou concorde com essa lamentável tendência de colocar a mulher em um pedestal, uma espécie de supremismo.

O homem não pode submeter a mulher a violência psicológica ou a qualquer forma de perturbação mental. E a recíproca é verdadeira. E espero que aqui ninguém seja cara de pau ao ponto de negar que o que ela faz não é violência psicológica, porque é sim.

Se o cara é ruim de cama ao ponto de fazer com que ela queira outros, divorcie-se e seja feliz! Não tem problema em querer RA's, desde que esteja solteira ou, caso seja casada, esteja com alguém que participe ou ao menos consinta.

Cuidado! Um dos maiores erros do ser humano é se tornar aquilo que tanto criticou. Certos comentários aqui fazem crer que há sectarismo entre umas e outras. O mesmo comportamento daquelas criaturas da "réau".

Feminista capitalista disse...

Voltei só pra dizer que adorei os comentários da Denise e da Re_Ayla, que alias tem um blog ótimo, concordo com elas.
E parece que todo mundo vê essa mulher como a propriedade desse homem, isso me espanta, o marido e violento, perigoso e tem gente justificando jogando a culpa na sexualidade da mulher, isso dentro de um BLOG FEMINISTA, isso me espanta gente, onde fica a liberdade??

Precisamos combater esse mito do amor romântico pq ele e pessimo.

Anônimo disse...

Não é ser machista, mas quando ela casou o cara queria uma relacionamento monogâmico e não um relacionamento aberto.

Se alguém errou foi ela e não ele, e ele tem o direito de cobrar dela um relacionamento monogâmico.

Quantas vontades de suicídio uma pessoa normal tem durante sua vida, eu mesmo sendo bem realizado já pensei em me matar pelo menos umas 5 vezes nos últimos 10 anos. Por este motivo vou me matar ? também já pensei em trair minha esposa com alguém que me atraia, por isso vou trair ?
São desejos que da mesma forma que vem de forma impulsiva, vão embora sem deixar qualquer vestígio ou drama.

Imagina se aconselhassemos todos que pensam em se matar - vai meu filho, se liberte se realize...rsrsrs

Liana hc disse...

Anon de 7:22, a opinião geral aqui foi de que ela tomasse uma atitude sem deixar de ser sincera e respeitosa em relação ao relacionamento que ela já assumiu com o marido, e não que ela o traísse. Quando há sinceridade e concordância, não há traição. E pelo que deu a entender no post, ele não se importa de realizar as fantasias dele que envolvam outras pessoas, mas as dela ele não aceitou. Que tipo de monogamia seria essa, exatamente? Uma bem hipócrita, né, já que aparentemente só caberia a ela. Eles são adultos, ambos precisam assumir a parte que lhes cabe nisso tudo, do contrário vão continuar nessa.

E mesmo que fosse o caso, não acho que caiba comparar "aconselhar" suicídio com "aconselhar" a trair o/a parceiro/a.

Ártemis disse...

Esses assuntos de casamento mexem muito comigo.

"contava todos os detalhes pois privo muito pela honestidade"

L, sério, não. Mentir é diferente de omitir. Vc não precisa contar em detalhes a forma ou consistência do cocô que vc fez. Não precisa contar detalhes de coisas íntimas. Menos detalhes ajudam.

"ninguém concorda com esta forma de se relacionar"
Mah oi? E alguém além do casal precisa?



Enfim, ele não quer RA, isso é claro. Então vc precisa decidir até que ponto isso esse relacionamento é bom pra você.

Das possibilidades: 1) continuar casada e monogâmica 2) continuar casada e trair 3) separar.

Eu não vou fazer qualquer julgamento, e tudo depende do que você acha que irá te fazer mais feliz. Eu faria a (3), justamente por não tolerar ciúmes, inseguranças e etc. Mas sou eu, e eu não decido nada por vc.

Sara disse...

L. eu entendo vc perfeitamente, não vou dar conselhos, pois só vc sabe exatamente onde esta metida, acho toda essa gente q te critica um bando de hipócritas sem tamanho, qdo não são hipócritas são pessoas sem auto estima nenhuma, q acham q pq conseguiram um parceiro na vida, este tem q suporta-los ad eternum, aos q te criticaram pq vc mudou de ideia com relação a monogâmia, mais lixo ainda de gente, primeiro pq não se tem muita escolha na nossa sociedade, segundo pq evoluimos e muitas vezes isso significa q mudamos a maneira de pensar tb.
Qdo eu era mais jovem e inexperiente me preocupava muito com religião, familia, amigos enfim com a sociedade, hje dei uma banana tamanho familia pra toda essa cambada, e penso mais em mim, e q se F_ _A o resto.

Anônimo disse...

L:

Parece que há bem mais problemas misturados.

1-Seu marido é mesmo seu companheiro? Afinal, fantasias dele, ok; mas as suas, nem pensar... Fora as agressões de todo tipo e o desequilíbrio emocional dele...

2- Também me casei jovem e a minha juventude vivia em ebulição, se é que vc me entende, rs... Não cheguei a cogitar nada com outros homens, até porque me separei logo (por causa, adivinhe... dos abusos dele). Mas vivia sonhando a liberdade... Acho que é comum quando se casa cedo.

3- Vc gosta mesmo desse homem, ou quer uma RA para suportá-lo sem enfrentar o peso de uma separação? Vc quer uma RA ou quer apenas ser feliz ao lado de outro homem sem passar pela disputa pelos filhos, divisão dos bens tão suados e infinitas explicações à família sobre deixar um homem que "te ama tanto"?

4- Já pensou em procurar um bom terapeuta pra te ajudar a entender o que realmente está acontecendo com você? Mesmo que esteja absolutamenge certa sobre viver uma RA com seu marido, seria legal ter alguém pra ajudar a digerir tanta angústia.

5- Prefiro a monogamia, sem condenar a RA. Mas me preocupa a crença de muita gente de que este ou aquele modelo é o fim de todos os males. Eu duvido de qq possibilidade de satisfação total, seja com 1 ou 30 parceiros.

6-Espero que vc encontre serenidade para resolver essa turbulência da melhor possível. Boa sorte!

lola aronovich disse...

Publicado em 30/5 e agora republicado como anônimo:

"RA realmente é um assunto muito complicado. Monogamia nunca foi algo natural pra mim, e sempre lutei contra a culpa, não de sair com outros caras em si (isso sempre foi algo natural), mas de isso poder magoar o meu parceiro. Então nos meus namoros era monogâmica apenas pelo respeito pelo então namorado, e claro que o relacionamento acabava não durando.

Acho que só casei com meu marido pois ele foi o primeiro homem que encontrei que não tinha essa visão exclusivamente monogâmica, sempre conversamos sobre isso e ele aceita a idéia de poligamia. Não chegamos a ter um RA explicito pois meu marido diz que não quer saber de eventuais casos, mas não temos ciúme na relação, não controlamos onde o outro está a todo momento, com quem está, e tenho certeza que ele também tem seus casos extraconjugais.

Sempre que contamos pra terceiros nossa visão somos muito criticados, e olha que só falamos na teoria, pra poucas pessoas conto dos meus (muitos) casos extraconjugais. Impressionante como as pessoas tem dificuldades de entender que é possível a poligamia. Eu amo meu marido, o sexo é ótimo, e mesmo assim sinto desejo por outras pessoas. Por que isso seria algo errado? Não afeta meu relacionamento, muito pelo contrário, a cada dia tenho mais certeza que meu marido é o homem da minha vida. Por outro lado não vejo motivo em reprimir meus desejos.

Quanto ao relato do post, também acho que não tem muita saída, um RA depende de consenso entre o casal. Também acho preocupante os relatos da L. de violência por parte do marido, qualquer tipo de violência é inaceitável. Melhor repensar o casamento e se “libertar” dessa culpa, cada um tem que buscar a propria felicidade, afinal a vida é muito curta!"

Anônimo disse...

bem, já que o espaço está aberto para pitacos abelhudos...

então, a meu ver, parte do problema está na sociedade moderna que não entende que escolhas implicam em abrir mão de certos benefícios. é como os pais que levam bebês de colo para bares tarde da noite achando que podem/devem manter o estilo de vida de outrora, que ter um filho não implica em mudanças. será que esses pais estão levando em consideração o melhor para a criança ou o q é melhor para eles?

li os comentários e percebi uma tendência em legitimar esse sentimento de "inquietude emocional". digo emocional e não sexual. imagino q uma parcela importante, quem sabe a maioria, dos RA implica em sexo com terceiros, sem escalar o ato em um relacionamento amoroso. o que a L. parece querer é viver aquelas paixões explosivas que a maioria de nós experimentou na juventude (o que tb parece ser parte do problema, já que a mesma começou o relacionamento com 15 anos e talvez tenha sido privado dessas experiências antes com outras pessoas). isto é, conhecer alguém novo, se sentir atraído, se apaixonar e, por fim, ter relações sexuais com essa pessoa, evoluindo ou não para um relacionamento estável (não digo monogâmico). o que é diferente de ter casos extraconjugais que começam e terminam em sexo e ponto, onde muitas vezes o companheiro sequer desconfia. ela parece ansiar pela presença do vizinho, por sua companhia... e não só pelas fantasias sexuais. pra mim, ela trai de qualquer maneira, pq a traição afetiva, isto é, se apaixonar por outrem, desfrutar de sua companhia em segredo, também se enquadra como traição. pra mim, inclusive, traição muito mais dolorosa. vejo algumas pessoas mais desprendidas desse conceito de posse do companheiro... mas será que isso também se aplica aos casos extraconjugais que não são só casos, mas RELACIONAMENTOS extraconjugais?

enfim, outro aspecto do relato... coloquem-se no lugar do marido, que casou com uma determinada proposta e, muitos anos depois, se vê nessa sinuca de bico. não acho q ela seja a q se encontra numa sinuca. ela só aparente querer tudo, sem abrir mão de nada. quer um "casamento convencional", com marido em casa com os filhos, e quer relacionamentos extraconjugais. por isso imagino q a proposta de um dos leitores, a de frequentar casas de swing, não seria suficiente para L. não parece ser esse o perfil, pelo menos. dessa maneira, a vejo sim como "vilã" - do marido e dela mesma. não dá pra ter tudo sempre. noto q temperança parece uma virtude ultrapassada, meio démodé.

só um obs.: qnd ela cita as tais agressões, sem ser explícita, imagino q se enquadrariam no espectro de frustração normal de um homem que ama uma mulher que quer amar outros. há homens e mulheres dramáticos nesse mundo, a raiva vira um combustível poderoso para as tais "agressões verbais", mas na maioria das vezes o tempo enfia bom-senso nesse teatro. o q ele faz é chantagem psicológica, o q é diferente de ameaçar de morte que ameaça sair de casa... cuidado com a caça às bruxas!

um abraço em todos,

simone

Sara disse...

A monogamia é a raiz de muitos males.
Nunca vou concordar q quem tem casos extra conjugais seja um egoísta, penso justamente ao contrário, visto que a pessoa q tem esses casos leva em conta os sentimentos de seus parceiros, muitas vezes pessoas fragilizadas e com baixa estima, q dificilmente suportariam uma separação.
Sacrificam sua própria felicidade em beneficio desses parceiros frágeis, acho um absurdo completo que tb sacrifiquem uma relação (mesmo q clandestina) que lhes traga alguma satisfação verdadeira.
Egoismo seria deixar esse companheiro frágil e dependente, que aceitam varias evidências que estão sendo traídos, mas nem assim tomam a atitude de pedir a separação.

Marcelo Abreu disse...

E pensar que eu estou há anos querendo uma relação aberta, ser corno manso, e não encontro ninguém à altura...

Anônimo disse...

Sou casado há 20 anos. Temos um filho lindo de 18 anos. Ele obviamente não sabe da condição dos pais. Há 7 anos atrás, o casamento não estava bem, pois não havia interesse sexual pelos dois, brigas, falta de papo, problemas financeiros afetando a vida conjugal, etc. Resolvemos conversar sobre o que estava acontecendo e eu era muito ciumento, tinha medo de perder a minha esposa, que ela me traisse, coisas assim. Na nossa discussão de relacionamento (DR), ela propos fazermos menage (ela, eu e mais um homem), enquanto eu poderia realizar a minha fantasia. Aceitei, fomos em casas de swing, conhecemos alguns homens para que ela realizasse as fantasias. Hoje temos um relacionamento aberto em que ela tem um amante fixo e se encontram 1 ou 2 vezes por semana. Entendi que o medo de perdê-la era a minha insegurança e isso tornava o casamento enfadonho, triste e penoso para os dois. Hoje em dia ela e eu somos muito felizes com a a opção dela ter um amante. O engraçado é que ela me incentiva a ter um caso com uma mulher, mas não sai com nenhuma, pois não me interessei por nenhuma mulher fora a minha esposa. Enfim hoje, aquele cara cimento, às vezes raivoso, mal humorado, de mal com a vida, se transformou em um cara feliz e a esposa é muito mais feliz pois tem o marido e um amante para complementar a vida dela. E olha que o sexo não é o mais importante no relacionamento da minha esposa com o amante.... Nunca eu e ela imaginavamos que iriamos ter um relacionamento aberto. Os dois mudaram muito, o que é natural após 22 anos juntos (2 de namoro + 20 de casamento).

Thayssa disse...

A questão do relacionamento aberto se revolve, nem que seja através do término e de conhecer uma nova pessoa. O mais preocupante é ela relatar que foi agredida de todas as formas e que ele ameaça se matar. Tome coragem e saia dessa, L! É um relacionamento abusivo.

Anônimo disse...

Em um trecho do guest post a autora disse que QUANDO É O MARIDO DELA QUERENDO REALIZAR-SE SEXUALMENTE COM OUTRAS MULHERES, TUDO BEM, MAS QUANDO É ELA QUERENDO SE SERVIR DA MESMA ATITUDE QUE ELE TOMA A COISA MUDA (SUPOSTAMENTE) DE FIGURA! Isso é falso moralismo, hipocrisia, é a mesma coisa de dizer quando é o homem tudo bem, já quando é a mulher fazendo o mesmo tudo errado, o tal dois pesos duas medidas! Filha se você quiser realizar-se sexualmente com outros parceiros realize-se, pois o corpo é seu, a vida sexual é sua e se seu parceiro não faz esforço nenhum pra enquandrar-se neste relacionamento "monogâmico" você também não tem que fazer, afinal porque você tem que se abster-se de algo quando seu marido não faz o mesmo? você é uma mulher adulta dona de seu nariz então você decide por si mesma sem falsos moralistas se interpondo no seu caminho!

Anônimo disse...

Parece que o anônimo aí de cima tem problemas de leitura e interpretação.

Anônimo disse...

Tenho uma namorada, e acho o RA uma delícia, apesar de nunca vivenciado, mas é o meu sonho, e o meu fetiche não diz respeito a mim, e sim em vê la com outro. Já até consegui falar com minha namorada sobre esse meu fetiche, num primeiro momento ela não gostou, pois acabei confidenciando depois de muita insistência dela, porém nunca mais tocamos no assunto. Tento incentiva la de uma forma mais relax, ela até vem gostando. Mas digo que as vezes sinto um certo ciume, e isso me trava muito. O ciume passa pela questão de ser uma fantasia carnal, envolvendo sexo puramente, não gostaria que envolvesse sentimento por ela e o parceiro. E esse talvez seja a minha maior insegurança, confesso que no lugar do Marido acima em questão, não sentiria bem não, uma vez que envolve sentimento (se é que entendi certo). Se fosse um RA onde as aventuras da esposa fosse puramente sexual, e que fosse muito claro na minha cabeça que teria essa segurança por parte dela, eu aderia tranquilamente ao RA. Reflita sobre isso de envolvimento emocional, pois talvez isso possa ser a insegurança dele. Eu jamais no passado conceberia uma namorada minha com outro, jamais, porém namorei com uma mulher que gostava de namorar só caras negros, hoje não namoro mais, porém acabei me interessando pelo assunto, e acabava tendo complexo de inferioridade por não ser negro (vai entender isso, nesse mundo tão racista), e não falo só pelo tamanho, pois sou bem dotado, mas um complexo me fez interessar pelo sexo interracial e consequentemente o fetiche de ser corno. E o que era um complexo virou fetiche, porém ainda dorme dentro de mim a insegurança de aderir ao RA, pela questão de ter medo que ela se envolva emocionalmente demais com o parceiro. Boa noite

camaleão disse...

Querida L. Acredito na dificuldade de aceitação de seu marido devido a questão morais vindas do passado. O mundo hoje é bem diferente é claro. Espero que você consiga manter o casamento e tendo liberdade para viver a vida. Uma vez que você se prendeu tão cedo. Se serve de apoio e se você puder mostrar a ele este comentário,(um dia), diga a ele que eu gostaria de ser seu marido e bem liberal. Sou casado tenho 45 anos e amo minha esposa e ela não concorda com sua ideia, se diz despreparada. Invejo ele.

Anônimo disse...

Li o Post e... bem, confesso q tenho vontade de ver minha esposa com outro, já até cogitei a ela, ficou espantada e sempre repetindo; q loucura, como tem coragem e ao msm tp como muito brincalhona ela é, dizia "é só arrumar q tô dentro, mas, q seja bonito". Enfim, isso ñ aconteceu ainda, apenas fantasia de minha cabeça e ela me respeita muito. Com relação ao post vou ser curto e grosso, como tb tenho esse desejo de RA, mas antes de viver essas aventuras vasculhei e continuo vasculhando a net a respeito do assunto e 1ª regra ñ apaixonar por ninguém de fora, 2ª evitar pessoas conhecidas (parentes, vizinhos, colegas de trabalho), 3ª evitar segundo encontro (dsd q os dois concorde) 4ª sempre respeitar a aprovação do outro. Pelo q eu li, ela tá com ele por dó e sobre RA ela já confundiu tudo, se envolveu com vizinho, se apaixona muito fácil. Ser chamado de corno na cama é uma coisa, ser chamado de corno na rua é pra se matar.

Anônimo disse...

Quando jovem nunca admiti e nem aceitaria um relacionamento aberto. Entretanto com o passar do tempo,enxergamos a vida de uma outra forma, e nos perguntamos pq só o homem pode ter vários relacionamentos e a mulher não ?Homem que pega muitas é chamado de garanhão e a mulher de galinha ! Não estou pregando com isso que devamos fazer sexo à toa e com qualquer um.
O grande problema deste casal é que havia o compromisso de sexo monogâmico, e que agora apenas um quer mudar o tipo de relacionamento. Louve-se a honestidade dela em revelar ao marido os seus sentimentos, entretanto estar se apaixonando até pelo vizinho casado já me parece que pode haver a necessidade de um acompanhamento de um profissional especializado para verificar o que está ocorrendo, pois passa dos limites, e ainda coloca o marido em situação difícil no próprio local onde moram.Querida, procure um bom profissional que possa ajudar, e se não resolver, saia da relação e vá viver suas fantasias. Se der certo, tudo bem ! Se não, pelo menos vc terá aprendido uma lição !

Fabiana Nunes disse...

Olha querida, acho que na verdade você nem saiba o significado da palavra AMOR, por que quem ama não propõe isso a quem se ama. Você esta acostumada com seu marido e com sua vida que deve ser boa porém sem maiores digamos, aventuras. E outra você não quer se separar por causa de sua família e religião? Me poupe, se você priorizasse essas duas coisas,você não estaria aqui pedindo opinião e sim orando pra que Deus tirar esses sentimentos do seu coração. Você não se separa por que tem medo de quebrar a cara, pois seu marido te dá uma estabilidade emocional, e como você falou, ele é louco por você e nunca quer a separação. Só que querida infelizmente o ser humano é burro e só dá valor quando perde, então espero que você dê mais valor a sua família realmente e a esse homem que te ama, por que quando ele não te quiser mais aí você vai dar valor e será tarde demais pra você sossegar seu facho.

Anônimo disse...

Consegui ler praticamente todos os comentários, inclusive gostaria q a colega dona do tema "EU QUERO UM RELACIONAMENTO ABERTO E MEU MARIDO NÃO QUER", pudesse colocar qual foi a decisão dela (e dele), já q faz aprox 07 meses q colocou o tema em pauta.

No momento estou passando por uma situação parecida e não sei o q fazer. Mesmo pq, minha esposa guardou isso com ela durante alguns anos e abriu o jogo apenas agora comigo. Inclusive tem atração por outra pessoa, mas diz q é somente fisica (ou sexo).

O q devo fazer, estou confuso ?

Anônimo disse...

A esposa fazer sexo com outros por prazer, é a fantasia de muitos homens. Minha esposa e eu já fizemos sexo a três ( com outros ), várias vezes. Mas nunca ela teve um amante fixo. Essa coisa de um cara fixo, ou vira um romance ou perde a graça.

Anônimo disse...

Meu conselho, alugue ou compre uma casa e vá morar sozinha ou com seus filhos, aceite visitas do seu ex marido e de outros homens na casa ou saia para onde e com quem você quiser, isso sim é relacionamento aberto e liberdade(RA).Se você quer tanto isso, faça o que tem que ser feito.Este problema é somente seu não do seu marido.

Boa sorte!

Anônimo disse...

Eu não concordo com um relacionamento aberto para mim,não vejo problemas com outras pessoas contanto que seja bacana para os dois, nao consigo ser feliz imaginando que o amor, e eu não falo de sexo,e dividido, meu ex marido também me propôs essa solução, com a frase de eu te amo, mas quero viver outra vida, quero outras pessoas, não quero compromisso,eu desejo que ele seja feliz, mas o sentimento de humilhação ao ouvir isso foi indescritível,,dói até agora,desejo, atração por outras pessoas e normal, mas quando vc ama alguém, e quer passar a vida inteira do lado desse alguém, se desde o começo a relação foi monogamia,após dez anos de casado não aceitei mudar o sistema, me magoaria completamente, e o amor que eu sinto teria se transformado em ódio,algumas pessoas precisa. De alguém para estar junto,sentimentalmente e físicamente, não concordo com o fato de as pessoas serem propriedades de outras pessoas, mas tem que haver respeito com o sentimento alheio eu decidi me separar, mesmo o mando com todas as células do meu corpo, mas eu vou te dar o mesmo conselho que eu dei a ele, ninguém nunca consegue ter tudo, algo sempre estará em falta, e uma questão de escolha, vc pode ter o mundo inteiro, mas só não terá a mim, e se o mundo que te faz falta, e o mundo que te fará feliz, então vá viver a sua vida da melhor forma, mas pare de atormenta lo, vá embora, deixe de sofrer e fazer outro sofrer, tenha coragem , deixe de ser covarde e vá Atraz do que te faz feliz, ele vai sobreviver, enquanto ele estiver ao seu lado, sempre haverá esperança, tristeza,ressentimento por visões diferentes para a felicidade.

Contos Top Mais disse...

Oi gata, vi em uma postagem na NET que vc procura um MARIDO LIBERAL, não consegui achar se essa postagem é NOVA ou ANTIGA, espero que seja recente e que vc NÃO TENHA ENCONTRADO ESSE AINDA, pois eu SOU LIBERAL, meu sonho é CONVIVER como um CASAL NORMAL claro, sem baixarias, porém que a mulher fosse uma verdadeira Puta na cama, comigo e com qualquer outro, desde que NA MINHA FRENTE, sou casado infelizmente com uma mulher que NÃO PENSA ASSIM COMO EU e que só falta me bater quando falo isso pra ela, no entanto deixei-a CIENTE de que eu a largaria no ato em que eu encontrasse uma que fosse assim como eu (MENTE ABERTA) e que soubesse CURTIR O LADO GOSTOSO DA VIDA, enfim, estou entrando em contato com vc e para que vc veja que não estou brincando, aqui segue o LINK da postagem a qual me refiro, desde já, PERDÃO se isso não passou de um mal entendido, mas caso seja o que vc REALMENTE QUER não deixa de entrar em contato comigo ok?, Beijos e mais beijos e vou continuar aqui a minha procura, rsrs...
Meu email: contostopmais@gmail.com

Anônimo disse...

Ser casado com uma mulher que tem os seus desejos e fantasias, é o sonho da maioria dos homens. Se separe e vc verá quantos pretendentes aparecerão.

Anônimo disse...

Na minha situação foi ao contrário, eu que incentivei minha esposa ter relacionamento com outros. Ela casou virgem e eu não achava justo ela não conhecer outros caras para transar. No começo ela achou estranho e pensou q eu não gostava mais dela, mas aos poucos foi percebendo que não era isso e acabou aceitando a idéias qdo em disse q um amigo do trabalho dela estava dando em cima, aí dei força e ela acabou saindo com ele, foi apenas sexo e ela adorou fazer isso, daí por diante nosso relacionamento melhorou muito e ficou mais apimentado. Apesar dela ser bem discreta pra isso e fazer esporadicamente.

Anônimo disse...

Larga ele e vem ficar comigo, quero muito uma mulher que me faça de corninho manso e que aceite transar com outros na minha frente. Vai ser muito bom, pois estaremos de comum acordo. se quiser pode me add...viajante1000@msn.com

João Carlos disse...

Eu sou um homem mente aberta e já tive relacionamento com uma mulher que saia com outro homem. Fui fiel a ela, pois mesmo ela sendo safada eu gostava e acabei me condicionando e gostando dessa coisa de ser corno. Agora estou só e tenho muita vontade de encontrar outra pessoa pra viver comigo que goste de ser liberada sexualmente, mas que não esconda nada, pois adoro saber quando sou corninho e por ela mesma. Se existir na minha região uma dessas mulheres e que queira me conhecer, estou esperando.

Anônimo disse...

Eu sou um homem mente aberta e já tive relacionamento com uma mulher que saia com outro homem. Fui fiel a ela, pois mesmo ela sendo safada eu gostava e acabei me condicionando e gostando dessa coisa de ser corno. Agora estou só e tenho muita vontade de encontrar outra pessoa pra viver comigo que goste de ser liberada sexualmente, mas que não esconda nada, pois adoro saber quando sou corninho e por ela mesma. Se existir na minha região uma dessas mulheres e que queira me conhecer, estou esperando meu whatsapp 11997323668

Anônimo disse...

Pelo visto sao espíritos primitivos ainda,aonde predomina a sexualidade !não sou ninguem para julgar ,mas nao adianta ser espírita deste jeito!

Becky disse...

que já está lendo este testemunho hoje deve por favor comemorar comigo e minha família, porque tudo começou como uma brincadeira para algumas pessoas e outros disseram que era impossível. meu nome é Juan eu vivo em Chicago i felizmente estou casado e tem dois filhos e uma esposa adorável algo terrível acontecer com a minha família ao longo da linha, eu perdi meu emprego e minha esposa embalado fora da minha casa porque eu era incapaz de cuidar dela e meus filhos naquele momento particular. i gerenciar todo através de cinco anos, nenhum esposa para me apoiar para cuidar dos filhos e não vir um dia fiel que eu nunca vou esquecer na minha vida que eu conheci um velho amigo que eu explicar todas as minhas dificuldades, e ele me levou para um lançador de magias e e o nome do templo é chamado, DR OKORO, eu era garantir que tudo vai ficar bem e minha esposa vai voltar para mim após a maravilhosa obra de Dr. Okorospelltemple, minha esposa voltou para mim e hoje eu sou um dos homens mais ricos no meu país. i aconselhá-lo se você tem qualquer problema e-mail dele com este e-mail: dr.okorospelltemple01@gmail.com e você terá o melhor resultado. levar as coisas para concedido e ele vai ser tirar de você. Desejo a todos o melhor.

Entrar em contato com Dr. OKORO em: dr.okorospelltemple01@gmail.com Você também pode chamá-lo em seu número de telefone +2348110496023

Dr. OKORO em: dr.okorospelltemple01@gmail.com

Atenciosamente,
Juan.

Ricardo Borges disse...

Difícil essa situação. Todo mundo pensa uma coisa, todo mundo acha estar certo. No entanto, quando se fala em vida, em desejo, em amor, em sentimento... muitas coisas não acontecem como o mundo (e suas leis) impõe. Não condeno, não aprovo, nem reprovo sua postura. Isso porque eu também, mesmo sendo um marido fiel, trabalhador e amoroso, tenho desejado que minha esposa transasse com outro. Eu amaria sem problema ela, caso ficasse com outro. Amor é amor, e a coisa mais importante no amor é fazer a pessoa realizada, feliz, livre. Um abraço. Ricardo Borges.

Anônimo disse...

Acho bom o relacionamento abeto. A minha esposa teve um outro homem por um ano .ele vinha até a minha casa e ficava com ela . dormiam os juntos os três na mesma cama. A mulher dele tinha sebarado dele aí ele ficou com minha esposa por um ano com o meu consentimento, depois a sua esposa voltou para ele ,e ele parau de ficar com minha esposa .mais nos o ajudamos a ele passar por essa fase difícil na vida dele.

Marcone Manso disse...

E eu que pensava estar com algum desvio de comportamento pois , já liberei minha esposa para que ela tenha liberdade de escolha entre a prisão do casamento ,e sua própria vontade de ser feliz. Ás vezes me pego pensando se minha esposa não seria mais feliz , se ela não estaria se divertindo mais estando liberada para transar com outro , até porque minha vida é de muito trabalho e dependo deste muito para que nós dois tenhamos o conforto que temos pois 80 por cento da fatia de nossas necessidades e capricho vem do meu trabalho e assim acaba por faltar atenção de minha parte . Ela não é o tipo de mulher fogosa que tem cede de sexo mas quer sexo , enquanto eu já sou bastante empolgado e quero bastante . Nunca me preocupei por ter esta liberdade pois adoro assistir , acho que sou um bom voyer e também ela poderia estar com outro sem a minha presença , e por outro lado tenho a consciência do mundo de libertinagem que vivemos hoje em dia , é sexo para todo lado ,e considerando que fui o único homem com quem ela transou , não vejo poorque prende-la a castidade do puritanismo a que nos submetemos durante toda vida . ´Muitos dizem que ninguém é de ninguém mais sim o respeito e algo que deve ser compartilhado e acredito que se qualquer casal tiver dialogo e deixar o egoísmo o orgulho e as pessoas pararem de cuidar umas das vidas das outras este é um assunto que pode ser vivido por qualquer casal . Sempre digo a minha esposa que ela pode viajar sozinha e sempre se cuidar caso surja alguma aventura , e , só falta ela mesma decidir o que quer . Espero que as dificuldades de nossa amiga se resolva.