quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

O FEMINISMO NÃO IMPEDE QUE COMETAMOS ERROS PESSOAIS

A S. me enviou o seguinte email:

"Te escrevo porque estou numa situação da minha vida em que a teoria difere muito da prática: me vejo hipócrita e prejudicialmente parcial, e parece que todo meu feminismo, pelo qual luto e no qual acredito, está numa camada muito superficial de mim, camada ignorada em situações importantes.
A questão é a seguinte, Lola: meus pais se separaram. Achei que não fosse doer; afinal, eles viviam em crise há muitos anos, e eu já estava com 21 anos, universitária, com muitas outras questões na vida. Mas doeu. Dói até hoje. O pior foi a forma como aconteceu.
Meu pai teve uma amante durante muitos anos. Eles romperam, ela casou, ele seguiu casado e, no final de 2008, ela procurou ele no trabalho, dizendo que estava se divorciando e que aquele era o momento de eles viverem juntos.
Bom, aí começou uma série de humilhações pra minha mãe: ele alugou uma casa pra amante a poucas quadras da nossa e todos os vizinhos comentavam (estilo manteúda da novela Gabriela). A amante ligava pra minha mãe e a xingava.
Finalmente, encontraram um apartamento pra minha mãe morar, e ela saiu de casa. Ela saiu às 9h da manhã, a amante/nova mulher entrou às 17h do mesmo dia.
Nada disso eu presenciei: tinha pedido hospedagem na casa dos meus avós porque não aguentava mais o inferno de meus pais brigando o tempo todo. Quando eles finalmente se separaram, decidi morar com meu pai, primeiro porque eu sempre morei naquela casa, era mais prático; segundo porque minha mãe é meio louca, histérica, dramática, e a convivência com ela é bem espinhosa.
E onde entra o feminismo, tu deve estar se perguntando.
Entra no que eu sinto pela nova mulher do meu pai. Pra tu ter uma ideia, Lola, eu não me refiro a ela pelo nome, me refiro como 'a vagabunda'. Meu ódio não é gratuito: enquanto morava com meu pai, além de ela achar que todo dia era dia de festa e transformar tudo numa zona, ela roubou o cartão de crédito dele mais de uma vez e gastou fortunas. Eles acabaram brigando, ela saiu de casa, mas adivinha? Ele alugou uma casa pra ela e ela segue sendo sustentada e levando vida de madame,  só que agora morando em casas separadas.
Eu morro de ódio dessa mulher. Eu sei, RACIONALMENTE, que meu pai é que deveria respeitar minha mãe e zelar pelo matrimônio, mas todo o ódio que sinto dessa situação é direcionado a ela.
Pra mim, ela é a vagabunda que foi se esfregar num homem casado; ela é a vagabunda que não trabalha e paga tudo com sexo; ela é a vagabunda destruidora de lares que tornou esses últimos anos da minha vida um inferno. Ela.
Eu, que saí na Marcha das Vadias, me vejo falando como a mais perfeita moralista, desejando a morte daquela desgraçada.
Então eu sou falsa, Lola? Meu feminismo é só um verniz, e no fundo eu sou machista? Meu feminismo é teórico, mas na prática eu julgo mulheres como 'vagabundas' e desejo a morte delas? No momento em que uma situação me afeta diretamente, meu feminismo voa pela janela?
E o irônico, Lola, é que o fato de perceber esse pior lado de mim só faz aumentar o ódio que eu sinto pela... 'vagabunda'. É terrível, e não sei como me posicionar. Não sei como me sentir. Não sei como superar.
Acho tuas palavras sempre prudentes e coerentes, e acho que qualquer coisa que tu escrevesse me confortaria.
Obrigada por ter lido até aqui, obrigada pelo blog, obrigada por ser uma representante do feminismo que nos enche de orgulho". 

Minha resposta: O que você pergunta é muito interessante, até porque um dos lemas do feminismo, até hoje, é "o pessoal é político". Ou seja, o que falamos e fazemos no nosso dia a dia tem implicações na sociedade. Mas, por outro lado, a gente não pode ficar só no plano individual, que é algo muito burguês, muito particular. É preciso pensar no sistema. Acho que existe um pequeno conflito entre essas duas diretrizes.
Mas o mais óbvio de tudo: quem disse que o seu feminismo te faz uma santa? Que, só por você se assumir feminista, você virará uma cidadã-modelo, sem pensamentos ruins? Seria bem legal se fosse assim, mas não é.
Uma das ideias do feminismo é que, assim como os homens são ensinados a se unir e formar fraternidades, cumplicidades (o tal do male bonding), um companheirismo entre mulheres é igualmente importante. Até porque uma das estratégias patriarcais pra brecar nossa luta é nos manter separadas. Então aprendemos que mulheres não podem ser amigas, que mulheres estão sempre competindo, que uma vai sempre roubar o namorado da outra, etc etc. E isso é uma balela. "Sisterhood is still important" é o capítulo de um livrinho muito acessível da bell hooks, Feminism is for Everybody.
Tá, mas isso significa que você vai amar todas as mulheres? Não, né? Você ainda vai morrer de raiva da vizinha fofoqueira, não vai ir com a cara daquela professora que sempre te olha feio, e vai achar o fim a amante do meu pai. O feminismo não vai te elevar à santa e nem vai elevar todas as outras mulheres a santas. Mas vc não vai desgostar dessas pessoas por elas serem mulheres, certo? Não é porque são mulheres que você as odeia, porque isso seria misoginia. Você as odeia por algo que elas fizeram, independente do gênero delas. Aliás, seria uma besteira sem tamanho generalizar. Tipo, só porque uma moça foi a maior sacana com a sua mãe, você dizer "Putz, mas mulher é tudo vadia mesmo". Só porque o seu pai tem uma amante, você sair falando "Homem não presta".
Mas uma coisa legal a se fazer é não usar linguagem sexista. Por exemplo, deseje a morte da amante do seu pai, se isso vai te fazer sentir melhor, mas não a chame de vagabunda. Chame de estúpida, cretina, idiota, sei lá, um adjetivo mais neutro, mais unissex, sabe? É que vagabunda só é usada contra mulher e tem sempre um caráter sexual. Eu particularmente não conheço uma só mulher que, em algum momento na vida, já não foi chamada de vagabunda, vadia, piranha, galinha, vaca, esses insultos sexistas. E elas não precisaram mexer um só músculo pra ganhar essa ofensa. Bastou ser mulher, e você será xingada de vagabunda. O mínimo que nós podemos fazer é não engrossar o caldo. É entender que este é um insulto que será usado contra nós.
Outra coisa é com a palavra histérica. Chame sua mãe, tadinha, de desequilibrada, de louca (tem muita gente que não gosta que essa palavra seja empregada, porque insanidade é doença), de dramática. Mas histérica tem um peso histórico muito forte. Pra começar, histérica vem da palavra grega hystera, que significa útero. Essa palavra, histérica, foi usada durante séculos pra diagnosticar mulheres, sempre mulheres, por algum problema que os cientistas (sempre homens) daquelas épocas viam como sexual. O que causava a histeria, diziam eles, era ou a frigidez ou a ninfomania (e assim nasceu o vibrador, conta esta comédia). 
Enfim, lembre-se de quantas vezes você já ouviu a palavra histérica relacionada apenas a mulheres, ou mesmo a palavra louca após vadia (crazy bitch é total clichê nos países de língua inglesa). Porque estamos sempre associadas à instabilidade, a variações hormonais, à irracionalidade, a problemas emocionais que nos fazem pegar uma metralhadora e atirar nas crianças de uma escola, ou nos espectadores de uma sala de cinema. Opa, não somos exatamente nós, as crazy bitches, que fazemos isso? Que estranho! Me confundi. My bad.
Semana passada fiquei sabendo de dois bafões envolvendo feministas americanas das mais relevantes. Um foi que a Betty Friedan apanhou do marido durante uns três ou quatro anos antes de se separar. A Friedan, sabe, grande autora da Mística Feminina, que revolucionou o mundo ao mostrar que as mulheres dos anos 50 não estavam tão felizes com suas vidinhas quanto a sociedade queria que a gente acreditasse. Foi a própria Friedan, na sua autobiografia, que contou ser vítima de violência doméstica. Depois ela, já velhinha (ela morreu em 2006, aos 85 anos), se arrependeu de ter revelado isso, até porque o ex-marido negou tudo e ainda fez um site só pra atacá-la.
O outro bafão foi que a Naomi Wolf (autora do magnífico O Mito da Beleza) sofreu assédio sexual quando era jovem e estudava em Yale -- de ninguém menos que seu professor, o superstar intelectual Harold Bloom. Na ocasião, Naomi não deu queixa nem fez nada. Só escreveu sobre isso quase vinte anos depois.
Pô, o feminismo diz que é pra mulheres não tolerarem relacionamentos abusivos, e aí a Friedan atura? Diz que é pra denunciar assédio, e aí a Wolf leva vinte anos pra falar? É, é decepcionante descobrir que minhas ídolas são seres humanos capazes de errar. Mas elas erraram por não tomar uma atitude, não por bater ou assediar. E isso não significa que Friedan era a favor da violência doméstica, ou mesmo da tolerância à violência, ou que Naomi defende assédio. Só significa que, em algum momento da vida, elas, como todxs nós, fizeram escolhas erradas.
Lembre-se, querida, que o machismo, a homofobia, o racismo, a gordofobia, a transfobia, e tantos outros preconceitos não fazem parte apenas daquele babaca preconceituoso. Fazem parte de um sistema, de uma época e um lugar, e nós vivemos nesse sistema. É óbvio que tudo isso nos afeta também. Portanto, sempre temos que ter a autocrítica necessária pra analisar (e, se possível, expurgar) os nossos próprios preconceitos. Podemos modificar nosso comportamento e nossas palavras. O fato de você me enviar este email já demonstra o quanto você está incomodada com a sua postura. Você poderia só continuar chamando a amante do seu pai de vagabunda, e pronto. Mas viu que tinha algo de errado aí.
Nunca vamos ser santas, e nem queremos ser santas (deve ser chato! Como diz o provérbio, garotas boazinhas vão pro céu, garotas más vão pra todo lugar). Mas a gente pode melhorar.

101 comentários:

Anônimo disse...

Se te consola, A.S, vc não é a única. Estive numa situação parecida e senti exatamente as mesmas coisas.

Anônimo disse...

Pra mim esse foi o melhor post que li até hoje no blog da Lola.

André disse...

S,

Se o seu sentimento fosse o mesmo caso os papéis fossem trocados entre seu pai e sua mãe, então você não precisa se preocupar, é só chamar ela de canalha.

PS: Só eu que já escutei coisas do tipo "Deixe de ser histérico!" ou "Deixe de histeria!" dirigido a homens? Talvez mais prático que tentar suprimir um termo, seja democratizá-lo.

Huan Icaro Piran disse...

Eu chamaria a amante de aproveitadora, pois aproveitador tem o mesmo peso. Ela é alguém imoral, não é negável tal afirmação sem uma bela gama de ressalvas (não consigo ver como).
Não sei os detalhes no caso do cara, mas ele parece ter feito a coisa da pior forma e isso é uma bela merda da parte dele. Vi o divorcio dos pais de minha noiva e mesmo que as farpas mutuas tenham sido mais simbólicas que concreta, consigo entender que deve ter sido uma bela merda.
Sua mãe pode ser tida por alguém "emocionalmente desequilibrada" que ao meu ver define de forma respeitosa e dá a entender o problema sem definir por louca. Eu sei, sou alguém emocionalmente desequilibrado, difícil de lidar e conviver e tudo o mais (minha luta pessoal mais dura é contra isso).
Somos humanos, somos falhos. Se quer perfeição, implante suas opiniões em um robô e deixe ele virar-se com isso (ainda vai ser falho). :P

Anônimo disse...

Parabéns, excelente reflexão.

Tenho somente um comentário: não é correto dizer que somente mulheres eram diagnosticadas como histéricas. Homens também o eram.

Mas é claro que a argumentação do post está correta, isto é, que havia um viés sexista no diagnóstico, que levava a uma associação entre histeria e ser mulher.

Nivaldo Brás disse...

Ah,Lola, minhas observações começam a surgir com as situações. Estou curioso para ler as analises das feministas. Vai ter cada insinuação. Cada ideia. Essa aproveitadora não era uma "feminista aproveitadora?". As feministas tem que "integras?". Quem é o culpado nesse separação? Concordo que existem homens violentos. Mas existem homens violentados. Que também ficam traumatizados com as mulheres. Fazem m**da. Foram provocados. E levam a culpa por se defenderem. Sempre o homem é o culpado. Será?

Anônimo disse...

Lola, essa é uma questão que já passou várias vezes pela minha cabeça (xingamentos). Difícil achar um sinônimo unisex para o que essa moça fez. Canalha é o q chegaria mais perto, mas ainda é pouco.

Se fosse um homem no lugar da amante, o que diríamos? Que ele foi Filho da p..., simplesmente?

Anônimo disse...

Puxa, esse post me toca profundamente. Não porque meus pais se separaram, não porque havia amantes ou coisas assim. Mas porque eu já deixei de fazer coisas porque me sentia menos feminista. E essas coisas faziam eu me sentir mais feminina. Complicado né?
Eu sempre amei maquiagem, cores, brilhos, esmaltes e essas coisas. Quando entrei pra história (no sentido de cursar história, não de me suicidar para tanto..) eu não imaginava o que me esperava. Foi um ritual de desapego.. Bem preconceituoso, pois aparentemente, você não pode se arrumar E ler um livro. Você não pode ver Big Brother E ler 1984. E eu sempre me senti meio em dúvida.. Quero me sentir bonita ou me sentir inteligente? E isso ficou em mim por muito tempo, e em 2012, mais madura, eu entendi que posso me sentir as duas coisas. Passar rímel não apaga as linhas que li na vida. Passar blush não diminui meu poder de argumentação.
Maaas, ainda que me sentisse madura e crescida, me achava cada vez menos feminista, porque queria casar de vestido branco.. e pra tanto, queria emagrecer. Pra emagrecer, precisei ir numa nutricionista.
Marquei e desmarquei umas duas/três vezes. Sabe porque? Porque achava que era contra o que eu sentia em relação as normas de beleza que eu tanto sou contra. Eu não queria me encaixar num padrão, sou feliz fora dele... Só queria me encaixar num vestido lindo que tenho um recorte de jornal desde os 11 anos. (Caso não venha a realmente casar, vou mandar fazer um e ir numa festa com ele. Porque ele é liiiindo.) Acabei indo na nutricionista e descobri o que já sabia. Precisava perder peso por causa de problemas de saúde. Alguma coisa ainda não identificada no fígado e mais de 40% de gordura corporal.
Claro que tudo isso que contei não é um erro pessoal, como o título, mas parece que vem no pacote "feminismo" e que existe SIM uma escala feminista.
Prefiro ser do meu "jeitinho" e ser feminista, contra a opressão de minorias e principalmente contra a criação de padrões excludentes. Mas também de rímel e dieta em dia.
~Polly

Anônimo disse...

Lola eu admito que estava lendo, ate a quarta foto, e depois parei, que espetaculo, lindo par de seios, grandes, firmes, rosinhas, maravilhosos.

Sara disse...

Mais um post maravilhoso heim Lola, duvido que alguem possa dizer algo melhor pra "S", eu tb não sou santa,alias não tenho nadinha de santa em aspecto nenhum rrssss.
Somos todos humanos e estamos sempre errando e aprendendo, mas graças a vc Lola tenho me policiado muito mais em minhas atitudes.
Mas outra coisa q adorei saber e me lavou a alma foi o babado da Betty Friedan, se até ela q lutou tanto tb tomou um drible, pq eu não posso tomar tb não é?
As vezes nos sentimos burras por nos envolvermos com homens machistas, mas depois dessa o q eu desconfiava se confirmou, pode acontecer com qualquer mulher.

Anônimo disse...

acho importante você tentar racionalizar o que sente. pode ser que o seu ódio não diminua, mas ele se fará sobre outras bases e isso é política, sim. lembre-se de que seu pai é tão adulto quanto ela e tem em toda a situação o mesmo peso que ela. ele está com ela porque ele quer. ela está com ele porque quer. lembre-se de que mulheres são pessoas e têm valores distintos dos seus. lembre-se de que homem são pessoas e têm seus motivos para aceitar uma situação que pode parecer abusiva - não reduza nada a sexo e não diminua o sexo (sexo não é sujo feio e mau) e não reduza os homens a seus pintos, eles também são seres humanos completos. você não sabe e nunca vai saber que tipo de relação se estabeleceu entre seu pai e essa mulher, então deixe os dois se entenderem. para o seu bem, saia de casa, vá morar sozinha se não quer morar com sua mãe. odeie ou não odeie quem quiser, mas sobretudo dê-se ao direito de ser feliz longe de toda essa confusão que só te deixa rancorosa. deixe seus pais viverem a vida deles. viva a sua. ps: se te pedirem ajuda, tente ajudar. se só te fazem passar nervoso, afaste-se.

Christian Barreto disse...

É complicado. Na minha opinião ela é uma pessoa muito sem caráter, mas ninguém passa ileso nessa história. Parecem ser relações complicadas, espero que você consiga lidar com elas.

O primeiro adjetivo que me veio foi "aproveitadora". Vocês consideram que também há machismo em enxergar as coisas dessa forma?

Gilmara Vesolli disse...

Lola, muito interessante o que você disse. Mas permita-me fazer uma pequena correção em relação à Freud. Da forma como você escreveu, parece que ele foi machista. Porém o que pouca gente lembra é que foi ele quem disse que o gênero estava ligado ao DISCURSO (algumas vezes interpretado/traduzido erroneamente como comportamento, quando não é apenas isso).
A histeria, portanto, era uma doença tida como comum nas mulheres (naqueles que tinham DISCURSO de mulher). E lembre-se que ele fala também de doenças comuns aos homens (discurso masculino). A psicopatia, por exemplo, é exclusivamente masculina.

Vale também lembrar que ele usou de história e mitologia para dar nomes a coisas completamente novas, que necessitavam de algum link para serem completamente entendidas. Daí veio Complexo de Édipo/Electra, por exemplo, e Histeria.

Anônimo disse...

Acho que essa garota não tem que implicar com a amante do pai só porque ela vende sexo (se é que vende). Isso pode muito bem ser um acordo tácito entre os dois e ela não tem nada a ver com isso. Se está incomodada e acha tudo um inferno, seja feminista e independente e vá morar sozinha, com a mãe, com coleguinhas...mas pare de bancar a princesinha que precisa ser salva. Se não concorda com as atitudes do pai e acha que a mãe foi humilhada injustamente, devia estar do lado da mãe, morando com ela. Para mim parece que a prostituta é ela que está do lado onde onde o dinheiro está. Veja que ela cita no texto que preferiu ficar com o pai porque já está "aconstumada e cresceu naquela casa". Sei. Na vida é preciso se posicionar. Isso é ser adulto(a).Lucélia Carmo.

Anônimo disse...

A partir de hoje, sempre lembrarei de Lola Aronovich como a feminista que disse: "deseje a morte da amante do seu pai, se isso vai te fazer sentir melhor, mas não a chame de vagabunda."

Lilian Soares do Nascimento disse...

"Porque estamos sempre associadas à instabilidade, a variações hormonais, à irracionalidade, a problemas emocionais que nos fazem pegar uma metralhadora e atirar nas crianças de uma escola, ou nos espectadores de uma sala de cinema. Opa, não somos exatamente nós, as crazy bitches, que fazemos isso? Que estranho! Me confundi. My bad".

Lola... ... ... Fan-tás-ti-co! rs Vc é demais!

Aline disse...

Achei muito sabia sua resposta Lola... Lutar por nossos direitos, não significa que não vamos sentir raiva de outra mulher se ela nos fizer algo... Caso fosse com meu pai ehehehe, eu também ficaria muito chateada...

Aline disse...

Mas... complementando... tem que ver o papel do pai nessa história toda... afinal... ele traiu a esposa... não a mulher com quem se envolveu... as relações do dia a dia são muito complicadas mesmo...

Rayara disse...

Acho que essa frase da Lola resume bem o seu dilema, S.

"Não é porque são mulheres que você as odeia, porque isso seria misoginia. Você as odeia por algo que elas fizeram, independente do gênero delas."

Você não odeia a amante do seu pai porque ela é uma mulher, e sim por atitudes que dela. Vale também pensar se você odiaria do mesmo jeito se, ao invés do seu pai, fosse sua mãe com um amante que tivesse o mesmo comportamento (tá, sabemos que a chance de acontecer na nossa sociedade é bem menor, massss, é apenas para comparação!). Acho que isso é o que eu faria ou pensaria. :)

Vivi disse...

Post sensacional!!!
Como foi dito
1) o pessoal é político
2) somos todos influenciados pela ideologia machista.

Sendo assim,
- O importante é a autocrítica, senso de justiça (ser correto com nós mesmos), reconhecer o erro e mudar a atitude!
Esta autocrítica que faz toda a diferença!
Ser feminista não faz de nós seres sem contradições, o importante é não esquecer de ser crítico com nós mesmos, e isso a autora do post comseguiu.

Abraços

Anônimo disse...

Lola, vc tá sabendo da polêmica do comercial da Gilette? Tem homem se mordendo de raiva porque o comercial está "impondo um padrão estético" para os homens.

Anônimo disse...

http://kibeloco.com.br/2013/02/07/despeitados/
Lola, comente algo sobre isso! Homens reclamando de padrão de beleza imposto a eles... O que acha? Estão exagerando?

Sara disse...

anon 15.08hs excelente comentário, achei q a Lola havia dito tudo, mas o q vc colocou é bem pertinente tb, parabens....

Anônimo disse...

ESSA MOÇA TEM O DIREITO DE SE SENTIR ASSIM. A AMANTE DO PAI É UMA VAGABUNDA, MESMO.

VA - GA - BUN - DA !!!

COM TODAS AS LETRAS.

ELA ESTÁ APENAS SENTINDO NA PELE COMO A IDEOLOGIA FEMINISTA ESTÁ DIVORCIADA DAS RELAÇÕES HUMANAS.

Anônimo disse...

Ja pensaram se a amante se declara feminista e livre pra fazer o quizer com o corpo dela e com quem ela quizer.Não critiquem!

Luís Eduardo disse...

Só acho engraçado o "vagabunda", eu chamava uma amiga minha de vagabunda e ela me chamava de vagabundo. E não era em relação a vida sexual, mas, sim, ao fato de ser... vagabundo, não fazer nada da vida, ser preguiçoso e aproveitador.

E, bem, todos nós somos, em algum grau, preconceituosos, o que se deve é fazer algo para viver melhor e fazer nossos filhos serem menos preconceituosos que nós.

Anônimo disse...

Muito importante essa discussão, não apenas na questão dos xingamentos e de como "deveríamos" ou não nos sentir, mas também no que a Polly levantou. Eu coloquei silicone há 6 anos depois de muito ponderar, foi uma decisão bastante consciente, mas até hoje tenho dificuldade de assumir essa parte de mim pra mim mesma, porque afinal "como posso ser feminista e ter feito uma cirurgia estética"? Tive uns problemas hormonais na puberdade e por isso meus seios não desenvolveram, e isso me deixava muito mal, passei a adolescência inteira com medo que alguém chegasse perto de lá. Hoje sei que ter tomado essa decisão me ajudou a lidar melhor com meu corpo, mas ainda tenho receio de ser julgada por isso, porque "não combina com a minha personalidade". Certa vez estava começando a sair com um cara, estava me apaixonando por ele e quando esse assunto surgiu (sem eu nem ter contado nada), ele começou o maior discurso de que plástica é necessariamente coisa de gente fútil, que isso se resolve na terapia, e blablablá. Fácil falar, né? Enfim, só meus amigos mais próximos sabem disso. Não gosto de lidar com isso com esse peso, como se fosse um segredo gigante, adoraria falar sobre isso numa boa, mas por enquanto ainda não rola, tanto que das vezes que comento aqui assino meu nome e hoje estou comentando anonimamente. Racionalmente, tenho plena noção de que o silicone não altera pro lado ruim nada do que sou, mas o emocional ainda teima. Aos poucos vou aprendendo a me desvencilhar desse conflito.

Anônimo disse...

http://kibeloco.com.br/2013/02/07/despeitados/

Ohhh, tadinhos deles. Ficaram revoltados com a ditadura de homens sem pêlos no peito. Mas ainda assim afirmam que mulher não deve ter pêlo algum.

V. disse...

Sempre tem alguém pra defender o Freud. É verdade, o Freud desmistificou o diagnóstico da histeria como algo exclusivamente feminino, constatando que ela também ocorria em homens. Mas que ele era um PUTA de um machista, ah, era sim. Basta ler os poucos textos dele sobre sexualidade feminina. Psicanálise é muito bacana, eu como estudante de Psicologia adoro, mas é preciso exercê-la com muita crítica. Estudo na USP e lá já ouvi as maiores barbaridades machistas saindo da boca de psicanalistas respeitadíssimos. Certa vez ouvi um professor mencionar uma colega que defendia a tese de que toda penetração vaginal é um estupro (uma ideia, concordo, polêmica, mas sabemos que se assemelha à algumas ideias do radfem e que há toda uma argumentação por trás), para em seguida desacreditar toda a tese dizendo com desprezo que a autora era "completamente histérica". Ou seja, não gosta de pinto? Histérica. É histérica? Falta de pinto.

Anônimo disse...

Anônimo das 15:49. Isso mesmo, descontextualize tudo e seja feliz com sua visão parcial que te agrada. Porque eu e todas nós vamos ser felizes com o mundo real, em que você é desprezível e insignificante.


--


A peça hysteria do grupo XIX é um must see. Linda e forte, divertida e reflexiva.

Marussia de Andrade Guedes disse...

S, na minha opinião , vc foi feminista quando criticou a amante do seu pai por ela estar vivendo com o seu dinheiro. Isso é ser feminista. Eu adoro o blog da Lola embora ela não goste de mim. Admiro sua luta contra a homofobia e contra o racismo e suas posições políticas. Sempre que ela escreva sobre esses temas não tenho nada a acrescentar. Mas com relação ao feminismo não concordo com muitas de suas opiniões e posturas. Uma das coisas com as quais eu não concordo é com esse feminismo que coloca a mulher sempre como vítima e nunca culpada. Eu acho difícil encontrar neste blog algum post com críticas dirigidas diretamente às mulheres. Os homens são sempre culpados e as pessoas vêem as coisas sempre de uma maneira machista. Negar que até hoje existem muitas mulheres em busca de um "bom partido" é tapar o sol com a peneira. No meio em que vivo os homens pobres são seres invisíveis para as mulheres e só o que eu vejo é manifestação de saudade do tempo em que mulher era dondoca. É dever da feminista criticar esse tipo de postura e não negar que ela exista ou dizer que é pouco comum.
Você não foi nada feminista quando chamou a mulher de vagabunda por ela ser amante do seu pai. Eu não vi vc chamar seu pai de vagabundo! Nem acho que ,por este motivo, ela deva ser chamada de cretina ou estúpida. Sou totalmente contra a exigência de exclusividade sexual, ou seja, sou contra tratar o ser humano como objeto, tipo, esse fulano é meu , pertence a mim, nenhuma pessoa toca. Acho também que podemos amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo . Por qual motivo podemos odiar muitos e amar só um? Pense nisso, embora esse não deva ser o caso do seu pai. Ele não foi legal com sua mãe. O que houve de errado nesta situação foi a maneira como as coisas aconteceram. Ocupar a casa onde sua mãe viveu por tanto tempo, no mesmo dia de sua saída, é uma agressão. Ligar para ela e fazer terrorismo é cruel. São estas atitudes que devem ser criticadas e não o envolvimento sexual ou amoroso fora do casamento. Este " contrato" de exclusividade é que é cruel com o ser humano (principalmente com as mulheres que são as que mais o respeitam) pois não respeita sua liberdade e seus desejos e traduz mais amor por vc mesm@ do que pel@ parceiro.

André disse...

Anônimos,

O cara fala que impor padrão no século XXI é andar na contramão, fala que as mulheres passam por isso diariamente (ok, ele escorrega em achar nojento cordão de OB) e vocês ainda criticam?

Renata disse...

Post interessante! Não estou muito segura sobre o argumento de erros e perfeição, pois NINGUÉM é perfeito e todos nós cometemos erros. Talvez esse argumento abra margem para qualquer tipo de atitude machista, como um tipo de justificativa: “ah, se até as feministas chamam outras mulheres de vagabunda, por que eu não posso?”, “Por que eu não posso culpar a outra em casos de traição, se as feministas quando são tocadas diretamente pelo assunto também o fazem?” (levando em consideração que nesse caso a pessoa que devia “fidelidade” à mãe da menina era o pai, e não a amante). No final, o discurso se distanciou da prática, e tudo pelo qual nós feministas lutamos fica sem sentido, porque é na prática que sentimos os efeitos do que falamos. Não acho a moça machista, mas sem dúvida sua atitude foi machista, principalmente se levarmos em consideração que ela se diz feminista e que tem um mínimo de conhecimento sobre o tema. Certamente que ela pode sentir magoas dessa mulher, mas quem errou foi o pai dela, e no final quem foi chamada de vagabunda e prostituta foi a amante! Reiterando o que disse, a mudança deve começar em nós, porque é muito fácil falar, mas na hora de fazer a coisa muda de figura. Se optarmos em adotar uma postura feminista, devemos sempre nos policiar (porque sabemos como o machismo está arraigado em nossa cultura), principalmente quando a situação acontece conosco. Acho sim que o feminismo dela voou pela janela nesse caso, mas que bom que ela percebeu que a postura dela foi incoerente. Não acho que por ela ser feminista ela deve ser santa, mas coerente, sem dúvida! Espero ter conseguido passar o que eu penso e espero também que ela possa corrigir sua postura.

Anônimo disse...

Parabéns Lola!Esse é um dos seus melhores posts.Assim como a autora do post, também vejo meu feminismo entrando em conflito com as minhas imperfeições humanas.Mas, felizmente, estou tentando mudar e sempre que vejo que estou com uma atitude errada, ou mesmo pensamentos, tento cortá-los na hora.Perfeita eu sei que jamais serei, porém não quero ser uma dessas tantas pessoas repugnantes que tem por ai.

Anônimo disse...

O último comentário foi meu.Parabéns pelo blog.
Luca

Anônimo disse...

Vou simplificar para vocês, a filha, a mãe e a amante, são vitimas, o pai e o verdadeiro culpado patriarcal opressor.
pronto, mais feminista impossivél.

CCX disse...

Me considero uma slut shamer em tratamento. Pessoalmente foram décadas apedrejando mulheres mais liberadas sexualmente que eu. Ainda ome pego olhando feio para aquele short curto e o decote profundo. Auando percebo respiro fundo e paro. As vezes é tão automático que não percebo. Me identifiquei muito com as dúvidas do email e abencoada seja Lola por suas palavras. Beijos.

Anônimo disse...

Passei por uma situação mais ou menos parecida,meu pai (um velho babão machista) saiu do emprego e logo conseguiu outro,resultado,tinha o salário e o seguro desemprego ( fez rolo com o chefe)por causa disso,o véio babão achou que tava rico e começou a bancar uma menina que morava na esquina da minha casa e isso só durou o tempo do seguro desemprego,mas foi um inferno,era triste,vê minha mãe totalmente inocente na hist (sendo apontada por vizinhos )e nós sem podermos fazer nada de concreto,o único recurso era xingar MUITO a "puta" "vadia" nojenta e tmb o véio babão(o pau cantava,quando minha mãe não tava perto)enfim,não me arrependo de tê-la xingado à época.

Hoje em dia,sempre que ouço(em conversas paralelas,ou com amigos)alguém xingando uma mulher de puta/vadia/vagabunda e etc...,um sorriso MUITO amarelo aparece no meu rosto e se forma um nó na garganta,bem difícil de digerir.


Cética

Anônimo disse...

André, o problema maior é que essa crítica veio do kibeloco, um dos blogs mais classe média sofre que existem, que sempre posta coisas machistas. E nunca vi ele fazer post protestando sobre qualquer coisa antes, só agora que ele foi diretamente afetado. Parece é que falou a parte das mulheres e dos gordos só pra angariar mais simpatia.

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

O Ser Humano não é perfeito, e negar isso é pura arrogância e presunção. As coisas que o ser humano constrói também não são perfeitas.
Somente um tolo acharia que que um movimento de seres humanos é perfeito ou que um ser humano que faça parte de tal movimento de seres humanos é perfeito.

Particularmente, quando eu quero ofender alguém, sou pragmática e procuro a forma mais eficaz de ofender sem me preocupar com correção política. Não me considero menos feminista por isso, talvez moderadamente cruel.

Um fato: Eu já vi muita "feminista" que é mais machista que o Velho Testamento e usa discursos "feministas-vitimistas" para justificar seus machismos(Desde traição até aquela velha estorinha de entrada na festinha e pagar a conta do restaurante). Ou outras que são marianistas e acham que isso é feminismo, quando na verdade é apenas um machismo velado.

Mas ainda que seja "tentador" nos matarmos em uma inquisição interna por "quem é mais feminista", deveríamos nos concentrar nos reais problemas lá fora: Violência Doméstica correndo solta no interior, Midiatismo e Deturpação do Feminismo nas capitais, Evangelização da Política, homo/transfobia, cerceamento de liberdades individuais por parte do Estado, a ascensão da "neomisoginia", etc.


E sobre slut shamming, sou totalmente a favor desde que seja num caso de traição, pois traidores não merecem mais que isso. Também deveria ser igualmente aplicado um "Jerk Shamming" no caso de homens que traem.
E em falar em Jerk Shaming, esses homens como o relatado mereciam serem apontados na rua, serem levados ao ostracismo, etc.



E em falar em homens.... Alguém explica que merda é essa que eles tem de querer sustentar amante principalmente quando está "sobrando dinheiro"?

Anônimo disse...

E sei lá eu acho que se fosse o contrário, a mãe dela estivesse com um amante que suga o dinheiro dela, eu chamaria ele de "vagabundo" na boa.

Paula disse...

eu me considero imperfeita, principalmente pq estou achando HILAAAARIO o piti que os homens estao dando por conta do ultimo comercial da Gilette "Quero ver raspar"
acompanhe a comedia na sua rede social preferida :-D

Naiana P. de Freitas disse...

o texto é bastante esclarecedor e o melhor escrito de forma fácil!

parabéns!

Magrelinha disse...

Nossa, que história ein! Olha, eu acho difícil não sentir o que vc sente, e confesso que se eu estivesse no seu lugar, iria achar a mesma coisa. Mas vamos racionalizar um pouco.

Eu acho que vc a odeia não pq ela simplesmente se envolveu com um homem casado, mas por causa dos muitos agravantes.

1- Seu pai alugou um lugar pra ela morar perto de vcs antes de se separar da sua mãe, e dessa forma sua mãe foi submetida à uma humilhação, afinal os vizinhos viam e sabiam do que acontecia. Ele expôs sua mãe legal.

2- Quando sua mãe saiu de casa, na qual havia morado por muito tempo, seu pai colocou a mulher lá no mesmo dia. E cara, que absurdo tremendo! Não sei como vc teve estômago para morar com os dois.

3- Eles se separaram, mas seu pai continua sustentando-a enquanto ela leva uma vida de "madame".

Mas vc sacou uma coisa em todos esses agravantes? Apesar dessa mulher fazer parte da situação, quem escolheu dar cabo a todas essas coisas foi o SEU PAI! Foi seu pai que alugou um lugar perto de vcs pra ela morar, foi seu pai que a colocou dentro da casa, foi seu pai que continuou sustentando ela mesmo depois de separados. Seu pai é o maior imbecil calhorda. E isso não tem nada a ver com ter se apaixonado por outra mulher enquanto estava com a sua mãe. Infelizmente, essas coisas acontecem. Mas ele expôs sua mãe em uma situação vexatória muito, mas muito injusta, que eu considero muito pior do que a traição em si. Sua mãe não foi só traída, ela passou vergonha perante a família, a vizinhança, a sociedade. Tá, se a mulher prestasse poderia chegar pro seu pai e falar "não vou compactuar com isso. não acho justo o que vc está fazendo com a sua ex e blablabla", mas quem foi o ator principal dessa situação toda foi seu pai, e vejo vc menos revoltada com ele do que com ela.

Ju disse...

Anon 17h39

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Eu vi o comercial da Gillete com a Sabrina e as gêmeas do nado, mas estava com os comentários fechadas e sem poder avaliar.

Na hora percebi, nem vi a repercussão, mas pensei "agora eles estão vendo o que é bom pra tosse"

Uma empresa achincalhando o próprio público consumidor. Onde já vimos isso antes mesmo??

Anônimo disse...

No fim, tudo se resume em sexo e dinheiro.

jacmila disse...

Sinceram. gostei do q a Lucélia Carmo disse. O clima já estava horrível e a moça ainda foi morar na casa juntinho da, digamos, aproveitadora, ouvindo o pai transar com ela? Então, em vista desse e tantos outros absurdos lidos neste blog, onde, geralmente, quem sai menos chamuscado é o homem mesmo, considero a pior incoerência feminista viver a vida como se fosse um folhetim de quinta categoria. Tb acho pa-té-ti-co essa coisa de q feminista não pode se depilar, não pode usar maquiagem, não pode por silicone nos seios, não pode...caramba, a lista é grande! Não dá pra cd um fazer o q bem quiser com o próprio corpo? contanto q não fique regulando o do outro? E se não me agradam roupas e trejeitos daspu, simplesm. não olho e não faço comentários. e lola, please, coloca mais imagens de caras gatos.

Anônimo disse...

Minha namorada está passando pela mesma situação. O pai dela saiu de casa para morar com a amante.

Acontece o mesmo, chamam ela de "vadia" e coisa e tal.

Mas sei lá, não acho que a moça mereça culpa nessa situação. Foi ELE que procurou sarna pra se coçar, a moça apenas deu corda.

Não consigo entender o que se passa na cabeça desses homens, mas se um dia eu fazer algo do tipo, prometo que tento um guest post aqui na Lola.

Anônimo disse...

Esse Nivaldo Brás parece até um estudante que não consegue aprender a matéria em sala de aula mesmo que já tenha visto 43294839043 vezes... Nada contra os estudantes.

Anônimo disse...

Olha, vou ser obrigada a concordar com um anônimo que disse que o maior errado dessa história foi seu pai. Do jeito que vc coloca, parece que pra vc ele é uma vítima da sem vergonhice dessa vagabunda. Sinceramente, se ela vive as custas dele ou não, acho que foi de comum acordo. O feminismo, além de pregar a emancipação da mulher, prega também a liberdade de escolha (as pessoas são livres pra escolher o seu destino, mesmo que seja depender de outra). Você pode não concordar pessoalmente com a amante do seu pai, mas acho que está rolando um slutshame da sua parte sim. Mas te entendo parcialmente. Entendo até a raiva da mulher do seu pai (não concordo, mas sei que isso surge meio que sem controle), agora, não entendo o fato de apesar de tudo isso vc ainda ver sua mãe como uma histérica. Olha, se ela fosse tão desequilibrada como vocÊ fala, seu pai não teria se saído muito bem dessa não, pq tem que ter muito sangue frio pra aguentar tudo o que ELE fez. Mas, todxs cometemos erros, escolhas e julgamentos errados. Só acho que vc deveria tentar enxergar a situação com outros olhos. Não volte toda a ira para essa mulher, afinal, quem tinha a relação estável era seu pai, não ela.

Anônimo disse...

concordo plenamente com a magrelinha e com alguém que disse que quem devia fidelidade à sua mãe era seu pai. vem cá: que tipo de homem é seu pai que se junta com uma mulher que liga para xingar a companheira dele de anos e com quem tem uma filha? outra coisa: se sua mãe estivesse sustentando um amante, você ia ficar mais puta com quem? #feminismovocênãoestáfazendoissodeireito

Carol disse...

Pra dona do post, pense na situação que seu pai se colocou também, ele não é nenhum robô que foi controlado por outra mulher, ele que teve tudo culpa nisso tudo, ele é o homem casado com filhos que traiu a esposa, meu pai fez algo parecido om a minha mãe mas ela perdoou e eu não, pelo contrario, eu já vi tantas vezes meu pai falar coisas do tipo 'Você vai fazer isso/aquilo PQ VC É MULHER", desde criança eu morria de ódio disso, eu não odeio meu pai mas não tenho nenhuma empatia por ele e pelo o que fez e ainda faz...

Dree disse...

Off-topic tá rolando uma petição para que o biólogo Eli Vieira, mestre e doutorando em genética em Cambridge, no Reino Unido, seja entrevistado no de frente com Gabi, em resposta aos argumentos(?) do Silas malafaia (Urgh!)
Quem quiser assinar :https://www.change.org/pt-BR/peti%C3%A7%C3%B5es/mar%C3%ADlia-gabriela-entreviste-o-geneticista-eli-vieira-no-programa-de-frente-com-gabi#

Ju disse...

Gente, a Axe fez uma campanha sexista pra mandar um HOMEM ao espaço. Então agora nós estamos votando pra eles serem obrigados a mandar uma MULHER.

Vota aqui:

https://www2.axeapollo.com/nb_NO/1498/tale-sundlisater


Está em norueguês. Você clica em STEM. E coloca seu e-mail na caixa. Pronto. Obrigada. :)

Ju disse...

A mulher mais próxima no ranking do Brasil:

https://www2.axeapollo.com/pt_BR/65508/thailane-nascimento/

E pra dos EUA:

https://www2.axeapollo.com/en_US/22276/molly-pfaff?image=0

Anônimo disse...

Meu ´pai também foi um calhorda, por anos anulou minha mãe como mulher, para depois picar a mula e viver com uma guria de vinte e poucos anos, a guria tava na dela,não nos devia satisfação, ele e que foi o errado da situação.
Hoje ele vive tentando se aproximar de mim, mas na boa, de machista eu não quero nem o bom dia, mesmo que seja meu pai.

Anônimo disse...

Concordo com o pessoal ai,um pouquinho de empatia pela mãe,não faria mal algum hein,coitada dela,traída e humilhada pelo marido,perseguida pela amante do mesmo e julgada pela filha =/

Cética

Anônimo disse...

Bem, já aconteceu algo assim onde morava, eu tinha 11 anos, mas ouvi todos os rumores, só que foi com uma mulher, o marido saiu de casa de manhã e a tarde já havia outro homem morando lá, adivinha quem foi xingad@, rebaixad@, o cara? Não. Então dá pra ter uma ideia se sua postura é feminista ou não.
A amante é sempre vista como a destruidora do lar, como a vilã, mas nem sempre é assim, ela pode gostar do seu pai,e seu pai parece gostar dela.
Acho mais saudável para você, e seu feminismo, que você entenda que esse é um assunto deles, não seu. Não quero dizer que tenha que ficar "amiga para sempre"dela, mas respeitar as escolhas dela como mulher livre e dele, (não que ele tenha agido certo, mas é seu pai).
A questão não importa o quanto estamos envolvidos no divórcio dos pais, nós nunca saberemos as histórias completas, até por que o envolvimento emocional impede que vejamos as coisas mais racionalmente. Foi assim comigo só pude ter uma boa relação com meu pai, quando deixei claro que não me interessava as adversidades de seu casamento com a minha mãe,(Ela largou ele por outro bem mais novo), e até consegui perdoa-lo por gastar todo o nosso dinheiro numa boate de stripper, com uma stripper que por ventura se tornou minha madrasta, enquanto passávamos fome. Do tipo fogão de lenha improvisado no quintal e R$30,00 para alimentar 4 pessoas por uma semana,incluindo meu pai que almoçava e jantava em casa (incluía tbm limpeza/higiene/e etc )minha mãe já era falecida nessa época.
Quanto a minha madrasta? Viramos amigas e frequentei a casa dela por mais um ano depois dela separar do meu pai.Ela não era culpada das fraquezas do meu pai.E era uma pessoa maravilhosa.



Anônimo disse...

excelente post! alias , acho que parar de ter esse habito machista de chamar outras mulheres de vagabunda/piranha/cachorra/vaca, é bem complicado,pq é geralmente a primeira coisa que se fala quando se quer ofender uma mulher,mas precisamos nos policiar!

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

se ela tambem tem raiva da mae deve ser por raiva q ela aceita a humilhaçao da mae.

conheci uma menina que apnhava e era toda regrada de acordo com a mae e essa mae nao tinha nada de simpatica ate com outros assim pelo semblante, mas ao falar com outros era normal, mas o pai dela q era separado da mae era um amor de pessoa,cara de bonzinho ,dava presentes a menina,tratava -a com voz mansa,todo contrario da mae.

Em hipotese,se o pai dela fez isso com a mae dela,a menina ia achar bom q a megera ganhasse isso.

Acho que quando acontece isso filhxs vai ficar do lado do pai/mae bonzinho.Um dos pais que traz sentimento ruim pra filhx esse filhx quer mais que esse ser se foda,é pessoal.Mas com amante aproveitador(a) do pai/mae é uma coisa entre pai/mae e x amante.Pai/mae que ta sendo o boba da questao.

So nao vale esse pai ser um Tufao da vida,bater em mulher,ou ate mesmo cometer outro tipo de machismo(acho q adultério nao é machismo) mesmo depois de ser repreendido pelos filhxs,ai sim tem q parar de ficar do lado do pai.

ofilhodaviuva disse...

Pra mim, a S incorreu em machismo por só culpar a amante e não tmb o pai pelo ocorrido. E é claro que se pode odiar uma mulher sem que isso seja machismo. Da mesma forma, se pode odiar um homem. Quanto ao uso de termos tradicionalmente empregados de forma sexista, é uma importante e eterna luta contra os automatismos que nos foram incutidos durante a nossa educação.

Catharina disse...

Lola, esse cara tem umas piadas bem escusas, mas vi esse video dele e ri demais, porque não parava de pensar nos mascus: http://www.youtube.com/watch?v=qqXi8WmQ_WM
Não sei se a intenção dele era realmente de zoar os mascus especificamente, mas claramente a intenção era zoar misóginos, que veem mulheres como objetos.

Sara disse...

Alguns falaram e se fosse o contrario, a mãe dela saindo de casa para ficar com o amante?
Isso aconteceu comigo qdo era bem jovem, e fiz até bem pior q a "S", me voltei contra minha mãe, fiquei muitos anos sem falar com ela, engraçado q nem me passou pela cabeça condenar o cara que foi o terceiro marido da minha mãe, embora eu não falasse com ele tb.
Com o tempo depois que muitos cuspes que eu dei pra cima, cairam bem no meio do meu nariz, eu mudei muito minha opinião sobre o casamento, sobre a minha mãe.
E entendi que tanto homens como mulheres são seres humanos bem passiveis de falhas, e que exigir ou esperar deles que se comportem dentro um esquemas rigidos que não dão margem aos sentimentos de cada um, é muito mais cruel do que ferir alguns sentimentos.

Anônimo disse...

"E isso não significa que Friedan era a favor da violência doméstica, ou mesmo da tolerância à violência, ou que Naomi defende assédio. Só significa que, em algum momento da vida, elas, como todxs nós, fizeram escolhas erradas."

Discordo que elas fizeram escolhas erradas.

Luci

Gabriele Albuquerque Silva disse...

V., o Freud era machista em vários pontos mesmo. Mas acho que até dá pra dar um desconto pra ele, pelo contexto sócio-cultural que ele vivia. O problema são os psicanalistas que querem transpor integralmente uma teoria construida para o final do sec. XIX no séc. XX, sem considerar os avanços que a psicologia teve e as mudanças sócio-culturais do último século. Esses sim são os piores machistas na minha opinião

André disse...

Anônimo 21:17,

O Kibeloco é um site de humor, não de militância. E mesmo que fosse, eu aprendi aqui mesmo que ninguém tem direito de pautar a luta alheia.

Nivaldo Brás disse...

Certíssima, anonima das 00:16. Acrescentou divinamente mais uma observação fervorosa ao que sempre falo. As feministas parecem que tem um viseira que só direciona a visão para um lugar. Não olham ao redor. Moro numa cidade pequena mas é incrível a quantidade de mulher que se aproveita do marido, principalmente financeira. Tenho um colega que descobriu um caso de sua mulher com um cara depois que o mesmo faleceu, pois, a ex, não parava de chorar e se lamentar. Foi ligando os pontos e descobriu.O cara trabalha direto da manhã a noite. Como DEVO chamar essa mulher? De FEMINISTA LIBERAL? Outro caso foi que o marido teve um derrame. Como não queria cuidar a "FEMINISTA LIBERAL" abandonou sem olhar para trás. E o cara sempre trabalhou. Hoje vive a míngua. Mais um exemplo? Claro. Outro também trabalhador do setor do comércio, por azar, passou seus bens para o nome da FEMINISTAS LIBERAL e agora ela faz coleção de amantes. Bem pelo menos esse foi castigado pois deixou a esposa anterior. Mas de qualquer forma deixou-a bem financeira. Vamos FEMINISTAS LIBERAIS Falem. O homem mascu mata fisicamente, concordo, mas "FEMINISTAS LIBERAIS" acabam com PSIQUE. O que é MUUUUUIIITOOO pior. E dai o cara faz m**da. e colocam a culpa nos homens por serem trogloditas.

Priscila disse...

Anon das 20:05

Simplifique para você, então. Ninguém aqui está interessadx na sua "simplicidade" (rs).

Não sou blasê disse...

Sentimentos como raiva, ódio, inveja não são nada nobres. Creio que é possível transformá-los. Mas sem sombra de dúvidas é possível "descarregá-los" de conotações misóginas e afins.

A atenção na hora de expressar sua raiva e descontentamento com quem quer que seja, torna possível despersonalizar sua ira. Chama-me de aproveitadora (uma pessoal que não mede esforços para conseguir benefícios materiais), mas não de algo que tenha uma conotação de gênero.

Excelentes colocações e reflexões desse post.
Nem acredito que só descobri esse blog há uma semana atrás.

Bom é que tenho muita coisa pra ler. :)

Obrigada.

Anônimo disse...

Descobrimos a pouco tempo, que meu pai teve um longo relacionamento com uma colega dele trabalho, quando ainda estava morando em casa, casado com minha mãe, digam o que quiserem, mas na boa ele morreu para mim.:(

Jac disse...

O que eu achei pior dessa história toda é você ficar super na boa com seu pai, morando com ele e tudo mais.

Se eu fosse sua mãe, teria surtado mesmo. Meu marido me trai por anos, me expulsa do apartamento onde vivi e coloca a amante no lugar E ainda por cima minha filha fica do lado dele.

Se a amante "paga tudo com sexo", seu pai trocou a família pelo prazer do pênis dele.

suelen disse...

a culpa é dos dois, a maior parte é do seu pai,que devia respeitar a sua mãe.
mas a amante tem culpa sim,saiu com ele mesmo sabendo que ele era casado.
os dois não valem nada.

a única vítima é a sua mãe,que além de ser traída,tinha que aguentar essa mulherzinha asquerosa xingando ela.

Anônimo disse...

"A amante ligava pra minha mãe e a xingava" - ela é uma canalha mau carater q sente prazer em humilhar sua mae. nao vale nada, nao por ser mulher, mas por ser má.

"minha mãe é meio louca, histérica, dramática, e a convivência com ela é bem espinhosa." - eu imagino. ha pessoas cuja convivencia é dificil mesmo. mas ja parou pra pensar COMO sua mae se tornou essa pessoa? olha o TANTO de humilhaçao q ela sofreu por causa do seu pai, cara... ela nao precisa do seu julgamento, ela precisa do seu apoio. vc tenta conversar com ela de cabeça fria e faça ela enxergar quando estiver sendo exageradamente dramatica. pensa friamente se ela tem algum motivo pra ser dramatica, talvez ela precise fazer terapia, pq vc sozinha nao tem obrigaçao de curar os traumas de um casamento falido.

"além de ela achar que todo dia era dia de festa e transformar tudo numa zona, ela roubou o cartão de crédito dele mais de uma vez e gastou fortunas. Eles acabaram brigando, ela saiu de casa, mas adivinha? Ele alugou uma casa pra ela e ela segue sendo sustentada e levando vida de madame, só que agora morando em casas separadas" - se ele continua sustentando ela, faz parte do combinado entre eles. talvez eles ainda sejam amantes. isso é problema deles.

ela é a vagabunda q troca sexo por dinheiro. e seu pai é um velho babao que compra sexo com dinheiro. mas até aí isso é problema deles, não seu. se ela "rouba" o cartao de credito e ele nao faz nada, é pq esta dentro do acordo tacito deles. ela compensa com uma boa chupada e uma inflada no ego dele, logo ele concorda com a zona e as gastanças dela, logo nao é roubo. ela nao esta enganando ele, eles simplesmente tem um estilo de vida diferente do q vc considera bom

você ja é maior de idade, seu pai nao tem obrigaçao de te sustentar. se você ta preocupada com o seu patrimonio, herança, sei la, pode tentar interdita-lo, mas duvido que algum juiz aceite, ja que a maioria das pessoas acha normal que um homem gaste todo o seu dinheiro comprando sexo. voce pode tentar negociar com seu pai tambem, pra que ele adiante sua parte da herança. pode combinar uma "pensao", pedir pra ele pagar um apt em outro lugar pra voce, enfim. mas a questao é q ele nao tem obrigaçao de te sustentar e se ele quiser, pode torrar todo o dinheiro com prostitutas. as pessoas acham q familia é uma instituiçao sagrada q sempre zelara por seus membros, mas nao é assim. familia é uma instituiçao falida. oq nos une nao sao laços de sangue, mas carinho e principalmente respeito. se seu pai te ama e se preocupa com voce, ele nao vai querer te ver morando debaixo da ponte e vai te ajudar de alguma forma. se vc ja tiver condiçoes financeiras de se bancar, ele pode lavar as maos e continuar gastando tudo com a amante.

"Eu sei, RACIONALMENTE, que meu pai é que deveria respeitar minha mãe e zelar pelo matrimônio, mas todo o ódio que sinto dessa situação é direcionado a ela." - nesse ponto, vc está sendo muito machista. corrija-se. seu pai é tao culpado quanto a amante pelo constrangimento que sua mae e voce passaram. nao pq ele se envolveu com outra mulher e ela com ele. eles sao livres pra fazer isso. mas por terem exposto sua mae ao ridiculo e atormentado ela até q ela saisse de casa. vc diz q foi a amante q fez isso, mas se seu pai nao fosse conivente, nao teria alimentado.

por sinal, voce pouco falou de como esta sua mae. como ela esta vivendo? como ela esta se sustentando? ja arrumou um emprego? seu pai a ajuda? antes da separaçao, ela trabalhava? se ela era dona de casa, ela pode pedir na justiça uma pensao pro seu pai, ja q ela dedicou 20 anos da vida dela pra cuidar da familia, oq permitiu q ele pudesse se dedicar ao trabalho e juntar o patrimonio q agora ele gasta com a outra.

Livia Siqueira disse...

Eu concordo que seja machismo chamar a amante do pai de vagabunda, mas tem um porém que eu não vi nenhum dos comentaristas levar em consideração e eu acho que minimiza um pouco a situação: o verdadeiro canalha da história é PAI da S. E, pelo visto, um pai de quem ela gosta muito, a ponto de preferir viver com ele a viver com a mãe.
Não acho que o machismo da S. esteja em achar que as amantes é que são as vagabundas, mas em minimizar as ações do pai, NÃO POR ELE SER HOMEM, mas por ser pai dela, entendem?
Ela está descontando na amante pq o pai é uma pessoa que ela ama. E é mais fácil descontar em alguém que vc não conhece.
Não que isso justifique o uso da palavra vagabunda, mas eu entendo perfeitamente pq toda a raiva foi dirigida à amante.

Sara disse...

NIvaldo Bras vc se esmera em demonstrar o quanto é prejudicado intelectualmente, seus comentarios não dão sequer pra se aproveitar para rirmos um pouquinho.
Da pra sentir daqui o mal cheiro do seu cerebro apodrecido pelo machismo decadente.

Anônimo disse...

Tá rolando por aqui um boicote ao Nivaldino?!
O coitado vem aqui pra falar besteira e ninguém responde?! Pobre dele, gente. Vai ter que tratar a PSIQUE depois de ser sumariamente ignorado! E isso, segundo o próprio, é pior que assassinato!

Nivaldo Brás a seu Dispor disse...

Fico tranquilo em ser ignorado. Quem tem coragem de ler o que eu falo sente que falo a realidade que vocês feministas destoam. Para vocês, feministas, qualquer coisa que seja escrita por mais banal que seja mas que tenha um elogio as "feministas" vira uma obra prima da literatura. Como eu falei várias vezes. As feministas tem origens em FRUSTRAÇÕES da vida a dois. Acho que tem feministas que escrevem aqui ESCONDIDO de seus provedores. E se um deles pergunta o que estava fazendo na net responde: "Tava procurando receitas, meu amor/paixão/minha vida entre outras. Como eu disse é bonito na ficção esse mundo das feministas. Pena que é ficção. Acordem, meninas. O patriarquismo que ainda faz esse mundo andar. Tem violência contra as mulheres, tem, mas é só as mulheres escolherem MELHORES seus parceiros, não se jogando em qualquer um que as ache legal. E lembrando que o homem que direciona a vida a dois tudo vai mais tranquilo. Para vocês e para nós. Por isso acordem, meninas!

lola aronovich disse...

Pô, gente, quem foi que disse que o Nivaldo não é engraçado? Tive um ataque de riso aqui com esse último comentário. Aprendi que nós feministas temos provedores (porque, né, ninguém avisou os mascus que mulher hoje em dia trabalha) e que, ainda por cima, estamos na net sem que o nosso provedor saiba. É verdade, gente! Este blog inteiro é feito sem que meu provedor Silvinho saiba. Quando ele olha na direção do meu monitor, eu coloco rapidinho um site de receitas, pra disfarçar. Ahauahuahauahauauahauauauaushahsha.Muito bom, Niva! Vc está melhorando.

aiaiai disse...

o meu provedor de internet sabe tudo o que eu faço kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

livia disse...

a única coisa que tenho a comentar sobre isso é: procurem o pitel do george pettit no google imagens.
http://www.punknet.com.br/wp-content/uploads/AOF-FAREWELL-ADMAT1.jpg

Mirella disse...

Olha, eu nunca liguei para a NET para contar o que eu faço na internet, Nini. Nem eles nunca me ligaram com aquela gravação automática pedindo para eu pressionar 2 se estivesse fazendo sexo virtual, 3 "procurando receitas com alimentos afrodisíacos", 4 "assistindo um pornozin feminista", 5 "baixando Fringe" ou 6 falar com um atendente.
Você recomenda um provedor melhor para mim? Porque tenho 10mb na NET e olha que até cumpre, viu.
Aai, Nini. O que seria de mim sem você?

Mirella disse...

E poxa, Nini. Eu já conversei com você. Entendo que você escolha fingir que não aconteceu, porque provei que você estava errado, mas mesmo assim. Não te boicotei #chatiada

Bizzys disse...

Perguntinha: só eu leio os comentários do Nivaldo e lembro do Pàçaro da Dislexia? =D

Mayara disse...

Nivaldo, vc não cansa de ser chato??? Credo! Que mala!

Ártemis disse...

Se eu fosse avaliar os homens pelos comentaristas que assinam com nomes masculinos na Lola, diria que vocês são todos idiotas.

Mentira. Tem uns 3 que são bacanas e gente boa. Beijo procêis.

Anônimo disse...

PARA Nivaldo Brás a seu Dispor

Caro Nivaldo.
Mais que um clássico(e RIDÍCULO) mascu, vc é um grande palhaço,kkkkkk.
Se as feministas surgiram de frustações, vcs mascus misóginos surgiram do que? deixa eu...acho que da merda, mesmo,kkkkkk.
Meu marido não sabe que jogo videogame, dirijo carro melhor do que ele, trabalho(e ganho muito bem, contrariando sua tese babaca de "provedor",kk), etc. Coitadinho! Tenho que mudar meus endereços de site sobre carros, hqs e games para: moda, maquiagem e receitas(caso não tenha percebido, fui sarcástica, veja o significado de "sarcasmo" no dicionário pq inteligência não é o teu forte).
"O patriarquismo que ainda faz esse mundo andar",kkkkkkkkkk
Pergunte isso aos habitantes do: Congo, Índia, Somália, Irã, Arábia Saudita, etc, países altamente MISÓGINOS e intensamente MISERÁVEIS, pra ver o que eles te dizem sobre "patriarcalismo"(assim que se escreve, viu seu ignorante?).
"Tem violência contra as mulheres, tem, mas é só as mulheres escolherem MELHORES seus parceiros, não se jogando em qualquer um que as ache legal."
Meu primeiro marido era: educado, gentil, um grande médico, evangélico, sustentava mãe, pai e irmãs. Resultado? Tive que mudar de estado pra fugir dele! O homem era um completo louco(e mal caráter tb), vivia arrumando mulheres na rua e ao mesmo tempo achava que eu o traía(fui fiel até o momento do divórcio), me agredia verbalmente(e tentou fisicamente, mas não deixei) e por final tentava atrapalhar meu trabalho(sou arquiteta).
Então meu caro imbecil que não sabe NADA de mulher, não seja leviano e insinue que são as mulheres que se jogam nos braços de qualquer um! Ele era o "genro perfeito", o "Marido perfeito" e tornou minha vida...um inferno!
Não é só o homem que direciona a vida a dois. O que deve existir entre homem e mulher é uma PARCERIA, não um DOMÍNIO de um sobre o outro.
Quando o homem "manda", "direciona", etc, é porque considera que a mulher é uma "coisa", "um animal" que deve ser guiado.
Meu primeiro marido "direcionava" nosso casamento e eu era infeliz, deprimida, com baixo alto estima e já tinha tentado suicídio.
Meu segundo marido é um homem incrível inteligente, bem humorado e nossa vida em comum é parceria, e agora sou feliz de verdade.
Parceria é boa pra vocês e pra nós. Acordem meninos(afinal meninos muitos são, poucos podem dizer que são homens, o que NÃO é o teu caso que não passa de um moleque mimado filhinho da mamãe).

Sawl - The Rebel

Ju disse...

"Nivaldo Brás", eu disse pra você trocar esse nick idiota, você inventou uma desculpa e não obedeceu.

Viu o que deu?


Agora ninguém te leva a sério e vc ganhou pelo menos 2 apelidos ridículos. tsc tsc

Priscila disse...

Eita, Nini, como assim o meu provedor não sabe que estou na net?

Se é justamente o meu provedor que me dá acesso à net?

Tipow, eu tive de dar nome, endereço e telefone de contato quando me cadastrei no provedor... vc não?

Agora, se o teu provedor te rastreia CADA VEZ que tu entra na net, tem que ver isso aí, meu... é um caso de invasão de privacidade e tu pode processar os caras...

(Ironia mode off. É bom avisar porque o Nini não parece ser do tipo que entende ironia.)

Lord Anderson disse...

O homem mascu mata fisicamente, concordo, mas "FEMINISTAS LIBERAIS" acabam com PSIQUE. O que é MUUUUUIIITOOO pior."

Tai um dos comentarios mais umbiguistas e sem empatias que ja vi.

Sabe acho que as mulheres que foram agredidas, violentadas e mortas, bem como suas familias discordam só um pouquinho dessa sua afirmação escrota e desrespeitosas de que as mortes delas valem menos.


" E dai o cara faz m**da. e colocam a culpa nos homens por serem trogloditas."

Semana passada um homem atrapelou a ex-esposa que estava de moto, e depois avançou contra ela caida e a esfaqueou 30 vezes.

Não muito tempo antes um outro ex-marido (que ja estava num segundo casamento) não gostou de saber que a ex tb ia começar um novo relacionamento e contratou um grupo de caras para violenta-la e e espanca-la até a morte...

Na mesma semana outro ex matou a filha de 3 anos...

É o tipo de coisa que vc chama de "merda"? é oq vc diz é não é tão ruim quanto mascus terem seus egos frustados?

vc realmente consegue falar uma merda dessas e não se sentir mal?

É tão boçal e egoista que corre pra defender agressores e assassinos só por raiva das feministas?

Pelo jeito sim, então parabens, vc é m escroto da pior especie.

Nivaldo Brás disse...

Anonima das 22:02, Meus Deus, que loucura! Isso prova mais uma vez que é das frustadas que surgem a maioria esmagadora das feministas. Você provou que mulheres não vivem sem uma barra de calça. Largou um e já foi correndo achar outro e por "sorte" achou um gente boa. Será? Ou só esta dizendo isso para não admitir um segundo erro na vida.Ah! Conheço mulheres que casaram de novo, mas tem vergonha de admitir que erraram novamente. Quanto ao provedor eu me refiro ao marido, esposo ou companheiro. Quanto a Ju meu nome é esse."JU" Isso é nickname? Mulher apaixonada é cega, mascu cura isso e depois ficam frustadas.
Não sou a favor das mortes das mulheres. Como eu disse... Sou contra violência contra seres FRÁGEIS. Eu MIMANDO? Quanto tempo ficou sozinha? Um dia Uma semana? Uma hora? Foi no primeiro que apareceu. Muito da violência seria evitada se as mulheres soubessem fazer melhores escolhas de homens.

Ma disse...

Lola,
Sei que vou desviar um pouco do assunto do post, mas seu comentário sobre o uso da palavra "histérica" me lembrou o episódio dessa semana de The Big Bang Theory. Não sei se você já assistiu, mas essa é uma série que eu acompanho desde o começo. Pessoalmente, achava ela mais engraçada no começo, quando era novidade. Hoje acho que eles focam muito nos esteriótipos... Quer dizer, sempre foi forrado de esteriótipos (a loira burra, os cientistas nerds que não sabem lidar com mulher...), mas acho que, depois de 6 temporadas, as piadas vão perdendo a graça e esse plano de fundo vai ficando mais óbvio. É uma daquelas séries que eu continuo assistindo por força de hábito, mas há bastante tempo não me faz rir alto...

De qualquer maneira, especificamente no episódio dessa semana, o 15o da 6a temporada, aconteceu um diálogo entre dois personagens principais que me deixou de queixo caído. Durante uma briga, um vira para o outro e diz "Are you gonna have another one of your hissy fits?" e emenda dizendo que tem uma teoria sobre isso. Ele explica que o outro personagem, por ter intolerância à lactose, substitui o leite de vaca pelo leite de soja. Por sua vez, a soja possui componentes que imitam o estrogênio e, por isso, o leite de soja o está transformando em uma... mulher histérica! Eu nem estou parafraseando: ele realmente usa as palavras "hysterical woman".

Junta-se isso a outra cena em que dois outros personagens têm um momento muito gordofóbico (a mãe de um deles nunca aparece em cena, mas sabemos que ela é extremamente obesa. Aí esse filho diz que ela está muito deprimida porque o namorado que ela tinha terminou com ela. Ele usa a expressão "dumped her" e o outro diz "What did he use? A forklift?" (a piada só tem "graça" em inglês). O filho faz uma expressão desconfortável e o piadista para de rir e diz "Desculpe. Obesidade mórbida não tem graça nenhuma." Mas o filho emenda imediatamente "Ela é enorme! Foi engraçado, sim!" e os dois riem juntos.

Olha, Lola, considerando que essas foram as duas primeiras cenas do episódio, minha vontade foi desligar e desistir da série de vez. Se esse é o tipo de piada que eles acham engraçada, acho que gasto melhor meu tempo deitada na minha cama olhando para o teto...

Ju disse...

"Não sou a favor das mortes das mulheres."

Ufaa, sabia que vc era um cara legal, Niva! (Mais um apelido ridículo pra vc, que fique de lição.)

Cora disse...

na boa, niva

quem tá dando pinta de frustrado aqui é vc.

já notou como os relacionamentos da mulheres te perturbam?

qual é o problema? tá difícil descolar um capacho que caia na tua conversa mole hj em dia?

deal with it.

Cora disse...

o q o niva disse:

"Muito da violência seria evitada se as mulheres soubessem fazer melhores escolhas de homens."

.
.

o q o niva quis dizer:

[tecla SAP on]

me escolhe! me escolhe!

ó, tô com o braço levantado!

me escolhe! me escolhe!

aqui ó! eu sou legal!

me escolhe!

[tecla SAP off]

.
.

é, niva...

a vida é dura pra td mundo! desiste, não!

Anônimo disse...

Vou relatar uma coisa que aconteceu ontem. Minha namorada usou violência física comigo. Nunca aconteceu antes. Mas e daí? Isso faz diminuir a dor? Eu e ela fomos beber com nossas amigas e tivemos uma briguinha boba. Chegando em casa, no banco traseiro do carro da nossa amiga, eu fui infantil, insisti que queria ficar mais tempo me divertido. Ela não queria. Começamos a nós ofender, foi bem cruel. Então ela avançou no meu rosto, puxou meu óculos. Eu empurrei ela forte, gritei pra ela nunca mais encostar a mão em mim. Quando entramos em casa eu vi o estrago, meu rosto estava sangrando, todo arranhado. Ela bêbada insistiu que a culpa de ter me batido era minha. Senti ódio, mas senti culpa também. Como se livrar desse sentimento de culpa, de se achar responsável, sem ser? Hoje ela me pediu perdão. E o que aconteceu? Eu, feminista a anos, que luto contra todo esse sistema, acabei desculpando. Ela tá chorando, arrependida, envergonhada. E eu sei que não deveria aceitar continuar nessa relação. Mas algo me prende. O que? Não sei. Hoje questionei toda minha luta. Me sinto menos mulher, menos digna. De fato acho que eu sou.
Acho que ninguém vai ler isso, mas só de escrever me sinto melhor.
A.S.P.

Anônimo disse...

Ah, guria... Li, sim. Li e lembrei de uma situação passada na qual ocorreu algo bem parecido comigo. No meio de uma discussão ridícula, levei um puta tapa na cara de um namorado. Virei as costas e fui pra casa. No outro dia: mimoso chorando copiosamente, ME CULPA pelo ocorrido e (acho que para me fazer sentir melhor) me cita mais 3 ou 4 gurias com as quais ocorreu a mesma coisa. Um alarme devia ter soado, né?
Tentei perdoar, esquecer, eu achava que amava esse cara! Passei mais 5 meses com ele, me sentindo um lixo por ter tolerado algo tão cruel, a relação tava indo pro espaço quando tudo terminou, de uma forma bem pior: um hematoma enorme no rosto, após eu anunciar o fim. Desse soco eu acho que tive culpa: eu já podia esperar que a história fosse se repetir!
Gata, pode até ser difícil de pôr um basta em uma relação, mas acho mais difícil ainda conviver com a humilhação de ser agredida e o risco de ver isso se repetir!
Desejo-te força para pôr um basta, ou para procurarem ajuda juntas para superar esse fato, se julgares que mesmo assim valeria a pena permanecer nessa relação.
Julia

Bruna disse...

Olha, super normal você sentir uma raia absurda da amante do teu pai, e querer matá-la, e destruí-la, etc. A gente sempre sente raiva de quem nos faz mal, e essa mulher realmente te faz sentir mal, fez muito mal à sua mãe, etc.

Só acho curioso que nessa brincadeira o safado de verdade, que é o pai, não foi fonte de nenhuma raiva, né? E quem fez mais mal foi ele! O cara aceita de bom grado que uma qualquer destrate, humilhe e persiga a mãe da filha dele, que aturou as safadezas dele por anos, e é da amante que você sente raiva? Filha, acorda, se não fosse com ela, ia ser com outra. Homem que faz o que o seu pai fez geralmente não tem uma amante só.

Outra coisa, tua mãe pode ser uma pessoa difícil pra caramba, mas também não é nada fácil passar pelo que ela passou e manter a serenidade.

Anônimo disse...

Concordo com a Julia, A.S.P.
Eu acho que bater no rosto é uma coisa muito séria. Às vezes eu até já empurrei alguém com raiva, ou bati no braço de alguém que estava me pegando sem eu querer, mas bater no rosto da pessoa é muito grave. Não dá pra manter uma relação com uma pessoa que faz isso.

Anônimo disse...

Sawl - The Rebel


PARA Nivaldo Brás

Vc é um homenzinho ridículo, mal amado e digno de pena.
Não ter nenhuma empatia com uam mulher que sofreu algum tipo de violência e ainda JULGÁ-LA por que tá refazendo a vida é muita falta de compaixão e caráter da tua parte.
Meu segundo marido é um homem maravilhoso e o tempo do qual o conheci NÃO é da tua conta!
Aposto que é do tipo de homem machista que vive traindo a namorada(coitada) com GP, mas se vê uma mulher que era traída, humilhada e agredida refazendo a vida invés de parecer em "páginas policiais" como vítima de HOMICÍDIO, aí isso é uma afronta à sua cretinice!
Sinceramente to me lixando pro seu julgamento contra mim, vc é um homenzinho infeliz que odeia as mulheres. Morra conteu preconceito!


Sawl - Still Rebel

Ju disse...

Podia ficar sem essa, hein Nivaldo?

Verônica disse...

Ainda bem que eu tinha guardado esse post nos favoritos e deixei pra ler só hoje.

Sou militante da Marcha Mundial de Mulheres, e cyberativista também (eu não tenho um blog ainda, mas milito postando no facebook, no twitter, e discutindo com muitas pessoas, inclusive tenho conhecido e criado laços com várias dessas pessoas), o feminismo é muito sério pra mim, assim como a militância contra racismo/homofobia/transfobia/ etc. Me sinto muito responsável o tempo todo, essa história de que o que fazemos no nosso cotidiano é fazer política, é muito viva pra mim, eu levo isso muito a sério e fico achando que se eu falar qualquer besteira ou deixar de falar alguma coisa, eu estou literalmente perpetuando as coisas que tanto odeio, que tanto luto contra, coisas pelas quais eu tô sacrificando meu dia-a-dia, dando minha energia pra me engajar e engajar outras pessoas das mais diferentes formas. Pois bem, tenho evoluído cada vez mais em ter coragem de desafiar as pessoas e desconstruir as coisas machistas que elas falam, tanto que meus amigos já sabem como eu sou, e muitos, para o meu orgulho, passaram a prestar muito mais atenção no machismo nosso de cada dia, graças à minha sempre argumentação; porque eu sempre desafio o que eles falam e sempre explico tudo pra eles. Mas, às vezes, fico quieta quando alguém fala uma coisa muito grave, ou pior, às vezes falo, sem querer, besteiras que vão completamente contra meus princípios. Quando isso acontece, eu me sinto uma merda, um lixo inútil, fico enjoada, com vontade de chorar o dia inteiro, e às vezes mais de um dia. Fico com vontade de morrer.

Pois bem, hoje é um desses dias. No meu curso de inglês, meu professor começou a puxar um assunto sobre mulheres dirigindo, dizendo que mulheres não tem habilidades necessárias biológicamente, pra dirigir bem. Como o papo era diferença de biologia entre homens e mulheres, eu disse, inocentemente achando que eu estava atenuando as coisas, que eu já tinha lido/visto por aí, que os homens tem uma noção melhor de espaço, mas a minha intenção era dizer que isso não quer dizer em absolutamente nada que a mulher não possa aprender a dirigir perfeitamente e/ou melhor que eles! Pois bem, lógico que deu tudo errado, dizendo isso eu corroborei para uma das sabedorias mais clichês do machismo: "mulher no volante, perigo constante", daí ele falou que homens são ruins em multi-tasking, e qnd eu tentei resgatar falando que mesmo que essas diferenças existam em algum lugar do nosso cérebro, nós podemos desenvolver qualquer habilidade e isso depende de cada um, ele começou a falar que se a mulher dirige bem e o cara é bom em multi-tasking é pq, respectivamente, tem um lado masculino e um lado feminino forte. Enfim, foi um show de horrores. Eu tô me sentindo um lixo, uma hipócrita, e não sei como isso foi sair da minha boca. Tava doida pra desabafar com alguém que me entendesse. O post me fez bem, e as palavras do comentário da Vivi, que disse que "feministas não são seres sem contradições" também fez bem pro meu coração. Mas ainda me sinto muito mal, e vai demorar a passar. Eu penso muito a longo prazo, tenho tendência a me culpar demais, e fico logo imaginando as pessoas da minha turma, já espalhando por aí, e tomando pra própria vida deles, que mulher não pode dirigir bem. Eu tive a chance de desconstruir isso, e na verdade eu colaborei, logo eu. Loucura. Enfim, é isso, ainda preciso de uma palavra reconfortante, essa vai demorar a passar. Obrigada por esse ótimo post, importamtíssimo. Achei ótimo a A.S. ter mandado esse email, mostra como ser bem-intencionadx e estar em eterna formação para viver de acordo com as próprias idéias, faz toda a diferença.